Instituto filhas de maria auxiliadora



Baixar 53.07 Kb.
Encontro20.07.2016
Tamanho53.07 Kb.
INSTITUTO FILHAS DE MARIA AUXILIADORA

fundado por São João Bosco

e Santa Maria Domingas Mazzarello

N. 951


Caríssimas Irmãs,

ressoa ainda vivo no nosso coração o apelo do Papa Francisco, na audiência às Capitulares no dia 8 de novembro de 2014: “Alargai o olhar! Alargai o olhar!”.1

O eco dessa voz nos acompanhou no empenho de focalizar o título dos Atos do XXIII Capítulo geral e inspirou o trabalho intenso desta sessão plenária do Conselho, no ano dedicado à Vida Consagrada e no bicentenário de nascimento de Dom Bosco.

Vivemos este tempo procurando cultivar a atitude de abertura às moções interiores do Espírito Santo, de modo a perceber as reais necessidades das jovens e dos jovens, das nossas comunidades e as urgências de uma sociedade em mudança.

No início deste sexênio, como Conselho geral que empreende um novo caminho, fizemos uma significativa experiência de comunhão entre nós, também em atitude de busca e de partilha com as colaboradoras dos Âmbitos. Nós nos colocamos em atenta escuta da vida do Instituto, mediante a oração, a fraternidade, a busca de caminhos de atuação para concretizar a tarefa recebida do Capítulo geral. Essa atitude nos sustentou para enfrentar as alegrias e as fadigas do discernimento e caminhar juntas.

Nós sentimos vocês presentes, junto com os jovens e com todas as comunidades educativas, tanto na oração quanto em muitos pequenos gestos de bondade e de simpatia.

Com alegria, partilhamos agora com vocês as linhas de animação e de governo da Madre e do Conselho geral que acompanharão o Instituto na atuação dos processos identificados pela Assembleia capitular.

A elaboração da Programação se inspirou nos critérios típicos de uma animação coordenada: essencialidade, convergência, envolvimento, concretude das escolhas, tendo presente a realidade juvenil e as necessidades das comunidades.


Um sonho compartilhado
Como Igreja chamada a testemunhar e anunciar a alegria do Evangelho, compartilhamos o chamado à conversão pastoral a ser posta em ação em todo o Instituto. Nesse horizonte formulamos assim o objetivo da Programação do sexênio:

Viver a conversão pastoral com a força profética de ser, com os jovens, comunidade em saída que testemunha e anuncia Jesus, com esperança e alegria.

A conversão pastoral é um autêntico retorno ao Senhor, uma renovada escolha de comunhão, uma transformação missionária da vida e também das estruturas.

Implica ser comunidades em saída (cf EG nn. 25-27) que dão vida a ambientes habitados pela alegria do Evangelho, impregnados do espírito de família e do ardor do da mihi animas cetera tolle. O nosso modo salesiano de viver tal conversão é ser com os jovens comunidade que anuncia Jesus com um semblante alegre, aberto à esperança.

Nisso está a profecia da nossa vida e a possibilidade de “acordar o mundo”. Possibilidade que, para nós FMA, se traduz na urgência da educação evangelizadora, para construir uma sociedade mais justa, onde também os mais vulneráveis e descartados possam inserir-se com a dignidade dos filhos de Deus e dar o próprio contributo, como o Papa Francisco tem repetido desde o início do seu Pontificado.


O caminho a ser percorrido, juntas
Julgamos que o encontro seja a resposta a uma expectativa do Instituto, que aflorou no XXIII Capítulo Geral, em continuidade com o sexênio precedente e com novidade de prospectivas. É uma escolha baseada na antropologia cristã, que coloca a pessoa no centro: essa se realiza na relação vivida numa comunidade missionária. No carisma salesiano, a relação é uma dimensão fundamental porque é caminho privilegiado de educação. Como o Papa Francisco nos lembrou na Audiência às Capitulares, “o encontro é fonte sempre fresca e vital na qual podeis haurir aquele amor que revitaliza a paixão por Deus e pelos jovens”.3

Por isso, desejamos entrar de modo mais consciente num processo de contínua formação para o encontro e no encontro visto come experiência que transforma e gera vida, se forem cultivadas algumas atitudes que o tornam eficaz. No encontro podemos acolher os chamados de Deus que esperam uma resposta sempre nova.

Como os discípulos de Emaús (cf Lc 24,13-31) nos deixamos alcançar por Jesus e, transformadas pelo encontro com Ele, interpretamos a realidade com olhos novos, vamos com os jovens rumo às periferias do mundo, somos enviadas às nossas comunidades para anunciar Aquele que ressuscitou e mudou a nossa vida. O trecho evangélico que orientou o trabalho de preparação para o XXIII Capítulo Geral e também a Assembleia capitular, foi retomado na circular n. 950. Ele continuará a iluminar-nos neste sexênio e dar-nos a coragem de ousar gestos proféticos.

O processo identificado na Programação se articula em três escolhas de conversão pastoral, como aparecem nos Atos do XXIII CG: Transformadas pelo Encontro; ‘Insieme', com os jovens; Missionárias de esperança e de alegria.5

Cada uma delas é introduzida e iluminada pela presença de Maria, Mãe e Auxiliadora. Para viver essas escolhas nos deixamos acompanhar por Ela, como nos indicam Dom Bosco e Maria D. Mazzarello, e como nos propõe o Papa na Evangelii Gaudium. Cada vez que olhamos para Maria, “tornamos a crer na força revolucionária da ternura e do afeto”, aquela força que é inscrita desde as origens na nossa missão de evangelizar educando e que possamos cumprir todos os dias, seja qual for a idade, nas relações fraternas, na animação das comunidades e das Inspetorias e na missão educativa compartilhada com os jovens e os leigos adultos.

As escolhas de conversão pastoral se articulam e se concretizam em caminhos coordenados que têm o objetivo de ativar processos ou de potencializar aqueles já em andamento. Em cada caminho são explicitadas algumas atenções específicas tendo presente a vida do Instituto que encontrou ressonância no Relatório da Madre sobre a vida do Instituto no sexênio 2008-2014 e na Assembleia capitular.

No Cronograma anexo estão indicadas atividades e propostas de animação distribuídas ao longo do sexênio, o prospecto das Visitas canônicas e das Revisões trienais.

A Programação do Conselho geral será colocada em prática através das circulares da Madre, das visitas às Inspetorias, dos encontros, das revisões, e fará parte da Programação específica dos Âmbitos de animação.


Num clima de corresponsabilidade
Alargar o olhar e o coração é para nós um chamado não só a ampliar o horizonte, mas também a dar profundidade à vida cotidiana.

Sabemos que o futuro do carisma está em gestação no coração de cada FMA e em cada comunidade. O tecido do cotidiano ainda pode revelar suas potencialidades. Por isso, a Programação, como a entrega do XXIII CG, irá os projetos inspetoriais e comunitários, interpelando a corresponsabilidade de todos no próprio contexto de vida.

Os jovens esperam de nós um testemunho contente e profético, uma presença coerente e simpática. Querem contemplar – como nos pediram durante o XXIII CG – a beleza de uma comunidade a caminho que sabe envolvê-los na sua mesma missão.

Estamos certas de que Maria continua a caminhar conosco, como fez de modo simples e surpreendente na vida dos nossos santos Fundadores. Estrela da evangelização, Maria nos ajuda a fazer com que o sonho compartilhado nos mova na direção do impossível, e as fadigas do caminho não sufoquem o entusiasmo de ir adiante todo dia, em novidade de amor e de coragem.

Neste sexênio eventos de Igreja e de Instituto terão ressonância nas nossas comunidades e nos projetos educativos. O Jubileu extraordinário da Misericórdia (2015-2016) vai nos ajudar a aprofundar as relações comunitárias e educativas, manifestadas como dom de maternidade acolhedora e fecunda, como fraternidade compartilhada e atenção a situações de fragilidade.

Em 2017 a primeira expedição missionária completará 140 anos. A lembrança das FMA enviadas tão jovens a terra de missão reavive em todas nós a audácia missionária e a capacidade de sair de nós mesmas para anunciar com paixão o Evangelho de Jesus, envolvendo os jovens como protagonistas ativos.

No mesmo ano recordaremos também as aparições de Maria em Aparecida e em Fátima, expressão de sua cuidadosa intervenção na história dos povos. A sua materna presença e seus apelos à santidade continuem também neste sexênio traçando conosco caminhos de paz e de esperança para o mundo, principalmente para e com as jovens e os jovens mais pobres.

Com afeto e alegria, nos despedimos de vocês, e invocamos sobre todo o Instituto, a bênção da Trindade e de Maria Auxiliadora.

Roma, 24 de março de 2015

A Madre e as Irmãs do Conselho


ESCOLHAS DE CONVERSÃO PASTORAL

E CAMINHOS COORDENADOS
TRANSFORMADAS PELO ENCONTRO
Com Maria, mulher de fé,

que sabe reconhecer as pegadas do Espírito de Deus

nos grandes acontecimentos e também

naqueles que parecem imperceptíveis

(cf EG 288)
1. Criar condições para que o encontro com Jesus nos transforme em nível pessoal e comunitário para sermos pessoas livres, alegres, abertas, capazes de testemunhar e evangelizar com a vida:
* Acolher cada pessoa como criatura amada por Deus, que se constrói na relação;

* renovar o estilo e os espaços de oração e torná-los acessíveis aos jovens e aos leigos;

* escutar e partilhar, também com a comunidade educativa a Palavra de Deus, para que penetre na vida e inspire as escolhas;

* celebrar a Eucaristia e a Reconciliação como experiências básicas do viver e do agir ‘juntos’.1


2. Viver a dimensão mística e profética da vida salesiana na paixão por Deus e pelos jovens:
* dar qualidade evangélica às relações;

* viver todo encontro na lógica da doação;2

* cultivar a resiliência: ser fortes na fé, solidarias nas dificuldades e no desafio do testemunho.
3. Assumir o discernimento pessoal e comunitário como estilo de vida para acolher, no Espírito, os chamados de Deus nos encontros e na realidade:
* viver o encontro pessoal como escuta-diálogo de busca da vontade de Deus e disponibilidade para percorrer um caminho de crescimento que dura a vida inteira;

* dispor-se a saber “aprender e desaprender” com flexibilidade para se deixar provocar pela novidade do Espírito.

INSIEME', COM OS JOVENS
Com Maria, mulher orante

e trabalhadora em Nazaré,

Nossa Senhora da solicitude,

amiga sempre atenta para que não venha a faltar

o vinho na nossa vida

(cf EG 286.288)
1. Construir-nos como casa onde nos acolhemos mutuamente na fé, no respeito e na delicadeza da bondade e da misericórdia:
* implica “sentir-nos parte” de um ambiente que acolher e envolve,

indo além das relações funcionais;

* estar com os jovens num caminho de recíproca evangelização;

* valorizar a pedagogia dos gestos, na partilha e na lógica da inclusão.


2. Repensar com projetualidade a animação e o governo em estilo evangélico e carismático, inspirando-nos na maternidade de Maria que gera vida e faz crescer:
* descobrir e valorizar os talentos de cada uma/um;

* favorecer o espírito de família na partilha e na corresponsabilidade;

* viver a coordenação como caminho de comunhão.
3. Assumir o “coração oratoriano” como critério de resignificação de nossas presenças em sinergia com a comunidade educativa e no lugar:
* revitalizar as obras e redimensionar as estruturas numa missão compartilhada com os leigos, para dar resposta às necessidades educativas emergentes;

* tornar os jovens protagonistas do anúncio de Jesus a outros jovens;

* cultivar a dimensão vocacional da missão educativa e cuidar de modo especial da animação vocacional à vida consagrada.

MISSIONÁRIAS DE ESPERANÇA E DE ALEGRIA
Com Maria, missionária

que nos ajuda a anunciar a todos

a mensagem da salvação

e a fazer com que os novos discípulos

se tornem operosos evangelizadores

(cf EG 287)
1. Consolidar e manifestar com alegria a identidade educativa na sua dimensão missionária, como estrada de futuro:
* proteger e defender a dignidade da pessoa humana imagem de Deus;

* concretizar a educação para a justiça, a paz, a integridade da criação, na ótica da antropologia cristã;

* valorizar o testemunho de comunidade onde a interculturalidade e a intergeracionalidade são recursos para a missão;

* promover e elevar o nível da formação cultural das FMA e potencializar a formação carismática dos leigos, para um serviço de qualidade à missão educativa;

* aprofundar os desafios da ecologia e perceber suas implicações em nível pessoal, comunitário e na educação, os recursos, busca de novas intervenções, capacidade de resistir nas provações, disposição de retomada nos fracassos, otimismo cultivado e difundido; é a solicitude cheia de fé e de caridade que encontra em Maria um exemplo luminoso de doação de si”.
2. Sair, como comunidade, rumo às periferias juvenis e deixar-se interpelar pelos pobres, especialmente pelas crianças, pelos jovens, pelas mulheres, pelas famílias em condição precária, pelos migrantes...
* Cultivar um estilo de vida pessoal e comunitário essencial, sóbrio e solidário, fiel ao compromisso salesiano de trabalho e temperança;

* educar as jovens e os jovens para o sentido do trabalho e da projetualidade para a construção do próprio futuro;

* tornar efetiva a comunhão dos bens nas comunidades, nas Inspetorias e em todo o Instituto;

* fazer emergir em todas as comunidades a dimensão evangelizadora profética para manifestar o ser Igreja em saída;

* favorecer o acompanhamento formativo das famílias, principalmente dos casais jovens;

* acolher e valorizar a contribuição dos migrantes, especialmente jovens e mulheres, acompanhando sua inserção na comunidade educativa e na sociedade.


3. Para um impacto educativo mais incisivo e visível na sociedade atual, reforçar a mentalidade de rede e participar em sinergia com Instituições empenhadas na educação e na evangelização dos jovens:
* na Igreja, como Família Salesiana e em interação com outras Congregações religiosas e organismos que têm a educação como finalidade;

* potencializar o envolvimento em rede com a Associação das Ex-alunas/os, dos Salesianos Cooperadores e da ADMA;

* aprofundar nas comunidades educativas a Educomunicação em relação ao Sistema preventivo;

* formar para a comunicação na dimensão interrelacional orientada para a evangelização. Habitar com os jovens os novos ambientes digitais como interlocutoras/es para uma procura de sentido e para promover nova cultura.


TAREFAS CONFIADAS

À MADRE E AO CONSELHO GERAL
Com a finalidade de responder a alguns pedidos das Capitulares e para realizar uma animação que torne efetiva a estratégia da coordenação para a comunhão, em continuidade com os processos iniciados no último sexênio, a Madre e as Conselheiras gerais se comprometem a acompanhar o Instituto nestes aspectos específicos de animação:

• Acompanhar as Inspetorias em aprofundar e viver o estilo evangélico e carismático da animação e do governo para favorecer uma renovação vital em nível de todo o Instituto, com particular atenção à formação das Inspetoras, dos Conselhos inspetoriais, das formadoras, coordenadoras ou referentes de vários Âmbitos, das delegadas das várias Associações.

• Dar apoio às Inspetorias na formação das animadoras de comunidade promovendo a experiência de animação e governo também à luz do estilo de Maria que gera vida, envolve e faz crescer.

• Envolver as Conferências interinspetoriais na reflexão sobre a figura da Conselheira Visitadora para garantir um conhecimento mais aprofundado das realidades inspetoriais e favorecer o acompanhamento delas potencializando assim o senso de pertença e a comunhão.

• Com a coordenação da Vigária geral, continuar a acompanhar as casas de Mornese e de Nizza Monferrato para que possam realizar sua finalidade em vista da formação e da irradiação do carisma também entre as/os jovens, as leigas e os leigos que compartilham conosco a missão educativa, e com as famílias.

• Promover a elaboração de um comentário prático das Constituições do Instituto para oferecer adequadas chaves de leitura dos artigos e favorecer a assimilação vital da nossa Regra de vida.

• Continuar a acompanhar as Inspetorias no empenho de animar a participação ativa das FMA na Associação dos Cultores de História Salesiana (ACSSA).

• Elaborar pistas para a economia, segundo as orientações da Congregação para os Institutos de vida consagrada e as Sociedades de vida apostólica e em diálogo com as Inspetorias.


CRONOGRAMA

Premissa
A última parte da Programação contém o Calendário, o prospecto das Visitas canônicas e das Revisões trienais que serão feitas em 2018.

São indicadas também as Conselheiras gerais referentes das Conferências interinspetoriais a fim de assegurar, como foi compartilhado no XXIII CG, um maior conhecimento das realidades Inspetoriais. A Conselheira referente participa das reuniões da Conferência interinspetorial e, portanto, pode acompanhar os caminhos da Conferência no espírito da coordenação para a comunhão.

No Calendário estão indicadas as datas de encontros ou atividades previstas para o sexênio, através dos quais a Madre e as Conselheiras, em continuidade com o percurso encaminhado precedentemente, entendem concretizar os caminhos e as ações relativas às três escolhas de conversão pastoral assumidas pelo Capítulo. Outros encontros serão acrescentados ao longo do caminho em diálogo com as Inspetorias e as Conferências interinspetoriais.

Mais do que iniciativas a colocar em prática, as várias propostas de animação são experiências a serem vividas e compartilhadas na lógica da estratégia identificada.


O encontro que forma e transforma.
Acolhamos, por isso, este desafio: viver as várias atividades não só como transmissão de conteúdos, mas como autênticos encontros entre pessoas chamadas a irradiar a alegria do Evangelho e a beleza do carisma salesiano. No encontro a gente entra em campo, deixa-se envolver pessoalmente e como comunidades educativas. Nisso há um dar e um receber, um dinamismo de gratuidade e de gratidão que pode gerar processos de crescimento e de mudança.

A casa que – com os jovens - evangeliza é um entrelaçamento de relações e os jovens são envolvidos em pensar, rezar, agir, como nos pediram durante o XXIII Capítulo Geral.



Ao longo do sexênio, junto com todas vocês, continuamos abertas aos apelos de Deus que nos chegam no cotidiano e esperam uma resposta sempre nova, em docilidade ao Espírito e aos sinais dos tempos.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal