I – diagnóstico



Baixar 2.54 Mb.
Página2/23
Encontro18.07.2016
Tamanho2.54 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23

I.2 – Pedologia


Este estudo tem por objetivo obter informações sobre os solos ocorrentes na área e avaliar seu potencial para utilização agro-silvo-pastoril, visando subsidiar as proposições de uso do solo rural mais compatíveis com as demais formas de ocupação da bacia e com as diretrizes de proteção do reservatório.
A descrição dos solos ocorrentes na área em estudo foi efetuada por meio do estabelecimento de correlações entre material de origem, aspectos geomorfológicos, cobertura vegetal e reconhecimento de campo.
Os estudos geológicos desenvolvidos para o Plano de Desenvolvimento Ambiental constituíram-se em material básico para a descrição dos solos aqui apresentada. As informações de maior relevância referem-se às unidades geológicas e principais litologias, à descrição das unidades de terrenos e às informações referentes aos processos erosivos.

I.2.1 - Solos Ocorrentes na Área do Reservatório de Vargem das Flores


Os solos ocorrentes na Área do Reservatório de Vargem das Flores compreendem solos com horizonte B latossólico, B textural, solos com horizonte B incipiente e solos pouco desenvolvidos.

Solos com Horizonte B Latossólico


Os solos com horizonte B latossólico são, sob o ponto de vista pedogenético, os mais desenvolvidos da crosta terrestre. Ocupam , portanto, terrenos há muito tempo expostos da paisagem, sendo encontrados em áreas com relevo plano a suave ondulado e também em áreas com relevos mais acidentados. Com o avanço dos processos de intemperização, ocorre nos latossolos um enriquecimento relativo de óxidos de ferro e alumínio. Estes óxidos, atuando como agentes agregantes, provocam grande macroporosidade, dando à massa do solo aspecto maciço poroso, resistência à erosão e alta friabilidade. O alto grau de estabilidade entre os agregados, a grande porosidade e a permeabilidade, são características que conferem aos latossolos, maior resistência à erosão, em comparação a outras classes de solo.
Os perfis dos latossolos normalmente possuem profundidade superior a dois metros, com seqüência de horizontes A, B e C. Sendo muito porosos e friáveis, apresentam boa permeabilidade, o que lhes confere maior resistência a processos erosivos. Quimicamente são solos desprovidos de reservas de nutrientes para as plantas, apresentando baixos teores de bases trocáveis e baixa fertilidade natural.
Na área em estudo, os solos com B latossólico são de pequena representatividade, e correspondem aos Latossolos Vermelho-Amarelos, observados principalmente em terrenos com relevo suavemente ondulado, situados nas superfícies de topo.

Solos com Horizonte B Textural


Os solos com horizonte B textural apresentam como principal característica um incremento do teor de argila do horizonte A para o B. Ao contrário dos latossolos, que apresentam estrutura granular com aspecto maciço poroso, os solos com horizonte B textural geralmente têm estrutura em blocos bem desenvolvida a moderadamente desenvolvida. São solos com seqüência de horizonte A, B e C, porém menos profundos e menos intemperizados que os latossolos. A diferença de textura e estrutura entre os horizonte A e B dificulta a infiltração da água nesses solos, favorecendo os processos erosivos.
Solos com horizonte B textural, encontrados em grande extensão da área, são representados pelos Podzólicos Vermelho-Amarelos desenvolvidos a partir de rochas gnáissicas. Além dos podzólicos deve ser citada a possível ocorrência de solos classificados como Terra Roxa Estruturada, correlacionados às rochas máficas que ocorrem sob forma de diques entre o embassamento gnáissico.

Solos com Horizonte B Incipiente


Referem-se a solos que apresentam a seqüência de horizontes A-Bi-C, sendo que no horizonte B o intemperismo é relativamente pequeno, o que pode ser observado pela pequena espessura desse horizonte, o grau de desenvolvimento de sua estrutura e em alguns casos, a presença de minerais primários facilmente intemperizáveis. Este horizonte é típico e praticamente restrito aos solos classificados como Cambissolos. A estrutura pouco desenvolvida, os altos teores de silte, a baixa capacidade de retenção de água e aspectos referentes ao relevo conferem alta erodibilidade a esses solos.
Na área de estudo, os cambissolos apresentam pequena espessura do sólum (horizonte A + Bi). O horizonte C é profundo sendo bem evidenciado pela cor rósea a partir da transição com o horizonte B. Ocorrem com maior freqüência nas superfícies de transição, em terrenos com declives que variam de suave ondulado a fortemente ondulado, sendo as rochas gnáissicas o principal material de origem desses solos.

Solos Pouco Desenvolvidos


Compreendem solos com pouco desenvolvimento pedogenético, o que é evidenciado pela ausência de horizonte B ou, quando presente, pelo estado inicial da formação. Na Bacia em estudo, os solos pouco desenvolvidos são representados pelos Solos Litólicos, Solos Aluviais e Hidromórficos.
Os solos Litólicos são rasos e apresentam um horizonte A diretamente assentado sobre a rocha ou sobre material originário dessa rocha em grau avançado de intemperização. A seqüência de horizontes é A/R ou A/C. Em alguns casos, pode ocorrer um horizonte B em início de formação.
Na Bacia, os solos Litólicos podem ser observados em terrenos com declives mais acentuados inseridos nas superfícies de topo. Estão correlacionados aos gnaisses e, em pequena proporção, às rochas máficas que ocorrem de forma bem restrita.
Os solos Aluviais são aqueles pouco evoluídos formados em depósitos aluviais recentes, apresentando em seu perfil o horizonte A sobre uma seqüência de camadas estratificadas sem nenhuma relação genética entre si. Na área da Bacia do Reservatório de Vargem das Flores, esses solos ocupam maiores extensões nas Calhas aluviais das sub-bacias dos córregos Água Suja e Morro Redondo.
Os solos Hidromórficos são os encontrados em terrenos mal drenados de áreas mais deprimidas das várzeas, onde o lençol freático se apresenta elevado ou mesmo à superfície do solo durante todo o ano ou em grande parte dele. Os hidromórficos são desenvolvidos a partir de sedimentos areno-argilosos ou argilo-arenosos e as condições de drenagem em que ocorrem, caracterizando um ambiente de redução, está relacionada às cores neutras que caracterizam estes solos. Na área da Bacia de Vargem das Flores os solos hidromórficos são encontrados nas calhas aluviais, sendo comum sua ocorrência em associação aos solos aluviais.

I.2.2 - Considerações Sobre o Potencial Agro-Silvo-Pastoril dos Solos


Os Latosssolos Vermelho-Amarelos são os solos que apresentam grande potencial para atividades agro-silvo-pastoril. Este fato decorre principalmente do seu grau de desenvolvimento, da sua ocorrência em terrenos com declives menos acentuados situados em superfície de topo, e da sua maior resistência à erosão. Entretanto, são pouco representativos na área da Bacia.
Os Podzólicos Vermelho-Amarelos, embora sejam solos bem desenvolvidos, quando ocorrentes em terrenos com relevos mais acentuados, tornam-se mais susceptíveis aos processos erosivos. Este fato restringe seu potencial de uso para lavouras sendo, portanto, mais indicados para uso com pastagem e silvicultura. Na área, os Podzólicos são de grande representatividade, ocorrendo em terrenos com declives variáveis entre ondulado a fortemente ondulado, situados nas superfícies topo e de transição.

Os solos Cambissolos também são de grande representatividade na área. Entretanto, apresentam alta susceptibilidade a ravinamentos e erosão em voçoroca, fato que restringe seu potencial ao uso agrícola. Estes solos são mais indicados para uso como pastagem natural ou silvicultura.


Os solos Litólicos, em geral, são inaptos a atividades agro-silvo-pastoris, em decorrência do seu baixo grau de desenvolvimento e, principalmente, por ocorrerem em locais com relevo bem acidentado. De um modo geral, são indicados para preservação da flora.
Os solos Aluviais são os solos mais aptos ao desenvolvimento de cultivos anuais. Em geral são os solos mais ferteis da paisagem e ocorrem em áreas planas com condições favoráveis à mecanização. Por estarem situados em cotas mais baixas, apresentam maior disponibilidade hídrica. Contudo, esses solos são sujeitos a inundações periódicas.
Os solos Hidromórficos, devido à deficiência de drenagem, apresentam maiores limitações ao uso agrícola, sendo mais indicados para cultivos de espécies mais adapatadas a este ambiente.

I.2.3 - Processos Erosivos


Os fatores determinantes da erosão do solo podem ser classifcados como intrínsecos e extrínsecos. Os primeiros referem-se às condições topográfícas (declividade e comprimento de rampa) e propriedades físicas do solo (textura, estrutura, porosidade e permeabilidade, capacidade de infiltração, teor de matéria orgânica). Os fatores extrínsecos estão relacionados a fenômenos naturais como chuva, ventos e ondas, além de fatores ocasionais como a cobertura e manejo do solo (FREIRE, 1974).
As propriedades intrínsecas de cada solo determinam graus distintos de susceptibilidade à erosão, sendo que as propriedades físicas são as que apresentam maior importância quanto à erodibilidade dos solos. Solos com textura argilosa, sem gradiente textural ao longo do perfil, são menos propícios à erosão. Da mesma forma, solos profundos, com boa permeabilidade e bem estruturados e com maior coesão, são menos sujeitos à erosão hídrica. Solos menos profundos, compactados com diferenças acentuadas de textura e estrutura entre as diversas camadas, sob as mesmas condições de clima e relevo são mais sujeitos à erosão.
Considerações referentes às diferentes classes de solos ocorrentes na área e a susceptibilidade à erosão são apresentadas a seguir:

- Latossolos Vermelho-Amarelos - são solos profundos e permeáveis, apresentando uniformidade na percolação hídrica, permitindo - nas condições naturais - predominância da infiltração sobre o escoamento superficial das águas pluviais, sendo pouco susceptíveis à erosão. Entretanto o manejo destes solos pode alterar, de forma negativa, as suas características físicas.


- Podzólicos Vermelho-Amarelos - apresentam grande propensão natural à erosão. O gradiente textural, caracterizado por maiores percentuais de argila no horizonte B, promove grande alteração na velocidade da percolação hídrica no perfil. Assim, a velocidade da água, ao atingir o horizonte B, é reduzida, devido à resistência oferecida pelo maior teor de argila neste horizonte. A perda de velocidade promove a saturação do solo no horizonte A, predispondo a sua remoção pelo escoamento superficial. Como conseqüência, verifica-se nas áreas mais acidentadas com ocorrência Podzólicos, uma intensa remoção do horizonte A, evidenciando estágios de erosão laminar e, em alguns casos, do horizonte B, onde se percebe a formação de sulcos.
- Cambissolos - são solos instáveis e altamente susceptíveis à erosão, em decorrência do seu baixo grau de desenvolvimento, à incipiente estruturação entre suas partículas e ao elevado teor de silte no horizonte B. Devido à sua alta instabilidade, os cambissolos constituem considerável fonte de sedimentos, principalmente quando ocorrem em áreas com relevo mais acidentado.
- Solos Litólicos - devido às características físicas, como baixa profundidade do perfil, refletindo em baixa capacidade de retenção hídrica, textura e ocorrência em locais com declives mais elevados, são também muito susceptíveis aos processos erosivos.
A produção, bem como a deposição de sedimentos, relacionam-se respectivamente, com as etapas inicial e final do processo erosivo. Na área da Bacia, a produção de sedimentos em decorrência da erosão hídrica está relacionada às formas de erosão: laminar, linear evoluindo em sulcos e voçoroca. Em áreas com relevo suave ondulado a ondulado, com ocorrência de Latossolo Vermelho-Amarelo, verifica-se o predomínio da erosão laminar. Nas áreas com relevo mais acidentado onde são encontrados os podzólicos e cambissolos, além da erosão laminar são observados processos de erosão linear ou em sulco e em voçoroca. As voçorocas ativas e em processo de estabilização estão extensamente distribuídas na área e particularmente concentradas na porção noroeste. Ocupam os flancos das Superfícies de Topo e se estendem para a Superfície de Transição. Na calha aluvial, observa-se a etapa final do processo erosivo, representado pela deposição de sedimentos, conhecida como assoreamento.
Com relação aos fatores extrínsecos relacionados aos processos erosivos, o regime de chuvas predominante na área se caracteriza pela ocorrência de chuvas de verão concentradas no período de outubro a março, seguidas de acentuada estiagem no período de abril - setembro. As chuvas torrenciais, típicas desse regime, promovem a erosão superficial e os desbarrancamentos. Quanto à cobertura vegetal, verifica-se que um grande percentual das formações florestais, que propiciam melhor proteção dos solos contra processos erosivos, foi removida e substituída por plantas forrageiras, que são menos eficientes com relação à proteção dos solos quanto aos processos erosivos.
I.2.4 - Caracterização dos Solos ao Nível de Sub-Bacias

Sub-Bacia de Contribuição Direta


Nessa sub-bacia predominam os Podzólicos Vermelho-Amarelos e os Cambissolos, em terrenos situados na superfície de topo e na superfície de transição. A sudeste e sudoeste da área, em terrenos com declives mais acentuados, são encontrados Solos Litólicos associados aos Cambissolos. Em pequenas áreas de calha aluvial não ocupadas pelo reservatório são observados os solos Aluviais e Hidromórficos. Uma extensa distribuição de voçorocas é observada nos terrenos desta sub-bacia, mesmo em formas de relevo com declive menos acentuados. A susceptibilidade à erosão dos solos ali encontrados é um dos fatores mais limitantes ao uso agrícola.

Sub-Bacia do Córrego Batatal


Nessa sub-bacia, verifica-se também o predomínio dos Podzólicos Vermelho-Amarelos e os Cambissolos, observados nas superfícies de topo e de transição, em terrenos com declividades bem variáveis. Nas áreas com relevo íngreme e em meio a exposições rochosas, os Cambissolos ocorrem associados aos Solos Litólicos, e nas áreas com relevo menos acentuado, estes são observados junto aos Podzólicos. Nos terrenos situados na calha aluvial, são observados os solos Aluviais e Hidromórficos. Nessa sub-bacia, o relevo e a susceptibilidade à erosão são os fatores mais limitantes ao uso agrícola dos solos, sendo a silvicultura o melhor uso indicado para a área.

Sub-Bacia do Córrego da Laje


Os solos dessa sub-bacia são bem semelhantes aos observados na sub-bacia do córrego Batatal, sendo encontrados, em maior proporção, em terrenos situados na superfície de topo. Aqui também, as limitações ao uso agrícola são condicionadas por relevos íngremes e alta susceptibilidade à erosão.

Sub-Bacia do Córrego Água Suja


Nessa sub-bacia ocorrem com grande representatividade os Podzólicos Vermelho-Amarelos e Cambissolos, observados nas superfícies de topo e de transição. A esses solos estão relacionados inúmeras feições de erosão do tipo voçoroca. Em alguns terrenos de superfície de topo com declives mais suaves, situados a nordeste da sub-bacia, observam-se Latossolos Vermelho-Amarelos. Em decorrência da extensão da calha aluvial, os Solos Aluviais e Hidromórficos ganham expressividade nessa sub-bacia. A alta susceptibilidade à erosão apresentada pelos solos alí encontrados, além do grau de densidade de ocupação urbana, constitui forte limitação ao seu uso agrícola.

Sub-Bacia do Córrego Morro Redondo


Ocorre uma maior variação de classes de solos nessa sub-bacia. Verifica-se o predomínio dos Podzólicos Vermelho-Amarelos, nas superfícies de topo e de transição. Os processos erosivos em voçoroca são menos intensos nessa área, observando-se a ocorrência de erosão laminar. Os demais solos ali encontrados são os Cambissolos, Latossolos Vermelho-Amarelos, Solos Litólicos, Solos Aluviais e Hidromórficos ao longo da calha aluvial do córrego Morro Redondo e alguns de seus tributários. A ocorrência representativa de terrenos com declives menos acentuados e solos menos desgastados por processos erosivos conferem a esta área maior potencial para uma utilização agrícola.

Sub-Bacia do Córrego Betim


Nessa sub-bacia bacia, verifica-se a ocorrência de forma associada de Podzólicos Vermelho-Amarelos e de Cambissolos, encontrados em terrenos situados nas superfícies de topo e de transição. Na calha aluvial são encontrados os solos Aluviais e Hidromórficos, sobre os quais se observa grandes interferências devido ao processo de urbanização. A alta susceptibilidade à erosão apresentada pelos solos alí encontrados contitui forte limitação ao seu uso agrícola.

Sub-Bacia do Córrego Bela Vista


Nas superfícies de topo e de transição são encontrados os Podzólicos Vermelho-Amarelos e os Cambissolos em terrenos que apresentam formas de relevo com declives mais acentuados. Os solos Aluviais e Hidromórficos ocupam pequenas extensões nessa sub-bacia. Os fatores mais limitantes ao uso agrícola estão relacionados ao relevo e à susceptibilidade à erosão.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal