Iscte – Mestrado em Gestão de Empresas LX, 10 de Janeiro de 2005 Empreendedorismo e Criação de Empresas caso para resoluçÃO



Baixar 9.84 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho9.84 Kb.
ISCTE – Mestrado em Gestão de Empresas

Lx, 10 de Janeiro de 2005

Empreendedorismo e Criação de Empresas
CASO PARA RESOLUÇÃO

Leia atentamente o caso e responda à pergunta que se segue devendo enviá-la por email para: virginia.trigo@iscte.pt, c.c. virgíniatrigo@yahoo.com até ao dia 16 de Janeiro de 2005. Não utilize mais de duas páginas dactilografadas, com espaço de 1,5 e tamanho de letra: 12



Charles Ryan: Construindo a Rússia do futuro
Ryan nasceu e cresceu em Filadélfia. Filho de um cardiologista e de uma professora de biologia, cresceu no seio de uma família muito conservadora, em especial por parte do pai que era muito autoritário. “Por exemplo”, disse Ryan, a família ficou desapontada quando fui estudar para Harvard, prefeririam antes que eu tivesse escolhido Notre Dame. A minha avó telefonou de propósito para me dizer: “O que é que vais fazer? Vais estudar com os comunistas?”.

Ryan não encontrou comunistas em Harvard, mas foi aí que se interessou pelo comunismo e se licenciou em Ciência Política com uma especialização na União Soviética, iniciando assim um fascínio permanente pelo país e que haveria de o levar até lá. Em Harvard, Ryan começou também a interessar-se por finanças, não de uma forma tradicional através de estudos específicos, mas enquanto director de uma organização para os sem abrigo que tinha uma situação peculiar: sendo pública os salários deveriam ser pagos pelo Estado; porém, os trabalhadores eram todos estudantes voluntários sendo o valor dos seus salários utilizados em diversas acções de caridade. Ryan experimentou então o seu pendor para as finanças e descobriu que gostava do assunto.

Depois de se licenciar foi trabalhar para o Credit Suisse em Boston. O emprego era bom, mas Ryan sentia que lhe faltava qualquer coisa. Quando soube da criação do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) decidiu concorrer e entrou em Junho de 1991. A sua falta de experiência no ramo do investimento privado deixou-o inseguro e decidiu que nada melhor para aprender do que praticar. Em consequência decidiu ele próprio fazer um investimento 100% seguro: vender Coca Cola na Polónia. Ao tempo, a Polónia era o país financeiramente mais estável da Europa de Leste e a Coca Cola tinha-se revelado um sucesso em todos os mercados onde entrara. Ryan foi à Polónia, à procura da empresa que detinha os direitos de venda da Coca Cola. Acabara de a encontrar e preparava-se para fechar o negócio quando a História interveio. Aconteceu em Moscovo o golpe de Agosto, Yeltsin subiu ao poder e a Rússia abriu-se ao investimento externo: o BERD enviou Ryan para S. Petersburgo.

Trabalhar com os futuros líderes da reforma russa e ganhar experiência em privatizações era um desafio entusiasmante para Ryan, mas à medida que 1992 se desenrolava, o trabalho no BERD começou a perder o seu encanto. “Na realidade, este trabalho é motivador quando se está no início, a desenvolver o projecto; depois, à 50ª vez que se privatiza uma padaria, começamos a achar que não há nada de intelectualmente estimulante naquilo que fazemos”. Quando Boris Fedorov o convidou para fundarem um banco de investimento, Ryan mostrou-se interessado. O grande problema é que não tinham capital. Felizmente, conheciam um banqueiro experiente, Luqman Arnold, que trabalhava para o Banque Paribas e lhes conseguiu um negócio em que o Banque Paribas lhes deu um milhão de dólares por troca de uma quota de 25% no novo banco de investimento. Foi assim que nasceu o United Financial Group. Em Outubro de 1993 o UFG obteve a sua licença para fazer transacções na Bolsa e começou a operar na Bolsa russa.


Pergunta: Faça uma análise do caso sob o ponto de vista do que aprendemos em Empreendedorismo. Para ajudar à sua análise refira especificamente:

  • Os factores da envolvente que influenciaram no rumo seguido por Ryan; quais desses factores terão favorecido o seu comportamento empreendedor?

  • De acordo com a literatura que factores da experiência pessoal do empresário e presentes no caso, terão contribuído para o seu comportamento?

  • Quais as características pessoais de Ryan que fizeram dele um empreendedor?

  • Que dimensões do empreendedorismo estão presentes no caso? Dê exemplos.

  • Qual o factor mais importante que ajudou Ryan a arrancar com o UFG?



Virgínia Trigo


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal