História, evoluçÃo e educaçÃO: o materialismo científico de charles darwin e thomas henry huxley



Baixar 19.03 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho19.03 Kb.


HISTÓRIA, EVOLUÇÃO E EDUCAÇÃO: O MATERIALISMO CIENTÍFICO DE CHARLES DARWIN E THOMAS HENRY HUXLEY

Simone Sartori Jabur*



Guaraciaba Aparecida Tullio**
Esta pesquisa está voltada para a compreensão histórica do desenvolvimento da ciência da evolução orgânica no pensamento de dois autores ingleses do século XIX: o naturalista Charles Darwin (1809-1882) que elaborou a teoria sobre a ciência da evolução orgânica e Thomas H. Huxley (1825-1895), também naturalista e respeitado educador. A questão se justifica, pois, a evolução orgânica, um dos conceitos fundamentais no pensamento moderno, é o ponto central para a construção da biologia e seu desenvolvimento na sociedade voltada para a troca. No campo desta ciência, a teoria da seleção natural se transforma em seleção artificial orientando o desenvolvimento da biotecnologia.
Na trajetória de incorporação social da ciência biológica o princípio básico da evolução, a seleção natural, se expressa, na ideologia burguesa, como um princípio explicativo das mudanças na sociedade humana deixando marcas significativas no processo de desenvolvimento do pensamento pedagógico moderno.
A escolha, para análise, das obras “A origem das espécies” e “A origem do homem”, de Charles Darwin, e “As sciencias naturaes”, “Coleção de ensaios” e “A educação e as ciências naturais” de Thomas H. Huxley faz parte de um processo de estudo que não se entende esgotado nem dirigido para a defesa da ciência como alguma espécie de dogma a ser cultuado.
No aspecto histórico da elaboração da ciência burguesa, a produção teórica de Charles Darwin possibilitou argumentos para a crítica de uma explicação do mundo alicerçada na fé e na vontade divina ao mesmo tempo em que forneceu aos homens a convicção de que, com base nos estudos da seleção natural e da variabilidade das espécies, eles estariam capacitados para entenderem a origem dos seres vivos. Enfim, em condições de explicar materialmente a própria vida. Com a publicação dos escritos de Huxley a sociedade de sua época se deparou com um insistente defensor e divulgador das idéias consideradas atéias de Charles Darwin.
Charles Darwin (1988) fundamentou a lei da seleção natural entre os seres vivos, pela premissa da lei econômica da sociedade capitalista, ampliando-a para a explicação de toda a natureza orgânica. Fez dela o elemento central de seu pensamento que expressa afirmações como as de que as plantas e os animais, em geral, produzem proles maiores que seu habitat comporta. E ainda: que essas proles diferem ligeiramente de seus pais e entre si. Estas formulações já tinham sido apresentadas pelo reverendo e economista britânico Thomas Malthus (1766-1834) (1983), na análise da sociedade industrial de seu tempo.
Para Charles Darwin (1988) a idéia malthusiana encaixava-se perfeitamente no estudo da natureza. Ele a explicou, pelo mesmo fundamento em que a burguesia havia analisado a sociedade e a história, estendendo estas mesmas leis ao estudo do Reino animal e vegetal.
Quando a burguesia emergente, em oposição à escolástica, exaltou a elaboração humana do conhecimento na verdade das coisas procurando defender a observação e a experiência o estudo da natureza apontou para uma nova relação entre a filosofia e a ciência, solicitada, agora, sob as bases de uma concepção materialista. A ciência voltada para o conhecimento e o domínio da natureza foi traduzida pela filosofia como o fundamento objetivo da felicidade entre os homens. A idéia de homem, aí apresentada, não está desvinculada desta reflexão.
A análise do filosofo alemão Karl Marx (1818-1883) (1982a) sobre a ciência da evolução orgânica, remetida à obra de Charles Darwin (1988), pode soar estranha para aqueles que entendem ser impossível considerar de uma forma comum a ciência da natureza e a ciência da sociedade humana. Entretanto, quando Marx (1982b) afirmou, em conhecida passagem de “A ideologia alemã”1, que a natureza e a sociedade devem ser consideradas do ponto de vista da produção social e da história, que não é distinta, parece existir, ali, uma compreensão profunda não só do fazer humano, mas, da própria ciência que este fazer solicita e desenvolve.
A explicação de Karl Marx (1982b) de que o conhecimento humano constituído está mais próximo da verdade da época em que foi formulado quanto mais for a expressão da sociedade que o produziu é o parâmetro teórico que move a pesquisa. Portanto, no esforço analítico das questões propostas, ela se afasta da explicação alimentada pela idéia de neutralidade no desenvolvimento social da ciência.
Nesse último caminho, o da neutralidade, a produção da ciência natural aponta para uma visão da história que expõe a ciência como resultado dos esforços humanos para obtenção de alimento, higiene e cura de doenças. Nesta construção teórica, o conhecimento da natureza aparece como efeito do trabalho de alguns cientistas inteligentes, solitários e inspirados em estudar a natureza isoladamente, sem seus determinantes históricos.
Em contradição à defesa de vida humana como competição, Huxley (1998) traduz o cientista como homem voltado para o saber e para o bem estar da sociedade como um todo, superando, neste raciocínio, a ideologia do individualismo e a própria idéia de luta de classes como motor da vida humana. A sociedade, para ele, deve ser regida pela moral da igualdade e da justiça e não pela lei do mais forte.
Nesta defesa, o homem-cientista que Huxley descreve (1998) aparece explicado como um ser acima da própria sociedade. É um explorador da natureza que, no trabalho de sua análise, rejeita preconceitos e se expõe como estudioso e pesquisador que transforma, examina e coleciona fatos objetivos. Realiza-se como profissional fiel, cúmplice rigoroso com do conhecimento dos fatos e somente com eles se compromete na pesquisa. A ciência iguala e promove ao progresso todos os homens. Neste sentido ela é apresentada fonte maior da felicidade.
No pensamento do autor a educação liberal, identificada com o conhecimento científico tira da natureza todo partido possível. Assim, não por acaso, deve-se estimular nos homens a formação de uma moral marcada pela ambição e amor ao espírito do trabalho cientifico. A ciência torna-se uma espécie de religião. É responsável pela redenção humana.
Por outro lado, no crescente processo de globalização da economia que marca a vida dos homens contemporâneos, a ciência burguesa alicerçada em alta tecnologia, torna-se, mais do que nunca, uma fonte de poder na sociedade regida pelo direito privado. As conquistas científicas se fazem presentes cada vez mais na competição pelo poder econômico entre os países desenvolvidos deixando para trás os países não portadores desta ciência. (Rifkin, 1999). Neste exercício a luta de classes mostra uma face na qual o mundo se expõe divido em países produtores do conhecimento e em países produtores de trabalho e matéria prima. Segundo os biólogos Paul R. Ehrlich e Anne H. Ehrlich (1993, p.159-160):
Se estudarmos o profundo abismo que divide a mundo entre nações ricas e pobres, veremos as verdadeiras causas da pobreza segundo estatísticas surpreendentes. Mais de 80% da riqueza que existe no mundo se encontra nas nações industrializadas (onde vive cerca de 23% da população mundial), que contam com cerca de 94% dos cientistas e das tecnologias. Devido a essas desvantagens, os países pobres se acham endividados com os ricos e se vêem forçados a saldar sua dívida.
Na compreensão e superação desta contradição, a da divisão do mundo entre a riqueza e a pobreza, está a pedagogia necessária à nossa época.

Referências

DARWIN, Charles. El origen de las espécies. Madrid: Espasa Calpe, 1988.


______ . El origen del hombre. Madrid: Biblioteca EDAF, 1989.
EHRLICH, Paulo R.; EHRLICH, Anne H. La explosión demográfica. Barcelona: Salvat Editores, 1993.
HUXLEY, Thomas H. La educación y las ciencias naturales. Madrid: Biblioteca Econômica Filosófica-Espana-Moderna, s.d.
______ . As sciencias naturaes. Rio de Janeiro: Biblioteca de Ensino Institutivo, 1916.
______ . Collect essays. London: Metheun & Con., 1998.

MALTHUS, Thomas Robert. Ensaio sobre os princípios da população. São Paulo: Ática, 1983. [Coleção Grandes Cientistas Sociais].


MARX, Karl. O capital. 6.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982a.
______ . A ideologia alemã. 3.ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1982b.
RIFKIN, Jeremy. O século da biotecnologia. São Paulo: Makron Books, 1999.


* Mestranda do Curso de Pós-Graduação em Fundamentos da Educação da Universidade Estadual de Maringá. E-mail: sartorijabur@ig.com.br

** Professora Doutora da Universidade Estadual de Maringá do Departamento de Fundamentos da Educação. E-mail: guaratullio@hotmail.com

1 “Conhecemos apenas uma única ciência, a ciência da história. A história pode ser examinada sob dois aspectos: história da natureza e história dos homens. Os dois aspectos, contudo, não separáveis; enquanto existirem homens, a história da natureza e a história dos homens se condicionarão reciprocamente.” (Marx, 1982b, p.23-24)



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal