Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Av.ª Padre Cruz



Baixar 1.06 Mb.
Página7/20
Encontro25.07.2016
Tamanho1.06 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   20

No contexto da cooperação científica e tecnológica nacional e internacional

A cooperação científica e tecnológica nacional e internacional é um aspecto de importância estratégica para o reforço e a manutenção da qualidade e competitividade das acções com elevada componente científica e tecnológica.


Neste sentido, foram inúmeras as acções em que os grupos do INSA cooperaram com grupos de outras instituições de variada natureza (ver listagens de Cooperações – anexo 6.7 - e Representações - anexo 6.8).
A cooperação internacional mereceu, em 2005, por parte da generalidade dos centros e programas do INSA, a adequada atenção. De facto, em 2005, foram prosseguidas acções de cooperação internacional com África (Angola, Guiné-Bissau), Américas (Chile e Estados Unidos da América), União Europeia (Alemanha, Dinamarca, Eslováquia, Espanha, França, Holanda, Itália, Suécia, Reino Unido), Ásia (China) e organismos internacionais (OMS, Comissão Europeia, IUATLD).

INDICADORES DE DESEMPENHO:

1. Participação do INSA em redes, formais, nacionais: Sim
2. Participação do INSA em redes, formais, internacionais: Sim
3. Participação do INSA em colaborações com entidades da CPLP: Sim
4. Participação do INSA em colaborações com instituições dos países membros da UE: Sim

    1. Publicações

Sendo a actividade do INSA primordialmente na área da investigação científica, as publicações são um dos principais resultados. Deste modo, a actividade dos Centros deu origem a 301 publicações em revistas internacionais e nacionais, livros e outras (comunicações, etc.) com principal predominância para os artigos internacionais, com 76% das 82 publicações (ver listagem de publicações em anexo 6.9).



Tabela XI – Publicações

Neste âmbito, o INSA desenvolveu grande actividade, de que resultou a atribuição de vários prémios e menções honrosas (anexo 6.10).



    1. Afectação real e prevista dos recursos humanos, materiais e financeiros com inclusão de indicadores



      1. Recursos Humanos

Para a concretização das actividades desenvolvidas, o INSA dispôs de 550 elementos, apenas mais 2 elementos do que em 2004.

O gráfico seguinte quantifica os recursos humanos, por grupo profissional, que exerceram funções no INSA em 2005.

Gráfico III - Recursos Humanos por grupo profissional

A carreira administrativa/auxiliares/serviços gerais/operários, com 183 elementos mantém ainda um peso elevado na estrutura do quadro de pessoal em detrimento de outras carreiras profissionais.



Gráfico IV - Recursos Humanos por tipo de vínculo


Relativamente ao tipo de vínculo existente dos elementos do INSA, não se verificam grandes alterações à situação em 2004, continuando o vínculo por Nomeação a representar cerca de 91%, sendo os restantes 9% divididos por Prestações de Serviço (5%), Contrato Administrativo de Provimento (2%), Requisição ou Destacamento (1%), Contrato Individual de Trabalho (1%) e Contrato de Trabalho a Termo Certo (0,18%).


Sobre o nível de escolaridade dos recursos humanos do INSA, destacam-se os 258 elementos com habilitações superiores, que representam quase 50%, que se distribuem no gráfico menor.



Gráfico V - Recursos Humanos por nível de escolaridade

No que se refere ao nível de escolaridade, destaca-se o aumento de licenciados (17) de 2004 para 2005, bem como o número de mestrados (3) e doutorados (2), conforme ilustra a tabela seguinte:



Tabela XII – Recursos Humanos por nível de escolaridade – 2004/2005

      1. Gestão do Conhecimento

O processo de gestão do conhecimento foi desenvolvido, de uma forma sistemática, através da recolha, tratamento e difusão do conhecimento apreendido pela organização, de forma regular.


Após a identificação da informação a ser partilhada, o INSA disponibilizou-a num contexto de partilha.

RESULTADOS:

1. Documento estratégico sobre gestão do conhecimento no INSA:

Elaboração do documento estratégico no âmbito do Plano Nacional de Saúde e apresentado ao Alto Comissário da Saúde.


2. Realização de um inventário do conhecimento:

Divulgação através do site do INSA, de informação relevante sobre os trabalhos desenvolvidos no âmbito da sua missão, nomeadamente no que concerne a publicações, trabalhos desenvolvidos para teses de grau académico e de bolsas no âmbito da sua actividade de formação.


3. Acreditação do Centro de Formação:

O processo de acreditação do Centro de Formação ficou concluído, permitindo que o Centro desenvolva em 2006 a sua actividade com a garantia de qualidade.




      1. Recursos Tecnológicos

No âmbito do desenvolvimento tecnológico o INSA manteve a modernização da sua área laboratorial, considerando o avanço tecnológico como uma necessidade para alcançar a missão que lhe está incumbida, assegurando assim o seu papel de Laboratório de Estado e Laboratório de Referência.



Neste sentido, foram adquiridos em 2005, os seguintes equipamentos com peso relevante, e aplicações informáticas estratégicas:


  • SIGALIS (Sistema Informático para a Gestão de Análises e Serviços) – a decorrer Concurso Público n.º 05/2005




  • Gestão documental – Software adquirido e implementado




  • Desenvolvimento de um estudo técnico e financeiro da utilização da tecnologia de Telefonia sobre IP – em fase de estudo




  • Espectrómetro de Massa Maldi-Tof (plataforma tecnológica que será desenvolvida e aplicada em colaboração com os Centros de Bacteriologia, Biopatologia, Genética Humana, Tuberculose e Micobactérias e Virologia). Esta tecnologia destina-se à análise de biomarcadores moleculares de doenças transmissíveis e não transmissíveis, sendo considerada muito eficaz na análise de diversos tipos de biomoléculas como proteínas, ácidos nucleicos (DNA e RNA) e glúcidos, dada a sua rapidez, fiabilidade e flexibilidade. Adquisição no âmbito do projecto “Reforço da capacidade de diagnóstico de doenças infecciosas e crónico-degenerativas” – Concurso Público n.º 03/2005 (adjudicado)




  • Espectrómetro LC/MS/MS (equipamento integrante de uma nova unidade laboratorial de investigação em metodologias definitivas e de referência no Centro de Biopatologia, em cooperação com a organização dos Programas de Avaliação Externa da Qualidade). Ao INSA, enquanto laboratório de referência, compete-lhe também a validação de resultados dos laboratórios clínicos nacionais, só sendo possível com a criação da unidade referida. Aquisição no âmbito do projecto “Desenvolvimento e implementação de uma unidade metodológica de referência como garante da qualidade do laboratório clínico”.“Espectrómetro LC/MS/MS - concluído Concurso Público n.º07/2005;




  • Espectrómetro GC/MS Ion Trap, no âmbito do projecto “Desenvolvimento e implementação de uma unidade metodológica de referência como garante da qualidade do laboratório clínico” – aquisição prevista no início de 2006;




  • Sistema GC/MS/DS com FID, no âmbito do projecto “Desenvolvimento e implementação de uma unidade metodológica de referência como garante da qualidade do laboratório clínico” - abertura do procedimento prevista no início de 2006;




  • Equipamento de Absorção Atómica, no âmbito do projecto “Desenvolvimento e implementação de uma unidade metodológica de referência como garante da qualidade do laboratório clínico” – equipamento adquirido e implementado.


RESULTADOS:

  1. Plano plurianual de inovação tecnológica:

O INSA, anualmente, inscreve em sede de PIDDAC, (dependente de aprovação superior) as suas necessidades a nível tecnológico.


  1. Introdução com sucesso do equipamento acima mencionado:

Os equipamentos previstos, foram parcialmente adquiridos, uma vez que, tratando-se de alta tecnologia, os seus valores são elevados, o que leva à morosidade da sua aquisição, dado os constrangimentos legais a que estes processos obrigam.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   20


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal