Lettres de Marcellin J. B. Champagnat (1789-1840) Fondateur de l’Institut des Frères Maristes



Baixar 1.34 Mb.
Página95/108
Encontro18.07.2016
Tamanho1.34 Mb.
1   ...   91   92   93   94   95   96   97   98   ...   108

291 – Ao senhor JOSEPH ANTOINE BETHENOD, prefeito de Saint-Martin-la-Plaine, Loire.


outubro de 1839.

Nesta localidade, os compromissos das autoridades não tinham sido honrados. (Cf. Carta no 246)

O Padre Champagnat não deixa passar nada. Torna a reclamar, colocando o prefeito contra a parede.

Mas, é que também não tinham os Irmãos o título de "instituteur", que, como veremos logo a seguir, lhes será brevemente outorgado. (Cf. Carta no 303)

Senhor Prefeito,

Sabendo das suas boas disposições para com o estabelecimento de nossos Irmãos em Saint-Martin, tomo a liberdade de perguntar-lhe em que condições pensa mantê-los para o ano próximo, a fim de que lhes seja garantida pelo menos a subsistência. O senhor sabe que os gastos para a fundação referentes a um Irmão não foram pagos; tampouco foi quitado totalmente o salário anual. Se estas falhas continuarem daqui por diante, julgue o senhor mesmo se podemos ter alguma saída. Todos nós estamos dispostos a fazer tudo o que de nós depender para sermos úteis a seu município, mas antes de mais nada, para fazer o bem é preciso viver, e isto se tornará impossível se o pagamento dos Irmãos, que já é tão diminuto ficar ainda incompleto.

Espero, portanto, senhor Prefeito, que sua sagacidade e sua benevolência encontrará, para esses Irmãos, alguma maneira de lhes regularizar a existência em Saint Martin.

Queira transmitir ao portador desta carta quais as garantias que o senhor nos poderá dar.

Receba...


292 – Ao Padre CLAUDE DUMAS, Pároco de Usson-en-Forez, Loire.


31 de outubro de 1839.

Estava para ser satisfeito o pedido de 1837, do pároco Dumas. (Cf. Carta no 121). Logo após o retiro de 1839 e a eleição do Irmão François e de seus dois Assistentes, os Irmãos Hilarion e Maurice foram mandados a Usson e a Craponne para se certificarem se tudo estava pronto para as aulas do novo ano letivo. Chegaram lá, depois deles, três outros Irmãos, mais cedo do que esperava o Padre Dumas. Eles devem ter levado em mãos esta carta. Nela Champagnat pede ao pároco que complete com os 700 francos que faltam (dos 1.200), a jóia de fundação que deve ser paga antes de dar início a uma nova escola. Tudo vem assentado no livro de contas: Os primeiros 500 fr. foram pagos em 24 de outubro; os 700 restantes, no dia 25.

Senhor Pároco,

Nossos queridos Irmãos partem hoje para Usson. Sei que o senhor terá para com eles todas as atenções de um pai amoroso, de um pastor caridoso e cheio de ardor, eis porque eu os confio ao senhor com muito prazer. Desejo ardentemente que correspondam a seus anseios e aos dos benfeitores do seu estabelecimento, procurando formar o coração de sua interessante juventude, mais ainda na virtude do que na ciência.

Espero que o senhor tenha a amabilidade de nos remeter quanto antes os 700 francos, jóia de fundação, que estão para ser pagos. Além das nossas necessidades que são das mais prementes, queremos também manter regularmente o costume de fazer pagar estes gastos antes da abertura das aulas. Fazemos assim em qualquer lugar onde atuamos. Se for mais cômodo para o senhor, pode depositar a quantia em Saint-Etienne ou em Valbenoite.

Digne-se aceitar...

293 – Ao senhor BLAISE AURRAN, em Cuers, Var.


4 de novembro de 1839.

Para se estabelecerem no Departamento do Var, os Irmãos deveriam possuir a autorização legal. Não a tinham conseguido ainda. Ou, então poderiam abrir uma escola que recebesse internos; os noviços seriam como alunos internos, no projetado noviciado de Lorgues.

Nesta carta, o Padre Champagnat escreve ao senhor Blaise para perguntar se ainda pensava em abrir uma escola de Irmãos em Lorgues.

Faz saber a seu amigo que ficará contente em congratular-se com ele, se conseguir mais facilmente o concurso de outros obreiros do bem que não os Maristas.

Prezado senhor,

Admiramos o seu zelo pela glória de Deus e a salvação das almas que faz com que o senhor prossiga com toda a energia a execução do projeto que me comunicou faz tempo. Muito me alegro por causa do bem que resultará em favor de seus caros provençais. Mas, como ignorávamos completamente se o senhor estava continuando a se ocupar daquela obra, não tomamos nenhuma providência junto ao governo no sentido de solicitar a autorização para a fundação de um noviciado em Lorgues. Por outro lado, estamos também esperando a ajuda de Maria e a proteção das pessoas de bem que militam a favor da autorização de nossa Sociedade. Verdade é que nos propomos recomeçar as tentativas logo que tivermos uma ocasião favorável. Verdade também que temos razões para contar com o bom resultado das mesmas, mas nada de certo podemos lhe prometer. O senhor está sabendo, sem dúvida, que o pedido, assim como a obtenção da autorização da Sociedade em geral, devem anteceder a ereção de um noviciado particular.

Há um outro meio que nos propomos empregar para uma casa da natureza da sua: o de pedir a autorização de um internato primário, em nome de um Irmão munido do Diploma e que ministraria as aulas. Nessas condições os noviços, considerados internos, não serão molestados. Com relação a usar ou não tal expediente, o senhor queira considerar-se completamente livre. Não queremos ser empecilho à boa obra que o senhor está encaminhando. Se a Providência não nos permitir dar-lhe garantias suficientes, vê-la-emos com prazer em outras mãos que não as nossas, para a glória de Deus e a salvação das almas. Se, pelo contrário, sob a única proteção daquela que olhou por nós até hoje, o senhor persistir em querer nossos Irmãos no seu estabelecimento, faremos tudo quanto estiver ao nosso alcance, para corresponder a seus projetos e cooperar com o senhor e a autoridade eclesiástica da diocese, para o bem de sua querida juventude. A mais do Capelão que a Sociedade põe à disposição dos noviços, talvez eu possa mais tarde conseguir alguns missionários que conjuntamente com o Capelão trabalhariam, com a aprovação dos pastores, para a salvação das almas.

Queira ...

1   ...   91   92   93   94   95   96   97   98   ...   108


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal