História e literatura em videiras de cristal



Baixar 67.9 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho67.9 Kb.

- nº 01 – Ano I – dezembro de 2005. Páginas 19 a 34.

HISTÓRIA E LITERATURA EM VIDEIRAS DE CRISTAL
Vera Fátima Gobbi Cassol1
A vasta temática e profundidade com que Luiz Antonio de Assis Brasil trabalha O Romance dos Muckers, implica um conhecimento histórico e literário contemporâneo e uma adequada contextualização na tentativa de estabelecer-se um paralelo entre essas duas ciências que se complementam, enriquecem e espelham, ao mesmo tempo de contribuem na construção da cultura brasileira. O duelo que se define entre o conservador, o tradicional, o abastado – como frutos de privilégios e favorecimentos escusos – e o subjugado, o novo, o carnavalizado e revolucionário, guia Videiras de Cristal para a crítica sócio-histórica tendo como veículo a rica literatura decorrente da abstração do real e da porção ficcional que impregna a obra.

O presente trabalho ocupa-se da ilustração de quatro atitudes que sintetizam a análise edificada no romance. Primeiro, a literatura busca apontar para o descaso com os imigrantes alemães que, jogados a sua própria sorte, facilmente se deixavam conduzir por “salvadores da pátria”, líderes que despontavam da mesma situação, brotando com confiança e entendimento da realidade. Jacobina surge nesse contexto e dessa forma se fortalece.

Num segundo auferimento se percebe a relação afetiva que advém da doutrina do Espírito Natural, marcando a necessidade física, corpórea dos seres humanos, estampada na vivência de Jacobina que a todos recebia com o ósculo da paz. A popularização dessa “doutrina”, exige que a Mutter se destaque nas funções e sobreponha-se ao seu próprio marido, marcando a superação do patriarcalismo, que quer, ao mesmo tempo, significar a derrocada da pobreza, do estado de miséria e injustiças que submetem os colonos alemães da região do Ferrabrás. Um sociedade que oprime e não satisfaz as necessidades báscias da população e encontra na sua gênese, o império do sexo masculino, portanto da intolerância, da técnica, do desrespeito.

Um quarto momento da ficção revela a facilidade com que surgem seitas, movimentos e crenças quando há distanciamento na satisfação das necessidades básicas dos seres humanos. Mesmo essa constação estabelece uma reflexão que vai além do horizonte da tradição e da obediência cega e da intolerância das instituições centralizadoras. Nisso consiste a liberdade de culto, de organização religiosa e da profissão de fé.

Abordando essas quatro temáticas, a pesquisa dividiu o trabalho em quatro capítulos que fazem, respectivamente, um resgate dos aspectos biográficos do escritor Assis Brasil, a contextualização da obra Videiras de Cristal, a compreensão da história e, por último, a relação com a literatura.
1. Aspectos biográficos de Luiz Antonio de Assis Brasil
Nascido em Porto Alegre em 1945, é bacharel em Direito e Doutor em Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, onde coordena a Oficina de Criação Literária. De família ligada à formação do Estado, passa a infância e a adolescência em Estrela, zona de colonização germânica. Quando vai a Porto Alegre, estuda com os padres Jesuítas e orienta-se para o Direito. Seu talento artístico também foi expresso na música. Luiz Antonio de Assis Brasil foi violoncelista da OSPA.

A música, entretanto, foi substituída pela literatura e o direito, pelo exercício do magistério. Nos anos oitenta, exerceu diferentes cargos administrativos ligados à cultura: diretor do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre e diretor do Instituto Estadual do Livro e subsecretário de Cultura do Estado, presidente da Associação Gaúcha de Escritores no biênio de 88/90, entre outros cargos de destaque.

Doutor em Letras, atualmente é professor adjunto na PUC do Rio Grande do Sul onde, no Curso de Pós-Graduação em Letras, coordena uma oficina de criação literária que já publicou várias antologias de contos. Sobre o autor em Videiras de Cristas e outras obras de cunho histórico, nota-se a preocupação em desmistificar os heróis da nossa História, apresentando-os em sua dimensão humana, com falhas, fraquezas, mas exaltando também os momentos de grandeza. Tendo a história como pano de fundo, Assis Brasil, vai desta forma, reconstituindo o passado do Rio Grande do Sul.

Obras: Um quarto de légua em quadro (1976), A prole do corvo (1978), Bacia das almas (1981), Manhã transfigurada (1982), As virtudes da casa (1985), O homem amoroso (1986), Cães da Província (1987), Videiras de cristal (1990), Perversas famílias (1992), Pedra da memória (1993), Os senhores do século (1994). Em 1998 publicou no jornal Diário do Sul o folhetim Breviário das Terras do Brasil.

Prêmios recebidos, sem inscrição prévia:


  • prêmio Ilha de Laytano (1977) por Um quarto de légua em quadro;

  • Prêmio Érico Veríssimo (1987) concedido pela Câmara de Vereadores de Porto Alegre pelo conjunto de sua obra;

  • Prêmio Literário Nacional do Instituto Nacional do Livro (1988) por Cães da Província.


2. Contextualização da obra Videiras de Cristal
Categoria: Literatura Brasileira

Gênero: ROMANCE

Resenha: O livro Videiras de Cristal originou o filme A paixão de Jacobina.
A ação ocorre na colônia germânica do Padre Eterno entre os anos de 1872 e 1874. Reconstitui parte da história do nosso país: liderada por uma mulher frágil, Jacobina Maurer, uma legião de colonos alemães revoltam-se contra as instituições da época, enfrentando o próprio exército imperial. Personagem de lenda e verdade, Jacobina tinha sua imagem confundida com o próprio Cristo, fazendo previsões sobre o fim do mundo e confortando os deserdados com promessas de paraíso celeste. Até hoje o episódio dos Muckers desperta interesse e constrangimento, pois os descendentes de seus protagonistas ainda vivem na região conflagrada.

Videiras de Cristal (Mercado Aberto, 542 páginas) foi lançado em 1990, após uma pesquisa que durou dois anos e meio. A história dos muckers, Assis Brasil conhece desde a infância passada na cidade de Estrela, na zona de colonização alemã. “É um assunto que sempre volta, embora as pessoas não gostem de falar a respeito – muitas ainda associam os muckers a bandidos”, diz o autor.

A mística em torno de Jacobina, atração que ela exerceu sobre um contingente de deserdados e desvalidos e os componentes trágicos da história induzem a comparações com Canudos, embora alguns críticos afirmem que o movimento dos muckers não tinha cunho político, direcionava-se mais o religioso, ao messiânico.

Mas Assis Brasil não se furta às analogias – a começar pelas origens do que viria a se transformar em tragédia. “O comércio na região dos muckers foi desaparecendo por causa das fábricas de São Leopoldo. O empobrecimento, a falta de escolas e de assistência médica contribuiu para que toda essa população sem recursos e abandonada se voltasse para Jacobina”.

O escritor reconhece que a densidade política da Revolta dos Muckers era menor do que a de Canudos. “Não se tratava de um movimento contra o Império”, diz ele, “mas foi um movimento importante. Ocorreu antes de Canudos, mobilizou o Império a ponto de enviarem contra os muckers o que sobrou do exército imperial após a Guerra do Paraguai – aliás, uma fração considerável do exército brasileiro, que incluiu um regimento de infantaria e um de artilharia. Tudo isso para debelar uma revolta na qual só se falava alemão”. O aparato bélico enviado contras os rebeldes incluiu, segundo o escritor, algumas inovações tecnológicas, como os foguetes incendiários lançados de uma plataforma, os foguetes à congreve, além de morteiros e quatro canhões.

A obra trata da imigração alemã no RS. O autor parte de um acontecimento político - o episódio dos Muckers. A personagem principal é a própria Jacobina, que comandou a insurreição contra a ordem constituída em nome dos princípios religiosos, o fanatismo, o abandono espiritual e material a que foram relegados os alemães que se estabeleceram na região do RS - Vale dos Sinos - a partir de 1824. O cenário é o próprio morro do Ferrabrás, próximo a Nova Hartz, palco dos lamentáveis acontecimentos que mancharam a História do RS na metade do século XIX, por isso, claramente se constata o predomínio do romance histórico com estrutura neo-realista. A linguagem é tradicional concentrando uma visão crítica e desmistificadora do passado.

A noção de espaço é precisa, porque o autor utiliza-se do descritivismo. O local é o Rio Grande do Sul, área de colonização alemã - Padre Eterno - no morro Ferrabrás (atual Sapiranga), colônia com pouca infra-estrutura.

Entre 1872 e 1874, a época do Segundo Reinado e do processo de Industrialização com o princípio da fase de descrédito de D. Pedro II. O fato relatado pelo livro não foi um processo isolado e, sim, uma relação com a realidade política, econômica e social da época. Outras tantas revoltas surgiram no Brasil no final do século XIX e início do século XX. As mais expressivas do ponto de vista das causas e conseqüências são: a Revolução nativista pernambucana de 1817; a Confederação do Equador no Nordeste em 1824; a Revolta dos batalhões de mercenários no atual PDC em 1828; a Cabanagem no Pará 1831-40; a Guerra dos Cabanos de Pernambuco e Alagoas 1832-35; a Sabinada na Bahia 1837-38; a Balaiada no Maranhão 1838-40; as lutas internas no Reinado de D.Pedro II; a Revolução Liberal de São Paulo 1842; a Revolução Liberal de Minas Gerais 1842; a Revolução Farroupilha 1835-45 (Ou Guerra dos Farrapos); a Revolução Praieira em Pernambuco 1848-49 e a Revolta dos Muckers do Ferrabrás - São Leopoldo -RS 1873-74. Deve-se observar que são contemporâneas três guerras messiânicas ocorridas no Brasil, no século XIX: Muckers (RS), com Jacobina Maurer; Canudos (BA), com Antônio Conselheiro e Contestado (SC), com Antônio Maria.

Quanto a linguagem, constitui-se de uma narrativa fragmentada, ora feita em 1ª pessoa, ora em 3ª pessoa do singular (narrador onisciente e imparcial). Os personagens são apresentados individualmente e, aos poucos, incorporam-se à trama. Em algumas passagens, o narrador assume a "fala" de certos personagens para melhor externar seus sentimentos.

Entre os personagens, destacam-se, no conjunto da obra Videiras de Cristal, Jacobina Maurer, esposa de João Jorge Maurer, mulher frágil que liderou o movimento messiânico dos Muckers. Grande capacidade de persuasão, carisma, demonstrava equilíbrio emocional. Dizia ser o novo Cristo. Curava as pessoas pelo Espírito Natural; João Jorge Maurer, o "Wunderdocktor" (doutor maravilhoso), marido de Jacobina, no final do episódio é trocado por Rodolfo Sehn, abondona o movimento e enforca-se; Jacó-Mula, estereótipo do fanatismo do movimento. Ignorado pela família e pelos amigos, foi morar em Ferrabrás, integrando-se aos muckers. Tornando-se um dos mais fiéis amigos de Jacobina; Johann Georg Klein, nascido na Alemanha era um homem culto com desejo de ser pastor. No Brasil, casou-se com Carolina Mentz, irmã mais velha de Jacobina, sendo convidado por esta a exercer funções eclesiásticas entre os Muckers. Ele aceitou e tornou-se um dos membros mais importantes; Rodolfo Sehn, amante de Jacobina; Christian Fischer, psiquiatra alemão que acabou aderindo à causa dos muckers; Ana Maria Hofstäter, apaixonada por Halbert. Com o assassinato deste, passou a odiar Jacobina (para quem trabalhava como criada), porém, permaneceu servindo-lhe até o final da trama; Halbert, morava em Ferrabrás, era um mucker; porém, quando preso e, logo após absolvido, foi morar com seu tutor, que era católico. Começou a colaborar com a polícia, indicando nomes e suspeitos do atentado contra João Lehn. Foi assassinado; Tio Fuchs, o ruivo mucker que matou Halbert; Schreiner, Delegado da província de São Leopoldo; Splinder, subdelegado; João Lehn, Inspetor de Quarteirão do Ferrabrás; Mathias Münsch, padre da Companhia de Jesus. Preocupado em salvar as almas, foi morto antes do combate final; Boeber, pastor da Igreja Luterana do Padre Eterno, morreu queimado juntamente com sua casa; Coronel Genuíno Sampaio, comandou o primeiro ataque aos muckers; Capitão San Tiago Dantas, passa ao comando do segundo e definitivo ataque.

Na colônia germânica de Padre Eterno, aos pés do Morro Ferrabrás, nos anos de 1872 a 1874, dá-se um episódio fascinante da história do Rio Grande do Sul. Um grupo de colonos alemães liderados por uma frágil mulher, Jacobina Maurer, a qual se intitulava o "Cristo Feminino", revolta-se contra as instituições da época. Os "muckers" (santarrões, hipócritas, santos fingidos, em alemão) eram confortados por Jacobina com suas promessas do paraíso celeste, pois esta fazia previsões sobre o fim do mundo. Sendo vistos como fanáticos pelas autoridades e demais cidadãos, os muckers começaram a ser perseguidos. Ao contrário do que pensavam, o grupo começou a aumentar, tendo como apoio as palavras da Mutter (mãe), "a porta-voz do Espírito Natural". Com isso, uma verdadeira guerra se instaurou na colônia: de um lado os muckers, defendendo sua fé, e de outro os demais colonos, que defendiam a ordem.

Com o elevado número de mortes e incêndios, a situação chegou ao ponto de ser necessária a convocação do Exército Imperial para pôr fim à confusão. A essa altura, os muckers eram cerca de duzentas pessoas, capazes de morrer por Jacobina. Com a chegada do Exército Imperial, eles se reuniram na casa da Mutter, na busca de refúgio e proteção; porém, após alguma resistência, o lugar foi tomado pelo exército, que se constituía de mais ou menos quinhentos homens bem armados. Os muckers e sua cidadela foram arrasados. Jacobina, sua filha caçula ("a filha da fé") e mais umas vinte pessoas, entre elas os principais líderes, conseguiram fugir para um esconderijo no Morro Ferrabrás. No entanto, um dos sobreviventes, Andreas Luppa, que teve sua família morta, revoltou-se contra Jacobina, entregando-a às autoridades. Num segundo ataque, o Exército matou o restante, inclusive a líder Jacobina Maurer.

O livro Videiras de Cristal relata, com verossimilhança, os fatos ocorridos em tal acontecimento (Revolta Messiânica dos Muckers). Luís Antônio de Assis Brasil, com ajuda de pesquisas e um bom respaldo bibliográfico, conseguiu caracterizar com detalhes a vida dos personagens envolvidos na história. É, no entanto, um romance de ficção, tendo em vista a criação de vários personagens e suas vicissitudes. Apesar de o livro estar preso no tempo, consegue-se visualizar muito bem a história devido ao detalhismo. Assis Brasil usa um artifício muito peculiar para melhor caracterizar seus personagens que é a profunda análise psicológica. Assim, pode-se perceber os conflitos internos de cada um. O autor faz uma crítica sutil à estrutura do governo imperial, através dos liberais, mas não apresenta solução para os problemas. A história (religiosa) é atemporal, pois seitas como a dos Muckers surgem a toda hora. Outro ponto interessante a ser ressaltado é a mesquinhez, o individualismo e a ingenuidade das pessoas. Os adeptos da seita eram cegos de tão ingênuos e os outros personagens, com exceção do Padre Munsch, colocavam seus interesses em primeiro lugar (BONDAN, 2002).
3. A História
O episódio descrito romanceado por Assis Brasil em Videiras de Cristal também é conhecido como a Revolta dos Muckers do Ferrabraz, com início em “1872, talvez junho” (BRASIL, 1992, p. 11). Nos anos de 1873-74, sendo comandante das Armas do Rio Grande do Sul o pernambucano Mal. Vitorino Monteiro o Barão de São Borja, teve lugar em São Leopoldo, mais precisamente na “Colônia do Padre Eterno, às margens do rio dos Sinos, Província de São Pedro do Rio Grande do Sul” (idem, p. 19) o episódio conhecido como a Revolta dos Muckers do Ferrabraz, que terminou provocando a intervenção de forças do Exército locais para combatê-la. Ação militar que a própria população contrária a Jacobina, preconizava e até defendia: “- Um dia (...) a própria Guarda Nacional pode ser chamada a garantir as leis do Império no Ferrabrás” (BRASIL, 1992, p. 112).

O triste episódio de fanatismo religioso, aliado a intrigas de colonos e autoridades e falta ou deficiência de informações exatas, terminou por provocar uma tragédia social que melhor poderá ser avaliada politicamente pelo leitor e historiador interessado na leitura das seguintes obras, entre outras: - SHUPP, Ambrósio (padre jesuíta). Os Muckers (mais de uma edição); PETRY, Leopoldo. Episódio do Ferrabraz - Os Muckers; São Leopoldo: Ed. Rotermund. 1957; DOMINGUES, cel. Av. Moacyr, A Nova face dos Muckers. São Leopoldo: Ed. Rotermund, 1977.

O cenário da revolta foi a linha Ferrabraz, em Sapiranga, tendo envolvido as localidades atuais de Campo Bom, Lomba Grande, Novo Hamburgo e sob a liderança do casal João Jorge e Jacobina Maurer. A falta de habilidade policial, instigada por acusações exageradas, terminou por acirrar o ódio entre os colonos que seguiam o casal Maurer, contra a situação de vexame que lhes impunham autoridades e vizinhos.
Nuvens é que não faltavam: com insistência chegavam notícias de um grande movimento a ser desencadeado pelos Padres, Pastores e autoridades, com o objetivo de pôr um fim às reuniões do Ferrabrás. O Inspetor já ameaçara proibi-las, nem que para isso precisasse de soldados e armas, porque elas atentavam contra a segurança da população BRASIL, 1992, p. 150)
Os mucker sofriam toda a ordem de represálias, como narra Videiras de Cristal: “- Acabou o café. Acabou o sal. (...) o comerciante, à vista dos outros fregueses, dissera que para a gente do Ferrabrás não vendia mais” (p. 93). O conflito com os muckers foi se agravando ao ponto de o Presidente da Província, Dr. João Pedro Carvalho de Moraes, determinar ao seu Comando das Armas a intervenção na revolta “Naquela véspera do Segundo Domingo depois da Páscoa do ano de 1873 (BRASIL, 1992, p. 149). Sob o comando do cel. Genuíno Olímpio de Sampaio, herói da guerra do Paraguai, foi destacado um forte contigente de 500 homens de Infantaria, Cavalaria e Artilharia nucleado pelo 13ª BC de Porto Alegre. A intransigência dos governantes, fica expressa nas seguintes palavras do Presidente da Província:
(...) Nada mais nos resta do que a ação militar. Temos sido muito generosos com um movimento que ao princípio não parecia importante, mas que se avolumou com o correr do tempo e agora põe em risco não apena a colônia alemã e a cidade de São Leopoldo, mas a própria Província do Rio Grande do Sul (BRASIL, 1992, p, 367).
Ao escurecer de 28 junho 1873, o cel Genuíno ordenou um ataque sobre a casa dos Maurer, esperando obter sua prisão. Os muckers entrincheirados em troncos de árvores e depressões de terreno que conheciam muito bem, reagiram violentamente ao custo de 4 mortos e 30 feridos.

Sendo noite, o cel. Genuíno ordenou um retraimento para 10 km à retaguarda, em Campo Bom atual. Decorrido 21 dias, “(...) Em campanha no Morro do Ferrabrás, 19 julho 1874” (BRASIL, 1992, p. 494), o cel Genuíno com reforços recebidos, inclusive 150 colonos alemães voluntários, atacou novamente o reduto mucker na casa do casal Maurer. O ataque e reação foram violentos! Morreram 12 homens e 8 mulheres muckers. Foram presos 6 homens e 36 mulheres. O romance diz que “Os muckers foram trazidos um a um pelo Oficial de Justiça e postos de pé à frente da mesa das audiências, onde está o Chefe de Polícia, o escrivão e o Delegado (...) (1992, p. 197). Poucos conseguiram fugir. Cerca de 17 muckers se retiraram para outro reduto. Eles constituíam parte das lideranças mais expressivas. Para o cel. Genuíno pareceu que a vitória tinha sido completa. Ao amanhecer de 20 julho 1874, o acampamento legal foi atingindo por tiros de tocaia disparados do mato próximo. O cel. Genuíno teve cortada com um tiro uma artéria da coxa, vindo a perecer, após esvair-se, em sangue, sem o socorro do médico que deslocava-se para São Leopoldo com os feridos.

A tropa do Exército, após combater no dia 21, retraiu novamente para Campo Bom Assumiu o comando o cel. César Augusto. Em 21 de setembro de 1874, novo ataque ao reduto dos muckers foi repelido, deixando um saldo de 5 mortos e 6 feridos do Exército. Em 25, a força civil composta de colonos de Sapiranga, Taquara, Dois Irmãos e outras picadas, tentaram, sem êxito, um ataque ao reduto mucker. Foi aí que o cap. Francisco Clementino Santiago Dantas, que participara dos ataques iniciais ao lado do cel. Genuíno, se ofereceu ao Presidente da Província para comandar o ataque final. Em 2 de outubro, decorrido 35 dias do início das operações contra os muckers, o cap. Santiago Dantas atacou o último reduto dos fanáticos. No renhido combate pereceram 17 muckers, dos quais 13 homem e 4 mulheres.
(...) o delegado de São Leopoldo estava no Ferrabrás e amarrava os fiéis em cordas e amarrava essas cordas uns nos outros, tudo igual como os brasileiros fazem com os negros. E mandava que os soldados dessem pau e relho em todos os fiéis presos e prendia as mulheres dentro de casa, de onde não podiam sair(...) (BRASIL, 1992, p. 272).
Os muckers, presos antes e durante a luta, após processo em que foram condenados, apelaram e foram liberados em 1883. Os muckers sobreviventes, para fugir às perseguições dos habitantes do lugar, mudaram-se para a Terra dos Bastos, em Lageado. Lá, no Natal de 1898, foram atacados e chacinados por colonos da Picada de Maio que acreditavam ter sido eles os assassinos bárbaros da Sra. Shoreder, vítima, em verdade, de seu marido, que a matara para casar com outra. Verdade que só veio à luz depois do linchamento dos muckers remanescentes inocentes.

Participaram do combate aos muckers, o cel. Carlos Teles, que, mais tarde será sitiado por 46 dias em Bagé, e João Cezar Sampaio, que o libertou em 8 de janeiro de 1894 à frente da Divisão do Sul. O último era genro do cel. Genuíno, morto no Ferrabraz. Ambos, Carlos Teles e Sampaio, destacam-se por feitos heróico em Canudos. Nesse tempo, as tropas do Exército da guarnição do Rio Grande do Sul sentiam os maléficos efeitos do Regulamento de Ensino do Exército de 1874, de cunho bacharelesco.

No episódio do Ferrabraz, tropas do Exército, sem disporem de um desejável sistema de informações, foram lançadas numa operação sangrenta, fruto da inabilidade das autoridades de São Leopoldo e da Província. Em Canudos, isso se repetirá em maiores proporções. A lição deste episódio foi ignorada em Canudos e os abusos se repetiram. A resistência dos muckers contou com o concurso de colonos veteranos da Guerra do Paraguai.

Os muckers foram colonos que ocuparam o Ferrabraz no centro do triângulo balizado por Novo Hamburgo, Taquara e Gramado, povoado por imigrantes alemães agricultores. Estes colonos sem assistência médica, religiosa e educacional entraram num processo de decadência social e de empobrecimento. Nesse quadro de abandono despontaram as lideranças de João Jorge Maurer, um curandeiro a quem os colonos confiavam sua saúde. Sua esposa Jacobina, na falta de padres e pastores, passou a interpretar a Bíblia e assim a desfrutar grande credibilidade que aumentou com seus ataques epilépticos, atribuídos e explorados como encontros com Deus. “(...) uma personagem que se intitulava o novo Cristo” (BRASIL, 1992, p. 183). Essa situação caótica é descrita por Brasil (1992), da seguinte forma:


(...) a colônia apresenta duas faces: de um lado a face boa, isto é, a dos imigrantes que, aqui chegados há quase cinqüenta anos, adquiriram fortuna e vieram morar em Sâo Leopoldo. Desfrutam de algumas vantagens do mundo civilizado e podem importar seus cristais da Boêmia (...) a , constituída por toda esta gente que se espalha nas duas margens do rio dos Sinos e forma pequenos núcleos de vida apagada: falam apenas alemão, vivem em pequenos lotes de terras(...) (p. 46)
Jorge Maurer, cuidando do corpo e sua esposa, do espírito de um povo abandonado nas matas e grotas, facilmente exerceram liderança que resultou no triste episódio de revolta que tantas vidas imolou. “(...) João Jorge explicava aos clientes que as receitas das poções não eram prescritas mais por ele, mas sim pelo Espírito Natural que falava por intermédio de Jácobina. A notícia de que Maurer contava com as faculdades sonambúlicas da esposa correu por toda a colônia do Padre Eterno, Hamburgerberg e até São Leopoldo” (BRASIL, 1992, p. 55). Os colonos, vindos para povoar a região, eram originários da região de Hueruch, no Sudoeste da Alemanha, onde, na época, havia grande miséria decorrente do arrasamento sofrido pelas tropas de Napoleão e, diante das necessidades vitais não satisfeitas, organizaram-se a seu modo sob a liderança dos Maurer: “- No Ferrabrás. Os Maurer constituem uma congregação em que tudo é de todos. Praticam um socialismo que ultrapassa em muito as idéias de Proudhon” (BRASIL, 1992, p. 112).

Duque de Caxias a esta época fora do governo vivia a angústia da doença e morte da duquesa de Caxias ocorrida em 1874. Somente em 22 de janeiro assumiria pela derradeira vez o Ministério da Guerra e a Chefia do Governo. Portanto nada pode fazer em benefício da pacificação dos muckers ocorrida sob a égide do Gabinete de Ministros que ele substituíra.


4. A Literatura

A obra Videiras de Cristal aborda uma temática de cunho histórico apresentando, com amparo real, discussão de vários conceitos que são apropriados pela Literatura na busca pela desmistificação das instituições tradicionais com vistas a construção de um movimento que supere o cotidiano. No dizer de Hohlfeldt, “Assis Brasil perseguiria a desmistificação, buscando demonstrar que, por trás das grandes sagas, remanescem sofrimentos profundos e a desagregação familiar” (1998, p. 66). Assis Brasil analisa, através da personagem principal de Jacobina, a necessidade da liberdade religiosa como enriquecimento cultural e razão de cooperação entre os seres humanos, ao mesmo tempo em que preocupa-se com os rumos que grupos religiosos que decorrem dessas situações místicas, sem profundidade, sem consciência de seus movimentos.

O médico, João Jorge Maurer e sua mulher, Jacobina, formam o casal que participou de um dos momentos mais sangrentos do Segundo Império da história brasileira. Em 1874, Jacobina, uma imigrante alemã, lidera uma seita dissidente do protestantismo e ocupa seu tempo com a leitura da Bíblia, a cura dos males do corpo e a salvação da alma. Ela prega que, no dia de Pentecostes (50º dia depois da Páscoa), quando brilhar uma luz no céu, o mundo vai ser consumido por chamas purificadoras. Videiras de Cristal ilustra os momentos de revelação com a passagem: “E a voz do Senhor, lenta e séria, fez-se mais uma vez ouvir: JACOBINA É ELEITA PERANTE MIM, EU A FIZ MINHA E DE TODOS VOCÊS. CONFIEM NELA NESTE MOMENTO DE ANGÚSTIA” (1992, P. 461).

A força com que diz suas palavras, além de seus míticos desmaios, considerados uma prova de mediunidade, transformam Jacobina em uma líder religiosa capaz de multiplicar a esperança daquela gente marginalizada, ao dizer “- E vocês, não percebem o oquanto a diença é uma forma de submissão? Venham para mim, que ofereço a saúde e a vida sem humilhá-los nem apregoar caridade” (BRASIL, 1992, p. 211). A população local, que vivia na região onde hoje está a cidade de Sapiranga, teme pelo crescimento de sua fama e passa a tratar seus seguidores de muckers (falsos beatos). Controla também cada passo daquela comunidade que, sob um estado crescente de transe espiritual, passa a viver sob regras pagãs, ou seja, com uma boa dose de liberdade sexual e social. “Em um meio comandado por preceitos rígidos, Jacobina busca tornar as pessoas mais livres e sensuais”, escreve Ubiratan Brasil (2002, p. 03). Continua, afirmando que “vivemos em uma época desprovida de interesse, em que a globalização minimiza a qualidade de vida. Afetivamente, a humanidade regrediu” (idem), por isso a necessidade de se discutir esses valores que a literatura apresenta e que refletem o cotidiano sócio-histórico da formação da sociedade gaúcha e brasileira como um todo. Inclusive no que diz respeito a discriminação e aos preconceitos que ficam claro na obra quando o narrador descreve situações em que o nome dos muckers é usado como símbolo de medo diante da educação das crianças pelos cidadãos dignos contrários às pregações de Jacobina, principalmente quando ocorria uma doença mental, quando as crianças não dormian , molhavam a cama à noite ou faziam travessuras: “Cuidado que a Jacobina te pega” (idem, 258).

Um sentido presente em Videiras de Cristal, que por muitas vezes é reafirmado como valor observado pelos muckers e, especialmente, pela líder Jacobina, é a afetividade. O zelo pelo corpo, pela sensualidade, que o mistério de seus profundos e prolongados sonos, dos quais ressurgia iluminada, conferem uma preocupação da protagonista com o resgate da beleza, da feminilidade, da paixão intensa e do amor que, mesmo parecendo libertino ao apresentar-se como um contra-valor no mundo burguês, capitalista, tece os elos e acende a chama ardente do prazer que brota do Espírito Natural. Por outro lado, revela um cuidado que busca apresentar a mulher como pura sensualidade e beleza necessárias ao sexo feminino, principalmente, porque “nenhuma mulher deve impor aos homens uma visão deprimente, ainda mais mulher jovem e solteira” (BRASIL, 1992, p. 209).

Sem se furtar a uma discussão social, Assis Brasil aborda a necessidade de organização, cooperação, solidariedade e de satisfação das necessidade básicas dos seres humanos como fundamento principal do movimento mucker, apontando para o descaso das instituições políticas. População que passou a ser liderada por Jacobina em todos os momentos das suas vidas. Até mesmo nas lutas quando “Apenas a Mutter os confortava. (...) percorria os postos de guarda como um anjo da esperança, só voltando para a choupana depois de encorajar com o ósculo da paz a cada um dos homens trespassados de frio” (BRASIL, 1992, p. 518). A situação de abandono a qual foram submetidos os colonos alemães imigrantes e o estado de miséria e esquecimento os forçaram a procurar alternativas de sobrevivência. Por outro lado se percebe o envolvimento das instituições eclesiásticas somente com as populações mais centrais, com a população economicamente promissora ou estável sendo representada na obra pelo distanciamento do pastor e do próprio padre.

Antonio Hohlfeldt tece um comentário a respeito do problema da grande diferença que ocorre na região de imigração alemã e conflituosa do Ferrabrás que analisa a situação “numa sociedade desigual, não apenas em relação às classes sociais quanto aos papéis sociais que cada indivíduo deve desempenhar, as frustrações ampliam-se em seus significados, ocupam todo o nosso ser e refletem, enfim, as questões do universo externo” (1998, p. 94). Uma tentativa de entendimento do messianismo mucker.

O primeiro incidente ocorre quando alguns habitantes, bêbados, invadem a propriedade de um dos seguidores de Jacobina. Por crueldade, matam alguns cavalos. Quando o mucker tenta intervir, é assassinado. A vingança torna-se inevitável, desencadeando uma série de crimes praticados pelos dois lados. Apesar da série de mortes, os responsáveis pela lei – o delegado John Lehn e o pastor Boeber – não conseguem descobrir nenhum culpado e decidem aguardar os acontecimentos em total impotência.

Por pressão da população, Jacobina é levada a São Leopoldo, cidade gaúcha onde é examinada por um médico, que recomenda sua internação na Santa Casa de Porto Alegre. A profecia, porém, concretiza-se e, no dia de Pentecostes, um meteoro cruza os céus e cai na terra dos muckers. É o suficiente para incitar o conflito armado, obrigando uma ação do Exército. Na primeira investida, os seguidores de Jacobina saem vitoriosos. No confronto seguinte, no entanto, os fanáticos são encurralados em suas terras e o massacre é inevitável. Jacobina é morta assim como todos os seus seguidores. Apenas Elizabeth Carolina, cunhada de Jacobina, consegue fugir, ajudada pelo delegado John Lehn. Durante a fuga, eles vislumbram, entre as grandes labaredas e em meio à fumaça, Jacobina levitando e se elevando aos céus. A luta de Jacobina, escreve Ubiratan Brasil (2002) é pela liberdade espiritual e, por isso, ela procura descobrir a poesia em meio ao caos.

Há 127 anos, esse episódio sangrento convulsionou a colônia alemã do Rio Grande do Sul. Reunidos em torno da figura enigmática de Jacobina – santa e profetiza para seus seguidores, promíscua e devassa para seus inimigos –, pobres e desvalidos deram início ao movimento que acabaria em tragédia: a Revolta dos Muckers. Na Literatura de Assis Brasil, ela levita, fala com Deus e tem o dom da profecia. Às vezes era vista com um vestido branco e flores na cabeça, profetizando após sair de um transe que poderia durar dias. Também diziam que se ouvia uma música “celestial” quando ela falava, e que não raro visitava o Criador em pessoa – ou espírito. Seus seguidores afirmavam que era Cristo em uma encarnação feminina. Uma mulher que tem o espírito ungido por uma missão ao mesmo tempo em que vive seu cotidiano de mãe e esposa. Seus detratores a chamavam de promíscua e lasciva. Mas nada afetava o fervor inabalável de seus seguidores, que poderiam facilmente morrer por ela. E de fato morreram, trucidados até que não restasse quase nenhum, num obscuro episódio da história conhecido como a Revolta dos Muckers – um dos maiores conflitos envolvendo imigrantes alemães já ocorrido em terras brasileiras. Esse acontecimento é explicado por Bondan (2002) quando diz que "as almas dos fiéis se assemelham a videiras de cristal: fecundas nos verões luminosos, mas frágeis e quebradiços quando cobertas pela geada do inverno" (p. 01).

Jacobina Maurer, em Videiras de Cristal, é líder de uma seita vagamente inspirada em movimentos religiosos radicais surgidos na Europa medieval. Alimentado pela miséria e pelo isolamento em que vivia boa parte dos colonos alemães no Rio Grande do Sul, o culto de Jacobina logo entrou em conflito com o poder estabelecido, numa radicalização que, a exemplo de Canudos e Contestado, só poderia terminar com a imolação dos “devotos”, conforme eles se chamavam, ou “fanáticos”, nas palavras de seus adversários. A seguinte passagem do romance faz a relação com a história, empregando o recurso literário da carnavalização, desconstrução e sacralização, comparando com o barbarismo de Canudos:
O que são estes vinte cadáveres de adultos e crianças que Genuíno vê , alinhados com regularidade decimétrica no chão do terreiro? O que significa esta meia centena de prisioneiros loiros, estas mulheres embrutecidas e de mãos grossas como as dos lenhadores, estas crianças mudas de pavor? E este cenário de Apocalipse, de escombros fumegantes que ainda sepultam restos humanos? (BRASIL, 1992, p. 493).

Os eventos que culminaram num confronto sangrento – para o qual foram deslocados soldados e canhões remanescentes da Guerra do Paraguai – tiveram como cenário a região do Vale do Rio dos Sinos, mais especificamente, a Leonerhof, ou fazenda Leão. Parte da colônia alemã de São Leopoldo, a fazenda ficava no atual município de Sapiranga, a 90 quilômetros de Porto Alegre. Sobre o final do movimento militar contra os muckers, a obra Videiras de Cristal escreve que “Os muckers lutaram como leões destemidos em degesa de seu covil atirando sempre, não hesitando em expor-se de peiro aberto às balas. Aos gritos de ‘Viva Jacobina’, iam sendo dizimados” (BRASIL, 1992, p. 531).

O Romance narra a união de um carpinteiro chamado João Jorge Maurer e de uma jovem de saúde frágil, sujeita a constantes ataques epiléticos, Jacobina Mentz. Figura enigmática, o carpinteiro aprendeu a lidar com poções e ervas, até que um dia anunciou que tinha sido “chamado por Deus” para se dedicar à cura, com essas palavras: “Não sou eu (...) quem você deve procurar! Olhe para sua frente, olhe para Jacobina! Ela é que sabe tudo, ela cura para depois da morte, ela é poderosa e superior a mim!” (p. 176). Mais adiante, o Wunderdoktor professa que existe “(...) para preparar o caminho para minha mulher. Não fui feito para brilhar, e sim para refletir a luz de alguém mais luminoso” (idem), referindo à Mutter. Na sua nova missão de curandeiro contou com o apoio da mulher, cuja epilepsia passou a ser vista como um transe no qual profetizava e recebia mensagens divinas. Adversos ao messianismo dos muckers, diziam que “Só quem vive nestas selvas pode entender como o Cristo de saias chegou ao ponto de nomear apóstolos” (idem, p. 197).

Outro tabu que se apresenta como uma discussão histórica e revela uma tentativa de desenvolvimento de situações mais igualitárias entre o homem e a mulher, aparece em Videiras de Cristal na condição de superação do centralismo masculino vivenciado por João Jorge Maurer diante do destaque que gradativamente a “mater” vai assumindo. Um desejo inconsciente de subverter a ordem social estratificado onde às mulheres nem era concedido o direito ao voto e a voz. Estrutura esta que os obrigava ao caos, a miséria, a falta de assistência médica, religiosa, econômica e os empurrava à margem da sociedade. A derrocada do patriarcalismo representado em dizeres “Como é que uma mulher pode ser chefe de alguma coisa?"”(BRASIL, 1992, p. 189), representa a alternativa, a possibilidade de vida digna, de existência feliz e realizada. Esse desejo se presentifica quando Jacobina diz que


- Toda mulher é forte. E às vezes passa toda a vida sem saber disso, acomodada nos confortos de um marido. A verdade só aparece quando se dá conta da fraqueza do homem com quem vive. Aí passsa a viver por si mesma (BRASIL, 1992, p. 208)
O templo erguido pelo casal no Morro do Ferrabraz logo atraiu uma legião de doentes em busca de cura e miseráveis atrás das promessas de redenção de Jacobina que logo se torna a figura central do culto. Sua pregação, não raro acompanhada de “efeitos especiais” (levitação e “desaparecimentos mágicos”) encontrou terreno fértil entre parte da colônia alemã que, privada de escolas e atendimento médico, levava uma vida de pobreza e embrutecimento.

Os seguidores de Jacobina ganharam um nome extraído do arcaico dialeto alemão falado pela colônia: muckers. A palavra significa vagabundo, santarrão na gíria deles. O termo pejorativo indica a repulsa que a seita provocava no restante da população. Jacobina era uma médium, uma paranormal que mergulhava num sono consciente e, quando acordava, transmitia mensagens de esperança para aquela gente.

As pessoas se sentiam ameaçadas porque o movimento não estava submetido aos poderes constituídos da época. Jacobina instigava seus seguidores a não freqüentarem escolas ou igrejas e a serem auto-suficientes em vez de consumir os bens produzidos pelos “ímpios”. A população local ressentia-se da perda da mão-de-obra e de consumidores, ao mesmo tempo em que ultrajava-se com os costumes pouco convencionais instituídos por Jacobina, como a troca de casais. Todos esses ensinamentos eram recebidos diretamento do Espírito Natural que tinha no ósculo da paz o seu sinal de manifestação. Dizendo-se inspirada por Deus, ela declarou que todos poderiam renunciar ao casamento e unir-se novamente com quem bem entendessem. E deu o exemplo, trocando Maurer por Rodolfo Sehn, um de seus seguidores, e forçando Maria, mulher de Sehn, a ficar com Maurer. O movimento de Jacobina era pacifista, positivista e humanista, mas acabou se fanatizando (MAGGIO, 2002). Depois de uma longa série de atritos entre os muckers e a população, a animosidade descambou para a violência desenfreada. Até mesmo seu ex-marido João Jorge, abandona a causa. Mais por descontentamento com os ensinamentos de Jacobina que passara a pregar o amor livre, como evidencia o diálogo entre os dois
- Eu estou fora disto. – Todos se voltam pra João Jorge Maurer. – Para mim tudo termina aqui.

Jacobina vem para a frente, fita-o com um olhar que é um misto de desprezo e pena.

- Esperava isto de você. Mas não tão cedo. (BRASIL, 1992, p. 507)
Veterano da Guerra do Paraguai, o coronel Genuíno Olímpio de Sampaio entra em cena para pôr fim à resistência dos muckers. Subestimando o inimigo, ele e seus homens são derrotados e pedem reforços. De acordo com Luiz Antonio de Assis Brasil, autor de Videiras de Cristal, da segunda investida fizeram parte algo em torno de mil homens, entre soldados, membros da guarda nacional e civis armados, contra aproximadamente 600 ou 700 muckers, incluindo mulheres e crianças. O templo de Jacobina foi incendiado, o que provocou a morte de vários seguidores que não quiseram se render. O Romance conta que “ Nesta manhã chegaram ao cenário da hecatombe o Chefe de Polícia da Província, o Presidente da Câmara de São Leopoldo, o Doutor Lúcio Schreiner, o advogado Epifânio Fogaça e mais um povo irado que, mesmo sob ameaças, vilipendiou os cadáveres, desfigurando-os sob os tacões das botas” (BRASIL, 1992, p. 532). Mas a líder da seita e seus principais auxiliares conseguiram escapar.

Na caderneta de anotações de San Tiago Dantas, oficial da Força Imperial, se encontra a seguinte descrição:


‘O cenário do embate (...) apresenta-se doloroso como o Tártaro e horripilante como o Érebro; onde gnte honesta e laboriosa cultivava a terra – sua esperança de vida melhor no Mundo Novo – agora só há destroços ígneos. Difícil imaginar que tudo isso venha a florir um dia. A deusa Nike nos sorriu, mas abriga em seu manto uma legião de desgraçados!’ (BRASIL, 1992, p. 502s).
Jacobina, que se dizia Cristo, teve o seu traidor: morreu ao ter o esconderijo delatado, não sem antes ver ferido de morte o coronel Sampaio, atingido em emboscada armada pelos muckers. Desabando com ela a tentativa de estabelecer um nível de convivência fraterna, afetivo, amoroso onde todos pertencessem a todos sem a premência dos laços tradicionais que prendem um homem a uma mulher por toda a vida. Uma proposta revolucionária que revelava-se herética e diabólica para a conservadora sociedade alemã dos tempos do império, mas que tinha na amorosidade, no carinho, na felicidade, no prazer, sua forma de amenizar os sofrimentos, a miséria e a doença, alegrando a triste condição dos seus adeptos.
5. Referências Bibliográficas


  • BONDAN, Marcos Pertillo. Videiras de Cristal. Porto Alegre, 2001. Capturado da internet em 01.12.2002. Disponível no endereço www.bondan.pro.br/biblioteca/videiras_de_cristal.htm.

  • BRASIL, Luiz Antonio de Assis. Videiras de Cristal. 3 ed. Porto Alegre : Mercado Aberto, 1992.

  • BRASIL, Ubiratan. ‘A Paixão de Jacobina’ é a busca pela liberdade. São Paulo, 2001. Capturado da internet em 06.12.2002. Disponível no endereço www.estadao.com.br/notícias/99/05/23/d07.htm

  • COSTA, Rogério Haesbaert da. Espaço e sociedade no Rio Grande do Sul. 3 ed. Porto Alegre : Mercado Aberto, 1993.

  • FREITAS, Décio (Org). RS: cultura & ideologia. 2 ed. Porto Alegre : Mercado Aberto, 1996.

  • GALLAS, Daniel. A Paixão de Jcobina. São Paulo, 2001. Capturado da internet em 05.12.2002. Disponível no endereço www.terra.com.br/cinema/filme/ficha//0,2529,607,00.html

  • HOHLFELDT, Antonio. Literatura e vida social. 2 ed. Porto Alegre : UFRGS, 1998.

  • JORNAL DA TARDE, Editoria. Um Brasil que o Brasil desconhece. São Paulo, 2001. Capturado da internet em 06.12.2002. Disponível no endereço www.jt.estado.com.br

  • ZILBERMAN, Regina. Roteiro de uma literatura singular. 2 ed. Porto Alegre : UFRGS, 1998.

  • __________. A literatura no Rio Grande do Sul. 3 ed. Porto Alegre : Mercado Aberto, 1992.




1 Professora no CE Dr. Dorvalino Luciano de Souza – Cerro Grande-RS. Trabalho apresentado na URI-FW,


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal