Impacto da concorrência chinesa em terceiros mercados: uma análise por regiões e por categorias tecnológicas



Baixar 296.73 Kb.
Página4/4
Encontro19.07.2016
Tamanho296.73 Kb.
1   2   3   4
§ Professor do Instituto de Economia da Unicamp e pesquisador do Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (NEIT).

1 United Nations Commodity Trade (UN Comtrade).

2 Abreu (2005), Jenkins, Peters e Moreira (2008), Ianchovichina, Ivanic e Martin (2009).

3 Os indicadores mais frequentes analisam a similaridade de pautas exportadoras e as variações de market share.

4 Taxa média anual de crescimento calculada com base nas exportações em dólares correntes, segundo dados UN Comtrade.

5 Vale notar a queda das exportações de 2008 para 2009 por conta da recente crise mundial. Apesar dessa turbulência, a tendência das taxas de crescimento do comércio chinês continuou forte, levando-a à posição de maior exportadora mundial em 2009 (UN Comtrade).

6 Ressalta-se que o período abrangido pelos testes econométricos vai até 2009 por conta da base de dados que se encontrava incompleta para o ano de 2010 na época da coleta dos dados. Ainda que 2009 tenha sido um ano de crise mundial, optou-se por incluí-lo na análise, utilizando dummies anuais nas estimações para controlar os efeitos da crise e de outros fatores.

7 Rodrik (2006) verifica que há uma correlação positiva e estatisticamente significante entre o nível de renda per capita e o nível de produtividade associado à cesta exportadora de um país. Nas palavras do autor, países ricos tendem a exportar o que outros países ricos também exportam.

8 Coreia do Sul, Hong Kong, Cingapura e Taiwan.

9 Países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) - Indonésia, Malásia, Filipinas, Tailândia - excluindo Cingapura.

10 Com o fim do Acordo sobre Têxteis e Vestuário.

11 Há diferentes abordagens e formas de cálculo do método de constant market share, mas a ideia básica é de que o market share de um país deveria se manter constante no tempo. Se há variações no market share, estas são atribuídas a mudanças na competitividade ou mudanças na demanda mundial como um todo ou em mercados específicos (Husted e Nishioka, 2010).

12 SITC (Standard International Trade Classification) Rev. 3 corresponde à terceira revisão do sistema de classificação de produtos publicada pelas Nações Unidas para estatísticas de comércio. Produtos industriais são classificados de 5 a 8.

13 A sigla GTAP significa Global Trade Analysis Project e corresponde a um modelo de equilíbrio geral computável.

14 Destaca-se a indústria chinesa de computadores, acessórios e semicondutores pelos rápidos ganhos de market share nos EUA desde 1998.

15 A sigla HS2 significa Harmonized Commodity Description and Coding Systems e corresponde à nomenclatura de classificação de produtos num sistema comum de códigos que vão até 6 dígitos. O número 2 significa que a classificação utilizada considera apenas os dois primeiros dígitos do código.

16 Apesar disso, os autores consideram que a ameaça direta das exportações chinesas para a América Latina como um todo aparenta pouco intensa quando comparada à ameaça chinesa ao Leste Asiático.

17 Lall e Weiss (2007), Moreira (2007).

18 Jenkins (2008a), Jenkins e Peters (2009), Husted e Nishioka (2010), Hiratuka et al. (2011).

19 Dimaranan, Ianchovichina e Martin (2009) e Ianchovichina, Ivanic e Martin (2009).

20 O modelo GTAP trata-se de um modelo multirregional e multissetorial de equilíbrio geral computável, utilizado na forma de software e alimentado pela base de dados GTAP Data Base. Além desses recursos de dados e programas de equilíbrio geral computável, o projeto GTAP envolve cursos, conferências e projetos de pesquisa, coordenados pelo Center for Global Trade Analysis.

21 Como se pode verificar em Dimaranan, Ianchovichina e Martin (2009).

22 Para mais detalhes, ver Frankel (1997) e Sá Porto (2002).

23 Frankel (1997) constata que o modelo gravitacional pode ser derivado dos modelos de competição monopolística apresentados por Helpman e Krugman (1985) e os modelos de Heckscher-Ohlin derivados por Deardoff (1998). Deardorff (1998) mostra que a equação gravitacional pode ser derivada de modelos ricardianos de comércio e modelos de competição imperfeita e retornos crescentes de escala.

24 Vale destacar que, neste trabalho, assim como na tradição da literatura em comércio internacional, a equação gravitacional é estimada na forma logarítmica. Isso, entretanto, gera um problema para englobar na estimação as observações nas quais o fluxo comercial de um país para outro seja zero, dada a impossibilidade de obter o logaritmo de um valor nulo. Como não há um consenso sobre a melhor maneira de estimar a equação gravitacional levando em consideração os fluxos comerciais nulos, optou-se, neste estudo por realizar as estimações desconsiderando as observações de fluxo comercial nulo, pois corresponde à prática mais frequente na literatura (Cheng e Wall, 1999; Eichengreen, Rhee e Tong, 2007). Para uma breve apresentação das diferentes maneiras de tratar os fluxos comerciais nulos nas equações gravitacionais, ver Módolo (2012).

25 Optou-se pelo uso de PIB e renda per capita em dólares correntes ao invés das variáveis em paridade do poder de compra, assim como Frankel (1997) e Sá Porto (2002) também o fizeram. Segundo Frankel (1997, apud Srinivasan, 1995), as variáveis em paridade do poder de compra estão sujeitas a grandes erros de medida.

26 Por exemplo, crédito para comércio, custo de transporte influenciado pelo preço do petróleo e outros.

27 Wooldridge (2002, p. 86).

28 O primeiro estágio consiste em estimar a variável endógena em função das variáveis exógenas e da variável instrumental por mínimos quadrados ordinários. O segundo estágio consiste na estimação da equação (1) por mínimos quadrados ordinários, com a particularidade de utilizar como variável explicativa os valores estimados de ln CXj,t obtidos do primeiro estágio, no lugar da própria variável ln CXj,t.

29 Foi testada a incorporação também de um intercepto para cada região importadora, porém como a variável instrumental é definida como a distância entre a China e o país importador, verificou-se uma alta multicolinearidade.

30 Grupo base se refere ao grupo contra o qual as comparações são feitas.

31 Para a amostra foram selecionados apenas os países considerados mais relevantes no comércio internacional. O critério utilizado para a seleção de países foi a exigência de o país apresentar dados disponíveis (diferentes de zero) de um total exportado para o mundo, em cada ano do período de 2000 a 2009, excluindo aqueles que não apresentaram dados suficientes para as variáveis explicativas da equação (1).

32 A Ásia Emergente corresponde aos países em desenvolvimento do Sul e Sudeste Asiático, englobando: Filipinas, Índia, Indonésia, Malásia, Paquistão e Tailândia.

33 A Ásia Avançada se refere aos países asiáticos desenvolvidos, envolvendo Japão, Coreia do Sul e Cingapura.

34 Como os países Hong Kong e Macau são regiões administrativas especiais da China, foram isolados dos outros países asiáticos para não contaminar as estimações realizadas na seção 5, mas não se pretende analisar esses dois países separadamente por conta da dificuldade em separar as reexportações que ocorrem entre a China e esses países.

35 No grupo de países da Europa, foram incluídos apenas os países europeus considerados desenvolvidos segundo a classificação do FMI (Fundo Monetário Internacional), 2011. São eles: Alemanha, Áustria, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Islândia, Itália, Malta, Noruega, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Suécia e Suíça. Os demais países europeus foram considerados no Resto do Mundo.

36 Os países considerados no grupo América do Norte referem-se a apenas Canadá e Estados Unidos, uma vez que se optou em incluir o México junto ao grupo da América Central por semelhanças de estrutura exportadora.

37 Os países considerados nesse grupo são: Aruba, Bahamas, Barbados, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, São Vicente e Granadinas, Trindade e Tobago.

38 São considerados Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru e Uruguai.

39 Não se pretende explicar os efeitos das exportações chinesas sobre o grupo Resto do Mundo, pois se trata de um conjunto de países muito heterogêneo, agrupados como forma de controle, para isolar o efeito das regiões de interesse. São eles: África do Sul, Albânia, Arábia Saudita, Argélia, Armênia, Austrália, Azerbaidjão, Bielorússia, Botsuana, Bulgária, Burundi, Casaquistão, Chipre, Costa do Marfim, Croácia, Emirados Árabes Unidos, Etiópia, Fiji, Gâmbia, Hungria, Ilhas Feroe, Israel, Jordânia, Letônia, Líbano, Lituânia, Madagascar, Malaui, Marrocos, Mauritânia, Moçambique, Moldávia, Nova Zelândia, Omã, Polinésia Francesa, Polônia, Quênia, Quirguistão, República Centro-Africana, Romênia, Rússia, São Tomé e Príncipe, Senegal, Tanzânia, Tunísia, Turquia, Ucrânia e Zâmbia.

40 As regressões do primeiro estágio foram omitidas aqui, mas podem ser fornecidas sob demanda.

41 O teste de Hausman tem como base o fato de que a estimação por MQ2E é consistente tanto na presença quanto na ausência de endogeneidade, e a estimação por MQO é consistente apenas na ausência desta. A rejeição da hipótese nula aponta para a endogeneidade da variável analisada, sendo preferível a estimação por MQ2E.

42 Ressalva-se que as dummies temporais aparecem com sinal negativo e se reduzem com o passar dos anos, contrariamente ao esperado, porém, o mesmo se observa em Eichengreen, Rhee e Tong (2007).

43 Somente no grupo de produtos primários o teste de Hausman não foi significativo para rejeitar a hipótese de exogeneidade da variável exportações chinesas, no entanto, pelos testes de Wu-Hausman e Durbin-Wu-Hausman rejeitou-se a hipótese de exogeneidade dessa variável a 1% de significância.

44 A fim de simplificar a visualização foram omitidos os coeficientes estimados das dummies temporais e de região exportadora.

45 Como a Ásia Emergente corresponde ao grupo base, o coeficiente estimado pela coluna “MQ2E” coincide com o coeficiente de inclinação.

46 Os coeficientes das demais variáveis explicativas do modelo aparecem com o sinal esperado e são estatisticamente significativos, mas são omitidos da Tabela 3, já que a regressão da Tabela 3 corresponde à mesma regressão da Tabela 1, com a única diferença de estimar o impacto das exportações chinesas para cada região exportadora.

47 Exceto para Hong Kong e Macau.

48 Na verdade Hong Kong e Macau são os países com o maior impacto negativo, mas por razões já citadas, tais resultados não são interpretados aqui.

49 Idem nota anterior.
1   2   3   4


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal