História, trabalho e educaçÃO: um estudo sobre a indústria de cerâmica em monte carmelo – mg (1980 – 2008)



Baixar 68.77 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho68.77 Kb.
HISTÓRIA, TRABALHO E EDUCAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A INDÚSTRIA DE CERÂMICA

EM MONTE CARMELO – MG (1980 – 2008)

Cláudia Aparecida Moraes Mariano



claudiaufu@yahoo.com.br

Carlos Alberto Lucena – orientador



carlosluc@faced.ufu.br

Universidade federal de Uberlândia-MG

Agência financiadora - CAPES



  1. INTRODUÇÃO

Ao longo da história a humanidade tem passado por transformações que afetam os processos de trabalho, as relações sociais e educacionais. Essas transformações têm provocado incertezas sobre os destinos dessa sociedade. A grande crise do capitalismo monopolista no final da década de 1960 do século XX e metade da seguinte colocou questões fundamentais ao segmento do capitalismo, suas classes sociais, os homens de negócios e os trabalhadores. Mudanças estruturais foram realizadas. O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial passaram a determinar diretrizes para a economia e educação nos países subordinados em relação ao desenvolvimento capitalista. Com efeito, a formação dos trabalhadores passou por profundas transformações.

Diante disso as polêmicas relativas ao que o mercado de trabalho exige da educação e, ao mesmo tempo, o que a educação oferece ao mercado de trabalho se acirram, apontando que diferentes concepções de educação sinalizam diferentes concepções de sociedade. Um dos dilemas da sociedade atual é saber o que fazer com as pessoas que não conseguem se inserirem no mundo do trabalho e que são obrigadas a sobreviver de forma precária.

Esta questão nos faz pensar em qual seria a melhor forma de trabalhar a educação, se formando o indivíduo unilateralmente, para conhecer apenas parte do processo de trabalho ou formando-o de maneira integral para que tenha conhecimento do processo como um todo, pensando assim numa formação integral do ser humano. Por todas essas questões entendemos que o aprofundamento de estudos relativos à influência da educação na formação dos trabalhadores é de extrema importância, especialmente quando é recuperada a centralidade da categoria trabalho, visto que a análise das competências que são exigidas dos trabalhadores e, principalmente, as competências que são oferecidas pela escola só podem ser compreendidas quando articuladas às transformações do mundo do trabalho.

Tendo como referência as articulações entre educação, história e trabalho, propomos a fazer um estudo sobre a qualificação dos trabalhadores da indústria de cerâmica na região de Monte Carmelo no período de 1980 a 2008, pois entendemos que a história desses trabalhadores está inserida na dinâmica excludente adotada pelo sistema capitalista assemelhando-se assim à situação de miserabilidade de milhares de trabalhadores no Brasil e no mundo.
2 - CAPITALISMO MONOPOLISTA
Entendemos que as transformações do capitalismo monopolista têm provocado incertezas, conflitos e questionamentos sobre o futuro da sociedade. Discursos otimistas apontam a concretização de uma sociedade regida pelas oportunidades individuais, defendendo o império do darwinismo social. Discursos críticos denunciam processos precarizantes para aqueles que vivem do trabalho: o crescimento do desemprego em âmbito internacional. Tomando como referência as mediações entre o processo citado e a educação, tendo como referência reflexões que se iniciam da década de 1970 até os dias atuais, percebemos que a educação está cada vez mais atrelada às exigências feitas pelo sistema capitalista ao Estado. Esta mesma conjuntura marcada também pelo avanço tecnológico cria as condições necessárias para uma modificação fundamental na função econômica atribuída à escola, exigindo da mesma a formação da força de trabalho para uma sociedade em que falta perspectiva de uma carreira profissional.

Analisar as transformações presentes no mundo do trabalho como desdobramentos do avanço do capitalismo monopolista nas últimas décadas implica em problematizar um processo dinâmico existente em seu interior, que é a dialética entre o apogeu e a crise. O capitalismo historicamente se confronta com um objetivo voltado para a constituição do equilíbrio entre a produção e o consumo de mercadorias. Segundo um princípio presente na obra marxiana e marxista, o apogeu de um processo social anuncia a sua catástrofe, tendo esse princípio como referência pode se dizer que o sistema capitalista constrói as suas crises, e ao mesmo tempo, as estratégias para resolvê-las. Como o capitalismo tem como base social a diferença e os conflitos inconciliáveis de classe, nos seus processos de rearranjo alguns segmentos são privilegiados em detrimento da miséria e exclusão de outros. Para expandir seus lucros cada vez mais, o capitalismo muitas vezes produz mais do que pode consumir, provocando, assim as crises provenientes do desequilíbrio entre a produção e o consumo. Esta tendência traz consigo conseqüências, ocorrendo assim um enxugamento do mercado em termos da eliminação daqueles capitais individuais que não resistem ao período de estagnação.

Nesse contexto, a formação dos trabalhadores passou por profundas transformações. As agencias internacionais influenciaram drasticamente o projeto de formação dos trabalhadores, diminuindo a força dos movimentos sociais, fomentando uma crise na qual as pessoas precisam lutar para ter um emprego. Consolidaram uma ordem social com intuito de livre mercado e desmantelamento do setor público. A educação se tornou um serviço, um meio de capacitar uma massa de trabalhadores para as novas tecnologias produtivas a fim de servirem de mão de obra para o mercado de trabalho capitalista, perdendo de vista a formação integral do ser humano. O trabalhador almejado é o que oferece a sua força de trabalho a baixos valores, mesmo a tida como capacitada. Na educação é presente o discurso de usar a escola para a criação de habilidades e competências. Entretanto é preciso valorizar a formação plena e não apenas adquirir competências para o mundo do trabalho.

A transnacionalização do capital insere a lógica da reorganização global da força de trabalho através da mutação tecnológica com a política do capital para reduzir o número de trabalhadores e a precarização do emprego. Para diminuir o número de trabalhadores, o modo de produção capitalista iniciou uma nova dinâmica de gestão do processo produtivo que possui como conceito - chave a idéia da flexibilidade, para tanto,

[...] foram inovados os setores de produção, modificando as forma de fornecimento dos serviços, bem como o aumento das taxas pela inovação comercial, tecnológica e organizacional. Houve um implemento do setor de serviços, bem como setores industriais novos [...] o capital apoiou-se no crescimento do desemprego estrutural para promover acordos desvantajosos aos trabalhadores, impondo contratos e regimes de trabalho mais flexíveis. (LUCENA, 2004, p. 107).

Esta nova dinâmica se denomina como toyotismo e em síntese “propugna a produção de séries restritas de produtos diferenciados e a busca de um estoque zero, buscando também alcançar um mínimo de trabalhadores” (RODRIGUES, 1997, P. 220). Rompendo com a produção fordista, o toyotismo produziu a desespecialização dos operários, transformando-os em trabalhadores polivalentes. Para consolidar essa Pratica é usado o discurso da meritocracia que considera que as oportunidades são iguais para todos e que os melhores são os que conseguem se darem bem.

Os pressupostos do liberalismo visam o ajustamento social dando ênfase ao progresso através da melhoria social e apostando na meritocracia. Viabiliza-se assim um sistema educacional em massa dedicado a atender as necessidades da ordem industrial. Há também a construção do discurso conservador por parte dos homens de negócio, em que sugerem o fim da luta de classes e a integração do trabalhador aos interesses da empresa, isso ameaça por fim aos direitos conquistados pelos trabalhadores e nos leva a acreditar que esse processo influenciado pelo pensamento de Durkhein que acredita na existência de uma solidariedade orgânica como desdobramento de uma divisão do trabalho, omite as diferenças e contradições de classe que na realidade apostam no fim de direitos conquistados pelos trabalhadores.

Dessa forma a problemática do desenvolvimento capitalista na atualidade é a destruição massiva dos postos de trabalho, em que ocorre a precarização do trabalho vinculado à abolição dos direitos sociais. O raciocínio economicista dominante na vinculação direta entre educação e emprego fundamenta-se na teoria do capital humano, que reduz essa relação a uma questão de custo benefício. Investir na própria formação é ampliar as possibilidades de se auferirem maiores ganhos futuros (OLIVEIRA, 2001, p. 113). Contudo as promessas da Teoria do Capital humano não são compatíveis com a realidade latino-americana, pois houve aumento dos índices de escolarização, mas isto não promoveu o aumento de renda dos mais pobres.

È importante questionar as análises que buscam ajustar a educação e a formação profissional à reestruturação produtiva conhecida como conseqüência dos processos de globalização. Esta perspectiva está focada no desenvolvimento, ciência, tecnologia e no pressuposto do pleno emprego. O impacto das novas tecnologias de produção e trabalho é um produto das relações sociais excludentes, a sociedade em que vivemos passa por profundas transformações no “mundo do trabalho” devido às transformações ocorridas com o capital. Estas mudanças e crises que vem sofrendo o sistema capitalista, segundo José dos Santos Sousa são de fundamental importância, para o sistema, pois:

[...] constitui, contraditoriamente, um processo de reprodução, a partir do momento em que gera profundos processos de reorganização produtiva, de redefinição das relações de produção, bem como de reestruturação institucional do conflito de classe no âmbito do Estado. (...). Os períodos de crise são, na realidade, uma necessidade vital para o capitalismo, pois são nesses momentos que se produzem as rupturas necessárias para a sua continuidade (SOUZA,p.74).

Nesse sentido, ocorrem mudanças no próprio conceito de trabalho. O trabalho, segundo Marx em “O Capital”, é o processo pelo qual o homem interage com a natureza, a fim de apropriar-se de seus recursos, para garantia de seu bem estar físico e social, ou seja, é a condição natural da existência humana. No entanto, nas relações capitalistas o trabalho é concebido para produção da mais-valia, da acumulação do capital. Assim o processo de trabalho se torna alienante, pois o trabalhador é destituído dos meios de produção e passa a produzir para outro, ocorre a separação entre o trabalhador e o saber, em que os trabalhadores não mais dominam os saberes e habilidades necessários para o desenvolvimento do processo de trabalho. O trabalhador passa a dominar um conhecimento parcelado, tornando seu trabalho uma força estranha, um instrumento de dominação.

Apesar da atual conjuntura em que inovações tecnológicas articuladas com as novas formas de organização de gestão da produção estarem sendo introduzidas a todo o momento, o papel do trabalhador continua sendo indispensável para a realização do trabalho. No entanto, sua função na sociedade está sendo revista, pois a economia cresce e o desemprego aumenta sem que uma coisa impeça a outra. Nesse sentido, é necessária a formação de uma força de trabalho preparada para lidar com as inovações introduzidas no processo de trabalho, já que as propostas e demandas empresariais no campo da formação da força de trabalho se configuram em formar:

[...] não apenas futuros “técnicos de fabrica”, mas sim futuros “cidadãos trabalhadores”. Isto é, a formação “técnica da força de trabalho – determinado patamar de escolaridade; determinados conhecimentos profissionais imediatos – não poderia ser separada, nestes novos tempos, de uma “aprendizagem” de certos comportamentos e atitudes conforme a um determinado padrão de convivência na sociedade, marcado pela tolerância e pelo respeito às regras características de uma formação social efetivamente democrática. (ANDRADE, 2000. p. 61).

Esta citação aponta que os empresários querem formar o trabalhador ideologicamente, no sentido de inculcar nele valores e atitudes típicos do novo edifício social que garantirá que esses valores sejam incorporados indiferenciadamente por todos os membros da sociedade. Porém, esta educação é orientada na direção da valorização e da defesa de entendimento entre as classes, podemos usar como exemplo a idéia que está sendo introduzida em muitas empresas de chamar seu funcionário de “associado”, como se ao modificar a nomenclatura usada o trabalhador deixe de ser explorado, de vender sua força de trabalho e de produzir a mais-valia para os donos do capital.

Dessa forma o que permeia o discurso da empregabilidade é a idéia de que o indivíduo terá possibilidades e não garantias de inserção no mercado de trabalho se possuir um conjunto de saberes, competências e credenciais que o habilitem a competir pelos empregos disponíveis. Segundo Gentili os indivíduos podem ter uma grande condição de empregabilidade e não conseguir o emprego, pois fazem parte da empregabilidade conhecimentos vinculados à formação profissional, mas também o capital cultural socialmente reconhecido, além de determinados significados ou dispositivos de diferenciação que entram em jogo nos processos de seleção e distribuição dos agentes econômicos: ser branco, ser negro, ser ignorante, ser gordo, ser surdo, ser nordestino [...] (GENTILI, 2002. p. 55).

Na verdade o que a burguesia industrial está tentando fazer é destituir os trabalhadores de seus direitos sociais conquistados arduamente ao longo da história trabalhista e responsabilizá-los pelo alto nível de desemprego, afirmando que quem está desempregado é porque não se qualificou, não estudou, retirando do sistema capitalista sua parcela de responsabilidade nesse processo cada vez mais perverso de exclusão social.

Esta pesquisa tem como objetivo problematizar os impactos e possibilidades da relação história, trabalho e educação tendo como referência a qualificação profissional dos trabalhadores da indústria de cerâmica na região de Monte Carmelo em Minas Gerais no período de 1980 a 2008.

A metodologia utilizada é um estudo de caso a partir de uma Pesquisa Documental feita em possíveis documentos que nos forneçam informações sobre a formação dos trabalhadores da indústria de cerâmica na região, Levantamento de dados do IBGE e outros que permitam recuperar a história econômica da região; além de documentos e fontes orais que possam resgatar a história da cidade e da indústria de cerâmica.

Como eixo norteador para nossas inferências e interpretações, utilizamos os princípios do materialismo histórico dialético, por acreditar que o mesmo propicia condições essenciais que permitem debater a dialética do passado e do presente e as contradições que esse processo propicia.

O enfoque histórico no período de 1980 a 2008 se justifica por ser este o período de maior desenvolvimento da indústria de Cerâmica na região de Monte Carmelo. A década de 1980 a nível mundial foi marcada pela consagração do modelo neoliberal na economia dos Estados Unidos e Reino Unido, esse modelo prevê a menor interferência possível do Estado na atividade econômica, como estímulo à iniciativa individual e a competição.



Já o contexto histórico brasileiro era na referida década de abertura do regime de ditadura militar que o país vivia desde o Golpe de 1964. Contudo considerando a influência dos países capitalistas em especial dos Estados Unidos sobre o Brasil, podemos observar também aqui a influencia dos pressupostos neoliberais na economia. O estado de Minas Gerais não fica alheio a essa dinâmica do capitalismo, portanto é nesse contexto que acontece o processo de crescimento da indústria de Cerâmica em Monte Carmelo.
3 - REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA
Reestruturação produtiva é o processo de reordenação e gerenciamento do mecanismo de trabalho, ou seja, a reinvenção da divisão social do trabalho, caracterizada como cooperação complexa, influencia o modo pelo qual a organização e o gerenciamento do processo de trabalho vão ocorrer no interior das empresas, transbordando para outras áreas, como a organização da escola, pois, à medida que essa nova forma de produção se amplia, reorganiza-se, de modo correspondente, as relações sociais. (NORONHA, p. 24-25, 2008). No dizer de Ricardo Antunes:
foi durante a década de 1980 que ocorreram os primeiros impulsos do nosso processo de reestruturação produtiva, que levou as empresas a adotarem, inicialmente de modo restrito, novos padrões organizacionais e tecnológicos, novas formas de organização social do trabalho [...] Foi nos anos 90, entretanto, que a reestruturação produtiva do capital se desenvolveu intensamente em nosso país, por intermédio da implantação de vários receituários oriundos da acumulação flexível e do ideário japonês, com a intensificação da lean production, do Just-in-time, kamban, do processo de qualidade total, das formas de subcontratação e de terceirização da força de trabalho e da transferência de plantas e unidades produtivas. (ANTUNES, p. 123-124, 2008).
Como exemplo de reestruturação produtiva tem-se a mudança do sistema taylorista - fordista para o sistema pós-fordista ou toyotista de produção. Segundo João Bernardo enquanto no sistema taylorista os capitalistas levaram ao limite o desenvolvimento da mais-valia relativa assente na componente muscular da força de trabalho; no sistema toyotista chegaram à conclusão de que era necessário explorar a componente intelectual do trabalho e que era necessário fragmentar ou mesmo dispersar os trabalhadores (J. Bernardo, p. 77-80, 2004. Outro autor que nos esclarece sobre essas mudanças é Vasapollo:
Desde o segundo pós - guerra, com desenvolvimento tecnológico, seja no método de produção, seja, de forma mais direta, no mundo do trabalho. A indústria vem se transformando, os equipamentos criados para melhorar a produtividade do trabalho nos processos repetitivos, vêm na verdade aumentando os ritmos e os encargos dos trabalhadores sem responder com iguais incrementos de salários reais ou correspondentes reduções das jornadas de trabalho. Houve, além do mais, outra mudança importante: passou-se da grande indústria que abrigava em seu interior todos os processos de produção, para um modelo de descentralização produtiva. (Vasapollo, p.18, 2005)

Com a reestruturação produtiva do capital, vem ocorrendo uma redução do proletariado industrial, fabril, era da indústria verticalizada de tipo taylorista e fordista; o mesmo vem sendo substituído por formas mais desregulamentadas de trabalho, reduzindo fortemente o conjunto de trabalhadores estáveis que se organizavam por meio de empregos formais. Assim podemos dizer que o que diferencia a forma de produção fordista - taylorista e a pós-fordista é que na primeira, a força de trabalho tem de ser especializada, alinhada a uma forma de trabalho sempre igual, ao passo que, na segunda, há a necessidade de que o trabalhador especializado alcance um alto grau de adaptabilidade às variações de ritmo, de função e de papel. E tudo isso no dizer de Vasapollo:


Cria outra importante mudança, pois, no fordismo, os direitos sociais dos trabalhadores tinham uma validade universal e eram protegidos por lei, enquanto que, no pós-fordismo, os direitos desapareceram. Agora, são as leis do mercado a mandar, a impor qualidade e quantidade em tempo real, o trabalho se tornando cada vez mais constritivo, obediente e fiel. (Vasapollo, p. 26, 2005).

Dessa forma, essa nova organização capitalista do trabalho é caracterizada cada vez mais pela precariedade, pela flexibilização e desregulamentação, de maneira sem precedentes para os assalariados. Nesse processo a flexibilização é considerada como uma das alternativas para combater o desemprego, mas o que devemos entender por flexibilização? A quem de fato ela estará beneficiando? Na verdade quem se beneficia com esse processo de flexibilização são as empresas que a entendem como liberdade para demitir parte de seus empregados, quando a produção ou as vendas diminuírem; liberdade por parte da empresa para reduzir o horário de trabalho ou recorrer a horas extras quando achar conveniente, ou seja, a flexibilização não é solução para aumentar os índices de emprego. Ao contrário, é uma imposição à força de trabalho para que sejam aceitos salários reais mais baixos e em piores condições.

Portanto os processos de reestruturação produtiva realizados pelo sistema capitalista têm levado a uma perda constante dos direitos conquistados pelos trabalhadores em décadas de luta por melhores salários e condições de trabalho, o que já não nos surpreende, pois quando percebemos a lógica perversa de acumulação e lucros cada vez maiores a qual o sistema capitalista põe em prática, entendemos que para conseguir tal objetivo terá que explorar (expropriar) o trabalhador ao máximo inclusive se apropriando de sua subjetividade.
4- INDÚSTRIA DE CERÂMICA.

A indústria de cerâmica vermelha é formada a partir da mistura de materiais argilosos e materiais não argilosos, e é responsável pela produção de telhas e tijolos, blocos, lajotas e tubos entre outros. Estudos indicam que a fabricação destes materiais é bem antiga, por exemplo, os primeiros tijolos de barro foram fabricados por volta de 10.000 A.C. e eram utilizados pelas civilizações Assíria e Persa que os secavam ao sol, já por volta de 3.000 A.C. surgiram os primeiros tijolos queimados em fornos (Reis, 2007). Quanto à telha cerâmica acredita se que tenha surgido na China por volta de 10.000 A.C. e no Oriente Médio pouco tempo depois. Mas logo sua utilização se espalhou pela Europa e Ásia e depois foi levada à América pelos colonizadores europeus, onde foi largamente utilizada desde o século XVII.

No Brasil o uso de telhas cerâmicas e tijolos maciços ocorrem desde o início da colonização. (Reis, 2007). Acredita-se que há cerca de 2000 anos, isto é bem antes do descobrimento do Brasil, já existiam populações que fabricavam cerâmicas.

Contando com os esforços de povos de todas as épocas e lugares, a manufatura de tijolos era encarada por muitos artesãos como um processo secreto. Os chamados “pedreiros livres” foram um dos primeiros grupos de artesãos a formar uma organização para manter estes segredos.

A invenção da máquina a vapor e posteriormente a revolução industrial, possibilitaram a utilização da potencia dirigida das máquinas para a fabricação de tijolos. Segundo historiadores a primeira máquina utilizada para a fabricação de tijolos foi patenteada em 1800 e a esmaltação industrial teve início por volta de 1830 na Europa Central (LEHMKVHL, 2004).

Hoje podemos dizer que a cerâmica tem se tornado um material cada vez mais utilizado, inclusive em áreas que antes nem imaginávamos como a medicina que tem utilizado a cerâmica para fazer prótese de ossos.

O setor cerâmico é muito amplo e heterogêneo, mas podemos dividi-lo em sub-setores em função de fatores como matérias-primas, propriedades e áreas de utilização. A Associação Brasileira de Cerâmica (ABC) faz a seguinte classificação:


  • Cerâmica Vermelha: são os materiais com coloração vermelha utilizados na construção civil (telhas, tijolos, blocos, etc);

  • Cerâmica Branca: compreende materiais constituídos por um corpo branco e em geral recobertos por uma camada vítrea transparente e incolor (louça sanitária, louça de mesa, cerâmica artística, etc.);

  • Materiais refratários: produtos que têm por finalidade suportar elevadas temperaturas (sílica, carbono, sílico-aluminoso, zircônia, etc.);

  • Materiais de revestimento: são utilizados na construção civil para revestimento de pisos, paredes, bancadas, piscinas entre outros (azulejos, pastilhas, porcelanato, etc.);

  • Frita: é um vidro moído, fabricado a partir da fusão de diferentes matérias primas. É aplicado na superfície do corpo cerâmico que, após a queima, adquire aspecto vítreo que vai melhorar a estética, tornar a peça impermeável e aumentar a resistência mecânica.

4.1– O CONTEXTO SÓCIO-ECONÔMICO DAS INDÚSTRIAS DE CERÂMICA EXTRUTURAL NO BRASIL


A indústria de cerâmicas é um dos seguimentos da indústria de transformação de bens minerais não-metálicos, esta se apresenta com grande importância no contexto sócio-econômico do País, pois é a base de várias atividades essenciais de desenvolvimento. A indústria de cerâmicas tem um papel importante pelos diversos produtos voltados para a indústria da construção, e em particular para o setor de edificações, como a cerâmica estrutural, a cerâmica sanitária e a cerâmica para revestimento. Nosso objeto de estudo é a indústria de cerâmica estrutural ou vermelha tendo como recorte o município de Monte Carmelo em Minas Gerais.

No Brasil a indústria de cerâmica vermelha, também conhecida como tradicional é constituída por micro e pequenas empresas e possui uma representatividade expressiva na economia do país. Segundo dados da Associação brasileira de cerâmica o número de cerâmicas no Brasil é de aproximadamente 5.500 empresas, as quais geram 400 mil

Empregos diretos, 1,25 milhões de empregos indiretos e um faturamento anual de R$6 bilhões, e ainda que a indústria de cerâmica vermelha corresponde a 4,8% da indústria da construção civil . E a indústria da construção civil por sua vez, representa 7,3% do PIB nacional, o que comprova a importância da indústria de cerâmica na economia do brasil. Destacam como principais produtores nacionais, os estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Bahia. (ANICER, 2007).

Embora a região sul possua o maior nº de olarias é a região sudeste a maior produtora tanto de telhas quanto de tijolos e possui o maior número de empregos diretos do país, a região sul vem em segundo seguida das regiões nordeste, centro-oeste e norte. Na região Sudeste Minas Gerais vem atrás apenas de São Paulo em relação a geração de empregos diretos e de produtividade, esses dados comprovam a importância da indústria de cerâmica vermelha de Minas Gerais para o país e justificam a importância de mais estudos voltados para a área, daí o nosso interesse em estudar a indústria cerâmica do município de Monte Carmelo em Minas Gerais.

As indústrias produtoras de cerâmica vermelha são em grande maioria de pequeno e médio porte, e utilizam em geral, tecnologias ultrapassadas. Para se ter uma idéia das dificuldades enfrentadas, enquanto a produtividade média brasileira gira em torno de (12000 peças/operário/mês) a produtividade européia é de (200.000 peças/operário/mês). O que se justifica por uma grande defasagem tecnológica tanto no processo de produção (extração e preparo de matérias – primas, conformação, secagem e queima), quanto em relação ao maquinário e nível de automação (LEHMKVHL, 2004).

Além disso, a forma não racional com que são retiradas as matérias – primas da natureza por um grande número de empresas pode causar sérios problemas ambientais, visto que é retirado um grande volume de argila por ano (em média 83 milhões de ton/ano) e esta não é renovável; além disso, o combustível mais empregado é a lenha, na maioria das regiões advinda de florestas naturais e grande parte das empresas utiliza fornos de baixíssima eficiência energética provocando assim um grande desperdício de energia.

Segundo alguns estudiosos, nos últimos anos grande número de empresários do setor tem buscado a melhoria da qualidade e da produtividade através da utilização de equipamentos mais eficientes e modernos e de um melhor controle do processo produtivo, mas o que percebemos é que há ainda um grande desperdício de matéria prima e energia e a forma não racional com que é retirada essa matéria prima (argila) e a lenha da natureza provoca inúmeros problemas ambientais (desde erosões a grandes desmatamentos).

Outro aspecto que nos preocupa profundamente é a exploração sofrida pelos trabalhadores da indústria, pois mesmo havendo um aumento da produtividade, as condições de vida dos trabalhadores continuam precárias (salários baixos, grandes jornadas de trabalho, riscos de acidentes, entre outros), o que nos leva a inferir que a busca pelos donos do capital no sentido de melhorar a qualidade e produtividade não está incluído melhores condições de trabalho nem melhores salários para os trabalhadores, pelo contrário ao utilizar mais máquinas os Ceramistas diminuem os postos de trabalho existentes e aumentam seus lucros através da mais valia relativa, já que apenas um trabalhador pode operar uma máquina que substitui vários trabalhadores e ainda aumenta o volume de produção. Essa dinâmica aumentará a mão de obra disponível que por falta de vagas de emprego aceitam piores condições de trabalho, o que leva a um ciclo vicioso e perverso em que os trabalhadores sempre saem perdendo.


4.2- INDÚSTRIAS DE CERÂMICA VERMELHA NO MUNICÍPIO DE MONTE CARMELO
Monte Carmelo é um município brasileiro do estado de Minas gerais com aproximadamente 51.000 habitante, situada geograficamente na parte oeste do estado e na macro-região do Alto Paranaíba. A principal atividade econômica da cidade é a produção de telhas, tijolos e artefatos cerâmicos o que justifica sua fama de “capital mineira da telha”, “cidade das chaminés” e seu destaque no cenário nacional pelo seu importante parque cerâmico. Além da produção de cerâmica o município também é destaque na produção de curtume e de embalagens e ainda na produção de café.

Para se ter uma idéia da importância da indústria de cerâmica para o município de Monte Carmelo das 69 indústrias credenciadas junto à prefeitura no ano 2000, 49 eram cerâmicas, e segundo a ACEMC (Associação dos Ceramistas de Monte Carmelo), em 2000 elas geravam em torno de 4000 empregos diretos o que significa dizer que em média 71% das indústrias do município são cerâmicas e que cerca de 10% da população são trabalhadores cerâmicos, visto que nessa data a cidade contava com 42.000 habitantes (SILVA 2001, p. 14-15).

Segundo os historiadores Patrícia Rodrigues da Silva (2001) e Marcos Moreira dos santos a história da indústria de cerâmica no município de Monte Carmelo tem início em 1932 com a primeira cerâmica instalada (cerâmica Nossa Senhora das Graças), mas essa atividade já era praticada no município nas zonas rurais, assim a atividade oleira em Monte Carmelo constituiu-se enquanto tradição oleira doméstica, familiar e rural. Porém foi entre as décadas de 1970 a 1990 que houve um notável aumento e desenvolvimento das cerâmicas, nesse período houve um grande êxodo rural na região possibilitando o aumento de mão de obra disponível para as indústrias que começavam a expandir suas atividades.

Nas décadas de 1970 e 1980 o processo de trabalho era bem artesanal, contando os trabalhadores apenas com pás e enxadas para retirada da argila e sua colocação nos caminhões para ser transportada para a indústria, as prensas eram acionadas manualmente e o processo de secagem era feito ao sol, para depois serem levadas aos fornos de queima, não existiam secadores, nem carrinhos para o transporte das telhas.



Uma nova etapa no processo de industrialização cerâmica se inicia na década de 1990 e é marcada pela a aquisição de maquinarias, a partir de então o processo produtivo passa ser caracterizado da seguinte forma:

  • BARREIRA: local do qual é extraído a argila ou barro, localizada geralmente em fazendas em que o proprietário vende o direito de exploração da matéria-prima. A extração é feita por máquinas escavadeiras.

  • TRANSPORTE: feito em caminhões, carregados pelas máquinas que fazem a extração, até os depósitos das cerâmicas.

  • NAS CERÂMICAS: a argila é estocada em depósitos localizados, tanto no interior da mesma, quanto fora, desde que fique num raio bem próximo da mesma.

  • A MISTURA: é o primeiro passo a ser dado para colocação da matéria-prima na linha de produção, dado que a qualidade e textura da argila são variadas, e para obter a qualidade e o padrão do produto faz-se necessário tal mistura processada por tratores.

  • CAIXÃO DOSADOR: local onde a argila misturada é colocada para que seja dosada a quantidade a ser transportada nas esteiras. É o início propriamente dito do processo de transformação da matéria-prima.

  • DESINTEGRADOR: máquina onde o barro transportado pela esteira é colocado a fim de fragmentar as grandes porções de argila concentrada (torrões de barro).

  • LAMINADOR: após a fragmentação, seguindo em condução pela esteira, o barro despejado nesta máquina é cortado, transformando-se em pequenas massas bem finas.

  • MISTURADOR: novamente o barro é misturado nesta máquina, a fim de dar maior homogeneidade e também ser umedecido de acordo com a exigência necessária para se ter tal homogeneidade.

  • MAROMBA: máquina encarregada de compactar o barro em forma de cilindros.

  • CORTADOR: encarregado de cortar o barro compactado em cilindros de acordo com o tamanho necessário para cada tipo de telha produzida.

  • PRENSA: máquina que comprime o cilindro de barro, dando-lhe a forma de telha.

  • VAGONETA: pequeno vagão utilizado para o transporte da telha após ser retirada da prensa.

  • SECAGEM: local onde se dá o processo de secagem da telha, constituindo-se de um espaço retangular, onde ventiladores encarregam-se de espalhar o ar quente proveniente dos fornos de queima, por meio de canais construídos no solo.

  • FORNOS: locais onde é feita a queima da telha objetivando dar resistência e impermeabilidade ao produto.

  • DEPÓSITO OU PÁTIO: espaço reservado para as telhas retiradas dos fornos após o esfriamento, até que sejam colocadas em caminhões que farão o transporte até o local de comercialização

Não podemos deixar de mencionar que tais equipamentos modificam não só as relações sociais de produção como também a forma do trabalhador perceber a si mesmo em relação as suas tarefas. Segundo trabalho de monografia realizado por Marcos Moreira dos santos sobre a indústria ceramista em Monte Carmelo os trabalhadores perceberam as inovações tecnológicas como aliadas para a diminuição da fadiga provocada pelo processo artesanal antes utilizado e que a concepção valorativa dos recursos tecnológicos, proferida pelo discurso capitalista, utiliza da árdua realidade experimentada pelos trabalhadores cerâmicos, configurando numa eficaz forma de dominação, pois gera nos trabalhadores a expectativa de que este é o caminho a ser percorrido na busca da diminuição da fadiga do trabalho.

Entendemos que esses argumentos são usados para que os trabalhadores não percebam o aumento da exploração a que estão sujeitos, pois com o uso de máquinas estará aumentando a produtividade e ao mesmo tempo diminuindo o número de trabalhadores. Assim o capitalista estará ganhando cada vez mais por meio de um produto mais qualificado e até com menores custos quando jogado no mercado, o que lhe permite um maior grau de competitividade.


5- CONSIDERÇÕES FINAIS

Embora a pesquisa ainda esteja em andamento já podemos chegar a algumas conclusões importantes.

Diante das considerações feitas acerca do capitalismo monopolista e da reestruturação produtiva e suas implicações para o mundo do trabalho, podemos nos perguntar se ainda há alguma possibilidade de reação e reversão desse processo destrutivo em que está inserido o trabalho.

Entendemos que há muito que ser feito pela sociedade como um todo e em específico pela ‘classe que vive do trabalho’, pois como disse Ricardo Antunes em ‘O Caracol e sua Concha’ ao lembrar Marx: “o trabalhador e seus meios de produção não devem ser separados, assim como o caracol não se separa de sua concha, mas essa separação se tornou a base principal da manufatura que além de separá-los converteu os meios de produção em capital”. Nesse sentido é que o autor argumenta: “recuperar, em bases totalmente novas, a unidade inseparável entre o caracol e sua concha, eis o desafio mais candente da sociedade moderna” (Antunes, p. 20, 2005), ou seja, Antunes sugere que devemos recuperar de maneira nova a união entre o trabalhador e seus meios de produção.

Outro autor que nos dá algumas dicas do que poderia ser feito para reverter esta lógica destrutiva é Atílio Boron que defende algumas ações para combater o atual esquema de poder internacional, que a nosso ver têm levado a uma acelerada e progressiva desestruturação da forma de organização do trabalho, levando a um número cada vez maior de trabalhos informais sem as garantias e proteções de um trabalho formal; trabalhos estes que colocam os trabalhadores cada vez mais dependentes da ‘boa vontade, ou melhor, a mercê da tirania do mercado’. Nessa direção Boron cita como possibilidades para frear a ganância desse poder internacional: Aplicar uma taxa Tobin às transações especulativas internacionais; elaborar um novo contexto regulador para o acompanhamento e o controle das finanças internacionais; a anulação da dívida externa do terceiro mundo, que segundo ele já foi muito bem paga; estabelecer contextos reguladores de efeitos imediatos para o comércio internacional e que, essas regulações se imponham com o objetivo de penalizar as empresas e governos que pratiquem ou admitam a destruição do meio ambiente e dos bens públicos como a água, o ar, a vegetação, os solos entre outros.

No entanto, mesmo sabendo que na lógica capitalista a expropriação do trabalhador vai ser cada vez maior e que lutar contra essa lógica não é nada fácil; acreditamos que enquanto grupo, temos condições de provocar algumas mudanças, pois assim como apontam Ricardo Antunes e Atílio Boron existem alguns caminhos e possibilidades que podem minimizar os efeitos dessa lógica tão perversa de dominação utilizada como objetivo do capital.

O trabalho Segundo Ricardo Antunes, inspirado em Marx “Mostra-se como momento fundante de realização do ser social, condição para sua existência; é por isso ponto de partida para a humanização do ser social” (Antunes, p. 68, 2005). Por outro lado o mesmo autor ao falar do trabalho na ordem do capital retrata-o como: ‘desfigurado em seu sentido primeiro, de criação de coisas úteis, o trabalho se torna meio, e não ‘primeira necessidade’ de realização humana [...] na sociedade capitalista o trabalho se torna assalariado, assumindo a forma de trabalho alienado’ (Antunes, p. 69, 2005); essas citações deixam claro o que deveria ser característica do trabalho humano e o que ele se torna no contexto capitalista, ou seja, ocorrem mudanças profundas no que deveria ser sua essência.

No entanto, enquanto “classe que vive do trabalho” devemos acreditar e promover ações que possam pelo menos minimizar os efeitos dessa lógica de destruição e exploração do trabalho cada vez maior a que estamos sujeitos e tentar recuperar a condição de humanização do ser social dada pelo trabalho a que se referem Marx e Ricardo Antunes.

6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, F. A. A Formação do “cidadão-trabalhador”: Educação e Cidadania no Contexto do “Novo industrialismo”. In: NEVES, M. W. (org). Educação e Política no Limiar do Século XXI. Campinas SP: Autores Associados, 2000. p. 59-78.

ANTUNES, Ricardo. O Caracol e sua Concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.
ABC (Associação Brasileira de cerâmica).
ANICER (Associação Nacional da Indústria Cerâmica) 2007.
ACEMC (Associação dos ceramistas de Monte Carmelo) 2000.
BERNARDO, João. O Toyotismo: exploração e controle de força de trabalho In: Democracia Totalitária. Teoria e prática da empresa soberana. São Paulo: Cortez, 2004.
BORON, Atílio. A nova ordem imperial e como desmontá-la. Texto apresentado no Fórum Social Mundial, no dia 27 de janeiro de 2001.

GENTILLI, Pablo. Três Teses sobre a relação Trabalho e Educação em tempos neoliberais. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D; SANTELICE, j. l. [orgs.]. Capitalismo Trabalho e Educação: Autores Associados. Campinas, SP; HISTEDBR, 2002. (coleção educação contemporânea). P. 45-59

LUCENA, C. A. Tempos de Destruição: educação, trabalho e indústria do petróleo no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. 301 p. cap. 2: Petróleo, capitalismo monopolista e transformações na organização da produção, p. 69-131.

LEHMKVHL, Willian Anderson. Análise numérica e experimental de um secador contínuo tipo túnel utilizado na indústria de cerâmica vermelha. Santa Catarina: UFSC, 2004 (dissertação mestrado).

MARX, K; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. São Paulo: Ed. Moraes, 1984. 119p.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política; Livro 1o, Volume I, tradução Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. - 3. ed - São Paulo: Ed. Nova Cultural, 1988. p. 1-100.

________. Manuscritos econômicos filosóficos; tradução Artur Morão. Lisboa, Portugal: Edições 70 Ltda,1964. p. 157-227.

NORONHA, Maria Olinda. Globalização, Mundialização e Educação. In: Lucena, Carlos A. Capitalismo, Estado e Educação. Campinas, SP: Editora Alínea, 2008, Cap. 1, p. 13-27.

OLIVEIRA, Dalila A. Políticas Públicas e Educação Básica. SP: Xamã, 2001. p. 105-119.
REIS, Jaisson P. dos. Incorporação de resíduos industriais em massa cerâmica usada na fabricação de tijolos. Santa Catarina: UDESC, 2007 (dissertação mestrado).
RODRIGUES, José. Da Teoria do Capital Humano à Empregabilidade: um ensaio sobre as crises do Capital e a Educação Brasileira. In: ANTUNES, Ricardo. Trabalho & Educação. Belo Horizonte: Vozes, 1997, p. 215-229.
SANTOS, Marcos Moreira dos. “Lutas, organização e experiências de trabalhadores cerâmicos. Monte Carmelo- 1970/1990” Uberlândia: UFU, 1999 (monografia).
SILVA, Patrícia Rodrigues Da. Cotidiano e Trabalho: Trabalhadores ceramistas em Monte Carmelo/MG 1970/2000. Uberlândia: UFU, 2001 (Dissertação mestrado).

SOUZA, José dos S. Trabalho, educação e política na sociedade de classes. In: SOUZA, José dos S. Trabalho, educação e sindicalismo no Brasil nos anos 90: Autores Associados. Cap. 1, p. 15-71.

___________. A crise do Capital e a Redefinição da Política Educacional. In: SOUZA, José dos S. Trabalho, Educação e Sindicalismo no Brasil nos anos 90: Autores Associados. Cap. 2, p. 74-126.

VASAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo: Expressão Popular, 2005. PP 15-111.







Catálogo: acer histedbr -> seminario -> seminario8 -> files
files -> Cartas sobre a educação infantil
files -> Os professores e seu papel na sociedade imperial
files -> Os projetos educacionais do empresariado industrial mineiro associado a fiemg a partir das diretrizes educacionais da cni (1980-2000) Jane Maria dos Santos
files -> Processos históricos e educacionais da escola alemã da colônia riograndese – sp (1924-1938)
files -> Experiências Educacionais Libertárias no Brasil: Autonomia, Solidariedade e Liberdade Ingredientes para uma ação educativa eficaz
files -> A pedagogia Libertária e a Educação Integral Angela Maria Souza Martins Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – unirio neb/Grupo do histedbr – unirio introdução
files -> O projeto tavares lyra e sua proposta de reforma para o ensino secundário no brasil. A instruçÃo pública no início do século XX
files -> ContribuiçÕes de tomás de aquino para a história da educaçÃO: interrelaçÕes entre ética e educaçÃO
files -> Os jesuítas e o ensino de filosofia no brasil
files -> Ginásio de conquista


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal