Isabel Cristina Branco de Souza Silvana Maria dos Santos Martendal Nome do Tutor: André Luiz Portanova Laborde



Baixar 127.82 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho127.82 Kb.


Secretaria de Educação a Distância – SEED/MEC

Universidade Federal do Rio Grande

Programa de Formação Continuada Mídias na Educação

Conhecendo a Literatura com auxílio das Mídias

Cursistas:



Isabel Cristina Branco de Souza

Silvana Maria dos Santos Martendal
Nome do Tutor:

André Luiz Portanova Laborde
Florianópolis, junho de 2009

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO................................................................................................4


2. OBJETIVOS....................................................................................................6

2.1. Objetivo Geral....................................................................................6

2.2. Objetivos Específicos........................................................................6
3. JUSTIFICATIVA..............................................................................................8
4. REFERENCIAL TEÓRICO............................................................................10
5. METODOLOGIA Proposta de ações a serem realizadas.............................13

1ª etapa-Leitura do livro Romeu e Julieta de William Shakespeare.......13

2ª etapa-Leitura de poemas de Carlos Drummond de Andrade

e Vinícius de Morais..........................................................................................13

3ª etapa-Leitura do poema Luís de Camões..........................................13

-Ouvir a música MONTE CASTELO (Legião Urbana).............13

-Elaboração de poemas que falem de amor............................13

4ª etapa-Divulgação dos poemas e idéias em um blog..........................14

5ª etapa-Assistir ao filme Romeu e Julita (adaptado para o cinema).....14

-Adaptação da história Romeu e Julita para um filme..............14


6. CRONOGRAMA............................................................................................16
7. AVALIAÇÃO..................................................................................................17
8. CONSIDERAÇÕES FINAIS..........................................................................18
9. REFERÊNCIAS.............................................................................................21

Resumo

O Projeto “Conhecendo a Literatura com auxílio das Mídias” é direcionado a alunos de 8ª série / 9º ano com o objetivo de promover o acesso à cultura e a reflexão sobre seu efeito na sociedade e na história. A partir da leitura do livro “Romeu e Julieta” de Willian Shakespeare (adaptação em português de Ana Maria Machado) e de poemas de Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes e Luís de Camões o aluno vai poder entrar no universo de tema “Amor” e relacioná-lo com a história literária assim como fatos históricos e sociais. Abordar uma obra literária de tamanha dimensão artística e cultural propicia a agregação de conhecimentos e o desenvolvimento da criatividade ainda por permitir uma possível releitura ampliando-a para situações do cotidiano. Possibilitando uma aproximação maior entre aluno e obra literária, o presente projeto permite o uso de mídias em função da aprendizagem e promove o conhecimento da língua através do lúdico com a produção de um filme baseado nesta obra que é o objeto de estudo.



1. INTRODUÇÃO
A aprendizagem é um processo contínuo que promove o desenvolvimento do ser humano. O Projeto de Trabalho na escola consiste em promover a internalização das descobertas que o aluno faz com o meio e com os outros através das interações.
A elaboração e execução de um projeto devem contemplar um caráter motivador para que o aluno decida querer aprender. Dessa forma, propõe-se aqui um trabalho com projeto em que é permitido ao aluno um aprendizado a partir de atividades em grupos para que através da interação ele possa desenvolver seu conhecimento através das suas contribuições e das contribuições coletivas. Além disso, poderá tornar seu aprendizado mais significativo com experiências reais de produções textuais partindo de conhecimentos literários e culturais e ampliando seu repertório intelectual, seu conteúdo científico e seu saber histórico.
A partir desse Projeto de Trabalho que será desenvolvido no CEM Prof.ª Maria Iracema Martins de Andrade (Barreiros – São José – SC) – uma escola com um número de alunos que soma 1720 no total (1400 – ensino fundamental / 320 – EJA) e que conta com recursos físicos e tecnológicos (auditório, sala de dança, laboratório de informática, data-show, TV e Vídeo) que possibilitarão o desenvolvimento deste projeto – os alunos da 8ª série/9º ano conhecerão a obra “Romeu e Julieta” de Willian Shakespeare e todo o bem cultural que circunda tal obra. De uma forma descontraída produzirão saberes em torno de gêneros textuais que se interrelacionarão com o tema principal “Amor” e, ainda, conhecerão outros autores e obras literárias, traçando um percurso em diversos gêneros e ampliado seu universo comunicativo.

Com um conhecimento adquirido, poderão, então, produzir suas próprias criações e divulgá-las em um blog criado pela própria turma, utilizando a tecnologia como recurso de aprendizagem e a língua com um verdadeiro objetivo, ou seja, os textos produzidos serão realmente lidos.



O Projeto de Trabalho “Conhecendo a Literatura com auxílio das Mídias” alia a tecnologia, ainda, quando propõe a produção de um filme a partir de uma releitura de Romeu e Julieta abordando temas transversais e conflitos vividos por nossos jovens atualmente.
A consciência literária dos alunos será desenvolvida a partir de várias leituras. Além de Willian Shakespeare os alunos lerão Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, Luís de Camões e Legião Urbana, observando o contraste das épocas históricas de cada obra e relacionando-as com momento em que vivem. Além disso, assistirão ao filme Romeu e Julieta para ampliarem ainda mais suas referências.
O Projeto de Trabalho em questão pretende ampliar o universo cultural e comunicativo dos alunos assim como desenvolver conhecimento e habilidades para a vida social, intelectual, acadêmica e profissional do cidadão que a escola deve formar.


2. OBJETIVOS


2.1. Objetivo Geral:
Conhecer a obra “Romeu e Julieta” de Willian Shakespeare, considerado o maior dramaturgo da literatura mundial, percebendo a escola como ambiente que privilegia a palavra, principalmente a escrita, num espaço de ensino com práticas educativas e culturais tendo as Mídias como fonte de aprendizagem.


2.2. Objetivos Específicos


  • Ler e aprofundar o conhecimento sobre o título Romeu e Julieta;

  • Conhecer e reconhecer as personagens dessa história em outras de outros autores;

  • Refletir sobre as mudanças da língua com o passar do tempo;

  • Organizar-se com a leitura completa da obra, identificando palavras desconhecidas e ampliando o vocabulário;

  • Saber identificar o período histórico em que o autor viveu e em que a história foi escrita;

  • Trazer para a atualidade os conflitos que viveram as personagens e a relacionar conflitos atuais que os jovens vivenciam;

  • Conhecer outras obras de Willian Shakespeare e outras manifestações do autor, além do teatro;

  • Conhecer outros grandes autores de diferentes épocas cujo tema de suas obras também é o Amor;

  • Produzir textos, valorizá-los e publicá-los para que sejam lidos;

  • Usar a tecnologia a favor do conhecimento;

  • Fazer uso da Mídia Informática como nova forma de ação e de interação no mundo social;

  • Usar o blog como uma maneira de relacionamento com os outros e consigo mesmo;

  • Perceber a Mídia Material Impresso como uma possibilidade de estímulo à reflexão e transformação do sujeito social;




  • Valorizar a TV e Vídeo como uma oportunidade de aquisição de conhecimentos das linguagens audiovisuais;

  • Contrapor significados nos conhecimentos veiculados pelas Mídias e assumir postura tornando-se receptor ativo;

  • Ver a escola como lugar que estimula a curiosidade e o uso das Mídias como respostas para satisfazer suas capacidades questionadoras.


3. JUSTIFICATIVA

A escola é o ambiente em que se adquire conhecimento e cultura e a Literatura é um dos caminhos para o desenvolvimento de habilidades como interpretação, leitura e escrita. Conhecer o mundo através da leitura é uma oportunidade que deve ser oferecida pela escola. Através da Literatura o aluno viaja pela história real e ficcional e conhece personagens que o marcarão e povoarão sua imaginação.


Porém, a grande preocupação da escola é elaborar estratégias para incentivar os alunos a lerem e principalmente se interessarem pelo que lêem. Com as transformações sociais ocorridas a escola se vê também em estágio de mudança e busca aliados para provocar os sentidos e curiosidades das crianças.
Nesse momento de transformações as Mídias surgem como veículos de educação e principalmente como parceiras tanto da escola como dos educandos com finalidades educativas, culturais e informativas.
As Mídias Material Impresso, Informática e TV e Vídeo foram elencadas, então, para este Projeto de Trabalho como instrumentos educativos, articuladoras de saberes e promotoras de conhecimentos, assessorando o professor no processo de mediação. Mídias e Escola em um trabalho conjunto para desenvolver em seus alunos habilidades para lidar com o novo e o desconhecido, enfrentar as mudanças do mundo atual, levantar problemas e possíveis soluções.
Dessa forma, a escola pode desenvolver um conhecimento em sala de aula utilizando o poder de atração das mídias e o poder de comunicação que elas apresentam. Unir as Mídias à Literatura seria uma provocação da curiosidade e o desenvolvimento da capacidade questionadora voltando a atenção para conhecimentos históricos, lingüísticas, culturais e sociais que a Literatura promove, mas que ficariam adormecidos sem as Mídias com recursos.

Conhecer Willian Shakespeare através de Romeu e Julieta e do amor inesquecível vivido por eles na história da Literatura é uma forma de estar conectado com a história ficcional e a história real, já que esta obra trata-se de um patrimônio mundial. Dessa forma, a escola precisa oferecer esta oportunidade a seus alunos e permitir que a interpretação extrapole a linha do tempo e que o tema principal “amor” seja resgatado e avaliado dentro da Literatura, a partir da visão de outros autores e da evolução através da história.


Assim, os alunos poderão também conhecer outras obras e autores a partir desse tema, ampliando suas referências, além de analisá-lo no transcorrer do tempo; poderão, ainda, avaliar o amor vivido pelos jovens atualmente assim como a mudança de comportamento dos jovens em relação ao amor e às mudanças sociais.
Ler Romeu e Julieta, então, pode ser uma maneira de reforçar e ampliar as referências de leitor que podem ser úteis em todas as histórias lidas, vividas ou sonhadas por aquele cidadão a quem um dia lhe foi permitida esta oportunidade.
Adquirir o conhecimento provocado pela Literatura com o auxílio das Mídias é estar em uma escola praticante de uma pedagogia ativa que tem um papel decisivo na construção do cidadão crítico e reflexivo.

4. REFERENCIAL TEÓRICO

O trabalho com projetos diz respeito a situações concretas de aprendizado. Além disso, para o ensino da língua, contribui na concretização de produção e recepção de textos. Ao produzir um texto e divulgá-lo com objetivo (para que seja lido), o aluno produz para um determinado público estabelecido previamente; há, portanto, um leitor ou um interlocutor real, que exige um texto coerente, coeso e interessante. Isso estimula a produção textual, faz com que os alunos tenham interesse em escrever, porém é importante também que os estudantes tenham total domínio sobre o que estão escrevendo


Para que a escrita de textos seja interessante é necessário, então, antes de qualquer recurso, que o professor permita primeiramente que os alunos se apropriem do assunto sobre o qual irão escrever. É aí que o ensino através de projetos facilita, já que diferentes áreas do conhecimento são ativadas, mesmo que o projeto não tenha pretensão em ser interdisciplinar. Neste momento a Mídia Impressa surge como uma grande aliada possibilitando o estímulo à reflexão e transformação do sujeito social e auxiliando a juventude, através da leitura, a viver no mundo atual de maneira criativa e a enfrentar os novos tempos de modo ativo numa sociedade que se tornou extremamente complexa.
A leitura é a base do pensamento científico, já este se alimenta do saber que relaciona os novos conhecimentos com os anteriores, adquiridos através da leitura. Cabe à escola procurar desenvolver o raciocínio dos educandos promovendo a leitura de gêneros diferenciados que apontam para uma ligação entre as ciências da natureza e as ciências sociais e humanas.
Os projetos favorecem o trabalho em grupo, a organização e a troca de contribuições com vistas a se atingir um objetivo comum. Trabalhando com projetos o professor abre um leque de possibilidades para que possa alcançar todos os tipos de aprendizagens, já que cada aluno aprende de um jeito.
Segundo Howard Gardner as pessoas têm inteligências múltiplas; existem oito inteligências diferentes; a maioria das pessoas se destaca em duas ou três e é mais fraca nas outras. Sendo assim, quando uma abordagem educacional está em consonância com a inteligência mais forte do aluno, a compreensão pode ocorrer com mais facilidade e com maior entusiasmo. Além disso, com os projetos, alunos inibidos têm oportunidade de se manifestar; aqueles que ainda não se expressam eficazmente na escrita podem se expressar oralmente; os que têm outras habilidades como desinibição para falar, desenhar, ilustrar, etc., sentem-se valorizados.
A prática docente, segundo Freire (1999), pressupõe certas exigências: respeito aos saberes dos educandos; reflexão crítica sobre a prática; humildade e defesa dos direitos dos educadores; liberdade e autoridade; saber escutar e dialogar com os educandos.

Assim, a escola atual e os seus alunos exigem um professor articulador de saberes que vincula as vivências dos jovens gerando uma relação entre a rotina escolar e o contexto dos educandos.


O blog como um recurso da Mídia Informática pode tornar as experiências escolares atrativas para os educandos. Nele e com ele os alunos podem expressar a interpretação individual e coletiva. Segundo Thompson (2004, p 13) o uso da mídia “implica a criação de novas formas de ação e de interação no mundo social, novos tipos de relações sociais e novas maneiras de relacionamentos do indivíduo com os outros e consigo mesmo”.
Utilizar recursos para promover o conhecimento dos alunos e modificar a dinâmica da classe já era busca de Freinet na conhecida Escola Nova. Celéstin Freinet (1896-1966) criou, por volta de 1930, a “correspondência interescolar” em que os alunos trocavam, pelo correio, textos, desenhos, poesias com outros alunos de outras escolas da França, de outros países da Europa e da África. Nos dias de hoje, as novas tecnologias, principalmente o computador e a internet, facilitam a troca entre os alunos dentro da própria escola e o blog é um bom recurso para isto.

O aproveitamento dos computadores vem para colaborar e melhorar a situação atual da educação em que a crise econômica e a perda da autoridade dos pais interferem na identidade da escola. O que a afirmação de Perrenoud (1999, p. 15) resume: “Pede-se à escola que instrua uma juventude cuja adesão ao projeto de escolarização não está mais garantida”.


As fontes de aprendizagem se multiplicam através das Mídias e a TV e o Vídeo podem mostrar estratégias direcionadas para os conteúdos escolares. Assistir a um vídeo ou produzir um filme a partir de uma obra literária é privilegiar a palavra, mas principalmente envolver os sentidos a trabalho do intelecto.

O conhecimento se dá quando a escola dialoga com as transformações ocorridas na sociedade, quando inclui a vivência na sala de aula, quando é permitido levantamento de hipóteses e desenvolvimento de concepções, quando dá oportunidade de conhecer e desenvolver experiências culturais ricas e importantes para a integração social e o exercício da cidadania.


Assim, entende-se que ação pedagógica mais adequada e produtiva é aquela que contempla o intercâmbio de culturas e biografias, e mais, que garante seu lugar na sala de aula; é aquela que promove condições para que os alunos se desenvolvam de forma harmoniosa, tornando-se autônomos e cooperativos, críticos e criativos.

5. METODOLOGIA
Proposta de ações a serem realizadas:
1ª etapa - Leitura do livro Romeu e Julieta de William Shakespeare
Ações:

  • Conversa sobre histórias de amor que já leram, assistiram em filmes, novelas ou já ouviram.

  • Levá-los a uma conclusão sobre os conflitos que fazem uma história ser uma história de amor: o casal se conhece, se apaixona, surge alguém ou alguma coisa que os separa, sofrem e, por fim, normalmente, terminam juntos e felizes para sempre.

  • Levá-los a refletir sobre alguma história de amor contada nos livros, novelas ou filmes que talvez não tivesse um final feliz.

  • Apresentar o livro “Romeu e Julieta” de William Shakespeare (adaptação em português de Ana Maria Machado) e convidá-los a ler.

  • Após a leitura, iniciar uma interpretação da história e da época em que foi escrita, assim como a intenção do autor e a finalidade do texto.

  • Trazer informações sobre o autor e outras obras de sua autoria como “Sonho de uma noite de verão”, “Otelo” e “Megera domada”, além de mensagens e reflexões elaboradas por Shakespeare ao longo de sua carreira.

  • Apresentar em áudio a mensagem “Você aprende” para que os alunos possam conhecer outras obras do autor.


2ª etapa - Leitura de poemas de Carlos Drummond de Andrade e Vinícius de Morais
Ações:

  • Levar-lhes impressos os poemas “Toada do amor” de Carlos Drummond de Andrade e “Soneto de Separação” de Vinicius de Moraes e fazer uma correlação dos poemas com o texto do livro, principalmente no que se refere ao tema AMOR.


3ª etapa - Leitura do poema Amor é fogo que arde sem se ver de Luís de Camões;

- Ouvir a música MONTE CASTELO (Legião Urbana)

- Elaboração de poemas que falem de amor
Ações:


  • Conversar sobre a popularidade das personagens Romeu e Julieta citadas em músicas, culinária, etc..

  • Falar da popularidade de outras obras culturais e de outros autores como Luís de Camões e o poema “Amor é fogo que arde sem se ver”.

  • Apresentar o poema impresso para que façam a leitura.

  • Conversar sobre letras de músicas que são poemas.

  • Apresentar em DVD (audiovisual) a banda Legião Urbana e a música Monte Castelo (poema de Camões).

  • Refletir com eles sobre o tema AMOR que fascina diferentes gerações em diferentes épocas.

  • Pedir que pesquisem um poema sobre este tema e tragam-no para a escola.

  • Convidá-los a produzir o próprio poema.


4ª etapa - Divulgação dos poemas e idéias em um blog
Ações:

  • Levá-los ao laboratório de informática acessar um site e provedor que explicam passo a passo como montar um blog e convidá-los a elaborar um blog comunitário (da classe) – se cada um quiser aproveitar as dicas para montar o seu próprio blog poderá fazê-lo.

  • Escolher um título para o blog que tenha relação com o assunto estudado.

  • Destacar que o blog da classe será um meio de comunicação entre alunos e professor e que o assunto abordado ali ficará em torno do tema Romeu e Julieta.

  • Interá-los sobre a primeira publicação que farão: o poema que criaram; além de opiniões sobre os trabalhos dos colegas e sobre o(s) assunto(s) discutido(s) em sala.


5ª etapa - Assistir ao filme Romeu e Julita (adaptado para o cinema)

- Adaptação da história Romeu e Julita para um filme


Ações:

  • Apresentar aos alunos o filme Romeu e Julita

  • Observar que a história do filme foi ambientada em uma época histórica diferente da época do livro lido.

  • Levá-los a observar que mesmo em épocas diferentes o filme tentou retratar a linguagem do livro.

  • Observar a rivalidade das famílias e como ela foi representada no filme.

  • Ressaltar que o momento histórico em que foi escrita permite algumas atitudes como andar armado (com espadas), por exemplo, o que já não é possível nos dia de hoje. No entanto, tanto os Capuletos quanto o Montechios e seus serviçais, no filme, andam armados (com armas de fogo), o que torna a história um pouco estranha.

  • Fazê-los observar que o fato das personagens do filme andar armadas é uma espécie de caricatura da realidade e que cada história pode ser adaptada por um novo autor, desde que mantenha a essência do enredo.

  • Falar que literatura é uma arte e que escritores, como qualquer outro artista, tentam expressar o momento em que vivem. Falar do cinema que é uma expressão artística e que em uma releitura acontece também criação, elaboração e arte.

  • Convidá-los a elaborar um filme cujos personagens sejam Romeu e Julieta e cuja história tenha grande relação com a criada por William Shakespeare.

  • Aspectos que podem retratar:

- linguagem do livro;

- situação econômica das famílias (neste aspecto podem fazer uma relação oposta);

- violência (quais as violências são encontradas no texto; moral, física, psicológica...?);

- impossibilidade no amor (motivos diversos);

- conseqüências que relações mal resolvidas e clima de ódio e rancor entre famílias podem trazer para futuras gerações.
6. CRONOGRAMA

O estudo da obra Romeu e Julieta iniciar-se-á em março com a leitura e interpretação e se estenderá durante todo o ano letivo de forma dinâmica com abertura para outros conhecimentos.


O cronograma a seguir representado em forma de tabela permite uma melhor visualização das ações pedagógicas e dos conhecimentos que serão trabalhados durante o processo de implementação do projeto “Conhecendo a Literatura com o auxílio das Mídias”


Ações:

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

Leitura do livro







X

X

























Interpretação da obra







X

X

X






















Identificação histórica







X

X

X






















Produção Text. (opinião)













X






















Produção Text. (poema)










X

























Produção Text. (teatro)
















X



















Produção (resenha)













X







X













Elaboração de um Blog










X

























Postagens no Blog













X

X

X

X

X

X

X




Relatório semanal







X

X

X

X

X

X

X

X

X




Assistir ao filme






















X













Produção do filme






















X

X

X







Mostra do filme































X



O cronograma é flexível e está sujeito a alterações.



7. AVALIAÇÃO

A avaliação é processual e de forma a envolver os alunos e acontecerá durante todo o desenvolvimento do projeto.


O blog será um meio de avaliação: todos os trabalhos desenvolvidos serão publicados ali; durante a elaboração do filme os alunos estarão divulgando no blog o andamento de seus planejamentos numa espécie de relatório semanal, relatando a socialização das tarefas e assiduidade (caso não tenham condições de fazer este relatório virtual, farão uma pasta de relatório real e apresentarão semanalmente).
A avaliação final será na mostra do trabalho em um evento de encerramento do projeto: Mostra do filme.
Mídias e tecnologias a serem utilizadas:
Mídia Material Impresso:

- Livro Romeu e Julieta de William Shakespeare ;

- Poemas de autores brasileiros como Carlos Drummond de Andrade e Vinícius de Moraes;

- Poema Amor é fogo que arde sem se ver de Luís de Camões.


Mídia TV e Vídeo:

-Vídeo com o filme Romeu e Julieta

- CD ou DVD da Legião Urbana com a música Monte Castelo;

-Vídeo do filme produzido pelo educandos.


Mídia Informática:

-Uso da Internet para criação de um blog cuja temática é Romeu e Julieta (escritura de poemas e depoimentos sobre o livro);


Recursos necessários para a gravação do filme:

- laboratório de informática (programas de computador);

- câmera fotográfica e filmadora;

- figurino e cenário (improvisado com ajuda da família e da escola).



8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Existe uma padronização no ensino que precisa de uma ruptura para que a aprendizagem aconteça de fato. Cada aluno aprende de um modo diferente, com métodos estilos e ritmos diferentes. Embora saibamos disso, a incerteza está em saber quais diferenças são essas; questiona-se sobre inteligências múltiplas ou aptidões diferentes... Se existem incertezas quanto à aprendizagem e educação existe, porém, uma única certeza: a palavra diferença precisa ser considerada neste meio. “Somos todos iguais”, diz a Constituição. Iguais sim, em direitos, mas com nossas individualidades. Uma escola, uma instituição de ensino, uma organização que acolhe o mais variado número de indivíduos sintonizados ou não entre si que impõe-nos uma situação de interdependência, precisa da relevância tal qual qualquer organização social: somos iguais sim, porém diferentes.

O objetivo maior da escola deveria ser educar seus alunos para que alcancem seu máximo potencial e para isto precisa entrar em consonância com suas individualidades para que a compreensão possa ocorrer com mais facilidade e com maior entusiasmo. A aprendizagem baseada na tecnologia é uma saída para um desejo de ensino fundamentado no aluno. A aprendizagem baseada no computador, por exemplo, que é um grande instrumento de acesso às mais variadas mídias, está surgindo como força unilateral e oportunidade promissora para fazer esta mudança. A educação, a escola, o sistema de ensino precisam mudar, é verdade. Mas, simplesmente abarrotar as salas ou laboratórios de informática com computadores para repetir o sistema existente, não vai adiantar. O acesso à tecnologia não deve surgir para o aluno como matéria independente, e sim como suporte para o modo como os alunos aprendem. Para tanto, é necessário que o professor busque qualificação para que acompanhe o ensino-aprendizagem baseado na tecnologia, no computador.

A aprendizagem baseada nas tecnologias da informação e comunicação (TICs) necessita do desejo de mudança, mas não será só isto que fará com que ela ocorra. Ela já está agindo como uma força unilateral para a inevitável mudança que ainda está em seu início, porém impedirá que alunos e professores nadem contra ela quando assumir suas devidas proporções. A maré da tecnologia vai fazer com que alunos e professores estejam ligados à educação on-line, tornando a aprendizagem mais envolvente e individualizada, criando diferentes tipos de aprendizagens para diferentes aprendizes. Talvez este seja o caminho promissor em direção à motivação dos alunos e ao futuro da reforma educacional.

A instituição escolar sofre uma mudança: tem como desafio a democratização. Não só a democratização do acesso, mas também do sucesso na escola. Essa sua grande mudança está relacionada ao processo de democratização da sociedade que traz novas finalidades para a educação. Uma delas é a autonomia dos alunos diante o conhecimento.
Para tanto é preciso conhecer o papel do professor entre a fase da descoberta e a fase de formalização do conhecimento de seu aluno, e ainda, a postura do aluno diante a saturação de conhecimento; o professor deve ajudá-lo a não ser só um receptor de tudo aquilo a que tem acesso na Internet e na televisão, mas sim ter condições de avaliar as informações recebidas.
Com o desenvolvimento da tecnologia as mídias se fazem muito mais presentes na vida dos alunos e, se antes disso, para a educação, as informações recebidas pelos alunos não eram muito significativas e numerosas, agora os alunos sofrem um verdadeiro bombardeio de informações e a escola precisa estar apta para trabalhar estas informações misturadas.

Além de ter como papel auxiliar na organização das informações recebidas pelos alunos através dos mais variados tipos de mídias, a escola – e o professor como seu maior representante – deve aproveitar este recurso (a tecnologia) como instrumento de aprendizagem num equilíbrio entre a pesquisa e a efetivação do conhecimento. Tal atitude pode permitir à escola levar o aluno ao sucesso, já que o conhecimento é mais bem aproveitado quando se consegue transferi-lo para situações distintas.


A escola tem com a tecnologia a oportunidade de permitir que a criança descubra o conhecimento fora do núcleo familiar, que alcance uma dinâmica de estudo que transpasse o perímetro de bairro, cidade, estado, país e depois, alcance o mundo.
Os meios estão aí, basta os professores saberem e quererem aproveitar. Hoje a maioria das escolas possui equipamentos que possibilitam o acesso às mídias como revistas, jornais, aparelhos de som e DVD, computadores... Tudo isso aliado a um planejamento de ensino em que vise à instrução e à educação – considerando que instrução é o saber e educação, os valores – permitirá, ou pelo menos, apontará o caminho para a mudança tão necessária no cotidiano da escola. Para que isso ocorra, além do planejamento, é necessário um trabalho coletivo dos professores na elaboração de projetos que oportunizem um clima em função do trabalho coletivo, ultrapassando aí, os perímetros das áreas de conhecimento e os perímetros da própria escola. Tais perímetros podem e devem ser rompidos e a Internet pode ser uma grande aliada para o alcance do bairro, da cidade, do estado, do país e chegar ao mundo. Com o computador e a Internet o aluno agora deixa de ter somente lápis, canetas e folhas em branco para registrar seus conhecimentos e passa a ter teclado, mouse e monitor para publicar idéias e pensamentos lançados por ele a partir de uma instrução que adquiriu, talvez, utilizando, além de outros recursos, o próprio computador e a Internet.
Os efeitos da escola na vida dos educandos podem e devem ser maiores do que está ocorrendo, para isso é preciso alterar a prática pedagógica e lançar mão do comodismo apoiado na economia para explicar as dificuldades sociais e conseqüentemente o insucesso escolar. A escola é um meio e o computador e Internet, somados, um recurso para preparar cidadãos capazes de criar uma nova sociedade – e o trabalho coletivo é o maior exemplo para isto.

A escola não deve ensinar a solidariedade, por exemplo, primeiro ela deve ser solidária. Só assim seus alunos romperão as fronteiras e alcançarão o mundo.



9. REFERÊNCIAS

ANDRADE, Carlos Drummond de. “Toada do Amor”, in Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983.


BAKHTIN, Mikhail (1974). “Observações sobre a epistemologia das Ciências Humanas”, in Estética da criação verbal. São Paulo, Martins Fontes, 1992.
CAMÕES, Luís de. “Amor é fogo que arde sem se ver”, in XAVIER, Raul. Vocabulário de poesia. Rio de Janeiro, Imago; Brasília, INL, 1978.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 12. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

GARDNER, H. “Cinco mentes para o futuro”. Porto Alegre: Artmed, 2007.


GERALDI, João Wanderley. “Linguagem e ensino: exercícios de militância e

“divulgação”. São Paulo: Mercado de Letras, 1996.


MORAES, Vinicius de. “Soneto de Separação” in Antologia poética. Rio de Janeiro: José Olympio, 1976.
PCNs: Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 1997.
PENERROUD, P. “Construir as competências desde a escola”. Porto Alegre: Artmed, 1997.
SÃO JOSÉ, Proposta Curricular. Proposta Curricular: Uma primeira síntese. Secretaria Municipal da Educação e Cultura. São José, 2000.
SHAKESPEARE, William. “Romeu e Julieta”. Adaptação em português de Ana Maria Machado. São Paulo: Scipione, 1997(Série Reencontro literatura).
THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 6. Ed. Tradução Wagner de Oliveira Brandão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.
VYGOSTSKY, Lev S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.


Catálogo: midias -> Ciclo%20Basico%20-%202009%20-%203%20turma
midias -> Programa motirõ – 1º Ciclo de Oficinas em Fortaleza (CE) ficha de inscriçÃO
midias -> Solicitante
midias -> Sistema faesa de Educação
midias -> Ficha de inscrição ficas, casa7 Memórias e Aprendizagens e Instituto C&A
midias -> Serviço público federal universidade federal do pará
midias -> Procuradora-Geral de Justiça: Dra. Catarina Cecin Gazele Supervisão: Dr. Fernando Zardini Antonio – Subprocurador-Geral de Justiça Administrativo. Data: (Sexta-feira) 29 de dezembro de 2006
midias -> Gcer data 12/12/2008 conselheira relatora emília Maria Silva Ribeiro Curi
midias -> Procurador-Geral de Justiça: Dr. José Paulo Calmon Nogueira da Gama Supervisão: Drª. Arlinda Maria Barros Monjardim Chefe da Secretaria-Geral Data: (terça-feira) 19 de abril de 2005
midias -> Instituto federal farroupilha
Ciclo%20Basico%20-%202009%20-%203%20turma -> Secretaria de educaçÃo a distância – seed/mec


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal