Lettres de Marcellin J. B. Champagnat (1789-1840) Fondateur de l’Institut des Frères Maristes



Baixar 1.34 Mb.
Página47/108
Encontro18.07.2016
Tamanho1.34 Mb.
1   ...   43   44   45   46   47   48   49   50   ...   108

130 – Ao senhor JACQUES GONON, Haires, Cenves, Rhône.


9 de agosto de 1837.

Em 1830, o senhor Gonon tinha destinado parte de sua herança para a construção de uma igreja, no município de Cenves. Rhône. Essa igreja ou capela nunca serviu de igreja paroquial. Gonon teria feito também apelo a uma congregação religiosa para animar a vida cristã dos habitantes dos arredores. Não está claro se ele queria também com o andar dos tempos, criar lá uma escola.

Pelo visto, o Padre Champagnat não entendeu bem do que tratava a carta. Como sempre costumava fazer, elogiou as boas intenções do correspondente, mas descartou a possibilidade de estabelecer uma escola naquele lugar, por não ter a quem mandar.

Prezado Senhor,

A intenção que acalenta V. Sª de trabalhar para a glória de Deus, criando uma pequena comunidade no castelo herdado por seu filho mais velho, só pode ser muito louvável. Deus não o deixará sem recompensa.

A finalidade deste estabelecimento fica um pouco distante do projeto de nossa Sociedade que é a educação cristã da juventude. Além do mais, não podemos fornecer-lhe Irmãos de imediato, pois temos pedidos demais a satisfazer e que vieram anteriormente ao seu.

A confiança com que S. Sª nos honra alimenta nossos sentimentos de profunda gratidão e o desejo sincero de corresponder à sua benevolência para com nossa Sociedade. Assim nos declaramos sempre seus dedicados servidores.

131 – Ao senhor CHARLES JULIEN TRIPIER, Curis-au-Mont-d'Or, Rhône.


9 de agosto de 1837.

O senhor Tripier escreveu ao Padre Champagnat pondo-o a par de uma intriga movida contra o Irmão Bruno e os Irmãos de Neuville. Este cidadão era dono de uma construção que o povo chamava de "magasin" (armazém), contíguo à casa das Irmãs de São Carlos. Estava a serviço da escola dos Irmãos que lá faziam funcionar duas salas de aula, uma capela e um dormitório, bastante vasto, para internos.

As Irmãs queriam ocupar este "magasin" para o serviço pastoral que exerciam. Pediram ao Vigário Geral Padre Cattet que as ajudasse a conseguir aquela ocupação. Por trás delas e do Vigário Geral manobrava o pároco Padre Chirat, a favor das Irmãs.

O Irmão Bruno, Diretor da escola de Neuville se opôs ao que pretendiam as Irmãs. O senhor Tripier também não concordava com a transferência. Foi falar com o Pe. Cattet: “Então o senhor quer entregar às freiras uma casa que é minha e que eu dei aos Irmãos!? Isso é idéia liberal” (da Revolução Francesa). Escreveu ao Padre Champagnat para defender o Irmão Bruno, que tinha sido apontado às autoridades eclesiásticas como sendo o articulador da oposição às Irmãs.

Depois de conferenciar com o Irmão Jean-Baptiste que fora o Diretor de Neuville de 1826 a 1830, o Padre Champagnat escreve ao senhor Tripier a carta que segue.

Mui honrado senhor Tripier,

Dentro de poucos dias, terei necessidade de viajar para Couzon. Não fosse isso, teria correspondido imediatamente a seu convite e, como se costuma dizer, teria podido matar dois coelhos de uma só cajadada. Assim como o senhor, também eu lastimo as guerrilhas que estão fazendo em Neuville contra nossos Irmãos. Diga a eles, por favor, que essas pequenas contradições em nada diminuem a recompensa que devem esperar do céu. Digo "pequenas contradições", porque tudo aquilo que não é pecado é coisa pouca. Penso que, com um pouco de paciência, tudo acabará.

No que diz respeito ao "magasin", meu parecer é que deve ficar somente com os Irmãos, ou então trocá-los de moradia. O Irmão Jean-Baptiste a quem falei sobre o caso, pensa como nós. Seria até desejável poder distanciar mais os dois estabelecimentos, em vez de falar de aproximá-los. Em suma, aprovo perfeitamente seu parecer, como o do Irmão Bruno.

Acho também que o Vigário Geral Padre Cattet e o senhor pároco vão ter a mesma opinião.

Bem que nossa escola de Neuville tinha necessidade de um homem como o senhor, gente que não recua diante de nada, gente que sabe passar por cima das dificuldades e preveni-las.

Digníssimo fundador da escola de Neuville, queira receber meus sinceros agradecimentos, esperando que consiga uma justa recompensa da parte de Deus! Tenho a honra de ser, com todo respeito, seu dedicado servidor,

Champagnat


P.S. Eu não me oporia a que os Irmãos, ao mesmo tempo que tomam seu descaso, prestassem algum serviço à igreja.

Notre Dame de l'Hermitage, aos 9 de agosto de 1837.


132 – Circular aos Irmãos.


12 de agosto de 1837.

Champagnat convida os Irmãos para o retiro e as férias em l'Hermitage, como tinha o costume de fazer todo ano. Fala com emoção da "jolie chapelle" que foi benta por Dom Pompallier no ano anterior. É mais do que justo seu intenso regozijo, pois a linda capela lhe tinha custado muitos suores. Foi a rudes golpes de picareta que Champagnat arrebentara o rochedo que estorvava a construção do lado do poente. "Lá onde se ergue a capela atual, havia um bruto rochedo, propriedade do senhor Montellier. O rochedo limitava o pátio interno, para o qual se entrava do lado do Gier, no lugar onde se encontra a cozinha atualmente."

V.J.M.J.


Notre Dame de l'Hermitage, Saint Chamond, 12 de agosto de 1837.

Meus caríssimos Irmãos,

Nossas férias deste ano começarão no dia 28 de setembro, como no ano passado. Façam tudo o que for necessário para chegar pontualmente no dia primeiro de outubro, que procuraremos celebrar da maneira mais solene que pudermos, em nossa linda capela. Gosto muito de comunicar-lhes esta determinação, sabedor que sou de sua submissão e docilidade.

Queridos filhos em Jesus e Maria, como é bom e agradável para mim, pensar que, dentro de poucos dias terei o grato prazer de, com o salmista, dizer a todos vocês, num grande abraço: "Quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum!" (Como é bom, como é agradável habitarem os Irmãos numa mesma casa!) Muito grato é o consolo de vê-los reunidos num só espírito e num só coração, formando uma só família, todos se empenhando em buscar a glória de Deus e o progresso de sua santa religião, combatendo sob o mesmo estandarte da augusta Maria!

O retiro, na medida do possível, começará logo a seguir. Tenho a honra de ser para vocês devotado servidor.

Champagnat



Na cópia que foi mandada para Saint Didier-sous-Rochefort, a Circular traz o seguinte pedido:

Um breve informe do acontecido no seu estabelecimento: número de alunos que freqüentaram a escola... é o que nos daria prazer.

E mais o aviso: Temos uma casa em La Grange Peyre destinada aos postulantes que ainda não atingiram a idade de 15 anos. A pensão é de 300 francos anuais.

1   ...   43   44   45   46   47   48   49   50   ...   108


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal