Incubadora de empreendimentos solidários incubes ufpb – joão pessoa



Baixar 13.14 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho13.14 Kb.


INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS

- INCUBES -

UFPB – JOÃO PESSOA
INCUBADORA POPULAR
As incubadoras de cooperativas populares ou de empreendimentos populares expressam a efetivação da idéia de que a universidade pode contribuir, de forma expressiva, para a organização da sociedade, nesse caso, de setores empobrecidos da sociedade, na perspectiva da promoção de atividades associativas. Uma contribuição à organização das pessoas premidas pelo desemprego, para que possam assumir ocupações no campo do trabalho, apossando-se de mais renda e buscando melhoria em suas condições de vida. Nessa direção é que: “as ITCPs (Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares), resultantes de parcerias entre as universidades e a sociedade civil, certamente têm se colocado como um laboratório vivo e dinâmico para a organização do mundo do trabalho” 1.
A criação de incubadoras com essa visão remonta aos meados da década passada, quando o Programa de Pós-Graduação em Engenharia – COPPE – da Universidade Federal do Rio de Janeiro iniciava uma proposta com essa dimensão, influenciada pelos anseios de melhoria da vida do povo, voltada aos apelos da Campanha do Betinho de combate à Fome e pela Vida. Nesse momento, a Universidade Federal do Ceará criava também a sua incubadora. De forma semelhante e distinta, origina-se na Universidade de São Paulo, uma incubadora pautada pelo estímulo à organização de entidades civis realizadas pelos seus próprios sócios e por eles administradas, contudo, com uma forte presença da necessária visão de ensino e pesquisa. Uma incubadora direcionada pelos marcos gerais dos princípios cooperativistas e atenta ao exercício da extensão universitária como um trabalho social útil, conectada com o ensino e a pesquisa. A busca de uma incubadora, portanto, é a fundação e o exercício de uma série de empreendimentos democráticos voltados, substancialmente, ao exercício da autogestão, como um estilo alternativo de vida.
Hoje, há um crescente movimento de construção de incubadoras populares, em todo o país, tendo como origem, sobretudo, as instituições públicas2. Nesse movimento, aparecem dois blocos de incubadoras com os mesmos princípios de atuação: o primeiro é aquele que teve sua origem e incentivo na UNITRABALHO. O outro vem caracterizando-se como uma organização no estilo de redes – é a Rede de Incubadoras, em nível nacional. Enfim, o que se busca, em ambos os blocos, é a criação e o fortalecimento de instituições da sociedade civil, funcionando em moldes democráticos, cooperados e necessariamente autogestionários. São princípios diferenciadores de todo o cooperativismo institucional existente.
O processo de incubagem é uma iniciativa pioneira em todo o mundo. Também pode ser considerado inovador como projeto de geração de trabalho e renda3. Torna-se um modelo de ação da universidade no combate ao desemprego e à exclusão social, promovendo ações de inserção social, a partir da inserção econômica. É a busca de alternativas a um sistema que sempre foi desfavorável aos trabalhadores. Também não se volta, exclusivamente, ao cooperativismo, mesmo sendo as cooperativas populares uma resposta a uma economia nada promotora de todos os humanos.
Fomentando a criação de cooperativas ou outro tipo de empreendimento solidário, a incubadora colabora para a organização burocrática das mesmas, veiculando princípios inerentes à solidariedade humana, como: receitas revertidas para a própria cooperativa e para os associados; aprendizagem coletiva de que essa população atingida pode administrar bem os seus empreendimentos; estudo permanente das questões do empreendimento; afirmação da autogestão como um caminho social e político para a democracia com a tomada de decisão, rigorosamente, coletiva. Mesmo que convivendo com uma ótica de mercado, esta não é a experiência do mercado dominante. Insere-se em um outro movimento social pela construção de uma economia solidária ou por uma economia popular.
Com sua origem na universidade, a incubação pode não ter, necessariamente, esse ponto de partida4. Na universidade, promove a complementaridade entre ensino, pesquisa e extensão. Em sendo um projeto de extensão universitária, no seu desenvolvimento são promovidas ações de ensino para e com os estudantes e demais interessados nos empreendimentos. Ao impulsionar esta dimensão, torna-se um elo na busca de elementos teóricos para o desenvolvimento da pesquisa, tanto no campo da graduação como na pós-graduação, em seus vários níveis.
Um programa de incubadoras populares é um conjunto que ao criar um empreendimento solidário, não o faz sem respeito à cultura da população, às suas necessidades, tendo como esteio um forte exercício da educação popular. Orienta-se pelos princípios que regem o cooperativismo e a autogestão. Tudo isto, sedimentado num lastro educativo guiado pela dimensão cultural e popular. Popular no sentido de uma metodologia que exercite princípios democráticos frisados, anteriormente, nas relações das pessoas. Portanto, é um programa que procura mudar as relações humanas originárias no mundo concreto da vida, promotor do diálogo como princípio ético fundante dessas relações, permeado pela dimensão do trabalho e da busca por autonomia, igualdade e liberdade, atravessado da utopia realizável de se poder viver melhor e feliz.

1 Proposta de instalação de Programa de Incubação de Cooperativas e Associações Populares pela UFPB. João Pessoa, agosto de 2001 (mimeo).


2 A Incubadora de Cooperativas e Associações Populares da UFPB, hoje INCUBES – Incubadora de Empreendimentos Populares, teve sua proposta de instalação organizada pelos Professores/as: José Brendan Macdonald, da pós-graduação em Educação Popular, Aline Menezes Sá, do curso de economia, Ana Cleide Viana, do curso de economia e Genysson Marques Evangelista, do Campus de Bananeiras, na Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, em agosto de 2001.


3 A promoção desses projetos passam por apoio de organizações que defendem o direito do trabalho e, em conseqüência, da melhoria da renda. Em nível estatal, o Ministério do Trabalho atua com a Secretaria do Emprego. Recentemente, o governo criou a Secretaria de Economia Solidária para alavancar essas experiências.


4 Um programa de Incubadoras Populares pode ter origem no próprio governo (prefeituras), ou mesmo em empresas, avançando para a auto-organização de seus diferenciados setores ou seções.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal