História da áfrica/ história atlântica ( 1400- 1822) exercícios unicamp questão 1



Baixar 11.87 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho11.87 Kb.
HISTÓRIA DA ÁFRICA/ HISTÓRIA ATLÂNTICA ( 1400- 1822)

EXERCÍCIOS UNICAMP

Questão 1- No século XVII, o Rio de Janeiro era um dos principais pólos econômicos do Império Ultramarino Português. Na segunda metade do século, a região era grande produtora e exportadora de açúcar e consumidora de escravos, sendo que seus comerciantes atuavam intensamente no tráfico negreiro com a África e no acesso à prata das zonas espanholas na América, através do rio da Prata. A despeito de tudo, seus moradores viviam oprimidos com as pesadas taxações que eram obrigados a pagar para a manutenção das tropas de defesa. (Adaptado de Luciano Raposo de Almeida Figueiredo, O Império em apuros: notas para o estudo das alterações ultramarinas e das práticas políticas no Império Colonial Português. Séculos XVII e XVIII, em Júnia Ferreira Furtado (org.), Diálogos Oceânicos. Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português. Belo Horizonte/São Paulo: UFMG/Humanitas, 2001, p. 207).

a) Identifique os principais pólos que demarcam a extensão territorial do Império Ultramarino Português no século XVII.

b) Quais atividades desenvolvidas na América Portuguesa sustentaram sua importância econômica durante o século XVII?

c) Explique de que maneira o fisco era um problema na América Portuguesa



Questão 2- A respeito da Independência na Bahia, o historiador João José Reis afirmou o seguinte:Os escravos não testemunharam passivamente a Independência. Muitos chegaram a acreditar, às vezes de maneira organizada, que lhes cabia um melhor papel no palco político. Os sinais desse projeto dos negros são claros. Em abril de 1823, dona Maria Bárbara Garcez Pinto informava seu marido em Portugal, em uma pitoresca linguagem: “A crioulada fez requerimentos para serem livres”. Em outras palavras, os escravos negros nascidos no Brasil (crioulos) ousavam pedir, organizadamente, a liberdade! (Adaptado de O Jogo Duro do Dois de Julho: o “Partido Negro” na Independência da Bahia, em João José Reis e Eduardo Silva, Negociação e Conflito. A resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia das Letras, 1988, p. 92).

a) A partir do texto, como se pode questionar o estereótipo do “escravo ignorante”?

b) Identifique dois motivos pelos quais a atuação dos escravos despertava temor entre os senhores.

c) De que maneira esse enunciado problematiza a versão tradicional da Independência do Brasil?



Questão 3- O termo ‘feitor’ foi utilizado em Portugal e no Brasil colonial para designar diversas ocupações. Na época da expansão marítima portuguesa, as feitorias espalhadas pela costa africana e, depois, pelas Índias e pelo Brasil tinham feitores na direção dos entrepostos com função mercantil, militar, diplomática. No Brasil, porém, o sistema de feitorias teve menor significado do que nas outras conquistas, ficando o termo ‘feitor’ muito associado à administração de empresas agrícolas. (Adaptado de Ronaldo Vainfas (org.), Dicionário do Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2000, p. 222).
a) Indique características do sistema de feitorias empreendido por Portugal.
b) Qual a produção agrícola predominante no Brasil entre os séculos XVI e XVII? Quais as funções desempenhadas pelo feitor nessas empresas agrícolas?

Questão 4- Um dos maiores problemas nos estudos históricos no Brasil acerca da escravidão é seu relativo desconhecimento da história e da cultura africanas. Aí, a história do Congo tem muitas lições a dar, quer para os interessados no estudo da África, quer para os estudiosos da escravidão e da cultura negra na diáspora colonial. Afinal, a região do Congo- Angola foi daquelas que mais forneceram africanos para o Brasil, especialmente para o Sudeste, posição assumida no século XVII e consolidada na virada do século XVIII para o XIX. (Adaptado de Ronaldo Vainfas e Marina de Mello e Sousa, “Catolização e poder notempo do tráfico: o reino do Congo da conversão coroada ao movimento Antoniano, séculos XV-XVIII”, Tempo. n. 6, 1998, p. 95-6).
a) O que foi a diáspora colonial citada no texto acima?

b) Identifique duas influências africanas no Brasil atual.

c) Nomeie e explique, no Brasil atual, uma decorrência da prática da escravidão negra.
Questão 5- Um dos maiores problemas nos estudos históricos no Brasil acerca da escravidão é seu relativo desconhecimento da história e da cultura africanas. Aí, a história do Congo tem muitas lições a dar, quer para os interessados no estudo da África, quer para os estudiosos da escravidão e da cultura negra na diáspora colonial. Afinal, a região do Congo- Angola foi daquelas que mais forneceram africanos para o Brasil, especialmente para o Sudeste, posição assumida no século XVII e consolidada na virada do século XVIII para o XIX. (Adaptado de Ronaldo Vainfas e Marina de Mello e Sousa, “Catolização e poder no tempo do tráfico: o reino do Congo da conversão coroada ao movimento Antoniano, séculos XV-XVIII”, Tempo. n. 6, 1998, p. 95-6).
a) O que foi a diáspora colonial citada no texto acima?

b) Identifique duas influências africanas no Brasil atual.



c) Nomeie e explique, no Brasil atual, uma decorrência da prática da escravidão negra.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal