História da Radiodifusão e tv



Baixar 44.89 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho44.89 Kb.
História da Radiodifusão e TV
Radiodifusão é emissão e transmissão de notícias ou de programas recreativos, culturais, esportivos, musicais, etc., por meio da radiofonia, radiocomunicação e rádio, e é a radiotransmissão para recepção e uso geral do público, distinguindo-se da radiocomunicação, que se destina a estações receptoras determinadas. A sua forma mais comum consiste na difusão, pelo rádio, de programas educacionais, música, diversões, notícias, esportes, etc.
Início da radiodifusão - O aproveitamento das ondas eletromagnéticas para a transmissão de informações sonoras aconteceu no início do século XX, graças à invenção da válvula radioelétrica (triodo), criada em 1906, por Lee De Forest (1873 - 1861). A válvula triodo permite a retificação e ampliação dos sinais elétricos, viabilizando a audição de sons complexos transmitidos por ondas hertzianas. No Natal de 1906, a radiodifusão é inaugurada no mundo: De Forest e Reginald Aubrey Fessenden (1866 - 1932) irradiam, nos Estados Unidos, números de canto e solos de violino. Outras transmissões pioneiras são realizadas nos anos seguintes.

As primeiras emissoras - As emissoras de rádio desenvolvem-se de fato após a primeira Guerra Mundial (1914 - 1918). Durante o conflito, a transmissão das ondas eletromagnéticas ficou sob controle dos governos dos países beligerantes. Esse atraso na implantação da radiodifusão para o grande público, no entanto, é compensado pelos avanços feito no período, que facilitam o crescimento das estações de rádio no pós-guerra. Em apenas uma década, a radiodifusão espalha-se por todo o mundo. É criada, em 1919, a primeira grande empresa norte-americana de telecomunicações, a Rádio Corporation of America (RCA), seguida da National Broadcasting Company (NBC), fundada em 1926, e da Columbia Broadcasting System (CBS), de 1927. Na Europa são implantadas várias empresas de grande porte, entre as quais a italiana Radiotelevisione Italiana (RAI), em 1924: a inglesa British Broadcasting Corporation (BBC), em 1927: e a francesa Radio France Internacionale (RFI), em 1931. O número de receptores também aumenta drasticamente: nos EUA, por exemplo os aparelhos de rádio sobem de 50 mil, em 1922, para mais de 4 milhões, em 1925.


Rádio no Brasil - A primeira emissão radiofônica brasileira acontece em 7 de setembro de 1922, durante as comemorações do centenário da Independência. A Westinghouse Eletric Internacional Co. instala no alto do Corcovado, no Rio de Janeiro, uma estação de 500 watts, inaugurada com o discurso do então presidente Epitácio Pessoa. Sua palavra foi ouvida também em Petrópolis e Niterói. Seguem-se emissões de música lírica, conferências e concertos, captados nos 80 aparelhos de rádio dispersos pela cidade. No final das festividades, a rádio sai do ar, reaparecendo no ano seguinte com a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, fundada pelo antropólogo Roquete Pinto e por Henry Morize, diretor do Observatório Astronômico. A emissora, com programas educativos e culturais, influencia várias outras amadoras que aparecem no país, ainda na década de 20. Todas nascem como clubes ou sociedades e, como a legislação proibia a publicidade, são sustentadas pelos associados.


O rádio comercial desponta a partir da legalização da publicidade, em 1932. Desde então, as emissoras começaram a se organizar como empresas capitalistas. Com o crescimento da indústria e do comércio, o número de propagandas veiculadas aumentam e o rádio transforma-se num negócio cada vez mais lucrativo. Surgem os anúncios cantados, os jingles, que revolucionaram a propaganda radiofônica. Na década de 30 são criadas várias, entre elas, a Rádio Record, de São Paulo (1931), a rádio Nacional, do Rio de Janeiro "a primeira grande emissora do país" e a Rádio Tupi (1937), de São Paulo.

Nessa época, o rádio vai aos poucos abandonando seu perfil educativo e elitista para firmar-se como um meio popular de comunicação. A linguagem é modificada, tornando-se mais direta e de fácil entendimento. As programações diversificam-se e são melhor organizadas, atraindo o grande público. Nos anos 30 e 40 aparecem os grandes programas de música popular e, junto com eles, os ídolos como Carmem Miranda, Linda Batista e Orlando Silva. Surgem também os programas de humor, de auditório que contam com a participação do público e são instituídos em 1935 pelas rádios Kosmos e América e surge também as novelas. A primeira delas é Em Busca da Felicidade (1941), da Rádio Nacional. A mesma rádio lança, em plena Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945), o Repórter Esso (1941), que inaugura o radiojornalismo brasileiro. As técnicas introduzidas por ele, frases curtas e objetivas, agilidade, instantaneidade e seleção cuidadosa das notícias são empregadas até hoje na maioria dos jornais falados.

O rádio entrava, então na sua segunda fase. Já não eram os locutores a principal atração, e sim os cantores, que agora exclusivos de uma estação, tinham um programa semanal. A nacional encheu com Francisco Alves, Orlando Silva, as Irmãs Baptistas, As Três Marias, Linda Batista, Nuno Rolando, Manezinho Araújo, Nelson Gonçalves e tantos outros nomes de valor. Na Mayrink, Carlos Galhardo e Sílvio Caldas e na Tupi, Dircinha Batista, sem falar de outros nomes consagrados, ou que iam surgindo, como Cauby Peixoto, Emilinha Borba, etc.


Em parelha seguiam uns poucos programas de auditório: Silvino Neto, irreverente e engraçado em seu programa Ora Bolas, Barbosa Jr., Jararaca e Ratinho e Almirante, com seus programas mais sérios, bem trabalhados, como Caixa de Perguntas, Quando os Maestros se Encontram, A História das Danças e muitas idéias que até hoje continuam fazendo sucesso na televisão, como a Escolinha do Manduca, de Renato Murce, que até hoje é base de tantos quadros na TV. Entre as muitas criações de Almirante temos o concurso de gaitas, e devemos lembrar que ele quem aproveitou a melodia norte-americana de parabéns pra você, não só escolhendo a letra através de um concurso, como difundindo um costume até hoje seguido em todas as festas de aniversário. Pouco mais tarde, Paulo Roberto também foi para a Nacional, fazendo sucesso com Nada Além de Dois Minutos e Liras de Xopotó.
Com a popularização da televisão, no final da década de 50, o período de apogeu do rádio chega ao fim e as emissoras são obrigadas a redefinir seus objetivos. Nessa restruturação, passam a dar maior espaço ao radiojornalismo e ampliam os serviços à comunidade. A primeira rádio a divulgar notícias durante toda a programação è a Bandeirantes, de São Paulo, inaugurada em 1954. A partir de 1968, surgem as emissoras de Freqüência Modulada (FM). A maioria delas apresenta programas musicais como a Rádio Cidade (1977), líder de audiência na década de 80. A primeira rádio FM só de notícias é a CBN, criada em 1996.
O Rádio em Minas Gerais - A primeira emissora a se instalar-se em Minas foi a Rádio Sociedade Juiz de Fora. Como se pode observar, a seguir, pela ordem alfabética dos prefixos, além de primeira de Minas, a mesma veio antes de várias importantes emissoras brasileiras.
PRB - 3 - Rádio Sociedade Juiz de Fora
PRB - 9 - Rádio Recorde - São Paulo
PRC - 7 - Rádio Mineira - Belo Horizonte
PRE - 5 - Rádio Sociedade do Triângulo Mineiro - Uberaba
PRE - 8 - Rádio Nacional - Rio de Janeiro
PRG - 3 - Rádio Tupi - Rio de Janeiro
Em 1936, com diferença de menos de um mês, inauguram-se, em Belo Horizonte, a PRH - 6 - Rádio Guarani e a PRI - 3 - Rádio Inconfidência, esta com um "show" que teve Orlando Silva como principal atração, uma espécie de Roberto Carlos, nos anos 70.
A capital de Minas Gerais permaneceu somente com três emissoras, por dezesseis anos, até que em 1952, surgiu a Rádio Itatiaia, sem a menor estrutura para enfrentar suas concorrentes. Entretanto com a fé inabalável e o idealismo de Januário Carneiro, ela é hoje a mais importante emissora AM de Minas Gerais e está entre as oito principais do Brasil. Vieram depois a Rádio Jornal de Minas, hoje Rádio América, a Rádio Minas, cassada pelo Ministério das Comunicações em 1974, a Rádio Pampulha, atual Rádio Capital, Rádio Tiradentes, hoje CBN e a Rádio Atalaia, terminando ai a fase de instalações das rádios em AM, em Belo Horizonte.

Durante a Segunda Guerra Mundial houve uma estagnação no que tange ao surgimento de novas emissoras no estado, como de resto, acontecia em todo o país.


Com a eleição do General Eurico Gaspar Dutra para a presidência da República, em 1946, restabelecendo a democracia, houve um grande avanço da radiodifusão interiorana, em Minas Gerais. Não dá para se enumerar aqui as rádios que completaram o seu cinqüentenário em 1999, sobressaindo entre elas a Rádio Montanhesa de Viçosa, inaugurada em 16 de julho de 1949.

O Rádio FM - A primeira emissora FM fundada em Minas Gerais foi a Rádio Del Rei, que data de 1970. Segundo o seu fundador, Marco Aurélio Jarjour Carneiro, foi também a primeira do Brasil. Ficou muito tempo funcionando como geradora de música funcional para sobreviver em uma época em que os receptores de FM praticamente não existiam.


O crescimento do rádio FM, a partir dos anos 80, foi vertiginoso, o que faz parte da história recente da radiodifusão brasileira de pleno conhecimento de todos.
Datas Importantes (Fonte: Aerp)
1887 - São descobertas as ondas de rádio, por Henrich Rudolph Hertz

1893 - Padre Roberto Landell de Moura, realizou a primeira transmissão de palavra falada, sem fios, através de ondas eletromagnéticas.

1896 - Gluglielmo Marconi realiza as primeiras transmissões sem fios.

1922 - É realizada a primeira transmissão radiofônica oficial brasileira.

1923 - Roquette Pinto e Henrique Morize fundam a primeira emissora brasileira Rádio Sociedade do Rio de Janeiro.

1925 - É fundada a primeira emissora no RS, Rádio Pelotense em Pelotas, dia 25 de agosto, a terceira do Brasil.

1926 - John Baird realiza as primeiras transmissões de imagens

1927 - É fundada a Rádio Gaúcha em Porto Alegre, a segunda emissora gaúcha.

1933 - É fundada a Rádio Cultura em Pelotas, a terceira emissora gaúcha. O americano Edwing Armstrong demonstrou o sistema FM para os executivos da RCA.

1935 - É realizada na Alemanha, a primeira emissão oficial de TV.

1936 - Em Londres é inaugurada a estação regular de TV da BBC.

1938 - Começa a funcionar a televisão na Rússia.

1939 - O americano Edwin Armstrong inicia operação da primeira FM em Alpine, New Jersey.

1946 - O rádio ganha maior agilidade, com o surgimento dos gravadores de fita magnética.

1950 - A TV BBC de Londres realiza a primeira transmissão de imagens para o além do Canal da Mancha É inaugurada oficialmente a primeira emissora de televisão brasileira: TV Tupi de São Paulo , dia 18 de setembro.

1951 - É inaugurada a TV Tupi no Rio de Janeiro.

1954 - O sistema de televisão a cores entra em funcionamento, inventado em 1940 por Peter Goldmark.

1962 - É realizada a primeira transmissão via satélite. Em 27 de novembro, é criada a Associação brasileira de Rádio e Televisão - ABERT. Dia 13 de dezembro, é fundada em Porto Alegre, a Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão - AGERT.
1965 - O Brasil é integrado no Sistema Intelsat.

1967 - É criado o Ministério das Comunicações, dia 25 de fevereiro.

História da Rádio (Fonte: Aerp)

Em Cambridge, Inglaterra, no ano de 1863, James Clerck Maxwell, professor de física experimental, demonstrou teoricamente a provável existência das ondas eletromagnéticas, sem constatação prática.


Impressionado com a revelação do físico inglês, Henrich Rudolph Hertz (1857-1894), alemão, nascido em Hamburgo, dedicou anos de estudo a respeito.


Em 1887, Hertz detectou, fazendo saltar faíscas através do ar que separavam duas bolas de cobre, o princípio da propagação radiofônica.

As ondas antigamente identificadas como "quilociclos" passaram a se denominar "ondas hertzianas" ou "quilohertz."


Guglielmo Marconi, jovem cientista italiano, foi à Inglaterra, em 1896 e demonstrou o funcionamento de seus aparelhos de emissão e recepção de sinais. E sentindo a importância comercial da telegrafia, e pouco depois de estabelecer em Londres, formou a primeira "companhia de rádio", marco inicial da industrialização de equipamentos.


Os professores Oliver Lodge (Inglaterra) e Ernest Branly (França) inventaram um dispositivo chamado coesor que melhorava a detecção. O rádio no início foi confundido com telegrafia sem fio, não se imaginava, até então, a possibilidade de mensagens faladas, através do espaço.

Oliver Lodge inventou em 1897, o circuito elétrico sintonizado. Podia adaptar-se para a sintonia desejada, selecionando determinada freqüência.


Lee Forest, desenvolveu a válvula triodo (com três eletrodos de maior sensibilidade).
Von Lieben (na Alemanha) e Armstrong (EUA) notaram que o triodo podia ser empregado para amplificar e para produzir ondas eletromagnéticas de forma contínua.
Cometeu-se uma injustiça a um cientista brasileiro, predecessor de Marconi e de outros. Padre Roberto Landell de Moura, gaúcho, nascido em 21 de janeiro de 1861.
O padre-cientista, construiu diversos aparelhos que expôs ao público na capital paulista em 1893. Tais como:
- o Teleauxiofono (telefonia com fio)
- o Caleofono (telefonia com fio)
- o Anematófono (telefonia sem fio)
- o Teletiton (telegrafia fonética, sem fio, com o qual duas pessoas podem comunicar-se sem serem ouvidas por outras)
- o Edífono (destinado a ducificar e depurar as vibrações parasitas da voz fonografada, reproduzindo-a ao natural). Nesta ocasião, estabeleceu os príncipios básicos em que se fundamentaria todo o progresso e a evolução das comunicações, tal como conhecemos hoje.
Suas teses, firmadas antes de 1890, previram a "telegrafia sem fio", a "radiotelefonia", a "radiodifusão", os "satélites de comunicações" e os "raios laser". No ano de 1900, enquanto o grande feito de Marconi não ultrapassava a distância de 24 quilômetros, o Padre Landell de Moura obtinha do governo brasileiro a carta patente nº 3279, reconhecendo-lhe os méritos de pioneirismo científico, universal, na área das telecomunicações.

Em 1901, o Padre Landell de Moura, embarcou para os Estados Unidos e em fins de 1904, o The Patent Office at Washintong concedeu-lhe três cartas patentes: para o telégrafo sem fio, para o telefone sem fio e para o transmissor de ondas sonoras. Poderia se considerar o Padre Landell de Moura o precursor nas transmissões de vozes e ruídos outros. Suas patentes afirmam isso. Nova Iorque (1916): Oito anos de tentativas e aprimoramentos, levaram Lee Forest a instalar a "a primeira estação - estúdio de radiodifusão". Florescera a iniciativa de seus compatriotas Fesseden e Alexanderson ouviram os sintonizadores, o primeiro programa de rádio, com conferências, música de câmara e gravações. Houve o pioneirismo do "radiojornalismo"- a transmissão das apurações eleitorais para a presidência dos Estados Unidos.


Em 1919, inicia-se a "Era do rádio".

Em 1920, nos Estados Unidos, o engenheiro de Westinghouse, dedicou-se a ampliar os recursos do bocal do telefone, que resultou na invenção do microfone. Com o fim da Iº Guerra Mundial, a Westinghouse ficou com um grande estoque de aparelhos de rádio fabricados para as tropas na guerra. A radiofusão nasceu meio por acaso, quando instalou-se uma grande antena no pátio da fábrica e começou-se a comercializar os aparelhos "encalhados" para os habitantes do bairro; transmitia-se música.

No Rio de Janeiro, dia 7 de setembro de 1922, na comemoração do centenário da Independência do Brasil, ocorreu a primeira transmissão radiofônica oficial brasileira, transmitindo o dircurso do Presidente Epitácio Pessoa. Enquanto isso, nos EUA houve surpreendente progresso do rádio, das primeiras 4 emissoras em 1921, os norte-americanos passaram a ter no final de 1922, 382 emissoras. O rádio comercial foi a consagração. O rádio reivindicou o seu direito legítimo de prover seus próprios recursos de subsistência e desenvolvimento tecnólogico. A estação WEAF de Nova Iorque, pertencente à Telephone and Telegraf Co., inaugurou o regime do rádio, irradiando anúncios cobrados ao preço de dois dólares para 12 segundos e cem dólares por 10min.
Edgard Roquete Pinto considerado "O pai do rádio brasileiro" e Henry Morize fundam em 20 de abril de 1923, a primeira rádio brasileira: Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. Surge o termo/conceito rádio sociedade ou rádio clube, em que os ouvintes, associados contribuíam com mensalidades capazes de acorrer aos custos operacionais e de manutenção. Era voltada a cultura sem fins comerciais.
Dia 17 de maio de 1865 institui-se a "União Telegráfica Internacional" que posteriormente tornou-se o Dia Mundial das Telecomunicações.
O rádio entra na Internet
O rádio está na Internet há uns cinco anos, desde que os primeiros sistemas de transmissão de informação digital em tempo real, pela Rede, começaram a sair dos laboratórios para o mundo.
A primeira emissora latino-americana a cair na Rede foi a Rádio Jornal do Comércio, de Recife, usando a primeira e muito capenga versão do servidor de RealAudio da RealNetworks (www.realnetworks.com, se você não tem ainda, pode pegar o receptor, grátis).

O pessoal do Centro de Informática da UFPE, que botou a estação no ar, o fez quase de brincadeira: sintonizava a estação em um antigo receptor Marantz e, depois de passar por dois PCs, um dos quais gerava o sinal digital a partir do rádio analógico para o segundo, que mandava os canais digitais para a Internet, fazia Pernambuco falar para o mundo. Em rede.


Tinha gente ouvindo jogo do Santa Cruz em Boston, o que não é pouca coisa.
Meia década depois, a audiência do rádio na Internet é pífia, para dizer o mínimo. A rádio mais ouvida na Rede é a Virgin, de Londres, que tem menos de 500 ouvintes simultâneos, gerando 250 mil horas de sintonia por mês (veja na RAIN: Radio And Internet Newsletter). Uma rádio de porte, em uma cidade como São Paulo ou Londres, tem até 100 mil ouvintes simultâneos.
Mas a Internet 2 pode mudar tudo isso, tornando possível o uso de protocolos do tipo multicast, que vão permitir enviar o mesmo fluxo de áudio e vídeo para milhares, ou centenas de milhares de pessoas, em vez de se usar um canal para cada ouvinte, como acontece hoje.
Parâmetros de qualidade de serviço, hoje inexistentes, tornarão possível diferenciar áudio de e-mail, dando preferência à informação em tempo real e permitindo cobrar por ela, quando for o caso.
E os celulares de terceira geração podem mudar tudo de novo. Bilhões de pessoas, pelo planeta afora, de posse de um dispositivo que vai poder ser endereçado individualmente e em grupo, inclusive para transmissões de áudio e vídeo, criam um conjunto completamente novo de possibilidades.

Por exemplo, de você poder sintonizar, grátis, discando *723, uma estação de áudio (e não mais de rádio) similar às que temos no dial, hoje, recebendo informação, diversão e propaganda. Ou, se não quiser ouvir propaganda, pagar por hora de audição, noutro canal, como nos canais de áudio via satélite de hoje. E, certamente, haverá centenas, talvez milhares de canais a escolher.


Em breve A tecnologia, tanto de transmissão como de programação, que está sendo desenvolvida hoje, vai permitir que programemos o que (e quando) queremos ouvir. Como João Gilberto para acordar (ou continuar dormindo?), notícias da cidade (para soltar a adrenalina antes de sair de casa), heavy metal para lutar com o trânsito, Boards of Canada para trabalhar...
Vez por outra, no celular, é capaz até de se atender a alguma ligação ou fazer uma chamada. Claro que o carro não vai ter rádio, vai ter um treco desses aí; ou, melhor, vai ter um amplificador pr'aquele que já anda no meu bolso, que não quero aprender a programar mais de um deles...
Se acontecer, vai ser muito interessante, porque Bell, que inventou o telefone (com fio), pensava que sua tecnologia seria usada justamente para transmitir informação e entretenimento. Marconi, o homem do rádio, tinha certeza de que sua invenção (o telefone celular é um rádio portátil, é bom não esquecer) seria usada para comunicação interpessoal.
A Rede do futuro, fundindo tudo, pode transformar os sonhos dos dois, depois de tanto tempo, em realidade... Até lá, podemos esperar. Mas as estações não estão esperando: seus websites, como o da CBN (www.cbn.com.br), agregam uma riqueza antes impensada à programação normal, com texto, arquivo, imagens...
tornando o que a gente chamava de "rádio", cada vez mais, um jornal que tem áudio interativo em tempo real.
Se quiser ver - e ouvir-, entre no site da rádio e ouça, por exemplo, aquele jingle da Varig, da história de "Seu Cabral..." que depois de descobrir o Brasil, fica com saudades e volta "já para Portugal..." de avião, claro.

O Rádio e a Internet II
Fonte: Revista Grandes Idéias de Marketing, nº46 - Junho de 2000

O número de emissoras que estão colocando sua programação ao vivo na grande rede cresce a passos galopantes. Diariamente o mercado de radiodifusão está conhecendo as inúmeras vantagens de estar na internet: tal fenômeno ocorre não somente nos Estados Unidos mas também no Brasil.

Recentemente, Guilherme Coelho, sócio da ZeroUm Digital que é a responsável pelo site da Rádio 89 FM informou que este recebe mais de 100 mil acessos por mês. Coelho ainda afirmou que apesar desta emissora não ter retransmissoras FM fora de São Paulo, o site da 89 recebe a visita de muitos ouvintes de outras cidades do País que assim podem ter contato com a programação da rádio.

Tal fato confirma a força do rádio na internet. Hoje é possível enviar a programação de uma emissora para qualquer canto do planeta sem a necessidade de se colocar retransmissoras em diversos pontos. Você pode estar num hotel em Hong Kong, na NAB em Las Vegas ou mesmo em férias na Europa e a qualquer momento poderá entrar na rede e conferir como está a programação da sua emissora.

Além desta vantagem de tornar sua emissora global, podemos destacar como pontos importantes para a inserção de sua estação de rádio na internet:

1. Aumento da base de mercado: pessoas trabalhando podem ouvir sua emissora enquanto executam as suas tarefas.

2. Fonte adicional de receita publicitária com a venda de banners, patrocínios etc., sem interferir na veiculação regular.

3. Maior número de oportunidades promocionais.

4. Relacionamento mais interativo com o seu público.

5. Possibilidade de pesquisa do perfil da sua audiência e construção de um valioso banco de dados.

6. Mais audiência.

7. Imagem de avanço tecnológico.

8. Fonte de informações adicionais e divulgação de toda a programação.

9. Facilidade de operação.

O rápido desenvolvimento de novas formas de acesso à web com custos declinantes e velocidades mais rápidas deverá popularizar cada vez mais o uso da internet. As emissoras que saírem na frente com certeza garantirão sua presença neste grande mercado potencial.

Fonte: Beto Junqueira, Diretor de Marketing da Rádio 2, publicitário e escritor.



História da TV

Fonte: Aerp


Não viu o descobridor qualquer aplicação prática para a sua descoberta. O que fez e se tornou história foi denominar aquele elemento de "Selenium", ou "Selênio"... E mais de meio século somariam os anos até que se encontrassem aplicação prática para a descoberta.
Nos Estados Unidos, em 1926, a Rádio Corporation of América (RCA) entendeu ser a chegada a vez de empenhar-se mais a fundo no novo campo do som complementado pela imagem. Contratou-se Wladmidir Zworykin para a divisão de pesquisas técnicas.

Neste mesmo ano o cientista russo-norte-americano, lançava suas mais recentes descobertas, demonstrando um receptor de televisão inteiramente eletrônico, através do aprimoramento do cinescópio ou tubo de imagem.

Na mesma ocasião, na América, Jenkins transmitiu uma fotografia estática do presidente Harding desde a estação naval de Washington até a Filadélfia. E, em Londres, John Lodgie Baird repetiu com maior sucesso sua experiência do ano anterior de transmissão de imagem. Todavia, esses sucessos se limitavam a figuras dificilmente identificáveis, faltava definição fotográfica e estabilidade na imagem.

Nos Estados Unidos, em 1928, o cientista norte-americano Philo T. Farnsworth inventou um novo tipo de válvula, o "dissector tube". Corrigidos, de alguma forma, mas ainda não em termos absolutos as distorções de imagens, pode o público norte-americano ter sua curiosodade satisfeita. Os quadros cênicos, com o "dissector tube" passaram a ser dinâmicos, exibindo com relatividade boas condições visuais um primeiro espetáculo de teleteatro.

Adquirida em 1928, por William S. Pailey, então aos 27 anos, herdeiro da avantajada fortuna que lhe deixou o pai, um modesto charuteiro, a United Independent BriBroadcasting teve, alterada sua denominação para CBS - Columbia Broadcasting System. Da competição salutar e progressista entre a já consolidada RCA e a nascente CBS se originou o mais amplo desenvolvimento da televisão, fosse nas secretas experiências de laboratório, fosse na expansão dos meios de comunicação em si ou, ainda, na conquista de público.
Até então não se cogitava a industrialização de televisores domiciliares, a preferência dos próprios implantadores do novo veículo era pelos televisores coletivos, com telas nas maiores proporções possíveis, instaladas em locais públicos.

No primeiro ano da década de trinta veio assinalar com a NBC (Nacional Broadcarting Corporation) a entrada em funcionamento regular da primeira emissora de televisão do mundo. Poucos meses depois, a CBS inaugura a segunda emissora de televisão de Nova York. As duas com transmissões de sete horas diárias: desde a apresentação de transmissões externas a cobertura dos mais importantes jogos de beisebol e futebol americano.

Em 1932, na Alemanha, os cientistas se empenharam mais a fundo, em um gênero menos explorado mas que, sem a menor dúvida, viria exprimir à televisão universal um sentido mais objetivo. Preocuparam-se os técnicos germânicos em estabelecer em primeiro estágio, a "televisão em circuito fechado".

Em 1936 na Inglaterra, a BBC-T (British Broadcasting Corporation Television) inaugura suas transmissões regulares, onde o método mecânico cedeu lugar ao eletrônico e passou a televisar imagens entrelaçadas de 405 linhas.

Foi em 1938 que começou-se a pensar a idéia de privatizar as transmissões de televisão e aceleraram-se os estudos para lançar os receptores individuais ou domiciliares.

Em 1942, a televisão teve importante papel durante a guerra, como legítimo grande meio de massa, e foram produzidos aparelhos portáteis de emissão e recepção de som e imagem para as tropas dos Estados Unidos.

Em 1947, a produção norte-americana de equipamentos de televisão requereria pelo seu desenvolvimento excessivamente rápido absorver um mercado cada vez maior, para isso os departamentos de venda das principais indústrias lançaram as mais variadas promoções de motivação para compra, deu-se a expansão comercial e a popularização do veículo eletrônico.

Foi em 1950, o surgimento da televisão no Brasil. O farto noticiário dos jornais de Assis Chateaubriand anunciava que as torres que se elevava no alto do Pão de Açúcar e em São Paulo, no morro e bairro do Sumaré, destinavam-se às primeiras estações brasileiras de televisão.

A 18 de setembro de 1950, nas instalações das Rádios Tupi e Difusora de São Paulo, no chamado Palácio do Rádio, às 16 horas, Assis Chateaubriand presidiu o lançamento da TV Tupi, inicialmente canal 3: a primeira emissora de TV brasileira. Já em 1951, mais duas televisões brasileiras: a TV Tupi-Rio, em janeiro; e a TV Paulista, em dezembro.
Em 1954, iniciou-se a produção de televisores a cores, nos EUA, pela RCA que desenvolveu um sistema a cores que podia ser transmitido a receptores P&B, sem necessidade de conversor.

A WNBT processou em seus estúdios, a 12 de maio de 1955, em fita magnética de som e imagem, a primeira gravação mundial em videotape. No Brasil, a primeira emissora a adquirir equipamentos de gravação e reprodução de videotape foi a TV Rio, canal 13, em 1957.

A 20 de dezembro de 1959, em Porto Alegre, inaugurou-se a pioneira gaúcha: a TV Piratini, canal 5, tendo suas instalações no Morro Santa Teresa.


Datas importantes

Fonte: Aerp


1926 - John Baird realiza as primeiras transmissões de imagens.

1935 - É realizada na Alemanha, a primeira emissão oficial de TV.

1936 - Em Londres é inaugurada a estação regular de TV da BBC.

1938 - Começa a funcionar a televisão na Rússia.

1950 - A TV BBC de Londres realiza a primeira transmissão de imagens para o além do Canal da Mancha.
É inaugurada oficialmente a primeira emissora de televisão brasileira: TV Tupi de São Paulo, dia 18 de setembro.

1951 - É inaugurada a TV Tupi no Rio de Janeiro.

1954 - O sistema de televisão a cores entra em funcionamento, inventado em 1940 por Peter Goldmark.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal