Iv semana de letras XVI semana de pedagogia



Baixar 47.32 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho47.32 Kb.
V SEMANA DE INTEGRAÇÃO – INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO: REDIMENSIONANDO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

X
COMUNICAÇÕES ORAIS


IV SEMANA DE LETRAS

XVI SEMANA DE PEDAGOGIA

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E EXTENSÃO (SIMPEX)

GT 5 – EDUCAÇÃO INFANTIL

Coordenadoras: LINDALVA PESSONI SANTOS (UEG) E SILVANA CUSTÓDIO PINHEIRO MELO (UEG)

Dia: 10 de junho, das 19h às 22h



Sala: 4º ano do curso de Pedagogia

Nº.

TÍTULO

APRESENTADOR(ES)



LINGUAGEM E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL


COSTA Josilene Pereira da – graduanda do Curso de Pedagogia, UEG, Câmpus Inhumas

SANTOS, Lindalva Pessoni , professora, da UEG, Câmpus, Inhumas.




CONSTRUÇÕES HISTÓRICAS DAS CONCEPÇÕES DE CRIANÇA, INFÂNCIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: A COMPREENSÃO DAS DIMENSÕES DO CUIDAR E EDUCAR COMO PROCESSOS INDISSOCIÁVEIS


SOUZA, Ana Paula Rodrigues de, graduanda do 7º Período do Curso de Pedagogia, UEG, Câmpus Inhumas;

SANTOS, Lindalva Pessoni, professora da UEG, Câmpus Inhumas






CONTRIBUIÇÃO DA ARTE NA APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL





PEREIRA, Adélia Abreu da Silva. FE/UFG

Sretângulo 13OUZA, Rosiris Pereira de. CEPAE/UFG



A MÁQUINA DO TEMPO DO DEI: VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO ATLETISMO –SABERES E MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL


Amanda GUEDES- DEI/CEPAE/UFG

Dayse Alisson Camara CAUPER- FEFD/UFG

Leonardo de ANDRADE- DEI/CEPAE/UFG

Poliana Carvalho MARTINS- DEI/CEPAE/UFG




CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL


ROSA, Eudacy Carneiro Aguiar. FE/UFG

Sretângulo 13OUZA, Rosiris Pereira de. CEPAE/UFG




BRINCADEIRAS E MEDIAÇÃO DOCENTE COM CRIANÇAS DA PRÉ-ESCOLA NA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL.


SANTOS, Cristiane Riberio dos. FE/UFG

Sretângulo 13OUZA, Rosiris Pereira de. CEPAE/UFG




REFLEXÕES SOBRE AS PRÁTICAS DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E O PAPEL DO PROFESSOR


COSTA, Luciana S. Andrade. Professora R.M.E. de Goiânia e aluna do Curso de Especialização em Educação Infantil - PPGE/FE/UFG.

AGUIAR, Ana Rogéria de. Professorado CEPAE/UFG/NEPIEC

Assinatura: .......................................................................................................................................................................................................




GT 05 – EDUCAÇÃO INFANTIL
Coordenação: Lindalva Pessoni Santos (UEG) e Silvana Custódio Pinheiro Melo (UEG)


LINGUAGEM E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COSTA Josilene Pereira da – graduanda do Curso de Pedagogia, UEG, Câmpus Inhumas

SANTOS, Lindalva Pessoni , professora, da UEG, Câmpus, Inhumas.

Resumo: Frequentemente o termo “linguagem” é relacionado quase que exclusivamente à linguagem verbal e escrita e, por vezes, lhe é dado tanto destaque que chega a ofuscar outras manifestações expressivas dos seres humanos;a priorização dessas duas formas de linguagem, na educação infantil,em detrimento de outras, priva as crianças de novas vivências, novas experiências que ampliem seus conhecimentos. Nesse sentido, o trabalho proposto e desenvolvido na educação infantil precisa superar esse entendimento de linguagem e considerar que a criança se comunica e se expressa por meio de múltiplas linguagens, de “cem linguagens” como defende LorisMalaguzzi. Falar em múltiplas linguagens é falar de uma proposta que visa o desenvolvimento integral da criança. O presente trabalho tem como propósito apresentar o primeiro capítulo da pesquisa de TCC do Curso de Pedagogiaquetem como objetivoreconstituir asconcepções de criança, infância e educação infantil, e nesta retomada, busca-se elementos determinantes que indicam a utilização ou não das múltiplas linguagens na educação de crianças pequenas em cada contexto histórico. A partir dessa incursãopretende-se analisar como as múltiplas linguagens foram sendo incorporadas no contexto da educação infantil, inclusive em termos de legislação.Este estudo foi instigado a partirdas experiências no Estágio Supervisionado em Docência na Educação Infantil, no ano de 2015. Em decorrência dessas experiências, o trabalho final tem como objetivo conhecer o papel das múltiplas linguagens e identificar o lugar que a linguagem verbal e a linguagemescrita ocupam nas práticas pedagógicas empreendidas na educação infantilcom crianças de 4 e 5 anos, em escolas municipais de Inhumas. Para tanto o trabalho se dividirá em duas fases, pesquisa bibliográfica tendo como referências principaisAriès( 1981 ), Azevedo ( 2013 ) e Kuhlmann Jr (2011 ), Oliveira ( et al, 2012) e pesquisa de campo em escolas municipaisde educação infantil.
Palavras-chave: Infância. Linguagem. Educação Infantil.

CONSTRUÇÕES HISTÓRICAS DAS CONCEPÇÕES DE CRIANÇA, INFÂNCIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: A COMPREENSÃO DAS DIMENSÕES DO CUIDAR E EDUCAR

COMO PROCESSOS INDISSOCIÁVEIS
SOUZA, Ana Paula Rodrigues de, graduanda do 7º Período do Curso de Pedagogia, UEG, Câmpus Inhumas;

SANTOS, Lindalva Pessoni, professora da UEG, Câmpus Inhumas

Resumo: O presente trabalho se constituiu a partir dos estudos e das experiências vivenciadas no Estágio Supervisionado em Docência na Educação Infantil I e II, do 5° e 6° períodos do Curso de Pedagogia, na Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Inhumas, no ano de 2015. Tornou-se objeto de pesquisa para a monografia em virtude de sua importância para formação do profissional que vai atuar na educação infantil. O conhecimento das construções históricas das concepções de infância, de criança e de educação infantil é importante uma vez que nos permite entender o papel da família, da comunidade, das instituições educacionais e dos órgãos governamentais na educação de meninos e meninas em cada contexto; permitir-nos fazer certas conjunturas em termo da compreensão das dimensões do cuidar e educar nas práticas com crianças pequenas. Cada momento histórico nos permite fazer uma análise do trabalho empreendido com as crianças e pontuar se o cuidar e educar são compreendidos como elementos de uma mesma vertente. Este trabalho, que está inserido na linha de pesquisa “Educação Infantil, Avaliação Escolar, Gestão, Metodologia e Projeto Político Pedagógico”, vai ser desenvolvido por meio de revisão bibliográfica e pesquisa empírica. Para tratarmos da importância do papel com dupla função que a educação infantil precisa assumir – cuidar e educar as crianças – buscamos nos fundamentar em autores como Ariès (2006), Azevedo (2013), Silva (2008), Kuhlmann Jr.(2011).

Palavras-Chave: Historicidade da infância. Cuidar e Educar. Educação Infantil

CONTRIBUIÇÃO DA ARTE NA APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PEREIRA, Adélia Abreu da Silva. FE/UFG

Sretângulo 13OUZA, Rosiris Pereira de. CEPAE/UFG


Resumo:Este Trabalho monográfico vincula-se ao Núcleo de Estudos e Pesquisas da Infância e sua Educação em Diferentes Contextos (NEPIEC) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás - UFG. É um estudo de caráter teórico, caracterizando-se principalmente pelo estudo e reflexão sobre a contribuição da Arte na aprendizagem e desenvolvimento da criança na educação infantil. A pesquisa teve como objetivo abordar a importância da arte na educação infantil e refletir sobre as possibilidades de trabalho pedagógico no sentido da formação integral da criança de 0 a 6 anos de idade. Compreendemos que a Arte é capaz de expressar vários tipos de linguagem e, com isso, promover o aprendizado e desenvolvimento infantil, favorecendo os aspectos relacionados, principalmente, à sensibilidade e à criatividade. Inicialmente, buscamos tratar, de forma contextualizada, a arte nos vários períodos da história da humanidade. Este estudo preliminar foi necessário para afirmar que a arte sempre esteve e estará presente na vida dos homens sendo considerada uma forma de expressão humana. Analisamos como a arte foi instituída no Brasil e nas escolas, discutindo alguns documentos legais que preconizam o ensino da arte nas instituições educativas. Partimos do pressuposto de que a criança precisa vivenciar situações ricas e desafiadoras nas instituições de educação infantil e sendo assim, a arte pode contribuir imensamente no processo de aprendizagem e desenvolvimento por meio do teatro, da música, da pintura, da escultura, do cinema ou da dança, reafirmando e valorizando a arte como um importante elemento pedagógico nessa etapa da educação básica.
Palavras-chaves: Arte – Infância. Aprendizagem e Desenvolvimento. Educação infantil.
A MÁQUINA DO TEMPO DO DEI: VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO ATLETISMO –SABERES E MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Amanda GUEDES- DEI/CEPAE/UFG

Dayse Alisson Camara CAUPER- FEFD/UFG

Leonardo de ANDRADE- DEI/CEPAE/UFG

Poliana Carvalho MARTINS- DEI/CEPAE/UFG

RESUMO: Este trabalho apresenta uma proposta a ser desenvolvida no Departamento de Educação Infantil do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação da Universidade Federal de Goiás – DEI/CEPAE/UFG para o ensino do Atletismo às crianças do agrupamento Jacaré, constituído por crianças de 4 anos a 4 anos e 11 meses. Trata-se do trabalho de conclusão da disciplina “Fundamentos teórico-metodológicos de ensino em Educação Física” do mestrado profissional em Ensino na Educação Básica – PPGEEB/CEPAE/UFG. A sequência pedagógica elaborada pelos referidos professores está organizada em 8 intervenções que serão desenvolvidas nas manhãs de sexta-feira, no período de 13/05/2016 a 24/06/2016, nos espaços do DEI/CEPAE/UFG e na Faculdade de Educação Física - FEFD/UFG. O percurso pedagógico para o ensino do Atletismo será desenvolvido em três momentos históricos distintos, porém interligados: 1º) Pré-história: os movimentos básicos de correr, saltar, lançar e arremessar para garantia da sobrevivênciado ser humano, 2º) Grécia antiga: a origem do Atletismo como prática esportiva e 3º) Dias atuais: a modalidade esportiva Atletismo e suas provas, objetivando apresentar a trajetória histórica de construção dessa modalidade, em suas práticas de corrida, salto, arremesso e lançamento, seu desenvolvimento e evolução como produtos da elaboração cultural humana. Esta proposta de ensino está fundamentada na Pedagogia Histórico-Crítica de Saviani, na Psicologia Histórico Cultural de Vigotski e na Abordagem Crítico-Superadora da Educação Física de Soares (et al).Terá como marco inicial a prática social das crianças em relação ao tema proposto (sua movimentação: saltos, corridas, lançamentos e arremessos), de onde partirá a problematização, seguida da instrumentalização objetivando que a catarse aconteça e oportunize uma nova prática social. A avaliação se dará em todo o processo de intervenção, por meio da observação e registro em diário de campo, das produções das crianças, da verbalização nas rodas de conversa e dos registros fotográficos e de vídeos.


PALAVRAS-CHAVE: Educação Física. Educação Infantil. Abordagem Crítico-Superadora. Atletismo.
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ROSA, Eudacy Carneiro Aguiar. FE/UFG

Sretângulo 13OUZA, Rosiris Pereira de. CEPAE/UFG


Resumo:Este trabalho vincula-se ao Núcleo de Estudos e Pesquisas da Infância e sua Educação em Diferentes Contextos (NEPIEC) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás. É um estudo de caráter teórico, caracterizando-se principalmente pela reflexão sobre a prática de contação de histórias no contexto das instituições de educação infantil, sua importância e possibilidades concretas de favorecimento de aprendizagens e desenvolvimento infantil em todos os aspectos. O objetivo geral da pesquisa foi compreender a importância da contação de história como recurso pedagógico na educação infantil e as contribuições dessa prática para a formação da criança. Para tanto, utilizamos a pesquisa bibliográfica, buscando identificar nas produções acadêmicas sobre a temática a importância e a influência da contação de histórias para as aprendizagens e o desenvolvimento infantil.
PALAVRAS-CHAVE: Educação Infantil; Contação de Histórias; Aprendizagem; desenvolvimento.
BRINCADEIRAS E MEDIAÇÃO DOCENTE COM CRIANÇAS DA PRÉ-ESCOLA NA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL.

SANTOS, Cristiane Riberio dos. FE/UFG

SOUZA, Rosiris Pereira de. CEPAE/UFG
Resumo:Este Trabalho monográfico vincula-se ao Núcleo de Estudos e Pesquisas da Infância e sua Educação em Diferentes Contextos (NEPIEC) da Faculdade de Educação da UFG. Caracteriza-se como um trabalho de caráter teórico-prático, abarcando uma revisão bibliográfica e investigação de natureza empírica. A pesquisa de campo foi realizada no município de Goiânia, em pré-escolas de escolas de ensino fundamental. A pesquisa teve como objetivo compreender o espaço que as brincadeiras ocupam na pré-escola de escolas de ensino fundamental e as concepções de professoras sobre o brincar e suas possibilidades pedagógicas. A problemática partiu de uma compreensão equivocada e constante entre professores do ensino fundamental acerca da brincadeira, considerado como uma ação desprovida de processos de ensino-aprendizagem em uma associação também equivocada do brincar apenas como recreação. O presente trabalho buscou subsídios teóricos que reafirmam a brincadeira como atividade privilegiada e fundamental na infância. Dentro desta perspectiva estabelecemos o confronto teórico direto com a prática pedagógica envolvendo a temática da brincadeira no cotidiano de três professoras que atuam em pré-escola dentro de escolas de ensino fundamental na cidade de Goiânia. A partir da pesquisa realizada foi possível perceber que ainda existem incompreensões teórico-práticas sobre a brincadeira e as possibilidades da mediação pedagógica entre as professoras que atuam nas pré-escolas em contexto escolar. As brincadeiras ocupam um lugar secundário nas atividades desenvolvidas com as crianças da pré-escola estando, muitas vezes, sendo utilizada como recurso para favorecer outras aprendizagens relacionadas, principalmente, aos conteúdos do ensino fundamental.
Palavras-chave: Brincadeiras. Mediação docente. Ensino fundamental. Pré-escola.

REFLEXÕES SOBRE AS PRÁTICAS DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO

INFANTIL E O PAPEL DO PROFESSOR
COSTA, Luciana S. Andrade. Professora R.M.E. de Goiânia e aluna do Curso de Especialização em

Educação Infantil - PPGE/FE/UFG.

AGUIAR, Ana Rogéria de. Professorado CEPAE/UFG/NEPIEC
Resumo: O presente trabalho teve como objetivo refletir sobre as práticas de letramento na Educação Infantil e o papel do professor. Na pesquisa optamos pelo método materialista histórico dialético que possibilitou compreender e analisar as ações educativas e pedagógicas realizadas na sala de Educação Infantil assim como os dados construídos considerando as categorias: mediação e totalidade. Esta pesquisa se vincula ao Núcleo de Estudos e Pesquisas da Infância e sua Educação em Diferentes Contextos e ao Curso de Especialização em Educação Infantil - PPGE/FE/UFG. O estudo aborda o letramento como destaque nas discussões acadêmicas e nas instituições de ensino, o que é evidenciado pelas publicações acerca da temática. Embates e debates sobre alfabetização e letramento, buscaram-se explicações para investigar como ocorre o processo de alfabetizar (ensinar as habilidades necessárias para ler e escrever) e letrar (ensinar a fazer uso competente da leitura e da escrita em diversas práticas sociais). Tendo em vista tais discussões, o presente trabalho abordou a linguagem como elemento de constituição da subjetividade da criança. Tendo como suporte teórico, Bakhtin (1997) e Vygotsky (2008), pois esses autores estudam a linguagem como princípio para a interação social fundamentam-se na concepção da criança como produtora de cultura e sujeito de direitos.Concluiu-se que é necessário possibilitar ações pedagógicas diferenciadas, tais reflexões possibilitaram a mudança na prática pedagógica à medida que compreendeu a brincadeira como atividade que incentiva à interação e impulsiona o processo de conhecimento da linguagem escrita.

Palavras chaves: Educação Infantil. Letramento. Professor mediador.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal