I. a posição especial dos Judeus da Espanha na história medieval judaica II. Situação social e económica dos Judeus até o século XIII iii a perseguição de 1391 e suas consequências. Posição dos Conversos



Baixar 68.64 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho68.64 Kb.




A importância económica e a posição social dos Judeus sefardins na Espanha dos fins da Idade Média
Hermann Kellenbez

In Do Tempo e da História, Instituto de Alta Cultura, Centro de Estudos Históricos, Anexo à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1971, pp. 36/51

I. A posição especial dos Judeus da Espanha na história medieval judaica

II. Situação social e económica dos Judeus até o século XIII

III.A perseguição de 1391 e suas consequências. Posição dos Conversos


I

A posição especial dos Judeus da Espanha na história medieval judaica

Quem quiser compreender a história dos Judeus em Espanha e Portugal e a sua evolução totalmente diferente dos restantes países do Ocidente, terá que considerar principalmente as consequências da conquista árabe. Esta criou para uns tantos séculos em quase toda a Península Ibérica condições políticas, económicas e sociais que eram completamente diferentes dos restantes países europeus. O número de Judeus conhecidos na Itália, França, Alemanha e Inglaterra nos primeiros séculos medievais foi sempre relativamente escasso, e a actividade de Judeus, além das suas tarefas religiosas e da medicina, estava limitada ao sector económico, ao comércio, à indústria e à propriedade. A evolução que se seguiu, a criação de uma economia citadina com acento burguês-cristão e a aplicação mais rigorosa da proibição de juros fez com que os Judeus fossem cada vez mais impelidos para os negócios monetários e afastados dos centros em que a economia burguesa era fortemente activa, como por exemplo, de Veneza, na Itália. Também é muito característico que os Judeus pouco se destacassem nos Países Baixos, de tão forte actividade económica, e na zona da Hansa. Nas regiões onde ocuparam lugar importante na vida económica, por exemplo na Renânia e Alemanha do Sul, sofreram – não considerando as reacções precoces no tempo das Cruzadas – um grande golpe, que causou muitas destruições, quando se aproximara a peste negra.

Na Península Ibérica, as coisas correram de forma totalmente diferente1. Primeiro, temos a soberania multi-secular dos Árabes e Mouros. As lutas em defesa dos territórios que se conservaram cristãos, no norte, e a Reconquista exigiram tão grande energia da parte das forças disponíveis, que só com bastante atraso, relativo aos outros povos, se pôde formar uma vida económica de cunho cristão. De início, havia que ser grato pela potência tão importante que os Judeus representavam no plano económico. Porém, quando as forças cristãs começaram a ter vida económica própria, a índole espanhola encontrava-se tão marcada e preocupada com as ideias da Reconquista, que a sua atitude inexorável conduziu não só, no que respeita aos Mouros, mas também quanto aos Judeus, às tão funestas medidas tomadas em fins do século XIV e princípios do século XV.
II

Situação social e económica dos Judeus até o século XIII

Nos últimos tempos da soberania visigoda, os Judeus sofreram duras perseguições2; mas no tempo árabe, conseguiram criar posições fortes na Península Ibérica, e é característico que não se tenham ocupado apenas com a economia, mas também com um meio social mais vasto. Quem procura, na Idade Média, algo mais do que um povo judaico composto só de rabinos e de comerciantes, deve examinar a situação que existia na Espanha moura, chamada Al-Andalus. Aí havia mesmo guerreiros judaicos. No seu avanço, parece que os Árabes deixavam, em parte, guarnições judaicas3. Judeus da Ásia e África, que prestaram serviço no exército árabe, fixaram residência em Espanha4. Havia sangrentos motins que comprovam que estes Judeus sabiam servir-se das armas; uma parte destes Judeus, é certo, voltou para África. Os que ficaram na Península tiveram no Califado de Córdova, nos séculos IX e X, a sua “época de ouro”. Floresciam a sabedoria do Talmud, as ciências profanas, especialmente a medicina, e as artes. Havia Judeus que exerciam a sua actividade na administração das finanças e foram enviados ao estrangeiro em missões diplomáticas. As relações comerciais dos Judeus espanhóis chegavam a alcançar, em boa verdade, os limites do mundo então conhecido. Em todo e qualquer centro citadino importante, havia sucursais judaicas, especialmente na capital do califado, Córdova, e em Lucena que, por estar relativamente perto do porto de Almería, era uma das praças mais activas do comércio judaico5.

Além dos Judeus fiéis à sua religião, que normalmente viviam em bairros separados, havia também e em analogia com os cristãos que se converteram ao islamismo, uma camada de Judeus que se converteu à fé islamita.

O Califado de Córdova desmoronou-se, e formaram-se vários estados parciais. No estado parcial de Granada, Samuel Ibn Nagdela (993-1066), que fugira de Córdova, consegui servir a dois reis como vizir, e seu filho José sucedeu-lhe nos seus postos oficiais6. Porém, seu fim brutal, e de outros Judeus, é característico porque mostra a falta de segurança que então havia. Fora a primeira perseguição sob domínio maometano em Espanha. Os Judeus de Granada tiveram de vender os seus bens e de emigrar, mas mais tarde, acabaram por voltar. Também nos estados parciais de Sevilha e Saragoça, os que emigraram de Córdova conseguiram alcançar posições influentes.

Além dos interesses financeiros, voltavam sempre a ser também outras qualidades que levavam os Judeus aos seus altos postos7. É de admitir que já no século X, os Judeus ocupassem frequentemente os postos de cobradores de impostos e da alfândega, pois, mais tarde, este fenómeno era geral. Porém, praticamente, não se conhecem pormenores desta actividade económica, com a excepção de notícias sobre as relações económicas mundiais8, que não são limitadas ao negócio de escravos e consequentes relações com a Europa Central e Oriental, e que muito pelo contrário, incluem principalmente relações africanas9. Além disso, existem indicações nas “Responsa” de Alfasi e nas obras de Ibn Migash que remontam aos tempos antes da primeira e da segunda cruzada e que testemunham um nível bastante elevado da economia financeira10.

Ainda mais escassa é a tradição quanto às suas condições na parte da Península que continuara cristã ou que, respectivamente, fora reconquistada aos Maometanos. Temos testemunhos mais seguros a partir da época de Afonso VI (1030-1109), que reconquistou aos Mouros a antiga capital visigoda, Toledo. Do lado cristão, uma das actividades dos Judeus era abastecer as tropas que lutavam contra os Mouros, outra a de fornecer o dinheiro para equipamento. Conhecida é a história do Cid, que pediu dinheiro aos judeus Raquel e Vidas para a sua campanha de Valência. O Rei Afonso serviu-se ainda mais largamente da assistência dos Judeus para organizar o seu Estado.

A atitude fanática dos Almóadas contribuiu para que os Judeus preferissem o norte cristão, mais tolerante, embora mesmo aí, de vez em quando, houvesse excessos. Da mesma maneira que Afonso VII (1104-1157) seguiu a política tolerante do seu avô, assim também o fez Fernando III (1199-1252), a personagem mais notável dos primeiros tempos da Reconquista. Foi ele quem tomou em 1236 a antiga capital dos califas, Córdova, e em 1248, Sevilha; assim, os territórios sob domínio cristão alcançaram uma extensão que só havia de ser ultrapassada, por forma decisiva, em fins do século XIV.

No reinado de Afonso, o Sábio, (1221-1284) fez-se a grande obra legislativa, as Siete Partidas, que, apoiando-se na jurisprudência romana e canónica, regulava também as relações entre os Judeus e os cristãos; as diferenças foram consideradas em primeiro lugar como sendo religiosas e não de ordem nacional. “Será chamado Judeu quem acredita na lei de Moisés e a segue à letra, sujeitando-se à circuncisão e seguindo tudo mais que a lei determina…”11.

Todavia, as disposições para efectivar a separação dos Judeus dos cristãos eram tão rigorosas como nas restantes partes do Ocidente. Não se elaboraram, porém, disposições especiais para a sua actividade económica, a não ser a restrição quanto ao comércio de escravos de que resultava da lei de que não podiam ter escravos cristãos. Quanto à exigência de afastar os Judeus das funções públicas, o próprio Rei testemunhou que não tomava a sério semelhante proibição, pois o seu tesoureiro, Don Mair, era judeu. Pouco depois de subir ao trono, em 1253, o Rei regulamentou o comércio usurário judaico12.

Além dos Judeus, os Mouros também faziam negócios monetários. Embora não se saiba muito da actividade económica judaica na Castela do século XII, parece estar confirmado que o comércio usurário não era seu principal ramo de negócios, conforma acontecia no Centro da Europa. Os Judeus eram artífices e, desde havia muito, proprietários de terrenos. Uma boa parte dos castelos conquistados tinha sido dada aos Judeus13.

A maior parte daquilo que sabemos da actividade judaica está relacionada com a corte14. Comecemos por Afonso VI, que empregou Aben Isaac Ibn Salib como ministro e utilizou os serviços de Joseph Cidellus. Afonso VII fez administrar seus rendimentos pelo seu almoxarife judaico, Judah ibn Ezra. Afonso VIII teve Ibn Susán como almoxarife maior. Uma série de judeus sábios frequentava a corte de Afonso X. Entre os almoxarifes que exerciam grande influência, destacaram-se Don Coulma e seu filho Zag de la Malcha. Quando Sancho IV (1257-1295) subiu ao trono de Castela, Don Abraham el Barchilon removeu-lhe as dificuldades, arrendando as contribuições. Porém, em 1288, o soberano teve de conceder às cortes de Haro que não nomearia mais nenhum judeu cobrador, cobrador-mor ou arrendatário de qualquer contribuição ou servicium. Porém, em Castela, os Judeus trataram menos de arrendar contribuições directas do que da administração de direitos e de outras contribuições, pertencentes ao almoxarifado. Devido a uma concessão feita por Sancho às Cortes de Valladolid, mesmo estes direitos e contribuições haviam de ser recolhidos por homens não judaicos, residentes nas respectivas zonas (nobres, alcaldes e meriños). Os tutores do sucessor não emancipado de D. Sancho, Fernando IV (1295-1312), fizeram em 1295 concessões semelhantes, quando as Cortes estavam novamente reunidas em Valladolid. Homens honrados das respectivas cidades haviam de recolher as contribuições, não se fazendo mais arrendamentos, pelo que os Judeus nada mais tinham com o assunto. Era desejo comum que, também na corte, só homens honrados das cidades fossem empregados e que nenhum Judeu continuasse a trabalhar aí. Mas a corte não se cingiu rigorosamente a estas concessões. Prova-se este facto pelo caso do Judeu Samuel que poucos anos mais tarde era confidente de D. Fernando, enquanto os rendimentos da Rainha-Mãe, D. Maria de Molina, provenientes do Reino de Múrcia, eram administrados por Don Zag Abenaix.

Em Castela, Toledo era o centro espiritual e económico dos Judeus, enquanto os pontos culminantes na Espanha Oriental eram Barcelona e, mais tarde, Saragoça. Havia Judeus na corte do Conde de Barcelona e dos Reis de Aragão que desempenhavam a função múltipla de alfaqui15 Assim, Sheshet Perfecto, portador do título principesco nasi, era uma personalidade de relações muito importantes naquele condado catalão. Sob Ramon Berenguer IV, durante cujo reinado se uniram a Catalunha e Aragão (1137), e nos tempos imediatos houve Judeus que serviram como sendo os mais importantes membros da família dos Sheshet ou Profet.

Só na época de Jaime I (1208-1276), que, como seu contemporâneo castelhano Fernando, recebeu o cognome de “Conquistador”, temos fontes mais ricas. Não é raro falar-se então de propriedades judaicas. É típico que em Aragão, não se chegasse a pôr em prática a lei da usura. Em 1228, na cidade de Barcelona Jaime I fixou apenas, com o consentimento dos grandes, a taxa de juros que não havia de ser ultrapassada. Nas cortes de Tarragona, no ano de 1240, esta disposição sofreu explicações pormenorizadas, com o resultado global de que a luta contra a usura dos Judeus não tomasse em Aragão os aspectos de que se revestiu nos países nórdicos. Além disso, os Judeus não foram apenas susceptíveis de conceder empréstimos. Encontramo-los também noutros sectores industriais; havia tintureiros e sapateiros em Saragoça, tecelões em Huesca, comerciantes, cambistas e fanqueiros.

Quando Jaime I declarou em 1228 às Cortes de Barcelona que, segundo as disposições canónicas, os Judeus não haviam de ser funcionários públicos, ele acrescentou que se referia a funções que incluíam poder penal ou de juiz. O Rei tinha secretários e diplomatas judaicos, havia judeus que eram seus conselheiros financeiros e, por vezes, seus banqueiros, principalmente Benveniste do Porto, irmão do talmudista Bona Astruc que, por um período, fora o bajulus de Barcelona e Gerona, certamente para que os rendimentos daquele lugar pudessem cobrir os pagamentos que fizera. Semelhante foi o caso de Jehuda de la Cavallaria, temporariamente bajulus de Saragoça e, ao que parece, também de Valência16. Possivelmente da mesma família de Jehuda, foi Salomon de Cavalleria a quem se deram em 1273 Murviedro e outras bajuliae. Encontramos assim uma das famílias aristocratas que, mais tarde, haviam de ter muita importância. Astrug Jocobo Hixon pertence ao mesmo círculo; em 1267, foi-lhe entregue a bajulia de Tortosa, para todo o tempo da sua vida.

Sob Pedro II, a família dos Ravagna obteve a maior influência17. Mesmo assim, não nos podem iludir estes factos sobre as dificuldades pelas quais os Judeus passaram em Aragão e Navarra no século XIII e que eram maiores que em Castela. Em todo o caso, Judha-Levi conseguiu desempenhar em Navarra, sob Carlos II, as funções de arrendatário geral dos rendimentos, e seu filho, Carlos III, concedeu o mesmo lugar a Abraham Aben-Joseph de Estalla.

Em Castela, o jovem Fernando (1285-1312) encarregou no ano de 1300 D. Samuel, seu privado, com a direcção da cobrança dos rendimentos públicos, com o título de almojarife mayor18, enquanto Juda Abarbanel recebeu o rico almoxarifado de Sevilha; ambos, por sua vez, encarregaram pessoas de sua confiança com as respectivas tarefas de arrendamento e de administração. Juda Abarbanel foi o verdadeiro fundador daquela família que, nos dois séculos seguintes, havia de exercer tanta influência na Península Ibérica. Nas posições conquistadas pelo pai, o filho Samuel Abarbanel pôde continuar a obra.

Certo é que, ao mesmo tempo, as contínuas queixas das Cortes sobre a usura dos Judeus e sua actividade no arrendamento dos impostos eram fonte de receios. D. Fernando foi assim levado a conceder novamente que os Judeus haviam de deixar de ser arrendatários e cobradores de contribuições públicas. Mas na prática não correspondeu a esta palavra. A partir de 1311, por exemplo, temos como arrendatário um chamado Abraham Aben-Xuxen, genro do poderoso Çag Aben-Mayer, almoxarife do Rei Sábio e seu contemporâneo19. No ano de 1313, uma reunião eclesiástica em Zamora determinou – baseada na atitude geral da Igreja e na proibição de usura por Clemente V no Concílio de Viena – que os Judeus deviam ser excluídos dos cargos e honras dependente dos Reis e príncipes laicos. Mas Doña Maria de Molina e os regentes tutores do jovem Fernando só corresponderam no sentido de se referirem aos Ordenamientos de Afonso o Sábio; o próprio Fernando voltou, mesmo assim, a apoiar-se na colaboração dos Judeus quanto aos seu negócios financeiros, e o mesmo fez Afonso XI, que, no ano de 1322, voltou ao antigo sistema de colaboração com almoxarifes judaicos, para poder levar a cabo os empreendimentos que lhe mereceram o nome de Conquistador. Foi então que D. Jusaph de Ecija20, no cargo de Conselheiro e banqueiro do Rei, exerceu a sua influência, embora por pouco tempo; em 1327, nas Cortes de Madrid, seus adversários conseguiram levantar queixa contra ele, pelo que o Rei o dispensou do seu cargo e deu ordem para que a administração dos rendimentos fosse, de futuro, confiada a cristão e não a Judeus, mudando o respectivo título de almoxarife para tesorero. Porém, pouco mais tarde, o médico judaico Don Samuel Aben-Huacar conseguiu a confiança do soberano ao ponto deste lhe confiar a direcção da Casa da Moeda. A atitude liberal de D. Afonso traduz-se no ordenamiento de Alcalá de 1348, que confirma, nas suas partes essenciais, as Siete Partidas do Rei Sábio. Embora o ordenamiento proibisse a usura dos Judeus, deu-lhes especial licença para adquirir herdades e quintas nas terras reais a Sul do Douro até ao preço máximo de 30.000 maravedis, e aquém do Douro até 20.00021, pelo que tiveram fortes razões para deixar a actividade discriminadora de emprestar dinheiro, abrandando assim a tensão entre o clero e, respectivamente, a burguesia citadina e os Judeus. A situação favorável na época afonsina traduz-se também no desenvolvimento duma cultura espiritual que abrange diversos ramos, principalmente a astronomia, mas também a poesia.

O sucessor, D. Pedro, tanto favoreceu os Judeus que confiou a Don Simuel há-Levi – que, provavelmente, fora trazido por Juan Alfonso de Albuquerque de Portugal e que estivera primeiro ao serviço deste – o alto cargo de tesorero mayor. Fora um dos conselheiros mais íntimos do Rei nas suas divergências com os bastardos rebeldes de Afonso XI. A partir dos seus castelos de Trujillo e Hita e ajudado pela sua família e demais colaboradores, ele organizou a cobrança dos rendimentos, mas foi, por esse mesmo facto, vítima do ódio de parte da população. Fora também ele quem conseguiu que os Judeus de Toledo tivessem nova sinagoga. Finalmente, este Judeu, o mais rico da sua época foi derrubado – provavelmente vítima de Judeus rivais – e preso com todos os seus partidários.

O Transtâmara Henrique, da linha dos bastardos, portador da coroa de Castela a partir de 1366, criou grandes dificuldades financeiras em todo o País devido ao seu sistema de favoritos. Nos tempos da rebelião contra D. Pedro, abandonara os Judeus aos seus partidários, mas, quando Rei, serviu-se deles como arrendatários dos rendimentos e fez Jusaph Pichon contador mayor. Ao mesmo tempo, não teve escrúpulos em oprimir os Judeus de Toledo pelos processos mais duvidosos. Cedeu às exigências das Cortes e obrigou os Judeus a usar um distintivo, nos termos do Concílio de Latrão de 1215; e mais uma vez, determinou que os Judeus deviam ser excluídos de todo e qualquer cargo real. Seu filho e sucessor, João I, teve de ceder aos procuradores das Cortes mesmo onde o pai resistira: os ricos hombres, baballeros, escuderos e prelados não estavam autorizados a admitir Judeus nos seus palácios, para evitar que se apoderassem da administração dos rendimentos. Cinco anos mais tarde, nas Cortes de Valladolid, esta proibição foi tornada extensiva às casas dos condes, dueñas y docellas, e as actividades proibidas passaram a incluir as dos recaudadores, subrerecaudadodres y contadores. Assim, a partir de 1385, os Judeus ficaram excluídos da cobrança e administração de rendimentos públicos e particulares. Outra restrição dos direitos gozados por eles, era terem de pagar pechos das suas herdades, como o faziam os cristãos. Houve também intervenções acerca do foro judaico, embora João I não fosse tão longe que concordasse com a exigência das Cortes, de fazer desistir os Judeus dos seus próprios juízes, passando a comparecer em tribunais cristãos. Os procuradores voltaram sempre a lutar contra a usura, baixando-se as dívidas contratadas aos Judeus e concedendo-se novos prazos aos devedores; por várias vezes, tentou-se até anular as cartas judiegas. Finalmente, João I decretou novo ordenamiento, nas Cortes de Soria, do ano 1380, no intuito de esclarecer a situação dos Judeus. Começou-se por retirar-lhes a sua jurisdição privada em matéria criminal.

João I teve um médico judaico, Mosséh Aben-Abraham Sben-Zazal, filho do médico privativo de D. Pedro. O arcebispo de Toledo, D. Pedro Tenorio, protegeu D. Hayan há-Léon, rabino-mor de Toledo e da arquidiocese, enquanto o arcebispo de Sevilha, Pedro Gomez Barroso, tomou medidas contra o arcediago de Ecija, Ferrán Martinez, que era inimigo dos Judeus. Aqueles 10.500 mrs., que o rei D. Henrique doou para sustentação de 7 novas capelanias na Catedral de Toledo e que todos os anos foram pagos pela comunidade judaica de Toledo pareciam simbolizar que a situação então existente havia de durar. Depois da construção da sinagoga de Toledo, os Judeus de Córdova também construíram nova sinagoga22.

Nada de concreto se pode dizer sobre o número de Judeus nos tempos mais recuados. É um facto que havia mais Judeus nos territórios castelhanos que em Aragão, onde o elemento mudéjar teve preponderância. É característica a divisão dos Judeus em numerosos núcleos de habitação. Havia comunidades e colónias judaicas nas grandes cidades, como em muitas vilas pequenas e em aldeias. Na História Social e Económica da Espanha e América, publicada por Vicens Vives, o número dos Judeus nos territórios da coroa castelhana é calculado em 200.000 para os fins do século XII, o que corresponde a 4 ou 5% da população total. Para os territórios da coroa de Aragão, apontam-se os seguintes números para a mesma época:

Catalunha 25.000

Aragão 20.000

Valência 10.000

Mallorca 4 a 5.000

Totalizando cerca de 65.000

ou seja 6,5% do total da população
A maior colónia vivia em Barcelona (5.000 almas)23. A intolerância que se ia manifestando no decorrer da século XIII, fez com que muitas colónias tivessem diminuído tanto nos territórios da coroa de Castela como nos da coroa de Aragão e em Navarra, enquanto outras, apesar de tudo, voltaram a aumentar. Assim, a colónia de Saragoça atingiu então 2.000 almas.


III

A Perseguição de 1391 e suas consequências. Posição dos conversos

Além das perdas sofridas pela peste, os Judeus da Península Ibérica também não foram poupados durante as sangrentas violências do ano de 1349. Foi sobretudo nos distritos fronteiriços de Gerona e Barcelona que houve tumultos. Amador de los Rios regista aproximadamente 500 mortos24. Mas não há comparação possível com a catástrofe que atingiu os Judeus espanhóis no ano de 1391, quando o ódio do povo espanhol desencadeou uma onda de crueldades. A morte de João I de Castela, em Outubro de 1390, deu a primeira ocasião25. Seu herdeiro tinha apenas 11 anos. Um conselho de regência de seis prelados e magnates e seis representantes das grandes cidades havia de chefiar o governo. A desunião dentro deste conselho fez desmoronar-se a autoridade real e proporcionou às paixões dos sectores extremistas da população a ocasião de se desenvolverem, cabendo a Ferrán Martinez um papel preponderante. Seguindo o que até então fora uso e costume, os mais importantes Judeus de Castela reuniram-se por ocasião das Cortes de Madrid, em princípios de 1391, para arrematar o arrendamento dos impostos públicos. Foi nessa altura que se divulgaram as primeiras notícias de violências praticadas contra os Judeus de Sevilha e Córdova. O assalto decisivo fez-se em 6 de Junho, contra os Judeus de Sevilha, devendo ter vitimado cerca de 4.000 pessoas. O exemplo da capital da Andaluzia foi seguido pelas outras povoações com colónias judaicas, onde se registaram assassinatos, incêndios e pilhagens. Córdova foi também atingida e, com a força dum ciclone, o movimento seguiu para Castela, Aragão e Catalunha até às fronteiras dos Pirinéus.

Até 13 de Agosto do mesmo ano de 1391, foram atingidas as colónias judaicas de quase toda a Espanha. O número de vítimas foi calculado em mais de 150.000, mas faltam indicações precisas. Há pouco, o norte-americano Walsh supôs ainda que teriam sido 50.00026, mas mesmo esta cifra ainda deve ser excessiva27.

Amador de los Rios chama a atenção para as desastrosas consequências destas violências para a vida económica espanhola, dizendo que foram destruídas as indústrias artesanais judaicas em Sevilha e Toledo, Lérida, Valência, Teruel e Mallorca, que a mesma fatalidade atingiu as célebres fábricas de curtumes de Córdova e as oficinas de ourivesaria, de imprimir peles e as fábricas de panos de cor, que também não foram poupadas as feiras, onde os Judeus ofereciam os produtos do Oriente e do Ocidente, as sedas da Pérsia e de Damasco, as peles de Tafelelelt e as filigranas dos árabes28. Tudo isto representava uma perda tanto maior quanto é certo que os espanhóis não eram capazes de fornecer qualidades iguais ou melhores. O autor diz noutro sítio que até aí, os panos de Aragão e da Catalunha, os curtidos de Ocaña e Córdova, as sedas de Valência e Sevilha, de Talavera e Múrcia, as carpetes de Borja e Salamanca, a ourivesaria de Toledo e Córdova e centenas de outros artigos preciosos, de produção artesanal, podiam fazer concorrência, graças à actividade de fabricantes e comerciantes judeus, aos produtos congéneres de Lombay, Bruxelas, Echilo, Cambray, Genebra, Ypre, Montpellier, Londres, Milão e Génova, mas passou então a não haver mercado para os produtos espanhóis, pelo que os produtos estrangeiros atingiam preços fabulosos, com prejuízo da população e do Estado29. O autor acentua que as violências tiveram consequências desastrosas para os rendimentos da Coroa, dos magnates, das instituições eclesiásticas: “Todo decaía, se aniquilaba o reducia a la nulidad”. Embora Amador de los Rios tenha talvez exagerado, é certo que o prejuízo ocasionado pelo próprio povo espanhol era incalculável.

No que respeita ao problema das culpas, não há dúvida que Ferrán Martinez, o arcediago de Ecija, teve a responsabilidade principal com a sua actividade agitadora. Acresce a circunstância de que, durante longos anos, a Coroa não o enfrentou com bastante energia, pelo que a autoridade real estava consideravelmente diminuída quando o sucessor menor herdou o trono. Mesmo as autoridades locais não foram suficientemente enérgicas, desde o princípio. Para compreender a atitude da Corte (a comparar com o que sucedeu, por exemplo, na Alemanha em 1349), é significativo que Henrique III (1379-1406), em 1396, um ano depois de ter tomado, ele próprio, a chefia do governo, tenha cedido ao seu favorito, Diego Lopez de Estuniga e a Juan Hurtado de Mendoza, a judiaria e todas as sinagogas, terrenos, prédios e demais valores e heranças que os Judeus possuíam em Sevilha e no seu distrito. Além disso, tomaram-se precauções para que todos aqueles que eram culpados de violências contra os Judeus fossem tratados da forma mais benigna possível.

Em Aragão, o Rei João I (1350-1393) bem determinou alguns castigos exemplares. Entre os réus, havia, por exemplo, alguns comerciantes de Lérida. Outros, porém, conseguiram, por meio de pagamentos, ficar livres da pena, principalmente em Barcelona30.

Com as perseguições de 1391 e suas consequências, principalmente com o movimento em favor dos baptismos, a vida judaica em Espanha não se extinguiu, nem de longe. Muitos Judeus conseguiram salvar-se e continuaram a ser judeus. Da colónia judaica de Sevilha, a tradição diz que seus habitantes continuaram a ser ferreiros de lanças, ourives de prata, alfaiates31, guadamecileros32 , cirurgiões e comerciantes.

O sucessor do rei João, Martinho (1356-1410), deu novo relevo à lei sobre o porte do distintivo judaico. Nas zonas fronteiriças que tocavam no Estado mouro de Granada, que ficara mais ou menos independente, registou-se como consequência dos acontecimentos de 1391, um movimento de emigração, sobretudo de Judeus abastados de Córdova, mas o rei Henrique III soube impedir essas fugas33. Este rei, que morreu em 1406, confiou novamente o arrendamento dos impostos a Judeus, embora se tivesse pronunciado em público contra semelhante prática. Teve também um médico judaico, Don Mosseh Aben-Zarzal, e mais tarde Don Mayr. Restabeleceu o ordenamiento de Alcalá, pelo qual a usura fora proibida, mas os Judeus autorizados a adquirirem terrenos34. Além disso, eliminou os antigos privilégios dos alcaldes, porteros e entregadores, dos Judeus, e proibiu toda e qualquer obrigação ou confirmação jurada de cristãos para com financeiros judaicos. Entre outras medidas ordenou que, dos empréstimos cujo pagamento integral se exigia, só a metade fosse paga (na hipótese de que metade era calculada como lucro), e que os cristãos haviam de ser livres de qualquer castigo caso não respeitassem os seus compromissos financeiros para com os Judeus. Além disso, havia a regulamentação dos trajes e a distinção com a rodela bermeja.



Uma das características mais notáveis dos acontecimentos de 1391 e da época seguinte é o movimento de baptismos entre os Judeus. Criou-se assim uma nova camada na sociedade, os conversos, que tiveram a maior importância para a história política, económica e social da Espanha no século XIV. Para fugir do terror, numerosos Judeus deixaram-se baptizar, sendo de registar principalmente a influência do Fray Vicente Ferrer35, a partir de Valência. Esta acção de conversão foi retomada por Don Pedro de Luna, que ficou inscrito na história como sendo o anti-papa Bento XIII. Este e seu antigo médico judaico, Jerónimo de Santa Fá, fizeram tudo para levar a bom termo a obra iniciada por Fray Vicente. Os resultados ficaram demonstrados nos anos de 1413 e 1414 entre os chefes rabinos e os restantes, principalmente os ricos, Judeus, de Espanha. Houve baptismos em massa. Todavia Walsh foi longe de mais ao calcular seu número de 2.5000.00036. Vicens Vives calcula 35.000 em Castela e 15.000 em Aragão, contando, para o ano de 1420, com cerca de 100.000 pessoas de crença mosaica. Graças à sua prosperidade e à sua cultura e também graças à sua ascendência, em parte aristocrática, os conversos conseguiram entrar nas altas camadas da sociedade, contrastando fortemente com os conversos mudéjares, que continuaram a viver no meio humilde a que pertenciam quando foram baptizados. O meio usado era o casamento de filhas com ricos dotes com descendentes das mais nobres famílias, e vice-versa.


1 Cf. Na literatura moderna, em especial Abraham A. Neuman, The Jews in Spain, their social, political and cultural life duringh the Middle Ages, I/II, Philadelphia 1948; e ainda: José M. Millás Vallicrosa, “Historia de los Judios españoles”, in Sefarad, VI (1946) 163-188; cf. também Fritz Baer, Die Juden im christlichen Spanien, I/II, Berlim, 1929.

2 Sobre a época visigótica, cf. J. Juster, “La condition légale des juifs sous les róis visigoths” in Études d’histoire juridique offertes à P. E. Girard, vol II, Paris, 1913, 273-335; Historia de España, dirigida por Ramón Menendez Pidal, Tomo III; España Visigoda (414-711 de J.C.), por Manuel Torres, etc., Madrid, 1940, 179-184; IV, España musulmana hasta la caída del Califado de Córdoba (711-1031 de J.C.) por E. Lévi-Provençal, Madrid, 1950, 49 e seg.

3 Historia de España, IV, 50. Cf. Manuel Vallecillo Ávila, “Los judios de Castilla en la alta Edad Media” inCuadernos de Historia de España, XIV (1950), 44.

4 The Universal Jewish Encyclopedia, New York, 1948, vol. IX, pag. 686 e seguintes: Artigo “Spain”

5 Cf. Historia de España, dirigida por Ramón Menéndez Pidal, Tomo V, España musulmana hasta la caída del Califado de Córdoba (711-1031 de J. C), “Instituciones y vida social e intelectual” por E. Lévi-Provençal, Madrid, 1957, 93 e seg, 282.

6 Cf. H. Graetz, History of the Jews, vol. III, 1927, 254-261; Sassoon Diwan of Shemuel Hannagihd, 1934; The Universal Jewish Encyclopedia, IX, New York, 1948, 348.

7 Samuel Ibn Nagdela viveu primeiro em Málaga, como fugitivo, no comércio miúdo, mas sabia escrever bem e dominava a língua árabe, pelo que atraiu a atenção do vizir que tinha seu palácio ao lado da loja do Judeu.

8 Cf. Hermann Kellenbenz, “Die Juden in der Wirtschaftsgeschichte des rheinischen Raumes. Von der Spaetantike bis zum Jhare 1648”, in Monumenta judaica, Handbuch im Auftrag der Stadt Koeln herausgegeben von Konrad Schilling, Colónia, 1963, em especial 104 e seg.

9 É significativo que o filho de Samuel, José, tenha casado com a filha de um rabi de Kairouan.

10 Neuman, ob. Cit, I, 162 e seg. Cf. Vallecillo Avila, Los Judios de Castilla en la Edad Media, 140 e seg.

11 Georg Caro, Sozial-und Wirtschaftsgeschichte der Juden im Mittelalter und in der Neuzeit, I/II, Leipzig, 1909/10, 240

12 Exigiu que os Judeus ”dessem dentro do prazo de um ano 3 por 4”, o que corresponde a juros de 33-1/3%

13 Cf. Neuman, ob. Cit., I, 165 e seguinte.

14 Cf. Neuman, II, 239 e seg.; Vallencillo Ávila, 39 e seguintes

15 Cf. Também Neuman, II, 221 e seg. e Caro, ob. Cit., II, 267 e seg. Cf. J. Lee Shneuidman, “Protection of Aragon Jewry in the Thirteenth Century” in Revue des Études juives, 4.ª série, I=CXXI (1962)49-58; do mesmo: “Jews in the Royal Administration of Thirteenth Century Aragon”, in Historia Judaica, XXI (1959), 52

16 Jehuda tivera ainda mais rendimentos: os das salinas de Aragão, a contribuição dos pastos do Meriñato de Saragoça. Além disso, comprou a Casa da Moeda de Teruel. Jehuda fornecia o exército do Rei, criou gado e tinha vastas propriedades. Seu filho, Chisal, participou destes negócios ainda enquanto o pai era vivo.

17 Neuman, II, 233

18 José Amador de los Rios,Historia social política y religiosa de los Judios de España y Portugal, Madrid, 1960, 317 e seg.

19 Amador de los Rios, 326

20 António Ballasteros, “Don Jucaf de Escija”, in Sefarad, vol. VI (1946), 253.287

21 Amador de los Rios, 342 e seg

22 Amador de los Rios, 462

23 Historia Social e Económica de España y América, dirigida por Vicens Vives, t. !!, “Patriciado urbano, Reyes Catolicos, Descubrimiento de América”, Barcelona, 1957, 54 seg.; segundo J. Lee Shneidman, “Jews in the Royal Administration”, ob. Cit., 52, o total da população de Aragão na segunda metade do século XII não ultrapassava o 11/2 milhão.

24 Amador de los Rios, 408 e seg.

25 Amador de los Rios, 473

26 W. T. Walsh, Isabel de España, Madrid, 1943, 255 e seg.

27 Historia Social e Económica de España y América, t. II, 59. Cf. Para o que segue, Millás Valicrosa, 163, e seg.

28 Amador de los Rios, 473 e seg.

29 Amador de los Rios, 559

30 Além disso deu privilégios aos Judeus de Barcelona numa medida que nunca antes fora alcançada por qualquer rei. Cf. Também Amador de Los Rios, 478 e seg., 486 e seg.

31 Também “jubeteros” = juboneros; Amador de los Rios, ob.cit., 478 e 559 nota 1

32 Guadamecileros: fabricantes de peles ornamentadas.

33 Amador de los Rios, 489 e seg.

34 Amador de los Rios, 493.

35 Cf. Francisca Vendreel, “La actividad proselitista de San Vicente Ferrer durante el reinado de Fernando I de Aragon”, in Sefarad, XIII (1953), 87-104.

36 Walsh, ob.cit. 255 e seg.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal