Livro – Europa nos séculos X à XIII



Baixar 27.67 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho27.67 Kb.

Livro – Europa nos séculos X à XIII.


Europa Ocidental dos séculos X à XIII.
Na Idade média, nobres muito poderosos e ricos, que possuíam terras herdadas de seus antepassados cediam parte de sua propriedade para outros nobres menos poderosos e ricos do que ele, para a melhor administração de suas grandes extensões territoriais e para ganhar um apoio militar em casos de conflito. Quem cedia as terras era chamado de Suserano e quem as recebia era chamado de Vassalo, os vassalos também poderiam se tornar suseranos fragmentando suas terras recebidas e gerando mais vassalos. Além das terras concedidas pelo susserano, este poderia dar também benefícios como a permissão de cobrar impostos e de receber parte da produção dos servos que trabalhavam em seu território. Os vassalos tinham poder econômico e administrativo sobre as terras que possuíam, podendo criar leis, arrecadar impostos, receber parte da produção dos servos e várias outras características que lhe permitiam ser um “reizinho” da região que possuíam.
Relação Feudo-Vassálica  Relação entre iguais (nobres).

Relação Servil  Relação explorada entre diferentes.

Feudos  Os feudos eram as extensões de terra concedidas pelos suseranos juntamente com os benefícios (permissão de cobrar impostos, de criar leis, de receber parte da produção dos servos, etc) para o vassalo em troca de obrigações como a de ajudar o suserano quando ele estiver em conflito, garantindo-lhe guerreiros e armas. Como os nobres entravam em constantes conflitos para a ampliação do território, disputas com outros nobres e questões de prestígio, tornava-se vantajoso conceder feudos pelo apoio militar.
Ritual de Concessão do feudo:

Para realizar a concessão do feudo a um vassalo, era feito um solene ritual. Nele, o susserano botava as mãos em volta do vassalo (simbolizando proteção) e este se ajoelhava e fazia um juramento (de lealdade a seu suserano). Esse ritual reafirmava a posição dominante do suserano.


Hierarquia da nobreza:

  1. Rei.

  2. Vassalos do rei.

  3. Duques, condes e marqueses (poderiam também ser vassalo do rei).

  4. Barões e viscondes

  5. Cavaleiros.

O que o rei fazia?



  • Controlava um grupo de guerreiros que defendiam os domínios feudais de ataques inimigos.

  • Administrava a justiça com a ajuda de funcionários que cuidavam de pequenos conflitos locais, porém, quando o conflito era mais sério, as decisões mais importantes eram dos nobres.

  • Mesmo estando no alto da hierarquia da nobreza e sendo considerado o mais poderoso dos nobres, o rei não possuía poder efetivo, apenas um grande prestígio. Pois só administrava, de fato, suas terras, ou seja, os senhores feudais tinham total controle sobre seus feudos.

Mesmo que existissem reis e que eles fossem considerados como os maiores nobres e com muito prestígio, as autoridades efetivas eram os nobres proprietários de grandes extensões de terras que tinham grande poder sobre os territórios que possuíam, ou seja, o poder era descentralizado na mão de vários nobres.

Porém, os nobres não trabalhavam nas terras que possuíam, os servos o faziam. Eles recebiam uma pequena porção de terra para plantarem e a maior parte da produção era dada aos nobres, o que sobrava era usado para alimentar-se e à sua família. Porém, além de garantirem grande parte do que produziam, os servos tinham também que obedecer à corvéia, ou seja, um trabalho gratuito que realizavam trabalhando durante um tempo na terra de seu senhor apenas. E, ainda tinham que pagar banalidades, ou seja, um “imposto” sobre o moinho e outras ferramentas que eles utilizavam.

Servos:


  • Recebiam uma pequena porção de terra para se sustentarem

  • Davam grande parte de sua produção aos seus senhores

  • Corvéia

  • Banalidades

  • Relação não-escrava, porém, de muita exploração

  • Tinham seus direitos de homens livres com exceção ao de fugir.

  • Quando morriam, seus filhos poderiam continuar a trabalhar na terra, porém, teriam que pagar um tributo chamado de mão-morta.

  • Recebiam proteção contra ataques e roubos.

  • Mesmo que a agricultura fosse sua principal produção, eles também faziam artesanato, pecuária, etc. (vasos, queijos, leites, ect).***


***Por que os feudos eram auto-suficientes?

Porque os servos produziam tudo o que eles e o que os nobres para quem trabalhavam, precisavam; comprando pouco e assim, com pouco interação com o comércio, mesmo que ele existisse na idade média.

Vantagens servis:


  • Recebiam uma porção de terra para trabalharem

  • Recebiam proteção contra ataques e pilhagens.

Existiam ainda alguns camponeses que não estavam sujeitos ao trabalho gratuito nas terras dos nobres por um período, ou seja, eles não tinham de obedecer à corvéia. Estes eram os vilões. Eles pagavam o arrendamento com parte da produção. Porém, eles também não poderiam fugir.
Relação entre nobres e servosservidão
Camponês Medieval:

  • (não era considerado um escravo) Era considerada uma coisa, propriedade de seu dono.

Servo;

  • (não era considerado um escravo) Era considerado uma pessoa livre com seus direitos, exceto o de fugir e assim, parar de trabalhar.*

* Porém, muitos servos faziam o oposto disso. Não pagavam os tributos, não davam parte da produção para os nobres e fugiam SEM a permissão dos mesmos.


Feudalismo  O feudalismo é o modo de vida da Europa ocidental dos séculos X à XIII, caracterizado pela desconcentralização do poder, nas mãos dos nobres, também chamados de senhores feudais, mesmo com a existência de um rei, que apenas possuía controle sobre as suas áreas e prestígio, além do título de mais poderoso nobre.

Características do feudalismo:

  • *Desconcentração de poder

  • Pouca interação com o comércio (feudos eram auto-suficientes)

  • Existência da relação feudo-vassálica (relação entre iguais) e da relação servil (relação explorada)

  • *Leis, impostos, etc. variavam de região

    • Moeda escassa

    • Muitas mortes por epidemias (higiene precária e sem saneamento)

    • Ruralização

    • Igreja com grande poder e influência

    • Medo causado pela igreja

  • Exército particular

Os feudos são divididos em três partes:


Manso Servil (50% do Feudo) Área onde os servos produziam tanto para a subsistência quanto para darem uma parte aos nobres (não como corvéia). Geralmente os servos recebiam terras em três campos diferentes (ainda do manso servil), para plantarem. Enquanto plantavam diferentes alimentos em dois campos, deixavam o terceiro descansando e iam mudando as culturas, sempre deixando uma descansando e assim, não desgastando o solo.

Manso Senhorial (30% do Feudo)  Constituíam a parte onde era realizada a corvéia, ou seja, onde os servos trabalhava, gratuitamente por um período na área dos senhores. Toda a produção dessa área é para o Senhor feudal.

Terras Comunais (20% da área do feudo)  Parte do feudo relativa as florestas e pastos. Lá, servos e nobres pastavam, coletavam frutas e madeiras, etc. Porém , nas terras comunais, a caça por diversão ou para a obtenção de alimento era exclusiva para os nobres somente, o servo que cassasse ali estaria sujeito à severas punições.
Morada dos Servos nos feudos As dos servos eram simples e pequenas, geralmente choupanas feitas de madeira ou barro que se encontravam agrupadas, uma ao lado da outra. Além disso, enfrentavam precárias condições de higiene, e os servos tinham que repartir o espaço com seus animais de criação.

Morada dos Nobres nos feudos Já os nobres viviam em enormes castelos luxuosos envoltos por altas muralhas grossas e torres, mais altas ainda, com uma faziam ótima segurança. A primeira muralha exterior era envolta por cercas vivas e outros equipamentos de segurança, junto a essa muralha, havia um fosso. Todas as muralhas do castelo eram constituídas de quatro partes principais: paredes, torres, portas e pontes. Essas portas se referem às pequenas passagens para pedestres. Alguns castelos possuíam muralhas internas, elas eram constituídas das mesmas quatro características (parede, porta, ponte e torre) das muralhas comuns. As grandes moradas dos nobres abrigavam toda a sua família.
Entre a primeira muralha interna e a última externa, encontrava-se o PÁTIO INFERIOR. Nele se encontravam:


  • Oficinas de artesões domésticos

  • Celeiros

  • Estábulos

  • Forno

  • Moinho

  • Poço

  • E, às vezes, a casa de um casebre que trabalhava diretamente para o rei.

Resumidamente, havia no Pátio Inferior:



  • Oficinas de artesões domésticos

  • Lugar onde eram mantidos os animais (estábulos e celeiros)

  • POÇO

  • Ferramentas utilizadas na produção de alimento (forno e moinho)

Entre a primeira e a segunda muralha interior encontrava-se o PÁTIO SUPERIOR. Nele se encontravam:



  • Canis

  • Capelas

  • Alojamentos militares

  • Cozinhas


A importância da Igreja:
Hierarquia Religiosa:

  • Papa (sumo pontífice)

  • Alto clero (bispos, arcebispos e cardeais)

  • Baixo clero (padres e monges)

Os membros que constituíam o alto clero, além de terem prestígio e poder, normalmente pertenciam à famílias de nobres, pois, como o primeiro filho dos nobres era quem herdava a terra, eles não poderiam simplesmente desgraçar seu segundo filho. Então concediam incentivos à igreja (tais como riquezas e terras), para que o filho pudesse entrar para o alto clero e manter o prestígio da família.


Os membros do alto clero tinham poder pois:

  • Cobravam contribuições dos fiéis,

  • Realizavam julgamentos e

  • Administravam as terras que a igreja recebia, muitas vezes fragmentando-as em feudos, gerando vassalos e tornando-se suseranos.

Além disso, os membros do alto clero, tinham poder o suficiente para interferir na política, sempre lutando a favor da igreja ou a favor de nobres com quem mantinham relações. E, por fim, bispos, arcebispos e cardeais tinham o direito de FIXAREM normas e leis que regulavam a vida social da sociedade, visando impedir pecados. Assim, a igreja mantinha um controle social imenso, que assegurava o medo de toda a sociedade e uma grande sustentação de pecados, não inteiramente, pois eram impostas muitas regras sobre muitos pontos da vida diária da população.

Essas regras também diziam respeito às mulheres, na Idade Média, elas eram consideradas como instrumentos do diabo e como algo que os homens tivessem de estar sempre atentos.

Mulheres na Idade Média:

As mulheres, tanto camponesas quanto nobres, deveriam obediência e seriam observadas, além de não terem o mesmo direito do que os homens, porém, havia algumas diferenças na forma em que as camponesas e as mulheres nobres se portavam. As camponesas trabalhavam lado a lado com os homens, normalmente plantando, colhendo e cuidando dos animais; já as mulheres nobres deveriam ficar mais tempo presas ao seu quarto, sem realizarem tarefas humilhantes como as camponesas, porém, realizando tarefas como: tecer, etc.


Resumindo...

Funções principais do alto clero:

  1. Cuidavam das terras que eram doadas à igreja

  2. Realizavam julgamentos

  3. Cobravam contribuições de fiéis

  4. Fixavam normas e regras que regulavam a sociedade

  5. Interferiam na política, sempre a favor da igreja ou de nobres com quem mantinham relações.



Clero secular Constitui-se de membros religiosos que entram em contato direto com os fiéis, rezando missas, etc. Temos como exemplo de religiosos que fazem parte do clero secular: padres, bispos, arcebispos, cardeais, etc.
Clero regular Constitui-se de membros religiosos que vivem excluídos do mundo, tendo de obedecer a regras em conventos, mosteiros ou abadias. Mesmo juntos, eles mantém poucas relações.
Grupos discriminados pela igreja:

  • Hereges  Vão contra os dogmas e a ortodoxia da igreja.

  • Prostitutas  Pecam contra a pureza.

  • Judeus  São considerados os “assassinos” de Jesus, pois, na hora da crucificação dele, escolherem que Jesus morresse em vez de outro revolucionário. E o fato de serem envolvidos no comércio não melhora a aparência deles.



Meios que a igreja possuía para controlar a sociedade:

  • Sermões  Eram como palestras onde os membros religiosos davam ensinamentos e impunham valores morais, como um certo controle da sociedade.

  • Inquisições  Como era estimulado a “deduração”, muitos indivíduos deduravam outros, dizendo que estes haviam cometido um pecados, eles teriam que passar por testes antes de serem punidos e teriam que ir ao tribunal do santo ofício.

Os indivíduos eram estimulados a acusar anonimamente outros de terem ido contra a ortodoxia da igreja, estes, que eram “dedurados” teriam que ir ao tribunal do santo ofício.

  • Confissões  Como eram estimulados a se confessar, era recomendável que todos os indivíduos se confessassem pelo menos uma vez por ano.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal