História do Cerco de Lisboa – José Saramago



Baixar 8.56 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho8.56 Kb.
História do Cerco de Lisboa – José Saramago

 

 



Dois momentos históricos se cruzam em um mesmo parágrafo, ou até numa mesma linha, nesta obra de José Saramago, único nobel de Literatura da Língua Portuguesa. Na Lisboa contemporânea, uma editora encomenda a um modesto revisor, de reputação imaculada, as provas finais de mais uma obra sobre o sacrossanto tema da tomada de Lisboa pelos portugueses aos mouros.

O revisor Raimundo José, homem solitário de meia-idade, hábitos regulares, residente no bairro histórico onde havia se travado o cerco de 1147, renega as tradições de sua profissão e da historiografia oficial. Ao intervir na criação do autor, introduz uma novidade perturbadora. Com apenas uma palavra – tão somente um único NÃO – Raimundo José recria a fundação do reino lusitano ao dispensar a ajuda dos cruzados estrangeiros que, então, NÃO teriam ajudado no cerco. Por 450 anos - desde o ano 716 até a tomada lusa - Lisboa havia sido uma cidade muçulmana.

Outro tempo vai se revelando ao leitor, mas não um tempo de reis e emires. A narrativa histórico-literária de Saramago é centrada em personagens tradicionalmente marginalizados, seja por historiadores, seja por seus obedientes revisores. É o que se verifica em Baltasar, protagonista da ficção fantástica da construção do maior monumento histórico de Portugal, no século XVI, o Convento de Mafra, em Memorial do Convento.

Vejamos como Saramago procede a sua prosa metaficcional. O cerco de ontem é feito de cruzados na Baía do Tejo, de acampamentos, de batalhas e ratos devorados pelos mouros emboscados. Mas é feito também de um bairro de prostituição próximo às muralhas vigiadas sem misericórdia. O prazer efêmero lado a lado da morte inapelável. Ë feito do amor entre o soldado cristão Moigueme e a bela Ouroana. Ë feito, enfim, do combate entre Jesus e Maomé, pois ambos os lados não se cansam de invocar a proteção de seu deus, de seu Alá.

A intromissão de hoje, por sua vez, de um revisor metódico, interrompido apenas pelos préstimos da “mulher-a-dias”, desencadeia a inesperada paixão entre funcionário e revisora-chefe. Raimundo José e Maria Sara ainda experimentariam algo além da inaudita correção da história e do nacionalismo lusitano.

Sitiar e conquistar, eis a batalha de ontem e de hoje. Na conquista das fortalezas de pedra, os soldados exasperam-se e clamam por um final abreviado em que o outro lado finalmente se renda. Nas conquistas do coração, ontem e hoje, tudo o que o espírito dos amantes reivindicam é que o outro lado, percebendo-te rendido, tome-te de assalto em definitivo.

Ë o que Raimundo José espera, mas duvida que aconteça. Maria Sara vai ligar e algo vai acontecer. O toque do telefone, o mesmo que antes ameaçara anunciar, tonitruante, o fim da carreira de revisor - acusado de desleixo, ou pior, de sabotagem da obra original – passa a ser esperado com ansiedade de adolescente. Aqui a caneta do escritor assemelha-se ao pincel do pintor expressionista, gerando por contraposição duas imagens diferentes do mesmo objeto real.

 

“..o telefone lá estava, quieto, negro, como sempre, mas agora tinha deixado de ser um animal ameaçador, um insecto couraçado, de espinhos e aguilhões, podia ser mesmo comparado a um gato dormindo, enroscado no seu próprio calor, que desperto não ameaçará com as unhas de pequena e quantas vezes mortal fera, antes ficará esperando a mão que se aproxima para roçar-se nela, voluptuoso e cúmplice.” (p 242)



 

O telefone seria apenas algo pitoresco e anedótico no romance, não fosse o fato de revelar uma operação da alma da qual não raro todos lançamos mão. Um mesmo objeto é distorcido conforme a situação emocional em que nos encontramos. Trata-se de uma intervenção da subjetividade na concretude da realidade externa a nós. Trata-se do mecanismo de criação da pintura expressionista: a deformação. A passagem acima citada é uma eloquente manifestação da deformação da imagem como recurso expressivo.



 

João Pedro Ricaldes – fevereiro de 2004





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal