InstruçÕes para catalogar e digitar no phl7



Baixar 133.24 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho133.24 Kb.





INSTRUÇÕES PARA CATALOGAR E DIGITAR NO PHL7

1ª. Edição – versão 14/10/2004





A. INTRODUÇÃO


1. Objetivo – O PHL tem seu manual e as explicações de cada campo. Mesmo assim julgou-se útil ter um resumo de catalogação, para possibilitar o estudo das normas. Além disso, a mudança de campos na conversão pode ter suscitado dúvidas e há necessidade de se tomar algumas decisões. Nas instruções, privilegiou-se a catalogação de monografias (livros), que constitui a maior parte do serviço de catalogação nas bibliotecas. As normas de referência bibliográfica da ABNT NBR 6023/2002 foram completadas com algumas normas do AACR2.

2. Entrada no Programa. Supõe que você esteja cadastrado com sua senha para catalogar. A configuração do sistema é feita na implantação e somente o responsável poderá modificar.

3. Preparação da monografia – A pessoa responsável deverá selecionar o material, consultado a base para ver se já existe o documento, a monografia. Se existir e decidir incorporá-lo ao acervo da biblioteca para ter mais um exemplar, deve-se primeiro copiar o número de chamada e colar o número de tombo. Todas as bibliotecas devem ter etiquetas dos números de tombo com o correspondente código de barras. Com isto, evitam-se muitos erros na seqüência ou na duplicação dos números. Clicar em [Entrada] e [Tombo] e digita-se na base tombo como explicado no item 7.

Se não existir, precisa colocar o número de chamada (Classificação, Cutter, volume, exemplar). É aconselhável que se consulte a classificação do que já foi feito para manter a coerência na biblioteca. Na ISJB, há um resumo da CDU para orientar os classificadores das bibliotecas escolares. Colocado o código de barras, o documento passa a ser catalogado. Há bibliotecas que preenchem uma planilha, para depois ser digitada, outras fazem a catalogação diretamente no computador. As monografias (livros), na sua maioria, são fáceis de serem catalogados. Há, porém, casos difíceis que exigem estudo das normas de catalogação e consulta às obras de referência.



4. Incorreções ou erros de impressão - A fonte principal para retirada de informações é a página de rosto. Em caso de haver diferenças, ela tem prioridade sobre as demais. Se for no campo autor, coloque o nome correto no campo autores [016] e da forma errada no campo créditos [015] seguido da palavra sic, entre colchetes, que significa conforme escrito. Exemplo: SIMONSEN, Mário Henrique e SIMOSEN, Mário Henrique [sic]. Se o erro for em outro campo, colocar a correção depois da abreviação [i.e.]. Exemplo: Introdução à aministração [i.e. administração].

    5. Completar informações ou registrar dados duvidososInformações retiradas de outra fonte são colocadas entre colchetes [1997]. Se a informação for duvidosa, vem seguida de um ponto de interrogação [1997?].

6. Cuidados na Digitação - O trabalho de entrada de dados na base deve ser feito de forma padronizada, com atenção e muito capricho. Disso dependerá a eficiência da recuperação de informações. Portanto:

  • Digite os dados exatamente como estão no documento. Se utilizar o sistema de preenchimento de planilha, em caso de dúvida, consultar o documento novamente. A planilha deve sempre estar dentro do documento até a fase final do processo de catalogação.

  • A primeira letra de cada campo e os nomes próprios devem ser iniciados com letras maiúsculas, com exceção dos subtítulos;

  • Não pontuar a última palavra de cada campo. A pontuação final é colocada pelo programa.

Os erros mais comuns são: maiúsculas X minúsculas; desrespeito e troca de símbolos: = . ; - / \ , omissão de dados como série ou coleção de monografias, tradutor; repetição de registros; registros diferentes de cinco dígitos como é adotada na ISJB; espaços e pontos desnecessários e digitação de dados em campos trocados.

Teclado: [Tab] – vai para o próximo campo – [Shift + tab] volta.

Sempre que abrir um registro no modo de edição NUNCA ESQUECER de clicar em "Salvar/Sair". Se esta operação não for feita, o registro ficará bloqueado e indisponível para outros usuários ou para outras rotinas do PHL. Este esquecimento pode acarretar graves problemas principalmente se o registro bloqueado for algum registro de configuração do sistema. Abrir a planilha de edição somente quanto estiver tudo preparado e certo para digitar e completar o preenchimento. De um modo geral, sempre que der entrada numa planilha também se deve clicar salvar/sair. Se não o fizer, vai criando registros bloqueados, aumentando a base.

B – PLANILHA DE TOMBAMENTO


7. Tombamento – Quem colocou o número de chamada (classificação, Cutter, edição, volume e exemplar) deve ter consultado a base para manter a coerência. Para saber se existir outro exemplar, clicar em [edição] e [tombo] e faça a pesquisa caixa de texto. Caso exista o livro escolher a opção [copiar] e mude o número de tombo e clicar na opção [Salvar / Sair]. Mesmo não sendo novo exemplar, é bom fazer pesquisa, pois com freqüência podemos encontrar uma planilha que basta trocar somente alguns dados, acelerando a digitação. Neste caso clique em [copiar] e modifique ou acrescente os dados do novo documento. Sendo um documento novo, clicar em [entrada], [tombo], preencher a planilha e no fim clicar em [confirmar]. O PHL criou uma base de tombamento para controlar o empréstimo. Funciona como uma pré-catalogação. É obrigatório preencher os campos que estão em vermelho e se o exemplar for de consulta interna, ou seja, não pode ser emprestado, escolher a opção [N] no campo [Prazo excepcional – 825]. No tombamento, cada exemplar tem o seu registro separado. Havendo mais exemplares, depois de salvar o registro, clique na opção [copiar].

7.1 Tombo [801] – O sistema preenche o número de tombo automaticamente. No seu lugar digite o número de tombo da etiqueta de código de barras do documento que você está tombando. O documento deve estar já etiquetado com o código de barras, e escrito o número de chamada. Na ISJB, o tombo é composto de cinco algarismos: 00001 a 99999. As fitas: F0001 a F9999. Digitar o n° da etiqueta do código de barras.

Há necessidade de se entender bem a relação entre base de dados tombo e a de catálogo.



Documentos

Base tombo = cada volume de ou exemplar é uma planilha com seu nº.

Base Catálogo = cataloga a obra uma só vez num registro

3 exemplares = 3 cópias

3 planilhas cada uma com seu tombo

Somente uma planilha e os tombos são digitados no campo 007, se circulante e 009 se não-circulante.

Obra em 3 volumes

3 planilhas cada uma com seu tombo

Somente uma planilha com todos os tombos nos campos 007 ou 009

2 volumes e 3 exemplares

6 planilhas cada uma com seu n° de tombo

1 planilha, tendo os números de tombo no campo 007 ou 009

Artigos de revistas - analíticas de livros e revistas

Não tombar

Não se preenche o nº de tombo nos campos 007 ou 009

7.2 Tipo de documento [802] – Selecionar na caixa a alternativa melhor.

7.3 Série periódica [803] – Só selecione [sim] em caso de catalogar artigos de revistas ou jornais.

7.4 Título [808] – Digitar o título do documento. É melhor não digitar os demais campos. Role a barra lateral até a opção [Salvar]. Após salvar a planilha, aparecem os dados cadastrados da obra e as opções:

Abrir: abre o atual registro para alterações;

Catalogar: abre a planilha para catalogação da publicação;

Novo registro: abre uma planilha em branco para um novo registro;

Copiar: copia as atuais informações para o próximo registro: para tombar mais um exemplar: basta substituir o nº de tombo;

Deletar: elimina o atual registro.


C – PLANILHA DE DOCUMENTO GERAL – NO TODO



Elementos de identificação geral


8. Status do Registro [090] – Deixar apresentar – Na biblioteca não há necessidade de se ocultar documentos.

9. Código da Unidade [001] – Deixar o 001, pois, há uma biblioteca por instituição.

10. Tipo de Documento [005] – Selecionar a melhor opção. O mais comum L – Livros (monografias)

11. Nível bibliográfico [006] – Nível de catalogação:

Documento no todo

Parte do Documento

m

Nível monográfico – Livros, CD, vídeo etc.

am

Monografia (parte do documento) – Capítulos de livros, faixas de CD etc.

s

Nível serie (= periódicos)

as

Artigos de periódicos (revistas jornais)

O mais comum é a catalogação do documento no todo (de monografias), portanto m

12. Idiomas [040] – Selecionar a língua na lista de abreviações. Acrescentar na configuração de línguas outras, conforme a necessidade: la = Latim; el = Grego; bb = bororo; ki = kimbundu; xa = xavante etc. –Veja norma ISO 639.

13. Imagem do Documento [070] – Não há necessidade de se colocar estas imagens nas bibliotecas escolares e universitárias. Poderá ser útil para o CSDP e base TEIA.


Localização do acervo da biblioteca


14. Número de chamada [003] – É composto de 3 subcampos:

Subcampo "a": Registra-se o número de classificação (CDU, DEWEY, etc.) do documento;


Subcampo "b": Registra-se o número de autor (CUTTER, PHA, etc.);
Subcampo "c": Registra-se a edição; Para as etiquetas, nas bibliotecas da ISJB é digitado a data da obra.
Subcampo "d": Volume, tomo ou parte.

Subcampo "e": exemplar.

Digitar sem espaços. Exemplo: ^a614.32^bT17a^c1992^dv.1 t. 2^eex. 2

15. Exemplares circulantes [007] – No caso que tenha acabado de tombar e em seguida clicou [catalogar], lembrar que somente o último número vem automaticamente. Os dos demais exemplares e/ou volumes devem ser digitados. Digitar um em cada linha: separar por [enter]. Nas bibliotecas da ISJB, são de cinco algarismos para livros. para fitas de vídeo é F seguido de 4 algarismos. Ex.:

00001

04564


F0001

F3456


16. Exemplares não circulantes [009] – Colocar os números de tombo dos exemplares ou volumes que não podem ser emprestados. Devem-se digitar aqui os tombos dos livros que estão classificados com R inicial, que significa referência, ou seja, livros para serem consultados na biblioteca. Isto acontece principalmente com as enciclopédias e dicionários. Cada número de tombo é digitado numa nova linha.

Identificação do documento – no todo

Os campos estão na ordem que devem aparecer na referência bibliográfica. Há normas técnicas nacionais e internacionais que padronizam a documentação e, de modo especial, as referências bibliográficas. As informações para preencher os campos da planilha devem ser tiradas da página de rosto, de seu verso ou equivalentes. Não havendo, deve-se procurar em outros lugares: capa, colofão, prefácio etc.

O primeiro campo a ser preenchido é o da autoria. A primeira tarefa é definir quem é autor e sua forma de entrada.
17. Autoria – Correspondência dos campos – As instruções de autor(es) e entidade(s) são as mesmas, tanto no nível monográfico como no analítico.

Nível monográfico = no todo

Nível analítico = na parte

Autor(es) [016]

Autor(es) [010]

Entidade(s) [017]

Entidade(s) [011]

A entrada principal (autoria) de um documento pode ser:

a) Até três autores

b) Mais de três autores

c) entrada pelo coordenador, editor, adaptador etc.

e) títulos uniformes (veja itens 17.19 e 18.6)

d) entidade e eventos que são digitadas no campo Entidade(s) [017] e Data de evento [054] e Local do evento [056]

17.1 Inversão dos nomes – Como regra geral, indica-se a entrada dos nomes de pessoas pelo último sobrenome, em letras maiúsculas, seguido dos pré-nomes e outros sobrenomes.

Roque de Brito Alves entra por ALVES, Roque de Brito



17.2 Os nomes espanhóis entram pelo penúltimo sobrenome, caso o tenha.

Pascual Chávez Villanueva entra por CHÁVEZ VILLANUEVA, Pascual



17.3 Em algumas línguas, os artigos, preposições e contrações precedem o sobrenome:

Inglês: D`, De, Du, Von - Francês: Le, La, Du, Dês

Italiano: A, De, Della, Lo - Alemão: Am, Aust´m, Vom, Zum, Zur

Jean de la Fontain (francês) entra por LA FONTAIN, Jean de la

Niccoló lo Savio (italiano) entra por LO SAVIO, Niccoló

17.4 As palavras que indicam parentesco ( Júnior, Filho, Sobrinho, Neto) são mantidas em letras maiúsculas depois do sobrenome. Exemplo:

José da Silva Neto entra por SILVA NETO, José da



17.5 Quando um sobrenome tiver um adjetivo ou contiver elementos tais como Santo, São, fazer a entrada por esses.

Virgílio do Espírito Santo entra por ESPÍRITO SANTO, Virgílio

Estevão do Santo Ângelo entra por SANTO ÂNGELO, Estevão

José Castelo Branco entra por CASTELO BRANCO, José



17.6 Os Santos entram pelo nome, seguido da palavra Santo, acrescentando a característica em caso de nomes iguais e a data de nascimento e morte entre parênteses. Exemplo:

JOÃO BOSCO, Santo (1815-1888)

AGOSTINHO, Santo, Bispo de Hipona (354-430)

FRANCISCO DE SALES, Santo (1567-1622)



17.7 – Autores clássicos e antigos anteriores a 476 d.C.: usar a forma como é conhecido na Língua Portuguesa. Consultar obras de referências (enciclopédia) ou uma base de dados pela internet para manter a coerência: Universidades, Biblioteca Nacional, colocando a data de nascimento e morte entre parênteses. Exemplos: HOMERO (séc. IX a.C.), PLATÃO (427-347 a.C.), ARISTÓTELES (384-322 a.C.), CÍCERO (106-43 a.C) etc.

17.8 Pseudônimos: No caso da obra publicada sob pseudônimo, este deve ser adotado na referência. Quando o nome verdadeiro for conhecido, digitá-lo no campo notas gerais [063]. Se não é necessário aparecer na referência, digite-o no campo Descritores secundários [088] Exemplo:

PELÉ -> no campo autor(es) [016] e

Ver também: NASCIMENTO, Edson Arantes do -> no campo notas gerais [061] ou mesmo descritores secundários [088]

17.9 Havendo até três autores, registram-se todos eles, um em cada linha, separando-os com [enter]. Na referência bibliográfica, o programa apresenta somente o primeiro, seguido da expressão et al automaticamente. Ex:

SOUZA, José de Castro

DIAS, Gonçalves

PEREIRA FILHO, Albertino Castro



17.10 Publicações com mais de três autores: incluir somente o primeiro, seguido de espaço et al (= et alii = e outros). Exemplo:

DELFIM NETO, Antônio et al



17.11 Responsabilidade intelectual destacada – Quando houver indicação explícita de responsabilidade pelo conjunto da obra em coletâneas de vários autores, a entrada deve ser feita pelo nome do responsável, seguida do subcampo ^r e da abreviação, no singular, da participação: Organizador (Org.), Compilador (Comp.), editor (Ed.), Coordenador (Coord.), Adaptador (Adapt.).

SILVA, João^r(Adapt.)

Existindo informação sobre a afiliação do autor, registra-se a Instituição e seus níveis hierárquicos, nos subcampos ^1, ^2 e ^3, do terceiro nível hierárquico em diante, separados por um ponto e espaço; para o País, registra-se no subcampo ^p; e para a Cidade, no subcampo ^c. O registro desta informação é facultativa. Exemplo:

SILVA, Regina^1Universidade Federal de São Paulo^2Escola Paulista de Medicina^3Departamento de Enfermagem. Disciplina de Otorrinolaringologia. Sessão de Fonética^pBrasil^cSão Paulo

Caso não tenha responsabilidade intelectual destacada, não se preenche o campo autor, e a obra entra pelo título.

Lembrar que nos filmes e vídeos a entrada principal é pelo campo título [018]. Os Diretores, roteiristas etc. chamados de créditos, são digitados no campo Ementa/Créditos [015]



17.12 Obras adaptadas, comentadas ou críticas, considerar como autor o adaptador, o comentador ou o crítico se há alteração substancial da obra original ou os comentários ou a crítica são mais importantes que o texto da obra. Exemplo:

LACERDA, Roberto^r(Adapt.) -> No campo notas gerais [061], incluir: Adaptação de: Odisséia, de Homero.



17.13 Entrevistas. O entrevistado é digitado no campo autor e o entrevistador no campo ementa/créditos. Exemplo: YOURCENAR, Marguerite (campo autor). De olhos abertos (campo título). Entrevista concedida a Matthiew Galey; tradução de Zibia Gasparetto (campo ementa/créditos). Mais de um entrevistado, o entrevistador passa a ser o autor e os entrevistados, se forem poucos, podem ser digitados no campo descritores secundários [088]

17.14 Obras de diferentes autores, reunidas em um só volume, sem título coletivo e da mesma editora: Colocar o autor da primeira obra no campo autor. No campo título [018], catalogar o primeiro título / primeiro autor [enter] e acrescentando os demais do mesmo modo. Exemplo:

The one day of the year / Alan Seymour.

Da natureza / Tito Lucrécio Caro.

Meditações da alma / Hal Porter



Se as editoras forem diferentes, catalogar a primeira obra e no campo notas gerais [061], incluir as demais, separadas com [enter]:

Encadernado com: Um dia pelo Brasil / Alan More. São Paulo : Loyola, 1950;

O hospital / Neil Sedaka. Rio de Janeiro : Ática, [1950?];

A lua não é queijo / George W. Bush. New York : Casa Branca, 2002



17.15 Obras de diferentes autores, reunidas em um só volume, com título coletivo: Registrar o título coletivo como título principal, colocando a primeira palavra toda em maiúscula. Os títulos específicos, se importantes, registrá-los no campo Notas de conteúdo [086], acrescentando os respectivos autores. Exemplo:

Gabriela, cravo e canela / Jorge Amado

Senhora / José de Alencar

A pata choca / Ricardo Ribeiro



17.16 Obras diferentes do mesmo autor, reunidas sem título coletivo no mesmo volume, incluir o autor normalmente e registrar os títulos, separados com ponto e vírgula.

17.17 Várias obras do mesmo autor, reunidas sob um título coletivo. O título coletivo passa a ser o título principal e os demais títulos, se importantes, devem ser incluídos, um em cada linha, no campo notas de conteúdo [086].

17.18 Biografados, Os autores das biografias entram normalmente, como nas normas acima, no campo autor. Os nomes dos biografados, completos e invertidos como normas de referência, devem ser digitados no campo descritores secundários [088].

17.19 Escrituras sagradas. A Bíblia e partes da Bíblia são publicadas, no original e em diversas traduções e por diferentes editoras. Colocar no campo autor [016] o título uniforme: Bíblia, Parte, Língua, Editora, Característica da Bíblia e Data.

BÍBLIA. Português. Paulinas. Pastoral. 2004

BÍBLIA. A. T. Francês. Du Cerf

BÍBLIA. N. T. Evangelho. Marcos. Vozes. 2000



18. Entidade(s) [017] e [011] – As obras de responsabilidade de entidade (órgãos governamentais, empresas, associações, congressos, seminários) têm entrada, de modo geral, pelo próprio nome, por extenso em letras maiúsculas, de acordo com as obras editadas pela própria entidade. Exemplo:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS



18.1 Quando a entidade governamental tem uma denominação genérica, seu nome é precedido pelo nome do órgão superior, ou pelo nome da jurisdição geográfica à qual pertence.

BRASIL. Senado

BRASIL. Supremo Tribunal Federal

SÃO PAULO (ESTADO) Secretaria de Educação

SÃO PAULO (SP) Secretaria do Planejamento. Coordenação de Ação Social

NAÇÕES UNIDAS. Secretaria Geral



18.2 As demais entidades entram diretamente com o próprio nome. Em caso de duplicidade de nomes, deve-se acrescentar no final a unidade geográfica.

BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil)

BIBLIOTECA NACIONAL (Portugal)

COLÉGIO DOM BOSCO (Brasília)

COLÉGIO DOM BOSCO (Manaus)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Faculdade de Medicina



18.3 Há entidades em que somente a sigla é usada. Não usar siglas com menos de quatro letras, exceto FAO. As entidades que têm siglas muito utilizadas devem ser digitadas no campo descritores secundários [088], pois podem ser procuradas pela sigla.

PETROBRÁS

UNESCO

IBGE


CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL no campo [017] e no campo descritores secundários [088] digitar a sigla: CNBB

18.4 Chefes de Estado, Soberanos e chefes de governo. Observe os exemplos:

BRASIL. Presidente (1956 -1961 : Juscelino Kubitscheck)

KUBITCHECK, Juscelino (1902-1976) -> Como pessoa vai para o campo [016]

IGREJA CATÓLICA. Papa (1922-1939 : Pio XI)

IGREJA CATÓLICA. Papa (1978- : João Paulo II) -> para escritos oficias

JOÃO PAULO II, Papa (1978- ) – Como pessoa para o campo [016]

IGREJA CATÓLICA. Arquidiocese de Belo Horizonte. Cúria Metropolitana

Pode-se colocar a forma não adotada no campo descritores secundários [088] e assim a informação pode ser recuperada.



18.5 Eventos (Congressos e seminários, simpósios, conferências, reuniões, encontros, exposições) - Como antes não havia campo específico para a data e local era digitado: o nome do evento com letras maiúsculas, vírgula, o número, vírgula o ano e vírgula o lugar de sua realização. Ex.:

SEMINÁRIO SOBRE POLÍTICA BRASILEIRA, 4., 1997, Brasília

Para compatibilizar os campos do PHL com a base LILACS – Literatura Latinoamericana e do Caribe em Ciências da Saúde, a data e o local do evento estão em campos separados: data de um evento [054] e local de um evento [056]. Quem for preencher estes campos, siga as explicações dos próprios campos.

No campo título preencha com Anais ... Atti ... Actas ... Atas ... , Conclusões, Regulamento, Resumo, Programa, Relatório, Recomendações (três pontos), conforme escrito na publicação e deixe o campo subtítulo em branco. Se o evento possuir tema, colocá-lo no campo subtítulo, como “o profissional e as novas tecnologias”. Se o material não possuir a palavra anais, atos, etc., coloque o tema diretamente no campo título.

Reuniões, Assembléias Gerais de Instituições:

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Assembléia Geral, 21.,2000, Itaici. No título incluir Documentos, Atas, etc.

IGREJA CATÓLICA. Sínodo dos Bispos. Assembléia Geral Ordinária, 10, 1990, Itaici.

18.6 – Legislação - Para catalogar leis, digitar no campo autor entidade [017] o nome da jurisdição e o nome da Lei. Exemplos:

BRASIL. Constituição (1988)

BRASIL. Código civil (1916)

BRASIL. Congresso. Senado

IGREJA CATÓLICA. Código de Direito Canônico (1983)

No campo título [018], digitar o título, numeração, data e dados do título. Exemplos:

Decreto nº 2134, de 24 de janeiro de 1997

Resolução nº 11, de 3 de abril de 2001



19. Título [018] - O título do livro é trazido automaticamente da planilha de tombo. Tire esta informação da página de rosto. O preenchimento desse campo é obrigatório. A palavra título pode ser do todo de uma monografia, da sua parte, como também de periódicos, como jornais e revistas, que no PHL é denominado de título de série. As normas abaixo se aplicam mais as monografias. Veja a correspondência abaixo:




Título do todo

nível monográfico

Titulo da parte

nível analítico

Títulos dos periódicos = série

Titulo

Título [018]

Titulo [012]

Título da série [030]

Subtítulo

Subtítulo [181]




Sub-título nível série [182]

Suplemento do Jornal [034]



Ementa/créditos

Ementa/créditos [015]

Ementa/créditos [121]




Título série = coleção

Titulo série [030]







19.1 Coloque a primeira palavra, além do artigo, em letras MAIÚSCULAS, caso a obra não tenha autor, ou não entre por autor como os títulos de filmes e vídeos. Exemplos:

ENCICLOPÉDIA universal ilustrada

O OLHAR e o ficar no paraíso

19.2 Títulos em duas línguas: citar os dois primeiros, separados por espaço = espaço. Para títulos em mais de duas línguas, poderá ser escolhido o título principal: 1) o que estiver na língua do texto ou texto predominante; 2) o que estiver na língua original do texto, a não ser que seja tradução. Neste caso, usar o título na língua da tradução; 3) aquele que estiver em destaque ou em primeiro lugar na publicação 4) aquele que estiver em português.

Não chore mais = No woman, no cry



19.3 Se houver colchetes no título, substituí-los, no preenchimento, por parênteses; Se houver dois pontos no título, digite o título sem os dois pontos e o restante no subtítulo. Exemplo:

1964: a conquista do estado. Incluir: 1964 no título e a conquista do estado no subtítulo

Se houver hífen, substituir por vírgula:

Informação – Reflexão – Pesquisa => Informação, reflexão, pesquisa.



19.4 Se o título for muito longo, suprimir parte do mesmo e acrescentar espaço reticências ..., desde que sejam preservadas suas cinco primeiras palavras e sem comprometer seu sentido; Para vários títulos seguir as orientações do campo Autores. Separar títulos do mesmo autor com ponto e vírgula;

Tieta do agreste; pastora de cabras ...



19.5 Se o autor fizer parte do título, suprimi-lo, deixando-o somente no campo específico de autoria. Exemplo: Obras completas de Machado de Assis, colocar no título somente Obras completas.

20. Subtítulo [181] - Tire esta informação, preferencialmente, da página de rosto. O subtítulo é o único campo que começa com letra minúscula, exceto quando começa com nome próprio. Incluir subtítulos, separados por dois pontos, espaço. Exemplo: conflito de paradigmas: guerra e antiguerra: uma introdução. Não confundir subtítulo com notas de conteúdo [086] (veja item 39)

21. Ementa/Créditos [015] - Preencher quando houver indicação de responsabilidade compartilhada, mista ou colaboração na publicação, que não entrou no autor [016]. Exemplos:

Colaboração de ... Traduzido por ... (pessoa ou instituição) Ilustrado por... Seleção de ... Prefácio de ... Apresentação de..., Revisão de ..., desde que sejam importantes e/ou apareçam na página de rosto.

Regulamenta o artigo 23 da lei 2159, de 8 de janeiro de 1996, que dispõe sobre a documentação de processos criminais.

Várias responsabilidades são separadas, na mesma linha, por ponto e vírgula (;).

Exemplo: Tradução de Raquel de Queiroz; ilustrações de Ziraldo

Preencha também este campo, para UNIFORMIZAR nomes de autores que aparecem de forma variada. Exemplo:

JOÃO BOSCO, Santo (1815-1888) -> no campo autor(es) [16] e

Dom Bosco -> no campo créditos [015], como aparece na página de rosto e outras variações do nome pode ser digitadas no campo descritores secundários [088]

Omitir os títulos de nobreza, qualificações e cargos, como Dom, Frei, irmã, Professor, Dr., Cônego, Padre, etc., exceto se a omissão deixar somente um nome ou sobrenome.

22.1 Ementa [015] – Próprio de Leis e normas Legislativas. Ex:

Dispõe sobre a desativação ...

Estabelece multas em operações de ....

23. Edição [063] – Digitar o número de edição da publicação em algarismos arábicos, seguidos da palavra edição abreviada, no idioma da publicação. Não incluir a 1ª edição, a não ser que apareça na página de rosto. Exemplos:


2. ed

4. ed. rev. e amp

l3. ed. rev. e atual

Ed. fac-sim



24. Local da publicação [066] - Indica a cidade do endereço comercial da Editora, sem abreviações. Exemplo:

Rio de Janeiro

[Belo Horizonte?] (para local incerto)

Se não houver local, registrar: [S.l.], que significa sem local. Se houver mais de um local, mencione apenas o primeiro, o mais destacado ou principal se for possível distinguir. Para identificar ou distinguir lugares com o mesmo nome, acrescenta-se o nome do país, do estado ou município ao nome do lugar;



Formosa, Argentina

Viçosa, MG ; Viçosa, RN ;

Canoas [RS],

Santiago [Chile],

Rio [de Janeiro]


25. Editora [063] – Podem ser eliminados os nomes meramente comerciais, como editora, editor, livraria, tipografia, gráfica, gráfico, companhia, filhos, limitada, incorporação, oficina, quando isso não comprometer sua identificação. Exemplos:

Vozes, Loyola, Ática, Flamboyant, Record, Expressão e Cultura, Civilização Brasileira, Clássica, Saraiva

Padronize sempre pelos nomes já adotados. Exemplos:

Ed. Nacional e não Nacional, Freitas Bastos e não Livraria Editora Freitas Bastos, F. Vallardi e não Dottor Francesco Vallardi Tipografo-Editore, L&PM e não Lima e Pinheiro Machado.

Quando é edição do próprio autor, repetir seu nome, de forma abreviada. Exemplo: J. Robredo ou Ed. do Autor. Se não houver editora, registrar: [S.n.], que significa sem nome. Se houver mais de uma editora, transcrever a citada em primeiro lugar ou em destaque.

26. Data da publicação [064] - Digitar o ano da publicação em algarismos arábicos. Inclua 1985 e não 1.985 ou MCMLXXXV. Se a data não for localizada registre a data de “copyright” c1987 ou a data de impressão, entre colchetes [1998] ou ainda:


[1981?] para data provável

[ca.1960] para data aproximada

[196-] para década certa

[197-?] para década provável

[18--] para século certo

[18- -?] para século provável

[4308 i.e. 1975]

[1697 i.e. 1967]

[1971 ou 1972] para data em um ano ou outro


Para publicações em mais de um volume, editadas em anos diferentes, colocar a 1ª e a última data, separadas por hífen: 1995-2000. Não aparecendo a data na página de rosto, considerar a data do prefácio, título, apresentação ou introdução. Se a data for retirada do texto, colocá-la entre colchetes [....].

Periódicos - Para a catalogação de revistas são colocados os meses abreviados, na língua do documento ou outra designação de tempo como estações. Em português, se usa as três primeiras letras dos meses, exceto maio: jan., fev., mar., abr., maio, jun. etc.

Para jornais, coloca-se, também o dia:

out. 2001
primavera 2002
set./out. 1998

4 ago. 2004 -> para jornais



27. Data padronizada [065] - Padronização da data no padrão ISO (AAAAMMDD) para efeito de ordenação do resultado de uma busca ou geração de relatórios e gráficos estatísticos. Quando a data de publicação for desconhecida, este campo deverá ser preenchido com oito zeros. Exemplo: 20040000 - Revistas: 20040800 - Jornais: 20040804

28. Número de páginas [020] - Digitar o número total de páginas da publicação, quando cadastrada como um único volume ou avulsa. Veja o número da última página. Quando há duas seqüências de paginação, registram-se ambas, na ordem em que aparecem, separadas por vírgula e espaço. Exemplo: xxii, 438 (não colocar p.).

Quando a publicação não for paginada, 0contar e colocar o número de páginas entre colchetes [198]. Se a contagem for extensa, coloque o número aproximado de páginas assim: ca. 600 (significa contagem aproximada).

Quando o livro possuir várias seções numeradas, somá-las e colocar entre colchetes: Exemplos:

[234]


226, [44]

Deixe esse campo em branco, se a publicação possuir mais de um volume. No caso de documentos não convencionais que utilizam outro tipo de divisão, a descrição deverá ser registrada no campo descrição física [038].



29. Descrição Física [038] - Informações sobre o tipo do suporte material e sua descrição, que possuem características diferentes da paginação, tais como, folhas, dimensões, peso, tempo de duração, tamanho, escalas, etc. Exemplos:

Paginação irregular

Paginação com várias numerações

1 v. (várias paginações)

12 f
1 folder
5 CD-ROM
1 fita de vídeo (30 min), VHS, son., color
1 filme (106 min), son., color., 35 mm
1 DVD (117 min), widescreen, color
1 fot., color. 16 cm x 56 cm
22 transparências, color., 25 cm x 20 cm
31 diapositivos: color + 1 fita cassete sonoro (15 min) mono
1 grav., serigraf., color., 46 cm x 63 cm
1 original de arte, óleo sobre tela, 40 cm x 50 cm
Altura: 1083 pixels. Largura: 827 pixels. 300 dpi. 32 BIT CMYK, 3.5 Mb
Escala 1:2000
1 mapa, color., 79 cm x 95 cm. Escala 1:600.000
Fx 28, n. 15. Escala 1:35.000
Imagem de satélite. Canais 3, 4 e composição colorida 3, 4 e 5.
Escala 1:100.000
Imagem de satélite: 1999071318.GIF: 557 Kb
1 CD (50 min)
1 disco sonoro (45 min), 33 1/3 rpm, estereo, 12 pol
2 fitas cassete (120 min), 3 ¾ pps, estereo
1 partitura (73 p.)
10,7 cm de diâm. x 24,5 cm de alt
17 cm de alt
5 disquetes, 3 ½ pol.

il. color

21 cm

il. color., 21 cm



30. Meio Eletrônico [008] - As indicações deverão ser transcritas uma em cada linha, separadas por [enter] e com a identificação do tipo de informação e o endereço eletrônico correspondente. O endereço é registrado no subcampo “^i”. A primeira ocorrência será considerado como texto completo do documento. As demais ocorrências serão consideradas como anexos ou ilustrações. A data do último acesso deverá ser registrada no subcampo “^u”. Exemplos:

a) Internet^ihttp://www.uol.com.br/pub123.html^u8 mar. 1999


b) Mapas^ihttp://www.ritterdosreis.br/mapa123.jpg

31. Notas gerais [061] - Somente incluir observações e notas relevantes, de forma clara, resumida e padronizada, quanto à publicação ou ao processamento técnico, separadas por [enter]. Colocar aqui neste campo os nomes, as siglas e o nome das instituições que não entraram na referência, mas são importantes para a recuperação da informação. Exemplos:

Título original: L’ éducation sentimentale

Continuação de ...

Encadernado com:

Mimeografado

Prêmio Jabuti 1997

Separata de:

Ver também: Edson Arantes do Nascimento

As notas são separadas por [enter]. Ver mais exemplos do livro de Antônia Memória Ribeiro – AACR2.

Número de exemplares - Corresponde ao número de exemplares com o mesmo título e a mesma edição. Indique o número de exemplares, seguido da palavra “ex”. É um campo útil para controle de duplicatas dos depósitos, que não têm números de registros, como o CSDP. As bibliotecas escolares e universitárias controlam essas informações através do tombo. Exemplos:


20 ex

5ª ed=25


7ª ed=33

v. 1=12


v. 2=10

OBS: O número de exemplares total será a última nota do campo.

32. ISBN [069] - International Standard Book Number. Número que identifica internacionalmente um livro, normalizado e controlado no Brasil pela Biblioteca Nacional – Rio de Janeiro. Número composto: Número da Língua (país) – Número da Editora – Número do livro na editora – Controle. Para efeitos de pesquisa deve-se digitar sem hífen: 8575470833; 8515020432. Geralmente está localizado no verso da página de rosto. Digitar da forma que aparece sem hífen.

ELEMENTOS DA TESE

As teses normalmente são localizadas na instituição onde são defendidas. Os campos editora [062] e local [066] geralmente não são preenchidos.



33. Nome da instituição [050] – Nome da instituição onde a tese foi defendida ou apresentada. Ex.:

Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública


Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina

34. Notas da Tese [051] – Nota da tese/dissertação. Subcampos: ^atipo de trabalho^bgrau acadêmico. Ex.:

^aTese^bDoutorado em Nutrição


^aDissertação^bMestrado em Administração
^aTrabalho de conclusão de curso^bEspecialização


ELEMENTOS DE UM EVENTO E TESE


35. Data de um evento [054] – Pode seguir as instruções do item 18.5. Neste caso não preencher este campo. Se seguir o sistema da LILACS pode digitar aqui a data inicial e final de um evento. Neste caso omitem-se o ano e o local no campo entidades [017] ou [011]. Leia as instruções do campo [054]

36. Local de um evento [056] – Pode seguir as instruções do item 18.5 e deixar o campos sem preencher. Caso adote o sistema da LILACS de preencher campo [054], digite neste campo [056] o local onde se realizou o evento: Seminário, Congresso, Conferência, Reunião, etc. – Ex: Brasília.


DESCRIÇÃO DO CONTEÚDO


37. Características [071] – Termos que definem características do tipo de conteúdo ou forma de apresentação do documento descrito. Essa informação é utilizada para filtrar o resultado de uma pesquisa. Havendo necessidade, a lista poderá ser ampliada. Escolher a classificação melhor para o documento:

Almanaque
Atlas
Banco de Dados
Biografia
Bibliografia
Boletim
Catálogo
Código
Desenho Técnico
Dicionário
Dissertação
Doutrina
Enciclopédia
Entrevista
Evento
Guia
Homepage
Imagem
Jogos Eletrônicos
Jurisprudência
Legislação
Lista de Discussão
Manual
Mapa
Música
Notícia
Partitura
Patente
Peça de Museu
Plantas e Projetos
Software
Tese

Transparência




38. Área Temática [085] – Nas Bibliotecas de Ensino Superior escolher a melhor opção para depois fazer estatísticas para o MEC. Para pesquisar uma área clique no link de ajuda [085]. Aparecerá uma janela pequena, onde você terá que clicar no link [clique aqui]. Após pesquisar e identificar a área, copiar o número que está em vermelho e preencher no campo [085].

39. Notas de Conteúdo [086] – Digitar quando a obra tiver mais de um volume e cada volume tiver um título importante para a recuperação da informação. Ex.: Titulo: Dom Bosco. Digitar:

v. 1. Vida e obra; v. 2. Mentalidade religiosa e espiritual.



40. Descritores de conteúdo [087] e Descritores secundários [088] – Palavras-chaves – Assunto. É uma cadeia de palavras formando um conceito, que possibilite a recuperação da informação pelo usuário. No índice do programa o usuário pode procurar pelo conceito formado pela seqüência dos termos ou pelos termos isolados. A escolha de termos adequados exige muita habilidade do catalogador. Consulte obras de referência e bases de dados que controlam seu vocabulário de indexação (veja abaixo item 68).

1. Uniformizar o singular e o plural



Termos Gerais – plural

Termos específicos – singular

Animais

Gato – criação

Anjos

Anjo Gabriel

Guerras

Guerra das Malvinas

Doenças

Doença de Chagas

2. Manter uma ordem dos termos

Assunto

Principal

Tipo de

Material

Ação/

operação

Local

Tempo

Forma

Moveis

Madeira

Desenho










Discos




Catalogação










Brasil




Historia




Séc. XX




História Geral







Américas




Manuais

Historia







Brasil




Dicionários

Historia







Brasil




Ensino Fundamental

Literatura







Brasileira

Romantismo




Psicologia










criança




Professores




Formação










Meio ambiente




Política

Belo Horizonte







Meio ambiente

Águas

Poluição

Rio das Velhas




Projetos

Separar por [enter]. Exemplos:

Educação – Brasil – História

Literatura brasileira – Romantismo

sinônimos (palavras com mesmo sentido):

Escravidão ou escravatura;

Adubos ou fertilizantes.

HOMÔNIMOS (palavras que possuem grafia ou pronúncia igual e sentido diferente) e

Leão – Mamífero, Leão marinho, Leão XIII – Papa;

Equilíbrio – Física, Equilíbrio – Psicologia;

Mangueira – Planta, Mangueira – Plástico, Mangueira – Escola de Samba;

Pena – Punição, Pena – Caneta, Pena – Pluma.

PARÔNIMOS (palavras com grafia e pronúncia parecidas e sentido diferente):

Censo – Recenseamento, Senso – Juízo;

Sessão – Reunião, Seção – Setor de trabalho;

Chá – Planta, Xá – Soberano do Irã;

Cheque – Economia, Xeque – Jogo de Xadrez;

Comprimento – Extensão, Cumprimento – Saudação;

Conserto – Reparo e Concerto – Música

Biografados – Pessoas como assunto: Digitar o nome da pessoa, também no campo [087], seguindo as mesmas normas para apresentação de autores, com o qualificador “Biografia”. Exemplo:

Kubitscheck, Juscelino (1902-1976) – Biografia



Descritores secundários [088] – Há vários casos em que há necessidade de se digitar informações que não estão previstas nos campos acima e são importantes para a sua recuperação: títulos diferentes do adotado no campo específico, formas diferentes de nomes de uma pessoa ou de uma entidade, siglas de entidades que não foram digitados nos campos acima. As informações deste campo não aparecem na referência, mas podem ser pesquisadas.

41. Resumo [083] – Fazer um resumo conforme a norma técnica NBR-6028/2003. Resumo indicativo da obra: Indica somente seus pontos principais. A primeira frase deve ser significativa, explicando o tema principal do documento. Deve conter no máximo cem palavras, dar preferência à terceira pessoa do singular e ao verbo na voz ativa. Evitar parágrafos, frases negativas, símbolos e contrações que não sejam de uso corrente, fórmulas, equações, diagramas, etc. Exemplo:

Pesquisa da sociologia no Brasil. Identificam-se três correntes do pensamento, baseadas em modelos históricos, matemáticos e sociológicos. A diversidade da sociologia brasileira é explicada pelo estado da sociologia em geral e sua situação no país.



42. Texto html [084] – Texto HTML que será interpretado pelo PHL. Este recurso quando utilizado com criatividade pode permitir a inclusão de imagens, sons, vídeos, etc. como parte da citação bibliográfica, interpretando todos os comandos disponíveis na linguagem html.

43. Observações [089] – Exemplos de nota:

Os tombos 1234 e 1233 foram extraviados. (Joana)


O tombo 1234 foi encontrado em 20/09/2002 (Pedro)

Possui páginas danificadas




IDENTIFICAÇÃO DE UMA PARTE de uma MONOGRAFIA


44. Introdução – A obra deve ser catalogada como um todo (= nível monográfico). Mas há obras, nas quais cada parte tem o seu responsável: tem seu autor e título, páginas. Isto acontece com obras como os anais de um congresso. Primeiramente deve-se tombar e depois catalogar o documento como um todo (= nível monográfico). Salvar e clicar em [Analítica] e preencher os campos da parte. Lembrar que a parte tem todos os campos da planilha, que não são específicos do todo: autor, título ... intervalo de pagina ... descritores etc. Na ISJB, este nível de detalhe será útil para a base TEIA e o CSDP.

Autore(s) [10] = autores [016] – veja item 17 - autoria

Entidade(s) [011] = Entidade(s) [017] – veja item 18 - Entidades

Título [012] = Título [018] + Subtítulo [181] – Veja item 19 e 20

Intervalo de Páginas [014] – Preencher sempre com os números completos, para facilitar a leitura: 345-348 e não 345-8.


E – FASCÍCULO PERIÓDICO – EM PARTE


45. Introdução - A coleção de um periódico é controlada no Kardex. Os fascículos só necessitam serem tombados se forem emprestados. Teria que se criar uma série separada dos livros, do mesmo modo que é feito com os vídeos. P00001 – P00002 etc. O mais comum é não emprestar os periódicos. Quem precisa, tira a cópia do artigo que deseja. Preencher a planilha sem tombar: clica-se em [entrada] e [fascículo de periódico], [no todo]. Preenchida a planilha no todo e [Salvar]. Vai-se em [Edição], [Catálogo] e faz-se a pesquisa do fascículo. Clica-se em [analítica] e se completa os dados do artigo.

O preenchimento dos campos de um artigo de periódico tem as mesmas orientações dos campos correspondentes da catalogação de uma monografia em parte. Na maioria das bibliotecas, os periódicos são ordenados por ordem alfabética de títulos. Neste caso não se preenche o campo classificação. Ressaltamos algumas diferenças.

Lembrar que o campo [005] é: s e o campo [006] é as

Entidade(s) [011] = entidade(s) [017] – veja item 18

Ementas/créditos [121] = ementas/créditos [015] – veja itens 21 e 22

46. Título da Série [30] – Digitar o título do periódico. Exemplo:

Revista Brasileira de Psicologia



47. Subtítulo da série [182] – Digitar o subtítulo do periódico se houver.

48. Volume [031] – Os fascículos das revistas são muitas vezes planejados para serem encadernados em volumes. Digitar o volume sempre em algarismos arábicos. Não confundir volume com o ano da revista. Há casos em que as revistas usam ano em vez de volume.

49. Fascículo [032] – As revistas que têm volume, geralmente, recomeça a numeração dos fascículos a cada volume. Aquelas revistas que não têm volume, têm os fascículos com numeração crescentes. Outras apresentam dupla numeração. Há muita irregularidade e mudanças na mesma revista. Estudar bem cada caso. Digitar somente o número em algarismos arábicos: 12

50. Número no Kardex [033] - Número de 6 dígitos que identifica o título do periódico na base de dados Kardex. Não há necessidade de preencher este campo.

51. ISSN [035] – Número que identifica internacionalmente um periódico. Está impresso no fascículo, muitas vezes com código de barras. Digitar sem hífens. Ex: 8552511015

Equivalências de campos periódicos em parte x monografias






Procurar acima no número:

52. Local da publicação [066]

24

53. Editora [062]

25

54. Data da publicação [064]

26

55. Data padronizada [065]

27

56. Suplemento de jornal [034]

Título do caderno ou suplemento dos jornais e revistas

57. Intervalo de páginas [014]

Página inicial - final. Ex: 41-48

58. Descrição física [141]

= Descrição física [038] ->29

59. Meio eletrônico [008]

30

60. Notas gerais [061]

31

61. Características [071]

37

62. Área Temática [085]

38

63. Notas de conteúdo [086]

39

64. Descritores [087]

40

65. Resumo [083]

41

66. Texto html [084]

34

67. Observações [089]

43

68. Consulta a base de dados. Abaixo estão alguns endereços eletrônicos que são úteis para esclarecer dúvidas de classificação, catalogação e indexação.

http://catalogos.bn.br - Biblioteca Nacional

http://www2.fgv.br/bibliodata/ - Fundação Getúlio Vargas

http://authorities.loc.gov - Library of Congress

www.bireme.br - Bireme

http://decs.bvs.br – Bireme – Terminologia em saúde

http://www.ct.ibict.br:82/ccn/owa/ccn_consulta - IBICT - Catálogo Coletivo Nacional - CCN
69. BIBLIOGRAFIA selecionada
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: referências bibliográficas: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: resumos: elaboração. Rio de Janeiro, 2003.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 45. ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 2002. 624 p.

CRUZ, Ana Maria da Costa; PEROTA, Maria Luiza Lourdes Rocha; MENDES, Maria Tereza Reis. Elaboração de referências (NBR 6023/2002). 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2002. 89 p.

FRANÇA, Júnia Lessa. Manual para normalização de publicações. 6. ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2003. 230 p.

RIBEIRO, Antônia Motta de Castro Memória. AACR2: descrição e pontos de acesso. Brasília: CEDIT, 1995. 577 p.



RIBEIRO, Antônia Motta de Castro Memória. Catalogação de recursos bibliográficos pelo AACR2 2002. 2. ed. revista e acrescida de índice. Brasília: E. do Autor, 2004. 1 v. (várias paginações) + 1 CD-ROM com exemplos em MARC.
Belo Horizonte, 14 de outubro de 2004. - Ilario Zandonade



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal