Influência do Árabe na língua portuguesa



Baixar 63.84 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho63.84 Kb.



Influência do Árabe na língua portuguesa


Arielle MOURACADE et Bob ELHAIMEUR

Português N. 3 – Paris -Saint Sébaitien




1.História do Árabe 2

2. História do Português 2

3.Influência do Árabe na língua protuguesa 2

4.Exemplos 4

5.Conclusão 4



  1. História do Árabe


Árabe e uma língua semita, parrente próximo do hebraico e das línguas neo-aramaicas.


O Árabe e falado por mais de 280 milhoes de pessoas como língua materna, a maior parte deles nos oriente-medio e norte da África. Tanbém, O Árabe e a língua litúrgica do islão (islam) que permitia a divulgação do Corão. (ou alcorão : o livro sagrado islamico).
Durante a idade media, o Árabe foi um importante veículo de cultura na Europa especialmente na ciência, matemática , química, física filosofia e sociologia, que egualmente acabou por influenciar naquele continente.

  1. História do Português

Português e uma língua derivada dos dialetos latinos, romanos que resultaram da mistura do latim vulgar falado pelos soldados romanos, colonos, homens de negocios, com os dialetos locais existentes na península iberica à data da sua ocupação.




  1. Influência do Árabe na língua protuguesa

Com a invasão da península ibérica, durante o período Islâmico, (entre o seculo 8 e seculo 15) , o Árabe foi adotado como a língua administrativa e sobretudo quando ela esteve orientada por Córdoba.


No entanto, a população continua a falar os dialetos romanicos. Este conjunto de dialetos é chamado língua moçarabe (um contínuo de dialetos romanicos falados nas áreas da península ibérica dominadas pelos musulmanos).
Em volta de 1000 palavras de origem Árabe pertencem ao léxico da agricultura, comércio e administração.
Apesar dos mais 500 anos que durou a presença Árabe em Portugal essa influência refer-se essencialmente aos substantivos, pelo que não podemos falar de uma influência estrutural ou gramatical.
A grande maioria dos substantivos começa com o artigo definido Al (o ou a), muitas vezes com o l assimilado à consoante inicial do substantivo, concretamente quando esta é uma consoante solar.

No alfabeto Árabe não existem vogais, mas apenas consoantes, e as consoantes dividem-se em consoantes lunares e consoantes solares.

As consoantes lunares não têm influência na pronúncia do l do artigo Al, quando constituem a letra inicial da palavra, como por exemplo em Alferes (o cavaleiro), Almeida (a mesa) ou Alcântara (a ponte), Algarve (o poente) ou Almondêga (bolas do carne). Mas as consoante solares quando colocadas na mesma posição assimilam o l do artigo Al, duplicando o seu valor.

Por exemplo Azeite escreve-se Alzeite em Árabe, mas pronuncia-se Azzeite pelo facto de o z ser uma consoante solar. Daí a origem de termos como Azulejo, Açorda ou Atalaia ou arroz, aduana, açafrão, etc...


Outras formas comuns de inicio de termos de origem Árabe são as palavras que começam po X (Xarope), Xadrez, Xerife...
Outras palavras são caracterizadas pela terminação como as que terminam em i (mufti, sufi), em il (mandil) em im (Alecrim) e as terminadas em efe ou aque (Alacadafe, almanaque).
Mas há também outras palavras sem regras como Berinjela, matraca, Mesquinho, Fulano, Fardo, Javali, Recife, Resma, Refém, Taça, Até, etc ....
Chamamos a atençao para um caso particular de interferência que são usos fraséologicos do árabe que passaram a expressar-se em romance, como : SE DEUS QUISER, QUE DEUS GUARDE, QUE DEUS TE AMPARE e DEUS O TENHA NA SUA GLÓRIA.

Outra influência do Árabe no Português fica em nome


de rios a través a palavra Ode (do Árabe Oued ou Rio), como Odemira, Odeceixe ou Odeleite.
Para finalizar, lembramos que, no Brasil, a emigração designada de árabe, que engloba turcos, sírios e libaneses, nos inícios do século XX, reintroduz no léxico da língua portuguesa designacões para alimentos, hoje comuns, como QUIBE, ESFIRRA, TABULE...
  1. Exemplos

Ler o detalhe no apêndice



  1. Conclusão

Atualmente o número de palavras Árabes na língua portuguesa e diminuto, pois a influência desta língua deu-se exclusivamente nos substantivos, e não na estrutura que permaneceu latina.


Com o declinio da influência muçulmana na península ibérica e especialmenet no Portugal, essa foi ultrapassada por influências francesas, italianas e inglesas, levando ao desaparecimento de muitos desses vocábulos.


Apêndice :


Açafrão: planta bulbosa (do árabe Alzafaran)




Acelga: planta hortense (do árabe Al Silq)




Açoite: instrumento de couro para bater (do árabe Alsauf)

Açúcar: substância doce (do árabe Al Sukkar)




Açude: construção para represar água (do árabe Al Sudd)

Aduana: alfândega (do árabe Aldiwan)







Alambique: aparelho de destilação (do árabe Al Inbiq)




Alarde: vanglória (do árabe Al Ard)







Alaúde: antigo instrumento de cordas e madeira (do árabe Al Úd)

Alcachofra: planta hortense (do árabe Alkursuf)




Alcaçuz: planta leguminosa (do árabe Irq´Alsús)




Alcaguete: alcoviteiro (do árabe Alqawad)




Alcaide: antigo governador, oficial de justiça (do árabe Alqa´id)

Alcaparra: planta hortense (do árabe Alkabbar)




Alcatéia: bando de lobos (do árabe Al Qati)




Alcatrão: produto da destilação da hulha (do árabe Alqatran)

Alcova: pequeno quarto de dormir (do árabe Alqubbaht)

Alcunha: apelido (do árabe Al Kuniaht)







Aldeia: pequeno povoado (do árabe Aldaiah)




Alecrim: arbusto aromático (do árabe Al Iklil)




Alface: planta herbácea (do árabe Alkhass)




Alfaiate: aquele que faz roupas de homens (do árabe Al Khaiatt)

Alfândega: repartição pública onde se cobram impostos por entrada de mercadorias (do árabe Alfunduq)

Alfazema: arbusto odorífero (do árabe Al Kuzama)




Alferes: cavaleiro bem montado, oficial (do árabe Alfaris)

Alforria: liberdade (do árabe Al Hurriiaht)







Algemas: instrumento de ferro com que se prende (do árabe Al Jamiaht)

Algibeira: poço artesiano (do árabe Aljab)




Algodão: penugem vegetal (do árabe Al Qutn)




Alicerce: parte inferior das paredes (do árabe Al Asas)




Almofada: espécie de saco que serve de encosto (do árabe Al Mikaddah)

Almôndega: bolo de carne moída (do árabe Almundaqqah)

Almoxarife: administrador de propriedades (do árabe Al Musarif)

Alqueire: antiga medida de terras (do árabe Al Kail)




Alquimia: química da idade média (do árabe Alkimiiá)




Alvará: documento de licenciamento (do árabe Albarah´aht)

Alvíssaras: prêmio para quem traz boas notícias (do árabe Albisarah)

Âmbar: substância sólida, com cheiro igual ao do almíscar (do árabe Anbar)

Amil: agente fiscal do governo na índia muçulmana (do árabe Amil)

Anil: substância com que se tinge de azul roupas (do árabe Alnil)

Argola: pequeno aro (do árabe Al Gull)







Armazém: depósito de coisas e mantimentos (do árabe Almakzan)

Arraes: aquele que comanda, geralmente embarcações (do árabe Al Rais)

Arroz: planta gramínea, alimento básico (do árabe Al Ruzz)

Assassino: aquele que mata traiçoeiramente (do árabe Kassas)

Ataúde: caixão funerário (do árabe Altabut)




Azeite: óleo que se extrai das azeitonas (do árabe Al Zait)

Azeitona: fruto da oliveira (do árabe Al Zaitun)




Azougue: pessoa esperta (do árabe Al Zawuq)




Azul: uma das cores (do árabe Lazaward, que deu também Lazuli)

Beduíno: árabe que vive no deserto (do árabe Badwiie)




Calibre: diâmetro (do árabe Qalib)







Califa: chefe soberano muçulmano (do árabe Khalifat)




Carmesim: cor vermelha muito viva (do árabe Qirmiziie)

Cartaz: papel grande que contém anúncios (do árabe Qartás)

Chácara: habitação campestre (do árabe Sakaráh)




Chafariz: construção de alvenaria, com várias bicas de água (do árabe Sihrij)

Cuscuz: comida feita de farinha (do árabe Kuskus)




Elixir: preparação de certos xaropes (do árabe Al´iksir)




Enxaqueca: dor forte de cabeça (do árabe Al Saqiqaht)

Enxoval: conjunto de roupas de uma noiva (do árabe Alsuwar)

Escabeche: conserva de vinagre (do árabe Sikbaj)




Espinafre: planta hortense (do árabe Isfanak)




Faquir: jurisconsulto muçulmano (do árabe Faqir )




Fardo: coisas mais ou menos volumosas (do árabe Fard)

Fulano: designação vaga de alguém (do árabe Fulan)




Gazela: animal do gênero dos antílopes (do árabe Gazalah)

Gergelim: planta bignoniácea (do árabe Juljulan)




Gesso: sulfato de cal hidratado (do árabe Jass)




Girafa: grande mamífero (do árabe Zarafaht)




Harém: lugar em que ficavam as concubinas do sultão (do árabe Haram)

Henna: planta da Índia portuguesa (do árabe Hinna)




Jarra: vaso de barro (do árabe Jarrah)







garrafa : do arabe Alghorraf







Javali: porco bravo (do árabe Jabali)







Khan: estação de paradas de caravanas no Oriente (do árabe Kún)

Laca: resina vermelha (do árabe Lakka)







Laranja: fruto da laranjeira (do árabe Naranj)




Limão: fruto do limoeiro (do árabe Laimun)




Malique: governador muçulmano na Índia (do árabe Malik)

Mameluco: soldado da tropa egípcia (do árabe Mamluk)

Marcassita: cristal de pirita de ferro (do árabe Marqassítá)

Matraca: instrumento musical de madeira (do árabe Mitraqat)

Oxalá: designativo de “se deus quiser” (do árabe In:xa:´llah)

Quilate: a maior pureza de pedras preciosas (do árabe Qirat)

Quintal: antiga medida de peso (do árabe Qintar)




Raia miúda: plebe (do árabe Al Ra´iiaht)







Recife: rochedo do mar (do árabe Rasif)







Refém: prisioneiro (do árabe Rahn)







Resma: quinhentas folhas (do árabe Rizmaht)




Rês: cabeça de gado (do árabe Rás)







Sultão: título de imperador entre turcos (do árabe Sultan)

Taça: vaso para beber (do árabe Tás)







Tâmara: fruto da tamareira (do árabe Tamr)




Tamarindo: fruto de árvores leguminosas (do árabe Tamr hindu)

Xadrez: jogo de tabuleiro (do árabe Sitranj)




Xarope: medicamento líquido (do árabe Sarab)




Xerife: título usado por príncipes muçulmanos (do árabe Sharif)

Zênite: ponto na esfera celeste (do árabe Samt).




Mesquinho: o Pobre que precisa coisa (do árabe Mesquine).




·  vocabulário militar, que reflete nomes técnicos de guerra:

ALARDE, ALFERES, ATALAIA, BARBACAN, AÇOUTE, ALJAVA,

ALFANGE, ALAZÃO etc.



        vocabulário relacionado a técnicas e produtos agrícolas:

AZENHA, ALCACHOFRA, ESPINAFRE, ALGARROBA, BERINJELA,

AÇAFRÃO AÇÚCAR, CENOURAS, etc.



        vocabulário relacionado a atividades profissionais:

ALFAJEME, ALFAIATE, ALVEITAR, ALCAIDE, ALMOXARIFE etc.

        vocabulário relacionado ao comércio e à administração: .

TARIFA, ALFÂNDEGA, ALVARÁ, ALUGUEL, ALMOEDA, ARMAZÉM etc

        vocabulário relacionado à vida doméstica:

ALCOVA, JARRA, ALJÓFAR, ALBORNOZ, ALMADRAQUE, ALFINETE,

ALFENIM, ALMÍSCAR, ALMÔNDEGA, XAROPE, ALAÚDE etc.



        vocabulário relacionado a manifestações expressivas:

ALVOROÇO, ALVÍSSARAS etc.

        vocabulário relacionado ao mundo científico:

ALGARISMO, ALGORITMO, CIFRA, ÁLGEBRA, ALQUIMIA, ALAMBIQUE,

ÁLCOOL, ALCATRÃO, ENXOFRE, ZÊNITE etc.



Alguns adjetivos como:

GARRIDO, MESQUINHO, ASSASSINO, BALDIO, AZUL, ANIL, CARMESIM

etc.; a interjeição OXALÁ, forma fossilizada da expressão “queira Deus” e indefinidos

lexicalizados como FULANO, “literalmente fulan ibn man kan (‘um tal filho de quem’),

generalizada através de notários mulçumanos e moçárabes”






/


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal