Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo



Baixar 23.8 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho23.8 Kb.
Qual é o batismo ensinado em Mateus 28:19?
O batismo em Mateus 28:19
“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”
Embora este texto, da forma como se apresenta nas Bíblias de nossos dias, não prove que haja mais de um Deus, o Pai (posto que este não é o tema tratado no texto), é por muitas pessoas utilizado como evidência de que devamos batizar em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Segundo lemos no texto, Jesus estaria ordenando aos discípulos que fizessem discípulos e os batizassem em nome de três pessoas. Todavia, ao lermos na palavra inspirada como os discípulos cumpriram a ordem de Jesus, ocorre algo intrigante:
Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.” Atos 2:38.
Pedro pregou o arrependimento e conclamou aos judeus para que fossem batizados, não em nome de três pessoas, como supostamente ensinaria o texto de Mateus 28:19, mas “em nome de Jesus”. De onde tirou Pedro essa ordem para pregar o arrependimento e batismo em nome de Jesus? Vemos que Jesus ordenou pregar o arrependimento em Seu nome, no livro de Lucas:
Jesus... lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras; e lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em Seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém.” Lucas 24:44-47.
Pedro pregou o arrependimento em nome de Jesus, conforme o texto de Lucas, acima. E apelou para os crentes para que se batizassem em nome de Jesus, o que não está em harmonia com a ordem que aparece nas versões atuais de Mateus 28:19. Abençoou Deus tal apelo de Pedro? A Escritura relata que sim:
...Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. ... Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos.” Atos 2: 41, 43.

E esse não foi o único batismo feito em nome de Jesus relatado na Bíblia (leia também Atos 8:16; 19:1-5). Sabemos, pela Bíblia, que Deus nunca abençoa os esforços do homem quando ele está em desobediência aberta. Como pode ser então que, ordenando Jesus que se batizasse em nome de três pessoas em Mateus 28:19, Pedro pregasse o batismo somente em nome de Jesus, e mesmo assim Deus abençoasse sua obra? A resposta é: Deus não o faria, a menos que Pedro estivesse cumprindo exatamente a ordem que Cristo lhe deu. Sendo isso verdade, o original de Mateus 28:19 nunca poderia ser o que conhecemos nas Bíblias atuais. O texto atual deve ser resultante de uma deturpação do texto original feita em alguma época do passado, a fim de conformá-lo com o credo do concílio de Nicéia. Fomos buscar provas de que as coisas são realmente assim, e comprovamos:


De acordo com o editor do Christadelphian Monastshefte, Eusébio, entre seus muitos outros escritos, compilou uma coleção de textos corrompidos das Santas escrituras, e ‘a mais séria de todas as falsificações denunciadas por ele é sem dúvida a tradicional passagem de Mateus 28:19.’...
De acordo com Conybeare:
Eusébio cita este texto (Mat. 28:19) vez traz vez em obras escritas entre os anos 300 e 336, nominadamente em seus longos comentários sobre Salmos, Isaías, sua Demonstratio Evangélica, sua Theophany... em sua famosa história da Igreja... Eu tenho, após uma pesquisa moderada nestas obras de Eusébio, encontrado dezoito citações de Mateus 28:19, e sempre da seguinte forma:
Ide e fazei discípulos de todas as nações em meu nome, ensinando-os a observar todas as coisas, tudo o que Eu vos ordenei’
... E Eusébio não se contentou meramente em citar o verso nesta forma, mas ele mais de uma vez comenta sobre ele em uma forma tal que parece quere mostrar quanto ele fixou-se pelas palavras ‘em meu nome’. Assim, em sua Demonstratio Evangélica, ele escreve como segue (col. 240, p. 136):
Mas ele não os ordenou ‘fazer discípulos de todas as nações’ simplesmente e sem qualificação, mas com a adição essencial ‘em meu nome’. Pois tão grande era a virtude vinculada a este apelo que o Apóstolo diz, ‘Deus lhe deu um nome acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho no céu, e na terra, e sob a terra’. Estava certo, portanto, que ele deveria enfatizar a virtude do poder residente em seu nome, mas escondido de muitos, e por isso diz aos seus Apóstolos, ‘Ide, e fazei discípulos de todas as nações em meu nome’.” (grifos nossos) (Fonte: A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, págs. 13, 14)
O texto acima mostra que Eusébio, em seus escritos, citava textos da versão do evangelho de Mateus que tinha à sua disposição, e os transcrevia como: “batizando-os em Meu nome”, em nome de Jesus. Segundo a fonte acima, Eusébio de Cesaréia denunciou a adulteração do texto de Mateus 28:19. Segundo ele, o texto original não mandava batizar no nome de três pessoas. Quem foi Eusébio de Cesaréia? Que crédito podemos dar às suas afirmações sobre Mateus 28:19? Vejamos o que diz uma publicação de 1902 sobre ele:
F. C. Conybeare, no Hibbert Journal, Outubro, 1902

Dos autores dos testemunhais escritos do texto do Novo Testamento segundo se encontravam nos Manuscritos Gregos de 300-340 D.C., nenhum é tão importante quanto Eusébio de Cesaréia, pois ele viveu na maior Biblioteca Cristã daquela época, aquela que Origen e Pamphilius, nominadamente, coletaram. Não é exagero dizer que a partir desta simples coleção de manuscritos em Cesaréia deriva a maior parte da literatura ante-Nicênica remanescente. Nesta Biblioteca, Eusébio deve ter manuseado habitualmente códigos dos evangelhos duzentos anos mais antigos que o mais antigo dos grandes manuscritos que temos agora em nossas bibliotecas’.”. (grifos nossos) (Fonte: A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, pág. 13).


No seu ‘Textual Criticism of the New Testament’ Conybeare escreve:
É claro, portanto, que dos manuscritos os quais Eusébio herdou do seu predecessor, Pamphilius, em Cesárea, na Palestina, alguns ao final preservaram a passagem original, nos quais não havia nenhuma menção do batismo em nome do Pai, Filho e Espírito Santo. Foi conjecturado por Dr. Davidson, Dr. Martineau, pelo Decano de Westminster, e pelo Prof. Harnack (para mencionar alguns nomes dentre muitos) que o texto recebido aqui não poderia conter as próprias palavras de Jesus; isso muito antes de ninguém, exceto Dr. Burgon, que manteve a descoberta para si, ter notificado a forma do texto apresentada por Eusébio’.” (grifos nossos) (Fonte: A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, pág. 15).
Segundo a fonte acima, Eusébio é o que estava em melhores condições de acessar os originais dos manuscritos do novo testamento, pois tinha a disposição manuscritos dos evangelhos datados quase da época dos próprios apóstolos, uma época na qual a igreja inda preservava sua pureza. E ele citava freqüentemente que a ordem contida em Mateus 28:19 era: “batizando-os em Meu nome”. Achamos conveniente também colocar mais algumas referências sobre ele, a fim de mostrar quanta credibilidade pode-se atribuir à sua obra:
Mosheim, em uma nota editorial de rodapé

Eusebius Pamphili, Bispo de Cesaréia na Palestina, um homem de vasto conhecimento e erudição, e que adquiriu fama imortal por seus trabalhos em história eclesiástica, e em outros ramos do conhecimento teológico. ... até cerca de 40 anos de idade ele viveu em grande intimidade com o mártir Pamphilius, um homem instruído e devoto de Cesaréia, e fundador de uma extensa biblioteca ali, da qual Eusébio derivou seu vasto conhecimento’.


Dr. Wescott, em ‘General Survey’, pag. 108

Eusebio, a cujo zelo nós devemos a maior parte da história conhecida do Novo Testamento’.


Peake Bible Commentary, pág. 596

O mais importante escritor no primeiro quarto do quarto século foi Eusébio de Cesaréira... Eusébio era um homem de pouca originalidade ou juízo independente. Mas ele era grandemente versado na literatura Grega Cristã do segundo e terceiro séculos, parte da qual está irreparavelmente perdida, e as gerações subseqüentes têm um grande débito para com sua honesta, e algumas vezes não pouco prejudicada, erudição’...


Mosheim, novamente, em uma nota editorial

Eusébio era um historiador imparcial, e teve acesso aos melhores auxílios para compor uma correta história, segundo sua época permitia’.” (Fonte: A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, págs. 12 e 13).


O trabalho de Eusébio nos mostra que, segundo os textos originais, a ordem de Jesus foi para que batizassem em Seu nome. Escritos deste mesmo autor, posteriores ao concílio de Nicéia, no qual foi tratada a crença em uma trindade, apresentam o texto segundo as versões modernas atuais (batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo). Assim, fica evidente a influência do concílio de Nicéia na mudança intencional de Mateus 28:19, do texto original, para o que temos nas Bíblias de hoje. Não há um relato sequer na Bíblia de um batismo realizado em nome de Pai, Filho e Espírito Santo, conforme apresentado nas traduções modernas de Mateus 28:19. Todos são feitos em nome de Jesus Cristo. Vemos, portanto, que o texto de Mat. 28:19, da forma com lemos nas Bíblias modernas, não se harmoniza com o todo das Escrituras. Algumas pessoas, para defender a validade do texto de Mat. 28:19 da forma como se apresenta nas Bíblias modernas, dizem que tudo era feito em nome de Jesus naquela época porque então o nome de Jesus era o objeto de discussão entre os judeus e os apóstolos. Todavia, quando analisamos o texto de Atos 19, este argumento cai por terra:
Paulo, ... chegou a Éfeso e, achando ali alguns discípulos, disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes? E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo. Perguntou-lhes, então: Em que sois batizados, então? E eles disseram: No batismo de João. Mas Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo. E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus. E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas e profetizavam.” Atos 19:1-6. (Bíblia Versão Almeida Revista e Atualizada)
A passagem acima relata o caso de alguns crentes em Éfeso que haviam recebido o batismo de João, o batista. Eles disseram a Paulo: “nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo”. É evidente, portanto, que não foram batizados em nome do Pai, Filho e Espírito Santo como é ordenado em Mat. 28:19. Se tivessem sido batizados em nome dos três, certamente teriam ouvido falar da existência do Espírito Santo. A passagem ainda relata que foi após estes crentes terem sido “batizados em nome do Senhor Jesus” que “veio sobre eles o Espírito Santo” e falavam em línguas e profetizavam. Vemos que o próprio céu reconhecia o batismo em nome de Jesus. Fica claro que os discípulos não batizavam na época em nome de Jesus por ser este o nome em disputa com os judeus, mas sim o faziam em obediência à ordem de Cristo.
Os crentes Efésios haviam sido batizados em um batismo diferente (neste caso, o batismo de João), mas foi apenas após serem batizados em nome de Jesus que receberam o Espírito Santo. O céu não enviaria o Espírito Santo mediante o realizar-se um batismo diferente daquele que fora ordenado por Jesus. Vemos, portanto, que Jesus havia ordenado batizar em Seu nome, e o texto de Mat. 28:19, da forma como aparece nas Bíblias modernas, contém um erro de tradução, uma vez que não se harmoniza com diversas passagens das Escrituras contidas no livro de Atos. De fato, por pesquisar as Escrituras, vemos que Eusébio de Cesaréia não somente estava certo ao denunciar que o texto de Mat. 28:19 foi adulterado, como também na quanto a qual é o original desta passagem, que é harmônico com o todo das Escrituras:
Portanto, ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em Meu nome ...” Mateus 28:19.
Perceba que não é necessário conhecer o idioma original, nem ter estudado teologia para perceber que o texto de Mat. 28:19 segundo as versões modernas está mal traduzido. Um estudo cuidadoso, com oração, comparando passagem com passagem, dos textos da Bíblia que temos em nosso próprio idioma nos leva à verdade, como a própria Escritura afirma:
Porque é preceito sobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali. Isaías 28:10.
Veja que não é necessário demonstrar pela arqueologia que a versão de Eusébio de Cesaréia apresentada acima é mais fidedigna do que as versões que apresentam o batismo em nome do Pai, Filho e Espírito Santo; a própria verdade apresentada nas passagens relacionadas com o tema mostra que, das duas versões, a de Eusébio (batizando-os em Meu nome) é a única que pode estar correta, pois não contradiz o testemunho das Escrituras. O mesmo se dá com o todo apresentado neste livro com relação ao único Deus, o Pai. Deus prometeu mostrar Suas verdades aos pequeninos que estudam com oração. E cada vez que uma verdade questionada, descrida e desprezada pela grande maioria dos teólogos e líderes religiosos é descoberta pelos humildes seguidores de Cristo, cumprem-se as Palavras do Mestre:
exclamou Jesus: Graças Te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos.” Mateus 11:25.
Portanto, não nos preocupemos se nossos pastores, líderes de igreja, doutores em teologia e outros estudiosos e pregadores famosos da Bíblia não aceitam o testemunho das Escrituras. Não permitamos que a influência de nenhum destes homens, nem a de todos em conjunto, nos retire a pérola da verdade bíblica do coração, descoberta após estudo fervoroso com jejum e oração. Seja a Palavra de Deus nosso único guia de fé e prática, e não os ensinos dos homens. Que a Escritura se cumpra a nosso respeito:
Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus.” João 6:45.
*****
Que os missionários da cruz proclamem que há um só Deus, e um Mediador entre Deus e os homens, o qual é Jesus Cristo, o Filho do Infinito Deus. Isto precisa ser proclamado em cada igreja em nossa terra.” (Battle Creek, January 21, 1891) (Fonte: 1888 Materials, pág. 886).


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal