Lettres de Marcellin J. B. Champagnat (1789-1840) Fondateur de l’Institut des Frères Maristes



Baixar 1.34 Mb.
Página89/108
Encontro18.07.2016
Tamanho1.34 Mb.
1   ...   85   86   87   88   89   90   91   92   ...   108

266 – Circular aos Irmãos


9 de setembro de 1839.

Nesta Circular, notamos um desenvolvimento maior da parte administrativa, devido ao crescimento do número de Irmãos e de escolas. Isto requer uma organização mais complexa.

Meus caríssimos Irmãos,

O próximo mês será para nós um tempo precioso e de muito proveito, pois que teremos a felicidade de nos reunir para gozarmos de um pouco de descanso, sob os auspícios de Maria, nossa terna Mãe. Junto dela, unidos de espírito e coração, apreciaremos os frutos deliciosos que Deus prometeu pelo seu profeta (Sl 131) aos irmãos que viverem unidos.

Como a nossa reunião vai ser numerosa, vejo com pesar que, embora eu tenha o desejo de atender a todas as suas necessidades, vocês terão que suportar uma quantidade de precisões que, de todo lado, se abatem sobre nossa natureza carente. Mas, coragem! Essas contrariedades que, segundo um santo padre do deserto, nós suportamos como que apenas em sonho, serão compensadas por uma felicidade eterna.

Procurem deixar suas contas pagas, seja com o livreiro, seja com as outras pessoas com as quais vocês podem ter-se relacionado, a fim de poderem desfrutar de perfeita tranqüilidade durante as férias. Façam com que os devedores paguem satisfatoriamente o que lhes devem e, se conhecerem os pais ou benfeitores de alguns noviços ou Irmãos, que não morem muito longe de vocês, por favor, insistam para que terminem de pagar o que ainda estejam devendo à casa. Isto porque - vocês bem que estão sabendo - os mantimentos estão caros, por isso estamos obrigados a cobrar o que nos é devido. Pela mesma razão, não assumam o compromisso de receber pensionistas nas condições dos anos anteriores. É até aconselhável solicitar aos pais de boa vontade que contribuam com uma quantia suplementar para o ano que acaba de findar.

Recomendamos-lhes que façam embrulhos da roupa em desuso e batinas velhas que não têm mais serventia e despachem tudo para (cá) alguns dias antes de vocês saírem, para poderem verificar ao chegar se não ficou algo pelo caminho, evidentemente se não vierem de condução.

Ler o capítulo X da Regra.

Cuidem de preencher com exatidão a estatística e de entregá-la, na chegada, juntamente com o livro da contabilidade, ao Irmão que for designado para recebê-los.

Para que possam acertar suas contas com o Irmão bibliotecário, envio-lhes o total de suas faturas, que somam...; gastos pessoais...; Total:...

Já sabem que o retiro começa nos primeiros dias de outubro.

Recebam etc.

267 – Ao Irmão PHILIPPE, Sury-le-Comtal, Loire.


9 de setembro de 1839.

O Irmão Avit, nos Anais de Sury, atribui esta carta ao Irmão François, braço direito do Padre Champagnat e seu secretário. É possível, mas as idéias são perfeitamente do fundador. Vê-se, como na Carta no 216 que as mesmas duas idéias perpassam pelo texto:

1o) manter a escola;

2o) as autoridades façam o que a elas compete para que os Irmãos possam trabalhar de acordo com nossos regulamentos.

Grand classe era a turma dos que estavam aprendendo a escrever.

Meu caro Irmão Philippe,

Você sabe que fazemos questão de que nossas salas de aula estejam separadas uma da outra por um tabique envidraçado. Esperamos que as de Sury mais tarde sejam dispostas desse modo, pois que o local se presta para tanto. Mas, como o senhor pároco não quer saber de ouvir falar na regularização da grand classe, é inútil irmos a Sury. Não obstante, preferimos ter pelo menos duas salas de aula regulares a termos que agüentar por mais tempo que as três estejam separadas.


268 - A Dom BÉNIGNE DU TROUSSET D'HÉRICOURT, bispo de Autun, Saône-et-Loire.


13 de setembro de 1839.

O Padre Champagnat tinha projetado fundar o noviciado de Vauban só em 1840. Agora, vê-se compelido a estabelecer-se lá ainda neste ano de 1839. Já tem o parecer favorável do Padre Colin que está sendo solicitado a destacar um dos Padres Maristas para ser o capelão.

O caso de Semur (cf. Carta no 258) deve ter contribuído também, e não pouco, para apressar a fundação. Foi pedido uma data em que o Bispo e Champagnat firmariam um acordo.

O fato é que o noviciado de Vauban abriu oficialmente a 8 de dezembro de 1839, com a presença do Padre Champagnat.

Excia. Revma.,

Estando a par de quanto V. Excia. anseia por uma solução relativa ao seu estabelecimento de Vauban, apresso-me em comunicar-lhe que o Padre Superior Geral aprova que aceitemos sua atenciosa oferta.

Lá nos instalaremos logo que nos tenhamos posto de acordo sobre todos os pontos. Só receio que, com todas as nossas limitações e a boa vontade, talvez não correspondamos ao que V. Excia. está no direito de esperar de nós. Eu sei: se Maria não abandona nem os maiores pecadores quando imploram pelo auxílio dela, não iria deixar ao desamparo os que a Ela se consagraram com a aprovação do Vigário de Jesus Cristo.

Não terei nenhum momento vago antes da Festa de Todos os Santos, devido à chegada dos Irmãos, mas depois estarei mais livre.

Por favor, Excia., pode marcar o tempo e o lugar de nossa entrevista para acertarmos tudo e para depois a Sociedade de Maria e V. Excia. formarem um só coração e uma só alma nos Sagrados Corações de Jesus e de Maria.


269 – Ao Padre AUGUSTIN REVOL, Pároco de Bougé-Chambalud, Isère.


13 de setembro de 1839.

Contrariamente ao que escreveu na carta de no 253, o Padre Champagnat avisa o Padre Revol que pensa dar-lhe Irmãos já neste ano, se tudo estiver de acordo com o prospecto.

A fundadora desta escola é Mademoiselle Esther de Revol, que comprou um terreno e mais um lote, caro, da própria mãe, que mandou arrancar toda a grama. A construção foi feita de taipa.

Realizada a obra, Esther legou ao município a casa, a mobília e as dependências para que tudo fosse destinado à instrução e educação moral e religiosa dos meninos, sob a direção dos Irmãos Maristas ou outros que fossem aprovados pelo Bispo.

Senhor Pároco,

Sinto-me envergonhado de lhe estar devendo uma resposta, faz tanto tempo. Não esqueci seu estabelecimento, porém diversas circunstâncias se opuseram a que pudesse fixar-lhe mais cedo a época do começo das aulas.

Mando-lhe a lista do mobiliário requerido para três Irmãos.

Pelo fim do mês de outubro ou no começo de novembro, iremos ter com o senhor para visitar a casa que servirá de escola e, se tudo estiver pronto, nossos Irmãos, sob os seus auspícios, irão exercer as funções de mestres em sua interessante paróquia, a fim de contribuir com o zelo que o anima a proporcionar educação à juventude.

Assim, à virtuosa fundadora deste estabelecimento será dado o prazer de ver o resultado de suas generosas doações.


1   ...   85   86   87   88   89   90   91   92   ...   108


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal