Ilda lopes witiuk



Baixar 2.36 Mb.
Página1/23
Encontro20.07.2016
Tamanho2.36 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23


ILDA LOPES WITIUK

A TRAJETÓRIA SOCIO-HISTÓRICA DO SERVIÇO SOCIAL NO ESPAÇO DA ESCOLA

DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

SÃO PAULO

2004


ILDA LOPES WITIUK

A TRAJETÓRIA SOCIO-HISTÓRICA DO SERVIÇO SOCIAL NO ESPAÇO DA ESCOLA


Tese apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de DOUTORA, em área de Serviço Social: Identidade, Formação e Prática, sob a orientação da Prof.ª Drª. Maria Lucia Silva Barroco

PUC/São Paulo

2004











À minha mãe, professora primária que dedicou sua vida profissional à alfabetização e formação de pequeninos cidadãos.


Ao meu marido, companheiro de todas as horas, e a nossos filhos, Rafael e Gabriel, motivos de luta e alegria.

EPÍGRAFE

Ah! Não vão fazer-me esquecer,
dos porões da ditadura...
Das sombras, tétricas clausuras!
Tão pouco dos gritos do endoidecer...
Onde estariam os carrascos?
Velhos apáticos?
Cobertos de cínico manto,
senhores de cabelo branco?
Coronéis de um tempo,
hoje vencidos...
Que haja um grito sempre,
despertando os esquecidos!
Que as marcas de sangue
não se apaguem dos tempos idos.
Que se rompam as ocultas
mordaças de um dia...
Que contemplemos as asas
do direito à democracia!
Quiçá ouçam os eternos gemidos,
perambulando por suas mentes!
Até que peçam a morte, clementes...
Não sou deste tempo, tenho memória.
Quiçá mofem todos,
nos porões da nossa história!
TENHO MEMÓRIA!
José Geraldo Martinez

AGRADECIMENTOS

Na maioria das vezes não encontramos palavras que consigam exprimir os nossos sentimentos. As palavras não conseguem captar e expressar aquilo que só o coração consegue dizer. Mas isso não pode nos impedir de tentar.




  • A você Witiuk, mais que marido, mais que amado, mais que amigo, mais que irmão, minha metade. Obrigada pela compreensão, solidariedade, atenção e cuidado. Sem você, de certeza, eu não teria conseguido.

  • Aos meus filhos Rafael e Gabriel, pelo carinho e compreensão, pelos famosos 120 dias longe, pelas ausências nos finais de semana, pelas bolas e video-games que não jogamos, pelos filmes que não assistimos. Não prometo nada, só digo que os amo.

  • À Profª Drª Odária Battini, minha mestra, minha amiga. A você minha admiração, meu carinho. Sua presença tornou esse sonho possível, você soube motivar e valorizar cada pequeno progresso, você soube ser educadora.

  • À Prof ª Drª Maria Lúcia Silva Barroco, minha querida orientadora, obrigada pela presença amiga nos momentos difíceis, pelo estímulo e orientação à minha produção teórica.

  • À Profª Drª Myrian Veras Baptista, membro da minha banca de mestrado e agora de doutorado, professora dos professores, sabedoria e clareza. Minha admiração.

  • À Profª Dilséa Adeodata Bonetti, Coordenadora do nosso convênio inter-institucional, pela disponibilidade e atenção com que sempre tratou a essas amigas do Paraná. Nosso carinho.

  • À Profª Drª Samira Kauchakje pela sempre calorosa acolhida dos meus questionamentos, pela delicadeza e preocupação com o meu processo de crescimento profissional.

  • À Profª Drª Alcina Maria de Castro Martins, que tão gentilmente acolheu-me em Portugal e orientou na condução dos trabalhos de pesquisa.

  • Ao Prof. Ms. Alfredo Henríquez, coordenador do Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social, que me acolheu e oportunizou aproximações e debates com o meio acadêmico português em Lisboa.

  • Às colegas e amigas do convênio e às professoras da PUCPR, pelos momentos de partilha, festa e luta.

  • Às amigas:

    • Márcia Terezinha de Oliveira, companheira nas viagens Curitiba - São Paulo, pelas longas e deliciosas conversas.

    • Jucimeri Isolda Silveira, companheira de CRESS e PUCPR, pelas madrugadas de e-mail no diálogo constante com a minha produção, amiga de todas as horas.

    • Ana Maria Coelho Pereira Mendes, companheira da PUCPR, pelo cuidado com a apresentação final da minha produção, meu carinho.

    • Solange Fernandes Rocha, companheira e amiga, pelos aconchegos pessoais.

À Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR pelo apoio e incentivo no processo de realização do doutorado.

À CAPES, que possibilitou o meu estágio de doutorado em Portugal, contribuindo significativamente com meu crescimento acadêmico e profissional.



RESUMO


A presente tese destaca os resultados da pesquisa efetivada durante quatro anos junto às universidades brasileiras com curso de Serviço Social, evidenciando aquelas com mestrado e doutorado na área. Esse processo de pesquisa revelou uma significativa produção teórica sobre o tema. Ressalta ainda esse trabalho, o processo de pesquisa realizado junto aos CRESS, e aos poderes legislativos de âmbito municipal, estadual e nacional, evidenciando o movimento realizado pela profissão no sentido de consolidar esse espaço ocupacional. Por meio do resgate sócio-histórico, destacando a Política Social de Educação e o Serviço Social, apresenta-se a trajetória feita pela profissão no espaço da educação. A atuação do Serviço Social no espaço da escola tem sua gênesis na origem do Serviço Social brasileiro, requisitado pelo Estado para o atendimento das demandas sociais que se expressam no espaço da escola. Em relação à emergência do Serviço Social na escola configura-se uma requisição profissional de caráter assistencial em resposta ao conjunto de problemas sociais que dificultam a evolução do aprendizado e a dinâmica funcional da instituição. Vale ressaltar que a gênese do Serviço Social no espaço da Escola é a gênese do Serviço Social na divisão sócio-técnica do trabalho. Na contemporäneidade, reafirma-se a educação, enquanto política pública universalizada e de qualidade. Entendendo que, na mediação entre Estado e sociedade civil, é a escola um espaço importante de atuação profissional por ser um aparelho de hegemonia fundamental no processo de organização de uma nova cultura, tendo como base ético-política princípios e valores do pensamento crítico humanista a serem concretizados na vida em sociedade. Um aspecto preponderante para o fortalecimento desse espaço ocupacional foi a reconstrução do sentido teórico das políticas sociais, como locus privilegiado da ação profissional. As discussões dentro da categoria têm se dado no sentido de pensar a inserção do Assistente Social nesse espaço, não como uma especulação sobre a possibilidade de ampliação do mercado de trabalho, mas como uma objetivação do compromisso político-profissional em relação às estratégias de luta pela construção histórica da cidadania e da defesa e ampliação de direitos sociais no processo de democratização das relações, tendo como substrato o projeto ético-político da categoria organicamente vinculado a um projeto societário voltado à construção de uma nova sociedade em articulação com os movimentos sociais e categorias profissionais que partilham dos mesmos princípios, capitaneados pelo conjunto CFESS/CRESS. A ampliação da atuação profissional no espaço da escola converte-se em mais um dos desafios no sentido de valorizá-lo como aparelho fundamental para a organização da cultura no espectro dos direitos. São espaços institucionais contraditórios e dinâmicos que podem ser direcionados de forma que permitam a formação do homem como um todo na direção emancipatória.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal