Jesus e atualidade divaldo pereira franco



Baixar 209.13 Kb.
Página1/4
Encontro08.08.2016
Tamanho209.13 Kb.
  1   2   3   4




JESUS E ATUALIDADE

DIVALDO PEREIRA FRANCO

DITADO PELO ESPÍRITO JOANNA DE ÂNGELIS

ÍNDICE
JESUS E ATUALIDADE
CAPÍTULO 1 = JESUS E DESAFIOS

CAPÍTULO 2 = JESUS E REENCARNAÇÃO

CAPÍTULO 3 = JESUS E HUMANIDADE

CAPÍTULO 4 = JESUS E AMOR

CAPÍTULO 5 = JESUS E TOLERÂNCIA

CAPÍTULO 6 = JESUS E HONRA

CAPÍTULO 7 = JESUS E JUSTIÇA

CAPÍTULO 8 = JESUS E DEVER

CAPÍTULO 9 = JESUS E ALEGRIA

CAPÍTULO 10 = JESUS E CORAGEM

CAPÍTULO 11 = JESUS E DECISÃO

CAPÍTULO 12 = JESUS E RESPONSABILIDADE

CAPÍTULO 13 = JESUS E REVOLUÇÃO

CAPÍTULO 14 = JESUS E POSSES

CAPÍTULO 15 = JESUS E TORMENTOS

CAPÍTULO 16 = JESUS E REPOUSO

CAPÍTULO 17 = JESUS E INSEGURANÇA

CAPÍTULO 18 = JESUS E SOFRIMENTOS

CAPÍTULO 19 = JESUS E INGRATIDÃO

CAPÍTULO 20 = JESUS E INIMIGOS



JESUS E ATUALIDADE
A atualidade do pensamento de Jesus sur­preende os mais cépticos estudiosos da proble­mática humana, sempre complexa e desafiadora, nestes dias.

Profundo conhecedor da psique, Jesus pene­trava com segurança nos refolhos do indivíduo e descobria as causas reais das aflições que o incons­ciente de cada um procurava escamotear.

Não se permitindo derivativos nem adia­mentos, enfrentava as questões com elevado cri­tério de sabedoria, que desnudava as mais intrin­cadas personalidades psicopatológicas, propondo com rigor a terapia compatível, elucidando quan­to à responsabilidade pessoal e eliminando a sombra projetada sob a qual muitos se ocultavam.

Por processos mais demorados, a psicologia profunda chega, no momento, às mesmas conclusões que Ele lograva com facilidade desde há dois mil anos.

Roberto Assagioli, por exemplo, com sua psicossíntese, penetrou nas causas das enfermidades, apoiando-se na realidade “transpessoal” do ser como fator desencadeante das mesmas.

Abraão Maslow descobriu a “psicologia do ser” e abriu espaço para o seu entendimento profundo em relação à psicogênese das enfermidades que deterioram a personalidade do homem.

Groff, relacionando a mente com o cérebro, vai mais além e defronta o ser imortal como agente de inúmeras psicopatologias.

Melanie Klein e Carl Johnson, de origem freudiana, propõem para os esquizofrênicos terapêuticas fundamentadas no amor, na caridade, no perdão cristão como as de maior eficácia, em­bora se reconheçam arreligiosos.

A personalidade marcante de Jesus impres­sionava, de forma indelével, todos aqueles que O encontravam.

Identificado com Deus, demonstrava-O em todos os Seus passos, conclamando os ouvintes à conquista da realidade — o reino dos céus — que se encontra no imo de cada um.

A Sua proposta de aferição de valores — os materiais com os espirituais — oferecia a excelente oportunidade para o despertamento mental a respeito da vida e a conseqüente experiência vivencial em clima de harmonia íntima, com uma identificação entre as possibilidades e as circuns­táncias existenciais.

Sem utilizar-se de expressões e conceitos interpolados, falava uma linguagem de simples apreensão pela massa ignorante e pelas mentes elitizadas que O buscavam.

Extraordinário narrador de histórias, uma das artes mais difíceis na área do discurso, e poeta ímpar, em razão das imagens puras na sua riqueza de cores e de significado, os Seus ensinamentos eternizaram-se, reconhecidos como dos mais belos jamais anotados pela gnose.

O sermão da montanha, considerado a “car­ta magna dos direitos humanos”, é um desafio de não-violência, próprio para esta época, assim como foi para aquela em que Ele o enunciou. Os que o ouviram, jamais se desimpregnaram da sua magia incomparável.

Não somente, porém, Jesus é atual pelas terapias de amor e pelos ensinamentos que pro­põe ao homem contemporâneo, mas, também, pelo exemplo de felicidade e exteriorização de paz que irradiava.

Enquanto as ambições desregradas con­duzem as inteligências ao paroxismo e à alu ci­nação da posse, da fama, da glória, das disputas cegas, Ele ressurge na consciência moderna em plenitude, jovial e amigo, afortunado pela huma­nidade e a segurança íntima.

A atualidade necessita urgentemente de Jesus descrucificado, companheiro e terapeuta em atendimento de emergência, a fim de evitar-lhe a queda no abismo.

Pensando nesta inadiável questão, resolve­mos apresentar, neste pequeno livro, vinte situa­ções contemporâneas com ocorrências do coti­diano que aturdem a civilização, buscando res­postas da conduta na terapia de Jesus, cujos re­sultados, obviamente, são a saúde, a paz e a feli­cidade como experiências ainda não fruídas in­dividual e coletivamente pelos homens.

Certa de que o caro leitor encontrará nestas páginas respostas para algumas das suas inquietações, rogamos a Ele que nos oriente e ampare no rumo que seguimos, ansiosos pela nossa reali­zação total.
Salvador, 20 de fevereiro de 1989.

Joanna de Ângelis



1

JESUS E DESAFIOS
O processo de evolução constitui para o Espírito um grande desafio.

Acostumado às vibrações mais fortes no campo dos sentidos físicos, somente quando a dor o visita é que ele começa a aspirar por im­pressões mais elevadas, nas quais encontre le­nitivo, anelando por conquistas mais impor­tantes.

Vivendo em luta constante contra os fato­res constringentes do estágio em que se demora, vez por outra experimenta paz, que passa a que­rer em forma duradoura.

No começo, são as dores com intervalos de bem-estar que o assinalam, até conseguir a tranqüilidade com breves presenças do sofrimento, culminando com a plenitude sem aflição.

De degrau em degrau ascende, caindo para levantar-se, atraído pelo sublime tropismo do Amor.

Conseguir o estágio mais alto, significa-lhe triunfar.


*
Aturdido e inseguro, descobre uma conspi­ração quase geral contra o seu fatalismo. São as suas heranças passadas que agora ressurgem, pro­curando retê-lo na área estreita do imediatismo, em nível inferior de consciência, onde apenas se nutre, dorme e se reproduz, com indiferença pelas emoções do belo, do nobre, do sadio.

Anestesiado pelas necessidades vegetativas, busca apenas o gozo, que termina por causar-lhe saturação, passando a um estado de tédio que antecipa a necessidade premente de outros valores.

Lentamente desperta para realidades que an­tes não o sensibilizavam e, de repente, passam a significar-lhe meta a conseguir, sentindo-se es­timulado a abandonar a inoperância.

O psiquismo divino, nele latente, responde ao apelo das forças superiores e desatrela-se do cárcere celular, qual antena que capta a emissão de mensagens alcançadas somente nas ondas em que sintoniza.

O primeiro desafio, o de penetrar emoções novas, o atrai, impelindo-o a tentames cada vez mais complexos, portanto, mais audaciosos.

Experimentando este prazer ético e estéti­co, diferente da brutalidade do primarismo, acos­tuma-se com ele e esforça-se para novos cometi­mentos que, a partir de então, já não cessam, desde que, encerrado um ciclo, qual espiral infi­nita, outro prazer se abre atraente, parecendo-lhe cada vez mais fácil.


*
Tudo na vida são desafios às resistências.

A “lei de entropia” degrada a energia que tende à consumpção, para manter o equilíbrio térmico de todas as coisas.

O envelhecimento e a morte são fenômenos inevitáveis no cosmo biológico e no universo.

Os batimentos cardíacos são desafios à resis­tência do músculo que os experimenta; os peris­tálticos são teste constante para as fibras que os sofrem; a circulação do sangue é quesito essencial para a irrigação das células; a respiração cons­titui fator básico, sem o qual a vida perece. Tudo isso e muito mais, na área dos automatismos fisiológicos, a interferir nos de natureza psico­lógica.

É natural que o mesmo suceda no campo moral do ser, que nunca retrocede e não deve estacionar sob pretexto algum.

No progresso, a evolução é inevitável.

A felicidade é o ponto final.
*
Não cabe ao homem retroceder na luta, se­não para reabastecer-se de forças e prosseguir nos embates.

O crescimento de qualquer ideal é resulta­do dos estágios inferiores vencidos, das etapas superadas, dos desafios enfrentados.

A sequóia culmina a altura e o volume má­ximos, célula a célula.

O universo se renova e prossegue, molécula a molécula.

Facilidade é perda de estímulo com prejuí­zo para a ação.

Toda a vida do Mestre foi um suceder inces­sante de desafios.

Embates no Seu meio social e familial cons­tituíram-lhe os primeiros impedimentos, que fo­ram ultrapassados, em razão da superior finalida­de para a qual viera.

Ele não aceitou carregar o fardo do mundo em caráter de redenção dos outros, mas ensinou cada um a conduzir o seu próprio compromisso em paz de consciência; não assumiu as tarefas alheias, nem deixou de demonstrar como fazê-las; no entanto, altaneiro, sem presunção, tampouco sem submissão covarde.

Os desafios da sociedade injusta e arbitraria chegaram-Lhe provocadores, mediante situações, pessoas e circunstâncias; apesar disso, sem de­ter-se, Ele continuou íntegro, enfrentando-os sem ira ou medo.

Passou aquele tempo; todavia, permanecem os resíduos doentios.

Alterou-se a paisagem, não os valores, que prosseguem relativamente os mesmos, gerando obstáculos e insatisfações.

Enfrenta os desafios da tua vida, serena-mente.

Não aguardes comodidades que não mereces. Realiza a tua marcha, indômito, preser­vando os teus valores íntimos e aumentando-os na ação diária.

Quem teme a escuridão, perde-se na noite.

Sê tu aquele que acende a lâmpada e clareia as sombras.

Desafiado, Jesus venceu. Segue-O e nunca te detenhas ante os desafios para o teu crescimento espiritual.



2

JESUS E REENCARNAÇÃO
Não fosse Jesus reencarnacionista e toda a Sua mensagem seria fragmentária, sem suporte de segurança, por faltar-lhe a justiça na sua mais alta expressão propiciando ao infrator a oportu­nidade reeducativa, com o conseqüente cresci­mento para a liberdade a que aspira.

O amor por Ele ensinado, se não tivesse co­mo apoio a bênção do renascimento corporal ensejando recomeço e reparação, teria um cará­ter de transitória preferência emocional, com a seleção dos eleitos e felizes em detrimento dos antipáticos e desditosos.

Com o apoio na doutrina dos renascimentos físicos, Ele identificava de imediato quais os necessitados que estavam em condições de recupe­rar a saúde ou não, tendo em consideração os fatores que os conduziam ao sofrimento. E por isso mesmo, nem todos aqueles que Lhe busca­vam a ajuda logravam-na ou recuperavam-se.

Porque sabia ser enfermo o Espírito, e não o corpo, sempre se dirigia preferencialmente àindividualidade, e não à personalidade de que se revestia cada homem.

Sabendo acerca da fragilidade humana, emu­lava à fortaleza moral, fiel à lei de causa e efeito vigente no mundo.

Não apenas no diálogo mantido com Nicodemos vibrou a Sua declaração quanto à “necessidade de nascer de novo”. Ela se repete de for­ma variada, outras vezes, confirmando o proces­so das sucessivas experiências carnais, método misericordioso do amor de Deus para o benefício de todos os Espíritos.

Nenhuma surpresa causara aos Seus discípu­los a resposta a respeito do Elias que já viera, assim como a indagação em torno de quem Ele seria, segundo a opinião do povo, em razão de ser crença, quase generalizada à época, a plura­lidade dos renascimentos.
*
Espírito puro, jamais enfermou, enfrentan­do os fatores climáticos e ambientais mais diver­sos com a mesma pujança de força e saúde a se refletir na expressão de beleza e de paz nEle estampada.

Quem O visse, jamais O olvidaria, e todo aque­le que Lhe sentisse o toque amoroso, ficaria im­pregnado pelo Seu magnetismo para sempre.

É verdade que não poucos homens, que fo­ram comensais da Sua misericórdia, aparente­mente O esqueceram... Todavia, reencarnaram-se através da História, recordando-O às multidões, e ainda hoje se encontram empenhados em fazê-lO conhecido e amado.
*
A psicoterapia que Ele utilizava era centra­da na reencarnação, por saber que o homem éo modelador do próprio destino, vivendo con­forme o estabeleceu através dos atos nas experiên­cias passadas.

Por tal razão, jamais condenou a quem quer que fosse, sempre oferecendo a ocasião para reparar o prejuízo e recuperar-se diante da própria, bem como da Consciência Divina.

Sem preferência ou disputa por alguém ou coisa alguma, a tudo e a todos amou com desvelo, albergando a humanidade de todos os tempos no Seu inefável afeto.

Espalhou missionários pela Terra, falan­do a linguagem da reencarnação, até o momen­to em que Ele próprio veio confirmá-la, acenan­do com esperança futura de felicidade para todas as criaturas.


*
Não te crucifiques na consciência de culpa, após reconheceres o teu erro.

Não te encarceres em sombras, depois de iden­tificares os teus delitos.

Não te amargures em demasia, descobrin­do-te equivocado.

Renasce dos teus escombros e recomeça a recuperação de imediato, evitando futuros retor­nos expiatórios, injunções excruciantes, situa­ções penosas.

Pede perdão e reabilita-te, ante aquele a quem ofendeste e prejudicaste.

Se ele te desculpar, será bom para ambos. Porém, se não o fizer, compreende-o e segue adian­te, não mais errando.

Infelicitado por alguém, perdoa-o e desatre­la-te dele, facultando-lhe a paz e vivendo o bem-es­tar que decorre da ação correta.

A reencarnação de que te utilizas é concessão superior, que não podes desperdiçar.

Cada momento é valioso para o teu trabalho de sublimação, de desapego, de amor puro.

Abrevia os teus renascimentos agindo corre­tamente e servindo sem cansaço, com alegria, porqüanto, para adentrares no reino dos céus, que se estende da consciência na direção do infinito, é necessário nascer de novo, conforme Ele acentuou.



3

JESUS E HUMANIDADE
Jesus-Homem é a lição de vida que hauri­mos no Evangelho como convite ao homem que se deve deificar.

Não havendo criado qualquer doutrina ou sis­tema, Jesus tornou a Sua vida o modelo para que o homem se pudesse humanizar, adquirindo a expressão superior.

No Seu tempo, e ainda agora, o homem tem sido símbolo de violência, prepotência e presunção, dominador exterior, estorcegando-se, porém, na sua fragilidade, nos seus conflitos e perecibili­dade.

Após os Seus exemplos surgiu um diferente homem: humilde, simples, submisso e forte na sua perenidade espiritual.


*
Enquanto os grandes pensadores de todos os tempos estabeleceram métodos e sistemas de doutrinas, Ele sustentou, no amor, os pilotis da ética humanizadora para a felicidade.

Não se utilizou de sofismas, nem de silogis­mos, jamais aplicando comportamentos excêntri­cos ou fórmulas complexas que exigissem altos níveis de inteligência ou de astúcia. Tudo aquilo a que se referiu é conhecido, embora as roupagens novas que o revestem.

Utilizou-se de um insignificante grão de mos­tarda, para lecionar sobre a fé; recorreu a redes de pesca e a peixes, para deixar imperecíveis exem­plos de trabalho; a semente caindo em diferentes tipos de solos, para demonstrar a diversidade de sentimentos humanos ante o pólen de luz da Sua palavra.

O “sermão da montanha” inverteu o con­vencional e aceito sem discussão, exaltando •a vítima inocente ao invés do triunfador arbitrá­rio; o esfaimado de justiça, de amor e de verdade, em desconsideração pelo farto e ocioso, dilapi­dador dos dons da vida.


*
Jesus é a personagem histórica mais identifi­cada com o homem e com a humanidade.

Todo o Seu ministério é feito de humanização, erguendo o ser do instinto para a razão e daí pa­ra a angelitude.

Igualmente, é o Homem que mais se identi­fica com Deus.

Nunca se lhe refere como se estivesse dis­tante, ou fosse desconhecido, ou temível.

Apresenta-o em forma de Amor, amável e conhecido, próximo das necessidades humanas, compassivo e amigo.

Reformula o conceito mosaico e atualiza-o em termos de conquista possível, aproximando os homens dele pela razão simples de Ele estar sem­pre próximo dos indivíduos que se recusam a doar-se-lhe em amor.

Referindo-se ao “reino”, não o adorna de qui­meras nem o torna pavoroso; antes, desperta nos corações o anelo de consegui-lo na realidade da transcendência de que se reveste.

Nega o mundo, sem o maldizer, abençoan­do-o nas maravilhosas paisagens nas quais atende a dor, e deixa-se mergulhar em meditações pro­fundas sob o faiscar das estrelas luminferas do Infinito.

Jesus, na humanidade, significa a luz que a aquece e a clareia.
*
Se te deixaste fossilizar por doutrinas orto­doxas que pretendem nEle ter o seu fundador, renasce e busca-O, na multidão ou no silêncio da reflexão, fazendo uma releitura das Suas palavras, despidas das interpretações forjadas.

Se te decepcionaste com aqueles que se dizem seguidores dEle, mas não Lhe vivem os exemplos, olvida-os, seguindo-O na simplicidade dos convites que Ele te endereça até agora e es­tão no conteúdo das Suas mensagens, ainda vivas quão ignoradas.

Se não lhe sentiste o calor, rompe o frio da tua indiferença e faze-te um pouco imparcial, sem reações adrede estabelecidas, facultando-Lhe pe­netrar-te o coração e a mente.

Na tua condição humana necessitas dEle, a fim de cresceres, saindo dos teus limites para o infinito do Seu amor.

Jesus veio ao homem para humanizá-lo, sem dúvida.

Cabe-te, agora, esquecer por momentos das tuas pequenezes e recebê-lO, assim cristificando-te, no logro da tua realização plena e total.



4

JESUS E AMOR
A figura humana de Jesus confirma a Sua procedência e realização como o Ser mais perfei­to e integral jamais encontrado na Terra.

Toda a Sua vida se desenvolveu num plano de integração profunda com a Consciência Divina, conservando a individualidade em um perfei­to equilíbrio psicofísico.

Como conseqüência, transmitia confiança, porque possuía um caráter com transparência diamantina, que nunca se submetia às injunções vigentes, características de uma cultura primitiva, na qual predominavam o suborno das consciên­cias, o conservadorismo hipócrita, uma legisla­ção tão arbitrária quanto parcial e a preocupação formalística com a aparência em detrimento dos valores legítimos do individuo.

Portador de uma lidima coragem, se insur­gia contra a injustiça onde e contra quem se apresentasse, nunca se omitindo, mesmo quan­do o consenso geral atribuía legalidade ao crime.

Paciente e pacífico, mantinha-se em sereni­dade nas circunstâncias mais adversas, e jovial, nos momentos de alta emotividade, demonstran­do a inteireza dos valores íntimos em ritmo de harmonia constante.

Numa sociedade agressiva e perversa, elegeu o amor como a solução para todos os questiona­mentos, e o perdão irrestrito como terapêutica eficaz para todas as enfermidades.

Não apenas ministrava-o através de palavras, mas, sobretudo, mediante atitudes claras e fran­cas, arriscando-se por dilatá-lo especialmente aos infelizes, aos detestados, aos segregados, aos ca­rentes.

Em momento algum submeteu-se às conve­niências perniciosas de raça, ideologia, partido e religião, em detrimento do amor indistinto quanto amplo a todos que O cercavam ou O en­contravam.


*
Por amor, elegeu um samaritano desprezado, para dele fazer o símbolo da solidariedade.

Com amor, liberou uma mulher equivoca­da, tirando-lhe o complexo de culpa.

Pelo amor, atendeu à estrangeira siro-fení­cia que Lhe pedia socorro para a enfermidade humilhante.

De amor estavam repletos Seu coração e Suas mãos para esparzi-lo com os espezinhados, fosse um cobrador de Impostos, uma adúltera, o filho pró­digo, a viúva necessitada, ou a mãe enlutada.

Sempre havia amor em Sua trajetória, ilumi­nando as vidas e amparando as necessidades dos corpos, das mentes, das almas.
*
Compadecia-se de todos; no entanto, manti­nha a energia que educa, edifica, disciplina e salva.

Chorou sobre Jerusalém, invectivou a farsa farisaica, advertiu os distraídos, condenou a hipo­crisia e deu a própria vida em holocausto de amor.

Nunca se perdeu em sentimentalismos pueris ou agressividades rudes.

O amor norteava-lhe os passos, as palavras e os pensamentos.

Tornou-se e prossegue como sendo o símbo­lo do amor integral em favor da humanidade, à qual auspicia um sentimento humano profundo e libertador.

5

JESUS E TOLERÂNCIA
Em termos de psicologia profunda, a ques­tão do julgamento das faltas alheias constitui um grave cometimento de desumanidade em relação àquele que erra.

O problema do pecado pertence a quem o pratica, que se encontra, a partir daí, incurso em doloroso processo de autoflagelação, buscando, mesmo que inconscientemente, liberar-se da fal­ta que lhe pesa como culpa na economia da cons­ciência.

A culpa é sombra perturbadora na persona­lidade. responsável por enfermidades soezes, causadoras de desgraças de vária ordem.

Insculpida nos painéis profundos da indivi­dualidade, programa, por automatismos, os processos reparadores para si mesma.

Toda contribuição de impiedade, mediante os julgamentos arbitrários, gera, por sua vez, mecanismos de futura aflição para o acusador, ele próprio uma consciência sob o peso de vários pro­blemas.

Julgando as ações que considera incorretas no seu próximo, realiza um fenômeno de proje­ção da sua sombra em forma de autojustificação, que não consegue libertá-lo do impositivo das suas próprias mazelas.

A tolerância, em razão disso, a todos se impõe como terapia pessoal e fraternal, compreendendo as dificuldades do caído, enquanto lhe distende mãos generosas para o soerguer.

Na acusação, no julgamento dos erros alheios, deparamos com propósitos escusos e vingança-pra­zer em constatar a fraqueza dos outros indiví­duos, que sempre merecem a misericórdia que todos esperamos encontrar quando em circuns­tâncias equivalentes.


*
Jesus sempre foi severo na educação dos jul­gadores da conduta alheia.

Certamente, há cortes e autoridades creden­ciadas para o ministério de saneamento moral da sociedade, encarregadas dos processos que envol­vem os delituosos, e os julgam, estabelecendo os instrumentos reeducativos, jamais punitivos, pois que, se o fizessem, incidiriam em erros idênticos, se não mais graves.

O julgamento pessoal, que ignora as causas geradoras dos problemas, demonstra o primitivismo moral do homem ainda “lobo” do seu ir­mão.

O Mestre estabeleceu a formosa imagem do homem que tem uma trave dificultando-lhe a visão, e no entanto vê o cisco no olho do seu próximo.

A proposta é rigorosa, portadora de clari­dade iniludível, que não concede pauta a qual­quer evasão de responsabilidade.

Ele próprio, diante da multidão aflita, equi­vocada, perversa, insana, ao invés de a julgar, “tomou-se de compaixão” e ajudou-a.

Naturalmente não solucionou todos os pro­blemas, nem atendeu a todos, como eles o desejavam. Não obstante, compadecido, os amou, en­volvendo-OS em ternura e ensinando-lhes as técni­cas de libertação para adquirirem a paz.
*
Tem compaixão de quem cai. A consciência dele será o seu juiz.

Ajuda aquele que lhe constitui punição.

Tolera o infrator. Ele é o teu futuro, caso não disponhas de forças para prosseguir bem.

A tolerância que utilizares para com os infe­lizes se transformará na medida emocional de compaixão que receberás, quando chegar a tua vez, já que ninguém é inexpugnável, nem perfeito.



6

JESUS E HONRA
A estrutura psíquica de Jesus é o modelo da perfeita identificação com a tarefa que Ele veio exercer.

Ele pôde penetrar nas leis fundamentais da vida que conduzem os homens, estabelecendo em palavras e atos os roteiros seguros para o equilíbrio fisiopsíquico de todos.

Projetando a Verdade, não esmagava com a Sua natural superioridade, não absorvendo cada in­dividualidade, que permanecia mais independente.

Aqueles que se Lhe afeiçoavam, encontra­vam a paz e por esta razão, optavam livremente por segui-lo.

Ele sabia despertar as potencialidades jacen­tes em cada um, canalizando-as para as opera­ções saudáveis, mediante cujo esforço se fruiam júbilos e plenitude.

As parábolas, que lhe guardam as instru­ções vivas, continuam adequadas para os pro­blemas hodiernos, possuindo sentido harmônico e orientação capazes de serem aplicadas sem qualquer conflito de época, lugar e pessoa.


*
O homem moderno prossegue, de certo mo­do, com as mesmas aspirações e necessidades dos seus antepassados, ressalvadas algumas conquis­tas logradas através dos tempos.

Desse modo, ainda permanece com carên­cias e inseguranças que lhe perturbam as estru­turas emocionais.

Para conseguir a liberdade interior e a eman­cipação, necessita da luz do conhecimento e da coragem para entregar-se com decisão â honra dos objetivos que persegue.

Saber o que pretende da vida e como conse­gui-lo, eis o processo-parto de amadurecimento pessoal rompendo com as suas próprias raízes os atavismos que lhe procedem do passado espiritual.

Para este esforço, a honra se lhe torna o ini­gualável guia interior, impulsionando-o para a fren­te, nos passos que deve dar, sem mais deter-se.
*
Na ruptura dos laços familiares constringen­tes, Jesus, sem deixar de atender aos compromissos morais e sociais com o clã a que perten­cia, demonstrou a grandeza da coragem que a hon­ra pessoal lhe facultava.

Buscado pela família, que Lhe ignorava o ministério, duvidando da Sua missão, e assim tentando interrompê-la, quando Ele punha os alicer­ces da Boa Nova nos corações, foi advertido por alguém que Lhe disse: “— Tua mãe e Teus irmãos aí se encontram e chamam por Ti.”

Chegara-Lhe o momento da indeclinável quão honrosa decisão, facultando-Lhe interrogar com tranqüilidade: “— Quem é meu pai, minha mãe, quem são meus irmãos, senão aqueles que fazem a vontade de Deus?”

A estupefação geral não O perturbou e Ele prosseguiu como se nada houvesse acontecido.


*
Honra é a coragem de eleger o melhor.

A dubiedade na decisão entre os que O de­sejavam reter e aqueles que Lhe necessitavam da presença e das lições, seria a lamentável falência dos objetivos que buscava.

Não há, aí, desrespeito aos familiares. Estes, sim, presunçosos e amedrontados, sem O consul­rem, desrespeitavam-Lhe a opção de homem independente, que viera para um apostolado que jamais negara qual seria o término: a humilhação, a cruz, a morte.

A Sua honra levava-O ao prosseguimento, mesmo lutando contra todos os fatores hostis.

Ele viera romper os impedimentos, arran­car a escultura modelada do homem integral, do mármore frio da sociedade utilitarista e escra­vocrata.

O cinzel e o martelo para arrebentar a pedra eram a honra e o dever. Nada podia emparedá-lo nos limites das conveniências, dos receios pue­ris, das afeições imaturas.

Vinte séculos depois, ei-lO o mesmo escul­tor de almas, trabalhando o granito das vidas, a fim de libertá-las.
*
Tua honra deve modelar-se na dEle.

Tua decisão para a felicidade, rompendo as estruturas passadistas e acomodadas, é a força do teu empreendimento.

Entra em ti mesmo e ausculta a consciên­cia, o teu guia íntimo, a fim de saberes o que pretendes, o que é melhor para ti e como con­quistá-lo.

A tua libertação diferirá daquela que rompe vínculos de afetividade para soltar-se, escravizando-se a outras situações piores.

A honra de encontrar um guia interno, que te orienta nos fundamentos da vida de Jesus, éo desalgemar-se de tudo quanto constitui reten­tiva, para que sigas plenamente.

Após isto, não serás mais o mesmo, nem te repetirás.

A consciência do dever se manifestará a ti na honra de seguir em padrões de respeito a to­dos e a tudo, porém, de liberdade total sob a lide­rança de Jesus.

  1   2   3   4


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal