I – diagnóstico


I.6.2 – Áreas de Cobertura Vegetal Expressivas



Baixar 2.54 Mb.
Página9/23
Encontro18.07.2016
Tamanho2.54 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   23

I.6.2 – Áreas de Cobertura Vegetal Expressivas


A identificação de remanescentes florestais e áreas de cobertura vegetal de maior significado na bacia de Vargem das Flores foi realizada com o objetivo de selecionar locais potenciais para criação de unidades de conservação e formulação de políticas de uso do solo específicas visando a proteção e a recuperação da vegetação nativa.
O território da Bacia, por conter em seus limites áreas de grande adensamento populacional e por estar sujeito à necessidade de preservar sua cobertura vegetal para proteger seus mananciais hídricos, deveria possuir um sistema de áreas de preservação e de áreas verdes já estruturado. Contudo, apesar dos dispositivos legais vigentes (Deliberação 17/81, Código Florestal e Lei Florestal de Minas Gerais – Lei 10.561/91), o que se observa na área e a ocorrência generalizada de desmatamentos e outras formas de impactos sobre a cobertura vegetal além da quase total ausência de unidades de conservação.
Um único parque municipal foi criado em toda a área – o Parque Gentil Diniz, localizado na Sede Contagem, nas proximidades do Bairro Nossa Senhora do Carmo, na sub-bacia do Ribeirão Betim. Trata-se de uma área verde com superfície aproximada de 2,4 ha., remanescente de uma antiga fazenda da região. Sua cobertura vegetal está formada por trechos de floresta, cerrado e pomar com frutíferas onde se destacam as jabuticabeiras. A infra-estrutura instalada conta com sanitários, arena, lago, play-ground e viveiro. Nas edificações existentes funciona a sede do Departamento de Parques e Jardins da Prefeitura Municipal.
Portanto, é de vital importância a identificação de áreas potenciais para constituição de um sistema de unidades de conservação e áreas verdes visando a preservação da flora, fauna e, principalmente, dos recursos hídricos da Bacia. Esta iniciativa, representaria ainda aumento das opções de lazer para moradores em seu território e em toda a porção oeste da Região Metropolitana de Belo Horizonte populações extremamente carentes destes equipamentos. Com este objetivo foi realizado o mapeamento das áreas mais expressivas do ponto de vista da cobertura vegetal (Mapa PX-C02 em anexo), cuja descrição é apresentada no item seguinte.
Este estudo foi desenvolvido concomitantemente com o mapeamento do uso do solo e cobertura vegetal, e teve apoio de fotos aéreas nas escalas de 1:8000 e 1:30.000, uma campanha de campo para checagem das condições atuais e documentação fotográfica.

Descrição das Áreas Potenciais para Criação de Unidades de Conservação


O Mapa PX-C02, em anexo, mostra os remanescentes florestais e demais áreas de cobertura vegetal expressiva, identificadas como potenciais integrantes de um sistema de unidades de conservação para a bacia de Vargem das Flores. Estas áreas são descritas na Tabela 6.2, incluindo-se uma indicação da categoria de unidade de conservação mais adequada para o enquadramento de cada uma delas, seja na proposta de zoneamento de uso e ocupação do solo da Bacia ou para operações negociadas entre os setores público e privado visando a proteção das mesmas. Estas categorias, são os Parques Municipais Urbanos, Parques Ecológicos Municipais, localizados em áreas rurais, Estações Ecológicas, de propriedade pública, e Áreas Especiais para preservação permanente integral ou parcial, de propriedade particular. Para maior precisão na localização destas áreas nas sub-bacias do sistema Vargem das Flores, as sub-bacias foram consideradas como bacias, e seus afluentes principais como sub-bacias.

Tabela 6.2- Áreas de Cobertura Vegetal Expressivas – Bacia de Vargem das Flores - Junho 1997




Áreas

Localização

Vegetação

Categoria de Uso

Potencial como Área

Observações










de Conservação




1

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego Matadouro. Área Industrial de Contagem, ao lado da COSIGUA, na Av. João César de Oliveira.

Predomínio de cerrado. Presença de processos erosivos, (tipo voçorocas) parcialmente estabilizados.


Parque Municipal.


A localização não favorece muito a implantação de um parque para utilização da população em geral por estar inserido em área industrial, porém poderia ter uso vinculado a atividades de lazer e recreação de operários

das indústrias da região.



2

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego Matadouro. Bairro Três Barras

Faixa estreita com predomínio de espécies da floresta semidecidual. Processo erosivo, tipo voçorocas, estabilizado, com um campo de futebol improvisado no interior.


Parque Municipal


A localização favorece muito a implantação de um parque urbano por estar inserida dentro do bairro residencial e por já ser utilizada como área de lazer. Para sua implantação sugere-se o alteamento do campo de futebol, implantação de sistema de drenagem, fechamento da área com tela, recuperação da cobertura vegetal e implantação de infra-estrutura mínima como portaria, sanitários, abastecimento de água potável e energia elétrica, equipamentos

esportivos e de ginástica.



3

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego Matadouro. Bairros Coração de Jesus e sede de Contagem, próxima à praça Joaquim A. da Rocha.


Predomínio de floresta semidecidual.


Parque Municipal


Área de topografia acidentada recoberta por floresta bem conservada. Na parte mais baixa do terreno é possível

criar alguma infra-estrutura de reduzidas proporções. Por

se localizar na região central da Sede de Contagem, a área deve ser priorizada..


4

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego Matadouro. Área de propriedade

da CEMIG.




Predomínio de cerrado e cerradão, floresta semidecidual nos vales, campo de várzea na parte mais baixa junto a lagoa.


Área Especial de Preservação Permanente.


Área de grande importância por sua continuidade e estado de preservação, formando um contínuo que ultrapassa os limites da bacia, onde está implantado o clube da GREMIG. Esta área deve ser preservada devendo ser incluída como de classe especial voltada para a

conservação de recursos hídricos, fauna e flora.



5

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego do Praia. Representa o limite entre vários bairros como São Gonçalo, Olinda, Santa Luzia e Vila Beneves. Esta área foi dividida em duas porções separadas pela rua Joaquim Felipe e Nossa Senhora da Conceição.


Predomínio de cerrado e campo cerrado, com

pastagens naturais. Junto às drenagens aparecem campos de várzea estreitos.




Parque Municipal.


Esta área possui extensão razoável com vegetação preservada em alguns trechos. Existe um loteamento aprovado mas não totalmente implantado em sua porção

5 A. Apresenta vocação para parque ecológico. Sua implantação pode ser dificultada em função da localização e topografia que favorecem o uso residencial.




6

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego da Lagoa. Situa-se entre os bairros Estância do Hibisco e Tropical, representando a nascente do córrego da Lagoa.



Ocorrência de floresta semidecidual e cerrado, além de pequenos trechos de campo de várzea junto ao córrego.


Parque Ecológico Municipal


Área de topografia acidentada que não favorece outros

usos. Na parte mais baixa do terreno, no limite com o bairro Colonial, é possível criar alguma infra-estrutura de lazer. Por localizar-se em região de adensamento populacional próxima ao centro de Contagem, esta área deve ser priorizada para instalação de Parque Ecológico.




continuação

7

Bacia do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego das Abóboras, e limite com a bacia do córrego Morro Redondo, sub-bacia do córrego da Vargem.

Ocorrência de cerrado, cerradão, floresta semidecidual e campo de várzea.


Estação Ecológica


Área com cobertura vegetal expressiva por apresentar bom estado de conservação, grande extensão e continuidae. Foi dividida em duas porções, sendo a 7A a de maior interesse de conservação.


8

Bacias do ribeirão Betim, sub-bacia do córrego das Abóboras e Morro Redondo, sub-bacia do córrego Campo Alegre.


Predomínio de floresta semidecidual com inclusões de pastos naturais.


Estação Ecológica


Apresenta uma cobertura vegetal bem expressiva, que vem sendo alterada paulatinamente. Constitui-se em região de nascentes, apresentando, portanto, grande importância. Possui ligação com a área 7A .


9

Bacia do córrego Morro Redondo.


Predomínio de cerrado e floresta semidecidual com inclusões de pastos.


Área Especial. A preservação

da área possui importância por servir de corredor entre as

áreas 7 e 8 com as de número 10 e 11. Deve ser, portanto, considerada como Área Especial, uma vez que não é prioritária para implantação de uma Estação Ecológica.


Apresenta uma cobertura vegetal bem expressiva com predomínio de cerrado. A implantação de parcelamentos clandestinos colocam em risco a região. Constitui-se em região de nascentes, apresentando, portanto, grande importância como área a ser conservada.


10

Bacias do córrego Morro Redondo e

Água Suja.




Predomínio de cerrado.


Constitui-se em área com maior densidade de propriedades rurais, não sendo muito

indicada para implantacão de Estação Ecológica. Contudo, trata-se de uma região de interesse por sua continuidade com outras áreas vegetadas, devendo ser considerada como Área Especial.



Apresenta pressões sobre a cobertura vegetal devido aos parcelamentos implantados sem critérios de adequação ambiental. Em alguns trechos, observam-se áreas de alta instabilidade com riscos de processos erosivos.


11

Bacias do córrego Água Suja. Área pertencente ao Exército.


Predomínio de cerrado e de floresta semidecidual.


Área Especial de Preservação Permanente.


Apresenta uma cobertura vegetal bem expressiva, com ocorrência de processos erosivos. Deve ser preservada ao máximo, principalmente por representar áreas de alta instabilidade. Os processos erosivos devem ser

controlados.




12

Bacia do córrego Água Suja. Próxima a Penitenciária.

Floresta semidecidual.


Parque Municipal.


Representa uma das nascentes do córrego Água Suja. Vem sofrendo impactos e pressões por parte da população vizinha. Para ser efetivado deve ser cercado e possuir portaria, infra-estrutura de lazer e sanitários.


13

Bacia do córrego Água Suja, sub-bacia

do córrego do Cedro.




Predomínio de floresta semidecidual


Área Especial.

Deve ser preservada como reserva legal da propriedade.


continuação

14

Bacia do córrego Água Suja, junto à entrada do bairro Icaivera.


Predomínio de floresta semidecidual, com áreas de campo de várzea.


Parque Ecológico Municipal

ou Área Especial.




Deve ser preservada como parque municipal ou como reserva legal da propriedade. Deverá ser cercada e acerada para evitar sua degradação.

15

Bacia do córrego Morro Redondo.


Predomínio de floresta semidecidual e cerrado.


Área Especial.


Deve ser preservada como reserva legal das propriedades. Deverá ser cercada e acerada para evitar sua degradação.


16

Bacia do Ribeirão Betim e córrego Morro Redondo, próximo ao reservatório.

Predomínio de cerradão e cerrado.


Área Especial.


Deve ser preservada como reserva legal das propriedades. Deverá ser cercada e acerada para evitar sua degradação.


17

Bacias do córrego Água Suja e Olaria do Chiqueiro, próximo ao bairrro Tupã.


Ocorrência de floresta semidecidual e cerradão.


Em parte pode ser criado um parque municipal (sub-área 17A) e, o restante, incluído como área especial.


Constitui-se na nascente do córrego Olaria do Chiqueiro, seguindo pelo divisor de águas entre este e o córrego

Água Suja. Possui uma vegetação expressiva com várias fisionomias presentes. Deve ser preservada como reserva legal das propriedades, parque municipal e área especial.



18

Área de Contribuição Direta junto à foz do córrego Água Suja.


Ocorrência de cerradão, cerrado, campo cerrado e floresta semidecidual.


Área Especial.


Cobertura vegetal ainda bem conservada. Deve ser preservada como reserva legal das propriedades. Deverá

ser cercada e acerada para evitar sua degradação. Sua posição privilegiada em relação ao lago, torna esta área alvo de interesse da especulação imobiliária.



19

Bacias dos córregos Água Suja e Laje, próxima ao bairro Padre Eustáquio.


Ocorrência de cerrado, campo cerrado e floresta semidecidual.


Área Especial de Preservação Permanente.


Cobertura vegetal ainda bem conservada. Deve ser preservada como reserva legal das propriedades.


20

Bacias do Ribeirão Betim e do córrego Boa Vista, entre os bairros Colonial, Tropical e Quintas do Jacuba.

Ocorrência de cerrado, campo cerrado e floresta semidecidual.


Estação Ecológica ou Parque Municipal .


Cobertura vegetal muito bem conservada. Região de adensamento populacional pressionada pela implantação

de parcelamentos clandestinos.




21

Área de Contribuição Direta e Córrego Bela Vista.


Ocorrência de floresta semidecidual, predominantemente.


Área Especial ou Estação Ecológica.


Cobertura vegetal em topo de elevação e recobrindo nascentes do córrego Bela Vista. Pode ser preservada

como reserva legal das propriedades ou transformada em Estação Ecológica.




22

Bacia do córrego Água Suja. Entorno do Condomínio Nosso Rancho.


Ocorrência de cerrado e floresta semidecidual.


Área Especial.


Cobertura vegetal ainda bem conservada sendo parte pertencente ao Condomínio Nosso Rancho. Deve ser preservada como reserva legal das propriedades, devendo ser cercada e acerada para evitar sua degradação.


23

Bacia do córrego Morro Redondo, sub-bacia do córrego da Vargem. Inclui a elevação denominada de Morro Redondo.


Ocorrência de cerrado e campo cerrado.


Área Especial


Cobertura vegetal composta pelo cerrado, ainda bem conservada. Deve ser preservada como área especial devendo ser estudada a possibilidade de seu tombamento, dado tratar-se de importante marco referencial na região.

O Morro Redondo se destaca na paisagem local e aparentemente já se encontra cercado. Existe a possibilidade de ser criado um pequeno parque municipal ou de incentivar o proprietário a criar reserva particular

do patrimônio natural.







Compartilhe com seus amigos:
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   23


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal