Iracema de oliveira memorial descritivo



Baixar 36.85 Kb.
Encontro24.07.2016
Tamanho36.85 Kb.
Prefeitura DO MUNICÍPIO DE ITAPETININGA

Secretaria Municipal da PROMOÇÃO SOCIAL

REFORMA E AMPLIAÇÃO DO PRÉDIO DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA

IRACEMA DE OLIVEIRA
MEMORIAL DESCRITIVO

Local: Rua José Malavazzi, Vila Belo Horizonte - Itapetininga - SP
Proprietário: Prefeitura do Município de Itapetininga
Responsável técnico pelo Projeto: ARQ. José Antonio Gomes Heleno - CREA 0682411799
SERVIÇOS PRELIMINARES

Serão demolidas as alvenarias na área da edificação existente para interligação da parte nova.

Será mantida a cobertura da parte existente com posterior reforma e execução da cobertura nova.

Parte do madeiramento existente será reaproveitado.

Será executado o gabarito de implantação da edificação.

Toda a obra será executada conforme a NBR 9050/94 no que diz respeito à acessibilidade de usuário portador de deficiência Física.


BLOCO NOVO

FUNDAÇÃO E SUPERESTRUTURA

Serão abertas valas corridas de 50 cm de profundidade por 50 cm de largura, onde será executado um baldrame de concreto com estacas de 25cmx5,00 m. As estacas serão moldadas in loco, diam 25cm, capacidade de 16 toneladas e executadas mecanicamente.

O baldrame será impermeabilizado a base de vedacit e neutrol nas faces laterais e superior para suporte da parte considerada em alvenaria de bloco de concreto apraente.

O Baldrame seguirá a cota de projeto, com 0,50cm da cota do terreno, menos a espessura do piso.

As estacas e a viga baldrame serão executadas com concreto Fck 20 mPa

Os pilares e vigas serão executados com concreto Fck 20 mPa.

Serão utilizadas formas de madeira para os pilares, baldrames e vigas da cobertura.

O concreto será do tipo preparo manual ou com betoneira, do tipo classe C ou B, vibrado no ato da concretagem.



ALVENARIA

Será de Bloco cerâmico,9x19x19 espessura de 19 cm Em todas as paredes, assentado com argamassa mixta de cal hidratada, areia e cimento. No respaldo superior das alvenarias será executada uma viga de concreto armado para recebimento das lajes. Sobre as janelas serão executadas vergas inferior e superior de concreto armado em elemento cerâmico (canaletas).



COBERTURA

Será utilizada cobertura de telha cerâmica tipo romana, com inclinação igual à cobertura existente sobre estrutura de madeira tipo tesoura sob as lajes superiores, fixadas diretamente na canaleta do respaldo superior da alvenaria.

Toda a cobertura deverá ser emboçada nas cumeeiras e espigões. Os vãos dos frechais deverão ser preenchidos com alvenaria e revestidos com reboco. Os beirais serão de madeira, pintados com tinta esmalte.

PISO

Será executado contrapiso de concreto, com espessura de 6cm, e argamassa mixta de cimento, cal e areia média para regularização do piso para aplicação de piso cerâmico Em todos os ambientes será executado rodapé cerâmico, assentado com argamassa de cal, cimento e areia, e rejuntado com rejunte cor marfim, tal qual o piso, exceto paredes internas.



ESQUADRIAS

As portas internas serão de madeira, pintadas com esmalte sintético, com duas demãos de seladora.

As janelas e batentes externos serão de caixilho de ferro fixadas em contramarcos de chapa de aço sobre a estrutura por parafusos .Os vidros serão canelados de 4 mm de espessura.

PINTURA

As portas internas receberão duas demãos de selador acrílico.

As portas internas serão pintadas com duas demãos de esmalte sintético.
INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS
1.1 SISTEMAS

Do projeto, constarão os seguintes sistemas de tubulações:

- Água potável fria

- Esgotos sanitários, gordurosos e ventilações

- Águas Pluviais e drenagem superficial

- Distribuição de gás combustível GLP



2. NORMAS DE EXECUÇÃO

2.1 NORMAS TÉCNICAS

Somente poderão ser empregados na obra, materiais novos, atendendo as Normas aprovadas ou recomendadas e especificações deste Memorial.

Os serviços serão executados observando-se as seguintes exigências:

2.2 DE MONTAGEM DAS TUBULAÇÕES

Todas as tubulações quando na horizontal, deverão ser assentadas sobre apoios conforme o seguinte esquema:

Em tubulações enterradas: lastro de concreto ou terreno firmemente compactado.

Em tubulações sobre lajes: serão apoiadas sobre lastro contínuo de tijolos maciços, assentados de maneira apropriada.

Em tubulações suspensas nas lajes: serão afixadas na estrutura por meio de suportes apropriados, conforme padrões de boa técnica, obedecendo rigorosamente as distâncias máximas entre suportes indicadas no projeto.

As tubulações de PVC rígido não poderão, em hipótese alguma, ficar sujeitas a solicitações mecânicas nem serem embutidas em elementos estruturais do edifício, salvo em furações previstas e indicadas em projeto.

Nas instalações enterradas, os tubos de PVC rígido deverão ficar, no mínimo a 0,80 m de profundidade, se houver tráfego e 0,60 m de profundidade nos demais casos. Fora destes parâmetros, os tubos deverão ser convenientemente envelopados em concreto.

2.3 DOS TESTES

Todas as tubulações deverão ser testadas conforme segue:

Tubulações pressurizadas: serão testadas a 1,5 vezes a pressão de serviço, devendo o teste durar 6 (seis) horas sem que sejam detectados vazamentos.

As redes de água, somente serão aceitas após realização dos testes referentes a norma NBR-5651/75 (Recebimento de Instalações de Água Potável) da ABNT.

Os testes de estanqueidade serão aplicados conforme a NBR 5657/75 da ABNT.

As tubulações gravitacionais (esgoto e águas pluviais) serão testados por meio de carga hidrostática, devendo o referido teste durar 6 (seis) horas sem que sejam detectados vazamentos.

Os tubos, antes de serem testados, não deverão ser embutidos, encobertos ou isolados.

A aceitação formal e final das INSTALAÇÕES fica condicionada ainda a:

- Execução dos testes, ensaios e inspeções previstas neste escopo.

- Aceitação formal das companhias concessionárias.



3. DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS PROJETADOS

3.1 REDE DE ÁGUA POTÁVEL FRIA

A rede de Água Fria será alimentada pela rede pública, com instalação de hidrômetro no alinhamento do prédio conforme padrão da SABESP. O cavalete do hidrômetro será de Aço carbono galvanizado, conforme Din 2440, extremidades roscáveis, rosca BSP, fabricação Apollo ou similar com conexões de ferro maleável, roscáveis, galvanizadas, classe 150 Lbs., fabricação Tupy.

Será utilizado reservatório existente do edifício, com complementação de novo reservatório plástico de 1000 lts para alimentação da parte nova a ser construída. As tubulações utilizadas em alto, baixo e prumadas serão:PVC rígido, classe 15, serie "A", soldáveis, conforme NBR-5648 da ABNT (marron), fabricação Tigre ou Fortilit. Nas paredes: PVC rígido, classe 15, serie "A", soldáveis, conforme NBR-5648 da ABNT (marron), fabricação Tigre ou Fortilit.

Juntas: com solução limpadora e cola pvc.

REGISTROS

Aparentes: Registros de gaveta e demais registros até ø 4" inclusive, serão em bronze ou latão, extremidades roscáveis, hastes fixas, classe l25 libras, linha industrial, de acabamento bruto, fabricação Niagara, Deca ou Mipel.

Registros de esfera, serão em bronze, extremidades roscáveis, hastes em latão, classe l50 libras, acabamento bruto, fabricação Niagara, Deca ou Mipel.

Embutidos: Registros de pressão e demais metais sanitários para pias, lavatórios etc, serão de fabricação Deca, Docol ou Fabrimar, com modelos, canoplas e acabamentos defininos no projeto arquitetônico.


3.2 REDE DE ESGOTO

Será construída rede ampliada da rede de esgotos, considerando a rede existente, com eventuais correções das linhas. Todo o esgoto será encaminhado para rede pública, conforme situação já existente.



Tubos de Queda: Tubos de PVC rígido branco, juntas elásticas com anéis de borracha, referência da Tigre ou similar da Fortilit.

Arranjos secundários ventilações e redes enterradas: PVC rígido conforme NBR - 5688 da ABNT (branco), pontas lisas, com conexões de PVC rígido juntas elásticas, com anéis de borracha, fabricação Tigre ou Fortilit.



Maneira de instalar: As juntas serão vedadas com anéis de borracha, dos mesmos fabricantes de cada material aplicado.

RALOS


Sifonados para redes em PVC: Caixas sifonadas serão em PVC rígido, completas, com porta grelhas e grelhas em aço inox, do mesmo fabricante dos tubos e conexões.

LOUÇAS E METAIS SANITÁRIOS

Conforme especificações do projeto arquitetônico.
3.3 REDE DE ÁGUAS PLUVIAIS

Será construída nova rede de águas pluviais para o atendimento de todo o edifício e a casa do caseiro. Toda a rede de águas pluviais será direcionada para a via pública

Coletores enterrados:

Tubo de PVC rígido reforçado série “R” , até atingirem as caixas de passagem indicadas.

Maneira de instalar:

As juntas serão vedadas com anéis de borracha, dos mesmos fabricantes de cada material aplicado.


DISPOSITIVOS DE ACESSO A PORTADORES DE DEFICIÊNCIAS

Os corredores internos terão dimensões previstas para o uso de portadores de deficiências de acordo com a NBR 9050/94..

As portas das salas e entradas obedecerão à mesma norma.

Será executado sanitário único para portador de deficiências, localizado no corredor das salas.


INSTALAÇÃO ELÉTRICA
Medição classificada na Categoria C4 (25 < C < 75 – 36 < D < 47) de acordo com a Norma Técnica GE/NT/605 da Companhia Sul Paulista de Energia – CSPE, concessionária da região de Itapetininga.
OBJETIVO – Elaborar a distribuição de iluminação e tomadas conforme as normas em vigor para energizar as instalações ora projetadas e dimensionar a Entrada de Energia Elétrica conforme normas da Concessionária local, CPFL.

CARACTERÍSTICAS DO PRÉDIO – O Prédio será construído em único nível, térreo, e será utilizado para finalidade educacional. Será também construído um bloco que funcionará como Casa do caseiro.

CARACTERÍSTICAS DAS INSTALAÇÕES – As instalações elétricas serão feitas para atender aparelhos simples, não sendo prevista a instalação de equipamentos especiais, muito embora o projeto contemple três tomadas de 2.000 Watts sendo duas para a cozinha.

CONDUTORES –Nas distribuições dos circuitos serão utilizados cabos de 35, 16 e 10 mm². Nas passagens pelo solo serão considerados cabos tipo Sintenax de isolação reforçada, especiais para esse tipo de instalação. Para todas as demais instalações serão utilizados fios Antiflam com isolação antichama, nas bitolas indicadas em projeto.

DISTRIBUIÇÃO – Será instalado um Quadro de Força (QF) para distribuição dos circuitos de alimentação do bloco novo, com chaves tipo NH e fusíveis dimensionados adequadamente. Esse Quadro terá barramento trifásico tipo Centro-disjuntor para ligação de disjuntores termomagnéticos tipo Quick Lag, para proteção dos circuitos. Além desses barramentos, o Quadro de Distribuição deverá conter barramentos de Neutro e Terra (PE). Todos os circuitos serão na tensão de 220 Volts e, portanto, todos os disjuntores serão bipolares.

ATERRAMENTO – Os aterramentos serão feitos com hastes terra de aço cobreado tipo Cooperweld com bitola de 5/8” e 2,40m de comprimento. Todos os aterramentos feitos nas instalações deverão ser levados até um ponto para equipotencialização dos Terras que deverá ser feito no local mais adequado a ser convenientemente escolhido quando do início das obras. Todas as luminárias e equipamentos metálicos deverão conter conexão com o fio terra. As recomendações para aterramento das instalações deverão ser feitas no Projeto de Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas.

TUBULAÇÕES –As tubulações dos cabos de energia para alimentação do Quadros de Força deverão ser feitas com mangueira preta, lisa, de polietileno. Para as tubulações empregadas na parede serão utilizados os flexíveis tipo "garganta" com bitola não inferior a 3/4". Na laje recomenda-se o corrugado emborrachado (tipo Spiraflex) que é resistente às pressões mecânicas que podem ocorrer no momento da concretagem. Muitas vezes os corrugados flexíveis comuns ficam danificados provocando obstrução na passagem da fiação elétrica.

ILUMINAÇÃO – Foram projetadas luminárias de calha aberta para duas lâmpadas fluorescentes de 40W nas salas gerais, com fluxo luminoso acima de 500 lux. A iluminação externa do prédio terá luminárias comuns, com lâmpadas incandescentes de 100W.

TOMADAS E INTERRUPTORES – Todos os equipamentos a serem instalados deverão ser do tipo convencional, de placas de acabamento na cor cinza, para interruptores e tomadas. As tomadas de uso geral serão tipo Universal para utilização em 220V. As tomadas para computador deverão conter três pólos (tipo TURC para dois pinos chatos e um redondo) para aterramento.

OBSERVAÇÕES – Não estão previstas instalações de cargas futuras. Todos os serviços deverão obedecer as Normas e Padrões vigentes.

O fornecimento de energia elétrica será mantida na tensão 220/127 Volts, alternada, freqüência 60 Hz, três fases e neutro, direto da rede pública de BT da concessionária.

A instalação em questão terá as linhas elétricas instaladas conforme os seguintes métodos, dependendo da localização das mesmas.:



  • eletrodutos embutidos em alvenaria.

  • Eletrodutos enterrados no solo.

  • Eletrodutos no forro, em perfilados e eletrocalhas.

  • O quadro de distribuição e proteção deverá possuir barramento trifásico, barras de neutro e terra, separadas, previsão para instalação de disjuntor geral, sendo adequada à instalação de disjuntores tipo DIN para melhor acomodação com os dispositivos DR.

  • Deverá ser dotado de tampa e fecho e sinalização de advertência.

Obs.: Nesta Etapa da obra não será construida a casa de caseiro prevista no Projeto.



Proprietário: ____________________________

Prefeitura do Município de Itapetininga




Responsável técnico pelo ____________________________

Projeto: ARQ. José Antonio Gomes Heleno

C.R.E.A. 0682411799


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal