Influências Fisiológicas sobre a Psicologia o papel do Observador Humano



Baixar 75.07 Kb.
Encontro20.07.2016
Tamanho75.07 Kb.
3

Influências Fisiológicas sobre a Psicologia

O Papel do Observador Humano

Ernst Weber (1795-1878) O Limiar de Dois Pontos A Diferença apenas Perceptível

Gustav Theodor Fechner (1801-1887) A Vida de Fechner

O Relacionamento Quantitativo entre Mente e Corpo

Os Métodos da Psicofisica

Tudo começou com uma diferença de cinco décimos de segundo nas observações feitas por dois astrônomos. Era o ano de 1795. O astrônomo real da Inglaterra, Nevil Maskelyne percebeu que as observações feitas pelo seu assistente do tempo que uma estrela levava pan passar de um ponto a outro sempre registravam um intervalo menor do que as suas. Maskelyn4 advertiu o homem por seus repetidos erros e o alertou para que fosse mais cuidadoso. ( assistente tentou, mas as diferenças persistiram. Com o passar do tempo, elas aumentaram e cinco meses mais tarde, suas observações apresentavam uma diferença de oito décimos d segundo com relação à do astrônomo real. Por isso, o assistente foi dispensado e passou pai o apinhado local conhecido como a obscuridade.

Nos vinte anos seguintes, o incidente foi ignorado até ser investigado por Friedri Wilhelm Bessel, astrônomo alemão há muito interessado por erros de medida. Ele suspeit que os erros cometidos pelo assistente de Maskelyne fossem causados por diferenças indi duais, por fatores pessoais sobre as quais não se tem controle. Se essa suposição estives correta, raciocinou Bessel, as variações de observação seriam comuns na experiência de tod os astrônomos. Ele testou sua hipótese e descobriu que ela estava correta. Os desacordos eu corriqueiros, mesmo entre os astrônomos mais experientes.

Essa descoberta é importante por ter apontado para duas conclusões inexoráveis. 1

O Papel do Observador Humano

Priineims Avanços da Fisiologia

Os Primórdios da Psicologia Experimental Por que a Alemanha?

Hennann von Helmholtz (1821-1894) A Vida de Helmholtz

Problemas da Psicologia Sensorial

A Fundação Formal da Nova Ciência da Psicologia

56

primeiro lugar, que a astronomia teria de levar em conta a natureza do observador humano, porque suas características pessoais podiam influenciar as observações relatadas. Em segundo, se o papel do observador humano tinha de ser considerado na astronomia, por certo seria necessário levá-lo em conta em todas as outras ciências que se apoiassem na observação.



Filósofos como Locke e Berkeley discutiram a natureza subjetiva da percepção, afírman do que nem sempre há, ou nem sequer é freqüente haver, uma correspondência exata entre a natureza de um objeto e a percepção que uma pessoa tem dele. Com a obra de Bessel, temos dados de uma ciência rigorosa, a astronomia, para ilustrar essa mesma opinião.

Como conseqüência, esse evento obrigou a comunidade científica a focalizar o papel do observador humano e a natureza da observação para entender devidamente os resultados dos seus experiinentos e as conclusões que tiravam sobre a natureza do mundo físico. Os cientistas passaram a investigar os processos psicológicos da sensação e da percepção estudando os órgãos dos sentidos e os mecanismos fisiológicos mediante os quais recebemos informações acerca do mundo. Assim que os primeiros fisiologistas começaram a estudar a sensação, a psicologia estava a um passo curto e inevitável do seu surgimento.

Primeiros Avanços da Fisiologia

A pesquisa fisiológica que estimulou e orientou diretamente a nova psicologia foi um

produto do final do século XIX. Como ocorre com todos os empreendimentos, ela teve seus

antecedentes, e é instrutivo considerar esses primeiros trabalhos.

A fisiologia tornou-se uma disciplina de orientação experimental na década de 1830, principalmente sob a influência do fisiologista alemão Johannes Müller (1801-1858), que defendeu a aplicação do método experimental à fisiologia. Müller tinha a prestigiosa posição de professor de anatomia e fisiologia na Universidade de Berlim, sendo um cientista fenome nalmente produtivo: publicava, em média, um artigo acadêmico a cada sete semanas, ritmo que manteve por trinta e oito anos. Uma de suas publicações mais influentes foi o Handbuch der Physiologie des Menschen (Manual de Fisiologia Humana), que resumiu a pesquisa fisiológica do período e sistematizou um vasto corpo de conhecimentos. Volumes do Handbuch publica dos entre 1833 e 1840 citavam muitos trabalhos novos, indicando a enorme expansão da pesquisa em fisiologia experimental. A necessidade de uma obra como essa refletiu-se na rápida tradução para o inglês do primeiro volume, em 1838, e do segundo, em 1842.

Müller também é importante para a fisiologia e para a psicologia por causa de sua teoria das energias específicas dos nervos. Ele propôs que a excitação ou estimulação de um dado nervo sempre produz uma sensação característica, já que cada nervo sensorial tem sua própria energia específica. Essa idéia levou a muitas pesquisas que buscavam localizar funções no sistema nervoso e delimitar mecanismos receptores sensoriais na periferia do organismo.

Vários dos primeiros fisiologistas deram substanciais contribuições ao estudo das fun ções cerebrais. Seu trabalho é significativo para a psicologia por causa de suas descobertas de áreas especializadas do cérebro e por haverem desenvolvido métodos de pesquisa mais tarde amplamente usados pela psicologia fisiológica.

Um pioneiro na investigação do comportamento reflexo foi Marshall Hall (1790-1857), um médico escocês que trabalhava em Londres. Hall observou que animais decapitados continuavam a se movimentar por algum tempo quando submetidos a formas apropriadas de estímulo. Ele concluiu que os vários níveis de comportamento dependem de partes distintas do cérebro e do sistema nervoso. Hall postulou especificamente que o movimento voluntário depende do cérebro; o movimento reflexo, da medula espinhal; o movimento involuntário, do estímulo direto da musculatura, e o movimento respiratório, da medula.

57

Pierre Flourens (1794-1867), professor de história natural do Coilêge de France, em Paris, destruiu sistematicamente várias partes do cérebro e da medula espinhal e observou as conseqüências, concluindo que o cérebro controla os processos mentais superiores; partes do mesencéfalo controlam os reflexos visuais e auditivos; o cerebelo controla a coordenação, e o bulbo raquidiano controla as batidas do coração, a respiração e outras funções vitais.



Embora ainda sejam válidas de modo geral, as descobertas de Hall e Flourens têm, para nossos propósitos, importância secundária diante da introdução por esses pesquisadores do método de extirpa ção. Nessa técnica, o pesquisador tenta determinar a função de uma dada parte do cérebro removendo-a ou destruindo-a e observando as modificações resultantes no comportamento do animal.

Na metade do século XIX houve a introdução de duas abordagens experimentais para o estudo do cérebro: o método clínico e o uso de estímulos elétricos. O método clínico foi desenvolvido em 1861 por Paul Broca (1824-1880), cirurgião de um hospício perto de Paris. Ele fez a autópsia de um homem que durante muitos anos fora incapaz de falar inteligivelmente. O. exame revelou uma lesão na terceira convolução frontal do córtex cerebral. Broca denominou essa seção do cérebro centro da fala, mais tarde chamada, apropriadamente, área de Broca. O método clínico é um útil suplemento da extirpação, visto ser dificil conseguir sujeitos humanos que aceitem a extirpação de partes do seu cérebro. Como uma espécie de extirpação póstuma, esse método oferece a oportunidade de examinar a área danificada do cérebro, a área que se supõe ser responsável por uma condição comportamental existente antes da morte do paciente.

O uso de estímulos elétricos para estudar o cérebro foi introdu por Gustav Fritsch e Eduard Hitzig em 1870, e consiste em explorar o córtex cerebral com correntes elétricas fracas. Os dois pesquisadores descobriram que a estimulação de certas áreas corticais produzia respostas motoras. Com o desenvolvimento de equipamentos eletrônicos mais sofisticados e precisos, esse método tomou-se, provavelmente, a técnica mais produtiva no estudo de funções cerebrais.

Os físiologistas estavam aprendendo muito sobre a estrutura e o funcionamento do cérebro humano. Além disso, estavam sendo realizadas inúmeras pesquisas acerca da estrutura do sistema nervoso e da natureza da atividade neural. Como observamos, havia duas teorias anteriores sobre o modo de transmissão da atividade nervosa no corpo: a teoria dos tubos nervosos adotada por Descartes e a teoria das vibrações de Hartley.

Perto do final do século XVIII, o pesquisador italiano Luigi Galvani (1737-1798) sugerira que a natureza dos impulsos nervosos era elétrica e seu sobrinho, Giovanni Aldini, deu prosse guimento às suas pesquisas. Aldini “misturava a pesquisa séria com o exibicionismo. Uma dai mais tenebrosas exibições de Aldini, destinada a enfatizar a eficácia da estimulação elétrica n obtenção de movimentos musculares espasmódicos, envolveu o uso das cabeças recém-cortada de dois criminosos” (Boakes, 1984, p. 96). As pesquisas prosseguiram com tanta rapidez e cor resultados tão convincentes que, na metade do século XIX, a natureza elétrica dos impulsc nervosos já era aceita como fato. Acreditava-se que o sistema nervoso era essencialmente ui condutor de impulsos elétricos e que o sistema nervoso central funcionava como uma estaçí distribuidora, enviando os impulsos para as fibras nervosas sensoriais ou motoras.

Embora essa posição fosse um avanço diante das teorias de Descartes e de Hartley, e termos conceituais não havia muita diferença entre elas. Tanto o ponto de vista novo como antigos tinham natureza reflexa. Todos sugeriam que alguma coisa vinda do mundo exteti (um estímulo) entrava em contato com um órgão dos sentidos e excitava um impulso nervc que ia até o lugar apropriado no cérebro ou no sistema nervoso central. Ali, em resposta impulso, era gerado um novo impulso, transmitido, através dos nervos motores, para produ alguma resposta da parte do organismo.

No decorrer do século XIX, a estrutura anatômica do sistema nervoso também est

58

sendo definida. Veio-se a compreender que as fibras nervosas se compunham, na realidade, de estruturas separadas chamadas neurônios, que de alguma maneira se uniam ou entravam em contato em pontos denominados sinapses. Essas descobertas eram compatíveis com uma imagem mecanicista e materialista dos seres humanos. Pensava-se que o sistema nervoso, assim como a mente, era formado por estruturas atomísticas que se combinavam para gerar o produto mais complexo.



Assim, o espírito do mecanismo dominava tanto a fisiologia como a filosofia do século XIX. Em nenhum lugar isso era mais pronunciado do que na Alemanha. Na década de 1840, um grupo de cientistas, muitos deles ex-alunos de Johannes Müiler, formou a Sociedade Física de Berlim. Esses cientistas, jovens na casa dos vinte anos, se comprometeram com a seguinte proposição: todos os fenômenos, incluindo os pertinentes à matéria viva, podem ser explicados em termos físicos. O que eles esperavam fazer era relacionar ou ligar a fisiologia e a física. Seu objetivo era uma fisiologia que seguisse o espírito do mecanismo. Num gesto dramático, quatro dos jovens cientistas (incluindo Hermann von Helniholtz, a quem vamos conhecer logo) fizeram um juramento solene, assinando-o com o próprio sangue — de acordo com a lenda. O juramento afirmava que as únicas forças ativas no organismo são as forças físico-químicas comuns. E assim foram encontrados os caminhos para formar o núcleo da fisiologia do século XIX: o materialismo, o mecanicismo, o empirismo, a experimentação e a medição.

Os primeiros desenvolvimentos da fisiologia indicam os tipos de técnicas de pesquisa e as descobertas que sustentavam uma abordagem científica da investigação psicológica da mente. Como sugerimos, a direção da pesquisa fisiológica influenciou a psicologia recém surgida. A questão principal é que, enquanto os filósofos preparavam o caminho para uma abordagem experimental da mente, os fisiologistas investigavam experimentalmente os meca nismos fisiológicos que estão na base dos fenômenos mentais, O próximo passo era aplicar o método experimental à própria mente.

Os empiristas britânicos tinham afirmado que a sensação é a única fonte do conhecimen to, O astrônomo Bessel tinha demonstrado a importância da sensação e da percepção na ciência. Os fisiologistas estavam definindo a estrutura e a função dos sentidos. Tinha chegado o momento de fazer experimentos e quantificar esse acesso para a mente, a vivência subjetiva e mentalista da sensação. Havia técnicas para investigar o corpo; a partir de então essas técnicas são desenvolvidas para explorar a mente. A psicologia experimental estava pronta para começar.

Os Primórdios da

Psicologia Experimental

Quatro cientistas são responsáveis diretos pelas primeiras aplicações do método experi mental ao objeto de estudo da psicologia: Hermann von Helmholtz, Ernst Weber, Gustav Theodor Fechner e Wilhelm Wundt. Os quatro eram alemães, conheciam fisiologia e estavam a par dos impressionantes desenvolvimentos da fisiologia e da ciência havidos na metade do século XIX.

Por que a Alemanha?

O pensamento científico progredia na maioria dos países da Europa Ocidental no século XIX, especialmente na Inglaterra, na França e na Alemanha. Nenhum país monopolizava o entusiasmo, a determinação ou o otimismo com que os instrumentos da ciência eram encarados e usados. Por que, então, a psicologia experimental começou na Alemanha, e não na Inglaterra

59

ou na França? Havia alguma característica peculiar que fazia da ciência alemã um terreno mais propício à fecundação da nova psicologia?



Embora as generalizações sejam suspeitas e se encontrem freqüentes exceções à regra, é possível sugerir que a época favoreceu a Alemanha como lugar de origem da nova psicologia. Durante um século, a história intelectual alemã preparara o caminho para uma ciência psico lógica experimental. Ali, a fisiologia experimental estava firmemente estabelecida e era reco nhecida num grau ainda não alcançado na França e na Inglaterra. O chamado temperamento alemão ajustava-se bem à descrição e classificação taxonômicas, cuidadosas e minuciosas, e necessárias ao trabalho em biologia, zoologia e fisiologia. A abordagem dedutiva e matemática da ciência era privilegiada na França e na Inglaterra, enquanto a Alemanha, com a sua ênfase na coleta conscienciosa e detalhada de fatos observáveis, tinha adotado uma abordagem classificatória ou indutiva.

Como a ciência biológica e fisiológica não se presta a grandes generalizações a partir das quais os fatos possam ser deduzidos, a biologia só foi aceita muito lentamente nas comunida des científicas da Inglaterra e da França. A Alemanha, no entanto, que se interessava pela descrição e pela categorização e acreditava nesses métodos, acolheu a biologia na sua família de ciências.

Além disso, a ciência tinha para os alemães uma acepção bem ampla. Na França e na Inglaterra, a ciência era algo limitado à física e à química, que podiam ser abordadas quanti tativamente. Na Alemanha, em contrapartida, a ciência incluía áreas como fonética, lingüística, história, arqueologia, estética, lógica e crítica literária. Os estudiosos franceses e ingleses eram cétjcos quanto à aplicação da ciência a algo tão complexo como a mente humana. Isso não ocorria com os alemães, que partiram bem à frente, sem a restrição dos preconceitos, usando o instrumental da ciência para examinar e medir as facetas da vida mental.

A Alemanha também oferecia maiores oportunidades de aprendizagem e prática das novas técnicas científicas — e, nisso, vemos a influência do fator contextual das condições econômicas vigentes. Por causa de sua situação política, a Alemanha tinha um grande número de universidades. Antes de 1870, ano em que a Alemanha se tornou uma nação unificada com um governo central, o país consistia em uma frouxa confederação de reis, ducados e cidades- Estado autônomos. Cada um desses distritos ou províncias tinha estabelecido sua própria bem- financiada universidade. Cada uma delas tinha um corpo docente extremamente bem pago e os mais avançados equipamentos científicos de laboratório.

Em contraste, a Inglaterra contava, na época, com apenas duas universidades, Oxford e

Cambridge, e nenhuma facilitava, encorajava ou apoiava a pesquisa científica em qualquer

disciplina. Na realidade, elas se opunham ao acréscimo de novos campos de estudo ao

currículo. Em 1877, Cambridge vetou um pedido de ensino de psicologia experimental, porque

isso iria “insultar a religião ao pôr a alma humana num par de pratos de balança” (Hearnshaw,

1987, p. 125). A psicologia experimental só seria ensinada em Cambridge vinte anos depois,

e só foi oferecida em Oxford em 1936. A única maneira de praticar ciência na Inglaterra era

ser um cavalheiro-cientista, com renda própria, como Charles Darwin ou Francis Galton (ver

o Capitulo 6). A situação era semelhante na França e, nos Estados Unidos, só em 1876 passou

a haver universidades dedicadas à pesquisa, com a fundação da Universidade Johns Hopkins

em Baltimore, Maryland.

Logo, havia mais oportunidades de pesquisa científica na Alemanha do que em qualquer

outro lugar. Em termos pragmáticos, era possível viver como cientista pesquisador na Alema nha, mas não na França, na Inglaterra ou nos Estados Unidos.

No início do século XIX, uma onda de reformas educacionais varreu as universidadei

alemãs. Desenvolvia-se um novo tipo de instituição, desconhecido em outros lugares e voltadc

60

para os princípios da liberdade acadêmica e da pesquisa, envolvendo professores e alunos. Os membros do corpo docente podiam ensinar o que quisessem, sem interferência exterior, e pesquisar o que preferissem. Os alunos podiam escolher os cursos e não tinham um currículo rígido como estorvo. Essa liberdade também se estendia à consideração de novas ciências como a psicologia.



Esse sentido de universidade propiciava o ambiente ideal para o florescimento da inves tigação científica. Os professores podiam não só fazer palestras, mas também orientar alunos em pesquisas experimentais, em laboratórios bem equipados. Em nenhum outro pais uma tal abordagem científica era promovida nessa época.

O clima de reforma nas universidades germânicas também encorajou o seu desenvolvi mento, o que se traduzia na oferta de mais cargos aos interessados em carreiras científicas acadêmicas. As oportunidades de alguém se tornar um professor bem pago e respeitado eram bem maiores na Alemanha, embora permanecesse difícil chegar ao topo. O cientista universi tário promissor tinha de produzir pesquisas, julgadas relevantes por especialistas no campo, pesquisas que iam além da dissertação típica de doutorado. Isso significou que a maioria das pessoas aceitas para docência universitária eram profissionais extremamente capazes. Quando esses cientistas ingressavam na comunidade universitária, era imensa a pressão feita sobre eles para que dessem contribuições ainda maiores.

Embora a competição fosse intensa e as exigências grandes, o ganho que se obtinha compensava em muito o esforço. Somente os melhores tinham sucesso na ciência alemã do século XIX; o resultado foi uma série de grandes avanços em todas as ciências, incluindo a nova psicologia. Não foi uma coincidência o fato de as pessoas diretamente responsáveis pelo surgimento da psicologia científica serem professores universitários alemães.

Hermann von Heimholtz (1821 -1894)

Helmholtz, prolífico pesquisador no campo da física e da fisiologia, foi um dos maiores cientistas do século XIX. A psicologia estava em terceiro lugar entre as áreas de suas contri buições científicas; contudo, o seu trabalho, ao lado do de Fechner e Wundt, foi decisivo para a fundação da nova psicologia.

A Vida de Helmholtz

Nascido em Potsdain, Alemanha, onde seu pai era professor no Gymnasiwn (na Europa, um liceu preparatório para a universidade), Helniholtz de início foi educado em casa por causa de sua saúde delicada. Aos dezessete anos, ingressou num instituto médico de Berlim em que não se cobravam anuidades de quem se dispusesse a ser cirurgião do exército depois da graduação. Helmholtz serviu por sete anos, período durante o qual prosseguiu com seus estudos de matemática e física e publicou vários artigos. Apresentou uma tese sobre a indes trutibilidade da energia, na qual formulou matematicamente a lei da conservação da energia. Quando deixou o exército, aceitou o cargo de professor-associado de fisiologia da Universida de de Knigsberg. Nos trinta anos seguintes, exerceu funções acadêmicas no campo da fisiologia em universidades de Bonn e Heidelberg e, no da física, em Berlim.

Dotado de uma tremenda energia, Helmholtz escrevia acerca de várias áreas diferentes. No curso de seu trabalho sobre a óptica fisiológica, inventou o oftalmoscópio, um aparelho para examinar a retina do olho. Seu trabalho em três volumes nessa área (Handbuch der Physiologischen Optik — Manual de Óptica Fisiolágica), publicado entre 1856 e 1866, foi tão influente e duradouro que veio a ser traduzido para o inglês sessenta anos mais tarde. Publicou

61

suas pesquisas sobre problemas acústicos em 1863, na obra Sobre as Sensações Tonais, que resumia suas próprias descobertas e toda a literatura disponível na época. Ele também publicou obras sobre tópicos tão diversos quanto as pós-imagens, a acromatopsia, a escala musical arábico-persa, os movimentos oculares humanos, a formação de geleiras, axiomas geométricos e a febre do feno. Anos mais tarde, contribuiu indiretamente para a invenção da telegrafia sem fio e do rádio.



No outono de 1893, quando retornava de uma viagem aos Estados Unidos que incluira uma visita à Exposição Mundial de Chicago, Helinholtz sofreu uma grave queda no navio. Menos de um ano depois, teve um derrame que o deixou semiconsciente e delirante. “Seus pensamentos vagavam confusamente”, escreveu sua esposa, “a vida real e a vida onírica, o tempo e as cenas, tudo flutuava como névoa em seu cérebro — na maior parte do tempo, ele não sabia onde estava... É como se a sua alma estivesse longe, bem distante, num belo mundo ideal, dominado apenas pela ciência e pelas leis eternas” (Koenigsberger, 1965, p. 429).

Problemas da Psicologia Sensorial

Têm interesse para a psicologia as pesquisas de Helmholtz sobre a velocidade do impulso nervoso, e sobre a visão e a audição. Antes de sua época, pensava-se que o impulso nervoso fosse instantâneo, ou ao menos que viajasse rápido demais para ser medido. Helmholtz forneceu a primeira medida empírica da velocidade de condução ao estimular o nervo motor e o músculo correspondente da perna de uma rã, num experimento feito de modo a ser possível registrar o momento preciso da estimulação e o movimento resultante. Trabalhando com diferentes comprimentos de nervos, ele registrou o intervalo entre a estimulação do nervo próximo ao músculo e a resposta deste último, fazendo o mesmo para a estimulação mais afastada do músculo. Essas medidas lhe deram o tempo requerido para a condução, a modesta velocidade de vinte e sete centímetros por segundo.

Helmholtz também realizou experimentos sobre os tempos de reação dos nervos senso- riais de sujeitos humanos, estudando o circuito completo, desde a estimulação de um órgão dos sentidos até a resposta motora resultante. As descobertas revelaram tamanhas diferenças entre os sujeitos, e para o mesmo sujeito em várias experiências, que ele abandonou a pesquisa.

A demonstração de Helmholtz de que a velocidade de condução não era instantânea sugeriu que o pensamento e o movimento se seguem um ao outro com um intervalo mensurá vel, em vez de ocorrerem simultaneamente, como antes se pensava. Helmholtz, no entanto, só se interessava pela medida, e não pelo seu significado psicológico. Mais tarde, as implicações psicológicas de sua pesquisa foram reconhecidas por outros, que tornaram os experimentos com o tempo de reação uma proveitosa linha de investigações na nova psicologia. Sua pesquisa foi uma das primeiras indicações de que era possível fazer experimentos com um processo psicofisiológico e medi-lo.

Seu trabalho sobre a visão também teve influência sobre a psicologia. Ele investigou os músculos oculares externos e o mecanismo mediante o qual os músculos oculares internos fazem a acomodação do cristalino. Além disso, ampliou uma teoria da visão cromática, publicada em 1802 por Thomas Young; essa teoria hoje é conhecida como teoria Young-Helmholtz.

Não menos importante é a investigação de Helmholtz sobre a audição, isto é, a percepção de tons combinados e individuais, e a natureza da harmonia e da dissonância. Ele também formulou uma teoria da ressonância auditiva. A influência duradoura da sua obra acerca da visão e da audição é evidenciada por sua inclusão em modernos manuais de psicologia.

Helniholtz não era psicólogo, nem tinha a psicologia como seu principal interesse, mas

contribuiu com um amplo e importante acervo de conhecimentos para a psicologia sensorial,

63

ajudando a fortalecer a abordagem experimental do estudo de problemas psicológicos. Ele considerava a psicologia uma disciplina independente, afim com a metafísica. A psicologia dos sentidos era para ele uma exceção por causa de sua ligação com a fisiologia. Helmholtz não estava voltado para o estabelecimento da psicologia como ciência independente, mas foi tão ampla a sua influência que ele merece ser incluido entre os que deram uma contribuição direta nesse sentido.



Ernst Weber (1 795-1878)

Ernst Weber, filho de um professor de teologia, nasceu em Wittenberg, Alemanha. Recebeu o seu doutorado na Universidade de Leipzig em 1815, onde também lecionou anato mia e fisiologia de 1817 até a sua aposentadoria, em 1871. Seu principal interesse de pesquisa foi a fisiologia dos órgãos sensoriais, área em que deu notáveis e duradouras contribuições.

As pesquisas anteriores sobre os órgãos sensoriais tinham se limitado quase exclusiva- mente aos sentidos superiores da visão e da audição. O trabalho de Weber consistiu sobretudo em explorar novos campos, principalmente as sensações cutâneas e musculares. Ele merece um destaque especial por ter aplicado os métodos experimentais da fisiologia a problemas de natureza psicológica. Suas principais contribuições à psicologia são o seu trabalho sobre o limiar de dois pontos de discriminação da pele e a diferença apenas perceptível detectada pelos músculos. Seus experimentos sobre o tato marcaram uma mudança fundamental no status do objeto de estudo da psicologia. Os vínculos com a filosofia foram, se não cortados, ao menos bastante enfraquecidos. Weber uniu a psicologia às ciências naturais e ajudou a abrir caminho para o uso da pesquisa experimental no estudo da mente.

O Limiar de Dois Pontos

Uma das duas grandes contribuições de Weber à nova psicologia envolveu sua determi nação experimental da precisão com que ocorre a discriminação de dois pontos da pele — a distância entre dois pontos necessária para que o indivíduo possa relatar que teve duas sensações distintas. Sem olhar o aparelho, que se assemelha a um compasso para desenho, os sujeitos são solicitados a contar se sentem um ou dois pontos da pele sendo tocados. Quandc os dois pontos estão próximos um do outro, os sujeitos relatam uma clara sensação de que sc um ponto foi tocado. Com o aumento da distância entre as duas fontes de estímulo, eles s mostram incertos sobre se sentem uma ou duas sensações. Por fim, é alcançada uma distânci:

em que os sujeitos relatam dois pontos diferentes de estimulação.

Esse procedimento demonstra o limiar de dois pontos, o limiar no qual os dois pontc de estimulação podem ser distinguidos como tais. A pesquisa de Weber assinala a primeil demonstração experimental sistemática do conceito de limiar — o ponto no qual um efeil psicológico começa a ser produzido — sendo uma idéia amplamente usada desde o início

psicologia até hoje.*

Em outras pesquisas, Weber demonstrou que esse limiar de dois pontos varia em dii rentes partes do corpo do mesmo sujeito, e de um sujeito para o outro na mesma parte

corpo. Embora sua tentativa de explicar essas descobertas através da hipótese de círcul sensoriais (áreas em que a duplicidade não é percebida) já não tenha muita importância, a técnica experimental permanece significativa.

* Anos antes, no próprio século Xix, o filósofo e educador alemão Johann Friedrich Herbart discutiu o con de limiar, tendo-o aplicado à consciência. Ele propós um ponto no qual idéias inconscientes se transformam em i

conscientes (ver o Capitulo 13).

64

A Diferença Apenas Perceptível



A segunda grande contribuição de Weber terminou por levar à formulação da primeira lei quantitativa da psicologia. Weber desejava determinar a diferença apenas perceptível, isto é, a menor diferença entre pesos que podia ser detectada. Para fazê-lo, pedia a seus sujeitos que levantassem dois pesos, um peso-padrão e um peso de comparação, e relatassem se um parecia mais pesado do que o outro. Pequenas diferenças entre os pesos resultavam em julgamentos de identidade; grandes diferenças, em julgamentos de disparidade. No decorrer da pesquisa, Weber descobriu que a diferença apenas perceptível entre dois pesos é uma razão constante, 1:40, do peso-padrão. Em outras palavras, um peso de 41 gramas era descrito como apenas perceptivelmente diferente de um peso-padrão de 40 gramas, o mesmo ocorrendo com um peso de 82 gramas com relação a um peso-padrão de 80 gramas.

Weber passou então a investigar a contribuição das sensações musculares na discrimina ção entre pesos. Ele descobriu que os sujeitos podiam discriminar com muito maior precisão quando os pesos a ser avaliados eram levantados por eles mesmos do que quando eram colocados em suas mãos pelo pesquisador. O levantamento dos pesos envolvia sensações táteis e musculares, enquanto a colocação dos pesos só provocava sensações táteis. Como era possível discriminar diferenças menores entre os pesos quando estes eram levantados (à razão de 1:40, como foi observado) do que quando eram colocados na mão (uma razão de 1:30), Weber concluiu que as sensações musculares internas tinham influência direta sobre a capaci dade de discriminação.

A partir dessas experiências, Weber descobriu que a discriminação parece depender não da diferença absoluta entre dois pesos, mas de sua diferença relativa ou razão. Realizou experimentos envolvendo a discriminação visual e descobriu que a razão era menor do que nas experiências com o sentido muscular. Com base nisso, sugeriu que há uma fração constante, ou razão, para a diferença apenas perceptível entre dois estímulos, em cada um dos sentidos.

As investigações de Weber mostraram que não há uma correspondência direta entre um estímulo físico e a nossa percepção dele. Tal como Helmholtz, contudo, Weber preocupava-se com processos fisiológicos e não avaliou a significação do seu trabalho para a psicologia. O que a sua pesquisa revelou foi um modo de investigar o relacionamento entre corpo e mente, entre o estímulo e a sensação resultante. Isso representou, com efeito, um grande avanço, e só faltava que alguém percebesse o seu significado.

O trabalho de Weber foi experimental no sentido mais estrito do termo. Em condições bem controladas, ele introduzia sistematicamente variações nos estímulos e registrava os efeitos diferenciais na experiência que cada sujeito relatava. Seus experimentos estimularam muitas pesquisas subseqüentes, servindo para focalizar a atenção de fisiologistas ulteriotes na validade e importância do experimento como meio de estudo de fenômenos psicológicos. As pesquisas de Weber na medição de limiares viriam a ter fundamental importância para a nova psicologia, e sua demonstração de que as sensações podem ser medidas influenciou virtual mente todos os aspectos da psicologia até os nossos dias.

Gustav Theodor Fechner (1801-1887)

Fechner foi um pensador de interesses intelectuais notavelmente diversos no decorrer d uma ativa carreira de mais de setenta anos. Foi fisiologista por sete anos, físico durante quinz psicofísico por catorze, esteticista experimental durante onze, filósofo por quarenta — e lido por doze. Dentre esses empreendimentos, a obra de psicofísica foi a que lhe conferi maior fama, embora ele não quisesse ser lembrado pela posteridade como tal.

66

A Vida de Fechner



Fechner nasceu numa aldeia do sudeste da Alemanha onde seu pai era o ministro. Iniciou

os estudos médicos na Universidade de Leipzig em 1817, onde assistiu a palestras de Weber

sobre a fisiologia. Fechner permaneceu em Leipzig o resto da vida.

Mesmo antes de graduar-se na escola de medicina, seu lado humanístico revelou sinais de rebelião contra o materialismo vigente em seu treinarnento científico. Com o pseudônimo de “Dr. Mises”, escreveu ensaios satíricos zombando da medicina e da ciência, o que continuou a fazer por vinte e cinco anos. Isso sugere um conflito persistente entre os dois lados de sua personalidade — o amor pela ciência e o interesse pela metafísica. Seu primeiro ensaio satírico, “Prova de que a Lua é Feita de Iodo”, atacava o hábito médico de usar o iodo como panacéia. Fechner estava claramente incomodado com a abordagem materialista e esforçava- se por estabelecer o que denominou sua “visão diurna” — a de que o universo pode ser considerado da perspectiva da consciência — oposta à “visão noturna” — a de que o universo, incluindo a consciência, consiste em matéria inerte.

Completados os estudos médicos, Fechner iniciou em Leipzig uma segunda carreira em física e matemática. Nesse período, traduziu manuais de física e química do francês para o alemão. Por volta de 1830, tinha traduzido mais de doze volumes, e essa atividade lhe deu algum reconhecimento como físico. Em 1824, começou a dar aulas de física na universidade e a fazer pesquisas por conta própria. Já perto de 1840, passou a se interessar pela sensação e, ao fazer pesquisas sobre as pós-imagens visuais, provocou sérias lesões nos olhos ao observar o sol com óculos de cor.

Em 1833, depois de muitos anos de árduo trabalho, Fechner conseguiu a prestigiosa nomeação de professor em Leipzig. Depois disso, caiu numa depressão que durou vários anos. Tinha dificuldades para dormir, não conseguia digerir alimentos (no entanto, não tinha fome, e o seu corpo estava quase em estado de inanição) e era extraordinariamente sensível à luz. Passava a maior parte do tempo numa sala escura, com paredes pintadas de preto, ouvindo o que sua mãe lia para ele por uma estreita abertura da porta. Queixava-se de exaustão crônica e, por algum tempo, perdeu todo o interesse pela vida.

Tentou caminhar — a princípio apenas à noite, quando estava escuro, e depois à luz do dia, com os olhos vendados —, esperando combater o tédio e a depressão. Como forma de catarse, compôs alguns enigmas e poemas, incluindo um denominado “Céu de Rato”. Tam bém experimentou urna variedade de terapias medicamentosas, entre as quais laxantes, choque elétrico, tratamentos com vapor e uma espécie de terapia de choque que envolvia a aplicação de substâncias escaldantes à pele — mas nada pôde curá-lo.

A doença de Fechner pode ter tido natureza neurótica, hipótese sustentada pela maneira estranha como depois conseguiu a cura. Sua recuperação começou quando uma amiga sonhou que fizera para ele um prato condimentado à base de presunto cru, com molho de vinho do Reno e suco de limão. No dia seguinte, ela preparou a iguaria e a levou a Fechner, insistindo pata que ele comesse. Ele o fez, embora com relutância, e começou a comer quantidades cada vez maiores a cada dia, o que o fez sentir-se um tanto melhor.

Sua melhora, no entanto, durou pouco. Cerca de seis meses depois, os sintomas pioraram a ponto de ele temer pela própria sanidade. “Eu tinha a clara sensação”, escreveu ele, “de que a minha mente estaria irremediavelmente perdida se eu não conseguisse conter o dilúvio de pensamentos perturbadores. Com freqüência, os assuntos mais triviais me incomodavam de tal maneira que eu muitas vezes precisava de horas, e até de dias, para me livrar dessas preocupações” (Kuntze, 1892, citado em Balance e Bringmann, 1987, p. 42).

Fechner obrigou-se a manter-se ocupado em tarefas mecânicas e rotineiras como forma

67

de terapia ocupacional, mas limitava-se a atividades que não forçassem sua mente ou seus olhos. “Eu fazia fios e bandagens”, ele escreveu, “tingia velas de sebo... enrolava fios e ajudava na cozinha, escolhendo [ lavando lentilhas, fazendo cubinhos de torrada e esmagan do o pão de açúcar até conseguir açúcar em pó. Eu também descascava e cortava cenouras e nabos... mil vezes desejei morrer” (Kuntze, 1892, citado em Balance e Bringmann, 1987, p. 43).



Aos poucos, muito lentamente, Fecimer voltou a se interessar pelo mundo ao seu redor, e continuou a dieta de presunto cru e temperado em molho de vinho e suco de limão. Então, teve um sonho em que aparecia o número 77. Isto o convenceu de que estaria curado em setenta e sete dias. E assim ocorreu. Sentiu-se tão bem que a sua depressão se transformou em euforia e delírios de grandeza, e chegou a afirmar que Deus o escolhera para resolver todos os enigmas do mundo. A partir dessa experiência, desenvolveu a noção do princípio de prazer que, muitos anos depois, influenciaria a obra de Sigmund Freud.

Em 1844, a universidade concedeu a Fechner uma pequena pensão e ele foi oficialmente

considerado inválido. Contudo, nenhum dos quarenta e três anos seguintes de sua vida ele

passou sem apresentar uma importante contribuição acadêmica, e continuou a ter uma saúde

excelente até a morte, aos oitenta e seis anos.

O Relacionamento Quantftativo entre Mente e Corpo

22 de outubro de 1850 é uma data importante na história da psicologia. Ainda deitado em sua cama nessa manhã, Fechner repentinamente compreendeu que a lei que governa o vinculo entre a mente e o corpo poderia ser encontrada num relacionamento quantitativo entre uma sensação mental e um estímulo material. Um aumento na intensidade do estímulo, disse Fecimer, não produz o mesmo aumento na intensidade da sensação. Em vez disso, o estimulo é caracterizado por uma série geométrica, enquanto uma série aritmética caracteriza a sensa ção. Por exemplo, o acréscimo do som de uma sineta ao de outra que já está soando produz um aumento maior na sensação do que a adição de uma sineta a dez outras que já estejam tocando. Logo, os efeitos das intensidades do estímulo não são absolutos e sim relativos à quantidade de sensação que já existe.

O que esta simples mas brilhante revelação demonstrou foi que a quantidade de sensação (a qualidade mental) depende da quantidade de estimulo (a qualidade física ou material). Para medir a mudança na sensação, temos de medir a mudança do estímulo. Logo, é possível relacionar quantitativamente os mundos mental e material. Fechner cruzou a barreira entre mente e corpo ao vinculá-los entre si empiricamente.

Embora o conceito fosse claro, como traduzi-lo em bases concretas? Seria necessário medir com precisão ambas as intensidades, a subjetiva e a objetiva, a sensação mental e o estímulo fisico. Medir a intensidade física de um estímulo não era difícil — poder-se-ia registrar, por exemplo, o nível de brilho ou o peso de vários objetos-estímulo. Mas como se

poderia medir a sensação, a experiência consciente que os sujeitos relatam quando reagem a

um estimulo?

Fechner prop duas maneiras de medir sensações. Em primeiro lugar, podemos deter minar se um estimulo estã presente ou ausente, se é sentido ou não. Em segundo, podemos medir a intensidade do estímulo a partir da qual o sujeito relata a primeira sensação. Este é o limiar absoluto da sensibilidade, o ponto, em termos da intensidade do estímulo, abaixo do qual nenhuma sensação é relatada e acima do qual a pessoa tem uma sensação.

Embora útil, o limiar absoluto é limitado porque só determina um valor de uma sensação

— o seu nível mais baixo. Para relacionar ambas as intensidades, temos de ser capazes de especificar toda a gama de valores de estímulo e seus valores de sensação resultantes. Para

69

consegui-lo, Fechner propôs o limiar diferencial da sensibilidade, a menor quantidade de mudança de um estímulo que produz uma mudança de sensação. Por exemplo, em quanto é preciso diminuir um peso antes de o sujeito sentir a mudança, antes de ele relatar uma diferença apenas perceptível de sensação?



Para medir que peso parece ter um dado objeto (quão pesado o sujeito sente que ele é), não podemos usar a medida física do peso do objeto. Podemos, contudo, usar essa medida física como base de medida da intensidade psicológica da sensação. Em primeiro lugar, medimos em quanto o peso deve ser reduzido antes que o sujeito mal possa discriminar a diferença. Em segundo, modificamos o peso do objeto para esse valor menor e medimos novamente a amplitude do limiar diferencial. Como ambas as mudanças de peso são apenas escassamente perceptíveis, Fechner supôs que elas são subjetivamente iguais. Esse processo pode ser repetido até que o objeto mal seja percebido pelo sujeito. Se cada redução do peso é subjetivamente igual a qualquer outra, o número de vezes que o peso deve ser diminuído — o número de diferenças apenas perceptíveis — pode ser usado como medida objetiva da magni tude subjetiva da sensação. Dessa maneira, estamos medindo os valores de estímulo necessá rios ao surgimento de uma diferença entre duas sensações.

Fechner sugeriu que, para cada modalidade sensorial, há um certo aumento relativo no

estímulo que sempre produz uma modificação observável na intensidade da sensação. Assim, a

sensação (a mente ou qualidade mental) e o estímulo excitante (o corpo ou qualidade material)

podem ser medidos, e o relacionamento entre os dois pode ser enunciado como uma equação:

S K log R

em que 8 é a magnitude da sensação, K é uma constante e R é a magnitude do estímulo. A

relação é logarítmica; uma série aumenta aritmeticamente e a outra geometricamente.

Fechner disse que essa noção não lhe foi sugerida pela obra de Weber, embora este também estivesse na Universidade de Leipzig, onde os dois se viam freqüentemente, e embora Weber tivesse escrito sobre o assunto uns poucos anos antes. Fechner escreveu que só tomou conhecimento da obra de Weber depois de ter iniciado a série de experimentos destinados a testar sua hipótese. Mais tarde, percebeu que o princípio a que havia dado forma matemática era essencialmente aquilo que o trabalho de Weber tinha demonstrado.

Os Métodos da Psicouisica

O resultado imediato da descoberta de Fechner foi o desenvolvimento de um programa de pesquisa no campo que ele mais tarde veio a chamar de psicofísica. (A palavra psicofísíca define-se a si mesma: é o relacionamento entre os mundos mental e material.) No curso de sua pesquisa, com seus experimentos sobre o levantamento de pesos, o brilho visual e distâncias táteis e visuais, Fechner desenvolveu um e sistematizou dois dos três métodos fundamentais da psicofísica, usados ainda hoje: o método do etro médio, o método dos estímulos constantes e o método dos limites.

Fecimer desenvolveu o método do erro médío (também denominado método de ajuste) em colaboração com A. W. Volkmann, professor de fisiologia da Universidade de HalIe, na Alemanha. O método consiste em fazer os sujeitos ajustarem um estímulo variável até perce berem que ele é igual a um estímulo-padrão constante.

Numa série de tentativas, o valor médio da diferença entre o estímulo-padrão e o ajust

do estímulo variável pelos sujeitos representa o erro de observação. O método supõe que o

nossos órgãos sensoriais estão sujeitos à variabilidade, o que nos impede de obter uma medid

70

verdadeira. Assim sendo, obtemos um grande número de medidas aproximadas, cuja média representa a melhor aproximação do valor verdadeiro. A técnica é útil para medir o tempo de reação, a discriminação visual e auditiva e a extensão das ilusões. Numa forma ampliada, ela é fundamental para a maioria das atuais pesquisas psicológicas. Toda vez que calculamos uma média, estamos, essencialmente, usando o método do erro médio.



O método dos estímulos constantes, inicialmente denominado método dos casos certos e errados, foi criado por Karl von Vierordt, que era fisiologista, mas foi desenvolvido como instrumento de pesquisa por Fechner. Ele o usou no seu elaborado estudo do levantamento de pesos, que envolveu mais de 67.000 comparações. A técnica envolve dois estímulos constan tes, tendo como alvo medir a diferença de estímulo necessária para produzir uma dada proporção de julgamentos corretos. Por exemplo, o sujeito levanta primeiro o peso-padrão de 100 gramas e depois levanta um peso de comparação de, digamos, 88, 92, 96, 104 ou 108 gramas. Ele deve determinar se o segundo peso é mais pesado, mais leve ou igual ao primeiro. O processo continua até que tenha sido feito um certo número de julgamentos para cada comparação.

Para os pesos mais pesados, os sujeitos quase sempre fazem um julgamento de “mais pesado”, e os pesos mais leves quase sempre são julgados como “mais leves”. A partir desses dados, a diferença de estímulo (peso-padrão versus peso de comparação) é determinada para o ponto em que os sujeitos julgam corretamente “mais pesado” 75% do tempo. Algumas variações do procedimento básico tornaram a técnica útil para muitos problemas de medida ligados à determinação de limiares sensoriais.

O terceiro método psicofísico de Fechner era originalmente o método das diferenças apenas perceptíveis; mais tarde foi chamado de método dos limites. A técnica, cuja origem remonta a 1700, foi formalizada em 1827 por Charles Delezenne. Weber, como observamos, também investigou diferenças apenas perceptíveis, mas o método foi desenvolvido formalmen te por Fechner, em seus trabalhos sobre a visão e as sensações de temperatura.

No método dos limites, são apresentados aos sujeitos dois estímulos. Um é aumentado ou diminuído até que os sujeitos relatem que detectaram uma diferença. Fechner recomendava que se iniciasse com o estímulo variável numa intensidade claramente superior à do estímulo- padrão e claramente inferior na vez seguinte. Os dados são obtidos a partir de um certo número de provas e é calculada a média das diferenças apenas perceptíveis para se determinar o limiar diferencial. Uma variação que usa um único estimulo é empregada para determinar o limiar absoluto.

Fechner continuou com suas pesquisas psicofísicas por sete anos, publicando parte delas, pela primeira vez, em dois breves ensaios datados de 1858 e 1859. Em 1860, a exposição formal e completa do seu trabalho apareceu em Elemente der Psychophysik (Elementos de Psicofísica), um manual da ciência exata das “relações funcionalmente dependentes... dos mundos material e mental, físico e psicológico” (Fechner, 1860/1966, p. 7). O livro é uma das notáveis contribuições originais ao desenvolvimento da ciência psicológica. Na época, a afir mação de Fechner acerca do relacionamento quantitativo entre a intensidade do estímulo e a sensação foi considerada comparável à descoberta por Galileu das leis da alavanca e da queda dos corpos.

No início do século XIX, o filósofo alemão Immanuel Kant insistia que a psicologia nunca poderia tornar-se ciência porque era impossível fazer experimentos com fenômenos e processos psicológicos, ou medi-los. Devido ao trabalho de Fechner, que de fato possibilitou medir a mente, a asserção de Kant já não podia ser levada a sério.

Foi principalmente devido à pesquisa psicofísica de Fechner que Wilhelm Wundt conce beu o plano de sua psicologia experimental. Os métodos de Fechner mostraram ser aplicáveis a uma gama de problemas psicológicos muito mais ampla do que ele poderia imaginar, sendo usados ainda hoje na pesquisa psicológica, com apenas umas poucas modificações. Fechner

71

deu à psicologia aquilo que toda disciplina que deseja ser uma ciência tem de possuir — técnicas de medida precisas e elegantes.



Embora a obra de Weber precedesse a sua, todos os méritos foram conferidos a Fechner. Ele parece ter usado a obra de Weber para desenvolver suas teorias, mas fez muito mais do que simplesmente ampliá-la. Os objetivos de Weber eram limitados; ele era um fisiologista que investigava as diferenças apenas perceptíveis, e a significação mais ampla do seu trabalho lhe escapou. Fechner procurou uma asserção matemática para o relacionamento entre os mundos físico e mental. Suas brilhantes e independentes introvisões sobre a medição de sensações, e seu trabalho em que relacionava essas medidas com as dos estímulos correspondentes a essas sensações, foram necessários para que as implicações e conseqüências da obra anterior de Weber pudessem ser reconhecidas e aplicadas e assim fazer da psicologia uma ciência exata.

A Fundação Formal da

Nova Ciência da Psicologia

Em meados do século XIX, os métodos da ciência natural estavam sendo usados para investigar fenômenos puramente mentais. Haviam sido desenvolvidas técnicas, inventados aparelhos, publicados livros importantes, e foi despertado um amplo interesse. O empirismo britânico e os trabalhos no campo da astronomia acentuaram a importância dos sentidos, e os cientistas alemães estavam descrevendo como os mesmos funcionavam. O espírito positivista da época encorajou a convergência dessas duas linhas de pensamento. Faltava ainda, no entanto, alguém que as unisse, alguém que, em uma palavra, fundasse a nova ciência. Esse toque final foi dado por Wilhelni Wundt.

Wundt é o fundador da psicologia como disciplina acadêmica formal, a primeira pessoa na história da psicologia a ser designada, adequada e irrestritamente, como psicólogo. Na qualidade de primeiro psicólogo, Wundt fundou o primeiro laboratório, editou a primeira revista e deu início à psicologia experimental como ciência. As áreas que ele investigou — incluindo a sensação e a percepção, a atenção, o sentimento, a reação e a associação — se tornaram capítulos básicos em manuais que ainda não haviam sido escritos. O fato de uma parte tão grande da história da psicologia depois de Wundt consistir numa oposição à sua concepção de psicologia não diminui as suas realizações e contribuições como fundador.

Por que terão as honras da fundação da nova psicologia sido conferidas a Wundt e não

a Fechner? Elementos de Psico física de Fechner foi publicada em 1860, ao menos quinze anos

antes da data em que se afirma ter Wundt iniciado a psicologia. O próprio Wundt escreveu que

a obra de Fechner representou a “primeira conquista” da psicologia experimental (Wundt

1888, p. 471). Há consenso entre os historiadores sobre a importê.ncia de Fechner; alguns at

questionam se a psicologia poderia ter começado quando começou se não fosse pelo sei

trabalho. Por que, então, a história não credita a Fechner a fundação da psicologia? A respost

está na natureza do processo de fundação.

A fundação é um ato intencional e deliberado que envolve capacidades e característica que diferem das que são necessárias para as realizações científicas brilhantes. Fundar requer integração e a consideração do trabalho precedente, bem como a publicação e a promoção d material recém-organizado. “Quando todas as idéias centrais já nasceram, algum promotor apossa delas e as organiza, acrescentando tudo o mais que lhe pareça essencial, publica-as divulga-as, insiste nelas e, em resumo, ‘funda’ uma escola” (Boring, 1950, p. 194). contribuição de Wundt para a fundação da psicologia moderna não vem tanto de algur descoberta científica ímpar quanto de seu “heróico esforço de divulgação em favor do exç rimentalismo” (O’Donnell, 1985, p. 16).

72

Fundar é, pois, bastante distinto de originar, embora essa diferença não tenha objetivo depreciativo. Tanto originadores como fundadores são essenciais à formação de uma ciência,



tão indispensáveis quanto o arquiteto e o mestre-de-obras para a construção de uma casa.

Com essa distinção em mente, podemos compreender por que Fechner não é considerado o fundador da psicologia. Dito de modo simples, ele não estava tentando fundar uma nova ciência. Seu objetivo era compreender a natureza do relacionamento entre os mundos mental e material. Ele buscava demonstrar uma concepção unificada da mente e do corpo que procedia de uma especulação mística mas era dotada de base científica. ‘Não se pode dizer que sua inovação da psicofísica teria se tomado uma disciplina de psicologia experimental caso um movimento com bases institucionais não tivesse sido fundado em seguida” (Ben-David e Coilins, 1966, p. 455).

Wundt, contudo, voltou-se deliberadamente para a fundação de uma nova ciência. No prefácio à primeira edição dos seus Principies of Physiological Psychology (Princípios de Psicologia Físiológica) (1873-1874), ele escreveu: “A obra que aqui apresento ao público é uma tentativa de delimitar um novo domínio da ciência.” Wundt estava interessado em promover a psicologia como ciência independente. Vale no entanto repetir que, embora se considere Wundt o fundador da psicologia, ele não foi o seu originador. Essa ciência emergiu, como vimos, de uma longa linha de esforços criativos.

No decorrer da segunda metade do século XIX, o Zeitgeist estava pronto para a aplicação

da abordagem experimental a problemas da mente. Wundt foi um rigoroso agente do que já

estava se desenvolvendo, um bem-dotado promotor do inevitável.

Sugestões de Leitura

Por que a A’emanha?

Dobson, V. e Bruce, D., “The German university and the development of experimental psychology”, Journal of the History of the Beha vioral Sciences, n 8, pp. 204-207, 1972. Refere-se à liberdade de ensino e de estudo nas universidades alemãs como pré-condição para o desenvolvimento da nova disciplina da psicologia.

Primórdios da Fisiologia Experimental

Fearing, F., Reflex Action: A Study in the Histoiy of Physioiogicai Psychoiogy, Cambridge,

Massachusetts, MIT Press, 1970. Cobre descobertas e progressos na neurofisiologia dos

séculos XVII a XIX; publicado originalmente em 1930.

Kirsch, 1., “The impetus to scientific psychology: A recurrent pattem”, Journal of the History

of the Behavioral Sciences, n 12, pp. 120-129, 1976. Descreve o surgimento da psicologia

experimental e chama a atenção para os paralelos entre a sua história e a das ciências físicas.

Ladd, G. T. e Woodworth, R. S., Eieínents ofPhysioiogicai Psychoiogy (edição revista), Nova York,, Scribner’s, 1911. Um manual clássico que resume as principais descobertas do início da psicologia fisiológica; cobre pesquisas sobre a anatomia do sistema nervoso e dos sentidos, sobre a localização do funcionamento cerebral, sobre a psicofísica e as sensações e sentimentos.

Helmholtz

Pastore, N., “Helmholtz ‘s ‘Popular Lectures on Vision’ “, Journai o! the Histoíy of the

Behavioral Scíences, n 9, pp. 190-202, 1973. Descreve a obra de Helmholtz sobre a visão,

destacando os problemas da constância e das ilusões.

73

Stumpf, C., “Hermann von Helmholtz and the new psychology”, Psychologícal Review, n 2, pp. 1-12, 1895. Uma revisão da pesquisa de Helmholtz e sua ligação com o foco e as metas da nova psicologia; escrito por um dos importantes pioneiros da psicologia que trabalhava na Universidade de Berlim.



Turner, R. S., ‘Hermann von Helniholtz and the empiricist vision”, Jowrial of the History of

the Behavioral Sciences, n 13, pp. 48-58, 1977. Descreve a influância das idéias filosó ficas de Helmholtz sobre o seu programa de pesquisa.

Fechner

Boring, E. G., “Fecimer: Inadvertent founder of psychophysics”, Psychometrika, t 26, pp.



3-8, 1961. Apresenta um apanhado geral da vida de Fechner e avalia a importância do seu trabalho para a fundação e o desenvolvimento da psicologia experimental.

Fechner, G., Elements of Psycliophysics (vol. 1), Nova York Holt, Rínehart and Winston, 1966. Reimpressão da obra clássica de Fechner, publicada originalmente em 1860; descre ve os métodos da psicofísica que deram à psicologia suas técnicas científicas de medida e discute o relacionamento entre estímulos físicos ou materiais e sensações mentais.



Marshall, M. E., “Gustav Fechner, Dr. Mises, and the comparative anatomy of angels”, Journal of the History of the Behaviorai Sciences, n 5, pp. 39-58, 1969. Explora os tópicos dos ensaios de Fechner escritos sob o pseudônimo “Dr. Mises” e expõe elementos sobre as suas visões diurna e noturna do universo.

74


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal