Hemorragia digestiva de causa incomum hemobilia relato de caso pietro Accetta 1



Baixar 18.59 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho18.59 Kb.
HEMORRAGIA DIGESTIVA DE CAUSA INCOMUM

HEMOBILIA – RELATO DE CASO
Pietro Accetta1

Fabiana L. Polycarpo Accetta2
I – INTRODUÇÃO
A hemorragia digestiva na sua definição mais simples e abrangente é a perda de sangue pelo tubo digestivo, de forma visível ou detectada por pesquisa de sangue oculto nas fezes, estando sua origem nas lesões em qualquer ponto da mucosa digestiva, situado, entre a boca e o ânus. Quando a fonte do sangramento localiza-se acima do ângulo duodenojejunal, estamos lidando com uma hemorragia digestiva alta e sua principal característica é a hematêmese, mas podendo apresentar, também, melena ; abaixo dele a hemorragia digestiva é considerada baixa, só se exterioriza pelo reto, seja em forma de fezes negras amolecidas e com mal cheiro, seja na forma de sangue vivo na dependência da intensidade da hemorragia, do trânsito intestinal acelerado ou do local de sangramento.

A hemorragia digestiva visível deve ser considerada sempre uma situação de alerta, e representa uma complicação de certas doenças ou agravante de condições clínicas como a insuficiência renal, a sepse e certos tipos de traumas graves.

As causas mais comuns, dependendo da região geográfica ou do grupo de pacientes estudados, são, a úlcera péptica gastroduodenal, as varizes de esôfago, as lacerações que caracterizam a síndrome de Mallory-Weiss, as lesões agudas da mucosa gastroduodenal e a doença diverticular do cólon. Outras doenças que podem causar sangramento digestivo são mais raras e, por isso mesmo, a hemorragia digestiva. é considerada incomum.

A hemobilia, que traduz o sangramento através do trato hepatobiliar, é uma causa rara de sangramento digestivo agudo. Deve ser considerada em pacientes com hemorragia digestiva e história recente de trauma hepático ou biliar recente, incluídas aí as biopsias hepáticas 1, colangiografia transhepática percutânea 2 e outros procedimentos sobre o fígado e vias biliares. Uma outra causa de hemobilia é o aneurisma da artéria hepática 3. A tríade clássica que a caracteriza inclui cólica biliar, icterícia obstrutiva e sangramento gastrintestinal, ainda que oculto. O presente relato se refere a um quadro de hemorragia digestiva expressiva, causada por aneurisma do tronco celíaco roto para o colédoco, que determinou grave hemobilia.



Os aneurismas viscerais constituem um grupo de doenças pouco descritas na literatura e, segundo Palumbo 4 não chegam a 0,2% da população geral. Nos últimos anos, o desenvolvimento crescente dos métodos de imagem têm possibilitado diagnosticar maior número de casos e modificar o perfil das observações clínicas, que no passado se baseavam mais em relatos de necropsias. Segundo Rodriguez-Camarero 5 a localização mais freqüente desses aneurismas é na artéria esplênica (60%), seguida da artéria hepática (20%) e da artéria mesentérica superior (5,5%); aqueles localizados no tronco celíaco são os mais raros e representam 4% de todos os aneurismas, com 118 registros na literatura, até 1995 6.
II – RELATO DE CASO
MAA, 53 anos, pardo, foi internado no HU Antonio Pedro com relato de hematêmese e melena, há quatro dias. Apresentava mucosas bem descoradas, icterícia ++/4 e sinais de hipovolemia; exibia massa pouco dolorosa palpável no abdome superior, fixa e pulsátil, com cerca de oito centímetros no seu maior diâmetro. Por ocasião da internação foi informado que tal massa tinha evolução de um ano e o diagnóstico era de pseudocisto de pâncreas e já fora internado para ser operado, o que só não aconteceu por que a massa desaparecera; relatava, ainda, que havia completado tratamento para tuberculose pulmonar há seis meses. Os exames de sangue mostravam um hematócrito de 11%, bilirrubina de 4,8 com predomínio da fração direta; as transaminases e enzimas pancreáticas estavam normais. A endoscopia digestiva alta suspeitou de hemobilia e o USom mostrou imagens ecogênicas, sem sombra, na vesícula biliar, alem de dilatação das vias biliares intra e extra-hepáticas alem de massa heterogênea hipoecóica na cabeça do pâncreas com 7,9 x 5,8 cm que sugeria pseudocisto pancreático; a tomografia computadorizada (TC) reforçou esse diagnostico (figura 1). O quadro clínico foi estabilizado, apesar de alguns episódios de sangramento, e iniciou-se preparo para cirurgia. No 10° dia de internação apresentou melena grave e choque hipovolêmico, obrigando a laparotomia de urgência. No ato operatório verificou-se que tratar de um aneurisma na região do tronco celíaco que se projetava para o pedículo biliar, com intensa fibrose perianeurismática e grande quantidade de sangue e coágulos nas vias biliares. As condições do momento só permitiram a ligadura de suposta artéria hepática e colecistostomia; o paciente evoluiu bem, permitindo novos exames para estudar o aneurisma. Uma nova TC mostrou imagem semelhante ao exame anterior; o EcoDoppler colorido fez diagnóstico de aneurisma do tronco celíaco, confirmado pela arteriografia seletiva. Foi submetido a nova laparotomia. Acesso à aorta abdominal e ao tronco celíaco, cujo reparo facilitou as manobras seguintes; observou-se que o clampeamento do tronco arterial interrompia totalmente o fluxo na massa pulsátil (figura 2). Após a dissecção dos ramos principais optou-se pela ligadura do próprio tronco e não foi realizada a esplenectomia. Com a massa aneurismática aberta foram retirados muito coágulos, material semelhante a cálculos biliares e identificada a fístula com o colédoco, que tinha quase 2 cm de tamanho (figura 3). O tratamento limitou-se a colocação de um dreno de Kehr através do orifício fistuloso, por dentro da massa, cujas paredes foram utilizadas para recompor a lesão coledociana. A tática adotada reduziu drasticamente o tempo operatório, já que evitou a difícil dissecção do colédoco e pedículo biliar e a necessidade de restabelecer o trânsito biliar através de trabalhosa anastomose bíleodigestiva. A evolução foi boa e a alta ocorreu no 15° dia; após 45 dias e com a colangiografia normal, o dreno biliar foi retirado. O estudo histopatológico da parede dessa massa foi inconclusivo; decorridos cinco meses da cirurgia o paciente encontrava-se bem e assintomático.
III – COMENTÁRIOS
Dentre os aneurismas esplâncnicos, 4% localizam-se no troco celíaco e, com freqüência, são assintomáticos. No passado, cerca de 80% deles eram operados de urgência em vigência de rotura, o que acarretava elevada mortalidade. Hoje, independente das maiores facilidades no diagnóstico, 20% dos casos ainda são operados de urgência, resultando numa mortalidade entre 25% e 70%, dependendo do local do aneurisma e das sua repercurssões sobre as vísceras abdominais 4,6; a mortalidade operatória dos aneurismas não complicados não ultrapassa 8% 7.

Trata-se de doença que atinge indistintamente ambos os sexos a partir dos 50 anos e estudos mostram que as causas mais freqüentes são a aterosclerose e a degeneração da camada arterial média 4,5, muito embora em 42% dos casos a etiologia seja desconhecida. No passado os aneurismas micóticos eram os mais freqüentes 5.

Os sintomas, quando presentes são vagos, mas a epigastralgia intensa acompanhada de náuseas e vômitos, pode ser atribuída a expansão do aneurisma cuja evolução pode determinar massa com sopro no epigástrio. Alem da rotura para a cavidade abdominal, podem ocorrer fístulas com o aparelho digestivo ou colédoco, alem de pancreatite por obstrução dos ductos pancreáticos. Em nosso paciente, alem da massa palpável, o sintoma mais evidente foi a grave hemobilia provocada por uma grande comunicação com o colédoco.

O tratamento é intervencionista, embora pequenos aneurismas possam ser acompanhados clinicamente. A escolha da operação depende da localização, tamanho, comportamento e das condições gerais do paciente; vai desde a embolização 4 aos mais diferentes tipos de abordagem cirúrgica: ligadura, rafia, aneurismectomia com by-pass ou reimplante do troco celíaco e uso de próteses 4,8.

No presente caso optamos pela ligadura do tronco celíaco após verificarmos que seu clampeamento interrompia totalmente o fluxo na massa aneurismática mas não comprometia a vascularização das vísceras intra-abdominais. Ao que parece, a ligadura do tronco celíaco raramente causa isquemia visceral grave, devido a grande capacidade que as artérias gastroduodenal e mesentérica superior têm de suprir a região, desde que não estejam comprometidas por alguma doença. A interrupção do fluxo no aneurisma facilitou, sobremaneira, a cirurgia, pois permitiu abrí-lo e localizar a fístula com o colédoco, que foi tratada simplesmente com a introdução de um dreno em T e aproveitamento da própria parede do aneurisma como teto do canal biliar, diminuindo consideravelmente o tempo operatório e o potencial de complicações, resultando num pós-operatório mais tranqüilo e numa alta hospitalar relativamente precoce face a gravidade do caso.
IV – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1 – Palumbo N et al – Problemi d’indicazione al trattamento degli aneurismi delle arterie viscerali. Minerva Chir 1995; 50: 747-55.

2 – Rodrigues-Camarero SJ et al – Tratamiento quirúrgico de un aneurisma del tronco celíaco y artéria hepática. Angiologia 1993; 4:125-30.

3- Terrinoni V et al – Aneurismi del tronco celíaco: revisione della letteratura e descrizione di um caso clinico. Giorn Chir 1995; 16:191-4.
4- Marre P, Salomon L – Traitement chirurgical des anévrismes du tronc coeliaque. A propos d’un cas. Chirurgie 1991; 117:89-95.

5 – Savader Sj et al – Hemobilia after percutaneuos transhepatic biliary drainage: Treatment with transcatheter embolotherapy. J Vasc Interv Radiol 1992; 3:345.

6- Liou TC et al – Liver abscess concomitant with hemobilia due to rupture of hepatic aetery aneurysm: A case report. Hepatogastroenterology 1996: 43:241.

7- Couninhan TC et al – Acute cholecystitis resulting from hemobilia after Trucut biopsy: A case report and brief review of the literature. Am Surg 1996; 62:757.

8 – Quindalle P et al – Anévrisme du tronc coeliaque. Aspects clinique et thérapeutique. J Chir (Paris) 1986; 123: 210-1.
1 – Professor Titular de Cirurgia Geral – Faculdade de Medicina da UFF

Chefe do Serviço de CirurgiaGeral I do HU Antonio Pedro

2 – Pós-Graduanda (4° ano) em Radiologia – Instituto de Pós-Graduação Carlos Chagas

figuras

Fig. 1 – TC pré-operatória mostrando massa retroperitoneal; diagnóstico de pseudocisto pancreático



Fig. 2 – Massa aneurismática (A); tronco celíaco laçado






Fig. 3 – Aneurisma aberto e fístula para o colédoco ao fundo; explorador biliar no segmento proximal.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal