Lista de exercícios roma – prof. David nogueira 1



Baixar 53.28 Kb.
Encontro07.08.2016
Tamanho53.28 Kb.

LISTA DE EXERCÍCIOS ROMA – PROF. DAVID NOGUEIRA


1. (Ufpe 2012) A história das crenças religiosas revela seus significados para as culturas do mundo antigo e do mundo atual. Na Roma Antiga, o advento do Cristianismo:

( ) favoreceu os defensores dos governos republicanos, quebrando tradições e melhorando a vida, de imediato, dos grupos que viviam na pobreza.

( ) não afetou a ordem sociopolítica, pois defendia valores que já eram aceitos por todos, desde os tempos da monarquia.

( ) trouxe propostas de mudanças sociais que alteraram valores culturais e condenaram a condição de escravo.

( ) deu continuidade ao poder da religião oficial dos romanos, preservando os princípios politeístas dominantes.

( ) conseguiu abalar costumes e relações sociais, com ideais que objetivavam a adesão dos menos favorecidos.

2. (Pucsp 2012) As Guerras Púnicas, entre romanos e cartagineses, duraram de 264 a 146 a.C. Entre seus resultados finais, podemos considerar que elas

a) contiveram a expansão romana em direção ao mar Mediterrâneo, pois as ilhas ao sul da península itálica passaram ao controle cartaginês.

b) fortaleceram a presença romana na região do mar Mediterrâneo, com o estabelecimento de províncias nas terras conquistadas.

c) eliminaram os gastos militares do Império Romano, pois impediram o surgimento de revoltas e tensões sociais.

d) permitiram a expansão comercial de Roma por toda a península itálica e em direção ao ocidente, com a decorrente conquista da Gália.

e) reduziram consideravelmente o número de escravos no Império Romano, pois a maioria deles foi alistada nas tropas e morreu em combate.

3. (Unesp 2012) A escravatura [na Roma antiga] foi praticada desde os tempos mais remotos dos reis, mas seu desenvolvimento em grande escala foi consequência das guerras de conquista […].


(Patrick Le Roux. Império Romano, 2010.)
Sobre a escravidão na Roma antiga, é correto afirmar que

a) assemelhava-se à escravidão ocorrida no Brasil colonial, pois era determinada pela procedência e pela raça.

b) aumentou significativamente durante a expansão romana pelo Mar Mediterrâneo.

c) atingiu o auge com a ocupação romana da Germânia e de territórios na Europa Central.

d) diminuiu bastante após a implantação do Império e foi abolida pelos imperadores cristãos.

e) diferenciava-se da escravidão ocorrida no Brasil colonial, pois os escravos romanos nunca podiam se tornar livres.

4. (Ufpr 2011) O cristianismo católico tornou-se religião oficial do Império Romano no ano de 380 d.C., data da edição do famoso édito de Tessalônica, outorgado pelo Imperador Teodósio. Desde a sua criação até este momento, a caminhada foi dura e difícil para os seguidores de Cristo. Exemplo disso foram as perseguições movidas por alguns imperadores romanos, eternizadas pelos relatos fantásticos e emotivos de vários escritores e historiadores cristãos.
Podemos apontar como principais causas dessas perseguições:

a) O ódio e a intolerância tanto das autoridades como da população pagã do mundo romano, que viam na figura de Cristo e na comunidade cristã uma ameaça ao poder do Imperador.

b) A constante penetração de elementos cristãos tanto nas filas do exército imperial romano como em cargos administrativos de elevada importância, que poderiam servir de “mau exemplo” tanto em termos políticos como ideológicos.

c) Aspectos de índole moral, na medida em que os cristãos eram acusados pelos pagãos de realizarem orgias e assassinatos de crianças em seus rituais.

d) A associação entre os cristãos e os inimigos bárbaros que punha em risco a estabilidade política e religiosa interna do mundo imperial romano.

e) A necessidade de oferecer à população de Roma “pão e circo”, com os cristãos sendo sacrificados na arena do Coliseu para minimizar a ameaça de revoltas populares contra as autoridades imperiais.

5. (Ufpr 2011) O trecho abaixo foi escrito por Suetônio, biógrafo dos primeiros imperadores romanos, nascido no final do século I d.C. Trata-se do registro de algumas reformas feitas por Júlio César, logo após este ter assumido o poder. A partir da leitura do texto, analise as principais mudanças na vida dos romanos no contexto do final da República e início do Império romano.
“Distribuiu oitenta mil cidadãos em colônias transmarinas. Para garantir que a cidade de Roma não ficasse despovoada, proibiu a todo cidadão de mais de vinte e menos de sessenta anos, à exceção dos que servissem no exército, ficar mais de três anos fora da Itália. Proibiu os filhos de senadores de se ausentarem a não ser que estivessem acompanhados de um comandante militar ou magistrado. Obrigou que os pastores tivessem, ao menos, um terço dos criadores púberes livres de nascimento. Aos médicos e profissionais liberais atuantes em Roma conferiu a cidadania, a fim de fixá-los aí e atrair outros profissionais”.
(Suetônio, A vida dos doze césares, Vida de Júlio César, 42.)

6. (Ufrgs 2011) Durante a República Romana, a escravidão aumentou consideravelmente sua importância na sociedade e na economia, contribuindo para a crescente dependência da República Romana em relação à mão de obra escrava.


A dependência da mão de obra escrava na República Romana devia-se

a) à expansão das grandes propriedades e ao aniquilamento da pequena propriedade rural.

b) às guerras de conquista empreendidas por Roma, as quais contribuíram decisivamente para predomínio dessa relação de trabalho.

c) à inexistência de mão de obra livre e ao desinteresse da população pelos trabalhos manuais.

d) aos conflitos entre patrícios e plebeus na luta pela terra.

e) à necessidade de ampliação da oferta de mão de obra para o desenvolvimento do artesanato.

7. (Ufpel 2007) "Os animais da Itália possuem cada um sua toca, seu abrigo, seu refúgio. No entanto, os homens que combatem e morrem pela Itália estão à mercê do ar e da luz e nada mais: sem lar, sem casa, erram com suas mulheres e crianças. Os generais mentem aos soldados quando, na hora do combate, os exortam a defender contra o inimigo suas tumbas e seus lugares de culto, pois nenhum destes romanos possui nem altar de família, nem sepultura de ancestral. É para o luxo e enriquecimento de outrem que combatem e morrem tais pretensos senhores do mundo, que não possuem sequer um torrão de terra."

PLUTARCO DE QUERONEIA, (50-125). In: PINSKY, Jaime. "100 textos de História Antiga". São Paulo: Contexto, 2003.

O documento está associado à reforma agrária promovida pela(s)

a) Revolta de Espártaco.

b) Lei das Doze Tábuas.

c) Lei Canuléia.

d) Guerras Púnicas.

e) Leis dos Irmãos Graco.

8. (Ufal 2007) Considere a ilustração.

Durante muitos séculos, os antigos romanos divertiram-se com a atuação dos gladiadores nos chamados espetáculos públicos, que utilizavam diferentes tipos de armas, permitidas pelas autoridades de Roma, como as que podem ser observadas na ilustração. Esses gladiadores eram recrutados, principalmente, entre

a) homens poderosos da plebe.

b) cidadãos da nobreza romana.

c) servos dos latifúndios estatais.

d) escravos das áreas dominadas.

e) heróis das conquistas romanas.

9. (Ufes 2006) O oficial romano Orestes, tendo tomado o comando do exército, partiu de Roma ao encontro dos inimigos e chegou a Ravena, onde parou para fazer imperador seu filho, Rômulo Augusto. [...] Porém, pouco depois de Rômulo Augusto ter sido estabelecido imperador em Ravena por seu pai, Odoacro, rei dos turcilingos, tendo consigo ciros, hérulos e auxiliares de diversas tribos, ocupou a Itália. Orestes foi morto e seu filho, Rômulo Augusto, expulso do reino e condenado à pena de exílio no Castelo Luculano, na Campânia. Assim, o Império do Ocidente do povo romano, que o primeiro dos augustos - Otaviano Augusto - tinha começado a dirigir no ano 709 da fundação da cidade de Roma, pereceu com Rômulo Augusto no ano 522 do reinado dos seus antecessores imperadores. Desde aí, Roma e a Itália foram governadas pelos reis dos godos.

(Jordanes, in: PEDRERO-SÁNCHEZ, M. G. "História da Idade Média". São Paulo: Editora Unesp, 2000, p. 39-40. Adaptado.)

O texto anterior, escrito por Jordanes, um autor do século VI d.C., nos informa sobre os acontecimentos políticos que marcaram o início e o fim do Império Romano do Ocidente: a ascensão de Otávio Augusto ao poder e a deposição de Rômulo Augusto por Odoacro, no contexto das invasões bárbaras. Tendo em vista essas considerações, explique

a) a importância da atuação política de Otávio Augusto para a criação do Império Romano.

b) dois fatores que contribuíram para a desagregação do Império Romano do Ocidente.

10. (Fuvest 2005) Karl Marx afirmou mais de uma vez que, na antiguidade romana, era o Estado que sustentava o proletariado e não este àquele, como ocorre na modernidade. Com base nessa afirmação, explique:

a) Como o Estado romano sustentava o proletariado?

b) Por que é possível sustentar que a derrota do programa de reforma agrária dos irmãos Graco abriu caminho para tal política?

11. (Unicamp 2005) Se Roma existe, é por seus homens e seus hábitos. Sem nossas instituições antigas, sem nossas tradições venerandas, sem nossos singulares heróis, teria sido impossível aos mais ilustres cidadãos fundar e manter, durante tão longo tempo, a nossa República. (Adaptado de Cícero, Da República, em "Os Pensadores", v. 5. São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. 184).

a) Nomeie e caracterize uma das instituições políticas da República romana (509-31a.C.).

b) A expansão, ocorrida durante a República, fez com que os romanos tivessem contato com o mundo helenista e incorporassem alguns costumes e tradições. O que foi o helenismo e qual sua importância na Roma republicana?

12. (Ufpe 2004) O crescimento dos domínios romanos, na Antiguidade, trouxe dificuldades políticas, pois nesses domínios habitavam povos de culturas e costumes diferentes. Houve várias crises e instabilidades que ameaçaram a ordem do império. No governo de Otávio Augusto:

( ) houve uma grande repressão aos povos rebeldes, a qual possibilitou um maior controle administrativo e a reorganização do império.

( ) houve uma política que procurou punir os abusos e as corrupções administrativas, a qual evitou o maior acirramento de disputas entre os grupos dominantes.

( ) houve uma melhoria no sistema de arrecadação dos impostos, que aliviou a crise financeira e econômica do império.

( ) fez-se a concessão de cidadania aos gauleses e aos espanhóis, conseguindo-se pacificar povos que se rebelavam contra os romanos.

( ) foram tomadas medidas que dinamizaram a vida intelectual do império, inclusive, fazendo do latim a língua oficial.

13. (Unb 1997) "Para ganhar o favor popular, o candidato deve conhecer os eleitores por seu nome, elogiá-los e bajulá-los, ser generoso, fazer propaganda e levantar-lhes a esperança de um emprego no governo. (...) A generosidade é um tema amplo. Talvez sua renda privada não possa atingir todo o eleitorado, mas seus amigos podem ajudá-lo a agradar a plebe. Ofereça banquetes e providencie que seus amigos façam o mesmo, procurando atingir os eleitores ao acaso e o eleitorado específico de cada tribo. (...) Faça com que os eleitores falem e pensem que você os conhece bem, que se dirige a eles pelo nome, que sem parar e conscienciosamente procura seu voto, que você é generoso e aberto, que, mesmo antes do amanhecer, sua casa está cheia de amigos, que todas as classes são suas aliadas, que você fez promessas para todo mundo e que as cumpriu, realmente, para a maior parte das pessoas".

(Cícero, NOTAS SOBRE AS ELEIÇÕES, versículos 41, 50, 52, 54, apud: P. Mackendrick,

THE ROMAN MIND AT WORK, p. 178-9.)

Com o auxílio das palavras de Cícero (106-43 a. C.), julgue os itens a seguir, relativos à história da Roma antiga.

(0) As práticas clientelistas eram inexistentes no mundo político republicano, sendo a amizade e o compadrio relações que não ultrapassavam a esfera do privado.

(1) O Tribunal Eleitoral romano geralmente punia os abusos do poder econômico com a cassação dos candidatos infratores.

(2) Na época de Cícero e mesmo depois, com a política do pão e circo, o povo, a plebe ou a massa, constituía um elemento a ser cativado e não coagido.

(3) A propaganda eleitoral da República visava principalmente mulheres e escravos, que formavam percentagem considerável do colégio de votantes.

14. (Unb 1996) Leia o texto, extraído de uma carta de Plínio, o Moço, ao imperador Trajano, datada de 112 d.C.

(...) Nesse ínterim, segui os seguintes procedimentos com relação aos que se me apresentaram como cristãos. Perguntei-lhes, pessoalmente se eram cristãos. Aos que confessavam, perguntei-lhes duas, três vezes. Os que não voltaram atrás foram executados. Qualquer que fosse o sentido da sua fé, sabia que sua pertinácia e obstinação tinham de ser punidos. Outros, possuidores da cidadania romana, mantiveram-se na loucura e foram enviados para julgamento em Roma (...). Os que negavam serem, ou terem sido cristãos, se evocassem os deuses, segundo a fórmula que lhes ditava, e se sacrificassem, com incenso e vinho, diante da sua imagem, que trazia comigo para tanto, juntamente com estátuas de outras divindades; se, além disso, blasfemassem Cristo - atitudes que, diz-se, não são possíveis de obter de verdadeiros cristãos - considerei apropriado liberar... A questão pareceu-me digna da sua atenção, em particular devido ao número de envolvidos. Há muita gente, de toda idade, condição social, de ambos os sexos, que estão ou estarão em perigo. Não apenas nas cidades, como nos vilarejos e no campo, expande-se o contágio dessa superstição. Parece-me, entretanto, que se possa delimitá-la e corrigi-la.

Carta de Plínio, o Moço, ao imperador Trajano, de 112 d.C. Cartas (10.96)

Com o auxílio das informações contidas no texto, julgue os seguintes itens.

(0) Na época de Trajano, o chamado culto ao imperador já havia desaparecido por completo do mundo romano.

(1) O cristianismo, que se expandia pelo mundo romano no século II, era uma religião seletiva, admitindo, como convertidos, somente cidadãos.

(2) Plínio mostra como o sacrifício, o culto a imagens e os rituais com incenso e vinho foram empréstimos culturais feitos pelo paganismo ao cristianismo.

(3) Por ser uma religião oriunda das regiões ocidentais do Império, o cristianismo era velho conhecido de Trajano, que nascera na chamada Roma Hispânica.

15. (Unicamp 1995) Os princípios do cristianismo chocaram-se com os valores romanos, em especial a partir do momento em que os imperadores passaram a ser vistos como divindades.

Entre os séculos I e III, as perseguições aos cristãos foram constantes.

a) Cite três características do cristianismo naquele período.

b) Explique por que os princípios cristãos eram uma ameaça ao poder político dos imperadores romanos.

16. (Unicamp 1992) "Os jovens eram educados para serem fortes para a guerra. No Campo de Marte, perto de Roma, aprendiam a manejar a espada, a lançar o disco e as lanças, a correr, saltar, nadar e cavalgar. Aprendiam a obedecer para depois saberem mandar."

(Bruna R. Cantele, HISTÓRIA DINÂMICA ANTIGA E MEDIEVAL)

Com base no texto, responda:

a) qual era a função da educação romana?

b) qual foi a sua importância na expansão do império?


Gabarito:
Resposta da questão 1:
F - F - V - F - V.
O cristianismo, religião monoteísta de origem judaica, se desenvolveu durante o período imperial e não no período republicano da história romana. Foi responsável por subverter a ordem instituída, tanto do ponto de vista cultural como institucional, pois os romanos começaram a compreender o imperador como uma divindade. Pode ser considerado uma religião universalista, que procurou atrair indivíduos de povos e camadas sociais diferentes.
Resposta da questão 2:
[B]
A vitória romana sobre os cartagineses ampliou os domínios romanos na orla do Mediterrâneo, com a conquista de diversas regiões no norte da África, Península Ibérica e Balcãs, transformadas em “províncias” e subordinadas ao Senado romano. Com essas conquistas, houve maior desenvolvimento do comércio e do escravismo, ampliando o lucro dos mercados e de proprietários rurais, mas, ao mesmo tempo, foram fundamentais para a pauperização da plebe.

Antes das Guerras Púnicas, os romanos já haviam conquistado a Península Itálica; a Gália foi conquistada um século depois.


Resposta da questão 3:
[B]
Durante o período monárquico em Roma, encontramos a escravidão por dívida, mas em pequena dimensão. Foi no período republicano, com a política expansionista dos romanos a partir das Guerras Púnicas, que se desenvolveu o escravismo como meio de produção. Parte dos povos dominados era enviado à Roma, e o desenvolvimento da escravidão determinou a marginalização da plebe.
Resposta da questão 4:
[D]
As autoridades romanas – e não a população – viam os cristãos e o cristianismo como uma ameaça, não apenas porque eram elementos de províncias dominadas, mas porque defendiam uma concepção de mundo universalista, que se opunha a superioridade romana em relação a outros povos; ao mesmo tempo, a crença em um Deus único, celeste, sem forma, chocava-se com o caráter divino dado ao Imperador, questionando indiretamente seu poder.
Resposta da questão 5:
O texto refere-se o temor de despovoamento de Roma, na medida em que a exploração das áreas colonizadas tornava-se atraente para diversos romanos das mais diversas profissões. O controle sobre vastas áreas na África e Europa e a disponibilidade de mão de obra escrava determinou o deslocamento de milhares de indivíduos, dada a ideia de maior possibilidade de enriquecimento.
Resposta da questão 6:
[B]
Durante o período republicano (509 – 27 a.C.) os romanos empreenderam diversas guerras, conquistaram vastas regiões e subjugaram muitos povos, sendo que parcela significativa desses povos foi submetido à escravidão. Milhares de escravos foram enviados à Roma e às regiões próximas e trabalharam nas mais diversas atividades, destacando-se a agricultura nas propriedades da elite patrícia. O desenvolvimento do escravismo determinou a retração do trabalho livre e a marginalização da maior parte dos plebeus.
Resposta da questão 7:
[E]
Resposta da questão 8:
[D]
Resposta da questão 9:
a) Otávio assume o poder num contexto de acirramento da crise republicana. Júlio César, nomeado ditador vitalício, representava uma séria ameaça ao controle do Senado sobre a República, desencadeando assim uma violenta reação por parte da facção da elite senatorial liderada por Bruto e Cássio que resultou no assassinato do ditador e na retomada da guerra civil. Inicialmente, Otávio assume o poder ao lado de Marco Antônio e Lépido mediante um consórcio conhecido como Segundo Triunvirato, conseguindo sobrepujar a facção senatorial que sustentou o golpe contra César. Em seguida, ocorre a polarização entre Otávio e Marco Antônio. A nova guerra civil que se instaura teve como desfecho a vitória do Otávio em 31 a.C., na batalha de Ácio, sobre as forças lideradas por Marco Antônio. Em 30 a.C., o Egito, cuja soberana, Cleópatra, havia sustentado a causa de Marco Antônio, é ocupado pelos romanos. A partir desse momento, Otávio se torna o líder supremo da República com a missão de restabelecer a concórdia entre os cidadãos e garantir o controle romano sobre os territórios conquistados. Em reconhecimento pelos serviços prestados em prol da pátria, o Senado confere a Otávio, em 27 a.C., o título de Augusto, fato que a historiografia considera como o marco de fundação da monarquia romana. Doravante, todos os antigos poderes republicanos exercidos pelos magistrados, pelas assembleias e pelo próprio Senado, incluindo o supremo comando sobre todos os efetivos militares, passarão a ser prerrogativa de Augusto. Essa concentração, nas mãos de um indivíduo, de um amplo feixe de poderes outrora repartidos entre as diversas instâncias que compunham o "populus" romano será o principal fundamento político-institucional da atuação do imperador, recebendo mais tarde a chancela jurídica por meio da Lei de Império de Vespasiano.

b) A desagregação do Império Romano do Ocidente, que culminou na instauração dos reinos bárbaros sobre o território das antigas províncias romanas, foi produzida por um conjunto de fatores, sem que tenhamos condições de indicar uma hierarquia precisa entre eles. Dentre esses fatores, teríamos, por exemplo, a crise do modo-de-produção escravista, resultado das dificuldades de abastecimento de mão de obra escrava e da resistência à inovação tecnológica própria da mentalidade do homem antigo. Em virtude da crise do escravismo, observa-se um decréscimo significativo do nível de relações comerciais, o que dá ensejo ao êxodo urbano e à ruralização. Outro elemento significativo dentro do processo de desagregação foi, sem dúvida, a expansão dos efetivos empregados na administração civil e no exército, o que exigiu dos imperadores a adoção de um conjunto de medidas com a finalidade de garantir a extração de tributos necessários à manutenção de uma máquina estatal complexa como era a do Baixo Império. Esse fenômeno, conhecido como fiscalismo, atingiu de modo muito intenso a ordem dos decuriões, ou seja, a elite local responsável pela administração das cidades, que tenta por todos os meios se eximir dos encargos municipais, cada vez mais onerosos. Uma das soluções encontradas pelos decuriões foi se colocar sob a proteção dos patronos, grandes proprietários rurais que faziam parte da elite senatorial. Mediante o patronato exercido por membros dessa elite, amplos segmentos da população rural são postos ao abrigo das exigências do poder imperial, configurando-se entre os patronos e os seus subordinados uma relação direta, sem a intermediação do Estado, que enfraquece ainda mais as possibilidades de atuação deste último. Por fim, não podemos ignorar a intensificação dos conflitos do Império com os povos limítrofes. De fato, no Baixo Império, Roma é confrontada no "limes" reno-danubiano por uma pressão cada vez maior de tribos bárbaras e, no Oriente, pela restauração da Pérsia como uma grande potência, o que exige do poder imperial uma ação simultânea em duas frentes com a finalidade de manter a integridade do Império, tarefa que, no Ocidente, não logrou êxito.


Resposta da questão 10:
a) Através da "política do pão e circo", surgida na fase republicana de Roma e que se estendeu à fase do Império.

b) Em face do empobrecimento da plebe romana, em consequência do crescimento do escravismo, sem a reforma agrária não seria possível aos plebeus meios para assegurar a subsistência. Desse modo, tornaram-se dependentes do amparo do Estado e dos Homens Novos.


Resposta da questão 11:
a) O Senado, originário do período da Realeza, era o principal órgão da República Romana, exercendo funções legislativas e de política externa. Era formado por um certo número de senadores com mandatos vitalícios e dominado pelos patrícios (Aristocracia Fundiária de Roma).

b) Entende-se por helenismo, a tradição cultural da civilização grega ou helênica.

Durante a fase republicana de Roma, foram adotados a religião grega, alterando-se os nomes dos deuses, e verifica-se grande influência da cultura grega nas artes, na arquitetura e na literatura romanas.
Resposta da questão 12:
F V V F V
Resposta da questão 13:
F F V F
Resposta da questão 14:
F F F F
Resposta da questão 15:
a) Religião proibida, oferecia-se uma cosmovisão e era praticada principalmente por escravos e os mais pobres.

b) Pois não aceitavam o imperador como divindade, acarretando uma desobediência política.


Resposta da questão 16:
a) Formar um exército disciplinado e bem treinado.

b) Foi a base do império, o exército romano foi responsável pelo último e maior império da antiguidade.




Página de



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal