Identificar a clientela do Sistema Único de Saúde e explicitar a sua vinculação a um gestor e a um conjunto de serviços bem definido cujas atividades devem cobrir, integralmente, todas as necessidades de atenção à saúde do cidadão



Baixar 66.1 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho66.1 Kb.
CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE – 15 ANOS DE HISTÓRIA

Sylvain Levy1

Formalmente a história do Cartão Nacional de Saúde se inicia com a publicação da NOB 96, quando ela afirma:

Identificar a clientela do Sistema Único de Saúde e explicitar a sua vinculação a um gestor e a um conjunto de serviços bem definido cujas atividades devem cobrir, integralmente, todas as necessidades de atenção à saúde do cidadão, tal como estipulado pela Constituição Federal de 1988.” (1)

No entanto as idéias de identificar aos usuários do sistema público de saúde vêem de bem mais longe. Já em 1961, Edward Catete Pinheiro, Ministro da Saúde no governo de Jânio Quadros, de 3/02/1961 a 22/08/1961, registrava a “necessidade de haver no país um sistema de estatísticas que permitisse conhecer-se como cada cidadão brasileiro tinha atendidas suas necessidades de saúde, de forma organizada e individualizada.” (2)

Na III Conferência Nacional de Saúde, realizada no Rio de Janeiro, de 9 a 14 de dezembro de 1963, cujo decreto de convocação vem assinado pelo Presidente João Goulart e pelo Ministro de Estado da Saúde Wilson Fadul, são várias as inferencias sobre o tema, pois a idéia básica discutida foi a descentralização dos serviços de saúde e o lema da Conferência foi “Municipalização dos seviços de saúde”.

Assim, as questões relacionadas com o sistema de dados estatísticos e a coleta dos dados, principalmente aqueles relacionados com as dificuldades e provaveis e possiveis soluções, foram discutidos, como pode ser observado nos extratos dos documentos abaixo transcritos:

3ª Conferência Nacional de Saúde (3)

A 3ª CNS ocorreu em 1963, 10 anos após a criação do Ministério da Saúde, e representou a proposta inicial de descentralização na área de saúde. Além disso, propôs que fossem definidas as atribuições dos governos federal, estaduais e municipais no campo das atividades médico-sanitárias, para que, inspirados nos pressupostos da reforma estudada, colocassem em prática a descentralização executiva dos serviços, com a efetiva participação dos municípios na solução dos problemas de saúde pública.(Anais da III CNS)

(O que se segue são alguns fragmentos – aqueles julgados como pertinentes à elaboração deste artigo - do documento oficial apresentado pelo Ministério da Saúde para discussão na 3ª Conferência Nacional de Saúde).






........




......

 

Em outro documento, discutido nessa mesma III Conferência, específico sobre o processo de municipalização tem-se:







Numa outra ocasião, já no intermezzo dos anos 70, o Ministério da Justiça tentou desenvolver um projeto de criação do número único dos cidadãos brasileiros, capitaneado pelo Brigadeiro Eneu Reis (4). Porém essa tentativa, mesmo já existindo o CPF/CGC, do Ministério da Fazenda, foi bombardeada por todos os lados, principalmente quando a identificação “universal” era associada à improvável e nem mesmo ventilada fixação do número no antebraço da pessoa identificada, como havia ocorrido nos campos de concentração da Alemanha nazista, menos de trinta anos antes.

Como pode ser visto as possibilidades de introdução de procedimentos de identificação dos usuários do sistema público de saúde já se inseriam no imaginário dos sanitaristas e administradores de saúde há várias décadas.

E o processo de implementação do Cartão Nacional de Saúde tem tido, ao longo dos anos, várias fases.

A primeira fase deve ter nascido como se iniciam todos os grandes projetos nesse país.

Alguém, com acesso ao decisor maior, no caso o Ministro da Saúde, apresenta uma idéia e convence o Ministro que sua adoção representaria vantagens para o povo e o governo brasileiros.

Assim, em 1998, o Ministro José Serra imaginou que implementar a proposta de um Cartão Nacional de Saúde, além de cumprir uma diretriz da NOB 96, seria a solução natural para os problemas de saúde do país, tanto sob o vértice administrativo como médico, epidemiológico e sanitário.

A idéia do número único ou identificação unívoca para os usuários do SUS veio junto com a proposta da instituição de um Cartão, como os utilizado nos bancos comerciais. O importante, inicialmente, era que todo brasileiro estivesse de posse de um cartão plastificado, com tarja magnética e apto a ser lido por um aparelho do tipo PDV, ou Ponto de Venda.

A primeira licitação (em 1998) foi abortada por conter vícios insanáveis, segundo parecer de órgãos técnicos do setor. A segunda, denominada Concorrência Internacional nº 01/1999 (5), teve a participação de grandes empresas, como a IBM e a UNISYS e dividiu os trabalhos em três lotes, ganhos dois pela Hypercom (lotes 1 e 2) e um (lote 3) pela Procomp, mais tarde Diebold-Procomp. Ambas com larga experiência em projetos de automação comercial e bancária, mas com pouco ou nenhum conhecimento da área da saúde ou do SUS.

Os lotes abarcavam os seguintes estados:

Lote 1 – RS, SC, PR, RJ, ES e MG; Nesse lote estava incluída a aquisição dos equipamentos (servidores) do nível federal, para o DATASUS/MS visando a implementação e manutenção das bases nacionais do Sistema Cartão Nacional de Saúde.

Lote 2 -  SP, MS, MT, GO, TO, RO, RR, AP, AC, AM, PA e DF;

Lote 3 – MA, PI, CE, RN, PE, PB, SE, AL e BA.

Ao mesmo tempo eram escolhidos, por critérios justificáveis, porém, contestáveis, 44 municípios para comporem o Projeto Piloto de Implantação do Cartão Nacional de Saúde, e esse pode ser considerado o primeiro problema criado pelo Ministério da Saúde para si mesmo, ao optar por fazer um projeto piloto de tão larga escala, abrangendo cerca de 13 milhões de pessoas.

Também foi definido que o número a ser aposto no Cartão SUS obedeceria à lógica e à raiz da base de dados do PIS-PASEP, por ser o maior cadastro de informações sociais existente e operado pela Caixa Econômica Federal - CEF. Aqueles que não estivessem incluídos no cadastro do PIS-PASEP, por jamais haverem sido empregados ou por razão de idade, seriam cadastrados pelos órgãos de saúde e seus dados seriam validados pela CEF.

A partir daí a imagem-objetivo idealizada para a implementação do Sistema Cartão Nacional de Saúde foi a de identificar a clientela do Sistema Único de Saúde e explicitar a sua vinculação a um gestor e a um conjunto de serviços bem definido (conforme estipulado na NOB 96), cujas atividades devem cobrir, integralmente, todas as necessidades de atenção à saúde do cidadão, tal como estipulado pela Constituição Federal de 1988.

Os recursos necessários para os custos iniciais de elaboração dos editais e de pagamento do resultado da licitação (assinatura do contrato com as empresas) foram provenientes do Contrato de Empréstimo BID 0951/OC-BR, assinado entre a República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, para desenvolver o Projeto REFORSUS, ou Projeto de Reforma do Setor Saúde (6). O valor desse empréstimo poderia alcançar US$100 milhões. Esses recursos, à medida que se fossem fazendo necessários iam sendo transferidos para o orçamento do Ministério da Saúde.

Em 2000 é assinado um acordo com a UNESCO para administrar os recursos necessários à operação, pois os procedimentos burocráticos do serviço público gerariam entraves instransponíveis para o início do funcionamento do sistema até 2002, prazo estabelecido pela direção do Ministério. O C (7) entre o governo brasileiro e a UNESCO, após sucessivas revisões, vigorou até 12/02/2008 e envolveu R$84.143.378,00, repassados do MS para aquela organização, no período de 2001 a 2008, para custeio das despesas de implantação do projeto.

O suporte técnico (e conceitual) inicial foi dado pelos técnicos da Sociedade Brasileira de Informação - SBI - e os contratos dos consultores – cuja função primeira fora a de elaborar os termos da concorrência e posteriormente de desenvolver trabalhos de supervisão, acompanhamento e avaliação das atividades realizadas pelas empresas vencedoras do certame. Todas as despesas com as consultorias – salários, viagens, equipamentos e instalações, foram custeados por esse acordo com a UNESCO, inclusive o pagamento com as despesas para elaboração do projeto inicial (Recursos de Adiantamento).

A equipe de consultores foi formada a partir das indicações da SBI e quase todos, nessa fase inicial, provinham do ambiente acadêmico, com mestrado ou doutorado. A administração dos trabalhos foi atribuída à Secretaria de Investimentos em Saúde, enquanto os coordenadores, no âmbito do Ministério da Saúde, eram escolhidos dentre servidores públicos do quadro da instituição. Num segundo momento, consultores com experiência em informação e informática médica e em SUS, alguns sem titulação acadêmica, foram igualmente contratados. Em seu funcionamento máximo o Projeto chegou a contar com mais de 200 pessoas, entre técnicos (a maioria) e administrativos.

Para muitos, resta incompreensível a aceitação, pelas empresas vencedoras da licitação, da modalidade de contrato (8 e 9) proposto pelo Ministério da Saúde para ser por elas assinado. Sem dúvida alguma esse contrato estabelecia condições bastante favoráveis ao Ministério da Saúde e de difícil execução e comprovação pelas empresas.  Elas foram contratadas para criar, implantar e manter a “solução de informática para o Cartão Nacional de Saúde”. Isto implicava em receber todas as parcelas do contrato, cerca de 22, em intervalos de tempo não especificados, mas parametrizados segundo a entrega de um “produto”. Essas etapas eram programadas como “eventos”, e em algumas delas incluíam atividades tão díspares como instalação de TAS (Terminal de Atendimento do SUS), elaboração de sistemas (aplicativos), treinamento dos técnicos que operavam os TAS e fornecimento de insumos para os equipamentos. O pagamento do “produto” era feito conforme a comprovação de sua entrega, como por exemplo, a existência de determinado número de TAS em operação. Acontece que instalação de TAS não estava sob a governabilidade exclusiva das empresas, pois dependia da existência de energia elétrica e pontos de telefonia nas unidades de saúde, além de disponibilidade de conexão entre a unidade e a Secretaria Municipal de Saúde. Ou seja, elas só receberiam o dinheiro da parcela programada se todos os eventos da cadeia da “solução de informática” estivessem realizados. Portanto, é de difícil compreensão como duas empresas do porte das ganhadoras concordaram em assinar um contrato cujos pagamentos excediam a capacidade de gerenciamento dos eventos por moto próprio.

Além disso, criou-se um problema sem solução até o presente. Como todos os equipamentos foram comprados como parte da “solução de informática” do Cartão, e essa atividade era classificada na rubrica “serviço”, os equipamentos foram adquiridos e entregues às SMS e SES dentro dessa rubrica, o que os impediu, até hoje, de serem patrimoniados. Assim, nem o MS pode doá-los ou tomba-los, nem as secretarias podem tombá-los ou recebe-los em doação, já que não são considerados nem como despesas de investimento nem de capital.

Nesse ponto é importante esclarecer alguns aspectos do TAS, o Terminal de Atendimento do SUS. O TAS não é o resultado do casamento de uma máquina PDV (ponto de venda) com um micro. O TAS é o resultado do desenvolvimento de uma idéia para a solução de informática do Cartão Nacional de Saúde. È um equipamento que não dispõe de disco rígido, não acumulando, assim, dados e informações sobre os pacientes que fizeram consultas, o que aumenta a segurança sobre o acesso às informações de cada paciente. O TAS “arquivava” os dados em memória RAM, que os deletava assim que fosse desligado. Desse modo a transmissão dos dados precisava ser realizada em intervalos de tempo pré-definidos, segundo a quantidade de pacientes atendidos e a capacidade da memória RAM. Foi projetado para suportar impactos, como a queda de uma altura de 50 cm e dispunha de capacidade de transmissão através de linha telefônica e ondas de rádio. Era operado por sistema “touch screen”, fazia a leitura do Cartão SUS por tarja magnética e alimentado por energia elétrica e baterias.  

As primeiras atividades, no segundo semestre de 2000, não foram muito alvissareiras. Após a assinatura do contrato, as empresas ganhadoras tinham 30 dias para apresentar um Projeto Executivo (PE), o Ministério 5 dias para analisá-los e elas mais 15 dias para os ajustes.

Os acertos nos PE’s consumiram bem mais tempo que o fixado, porém como o próprio Ministério e as Secretarias de Saúde dos Municípios e Estados precisavam se organizar houve concomitância nesses ajustes e os trabalhos efetivos só foram começar no meio do segundo semestre de 2000, como as de cadastramentos dos usuários do SUS e as de preparação das infraestruras elétrica, de telecomunicação de obras físicas de construção e adaptações de unidades, etc.

Enquanto isso o Ministério da Saúde, com os recursos “da UNESCO”, estruturava uma UGP (Unidade de Gerenciamento do Projeto) nos moldes já executados com sucesso pelo programa de combate à AIDS, constituindo suas equipes administrativas e técnicas e com a elaboração dos primeiros aplicativos, que possibilitassem as atividades de cadastramento e emissão de cartões.

A pressão feita por políticos e gestores do SUS para que novos municípios entrassem no projeto piloto, aliadas a uma visão equivocada de estratégica política, fez com que o Ministério desse o segundo tiro em seu próprio pé, editando uma portaria (Portaria GM 017, de 13/02/2001) que expandia para todo país a possibilidade de efetuar o cadastramento para o Cartão SUS (10) sem que houvesse, para tanto, a conseqüente disponibilização para as prefeituras; estados e unidades de saúde de equipamentos, de sistemas e aplicativos, de treinamento para o pessoal de saúde e de preparação da população para as ações que obrigatoriamente se desenvolveriam.

É dessa época a Portaria GM 039 (de 19/04/2001) (11) que Regulamenta a operacionalização e remuneração do Cadastramento de Usuários do Sistema Único de Saúde, atribuindo valores a serem transferidos a Estados e Municípios por cadastros realizados e validados, pela Caixa Econômica Federal.

Ambas as portarias causaram impactos diferenciados. Uma contrária e outra favorável ao desenvolvimento do projeto.

A fim de garantir que os serviços e produtos previstos estavam sendo entregues e que todos os itens do contrato estavam sendo cumpridos, o Ministério da Saúde realizou a Concorrência Internacional nº 009/2000, visando “A seleção de empresas de consultoria para monitorar e supervisionar a execução dos contratos para implantação da solução de informática para o Cartão Nacional de Saúde”. Venceu o certame a Fundação CPqD, vinculada ao Sistema TELEBRAS, que se incumbiu de elaborar pareceres sobre os sites implantados nas Secretarias Municipais de Saúde que participavam do projeto Cartão, incluindo-se aí, a colocação em operação dos TAS, nas unidades de saúde. Os pagamentos dos “fatos geradores” discriminados nos contratos só eram feitos a partir da análise do CPqD (12).

Ao final de 2002 já se contava com cerca de 13 milhões de cadastramentos, milhões de cartões de plásticos impressos e distribuídos, 40 municípios engajados nos trabalhos, distribuídos 10 mil TAS (Terminal de Atendimento SUS), 27 servidores estaduais e 44 municipais, os dois servidores federais em operação, cerca de 8.000 pessoas treinadas e principalmente, a experiência crítica das secretarias de saúde dos municípios e dos estados e a existência de dois sistemas distintos o da Hypercom e o da Procomp. Resumindo, ao final de 2002 já se contava com ambos – experiências e sistemas, aptos para serem avaliados, para subsidiarem as necessárias alterações e tanto para melhorar a proposta inicial como para ampliar o raio de ação do projeto.

No entanto nada disso aconteceu.

A terceira onda de obstáculos criados para si mesmo pelo Ministério da Saúde, veio em duas etapas, ainda no primeiro semestre do primeiro mandato do Presidente Lula. Uma, a saída dos dois coordenadores, Rosani Cunha (para chefiar o Programa Bolsa Família, no MDS) e Manoel Renato  (para o Ministério das Cidades) e a não manutenção da equipe técnica que havia sido responsável pelos trabalhos do projeto piloto, e a segunda, e mais importante, a interrupção das relações com estados e municípios, em nome de uma alegação de que se tornava necessária a migração dos sistemas proprietários (desenvolvidos pela Hypercom e pela Procomp) para software livre, esquecendo-se, convenientemente, que o MS já havia pago às duas empresas o desenvolvimento dos sistemas, sendo portanto, proprietário dos respectivos códigos fontes.

Na prática essa medida resultou na paralisação do projeto piloto, no abandono dos parceiros estaduais e municipais à própria sorte, na desconfiança em relação a propostas futuras encaminhadas ou lideradas pelo Ministério da Saúde e na interrupção dos progressos para implementação de um Cartão Nacional de Saúde.

Algum tempo depois a explicação mal formulada se tornou clara, quando foi verbalizada – por, a época, dirigente do DATASUS da seguinte maneira: “o cartão é coisa do Serra. A marca dele é muito forte e precisamos criar uma alternativa a isso”.

No entanto, no período do primeiro mandato do Presidente Lula, entre 2003 e 2006, nada foi criado como alternativa e muito pouco foi feito, a não ser retardar a implementação de uma proposta - de seus processos e procedimentos, que é considerada fundamental para os destinos do SUS e para a qualidade da atenção á saúde prestada à população.

O Cartão SUS foi previsto para ser utilizado nas áreas de (13):

         Atenção à Saúde

         Planejamento e Programação

         Regionalização da Assistência à Saúde

         Vigilância Epidemiológica

         Vigilância Sanitária

         Controle, Avaliação e Auditoria.

As funcionalidades do projeto piloto foram desenhadas para realizar:

         Identificação e registro do usuário que está sendo atendido

         Localização do prontuário

         Registro do profissional e estabelecimentos assistenciais de saúde

         Registro do atendimento realizado

         Agendamento local/remoto de consultas e exames laboratoriais

         Notificação compulsória de agravos

         Dispensação (entrega) de medicamentos

         Registro da execução de exames laboratoriais

         Emissão de boletos

         Procedimentos coletivos

         Atualização de dados cadastrais.

Em relação aos pacientes e usuários do SUS, aos trabalhadores e administradores do setor, o Cartão SUS deveria atender os seguintes objetivos:

a) Usuários:

o       Construção de base de dados de histórico clínico;

o       Imediata identificação, com ganhos no atendimento;

o       Vinculação a uma Unidade de Saúde;

o       Agilização do atendimento, com automatização da marcação de consultas, exames e sua referencia e contra-referência a unidade de saúde;

o       Ampliação e melhoria do acesso a medicamentos;

o       Fortalecimento das informações em saúde prestadas aos usuários do sistema;

b) Profissionais de Saúde

o       Construção de Protocolos Clínicos;

o       Disponibilização de informações que contribuam para a avaliação do trabalho das equipes e para a melhoria dos serviços prestados;

o       Fortalecimento de vínculos entre profissionais e usuários do sistema;

o       Reorganização do processo de trabalho;

o       Melhorias na disponibilização dos insumos necessários às atividades dos profissionais;

o       Redução do número de formulários e demais instrumentos de preenchimento nas unidades;

c) Gestores

o       Integração de sistemas de informação;

o       Organização da referencia e aperfeiçoamento dos mecanismos de articulação entre gestores;

o       Câmara de Compensação financeira entre municípios e estados;

o       Identificação e monitoramento da rede prestadora;

o       Otimização da aquisição e dispensação de medicamentos;

o       Ressarcimento junto às operadoras de planos e seguros privados;

o       Informações regionalizadas sobre atendimento e origem dos pacientes;

Foram empregados até 2002 recursos da ordem de R$ 150 milhões de reais. Até o presente não foram suficientemente contabilizados os gastos realizados entre 2003 e 2009 com recursos do projeto Cartão – aqueles ainda existentes na UNESCO ou os consignados no orçamento do MS, com a contratação de consultores, pagamentos de viagens e compra de equipamentos que na verdade só tinham em comum com o projeto de implantação do Cartão o nome utilizado na justificativa para o desembolso financeiro.

De 2003 a 2006 apenas as atividades de cadastramento foram mantidas, mas com sistema (DELPHI) que não permitia a consulta à base nacional, somente às bases locais.

Dos municípios do projeto piloto, restou Aracajú, que pode funcionar como efeito demonstração do que poderia ter se transformada a proposta do Sistema Cartão Nacional de Saúde. Aracajú manteve os conceitos originais e foi implementando outras funcionalidades sob os aplicativos desenvolvidos pela Procomp.

No final de 2006, na gestão de Saraiva Felipe, houve uma contribuição significativa para o Cartão SUS sair do marasmo em que se encontrava.

Foi colocada à disposição das Secretarias de Saúde de estados e municípios, uma versão do aplicativo CAD-SUS MULTIPLATAFORMA, desenvolvido em linguagem JAVA, que permitia a consulta dos cadastrados à base nacional, o que contribuiu para que as duplicidades fossem evitadas.

Outras atividades estão sendo atualmente implementadas pelo DATASUS/SE-MS, como a interoperabilidade entre o Cartão SUS e o SISREG, Sistema de Regulação do Ministério da Saúde e a proposta da utilização do Cartão SUS como “chave” de acesso e intercomunicação de dados para o RES – Registro Eletrônico em Saúde, cujo projeto piloto está previsto para começar nos hospitais federais no Rio de Janeiro.

Em diversos pontos do país, pululam iniciativas que se utilizam do Cartão SUS como instrumento de organização e controle dos sistemas de saúde, como exemplo, podem ser lembrados:

a)       na Paraíba, segundo a SES-PB 84% da população utilizam o documento (Jornal PB Agora, de 14 de setembro de 2009);(14)

b)      em Vitória-ES, os pacientes estão marcando consultas e sendo avisados de seu atendimento por e.mail (Redação Multimídia, 24/02/2010);(15)

c)       em Campinas-SP já organiza o atendimento na rede para 814 usuários cadastrados (Paulínia News, 26/01/2009);(16)

d)      em Caldas Novas - GO, segundo documento distribuído pela SMS, organiza o sistema local de saúde desde 2009.(17)

e)       Em Porta Alegre-RS é utilizado para a retirada de medicação nas farmácias da rede pública (Jornal Zero Hora 19/02/2010).(18)

Na atualidade o Sistema Cartão Nacional de Saúde têm cadastrados em sua base de dados, 171.080.577 registros. Desses 93.158.873 são considerados como registros definitivos, pois já foram validados pela Caixa Econômica Federal como integrantes da base de dados do PIS-PASEP. Outros 77.921.704 registros são provisórios e estão em análise, porém a todos os usuários do SUS é entregue um cartão de identificação, fornecido pelas Secretarias de Saúde dos Municípios e Estados, responsáveis pelo processo de cadastramento, que desde 2006 é realizado nos postos e centros de saúde e nos hospitais e ambulatórios de toda rede do SUS, quando o usuário do Sistema Único de Saúde procura atendimento em uma de suas unidades.

Todos os 5564 municípios brasileiros e mais o Distrito Federal (totalizando 5565 unidades federativas) já realizaram cadastramentos e emitiram, ao menos, um Cartão SUS.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (19) têm cadastrados – em setembro de 2009, 41.892.990 pessoas como beneficiárias das operadoras de saúde suplementar (planos e seguros de saúde). O IBGE estima a população brasileira, para o mesmo ano, em 191.446.848 habitantes. Esses números colocam como exclusivamente usuários do SUS cerca de 150 milhões de pessoas. O DATASUS tem encontrado nos processos de unificação de registros múltiplos de um mesmo usuário, na Base de Dados Nacional do Cartão SUS, segundo o estado, variações da ordem de 6% a 20 %.

Tendo por base essas números, podem ser estimados que ainda faltem ser cadastrados no Sistema Cartão SUS entre 5 a 13 milhões de brasileiros. Somente em 330 municípios e 4 estados –Amapá, Distrito Federal, Roraima e Rio de Janeiro, encontra-se um quantitativo de cadastramento inferior a 50 % de suas populações.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Numa primeira avaliação constata-se que algumas ações praticadas contribuíram para dificultar ou facilitar o processo de implantação do Cartão SUS, dentre as quais podem ser listadas:

a) o primeiro problema criado pelo Ministério da Saúde para si mesmo, foi optar por fazer um projeto piloto de tão larga escala, abrangendo cerca de 13 milhões de pessoas, em 44 municípios de 11 estados (dificuldade).

b) aceitação, pelas empresas vencedoras da licitação, da modalidade de contrato proposto pelo Ministério da Saúde para ser por elas assinado. Embora esse contrato estabelecesse condições bastante favoráveis ao Ministério da Saúde revelou-se de difícil execução e comprovação pelas empresas (dificuldade). 

c) Portaria GM 017, de 13/02/2001 que expandia para todo país a possibilidade de efetuar o cadastramento para o Cartão SUS sem que houvesse, para tanto, a conseqüente disponibilização para as prefeituras; estados e unidades de saúde de equipamentos, de sistemas e aplicativos, de treinamento para o pessoal de saúde e de preparação da população para as ações que obrigatoriamente se desenvolveriam (dificultou e ao mesmo tempo estimulou).

d) Portaria GM 039 (de 19/04/2001) que Regulamenta a operacionalização e remuneração do Cadastramento de Usuários do Sistema Único de Saúde, atribuindo valores a serem transferidos a Estados e Municípios por cadastros realizados e validados, pela Caixa Econômica Federal. (estimulou)

e) Concorrência Internacional nº 009/2000, visando “A seleção de empresas de consultoria para monitorar e supervisionar a execução dos contratos para implantação da solução de informática para o Cartão Nacional de Saúde”. Venceu o certame a Fundação CPqD, vinculada ao Sistema TELEBRAS, que se incumbiu de elaborar pareceres sobre os sites implantados nas Secretarias Municipais de Saúde que participavam do projeto Cartão, incluindo-se aí, a colocação em operação dos TAS, nas unidades de saúde. Os pagamentos dos “fatos geradores” discriminados nos contratos só eram feitos a partir da análise do CPqD (facilitador).

f) Experiência crítica das secretarias de saúde dos municípios, dos estados e do Ministério da Saúde e a existência de dois sistemas distintos o da Hypercom e o da Procomp ao final de 2002, já se contando com ambos, experiência e sistemas, aptos para serem avaliados, para subsidiarem as necessárias alterações e tanto para melhorar a proposta inicial como para ampliar o raio de ação do projeto (facilitador).

g) A saída dos dois coordenadores, Rosani Cunha (para chefiar o Programa Bolsa Família, no MDS) e Manoel Renato  (para o Ministério das Cidades) e a não manutenção da equipe técnica que havia sido responsável pelos trabalhos do projeto piloto (dificuldade)

h) A mais importante de todos os complicadores: a interrupção das relações com os estados e municípios participantes do projeto piloto, em nome de uma alegação de que se tornava necessária a migração dos sistemas proprietários (desenvolvidos pela Hypercom e pela Procomp) para software livre, esquecendo-se, convenientemente, que o MS já havia pago às duas empresas o desenvolvimento dos sistemas, sendo portanto, proprietário dos respectivos códigos fontes. (dificuldade).

Na prática essa medida resultou na paralisação do projeto piloto, no abandono dos parceiros estaduais e municipais à própria sorte, na desconfiança em relação a propostas futuras encaminhadas ou lideradas pelo Ministério da Saúde e na interrupção dos progressos para implementação de um Cartão Nacional de Saúde.

Os maiores entraves à aceitação do Cartão SUS estão em dois outros pontos, ambos não equacionados pelos órgãos responsáveis pelo SUS – Ministério e Secretarias de Saúde de Estados e Municípios:


  1. um de ordem técnica, administrativa e operacional: a não existência de sistema de informática que permita a individualização dos atendimentos ambulatoriais, dos exames de laboratórios e demais procedimentos alcançados pelo atual SIA-SUS. Isso impede que o Sistema Cartão assuma seu caráter como elemento dos princípios de integralidade e equidade que norteiam o SUS.

  2. outro de ordem político, administrativo e operacional: a não existência de câmara de compensação financeira entre os municípios e estados, de forma a permitir a aceitação indiscriminada, geograficamente falando, do Cartão SUS e impedir que os gestores municipais coloquem dificuldades ao atendimento dos moradores de outros municípios ou estados. Essa inexistência de câmara de compensação impede que o Cartão SUS cumpra outros princípios e diretrizes do SUS: os de universalidade, regionalização, hierarquização e participação da comunidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 – Brasil – Ministério da Saúde - NOB-SUS 01/96. “Gestão plena com responsabilidade pela saúde do cidadão”. BRASÍLIA/DF. Publicada no Diário Oficial da União de 6 de novembro de 1996.



2 – Moema Catete Pinheiro, comunicação pessoal.

3 – Brasil – Ministério da Saúde – Anais da 3ª Conferência Nacional de Saúde; consultada em 01/04/2010; http://portal2.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/area.cfm?id_area=1119.

4 – Participação pessoal no projeto.

5 – Brasil – Ministério da Saúde – Edital de Concorrência Internacional nº 01/1999.

6 – Brasil – Ministério da Saúde/BID – Projeto REFORSUS.

7 – Brasil – Ministério da Saúde/UNESCO – Projeto de Cooperação Técnica

8 – Brasil – Ministério da Saúde – Processo nº xxx – Contrato firmado entre o Ministério da Saúde e a empresa Hypercon.

9 - Brasil – Ministério da Saúde – Processo nº xxx – Contrato firmado entre o Ministério da Saúde e a empresa Procomp.

10 - Brasil – Ministério da Saúde - Portaria GM 017, de 13/02/2001 - que expandia para todo país a possibilidade de efetuar o cadastramento para o Cartão SUS, publicada no DOU em

11 - Brasil – Ministério da Saúde - Portaria GM 039 (de 19/04/2001) que regulamenta a operacionalização e remuneração do Cadastramento de Usuários do Sistema Único de Saúde, atribuindo valores a serem transferidos a Estados e Municípios por cadastros realizados e validados, pela Caixa Econômica Federal, publicada no DOU em

12 – Brasil – Ministério da Saúde – Processo nº xxx – Contrato firmado entre o Ministério da Saúde e a Fundação Cpqd.

13 – Sylvain Levy – Documentação pessoal.

14 – Jornal PB Agora, de 14 de setembro de 2009).

15 – Revista Eletrônica Redação Multimídia, 24/02/2010).

16 – Jornal Paulínia News, 26/01/2009.

17 – Secretaria Municipal de Saúde de Caldas Novas - GO, documento mimeo distribuído pela SMS que organiza o sistema local de saúde (2009).

18 - Jornal Zero Hora 19/02/2010.



19 - Brasil – Ministério da Saúde - Agência Nacional de Saúde Suplementar; http://www.ans.gov.br/main.jsp?lumChannelId=8A9588D425FEC1700126057CFDC40CCD ; site consultado em abril de 2010.


1 Médico Sanitarista Ministério da Saúde - aposentado



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal