Howard dayton crown financial ministries



Baixar 0.59 Mb.
Página11/11
Encontro19.07.2016
Tamanho0.59 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

Pergunta: As esposas devem trabalhar fora?
Resposta: O número de esposas que trabalham fora cresce de forma rapidíssima. Em 1947, para cada cinco maridos trabalhadores, havia uma esposa que trabalhava fora. Hoje em dia, a proporção é de menos de dois maridos para cada esposa.

Por muitas razões, as mulheres estão envolvidas em trabalhos de todos os tipos. Mulheres casadas trabalham para proverem uma renda adicional para suas famílias, para expressarem sua criatividade ou para desfrutarem do ambiente de trabalho. Viúvas e divorciadas em geral precisam trabalhar para proverem suas necessidades. Um estudo da Universidade de Stanford mostra que as esposas que trabalham fora de casa carregam um fardo particularmente pesado de responsabilidade. Elas trabalham de 70 a 80 horas semanais entre seu trabalho e tarefas domesticas.

Em minha opinião, durante os anos de formação dos filhos, a mãe deveria ficar em casa sempre que eles estiverem em casa. Tito 2:4-5 diz, "a fim de instruírem as jovens recém-casadas a amarem a seus maridos e a seus filhos, a serem sensatas, honestas, boas donas de casa. "É ideal que uma mãe de crianças pequenas limite seu trabalho fora de casa para os horários em que as filhos não estejam em casa, a não ser que as finanças da casa dependam de sua renda. À medida que as filhos amadurecem, a esposa terá sua liberdade aumentada para procurar um serviço fora de casa. Provérbios 31:10-27 afirma,
Mulher virtuosa...Ela lhe [seu marido] faz bem, e não mal, todos as dias da sua vida. Busca lã e linho, e de bom grado trabalha com as mãos... de longe traz o seu pão. E ainda noite, e já se levanta, e dá mantimento a sua casa...Examina uma propriedade e adquire-a; planta uma vinha com as rendas do seu trabalho. Cinge os seus lombos de forca, e fortalece os seus braços...Abre a mão ao aflito; e ainda a estende ao necessitado...Faz para si cobertas, veste-se de linho fino e de púrpura. Seu marido e estimado entre os juizes, quando se assenta com os anciãos da terra. Ela faz roupas de linho fino, e vende-as, e dá cintas aos mercadores... Atende ao bom andamento da sua casa, e não come o pão da preguiça.
Provérbios 31 pinta um quadro lindo da mulher que trabalha e vive em equilíbrio com suas atividades domésticas. Minha opinião e de que o trabalho da esposa não seja tanto no lar quanto para o lar. A Bíblia não diz que a esposa deva ficar confinada em quatro paredes, mas, pelo contrario, descreve uma mulher envolvida nas atividades relativas a sua casa.
Algumas mulheres têm o dom para os trabalhos domésticos. No entanto, outras têm a aptidão e o desejo de trabalharem fora de casa. Trabalhar ou não fora de casa, essa é uma decisão que marido e mulher devem tomar, em oração e em total acordo.

Se uma esposa trabalha para produzir mais renda para a família, é importante analisar exatamente o valor de sua renda real, com a qual contribui para a família, descontados os impostos e as despesas. Os casais, em geral, ficam surpresos ao perceberem que essa renda não á tão grande como pensavam.


Pergunta: O que a Bíblia diz sobre fazer sociedade?
Resposta: 2 Coríntios 6:14-17 diz:
Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto, que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão da luz com as trevas? Que harmonia entre Cristo e o Maligno? Ou que união do crente com o incrédulo? Que ligação ha entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nos somos santuário de Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor.
As Escrituras desencorajam de forma clara as sociedades de negócios com aqueles que não conhecem a Cristo. Muitos violaram esse principio e sofreram em suas finanças.

Em minha opinião, deveríamos ser também muito cuidadosos antes de entrarmos em uma sociedade com outro cristão. Eu consideraria somente umas poucas pessoas como sócios em potencial. Conheço esses indivíduos por anos e tenho observado seu compromisso com o Senhor. Conheço as forcas e fraquezas deles e os vejo lidando com o dinheiro sempre com fidelidade. Não se apresse em fazer uma sociedade.Avalie, em oração, o que ela pode trazer.

Antes de entrar numa sociedade, coloque tudo a ser tratado e os acordos, por escrito, junto com seu futuro sócio. Nesse documento escrito, coloque uma forma de dissolver a sociedade, caso seja necessário.Se não conseguirem entrar em acordo por escrito, não iniciem a sociedade.
Pergunta: Por que os ímpios prosperam?
Resposta: Essa e uma pergunta perturbadora que o povo de Deus tem feito ha séculos. O profeta Jeremias inquiriu o Senhor:

“Tu és junto, Senhor, quando apresento uma causa diante de ti, contudo, eu gostaria de discutir contigo sobre a tua justiça. Por que o caminho dos ímpios prospera? Por que todos os traidores vivem sem problemas? (Jeremias 12:1, NVI)”,

O salmista perguntou também porque o ímpio prosperava, e admitiu ter inveja deles. A piedade parecia não "valer a pena”. Então o Senhor revelou o fim do ímpio - punição eterna súbita.
Certamente Deus e bom...para os puros de coração. Quanto a mim, os meus pés quase tropeçaram... Pois tive inveja dos arrogantes quando vi a prosperidade desses ímpios. Eles não passam por sofrimento... Por isso o orgulho lhes serve de colar... Quando tentei entender tudo isso, achei muito difícil para mim, ate que entrei no santuário de Deus, e então compreendi o destino dos ímpios. Certamente os põe em terreno escorregadio e os fazes cair na ruína. Como são destruídos de repente, completamente tomados de pavor! (Salmos 73:1-19, NVI).
A Bíblia nos diz que alguns dos ímpios prosperarão, mas ela não diz a razão pela qual prosperarão. No entanto, o Senhor diz para não nos preocuparmos. Não tenha inveja do ímpio que prospera porque a vida na terra e tão curta que ele logo desvanecera. "Não se aborreça por causa dos homens maus e não tenha inveja dos perversos; pois como o capim logo secarão, como a relva verde logo murcharão”. (Salmo 37:1-2, NVI). Somos encorajados a manter a perspectiva eterna do Senhor com seu sistema eterno de valores.
Pergunta: O que a Bíblia diz sobre litígio?
Resposta: Mais de 22.000 litígios civis acontecem a cada ano em nossa nação. Infelizmente, muitos deles são de cristãos contra cristãos, a um custo anual de bilhões de dólares.

Parece que processar e um passa tempo nacional: Uma mulher de Maryland processou um homem que, segundo ela, chutou-a na pista de dança. Conseguiu R$ 200.000 como compensação pela injuria e pelo tempo perdido na pista de dança. Um ex-jogador de futebol profissional recebeu R$ 300.000 pela "injuria psicológica" sofrida por ter sido chamado de "covarde" pelo medico do time.

Há inúmeras razões para toda essa enxurrada de processos, inclusive uma avalanche de novas leis e regulamentos. Mais preocupante ainda e que as pessoas estão perdoando cada vez menos. O atual sistema de tribunal usa um processo judicial adversário, o qual, com freqüência, cria animosidades e quebra de relacionamentos entre as partes envolvidas. Ao invés de tentar curar as feridas, o sistema prove uma solução técnica e legal ao caso, mas deixa os problemas de falta de perdão raiva intocados. O objetivo primordial num litígio e vencer.

Mas a Bíblia enfatiza que o alvo deve ser a reconciliação. "Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali to lembrares de que teu irmão tem alguma cousa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta" (Mateus 5:23-24).


As Escrituras afirmam de forma clara que, quando um cristão tem um problema com outro, não devem acertar suas disputas através do tribunal secular.
Aventura-se algum de vos, tendo questão contra outro, a submetê-la a juízo perante os injustos e não perante os santos? Ou não sabeis que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo devera ser julgado por vós, sois acaso indignos de julgar as cousas mínimas? Não sabeis que havemos de julgar os próprios anjos; quanto mais as cousas desta vida? Entretanto, vós, quando tendes a julgar negócios terrenos, constituis um tribunal daqueles que não tem nenhuma aceitação na igreja! Para vergonha vo-lo digo. Não ha, porventura, nem ao menos um sábio entre vos, que possa julgar no meio da irmandade? Mas ira um irmão a juízo contra outro irmão, e isto perante incrédulos? O só existir entre vos demandas já e completa derrota para vos outros. Por que não sofreis antes a injustiça? For que não sofreis antes o dano? (1 Coríntios 6:1-7).
Ao invés de iniciar um processo, ha um procedimento de três passos para os cristãos acertarem suas diferenças, apresentado em Mateus 18:15-17: "Se teu irmão pecar [contra ti], vai argúí-la entre ti e ele só. Se ele to ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não to ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não as atender, dize-o a igreja; e, se recusar também ouvir a igreja, considera-o como gentio e publicano."


  1. Procure o outro em particular. A parte que acredita ter sido injuriada precisa confrontar a outra pessoa em particular com suas reivindicações. Se não for possível resolver o problema, então...

  1. Procure uma outra pessoa ou duas. A pessoa que se sente injuriada deve retornar com testemunhas que possam confirmar o fato ou ajudar a resolver a disputa. Se ainda assim não houver sucesso, então...

  2. Procure a igreja. O terceiro passo é a mediação ou julgamento diante de um grupo imparcial da igreja ou talvez um serviço de mediação cristã local, se houver um em sua área.

O maior benefício de se seguir esses procedimentos é não apenas alcançar um resultado justo na disputa, mas praticar o perdão, receber a paz e demonstrar o amor.

Pergunta: O que diz o Senhor sobre favoritismo (parcialidade)?

Resposta: A Bíblia é clara. Estude com atenção Tiago 2:1-9:

Meus irmãos, não tenhais a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. Se, portanto, entrar na vossa sinagoga algum homem com anéis de ouro nos dedos, em trajes de luxo, e entrar também algum pobre andrajoso, e tratardes com deferência o que tem os trajes de luxo e lhe disserdes: Tu, assenta-te aqui em lugar de honra; e disserdes ao pobre: Tu, fica ali em pé, ou assenta-te aqui abaixo do estrado dos meus pés, não fizestes distinção entre vós mesmos, e não vos tornastes juizes tomados de perversos pensamentos? Ouvi, meus amados irmãos. Não escolheu Deus os que para o mundo são pobres, para serem ricos em fé e herdeiros do reino que ele prometeu aos que o amam? Entretanto, vós outros menosprezastes o pobre. Não são os ricos que vos oprimem, e não são eles que vos arrastam para os tribunais?

Não são eles os que blasfemam o bom nome que sobre vós foi invocado? Se vós, contudo, observais a lei regia segundo a Escritura: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, fazeis bem; se, todavia, fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo argüidos pela lei como transgressores.
Eu já lutei contra o pecado da parcialidade. Não demonstrava de forma tão óbvia, falando, por exemplo, para alguém levantar-se e para outro sentar-se num lugar especial. Mas, em meu coração, pecava sendo parcial e isso influenciou, de modo não intencional, minhas ações. Certa vez, quando peguei no telefone, minha mulher falou, "Já sei que você não estava conversando com o Ken, mas provavelmente com o Ryan. Você prefere o Ken e dá para perceber pela sua voz."

A parcialidade não precisa estar baseada na riqueza de uma pessoa. Pode estar baseada na educação de alguém, na sua posição social na comunidade ou em seu status espiritual dentro da igreja. Tiago 2:9 não poderia ser mais direto: "Se, todavia, fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo argüidos pela lei como transgressores." Como podemos quebrar o hábito da parcialidade?

Romanos 12:10 diz-nos: "Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros." E em Filipenses 2:3 lemos, "Nada façais por partidarismo, ou vangloria, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo." Precisamos pedir ao Senhor para permear nosso pensamento com o hábito de considerar cada pessoa, com consistência e consciência, como mais importante que nós mesmos, não importa a posição social dela. Uma forma prática de superar o favoritismo é concentrar-se nas forças e habilidades de cada pessoa. Todas as pessoas podem fazer alguma coisa melhor do que eu. Essa percepção ajuda-me a apreciar todos os indivíduos
Pergunta: O que diz a Bíblia sobre cobiça?
Resposta: Cobiça é o desejo de possuir a propriedade de outra pessoa.Ela é expressamente proibida na Bíblia toda. O ultimo dos Dez Mandamentos diz, "Não cobiçaras a casa do teu próximo. Não cobiçaras a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem cousa alguma que pertença ao teu próximo" (Êxodo 20:17). Esse mandamento termina com uma proibição explicita "nem cousa alguma que pertença ao teu próximo”. Em outras palavras, somos ordenados a não cobiçarmos nada que pertença a uma outra pessoa.
A ganância é semelhante a cobiça. "Mas a prostituição e toda sorte de impurezas, ou cobiça, nem sequer se nomeie entre vos... Sabei, pois, isto: nenhum incontinente, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus" (Efésios 5:3-5).

Uma pessoa cobiçosa ou invejosa é idolatra. A cobiça e a ganância foram chamados de pecados universais silenciosos. É raro serem confrontados ou apontados, mas creio que estão entre os pecados mais comuns desta geração. Quando comecei a estudar o que a Bíblia dizia sobre o dinheiro, fui tornado pela extensão de minha própria cobiça. Peca ao Senhor para mostrar-lhe se você é culpado de cobiça pelo que é dos outros. Se for, arrependa-se e submeta-se ao Espírito Santo. Peca que Ele mude seu coração.


Pergunta: Devemos doar para instituições de caridade seculares?
Respostas: Inúmeras instituições de caridade seculares, tais como escolas, ordens ou organizações fraternais organizaram-se para combater vários problemas sociais e competem de modo vigoroso para ganhar nossas doações em dinheiro. No entanto, Bev e eu, normalmente, decidimos não apoiarmos com nossas contribuições essas organizações. A razão é que, enquanto muitas pessoas apóiam instituições de caridade seculares, somente aqueles que conhecem ao Senhor apóiam os ministérios de Cristo. Já doamos, ocasionalmente, para instituições seculares, quando sentimos que o Senhor nos movia para o fazermos ou quando a pessoa que pedia era um amigo ou amiga que desejávamos encorajar ou influenciar para conhecer a Cristo.
Pergunta: As Escrituras proíbem de modo repetido a idolatria. Como isso se aplica em nosso mundo moderno?
Resposta: Poucas pessoas hoje dobram-se diante de pilares de pedra ou estátuas de ouro. Essa forma de idolatria e uma coisa do passado. No entanto, estamos sempre correndo o risco de colocarmos outras coisas no lugar de Deus e de devotarmos a elas a afeição devida só a Ele. A prática da idolatria está em todos os lugares. Como disse alguém, "A maioria dos ídolos de hoje tem quatro rodas, vidro fume, e cromado e esmaltado.." Deus deve ocupar o primeiro lugar em nossos corações.Sua perspectiva deve influenciar cada decisão nossa. Tudo precisa estar subordinado a nosso amor por Ele. Se amamos qualquer coisa - família, trabalho ou posses mais do que ao Senhor, isso e um ídolo.

Se você gostaria de saber mais sobre o Ministério Crown favor entrarem contato:

Ministério Crown Caixa Postal 44

CEP: 17580-00 - Pompeia - SP – Brasil

FONE (014) 452-1839, FAX (014) 452-2041
NOTAS

1.Charles L. Allen, God's Psychiatry (Old Tappan, NJ: Revell,1953).

2.David McConaughty, Money, lhe Acid Test (Philadelphia:Westminster Press, 1918), pp. 24, 25.

3.Richard Halverson, Perspective (Los Angeles: CowmanPublications, 1957), p. 59.

4.George Fooshee, You Can Be Financially Free (Old Tappan,NJ: Revell, 1976), p. 26.

5.Herb Goldberg and Robert Lewis, Money Madness (NewYork:Morro, 1978), pp. 13, 14.



6.RandyAlcom, Money, Possessions and Eternity (Wheaton,IL,Tyndale House Publishers), p. 128,129.

7.Leslie B. Flynn, Your God and Your Gold (Grand Rapids:Zondervan), p. 112.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal