Kornis, Mônica Almeida. História e Cinema: um debate metodológico. In: Estudos Históricos



Baixar 8.29 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho8.29 Kb.
KORNIS, Mônica Almeida. História e Cinema: um debate metodológico. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 10, 1992, pp. 237-250.

RESUMO:

Este texto de Mônica Kornis tem por meta tentar uma reconstituição do processo de percepção histórica do valor documental do cinema, levantando, para tanto, as principais questões e debates teórico-metodológicos que surgiram entre os profissionais da História e Ciências Sociais e os das ciências audiovisuais ao longo do tempo, desde o surgimento do cinema. 

Na primeira parte, Kornis faz uma retomada daqueles autores que pensaram o valor do filme como documento histórico, nesse sentido como registro fiel da realidade. O primeiro deles é o polonês Boleslas Matuszewski, integrante do grupo de inventores do cinema dos irmãos Lumière, que defendia o valor da imagem cinematográfica entendida como testemunho ocular verídico e infalível, capaz de controlar a tradição oral. Seguidamente surgem as idéias opostas a Matuszewski de Serguei Eisenstein e Dziga Virtov, que viam o filme como uma construção baseada na montagem e que, portanto, a linguagem criada por esta última é que levaria a uma verdadeira análise social. Ao final da primeira metade do século XX, Siegfried Kracauer escreveria De Caligari a Hitler, obra que preconiza os filmes de ficção como reflexo imediato da mentalidade de uma nação, estabelecendo então uma relação direta entre o filme e o meio que o produz. Em suma, a autora nos mostra que, mesmo com certas nuances, prevaleceu a idéia primeva de Matuszewski presa à identificação da imagem cinematográfica com a verdade obtida pelo registro das câmeras. Essa postura só será questionada por Pierre Sorlin, já no momento de busca de um método de trabalho.

Nesse momento, o debate se dá principalmente entre Marc Ferro e Pierre Sorlin. O primeiro defende uma utilização do filme como fonte histórica buscando o “não-visível” (uma vez que o filme excede seu próprio conteúdo), coloca-o como veículo de uma contra-história que gera, pois, a contra-análise da sociedade. Isso leva sua análise a um caráter estritamente contextual do filme, algo de que Pierre Sorlin se distancia da obra de Ferro, buscando a contribuição da Semiótica para a compreensão dos signos presentes nos filmes e da justaposição dos códigos tanto dos filmes quanto da época de sua produção para uma satisfatória compreensão da mentalidade de um momento histórico baseada no cinema, estabelecendo uma análise fílmica muito mais estrutural do discurso, ao contrário de Ferro, preocupado com elementos externos ao filme.

Na contracorrente da interpretação francesa, a autora perpassa rapidamente a linha de pensamento inglesa acerca do tema que tem como principais representantes Anthony Aldgate, Jeffrey Richards e Arthur Marwick. Sua posição vai em direção a uma total recusa de análises de tipo estrutural, apontando que o valor do filme para o historiador está na sua capacidade de retratar uma cultura e dirigir-se a uma grande audiência na condição de meio de controle social e de transmissor da ideologia dominante da sociedade.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal