Havia um peixe que se chamava Robalo e tinha um neto. Todas as noites lhe contava uma história



Baixar 11.72 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho11.72 Kb.
Peça de teatro de fantoches

Havia um peixe que se chamava Robalo e tinha um neto.
Todas as noites lhe contava uma história.

(NETO): Avô, conta-me a história do petroleiro.

(AVÔ): Bem se tu insistes...  (depois de uma pausa, começa assim:)

Certo dia,  viajei  pelas profundezas do oceano. Estava um dia lindo, mas de repente...  escureceu.

Os peixes assustados, começaram a fugir e comentavam:

(PEIXES): Está a acontecer alguma coisa! Está a ficar tudo escuro?!

(CARAPAU): Serão as nuvens? Será um eclipse?

(MOREIA): Não sei mas o melhor é "pormo-nos a milhas".

(AVÔ): Não concordo! Eu vou ver o que é que se passa.

À tona da água, os peixes respiravam já com dificuldade, enquanto uma gaivota gulosa olhava as suas presas.

(GAIVOTA): Ai que belo petisco! Mas que cheiro esquisito! Será que os carapaus mudaram de perfume? E que mau aspecto!

Virando-se para os peixes:

(GAIVOTA): Foram contratados para a brigada de limpeza dos esgotos?

(PEIXES): Não gozes connosco! Estamos quase a morrer; já mal conseguimos respirar. Até tu corres perigo! Tu que voas podias investigar junto dos humanos.

(GAIVOTA): Vou já.

Mudança de cenário

Chegada à praia, a gaivota dirige-se a um pescador:

(GAIVOTA): Francisco, meu velho amigo, o que é que se passa no mar?

(FRANCISCO): Uma desgraça muito grande, amiga gaivota: um barco está a derramar petróleo nas nossas águas.

O pescador dirige-se a correr para o nadador-salvador e pergunta-lhe:

(FRANCISCO): Pede ajuda, rápido!

(NADADOR-SALVADOR): Temos que avisar a Guarda Costeira.



Entretanto chegam dois turistas.

(TURISTA Nº1): My God! What´s happening here?

Começaram logo a tirar fotografias e comentaram:

(TURISTA Nº2): "Os fish estan a morer!"

(PEIXEIRA): Mas agora o que me vai acontecer com 6 filhos para criar e sem peixe para vender.

De repente, chega o Presidente da Câmara.

(PRESIDENTE): Tenham calma, tenham calma, está tudo controlado.



E virando-se para o nadador-salvador diz em voz baixa:

(PRESIDENTE): Não bastam os problemas que nós temos, mais este para chatear.



Neste momento chega uma ambientalita.

(AMBIENTALISTA): Sr. Presidente, que medidas pretende tomar para combater a poluição?

(PRESIDENTE): Bom, já temos um anteprojecto que prevê a limpeza da praia, num prazo de um mês.

(AMBIENTALISTA): Não acha Sr. Presidente que isso é demasiado tempo?! Se não actuarmos,  a fauna e a flora marítimas  ficarão seriamente afectadas, bem como o turismo.

(PRESIDENTE): Desculpe, agora tenho que atender o meu telemóvel. Estou... sim, sim... é para já. Peço desculpa, mas chamaram-me para uma reunião importante.

(AMBIENTALISTA): Mas, Sr. Presidente, ainda não me respondeu! E já agora, de que forma pretende responsabilizar a empresa petrolífera?

(PRESIDENTE):  Com licença, tenho que me retirar.

(AMBIENTALISTA): Porque será que os políticos inventam sempre desculpas? Bem, já que não há Presidente, vamos entrevistar o Sr. Henrique, profissional de hotelaria. Sr. Henrique, que consequências negativas esta situação poderá acarretar para o seu ramo?

(SR. HENRIQUE): Estou certo que isto em nada vai contribuir para uma boa imagem da nossa terra, prevejo uma diminuição do número de turistas e, consequentemente, um aumento do desemprego.

Mudança de cenário

(NETO): Avô. morreram muitos primos nosso com este derrame?

(AVÔ): Muitos meus filho, mesmo muitos.

(NETO): E como é que o avô escapou?

(AVÔ): Já quase me julgava morto, quando chegaram uns homens de bata branca, que me levaram para um laboratório.

(NETO): E o que é que lhe fizeram?

(AVÔ): Não sei responder pois cheguei adormecido. Ao acordar vi-me dentro de um aquário, onde permaneci durante muito tempo.

(NETO): E como foi o teu regresso a casa?

(AVÔ): Foi muito complicado... deitaram-me de novo ao mar e este parecia-me irreconhecível: poucas algas, não encontrei os meus companheiros de volei aquático, foram tempos muito difíceis. Bem agora para terminar, ouve bem, esta lição:

P'ra natureza salvar é acabar com a poluição.



Fim do guião


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal