Lista de exercícios sociologia questãO 01



Baixar 22.89 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho22.89 Kb.
LISTA DE EXERCÍCIOS
SOCIOLOGIA
QUESTÃO 01 – A Escola de Frankfurt definiu a racionalidade ocidental como instrumentalização da razão. Para Adorno, Marcuse e Horkheimer, a razão instrumental caracteriza-se pela produção de um conhecimento cujo objetivo é dominar e controlar a natureza e os seres humanos. Assinale o que for CORRETO:
(01) A razão instrumental expressa uma ideologia cientificista, pois acredita que é neutra, e identifica as ciências apenas com os resultados de suas aplicações.

(02) Na medida em que a razão se torna instrumental, a ciência deixa de ser uma forma de acesso aos conhecimentos verdadeiros para tornar-se um instrumento de dominação, de poder e de exploração.

(04) A ideologia do progresso no modo de produção capitalista fundamenta-se na razão instrumental por acreditar que essa promove o avanço tecnológico que permite a racionalização da produção.

(08) Para Marx, o socialismo, ao transformar o trabalho em mercadoria, torna o homem um mero instrumento e aliena-o social e culturalmente.

(16) Marx defendeu a razão instrumental por ser mais eficiente que a práxis para realizar a revolução socialista.






QUESTÃO 02 – “O que os homens querem aprender da natureza é como aplicá-la para dominar completamente sobre ela e sobre os homens. Fora isso, nada conta. [...] O que importa não é aquela satisfação que os homens chamam de verdade, o que importa é a operation, o procedimento eficaz. [...] A partir de agora, a matéria deverá finalmente ser dominada, sem apelo a forças ilusórias que a governem ou que nela habitem, sem apelo a propriedades ocultas. O que não se ajusta às medidas da calculabilidade e da utilidade é suspeito para o iluminismo [...] O iluminismo se relaciona com as coisas assim como o ditador se relaciona com os homens. Ele os conhece, na medida em que os pode manipular. O homem de ciência conhece as coisas, na medida em que as pode produzir.” (ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Conceito de Iluminismo. Trad. Zeljko Loparic e Andréa M. A . C. Loparic. 2. ed. São Paulo: Victor Civita, 1983. p. 90-93.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a racionalidade instrumental em Adorno e Horkheimer, é CORRETO afirmar:
(A) A razão iluminista deixou de proporcionar ao homem a saída da menoridade da qual ele era culpado e permitiu o pleno uso da razão, dispensando a necessidade de tutores para guiar as suas ações.

(B) O procedimento eficaz, aplicado segundo as regras da calculabilidade e da utilidade, está desvinculado da esfera das relações humanas, pois sua lógica se restringe aos objetos da natureza.

(C) A racionalidade instrumental gera de forma equânime conforto e bem estar para as pessoas na esfera privada e confere um maior grau de liberdade na esfera social.

(D) A visão dos autores sobre a racionalidade instrumental guarda um reconhecimento positivo para setores específicos da alta tecnologia, sobretudo aqueles vinculados à informática.



(E) Contrariando a tese do projeto iluminista que opõe mito e iluminismo, os autores entendem que há uma dialética entre essas duas dimensões que resulta no domínio perpetrado pela razão instrumental.
QUESTÃO 03 – Maquiavel contradiz a visão de política dos pensadores mais antigos afirmando como princípios que regulam as ações de um príncipe os conceitos de Virtú (virtude) e Fortuna (sorte). Sobre essa questão, ASSINALE o que for CORRETO:
(01) A virtú não consiste num conjunto fixo de qualidades morais opostas à fortuna. Virtú é a capacidade do príncipe para ser flexível às circunstâncias, mudando com elas para agarrar e dominar a fortuna.

(02) Virtú e Fortuna significam, simultaneamente, a justiça e a busca do bem comum.



(04) Um príncipe deve mudar com a fortuna, deve ser volúvel, inconstante. Dependendo das circunstâncias, será cruel ou generoso, mentirá ou será honrado, deverá ceder à vontade dos outros ou ser inflexível.

(08) Tanto Virtú quanto Fortuna obedecem a lógica racional da justiça.



(16) A fortuna é sempre favorável para quem deseja agarrá-la. É a sorte que se oferece como presente para quem é ousado e está disposto a vencê-la.






QUESTÃO 04A respeito da Teoria Política de Maquiavel em sua obra O Príncipe, CONSIDERE o que for CORRRETO:

(01) Para formular sua teoria política, Maquiavel partiu da experiência real de seu tempo.

(02) Maquiavel afirmou que o príncipe ao agir deve considerar os princípios éticos e morais que regulam a nova concepção política



(04) Concebia a natureza humana como egoísta, ambiciosa, ingrata, volúvel, movida pelas paixões e desejos insaciáveis.

(08) O verdadeiro príncipe é aquele que sabe tomar e conservar o poder.

(16) O príncipe precisa ter virtú, ou seja, as qualidades para tomar e permanecer no poder, mesmo que use a violência, a mentira, a astúcia e a força.







QUESTÃO 05Nicolau Maquiavel (1.469 - 1527) assim se expressara em sua obra O Príncipe: “(...) O mesmo acontece com a fortuna, que demonstra sua força onde não encontra uma virtú (virtude) ordenada, pronta para resistir-lhe e volta seu ímpeto [impulso; força] para onde sabe que não foram erguidos diques ou barreiras para contê-las. Se considerares a Itália, que é sede e origem dessas alterações, verás que ela é um campo sem diques e sem qualquer defesa; caso ela fosse convenientemente ordenada pela virtú, como a Alemanha, a Espanha e a França, ou esta cheia não teria causado as grandes mudanças que ocorrem, ou estas nem sequer teriam acontecido.” (MAQUIAVEL, N. O Príncipe. São Paulo: Abril Cultural, 1973 – p. 109.)
Sobre o conceito de Virtú, peça chave para se entender as ações de um governante (ou príncipe), CONSIDERE as assertivas abaixo:
I – A virtú é a qualidade dos oportunistas, que agem guiados pelo instinto natural e irracional do egoísmo e almejam, exclusivamente, sua vantagem pessoal.

II – O homem de virtú é antes de tudo um sábio, é aquele que conhece as circunstâncias do momento oferecido pela fortuna e age seguro do seu êxito.

III – Mais do que todos os homens, o príncipe tem de ser um homem de virtú, capaz de conhecer as circunstâncias e utilizá-la a seu favor.

IV – Partidário da teoria do direito divino, Maquiavel vê o príncipe como um predestinado e a virtú como algo que não depende dos fatores históricos.
ASSINALE a ÚNICA alternativa que contém as assertivas verdadeiras:
(A) I, II, III

(B) II e III

(C) II e IV

(D) II, III e IV

(E) I, II e IV



QUESTÃO 06 – Leia atentamente os textos abaixo:

Para Maquiavel os homens trilham quase sempre estradas já percorridas. Natural, haja vista, a lei do menor esforço e da prudência (virtú). É certo que a prudência é a única companheira que o príncipe novo possui nos principados novos, já que, deverá manter a posse e tal capacidade é exclusivamente dele. Ao caracterizar “príncipe novo” pressupõe valor ou boa sorte, evidentemente que qualquer destas razões tem a propriedade de suavizar muitas dificuldades.



Maquiavel deixa transparecer uma preferência pela virtú1:
Todavia, é comum observar que muitos que foram menos afortunados se mantiveram mais tempo no poder.”
Skinner2, também, confirma tal preferência:
Concorda que os que alcançaram o poder por meio “de sua própria virtú e não através da Fortuna” foram “os líderes mais admiráveis”, citando como exemplos “Moisés, Ciro, Rômulo, Teseu e outros que tais”.”
Maquiavel destaca que as oportunidades tornaram felizes os grandes líderes supra citados e que foram as suas virtudes que lhes deram o conhecimento para agarrá-las. Vai além dizendo que aqueles que, por suas virtudes, semelhantemente a estes, se tornam príncipes, conquistam o principado com dificuldades, mas se mantém facilmente

C – A partir dos textos supracitados, DEFINA os conceitos de virtú e fortuna no pensamento político de Maquiavel:


D – Agora, ELABORE um texto no qual você EXPLIQUE qual a importância atribuída por Maquiavel aos conceitos de virtú e fortuna:


1 MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe; Escritos Políticos. Traduções de Lívio Xavier. 4º edição - São Paulo: Nova Cultural, 1987. p.23.

2SKINNER, Quentin. Maquiavel Pensamento Político. Tradução Maria Lúcia Montes. São Paulo: Editora Brasiliense S.A, 1988. p. 43.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal