História de marte andrea da Costa Greff Semana Marciana, Janeiro/2010 Centro de Divulgação da Astronomia cda



Baixar 26.14 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho26.14 Kb.
HISTÓRIA DE MARTE

Andrea da Costa Greff

Semana Marciana, Janeiro/2010

Centro de Divulgação da Astronomia - CDA

Na antiguidade, os povos associavam os corpos celestes, aqueles observados no céu, a deuses. E isso transcorreu naturalmente por dedução, uma vez que perceberam que a posição do Sol entre as estrelas definia as estações do ano, a posição da Lua definia as marés, o que influenciava na sobrevivência desses povos de acordo com a necessidade e possibilidade de cada época. Também perceberam que havia no céu, além do Sol e da Lua mais cinco estrelas que se comportavam de maneira diferenciava das demais estrelas fixas do firmamento. Então estas também foram associadas a deuses. Entre elas estava Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno.

A olho nu, Marte aparece geralmente um distinto amarelo, laranja ou cor avermelhada, e varia de brilho mais do que qualquer outro planeta, visto da Terra ao longo de sua órbita. No entanto, a verdadeira cor de Marte está mais perto de manteiga, e a vermelhidão vista é realmente apenas poeira na atmosfera do planeta. A magnitude aparente de Marte varia de 1,8 na conjugação de tão elevado como -2,91 na oposição periélica. Quando mais distante longe da Terra, é mais do que sete vezes mais longe como quando ela está mais próximo. Quando menos se posicionado favoravelmente, ele pode ser perdido no brilho do Sol por meses em um tempo. Em seus tempos mais favoráveis, entre 15 ou 17 anos de intervalo, Marte apresenta uma riqueza de detalhes da superfície de um telescópio. Especialmente notável, mesmo em pequeno aumento, são as calotas polares.

O ponto de máxima aproximação de Marte com a Terra é conhecido como oposição. O período de tempo entre sucessivas oposições, ou o período sinódico, é de 780 dias. Por causa das excentricidades das órbitas, os tempos de oposição e distância mínima pode variar em até 8,5 dias. A distância mínima varia entre 55 e 100 milhões quilômetros, devido à órbitas dos planetas elípticas. A oposição Marte próximo ocorrerá em 29 de janeiro de 2010.



Como a oposição Marte se aproxima, começa um período de movimento retrógrado, o que significa que parecem mover-se para trás em um movimento de looping com relação às estrelas de fundo. A duração deste movimento retrógrado dura cerca de 72 dias, e Marte atinge seu pico de luminosidade no meio deste movimento.

Marte era o deus romano da guerra, equivalente ao grego Ares. Filho de Juno e Júpiter, considerado o deus da guerra sangrenta, ao contrário de sua irmã Minerva, que representa a guerra justa. Os dois tinham uma rixa, o que acabou em uma guerra dos gregos contra os troianos, cada deus defendendo seu exército. Mas Marte, defensor dos troianos, acabou derrotado. Marte tinha o amor de Vênus, em uma relação amorosa adúltera que gerou seu filho Cupido e uma filha mortal chamada Harmonia. Phobos e Deimos, que são gêmeos, também são seus filhos e companheiros de guerra. Phobos significa “medo”, raiz da fobia. Deimos significa “pânico”, “terror”.

O planeta foi assim designado pela sua coloração avermelhada pela presença de ferro em sua superfície. Seu símbolo é um círculo com uma pequena seta apontando para fora, por trás. É uma representação estilizada de um escudo e lança usada pelo deus romano Marte. O símbolo moderno foi encontrado para ser escrita em grego bizantino manuscritos datados do final da Idade Média. Este símbolo também é usado na biologia para descrever o sexo masculino e, em alquimia para simbolizar o elemento ferro, que foi considerada a ser dominado por Marte, cuja coloração vermelha característica é coincidentemente devido ao óxido de ferro.

Em astronomia babilônica, o planeta foi nomeado depois de Nergal, a sua divindade do fogo, guerra e destruição, provavelmente devido à aparência avermelhada do planeta. Não se sabe se os gregos equipararam Nergal com seu deus da guerra, Ares, ou se ambos o chamou a partir de uma associação mais antiga. Na idade de Platão, os gregos chamavam o planeta Ἄρεως ἀστἡρ (Aster Areos), ou "estrela de Ares." Na sequência da identificação de Ares e Marte, foi traduzido em latim como stella Martis, ou "estrela de Marte", ou simplesmente Marte. Os gregos helenísticos também chamado de planeta Πυρόεις Pyroeis, que significa "fogo". No Skanda Purana, um texto hindu religioso, Marte é conhecido como a divindade Mangala (मंगल) e nasceu a partir do suor de Shiva. O planeta é chamado Angaraka em sânscrito, o deus celibatário de guerra que possui os sinais de Áries e Escorpião, e ensina as ciências ocultas. O planeta era conhecido pelos antigos egípcios como "Horus do Horizonte", em seguida, de " Horus, o Vermelho ". O Hebreus chamavam de Ma'adim (מאדים) - "aquele que blushes",e este é o nome de um dos maiores cânions de Marte, o Ma'adim Vallis. Antigos persas nomeavam Bahram, o deus Zoroastrian de fé e é escrito como بهرام. Antigos turcos chamavam Sakit. O chinês, japonês, coreano e vietnamita referem-se ao planeta como 火星, ou a estrela de fogo, um nome baseado no ciclo mitológico chinês antigo de cinco elementos.

Assim, essa visão de que outros corpos celestes antes do firmamento (esfera de estrelas fixas) tinham movimento independente ao redor da Terra criou o modelo cosmológico do Geocentrismo, em que a Terra não era considera um planeta e sim o centro do Universo, idealizado por Aristóteles, concretizado por Ptolomeu e fixado pela Igreja Cristã. Porém com observações mais atentas, os babilônios perceberam que Marte, eventualmente, não possuía um movimento tão “suave e harmonioso” em sua trajetória por apresentar laçadas ou “S”s. Assim, eles acreditavam que quando aqueles movimentos ocorriam eram sinais de desgraça para seu povo. Por sortilégio, isso trouxe um avanço enorme para a Astronomia, pois os babilônios começaram então a fazer observações minuciosas sobre os movimentos dos astros para tentar prever quando aquela “anomalia” poderia ou não ocorrer. Para explicar esse movimento estranho de Marte que acontecia, os gregos propuseram um sistema de epiciclos, com o planeta Marte girando ao redor de um círculo no qual seu centro orbitava a Terra. Esse método era suficientemente preciso na época, além de não denegrir a imagem do Geocentrismo, tão apreciada na época. Hoje sabemos a solução para essa antiquíssima incógnita, a qual foi proposta por Copérnico com o Sistema Heliocêntrico. Assim, esses movimentos retrógrados ocorrem devido a posição dos planetas.



Aristóteles foi um dos primeiros astrônomos conhecidos a descrever as observações que se tinham de Marte. Dentre elas estava a ocultação de Marte pela Lua que pode ser vista, deduzindo então que o planeta estava mais longe que a Lua. Tycho Brahe fez diversas anotações sobre o movimento do planeta, calculando então sua paralaxe. Essas anotações ajudaram mais tarde seu discípulo Johannes Kepler a calcular a distância até Marte e deduzir as leis sobre o movimento dos planetas, que deu subsídio para a teoria heliocêntrica de Copérnico

As primeiras observações de Marte pelo telescópio foram feitas por Galileu Galilei. Em 1665, Christian Huygens utilizou lentes de óculos na construção de um telescópio que aumentava em até 50x o objeto mirado. Em 1659 decidiu observar Marte, que estava em oposição, e viu algo na superfície em forma de V, que hoje é chamado Syrtis Major. Como percebeu que essa marca se movia, decidiu calcular o tempo de rotação desse planeta, anotando no seu diário: «A rotação de Marte, como a da Terra, parece ter um período de 24 horas.» Giovanni Domenico Cassini, em 1672, calculou a distância da Terra ao Sol com base na paralaxe desse planeta, a qual foi novamente medida. Infelizmente, os valores não estavam tão coerentes devido a má qualidade dos instrumentos ópticos. No século XIX a qualidade dos telescópios tomou uma proporção suficiente para obter informações detalhadas da superfície do planeta.

Então, na oposição de Marte ocorrida em 5 de setembro de 1877, o astrônomo Giovanni Schiaparelli, com seu telescópio de 22 cm, produziu o primeiro mapa da superfície marciana. Nele, sinalizou uma característica marcante de longas retas que foram chamadas de canais, e que mais tarde descobriram serem ilusões de óptica. A tradução errônea desse termo para o inglês causou interpretações equivocadas de que aqueles seriam canais de um sistemas de irrigação que haveria no planeta, habitat de um tipo de vida inteligente como nós, e não sulcos na superfície como teria sugerido o nome em italiano. Nesta mesma oposição citada, o astrônomo norte-americano Asaph Hall descobre os dois satélistes naturais de Marte, Phobos e Deimos.

Influenciado pela errônea tradução dos textos de Schiaparelli e impressionado com a possibilidade de vida inteligente na Terra, o aristocrata norte-americano Percival Lowell fundou um observatório, com telescópios de 300mm e 450mm. Utilizou-o na última oportunidade de boa visualização na oposição do planeta em 1894 e demais a partir dessa. Assim, publicou livros difundindo a idéia de Marte e a vida que habitava o planeta. Segundo ele, o planeta estava secando e esses canais foram feitos por uma antiga civilização marciana para drenar água dos pólos para cidades sedentas. Mudanças climáticas, como aumento e diminuição das calotas polares e aparecimento de manchas escuras no verão marciano, que estavam sendo então observadas, junto dos canais fizeram criar especulações da existência de vida.

Essa idéia de uma civilização marciana começo a se popularizar. H. G. Wells escreve em 1898 ‘A Guerra dos Mundos’, uma ficção em que a Terra seria invadida por marcianos que dominariam com armas poderosíssimas. Em 1938, Orson Wells fez uma adapção para ser transmitida na forma de novela por uma rádio, o que causou pânico generalizado, levando algumas pessoas a fugirem assustadas, outras dizerem que sentiam o cheiro do gás venenoso lançado pelos marcianos e outras a dizerem que viam luzes no céu que eram sinais da guerra que os marcianos estavam por começar a fazer. Durante uma observação em 1909 por Flammarion com um telescópio de 840 mm, padrões irregulares foram observadas, mas não canali foram vistos. Assim, até a década de 1960, mitos acerca do planeta vermelho prevaleceram, sendo que nessa época acreditavam mais na possibilidade de vida como musgos e líquens primitivos.

Em plena Guerra Fria os soviéticos são os primeiros a tentar enviar sondas espaciais a Marte, mas todas sem sucesso. Até que os norte-americanos logo conseguiram alcançar o planeta vermelho na segunda tentativa deles com a Mariner 4 em 1965. Essa sonda espacial orbitou Marte e tirou a primeira fotografia próxima do planeta, de péssima qualidade. A primeira sonda soviética só pousou no planeta em 1974. No dia 20 de julho de 1976, a sonda norte-americana Viking I pousa numa planície circular na parte equatorial norte do planeta, e tira a primeira fotografia da superfície. A sonda gêmea Viking II chegou na superfície em 3 de setembro do mesmo ano. Essas sondas trabalharam durante anos, e assim desmistificaram a idéia de vida inteligente ou mesmo na forma de líquens e musgos primitivos em Marte. Entretanto, a possibilidade de vida na forma bacteriana ainda era muito visada.

Alguns mapas sobre a estrutura planetária de Marte foram aceitos a partir de dados coletados com essas missões. Entretanto, os mapas que se mostram realmente completos nos detalhes topográficos, campos magnéticos e metais de superfície foram os obtidos através da missão Mars Global Surveyor, que operou de 11 de setembro 1996, data do pouso, a 2006. A sonda Mars Pathfinder pousa a Marte em 4 de julho de 1997, libertando um pequeno veículo robô que explorou e investigou diferentes rochas, verificando a origem vulcânica de uma ou a erosão causada pelo vento ou pela água de outras. Agência Espacial Européia (ESA) enviou a sonda Mars Express em 2003. A Nasa mandou duas novas sondas espaciais, a Spirit e a Opportunity em 2004. Quanto ao futuro, a ESA pretende lançar o Programa Aurora, de levar o homem a Marte em 2030; e a NASA prevê levar o homem à Lua em 2015 para incrementar a ida do homem a Marte.

Em 27 de agosto de 2003, às 9:51:13 UT, Marte fez sua maior aproximação da Terra em quase 60.000 anos: 55758006 km (0,372 7 19 UA). Isso ocorreu a um dia da oposição de Marte e cerca de três dias a partir do seu periélio, fazendo Marte particularmente fácil de ver da Terra. A última vez que esteve tão perto é estimado ter sido em 12 de Setembro, 57 617 aC, e a próxima vez deverá ser em 2287. No entanto, esta abordagem recorde foi apenas ligeiramente maior do que outras aproximações mais recentes. Por exemplo, a distância mínima, em 22 de agosto de 1924 foi 0,372 8 5 UA. E a distância mínima em 24 de agosto de 2208 será 0,372 7 9 UA.

Assim, a história de Marte contada pela humanidade ainda é muito recente, porém essa pretende desvendar os mistérios de seu passado e revolucionar seu futuro para que também possa escrever algumas páginas desse livro marciano.

BIBLIOGRAFIA

BOCSKO, R. Estruturando e medindo o tempo na Antigüidade. Palestra apresentada na IV Semana da Licenciatura Interunidades da USP São Carlos em outubro de 2009.

SANT’ANNA, J. A. A Descoberta de Marte. Sessão Astronomia apresentada no Centro de Divulgação da Astronomia – CDCC/USP em 21 de março de 1998.

HÖNEL, J. Marte: tão perto e tão longe. Sessão Astronomia apresentada no Centro de Divulgação da Astronomia – CDCC/USP em 23 de agosto de 2003.

LAZO, M. L. História das Pesquisas em Marte. Sessão Astronomia apresentada no Centro de Divulgação da Astronomia – CDCC/USP em 02 de agosto de 2003.

University Corporation for Atmospheric Research. Discovery of Mars. Disponível em: <http://www.windows.ucar.edu/tour/link=/mars/discovery.html>. Acesso em 15 de jan. de 2010.

WIKIPEDIA, THE FREE ENCYCLOPEDIA. Mars. Disponível em <http://en.wikipedia.org/wiki/Mars>. Acesso em 15 de jan. de 2010.



WIKIPÉDIA, A ENCICLOPEDIA LIVRE. Marte (planeta). Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Marte_(planeta)>. Acesso em 15 de jan. de 2010.

WIKIÉDIA, A ENCICLOPÉDIA LIVRE. Marte (mitologia). Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Marte_(mitologia)>. Acesso em 15 de jan. de 2010.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal