Hercilio maes obras de ramatis



Baixar 1.51 Mb.
Página1/35
Encontro06.08.2016
Tamanho1.51 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   35
RAMATIS

A VIDA NO PLANETA MARTE


Obra psicografada por

HERCILIO MAES

OBRAS DE RAMATIS .



  1. A vida no planeta marte Hercílio Mães 1955 Ramatis Freitas Bastos

  2. Mensagens do astral Hercílio Mães 1956 Ramatis Conhecimento

  3. A vida alem da sepultura Hercílio Mães 1957 Ramatis Conhecimento

  4. A sobrevivência do Espírito Hercílio Mães 1958 Ramatis Conhecimento

  5. Fisiologia da alma Hercílio Mães 1959 Ramatis Conhecimento

  6. Mediunismo Hercílio Mães 1960 Ramatis Conhecimento

  7. Mediunidade de cura Hercílio Mães 1963 Ramatis Conhecimento

  8. O sublime peregrino Hercílio Mães 1964 Ramatis Conhecimento

  9. Elucidações do além Hercílio Mães 1964 Ramatis Conhecimento

  10. A missão do espiritismo Hercílio Mães 1967 Ramatis Conhecimento

  11. Magia da redenção Hercílio Mães 1967 Ramatis Conhecimento

  12. A vida humana e o espírito imortalHercílio Mães 1970 Ramatis Conhecimento

  13. O evangelho a luz do cosmo Hercílio Mães 1974 Ramatis Conhecimento

  14. Sob a luz do espiritismo Hercílio Mães 1999 Ramatis Conhecimento




  1. Mensagens do grande coração America Paoliello Marques ? Ramatis Conhecimento




  1. Evangelho , psicologia , ioga America Paoliello Marques ? Ramatis etc Freitas Bastos

  2. Jesus e a Jerusalém renovada America Paoliello Marques ? Ramatis Freitas Bastos

  3. Brasil , terra de promissão America Paoliello Marques ? Ramatis Freitas Bastos

  4. Viagem em torno do Eu America Paoliello Marques ? Ramatis Holus Publicações




  1. Momentos de reflexão vol 1 Maria Margarida Liguori 1990 Ramatis Freitas Bastos

  2. Momentos de reflexão vol 2 Maria Margarida Liguori 1993 Ramatis Freitas Bastos

  3. Momentos de reflexão vol 3 Maria Margarida Liguori 1995 Ramatis Freitas Bastos

  4. O homem e a planeta terra Maria Margarida Liguori 1999 Ramatis Conhecimento

  5. O despertar da consciência Maria Margarida Liguori 2000 Ramatis Conhecimento

  6. Jornada de Luz Maria Margarida Liguori 2001 Ramatis Freitas Bastos

  7. Em busca da Luz Interior Maria Margarida Liguori 2001 Ramatis Conhecimento



  1. Gotas de Luz Beatriz Bergamo 1996 Ramatis Série Elucidações



  1. As flores do oriente Marcio Godinho 2000 Ramatis Conhecimento



  1. O Astro Intruso Hur Than De Shidha 2009 Ramatis Internet



  1. Chama Crística Norberto Peixoto 2000 Ramatis Conhecimento

  2. Samadhi Norberto Peixoto 2002 Ramatis Conhecimento

  3. Evolução no Planeta Azul Norberto Peixoto 2003 Ramatis Conhecimento

  4. Jardim Orixás Norberto Peixoto 2004 Ramatis Conhecimento

  5. Vozes de Aruanda Norberto Peixoto 2005 Ramatis Conhecimento

  6. A missão da umbanda Norberto Peixoto 2006 Ramatis Conhecimento

  7. Umbanda Pé no chão Norberto Peixoto 2009 Ramatis Conhecimento



Sumário

Respostas aos leitores 4

Esclarecimentos necessários 5

Planeta Marte 9



  1. Aspectos gerais marcianos 10

  2. Aspectos humanos 18

  3. Casamento 27

  4. Família 38

  5. Infância 45

  6. Educação e escolas 56

  7. Idioma, cultura e tradições 70

  8. Religião 79

  9. Medicina 85

  10. Alimentação 95

  11. Esportes e divertimentos 102

  12. Música 109

  13. Canto, dança e teatro 124

  14. Pintura 131

  15. As aves 139

  16. As flores 145

  17. Fruticultura 154

  18. Trabalho 160

  19. Indústria 170

  20. Comércio 176

  21. Edificações e residências 184

  22. Energia motriz 194

  23. Governo 200

  24. Faculdades psíquicas 208

  25. Reencarnação e desencarnação 214

  26. Aeronaves, espaçonaves; discos-voadores 225

  27. Viagens interplanetárias 236

  28. Astrosofia 245

  29. Filosofia espiritual marciana 253



Resposta aos leitores.

Tendo recebido cartas de alguns confrades espíritas, que tomando por base a consideração de Allan Kardec, no Livro dos Espíritos, pergunta 188 do capitulo "Da Pluralidade das Existências", afirmam que o codificador do Espiritismo considera a vida no planeta Marte bastante inferior à existência na Terra, opondo-se como um desmentido ao conteúdo da presente obra que psicografei de Ramatis, sinto-me no dever de atender as solicitações desses leitores e evitar qualquer descortesia fraterna. Assim, pois, achei de melhor alvitre expor o caso ao próprio Ramatis, quanto à dúvida levantada, cujo espírito ditou a seguinte resposta:


RAMATIS: "Entre o que disse o eminente codificador do Espiritismo, com relação ao verdadeiro grau evolutivo do planeta Marte e a obra presente que ditamos, ainda não se evidencia nenhuma discrepância definitiva. Allan Kardec foi bastante prudente em sua consideração ao texto da pergunta n° 188 do Livro dos Espíritos, pois preferiu deixá-la sob uma conclusão mais impessoal, sem definir categoricamente quanto à inferioridade ou superioridade de Marte sobre a Terra. Naturalmente reconheceu tratar-se de detalhes prematuros para a época, que poderiam provocar discussões estéreis e incomprováveis no seu tempo. Se assim não fora, ele então teria elaborado algumas perguntas específicas aos espíritos, a fim de consagrá-las sob a égide do Espiritismo.
Comprovando nossas asserções, podeis verificar que Allan Kardec assim se refere em sua conceituação: "Segundo os Espíritos, de todos os mundos que compõem o nosso sistema planetário, a Terra é dos de habitantes menos adiantados física e moralmente. Marte lhe estaria abaixo, sendo-lhe Júpiter superior de muito, a todos os respeitos". É fora de dúvida que Kardec emitiu a sua opinião na forma verbal imperfeita do condicional, isto é, Marte estaria ainda abaixo da Terra; e ainda tornou essa sua referência mais elástica, expondo-a "segundo a opinião dos Espíritos", que também não personalizou. Não registrou afirmativa imperiosa, porém condicionou o fato de Marte estar abaixo da Terra, segundo estivessem certos os espíritos que o ventilaram.
Em face do avanço científico de vossos dias, no campo da astronáutica, e, também, das relações interplanetárias delineando-se para este século, não tardam as comprovações de que Marte é mundo habitado e superior à Terra, com um índice científico, social, moral e espiritual primoroso. No entanto, Kardec não será desmentido em sua opinião acima, porquanto ele também firmou a conclusão na premissa condicional da comunicação impessoal dos espíritos, em vez de afirmativa absoluta e definitiva".


Esclarecimentos necessários.
Meus irmãos.
Pondo em vossas mãos esta obra, A Vida no Planeta Marte, de RAMATIS, devo esclarecer-vos quanto à natureza do assunto porque, a muitos, parecerá estranho e a outros, talvez, fantasioso. No entanto, para aqueles que já conhecem os fenômenos mediúnicos, não lhes causará espanto que a criatura do mundo físico possa ser um canal ou antena viva apta a receber os pensamentos dos que já partiram deste mundo. Aliás, o aspecto insólito do caso consiste, apenas, em que uma das entidades se encontra fora do plano dos chamados "vivos"; pois o fenômeno, em sua realidade abstrata, nada mais é do que o da transmissão de pensamento, já exaustivamente comprovado, e que é classificado sob o nome de telepatia. E, visto que eu figuro nesta obra com a função de "médium", ou seja, como intermediário entre o Além e a Terra, decerto são oportunos os esclarecimentos que passo a expor:
Quando eu atingi a idade de três anos, deu-se comigo um fato excepcional que, muitas vezes, fora considerado por minha progenitora. Certa manhã, na cozinha de nossa residência, em Curitiba, surgiu em minha frente a figura majestosa de uma entidade que, agora, posso determinar ser um espírito que se apresentava recortado no meio de intensa massa de luz refulgente, cuja aura, de um amarelo-claro, puro, com nuanças douradas, era circundada por uma franja de filigranas em azul-celeste, levemente tonalizada em carmesim. Seu traje, um tanto exótico, compunha-se de ampla capa descida até aos pés e que lhe cobria a túnica de mangas, ajustada por um largo cinto esmeraldino. As calças eram apertadas nos tornozelos, como usam os esquiadores. A tessitura de toda a veste era de seda branca, imaculada e brilhante, lembrando um maravilhoso lírio translúcido; e os sapatos, de cetim azul-esverdeado, eram amarrados por cordões dourados que se enlaçavam atrás, acima do calcanhar, à moda dos antigos gregos firmarem suas sandálias. Cobria-lhe a cabeça um singular turbante de muitas pregas ou refegos, encimado por cintilante esmeralda e ornamentado por cordões finos, de diversas cores, caídos sobre os ombros. Fugazmente, pude entrever-lhe as mechas de cabelos, pretos como azeviche. Sobre o peito, uma corrente formada de pequeninos elos de fina ourivesaria, da qual pendia um triângulo de suave lilás luminoso, que emoldurava uma delicada cruz alabastrina.
Tal indumentária não denunciava uma expressão definida, mas sugeria algo de iniciático: um misto de trajes orientais. Depois, vim a saber que se tratava de um vestuário hindu-chinês, mas um tanto raro porque era um modelo sacerdotal, antigo, muito usado nos santuários da desaparecida Atlântida.
Deslumbrado pela intensa aura de luz que invadia todo o aposento, eu, apontando a magnificente personagem, dizia à minha mãe, surpresa, que estava ali o "Papai do Céu"!
Naturalmente, como criança tenra, cujo espírito ainda se encontrava liberto das contingências opressivas da matéria, eu certificava com os olhos do espírito aquilo que minha mãe não conseguia ver com a visão física. A fisionomia insinuante da entidade retinha minha atenção. Seus olhos aveludados, castanho-escuros, iluminados de ternura, dominavam-me com seu brilho que traduzia bondade e vontade poderosa. O espírito fitou-me amorosamente e, na profundeza do seu olhar impressionante, senti-lhe o afeto e quase a lembrança de um passado longínquo, que me segredava conhecê-lo na intimidade da alma. E quando, em angélico aprumo, ele fez menção de afastar-se, percebi-lhe, dos lóbulos centrais da fronte, dois sulcos luminosos, que fulguravam para o Alto. Em seguida, esfumou-se rapidamente, deixando-me na retina espiritual a sua imagem gravada para sempre.
Esse foi o meu primeiro contato com RAMATIS.

* * *
Ao completar trinta anos de idade, um dia, após breve leitura, quando repousava no leito, eis que, inesperadamente, a sua imagem ressurge na tela do meu pensamento, embora sem a precisão dos detalhes que pudera notar-lhe na minha infância. E, através do fenômeno da "audição mental", pressentia-lhe a voz no silêncio e na intimidade da minha alma, como a lembrar-me de certo compromisso de trabalho em relação a um objetivo ideal. Nesse aquietamento de espírito, imagens e fragmentos de paisagens egípcias, chinesas, hindus, gregas e outras, desfilavam na minha mente como um filme cinematográfico, causando-me emoções tão cheias de encantamento que, ao despertar, eu tinha os olhos em lágrimas; e, no recesso da minha alma, sentia-me, efetivamente, ligado a uma promessa de ordem sacrificial, desinteressada e realizável, embora entre as opiniões mais contraditórias. Daí a minha atual despreocupação quanto à crítica favorável ou contrária aos comunicados que recebo de RAMATIS, certo de que só o decorrer do tempo comprovará as realidades do que ele tem enunciado por meu intermédio.


Nessa época, eu tentava o desenvolvimento mediúnico, pois o excesso de fluidos, que vibravam em mim, transformou-se num fenômeno de opressão e ansiedade, que me levou aos consultórios médicos, ingressando, então, na terapia de sedativos e tratamentos de neurose e de sangue, sem que, no entanto, conseguissem identificar a verdadeira causa do meu estado, o qual era todo de ordem psíquica. Felizmente, um amigo sugeriu-me que eu devia "desenvolver-me num centro espiritista". Aceitei a sugestão e, efetivamente, em menos de trinta dias, recuperei minha saúde, quanto a esse estado aflitivo e anormal de perturbações emocionais. Devotei-me, então, a uma leitura intensa do setor espiritualista. Todavia, não consegui livrar-me da complexa confusão anímica, que é a "via-crucis" da maioria dos médiuns em aprendizado. No meu deslumbramento de neófito, alvorocei-me no anseio de obter ou desenvolver, o mais depressa possível, a mediunidade sonambúlica, pois ainda ignorava que as faculdades psíquicas exigem exaustivo esforço ascensional e que a disciplina, o estudo, a paciência e o critério cristão são os alicerces fundamentais do bom êxito. Além disso, a dor, com todos os seus recursos impiedosos, assaltou-me por largo tempo; doente, fui submetido a quatro operações cirúrgicas; sofrimentos morais, aumentados ainda por prejuízos econômicos, fecharam-me naquela situação acerba em que a alma se vê forçada a olhar as profundidades de si mesma em busca de um mundo extraterreno, liberto das ansiedades mesquinhas e de caráter transitório.
Então, no silêncio das noites insones, meditando profundamente, consegui encouraçar-me daquela resignação intrépida que decide o homem a aceitar todos os espinhos, desde que seja a serviço do Divino Mestre. E minha alma ouviu o cântico sublime daquele amor que nos leva a compreender que somos uma unidade cooperadora do equilíbrio do Universo Moral, servindo a Deus e ao próximo.
Após ter imposto esse traçado a mim mesmo, um dia, escutei a voz amiga e confortadora de RAMATIS para guiar-me. E, então, a minha mediunidade começou a florescer como a flor cuja raiz encontrou um solo rico de energias vivificantes.

***
Tempos depois, comecei a escrever, ativado por uma intuição viva e notando que as idéias, por vezes, me surgiam rápidas, tão aceleradamente que não me davam tempo de fixá-las em sinais gráficos, nem poder atender às regras da linguagem e ao ajuste coerente do vocabulário. Embora escrevendo sob o império da minha vontade, era intenso o jorro de pensamentos que ligavam, que explicavam e coordenavam o assunto em foco, avançando além da minha capacidade datilográfica.


Deslumbramentos súbitos, motivos cósmicos se delineavam inesperadamente, e eu quase perdia o contato com o mundo de formas. Houve momentos em que julguei ouvir o "cicio"' da irrigação da seiva no cerne da árvore e nas vergônteas e ramos da roseira. As configurações limitadas das coisas materiais esfumavam-se na minha mente, e eu me sentia integrado no todo cósmico. Então, fui tomado pela euforia de querer transmitir a todos essa sensação transbordante de júbilo espiritual. Puro engano. Diante de olhares espantados e de críticas superficiais, sofri grandes decepções, que me fecharam num mutismo constrangido. Alguns confrades não escondiam o temor de minhas palavras; outros citavam o exotismo das minhas divulgações. Tempos depois, acomodei-me, por ser tão impossível fazer-me entender quanto a um cego de nascença fazer com-prender os esplendores cromáticos da aurora boreal. Contudo, apesar desse ambiente de dúvidas, decepções e incompreensão, minha acuidade receptiva foi-se apurando até que, finalmente, foi possível colocar-me em plena afinidade com RAMATIS, aquela figura resplandecente que eu vira na infância, podendo, agora, receber seus comunicados sobre assuntos e problemas substanciais como os desta obra.

***
Talvez seja desinteressante uma obra que se ocupa da vida no planeta Marte, quando, afinal, ainda não sabemos orientar nossos destinos na Terra; mas semelhante concepção é bastante precária, pois se o critério de Cristóvão Colombo fosse idêntico, ele não se teria arrojado à patética aventura de descobrir a América.


E, se na mente do intrépido "sonhador" ou visionário, não se apagava a luz da miragem que o incendiava, foi porque, conforme ele deixou anotado na obra que escreveu sob o título Libro de las Profecias (referindo-se à existência de outro continente), sentia uma força ou intuição viva que o levou a desabafar assim: "Quem duvida que esta inspiração não me foi dada pelo Espírito Santo que, com seus raios de luz maravilhosa, me vinha avivando e ordenando que eu prosseguisse e, ainda sem cessar um momento, continua a inspirar-me com entusiasmo, consolando-me com a leitura da Sagrada Escritura, nos livros do Velho e do Novo Testamento, com as epístolas dos bem-aventurados apóstolos?..."
Assim, guardada a distância que possam atribuir a esta obra sobre a vida no planeta Marte, como de valor secundário, ela não escaparia à lei regente da evolução social. E por isso, como todas as do mesmo teor, foi também inspirada e concretizada mediante a articulação dos dois planos, o plano invisível e o nosso, tendo sido o signatário destes esclarecimentos apenas um veículo ou instrumento humano para dá-la a conhecer ao nosso mundo.

***


RAMATIS informa que sua última encarnação na Terra foi no século X, tenso o seu traspasse ocorrido no ano 993, na Indochina, após ter fundado e dirigido um templo iniciático, que era freqüentado por dezenas de discípulos. Em trabalho íntimo, RAMATIS já nos assinalou vários de seus antigos discípulos, reencarnados no Brasil, os quais, efetivamente, estão cooperando com entusiasmo nas tarefas daqueles que o conheceram na Indochina, na Índia, no Egito ou na Grécia; e os mais afins viveram com ele na Atlântida e Lemúria.
Não temos autorização para maiores informações a seu respeito, mesmo porque ele as considera inoportunas. Em reuniões privativas, temos sabido que RAMATIS vem operando, do plano astral, há muito tempo; pois, conhecendo o trabalho sideral da humanidade terrena, ele se esforça para cooperar na sua evolução. O triângulo com uma cruz que lhe pende sobre o peito é a sua insígnia de integrante da Fraternidade da Cruz e do Triângulo, ordem desconhecida para nós. Por vezes, menciona os inúmeros iniciados que passaram pelo nosso mundo pregando a Verdade em todas as latitudes do nosso orbe e acentua que "Jesus de Nazaré foi o mais fiel intérprete da Mente Divina".

HERCÍLIO MAES



Planeta Marte.
O QUE A CIÊNCIA ASTRONÔMICA DA TERRA

SABE A SEU RESPEITO.

Marte é um planeta como a Terra. Gira em torno do Sol num curso que fica fora do da Terra. Seu diâmetro, de 6.800 km, é por conseguinte quase exatamente igual à extensão da costa brasileira. Marte é reconhecível pela sua luz brilhante, avermelhada. Com bons telescópios pode-se ver sua superfície e verificar que um dia em Marte tem quase a mesma duração que um dia na Terra'. Vêem-se manchas claras e escuras, havendo linhas de comunicação entre as áreas escuras, os chamados canais. Conclui-se que os lugares escuros são mares, ligados entre si através da terra por meio de rios ou canais. No decorrer de um ano de Marte, pode-se averiguar modificação da cor, nas partes de terra, o que indica vegetação, matas, etc. Pode-se verificar ainda que Marte tem atmosfera de composição quase idêntica à da Terra. Ocasionalmente, observam-se nuvens. Nos dois pólos, aparecem, durante o inverno de Marte, regiões brancas , que durante o verão recuam, o que leva a concluir que há gelo e degelo. Nos anos de 1882 até 1888, o astrônomo italiano Schiaparelli averiguou duplicação de alguns canais. A duplicação de um canal dá-se muito depressa, dentro de alguns dias, durando por toda uma estação do ano. A duplicação não era, porém, visível cada ano, ao mesmo tempo, em todos os canais. Não persistem dúvidas quanto a trabalharem as forças elementares da natureza em movimentos vivos e ritmo periódico na superfície de Marte. É evidente que esse planeta vive e cria, em obras semelhantes às da Terra. Em 24 de junho de 1954, o planeta Marte esteve em oposição ao Sol, isto é, visto da Terra, Marte ficou fronteiro ao Sol, visível no céu durante.a noite toda. Nesse dia sua distância da Terra era de 65 milhões de quilômetros. Em 2 de julho se aproximou da Terra, sendo a distância entre ambos os planetas de 64 milhões de quilômetros. Em seguida, afastou-se novamente, atingindo em maio de 1955 uma distância de cerca de 400 milhões de quilômetros.


NA CASA DE MEU PAI HÁ MUITAS MORADAS" (João. 14:2)


- "MUITAS COISAS AINDA TENHO A VOS DIZER, MAS NÃO AS PODEIS SUPORTAR AGORA. QUANDO VIER AQUELE ESPIRITO DA VERDADE, ELE VOS ENSINARÁ TODA A VERDADE, PORQUE NÃO FALARÁ POR SI MESMO, MAS DIRÁ O QUE OUVIR, E VOS ENSINARÁ AS COISAS QUE VIRÃO". (João, 16:13)

JESUS

1
Aspectos gerais marcianos.

PERGUNTA: Marte é habitado?

RAMATIS: É um dos mundos enunciados por Jesus quando Ele disse: "Há muitas moradas na casa de meu Pai". Vive lá uma humanidade mais evoluída do que a terrestre, embora guardando certa semelhança física.

Marte é um grau sideral à vossa vanguarda e é, também, a vossa futura realidade espiritual; porém, tal ascensão não se processa aos saltos nem sob regime de cruel constrangimento ou de privilégios inadmissíveis no curso que a Lei Suprema estatuiu para a evolução planetária.

Inúmeros planetas em que a brisa é melodia celestial e os seres vivos se assemelham a focos de luz policrômica, em que a humanidade é um todo sinfônico de luz, perfume e sons, constituem, todos, vossas futuras moradas. E assim virão a ser a Terra, Marte e Mercúrio; pois na sua eterna pulsação de vida e ansiedade, a cadeia de orbes que se prendem ao invisível colar cósmico, forma a alta e imensurável escada de Jacó que o homem terá de subir para alcançar a Verdade espiritual que lhe facultará a conquista da felicidade celestial absoluta.

Jesus traçou o roteiro definitivo para vos libertardes das reencarnações expiatórias; porém, infelizmente, ainda preferis a ganga inferior em vez da "túnica nupcial" a envolver vossa alma criada para a Luz e para o Bem em todos os recantos do Universo.



PERGUNTA: Os habitantes de Marte são muito mais adiantados do que os da Terra?

RAMATIS: Sim; pois já são isentos dos impulsos da violência e das deprimências ou vícios das paixões inferiores que ainda imperam na Terra. Eles demonstram usufruir a paz de uma vida serena e equilibrada no campo emotivo, muito contribuindo para esse ambiente as instituições sábias que os dirigem, orientadas por espíritos de profunda compreensão e eqüidade.

PERGUNTA: Poderia dar-nos idéia mais nítida desse adiantamento, em relação ao nosso grau evolutivo?

RAMATIS: Sem a presunção de um cálculo exato, tomando por base a cronologia do vosso provisório calendário terrestre, pressupomos que os marcianos, em relação a vós, estejam adiantados moralmente um milênio; e mais ou menos cinco séculos, no campo científico.

PERGUNTA: Na esfera científica, quais os setores em que é maior a disparidade de evolução?

RAMATIS: Em quase todas as ciências que dependem de "energia motriz". Na Terra estais subordinados, especialmente, à eletricidade; porém, no planeta Marte, graças à engenhosa descoberta e aproveitamento da força magnética, cuja essência íntima está profundamente relacionada ao conhecimento do plano etérico, os marcianos lograram progressos ainda inconcebíveis para o vosso mundo.

PERGUNTA: Quais as características científicas e técnicas da Terra, que mais se aproximam das realizações marcianas?

RAMATIS: Achamos certas semelhanças nos vestuários, embora ainda ignoreis o tecido magnético e de ação terapêutica. O mobiliário residencial e sua decoração apresenta alguma equivalência, dando-se o mesmo com os edificios públicos. Existe, igualmente, semelhança nos traços e aspectos das vossas modernas e largas rodovias e avenidas.

PERGUNTA: Na botânica e na química, distanciam-se muito de nós?
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   35


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal