Álbum 09 – ensino 01- profª Ana Teodora de Souza Malheiros



Baixar 59.5 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho59.5 Kb.
ÁLBUM 09 – ENSINO
01- Profª Ana Teodora de Souza Malheiros.

Primeira professora primária municipal: esposa do Prof. João de Araújo Malheiros. Foram responsáveis pelas primeiras letras de muitos jovens da época. Lecionaram em Franca, São José da Bela Vista e Restinga.



02- Professor David Carneiro Ewbank – 1938.

Foi um grande mestre ministrando aulas de educação física, matemática, nos estabelecimentos: Atheneu Francano (hoje Alto Padrão) e Ginásio Estadual Torquato Caleiro. Idealizador e um dos fundadores da A. A. Francana.

Foi seu presidente de 1912 a 1914. Faleceu repentinamente, em São Paulo, no dia 24 de agosto de 1959, onde residia ultimamente o distinto amigo e emérito educador Prof. David Carneiro Ewbank, uma das mais expressivas figuras de nosso ensino.

Seu passamento como não podia deixar de ser, foi causa de profunda consternação do nosso meio social onde ele desfrutava de geral estima. Foi casado com Da. Elfrida Gomide Ewbank e deixou vários filhos. Seus restos mortais foram transladados para esta cidade.

No dia 15 de outubro de 1960, foi inaugurada a placa indicativa da Praça Prof. David Ewbank, localizada defronte os Correios e Telégrafos. Não resta dúvida de que a homenagem é das mais merecidas, pois o saudoso educador prestou releventes serviços, não só a causa do nosso ensino, como também em outros setores de atividades da terra das três colinas.

03- Professor Sabino Loureiro.

Foto tirada antes de 1927 e doada ao Museu pelo Sr. Orlando Damasceno Ribeiro, em fevereiro de 1960.

De todos os vultos da História francana, um se encontrava vivo na memória da mocidade estudiosa da nossa terra, passem as gerações, caminhem velozes os anos... É ele o cognominado “mestre da mocidade francana” o saudoso Professor gaúcho Sabino Loureiro.

Tudo quanto fez foi em sacrifício da coletividade local. Velhos e respeitáveis cidadãos francanos honram atualmente a memória de Sabino Loureiro. Escolas existiam com o nome do saudoso professor. Seu túmulo, no cemitério local, é ponto de romarias anuais da mocidade estudiosa de Franca.

Jornalista emérito, poeta sensitivo, orador aprimorado, patriota consumado, Sabino Loureiro arrastava o povo francano às grandes manifestações cívicas, elevando o nome de Franca às culminâncias.

Sabino Loureiro morreu, em 1927, indo para Campinas em tratamento de saúde. Seu corpo foi transladado para Franca, e foi sepultado no cemitério local e as homenagens prestadas pelos francanos foram tão grandes que até hoje são lembradas com carinho por todos os de sua época. A praça fronteiriça ostenta o nome de Sabino Loureiro.



04- Professora Maria Helena Teixeira.

Advogada e geógrafa. Falecida em acidente aéreo, em 14/06/1979 em Goiânia e sepultada no mesmo dia em Franca.

Nasceu em Franca, aos 20 de novembro de 1944. Fez seus estudos nesta cidade, diplomando-se em Direito em 1970 e, em 1973, em Geografia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

Em seguida, iniciou curso de pós graduação na Universidade de São Paulo (USP), na área de Geografia humana, estando na fase da monografia de mestrado quando interrompeu o trabalho, em virtude de novos rumos e sua carreira profissional.

Possuía vários diplomas , inclusive o de especialização em “Educação Moderna”, realizado em Madri, em 1975, quando viajou por diversos países da Europa.

A vocação de Maria Helena era viajar, desvendar, conhecer, pesquisar as potencialidades da terra brasileira, falar com os índios, viver no coração rústico da Pátria.

Em 1977, por concurso, ingressou nos quadros de pesquisadores do Radam-Brasil, órgão do Ministério das Minas e Energia, com sub-sede em Goiânia, onde passou a residir. No dia 12 de junho de 1979, por volta de 8:00 horas, chefiando uma equipe de seis técnicos, em mais uma missão de sobrevôo na selva amazônica, entre o Pará e Mato Grosso, a aeronave em que viajava sofreu grave avaria na hélice do motor esquerdo precipitando-se ao solo e incendiando-se.

Três dos companheiros morreram na queda, os outros três foram transportados para Goiânia em estado grave.

Maria Helena chegou em Goiânia já em estado de coma. Faleceu às 10:40 horas do dia 14 de junho. Na tarde do mesmo dia 14, seu corpo foi transportado para Franca, tendo sido sepultado por volta das 20:00 horas no Cemitério da Saudade.

Como homenagem à sua memória, tem uma escola e uma praça com o seu nome.



05- Prof. Francisco Cândido Alves.

De saudosa memória, que, no magistério francano, foi personagem de respeito, consideração e estima.

Foi professor da Escola Normal Livre de Franca e do Ateneu Francano.

Funda-se em 1901, na Chácara dos Coqueiros, e no ano seguinte transferido para a atual chácara dos Maristas: o colégio “Cândido Alves”, dirigido pelo engenheiro e educador Dr. Francisco Cândido Alves.

Durante os seis anos foi o único estabelecimento de Franca. Gravemente enfermo do Dr. Cândido Alves foi obrigado a fechar o colégio e se retirar para o Rio de Janeiro, em tratamento, de onde voltou muitos anos depois, continuando a profissão de educador, tendo dos 68 a 72 anos regido a cadeira de matemática na Escola Normal Livre de Franca, o atual e grande estabelecimento de Instrução Secundária de Franca, mantido pelo Governo Federal.

O Dr. Francisco Cândido Alves, nascido em Valença, no Estado do Rio de Janeiro e formou-se engenheiro pela Escola Politécnica do Rio. Faleceu no dia 03 de dezembro de 1940, com 80 anos de idade.



06- Prof. José Pires Monteiro.

Um dos que mais contribuíram para o progresso de Franca. Foi Professor de Mecânica, na Escola Dr. Júlio Cardoso, pioneiro da cinematografia no interior do Estado. Entre os pioneiros do rádio-amadorismo em Franca, encontra-se em destacado lugar José Pires Monteiro.

Com sua visão quase enciclopédica dos assuntos técnicos, muito trabalhou em favor do desenvolvimento do gosto e do início da ação pró-rádio-amadorismo. Não há aqui, estação que ele não haja visitado e onde não tenha sinal do seu dedo de irredutível amigo da transmissão e da amizade mesmo, que se conquista pelos ares afora.

Fundou em Uberaba: A Empresa Cinematográfica Francana, destinada a focalizar cidades do interior e o seu trabalho, coroado de êxito, foi a filmagem da visita dos romeiros de Franca, Ribeirão Preto, Batatais, Jardinópolis e de outras cidades da Alta Mogiana.


07- Professor Carmelino Corrêa Júnior.

Pessoa que muito fez por Franca. Foi um grande historiador. O professor Carmelino Corrêa Júnior nasceu em um posto telegráfico da Cia. Paulista, próximo a Pirassununga, a 06 de janeiro de 1896.

Professor Normalista e Farmacêutico, exerceu o Magistério primário em Patrocínio Paulista e o secundário em Franca.

Foi professor por concurso, da Cadeira de Física da antiga Escola Normal Livre e do Instituto de Educação Torquato Caleiro, ambos desta cidade, cargo que se aponsentou em 1953, depois de 35 anos de magistério. Publicou vários trabalhos, uns impressos, outros na imprensa interiorana, especialmente em Franca e Ribeirão Preto.

Faleceu em São Paulo, a 24 de junho de 1965.

(Almanaque Histórico de Patrocínio Paulista, pág. 80).



08- Prof. Homero Alves (1932).

Escola Normal Livre – 1932 – Turma II – Professor Homero Pacheco Alves – Doação: Sr. Adelino Nogueira.

O professor Homero Alves, nasceu a 14 de dezembro de 1887, em Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Foi professor, secretário e diretor da Escola Normal Livre de Franca, mais tarde foi professor de geografia geral e História do Brasil, registrando no D. Nacional de Educação sob n° 4.200 de 03/09/1947, 2° ciclo.

Primeira nomeação interina: Cadeira de geografia, ato de 18/04/1936, publicado em 25/04/1936.

Segunda nomeação efetiva por concurso:Cadeira de Geografia ato de 10/05/1944.

Franca tem uma das suas ruas com seu nome e também uma escola. O professor Homero Alves, faleceu em 28 de maio de 1954.

09- Dr. Luiz de Lima.

Advogado e elemento do jornalismo e literatura de Franca. Orador e escritor que, bem nítida deixou a sua passagem pela imprensa antiga de Franca.

Colaborador assíduo dos jornais locais, escreveu crônicas e contos que lhe valeram lugar de destaque.

Advogou em Franca e em São Paulo, onde montou um escritório de advocacia. Dirigiu e redatoriava em companhia de seu Dr. Vicente de Paula L


10- Major Torquato Caleiro (1932).

No dia 18 de janeiro de 1928, foi eleito por aclamação, diretor do estabelecimento de ensino. Descendente de tradicional e abastada família, seu pai, barão português (Simão de Oliveira Caleiro), sua mãe a veneranda matrona Emília Angélica de Lima.

Torquato Caleiro nasceu nesta cidade, a 26 de fevereiro de 1873, em uma casa da Praça Barão da Franca.

Teve vários irmãos, de sua infância pouco se sabe, freqüentou como estudante, o curso primário do “Culto à Ciência” em Campinas.

A referida escola tinha como diretor César Ribeiro, que veio de Portugal, a convite de Simão Caleiro, progenitor de Torquato. Era esse estabelecimento de ensino um dos mais conceituados do Estado de São Paulo.

Mais tarde, já no Rio de Janeiro, continuou seus estudos no tradicional Colégio D. Pedro II. Não satisfeito com o curso de humanidades, inscreveu-se na Faculdade Paulista de Direito em São Paulo, no ano da Proclamação da República.

Em 1905, casou-se com Da. Júlia Martins, e tiveram duas filhas, sendo que uma faleceu logo após o parto.

Além de fundar a Escola Normal Livre, hoje Escola Estadual Torquato Caleiro, foi vereador, prefeito, diretor do Gabinete de leitura e do centro literário e artístico.

Torquato Caleiro, em 1942, recolheu-se das atividades sociais por estar enfermo, e no dia 23 de junho de 1945 veio a falecer.

11- Dr. Américo Maciel de Castro (homenagem – professorando da Escola Normal Livre – 1932).
12-Professor Antônio Sichierolli.

Nasceu em 24 de setembro de 1901, descendente de italianos. Transferiu-se para Franca ainda criança, dedicando-se simultaneamente ao estudo e ao trabalho.

Tornou-se mais tarde, graças à sua dedicação aos estudos, hábil contabilista, ingressando como funcionário da Coletoria e da Caixa Econômica Estadual, então anexas.

Autodidata, dedicou-se por inclinação à música realizando profundos estudos e formando-se professor. Nesta qualidade, foi um dos fundadores da Escola Normal Livre de Franca, hoje Escola Estadual Torquato Caleiro. Lecionou também a alunos particulares. Exímio executante de clarineta e violino, foi um dos integrantes da afamada Orquestra do antigo Cine Santa Maria, nos tempos saudosos do cinema mudo. Em 1932, obteve por concurso, a cadeira de matemática da Escola Normal Livre.

A presença da Arte de Carlos Gomes se fez sentir junto à Escola, na pessoa do insigne maestro e compositor, Antônio Sichierolli.

O conhecimento aliado à modéstia foram características desse benquisto mestre que não mediu esforços para o engrandecimento da cultura musical na terra das Três Colinas.

Lembramos com saudades o inesquecível artista.

13- Professor João Marciano de Almeida.

Ilustre médico, professor, exerceu também a direção da Escola Normal Livre de Franca.

Como responsável pelas cadeiras de Física e Química, muito colaborou para a instalação dos Laboratórios da Escola Normal Livre.

Torna-se desnecessário dizer que sua atuação no referido estabelecimento, pois tudo nele reflete a figura do benquisto Professor.

Franca reverencia a sua memória, dando seu nome a uma das maiores Escolas da Cidade.

14- Professor David Carneiro Ewbank.

15- Romão Campos – Inspetor Federal.

A história da Escola Normal Livre tem em seu bojo o nome de um grande educador.

Professor Romão Campos, culto, amigo de seus alunos, sempre tinha uma palavra de carinho para cada um deles. Precedeu com sua maneira livre e alegre de transmitir muitos métodos que atualmente são usados.

A sala dos professores da Escola Estadual Torquato Caleiro, recebeu o seu nome como prova de gratidão da Escola.

Além de Professor, foi Diretor da Escola Normal e Inspetor da mesma.
16- Dr. Francisco Cândido Alves.

A veneranda figura do ilustre Professor Francisco Cândido Alves deixou bem marcada uma trajetória luminosa, pela Escola Normal Livre de Franca. A sua abnegada atuação como educador granjeou a simpatia de toda a juventude estudiosa de Franca, tornado-se merecedor do título de “Vovô” da escola.

Não raro, abençoava seus alunos à entrada das aulas, deixando transparecer a bondade de seu coração.

Como Engenheiro Civil, Professor mérito de matemática , proferiu a aula inaugural da Escola Normal Livre de Franca, no dia 12 de março, nos salões da Associação dos Empregados do Comércio de Franca.

Dr. Francisco Cândido Alves, fundador do Colégio “Cândido Alves”, um dos primeiros estabelecimentos de ensino de Franca.

17- Professor Sebastião Amparo.

Insigne artista, colaborou grandemente como um dos integrantes do quadro de educadores da nova escola.

Simples, bondoso, sempre gentil e jovial com seus alunos, o Professor Amparo se destacou como um dos pioneiros para a difícil e espinhosa tarefa.

Quase três décadas de intenso labor, deram-lhe a láurea de gratidão e respeito. Foi Professor de desenho.



18- Professor Henrique Maurer.

Foi professor e pastor da Igreja Presbiteriana de Franca.



19- Valentim Alfredo Rugna.

Professor de Português na Escola Normal Livre.



20- Professor Agenor Aquino Leite.

Professor e fundador da Escola Normal Livre de Franca, dono de privilegiada cultura, um dos antigos educadores francanos, fez-se merecedor de admiração de todos pela retidão e bondade.

Lente de Geografia, e como homem público, serviu muitas vezes o Executivo francano, no afastamento dos titulares, por ser pessoa íntegra e justa.

21-Professor Fernando Falleiros.

Nasceu em Dores do Aterrado, Minas Gerais, em 08 de setembro de 1896.

Logo depois do nascimento do menino Fernando, seus pais transferiram residência para Franca.

Foi dentista, médico e professor da Escola Normal Livre de Franca, ocupando a Cadeira de Higiene, muito fez para elevar o nome do estabelecimento (Escola Estadual “Torquato Caleiro”).

Dotado de brilhante cultura, foi o Dr. Fernando (Fernandinho), como era chamado, homem de larga visão e espírito progressista.

Grande estudioso que sempre foi, o Dr. Fernando, descobriu um dos primeiros casos de Brucelose humana no Brasil. Sobre esta moléstia, escreveu vários artigos que foram publicados em obras médicas em linguagem portuguesa e outras.

Por diversos anos, colaborou com as instituições hospitalares desta cidade, especialmente no Sanatório Santana e na Santa Casa, onde demonstrou sua capacidade de clínico e cirurgião.

Dada a energia de sua pessoa, dada à versatilidade de seu caráter e ao poder de sua vontade, o Dr. Fernando nunca se contentou com uma só atividade. Por esse motivo, dedicou-se ao comércio, à pecuária e à agricultura. Ao mesmo tempo da sua mocidade, montou nesta cidade uma Fábrica de cigarros. Foi dono de uma fábrica de chicotes, sendo um dos pioneiros da indústria de couro da cidade, pois a fábrica em apreço, funcionara nos idos de 1913.

No setor comercial, o Dr. Fernando Falleiros & Cia., que no tempo era uma das grandes empresas de transportes urbanos do país.

Foi ainda fundador e Presidente da Rasa (Representações e Automóveis S. A.), concessionária dos produtos da General Motors S. A.

Aos 12 de junho de 1960, em Ribeirão Preto, onde se encontrava hospitalizado, o Dr. Fernando faleceu.

22- Professor João Trentivo Ziller.

Foi professor da Escola Normal e pastor da Igreja Presbiteriana Central de Franca.



23-Professor Homero Pacheco Alves.

Nascido a 14 de setembro de 1887, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Era filho do Dr. Francisco Cândido Alves e Da. Albertina Pacheco Alves.

Professor de Geografia Geral e do Brasil desde 1936. Efetivo por concurso, foi removido por interesse pessoal para Pedregulho.

Lecionou largos anos no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, o professor Homero foi grande orador, sempre arrebatando, conseguia eletrizar multidões.

Da família cristã católica, Homero soube levar até seu túmulo o que de mais sagrado possuía: a vida correta de professor cristão e católico.

24-Maria Idalina Lima.

Escola Normal Livre – Professorandos de1932 - Turma II.

São Paulo.

25- Alayde Nery.

Escola Normal Livre – Professorandos de1932 - Turma II.

São Paulo.

26-Moacir Rodrigues.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

Franca.

27- Hélide Dompiéri.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

Franca.

28- Silverinha Ribeiro.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

29- Durvalina Maia.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

30- Júlia Cury.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

31- Professora Anita Ramos.

Escola Normal Livre – 1932 - Turma II.

A professora Anita Ramos também nos deixou marcada sua trajetória na Escola Normal Livre de Franca, ministrando aulas de Ginástica às estudantes da época.

Seu nome deve ser lembrado como baluarte na história da educação de nossa cidade, pioneira que foi, como exemplo do dinamismo e trabalho.



32- Professora Maria da Glória Marcondes Vieira.

Escola Normal Livre – 1932 - Turma II.

Esta benquista mestra, durante quase quatro décadas, colaborou com a Escola Normal Livre, prestando à mesma, relevantes serviços.

Bondosa, meiga, transmitia às alunas o senso de responsabilidade para a construção de uma vida de amor ao próximo e de trabalho digno.

Sua figura ainda é requisitada em nossa escola, pois é lembrada com bastante carinho e respeito.
Maria da Glória Marcondes Vieira, além de Professora de dotes morais inatacáveis, exemplo de esposa e mãe admirável , transmitia aos alunos o seu imenso calor humano.

33- Ada Del Guerra.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

34- José Gomes.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

35- João Cândido Falleiros.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

36- Renan Alves Leite.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

37- Sarah Ramos.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

38- Esmeralda Cury.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

39- Helena Cury de Tacca.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

Professoranda da Cinqüentenária Escola Normal Livre de Franca, galgou diversos postos da mesma como Professora e Diretora da Escola de Aplicação anexa à Escola Normal.

Submeteu-se na Cadeira de Educação ao Concurso de Ingresso ao Magistério Secundário e Normal, saindo-se muito bem da difícil prova, comprovando mais uma vez sua sólida cultura.

Devemos ressaltar que o referido concurso constava de provas: escrita, erudição, didática, além de títulos.

Escolheu a Cadeira de Educação-Didática do Instituto “Torquato Caleiro”. Da. Helena sempre partilhou seus ensinamentos, sua orientação para muitas escolas de Franca, coadjuvadas por seus diletos alunos, demonstrando assim o seu ideal de servir.

40- Emília de Paula.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo

41- Odete Schierolli.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

42- Maria Aparecida Rebello.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

43- Lygia Borges de Almeida.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

44- Iracema Oliveira Valente.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

45- Geralda França.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

Minas Gerais.

46- Eurides Gonçalves.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

47- Jeronyma de Souza.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

48- Maria Aparecida Guisellini.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

49- Maria Marques Cardoso.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

50- Maria Cecília Ribeiro.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

51- Maria Barbosa.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 - Turma II.

São Paulo.

52- Amélia Silvestre.

Escola Normal Livre – Professorandos de 1932 – Turma II.

São Paulo.

53- Turma de Diplomandos da Escola Normal Livre de Franca – 1938.

Sentados:

01-Dr. José de Carvalho Rosa – Diretor;

02-Dr. João Marciano de Almeida – Paraninfo e Professor de biologia;

03-Noemia Barbosa Ferreira – Professora de pedagogia;

04-Zulmira Ramos Franco – Professora de Música e Canto Orfeônico;

05-Olívia Corrêa Costa – Professora de prática de ensino e Diretora do Curso Primário Anexo;

06-Maria Elfrida Ewbank Seixas – Professora de Educação Física Feminina;

07-Clara Morais de Araújo – Professora de Trabalhos Manuais Femininos.

De pé, esquerda para a direita:

08-Carlos Ewbank – Secretário;

09-Fuad Zacarias Cury – profesora Educação Física Masculino.

Alunos:

10-Gilka Pinheiro;



11-Joaquim Gomes;

12-Fábio de Melo (orador da turma);

13-Ib D’ Lucca;

14-Jupira de Souza;

15-Julio César D’Elia – Profesor de Desenho;

16-Anísio da Cunha – Professor de trabalhos manuais masculino.

Atrás:

17-Maria de Lourdes Oliveira;



18-Elvira Latorraca;

19-Maria Aparecida de Melo (Fany);

20-Jacy de Melo.

(Doação: Família do Dr. João Marciano de Almeida).



54- Turma de Diplomandos da Escola Normal Livre de Franca – 1938.

Dr. João Marciano de Almeida – Paraninfo;

Dr. José de Carvalho Rosa – Diretor e alunas;

Doação: Família do Dr. João Marciano de Almeida.



55- Turma de Diplomandos da Escola Normal Livre de 1933 comemorando o Jubileu de Prata.

25 anos de Formatura .

Doação: Família do Dr. João Marciano de Almeida.

56- Excursão dos alunos da Escola Profissional “Dr. Júlio Cardoso” – 25 de abril de 1940.

Doador: Arlindo do Reis.



57- Bacharelandos do Ginásio do Estado da Franca – 1940.

Adriana Franklin Neves;

Alexandre Aidar;

Álvaro José Carneiro;

Arlindo Barbosa Cintra;

Cirilo Barcelos;

Delmar de Figueiredo;

Elza Zinader;

Eurípedes Bulhões;

Francisco Pimenta de Castro;

Gabriel Carneiro de Araújo;

Geraldo Seixas Santos;

Gilberta Vieira de Andrade;

Gilson Pinheiro;

Guido Manoel Dompieri;

Hortência Puli;

Isaac Chamis;

Ivo E. Lopes de Oliveira;

Jarbas Feijó Guimarães;

José Campos dos Santos;

José Vicente Sales;

Laura Jabur;

Luiz Gonzaga Siquiera;

Luiz Mauro Rocha;

Margarida Franklin Neves;

Maria Aparecida Menezes;

Maria José Garcia;

Mariana Jabur;

Mário Del Monte;

Mario Latuf;

Miriam Abud;

Mura Adelaide Abud;

Murilo Borges;

Oneida Luiza de Andrade;

Pérsio Ferreira Vilela;

Ruth Blois;

Salma de Melo Cury;

Sebastião Xavier Simaro;

Sílvio Coelho;

Vicente França de Almeida;

Vicente de Paula Latorraca;

Walter Carneiro de Araújo;

Wander Carvalho;

Wander Mendes Biasoli;

Wilson Vilhena Nascimento.

Paraninfo: Dr. Vicente de Paula Lima.

Orador: Isaac Chamis.

Professores: Valentim Rugna; Valeriano Gomes do Nascimento; Ritinha Ribeiro; José Engrácia de Faria; David Carneiro Ewbank; Homero Pacheco Alves; Cloves Ribeiro; Sebastião Amparo; Arthur Ewbank; Carlina Ribeiro; Joaquim Tristão; Olívio Peixoto; Maria Antonieta Martins Andrade.

Compilado pelo Bacharelando: Mário Latuf. Franca, SP. 20 de outubro de 1993.

58- Maria Luiza Zini Almada (12/12/1951).

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes.

Doação: A mesma.

59- Nair Infante Vieira.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.



60- Manife Miguel.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.



61- Zélia M. de Freitas.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.

Doação: Maria Luiza Almada, em 19/04/1997.

62- Profª. Manira Abrahão.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.



63- Maria Estela Avelino.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.



64- Maria do Carmo Miranda.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.

Doação: Maria Luiza Zini Almada, em 19/04/1997.

65- Maria Antônia Borgignon.

Normalista do Colégio Nossa Senhora de Lourdes – 1951.



66- Turma de 1951 – Colégio Nossa Senhora de Lourdes.

Doação: Maria Luiza Zini Almada, em 19/04/1997.



67- Turma de 1951 – Colégio Nossa Senhora de Lourdes.

Doação: Maria Luiza Zini Almada, em 19/04/1997.



69- Quadra Coberta do Colégio Jesus Maria José – setembro de 1990.

70- Prof. David Carneiro Ewbank.

Nascimento: 19/08.

Falecimento: 24/08/1959 em São Paulo e sepultado em Franca.

Foi casado com Elfrida Gomide Ewbank e tiveram oito filhos.



71- Alunas e Irmãs do Colégio “Jesus Maria José”.

72- Escola de Fazenda.

Alunos e Professora.



Obs: as fotos originais estão com a Dª. Pequenina – Antônia da Silva Gomes.

73- Irmãs de São José, Irmãos do Colégio Champagnat, filhas de Maria e Cruzada Eucarística.

Obs: as fotos originais estão com a Dª. Pequenina – Antônia da Silva Gomes.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal