Lettres de Marcellin J. B. Champagnat (1789-1840) Fondateur de l’Institut des Frères Maristes



Baixar 1.34 Mb.
Página63/108
Encontro18.07.2016
Tamanho1.34 Mb.
1   ...   59   60   61   62   63   64   65   66   ...   108

180 - À Sra. MARIE CLERMONDON CHAMPAGNAT, Rosey, Marlhes.


16 de março de 1838.

É carta de pesâmes, escrita de Paris, à viúva do mano.

Jean Barthélemy Champagnat era o segundo filho do casal Champagnat-Chirat, nascido em 1777, portanto 12 anos mais velho do que Marcelino. Casou-se em 11 de outubro de 1811 com Marie Clermondon. O casal teve seis filhos, sendo que os dois últimos se tornaram irmãos Maristas.

Na carta, o Padre fala: De 13 ou 14 que éramos, sobro eu por último. Não eram somente dez na família? E mesmo sendo dez, alguns morreram ainda pequeninos. Entende-se que a referência ao número de treze ou quatorze quer englobar outros parentes próximos, muito chegados, que viviam na casa.

Paris, 16 de março de 1838, Missões Estrangeiras, Rue du Bac, 120.

Querida cunhada,

Com muito pesar, não pude estar junto ao meu pranteado irmão, durante sua doença. Não pensava que fosse mortal. Tinham-me dito que estava indo melhor. Faz apenas alguns dias que em Paris me deram a notícia. Ofereci e também pedi a outros Padres que oferecessem o Santo Sacrifício por ele.

Não duvidei sequer um instante de que Deus lhe tenha feito misericórdia e tenha recebido sua alma na verdadeira paz.

Como é curta esta vida! Como é pouca coisa e de quantas tribulações anda cercada! Faz apenas alguns dias que estávamos todos reunidos na mesma casa onde você mora e na qual continuará ainda a morar por alguns dias, se Deus quiser. De treze ou quatorze que éramos, somente eu é que sobro. Meu Deus, como é infeliz o homem que não vive segundo vossa lei! Como é cego aquele que se apega a um bem que larga para nunca mais ver! Sigamos o que nos diz São Paulo: "Usemos o que Deus nos deu, segundo a vontade do mesmo Deus sem nos apegar.” Coitados dos ricos!... O que é que eles têm a mais que nós? Mais tristeza ao deixar esta vida.

Minha querida cunhada, aquele que você chora e que choro também eu, se não lhe deixou muitos bens, deixou a você e a seus filhos o exemplo de uma vida muito cristã. É por isso que gosto de me lembrar que ele era meu irmão.

Não subo nenhuma vez ao altar sem me lembrar dele. Será que vamos ter que esperar muito para segui-lo no túmulo? O momento já está marcado, você não sabe qual é, nem eu tampouco, e pouco importa que saibamos. Preparemo-lo por uma vida toda para Deus e conforme Deus quer. Que nossas enfermidades, nossos sofrimentos sejam para nós outras tantas ocasiões de nos tornarmos mais agradáveis a Deus!

É com razão que podemos dizer que nossa felicidade está em nossas mãos, pois que, considerando bem as coisas, não existe nada que não contribua para nos granjear esta felicidade: os bens, a saúde, a pobreza, as doenças, os pesares.

Irei fazer-lhe uma visita, assim que voltar de Paris. Por ora, diga a toda a família que continuo muito unido a vocês.

Diga a Margot que ficarei feliz de conhecê-lo e que folgo de saber que ele será seu arrimo na velhice; aos dois sobrinhos, que os receberei em l'Hermitage quando quiserem.

A todos vocês, desejo que tenham, já não digo muitas riquezas, mas uma boa consciência, um amor acendrado para com Deus. Que Jesus e Maria sejam o único bem de vocês. Rezem por mim e para o bom resultado de minhas andanças.

Faz mais de dois meses que estou em Paris, quando pensava não demorar mais do que um mês. Minhas andanças ainda não terminaram, é bem possível que ainda esteja aqui por ocasião da Páscoa. Se Deus me ajudar, espero conseguir o que estou pleiteando. Gozo de muito boa saúde, não acho demorado o tempo, e aqui ficaria para o resto de meus dias se fosse vontade de Deus. O frio apertou bastante em Paris, embora não tenha caído neve. Chegou-se a vender um balde de água por quinze tostões. Várias pessoas foram encontradas mortas, enregeladas.

Adeus, meus queridos parentes. Tenho a honra de ser seu atento e afeiçoado

Champagnat

sup. dos I. M.


181 – Ao Irmão HILARION, Diretor de Boulieu, Ardèche.


18 de março de 1838.

O Padre Champagnat dá notícias de Paris e da lentidão com que se arrastam as medidas para conseguir a autorização. Paciência e confiança nas orações dos amigos é o que conforta e sustenta na provação este incansável lutador.

Testemunha muita afeição para com todos os Irmãos e pessoas ligadas a eles; dirige saudações a cada um. Como o Irmão Hilarion gostava de escrever, podemos pensar que esta carta bem pode ser resposta à do Irmão. O mesmo terá acontecido com a carta-resposta ao Irmão Antoine, de Millery (cf. Carta no 183)

V.J.M.J.


Paris, 18 de março de 1838. Missões Estrangeiras, Rue du Bac, 120.

Meu caríssimo Irmão,

Como você está vendo, continuo em Paris, falando ora com uns ora com outros, e mesmo assim minhas andanças fazem adiantar pouco nosso grande problema. Todos aqueles que em Paris têm interesse em nosso êxito, me dizem que é preciso ter paciência.

Conto muito com as orações das pessoas de bem; elas nos serão mais úteis do que todas as proteções possíveis. Apesar disto, não menosprezo as últimas, pois é da vontade de Deus que empreguemos os meios humanos. Todos os pareceres elaborados sobre o nosso relatório foram favoráveis. Bendito seja Deus!

Meu caro amigo, que espinho seria arrancado, caso pudéssemos livrar do alistamento nossos Irmãos! Tenhamos firme esperança e rezemos sem esmorecer. Quanta coisa se pode obter com a oração fervorosa e perseverante!

Digamos a Maria que se trata muito mais de coisa sua que da nossa. Parece que não poderemos conseguir isentar os que forem chamados neste ano.

Como estou preocupado! Será que minha estada em Paris vai durar muito? Infelizmente não tenho idéia. Não estou com muita esperança de chegar a l'Hermitage antes da Páscoa.

A minha saúde vai bem, o tempo só me custa a passar porque não estou no meio de vocês. Ando mais solitário no centro de Paris do que em l'Hermitage. Posso assegurar-lhe que, se Deus quisesse, eu me sentiria muito bem na solidão.

Queira levar ao conhecimento do Padre Dumas, digníssimo Pároco de Boulieu, o andamento de nossos interesses. Diga-lhe que continuo contando com suas fervorosas orações e com as da comunidade dele, e as do Padre Aron, o Capelão.

Adeus, meu caro Irmão, não me esqueço de você nem dos demais Irmãos. Diga ao bom Irmão Maurice que estou muito unido a ele, assim como a seus colaboradores, ao bom Irmão Nilamon e aos que estão com ele, ao bom Irmão Adelphe.

Não preciso pedir-lhe que reze por mim, sei que está rezando. Não esqueça os bons Irmãos de Saint-Sauveur. Trago todos vocês com muito carinho no meu coração.

Procure entrar em contato com os Irmãos de Bourg-Argental, logo que puder. Procure também os demais.

O Irmão Marie Jubin está se saindo bastante bem.

Tenho a honra de ser, nos Sagrados Corações de Jesus e de Maria, o seu afetuoso servdior,

Champagnat

1   ...   59   60   61   62   63   64   65   66   ...   108


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal