Homem e sociedade módulo 2 o surgimento da cultura



Baixar 67.23 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho67.23 Kb.





HOMEM E SOCIEDADE


MÓDULO 2
O SURGIMENTO DA CULTURA


Índice


1. o surgimento da cultura 2

2. A TEORIA DA EVOLUÇÃO 3

3. O aparecimento do Homo Sapiens - uma espécie que trabalha 5

4. A cultura do Homem – uma espécie que troca e se organiza 7




1. o surgimento da cultura

Principais conceitos: biologia, cultura, evolução, adaptação, troca, reciprocidade, sociedade.


Objetivo:
Voltar às origens da cultura, é também voltar à origem da humanidade. Ter costumes e hábitos aprendidos, é um comportamento relacionado com a nossa sobrevivência e evolução enquanto espécie. O tema possibilita uma abordagem que ressalta a importância da compreensão do ser humano como um ser bio-psico-social, ou seja, somos seres, cujo comportamento é determinado ao mesmo tempo por nossas características orgânicas (o tipo de aparelho físico que temos e como podemos utilizá-lo), por nossas experiências pessoais racionais e afetivas de mundo e, finalmente, pelo meio social em que vivemos.
Introdução:
Parece a você que todo ser humano tem como qualidade inata (que nos pertence desde o nascimento) certos comportamentos, como preferir alguns tipos de roupas ou alimentos e ainda se comunicar por esta ou daquela língua?
Na verdade, a Antropologia, junto com outras ciências ,como a Arqueologia, a Paleontologia e a História, exploraram profundamente a diferença do Homem em relação ao resto do mundo animal que nos cerca, e puderam concluir que nosso comportamento é fruto de um processo histórico, no qual biologia e cultura modelaram nossos ancestrais. Esse trabalho conjunto entre nosso desenvolvimento biológico e a cultura foram responsáveis por tamanhas mudanças em nossa espécie, que hoje achamos um fato “natural” não necessitarmos entrar na “luta pela sobrevivência”, na “lei da selva”.
Quem começou a inventar palavras para dar nomes às coisas, ou saber quais alimentos são comestíveis e como devemos prepará-los? Quem inventou o primeiro tipo de calçado, ou descobriu como fabricar o vidro? Enfim, como surgiu a cultura? Que importância decifrar esse fato pode ter para nossa compreensão de ser humano? Essas questões devem ser respondidas ao longo desse tema.

2. A TEORIA DA EVOLUÇÃO

No século XIX, Charles Darwin, biólogo, afirmou que todas as espécies vivas resultam de uma evolução ao longo do tempo. Assim, se retornássemos em nosso Planeta há milhões de anos, não encontraríamos as espécies conforme as que vemos hoje. Cada ser vivo, para chegar até hoje, passou por sucessivas e pequenas transformações que possibilitaram sua sobrevivência; esse processo de mudanças orgânicas ocorre por necessidade de adaptação ao meio.


Consideremos que as condições do meio, como clima, quantidade na oferta de alimentos e todas as questões relacionadas às condições ambientais, estão em constante mudança.
Dessa forma, as formas de vida existentes precisam acompanhar essas mudanças, estando sujeitas – segundo Darwin – a dois destinos:


  1. podem-se adaptar e ao longo de muitas gerações apresentarem mudanças visíveis;




  1. não conseguem-se adaptar, entrando em extinção.

Quais são as espécies que conseguem-se adaptar? São as que possuem alguns indivíduos do grupo dotados de características tais que lhes permitem sobreviver e gerar uma prole (conjunto de filhos/as), dando continuidade a essas características. Os outros indivíduos de mesma espécie que não possuam tais características, não conseguindo “lutar” pela sobrevivência, têm mais chances de morrer sem deixar descendentes. Assim, após muitas gerações, temos uma espécie que já não se parece com seu primeiro exemplar.


Quer um exemplo? Suponhamos que os habitantes da rua onde você reside, sejam os únicos exemplares da espécie humana a partir de hoje e que as condições de sobrevivência deles sejam as seguintes: estariam trancados em uma enorme sala vazia, com alimentos disponíveis em prateleiras colocadas a dois metros e meio do chão. Além disso, eles não disporiam de móveis ou objetos que auxiliassem atingir aquela altura, e sofreriam um choque elétrico se tentassem subir uns nos outros para obter alimento ou mesmo compartilhar com os outros sua “caça”. Vamos supor também que sua condição não fosse a de seres humanos normais, dotados de inteligência para resolver essa situação, mas a de contar apenas com os próprios recursos físicos.
Pois bem, quem conseguiria alimentar-se? Aqueles bastante altos para alcançar os alimentos erguendo os braços e aqueles que conseguissem saltar o suficiente. Eles gerariam alguns filhos normalmente mais altos, pela herança genética, que se alimentariam com facilidade, enquanto os mais baixos seriam eliminados por não conseguirem-se alimentar e reproduzir.

Num momento seguinte, esses filhos mais altos encontrariam as prateleiras também mais altas a três metros do chão. Entre eles, sobreviveriam apenas aqueles com altura suficiente ou habilidade suficiente, para que o salto os possibilitasse a obter o alimento. Assim, sucessivamente, por muitas gerações, até que passadas dez ou 15 gerações, o que encontraríamos, seriam humanos, de fato mais altos e mais saltadores que a primeira geração colocada naquela situação.


Então, as características físicas desse grupo, comparadas ao outro inicial, devem ser tão diferentes, que poderíamos dizer não se tratar da mesma família ou espécie.
A possibilidade da geração de uma prole com características que permitam a adaptação ao meio, é, para os evolucionistas, chamada de “seleção natural” – sobrevivem apenas aqueles indivíduos com traços que lhes permitam a sobrevivência. Ao lado da seleção natural, as mutações aleatórias também são responsáveis pelas modificações de um organismo ao longo do tempo.
Uma das dificuldades do senso-comum em aceitar as idéias evolucionistas está no fato de que não podemos “ver” a evolução acontecendo – apesar de ela estar sempre acontecendo -, isto é, não testemunhamos alterações expressivas, pois as mudanças são muito sutis e ao longo de um período de tempo muito longo do ponto de vista do ser humano. As alterações podem ser consideradas em intervalos de tempo não inferiores a cem ou duzentos mil anos, portanto muito além de qualquer evento que possamos acompanhar. Podemos acompanhar, sim, a luta pela sobrevivência e a mudança de hábitos em muitas espécies, como os pombos que povoam as cidades, mas eles não estão tão concentrados demograficamente nos campos. Essa espécie encontrou um ambiente ótimo nas cidades construídas pelos seres humanos, aprendendo rapidamente como obter abrigo e alimento, com a vantagem de estar livre de predadores nas florestas e campos. Faz parte de sua evolução esse novo ambiente. Assim, entendemos que a evolução biológica de todas as espécies vivas não acontece sem influência de muitos fatores, não acontece de forma “mágica” e independente do tipo de meio e hábitos que podemos observar.
Uma questão comum sobre evolucionismo é: “Se evoluímos dos macacos, por que eles não evoluíram?” Bem, todas as espécies vivas estão em constante evolução e vale lembrar que os macacos de hoje não são iguais aos de milhões de anos atrás.
Hoje em dia, o darwinismo está com uma nova roupagem e temos teorias como o Pós-darwinismo ou Neodarwinismo, conseqüência do desenvolvimento de nossa tecnologia de pesquisa e do próprio conhecimento, cujas portas foram abertas por Charles Darwin para seus sucessores.
Sugestão de sites para leituras complementares:
http://www.caradebiologia.com.br/laboratorio/aula11_origem_ e_evolucao_da_vida.htm

3. O aparecimento do Homo Sapiens - uma espécie que trabalha

O homem descende do macaco. Essa foi a afirmação polêmica de Darwin na segunda metade do século XIX e dividiu opiniões na sociedade moderna. Essa polêmica permanece até hoje, pois encontrou como opositor uma prática humana muito mais antiga que a teoria da evolução: a religião. Não conhecemos nenhuma crença em nenhuma cultura que coincida e concorde totalmente com a afirmação de Darwin. Da perspectiva das crenças, a criação da vida é atribuída a um “ser criador”, a algo externo e superior a toda a vida existente. Ao conjunto de teorias e explicações que partem desse tipo de raciocínio, denominamos “criacionismo”. Pois bem, para pensar como Darwin e a maior parte dos cientistas até hoje, esqueça suas crenças. A Ciência não reconhece que seres superiores tenham dado origem à vida e muito menos entende que o ser humano é uma espécie “privilegiada” ou “superior”, seja pela capacidade de raciocínio, seja pela capacidade de criar crenças.


Para os evolucionistas, todas as espécies vivas foram surgindo das transformações de outras já existentes, dando origem a novas espécies, enquanto outras se extinguiram. Os primeiros humanos, chamados cientificamente de hominídeos, surgiram das transformações de algumas famílias de símios que fazem parte dos chimpanzés.
Nossa espécie surgiu por mudanças biológicas e a cultura. Que mudanças biológicas são essas que nos diferenciam dos símios? O aumento da caixa craniana que nos dotou de um volume cerebral, muitas vezes, maior que o de um macaco, a postura ereta, que possibilita utilizarmos apenas os membros inferiores para locomover-nos, e o surgimento do polegar opositor, que possibilita a nossa espécie a capacidade do “movimento de pinça”. É a partir dessas três características básicas que desenvolvemos inúmeras outras tão fascinantes, como falar ou ainda fabricar instrumentos para nossa sobrevivência.
Mas essas características, como inteligência, fala e indústria, não teriam surgido em nossos ancestrais se não fosse um tipo de comportamento que os ajudou a modelar o corpo, fato baseado na cultura. Ou seja, a necessidade de comunicação, cooperação e divisão de tarefas facilitou o desenvolvimento dessas características biológicas.


  • Características biológicas: forma, funcionamento e estrutura do corpo. É a nossa anatomia, características herdadas biologicamente, mas não são resultado da nossa escolha pessoal;




  • Características culturais: todo comportamento que não é baseado nos instintos, mas nas regras de comportamento em grupo, o que nos permite transformar a natureza para a sobrevivência (trabalho) e permite-nos atribuir significados e sentidos ao mundo pelos símbolos (o branco simboliza a paz ou o tipo de vestimenta simboliza status).

Durante muito tempo, pensou-se que o ser humano já teria surgido plenamente dotado dessas características em conjunto. Hoje sabemos que nossa cultura foi determinante para modelar nossas características biológicas ao longo do tempo e vice-versa. Nossos ancestrais foram lentamente se transformando em humanos.


Essa espécie que somos agora, foi, aos poucos, sofrendo pequenas transformações que, ao longo de milhões de anos, nos diferenciaram totalmente de qualquer ancestral símio.
No início da história humana, nossos ancestrais eram muito semelhantes a um macaco. Tinham mais pêlos pelo corpo, o cérebro era menor, a mandíbula maior. A postura não era totalmente ereta e as mãos não tinham muita habilidade, pois o polegar ficava mais próximo dos outros dedos. O tamanho do cérebro foi aumentando muito devagar, como também a postura ereta surgiu gradualmente e, igualmente, o polegar opositor não surgiu repentinamente. A cada geração, mudanças muito sutis transformaram a espécie. Nesse processo a cultura teve um papel fundamental, pois possibilitou ou exigiu que nosso ancestral desenvolvesse comportamentos capazes de mudar nossa estrutura biológica. Um exemplo: sabemos que o surgimento da fala tem relação com duas características:
a posição da laringe resultante da postura ereta e a utilização das mãos para trabalhos de fabricação de instrumentos.
Ao fabricar os chamados instrumentos de “pedra lascada”, nosso ancestral permitiu operações mais complexas e passou a utilizar uma área do cérebro, a mesma que nos permite falar.
É importante compreender que nossa espécie não é fruto de coisas inexplicáveis, mas resulta de um longo e lento processo de evolução, isto é mudanças ao longo do tempo. Essas mudanças, por sua vez, são fruto de uma dura luta por parte de nossos ancestrais, para sobreviver em condições pouco favoráveis além de conviver com espécies mais fortes e predadores mais bem preparados, fisicamente, para tal. Eles não tinham a mesma caixa craniana que temos hoje, não eram tão inteligentes; não tinham a postura totalmente ereta e nem viviam em cidades. Eram mais uma espécie entre tantas outras e o pouco que puderam fazer, determinou sua sobrevivência, e, mais que isso, determinou como somos hoje.
A evolução é sempre um processo muito lento e vai acumulando sutis modificações ao longo de milhões de anos. Assim, com essa escala de tempo é que podemos perceber, olhando para trás, o quanto cada espécie modificou-se ou não.
Na verdade, sobreviveram lascando uma pedra na outra, para conseguir objetos pontiagudos e cortantes que serviam como arma de caça, como raspador de alimentos ou qualquer utilidade para a vida humana. Dormiam em cavernas ao invés de fabricar abrigos. Durante muito tempo o domínio do fogo era um mistério, portanto não comiam muitos alimentos cozidos. Ademais, nessa época não havia escrita, os únicos vestígios de comunicação encontrados são as pinturas em cavernas (arte rupestre) e pequenas estatuetas, representando figuras femininas. Eram organizados em bandos que praticavam caça e coleta, por isso dependiam de deslocamentos constantes em busca de alimento. Durante quase quatro milhões de anos sobreviveram desse modo, quando a forma física alterou-se, até que no chamado período “neolítico” houve uma revolução.
Sobre o surgimento da fala, é difícil precisar em que momento exato ela teria surgido, uma vez que a escrita veio depois. Como não havia formas de gravar a fala, ela é imaterial. Os cientistas deduzem que foi um processo lento, em que se aprimorou o domínio da musculatura facial, da língua e da respiração, para articular, por último, palavras inteiras.
A “revolução neolítica” foi um período marcante em nossa evolução, durante o qual o ser humano desenvolveu técnicas determinantes para a história de nossa espécie: a agricultura e a domesticação de animais, que permitiram o sedentarismo (começamos a construir abrigos e povoados ao invés de habitar em abrigos naturais). A agricultura e a domesticação de animais significaram a garantia de alimentação dos grupos humanos, independente do sucesso na caça e coleta.
Isso permitiu à nossa espécie fixar-se por períodos prolongados em determinados lugares, formando aldeias e também colaborou para o crescimento demográfico. É nesse momento em que o ser humano começa a trabalhar e não mais a viver da caça/coleta, o que o tornava dependente dos recursos nos territórios habitados. A introdução do trabalho, como estratégia de sobrevivência, segue um padrão estabelecido em nossa evolução, para obter resultados:
•a divisão de tarefas;
•a cooperação com o grupo;
• a especialização.
Essas características são importantes, uma vez que possibilitam que cada um de nós realize apenas um tipo de tarefa. Não é possível produzir sozinho tudo de que necessitamos em nossa vida. Se não tivessem desenvolvido a capacidade de trabalho, baseado nos princípios acima, provavelmente, nossos ancestrais não teriam tido sucesso em sua evolução e nenhum de nós estaria aqui hoje, compartilhando a condição de humanos.
Até hoje utilizamos essas habilidades de trabalho em grupo, para viabilizar nossa existência social. A capacidade de dividir tarefas, cooperar e especializar-se permite atingir objetivos com resultados mais efetivos e também possibilita um conjunto social com melhor qualidade de vida.
O conjunto de tudo que o grupo social produz, viabiliza uma existência cultural, libertando-nos da “lei da selva”. O trabalho humano fundamenta-se em características básicas, como comunicação e cooperação. Fixando-se em um lugar, inaugurando o sedentarismo, o ser humano passa a viver em uma sociedade organizada.
Mais alimentos disponíveis, mais segurança com as casas fabricadas, maior permanência do grupo, isso tudo levou a uma reprodução maior da espécie. Tais condições permitiram aos nossos ancestrais uma organização social mais complexa baseada na sociedade, e, não mais em bandos. A comunicação também sofre uma revolução: o surgimento da escrita.
A partir da escrita e das grandes civilizações da Antiguidade, como Egito, Grécia e China, conhecemos exatamente como a humanidade desenvolveu-se, mas para chegar até esse ponto, nossos ancestrais percorreram um longo caminho. Ela é o resultado de um processo muito longo no tempo, para o qual foram determinantes: a postura ereta, a capacidade craniana, o polegar opositor e a aquisição da fala.
Entretanto, nenhuma dessas características nos valeria muita coisa se não tivéssemos desenvolvido um tipo de comportamento baseado em regras de convivência social, divisão de grupos em parentesco, divisão do trabalho e uma mente dotada de raciocínio lógico e abstrato ligado à criatividade e imaginação. Foram nossas capacidades de organização e comunicação que definiram tal resultado, afastando nossa espécie do comportamento instintivo e determinando essa longa e rica viagem chamada humanidade.
Organização social e comunicação permitem uma série de outras atitudes humanas, como: ensinar, dividir tarefas, planejar, registrar a história, inventar, entre outras.

4. A cultura do Homem – uma espécie que troca e se organiza

Um antropólogo francês famoso, Claude Lévi-Strauss, defende que a proibição do incesto (relações sexuais entre indivíduos com parentesco próximo). Foi a primeira “atitude cultural” do ser humano, o que permitiu uma mudança fundamental no comportamento do animal humano: as trocas. Que tipo de trocas?


Quando nós vamos às compras, trocamos dinheiro (valor) por mercadorias. Isso é uma das muitas formas de troca, o que nos permite afirmar que o mundo do mercado é o mundo das trocas. Mas o mundo do mercado e dos negócios só passou a existir a partir do momento em que o ser humano, em sua evolução, começou a praticar esse tipo de atitude, como algo rotineiro. É importante que tenha havido um tipo de troca original na sociedade, pois essa atividade foi aceita por todos como uma convenção. Dessa forma, foi necessário fundar a lógica das trocas.
Vamos refletir sobre outras formas de troca para chegar à origem delas. Quando presenteamos alguém, praticamos uma “troca simbólica”: damos algo e recebemos amizade, consideração, carinho, muitas vezes, estamos sinalizando que esses sentimentos são mútuos. As trocas simbólicas estão muito presentes em nosso dia-a-dia. Além dos presentes, podemos lembrar os cumprimentos que trocamos, as orações seguidas de pedidos, os grandes e pequenos favores, entre outras.
Logo, as trocas foram determinantes na evolução de nossa espécie. Pense que, antes de vivermos em sociedade, éramos nada mais que um “bando” de humanos. O bando tem como característica o fato de ser uma coletividade, um ajuntamento sem grande organização e carente de laços que o tornem definitivo. Quando um “bando” de humanos dependia apenas do próprio sucesso na coleta ou caça, as coisas podiam complicar-se a longo prazo. Muitos bandos humanos devem ter-se extinguido por dificuldades de sobrevivência, e em casos de diminuição demográfica intensa por dificuldades também de reprodução. Nesse período dos bandos, não existia mercado e muito menos troca, o que dificultava imensamente a sobrevivência, pois cada bando deveria assegurar, apenas com seus recursos, o abrigo e os alimentos para todos.
Aí é que entra a teoria de Lévi-Strauss. A proibição do incesto indica que, em determinado momento da nossa evolução, começou a existir a noção de família e parentesco. Os outros mamíferos não possuem essa noção e eventualmente pode haver cruzamentos entre irmãos ou pais e filhos.
Ao proibir o incesto, os bandos eram obrigados a disponibilizar de suas fêmeas, pois muitas eram irmãs ou filhas, com quem já não era mais permitida a relação sexual. Assim, eram obrigados a “trocar mulheres” com outros bandos. Sim, segundo a Antropologia, as mulheres foram as primeiras “coisas” trocadas pela humanidade, muito antes de qualquer mercadoria. Questão de sobrevivência, pois sem elas não haveria descendentes.
Inteligentemente, as mulheres aceitaram esse papel, pois serem trocadas implicava que os homens criariam laços de parentesco com o outro bando. “Se a minha irmã está casada com o guerreiro do bando vizinho, seus filhos serão meus sobrinhos e teremos uma convivência pacífica e solidária garantida por muito tempo; eu não os atacarei, eles não me atacarão”. Assim, espalhando parentes por aí, as mulheres garantiram trocas que não se limitavam a elas. Trocando mulheres e formando grupos de parentesco, os bandos foram-se transformando em sociedade, organizando melhor a produção e distribuição de alimentos e recursos. É a regra da reciprocidade, característica de nosso comportamento, que orienta nossa conduta para recompensar quem nos dá ou presenteia com alguma coisa. Portanto, a idéia de troca traz consigo a de reciprocidade, ou seja: devolver em igual medida.
Em qualquer situação na qual um indivíduo recebe algo de alguém, vê-se na obrigação de retribuir. Essa é a verdadeira lógica da troca. Os presentes dados em aniversários e casamentos são retribuídos com presentes dados por quem antes recebeu, além é claro de servirem para reforçar os laços de amizade e solidariedade. Amizade e solidariedade pressupõem troca.
A troca de mulheres proporcionou uma mudança histórica para a Humanidade. Os laços de reciprocidade entre pessoas antes estranhas, pelo casamento, tornam-se solidários por toda a vida. Isso é o parentesco – um grupo social solidário que garante seus membros não quebrar o “contrato” de reciprocidade por qualquer desavença ou desacordo, como é possível entre parceiros/sócios, amigos ou estranhos. A família, – mesmo em tempos de mudança como agora –, ainda é um grupo de apoio mútuo e forte solidariedade, garantindo aos seus membros uma duração e permanência muito maior do que laços eventuais com não-parentes. Podemos abandonar um sócio ou amigo, mas nunca a um filho.
Enfim, ao fazer um exercício, perceberemos como até hoje o funcionamento do mercado utiliza e beneficia-se de nossas aptidões para a reciprocidade. Destacaremos os programas de “fidelização” incorporados por muitas empresas modernas. São promoções em que a empresa “presenteia” o cliente com algum beneficio extraordinário e em troca ele se torna fiel por mais tempo à marca ou ao produto. Os resultados são bastante interessantes do ponto de vista dos empresários, tanto que esse tipo de ação tem-se tornado cada vez mais recorrente.
Vamos retomar os aspectos mais importantes vistos nesse módulo. Compreender o processo da origem e evolução de nossa espécie possibilita o entendimento que todos nós somos resultado de um meio social. De um indivíduo para o outro encontramos pequenas diferenças biológicas, muitas delas dadas pela herança genética que recebemos ao nascer, mas isso não é determinante de nosso comportamento. Muito mais que genes, o meio social vai influenciar profundamente cada um de nós durante toda a vida.
Estudar a evolução humana é importante para reforçarmos o aprendizado da importância doconvívio social no desenvolvimento e reforço de características individuais.
O ser humano depende do modelo encontrado no meio social, como um reforço e rotinização de comportamentos. Seguimos regras de comportamento coletivo e, ao fazê-lo, realizamos a sociedade.
Nossas capacidades de organização em grupos, divisão de tarefas, especialização em diferentes áreas de atuação, planejamento e visão estratégica, flexibilidade de comportamento e adaptação a mudanças, nossa tendência à reciprocidade nas trocas, foram determinantes na evolução de símios a seres humanos.
Quando realizamos essas capacidades, mais que colocar em prática “dons naturais”, utilizamos recursos evolutivos que determinaram a diferença entre o Homem e todas as outras espécies vivas. Ademais, interferimos nos futuros passos dessa evolução. A organização social e a participação individual ativa e consciente definem que tipo de sociedade construímos dia após dia como modelo de referência para o conjunto de indivíduos do grupo.
Por fim, vivemos em sociedade porque somos capazes de organizar-nos e seguir regras. Nossa organização e a obediência às regras são um recurso evolutivo que nos capacitou na luta pela sobrevivência. Para realizar a sociedade, dependemos uns do trabalho especializado dos outros, cujos produtos precisam ser trocados constantemente. A lógica das trocas não é meramente a lógica do lucro. Muitas vezes trocamos coisas simbolicamente, para poder manter laços de solidariedade e dar significado à nossa sociedade, pois não somos peças em um mecanismo: somos humanos com necessidades afetivas tanto quanto racionais.
Assim, a organização da sociedade humana é baseada em princípios bastante diferentes das sociedades animais. As abelhas e formigas, também seres trabalhadores e organizados, seguem simplesmente o instinto de sobrevivência. Uma formiga cortadeira jamais almejará ser a rainha e, mesmo que tivesse desejo, seu aparelho biológico não o permitiria. Os animais nascem determinados a certas tarefas, e adaptam-se às condições de seu ambiente de acordo com seu instinto.
Muitos animais vivem coletivamente. O que diferencia a sociedade humana, não é apenas nossa carga genética que nos dota de inteligência. Somos diferentes, porque em nossa evolução conseguimos utilizar, de forma maximizada e combinada, características biológicas de nossos ancestrais e características de comportamento coletivo.
No caso humano, a sociedade pressupõe não apenas organização para realizar tarefas, mas também as necessidades subjetivas, como realizar tarefas de acordo com a oportunidade de desenvolver habilidades: os desejos e sonhos de crescimento pessoal; os objetivos que associam os lucros materiais com a realização pessoal, e, acima de tudo, o sentimento de pertencer em algum momento a um grupo de apoio, aceitação, defesa e que nos faz sentir um indivíduo único e insubstituível.
Por isso nos dividimos em diferentes esferas de participação social, como o mundo do trabalho, o do lazer, o das amizades, o da família e assim por diante.
Em cada um deles realizamos diferentes necessidades e tarefas, e mantendo-nos como membro participante pelas trocas. No trabalho trocamos tarefas realizadas por salário e temos oportunidade de realizar certos aspectos psíquicos, como empenho, desafios, reconhecimento. No mundo do lazer trocamos experiências – práticas ou de sociabilidade -, para recebermos o tempo livre, como forma de descanso e complemento das relações sociais. Já no complexo mundo da família, tudo que há na sociedade realiza-se de forma intrincada: investimos uns nos outros - tempo, recursos materiais, educação, carinho e dedicação, para garantirmos laços indissolúveis que nos realizam como indivíduos. Sem organização, não há sociedade e sem trocas não há humanidade.
Síntese:
Somos resultado de uma longa evolução que modelou nossas características biológicas e nosso comportamento em grupo. Somos seres naturalmente gregários, precisamos conviver em grupo para sobreviver. A cultura representou uma conquista evolutiva importante em nossa espécie. É por meio dela em que podemos realizar plenamente nossas potencialidades humanas, envolvendo as trocas sociais, a organização coletiva e o comportamento baseado em regras, e, não, no instinto.
Falar em HUMANIDADE é diferente de falar em homo sapiens sapiens. Humanidade a de uma história coletivamente construída. Somos seres que produzem uma sociedade em constante transformação, pois aprendemos com nossos semelhantes.

Sugestão de leitura:
GUERRIERO, Silas. “As origens do antropos”, in Antropos e Psique – o outro e sua subjetividade. São Paulo: Olho d´Água, 2005.
LARAIA, Roque de Barros. Cultura – um conceito antropológico, Jorge Zahar. 2006, 19ª ed.
Sugestão de sites para leituras complementares:
A evolução humana:
1) http://pt.wikipedia.org/wiki/Evolu%C3%A7%C3%A3o_ humana
2) http://www.icb.ufmg.br/~lbem/aulas/grad/evol/humevol/ extra/hominideos.html
3) http://www2.uol.com.br/sciam/conteudo/materia/materia_ 14.html
4) http://www.icb.ufmg.br/~lbem/aulas/grad/evol/humevol/
A primeira brasileira (Luzia)
1) http://www.icb.ufmg.br/~lbem/aulas/grad/evol/humevol/ extra/luzia.html
A história do paleolítico ao neolítico:
1) www.bibvirt.futuro.usp.br/textos/humanas/historia/tc2000/ hisger1.pdf



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal