LÍngua portuguesa e literatura brasileira



Baixar 358.89 Kb.
Página1/5
Encontro27.07.2016
Tamanho358.89 Kb.
  1   2   3   4   5
LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA



01

02



03

04

05



06

07

08



09

10

11



12

13

14



15

16

17



18

19

20



21

22

23



24

25

26



27

28

29



30

31

32



33

34

35



36

37

38



39

40

41



42

43

44



45


TEXTO 1
A vida invisível
Há séculos, o ser humano começou a perguntar-se por qual razão as sociedades diferenciavam a tal ponto os dois sexos em matéria de hierarquia e funções. Uma ou outra mulher especialmente intrépida já se havia feito essas perguntas, como, por exemplo, a francesa Christine de Pisan, que em 1405 escreveu A cidade das mulheres; mas foi preciso que viessem o positivismo e a morte definitiva dos deuses para que os habitantes do mundo ocidental desdenhassem a imutabilidade da ordem natural e começassem a perguntar massivamente sobre o porquê das coisas, curiosidade intelectual que forçosamente teve de incluir, apesar da resistência apresentada por muitos e muitas, os numerosos motivos relativos à condição da mulher: diferente, distante, subjugada.

Na realidade, ainda não há uma resposta clara a essas perguntas: como se estabeleceram as hierarquias, quando isso aconteceu, se sempre foi assim. Cunharam-se teorias, nenhuma suficientemente demonstrada, que falam de uma primeira etapa de matriarcado na humanidade, de grandes deusas onipotentes, como a Deusa Branca mediterrânea descrita por Robert Graves. Talvez não tenha sido uma etapa de matriarcado, mas simplesmente de igualdade social entre os sexos, com domínios específicos para umas e outros. A mulher paria, e essa assombrosa capacidade deve tê Ia tornado muito poderosa. As vênus da fertilidade que nos chegaram da pré-história (como a de Willendorf gorda, bojuda, deliciosa) falam desse poder, assim como as múltiplas figuras femininas posteriores, fortes deusas de pedra do neolítico.

Engels sustentava que a sujeição da mulher se originou ao mesmo tempo que a propriedade privada e a família, quando os humanos deixaram de ser nômades e se assentaram em povoados de agricultores; o homem, diz Engels, precisava assegurar-se filhos próprios, aos quais pudesse transferir suas posses, e por isso controlava a mulher. Ocorre-me que talvez o dom procriador das fêmeas assustasse demais os varões, sobretudo quando os grupos se tornaram camponeses. Antes, na vida errante e caçadora, o valor de ambos os sexos estava claramente estabelecido: elas pariam, amamentavam, criavam; eles caçavam, defendiam. Funções intercambiáveis em seu valor, fundamentais. Mas depois, na vida agrícola, o que os homens faziam de específico? As mulheres podiam cuidar da terra tanto quanto eles, ou talvez, sob um ponto de vista mágico, até melhor, pois a fertilidade era seu reino, seu domínio. Sim, é razoável pensar que eles deviam achá-Ias demasiadamente poderosas. Talvez a ânsia de controle dos homens tenha nascido desse medo (e da vantagem de serem eles mais fortes fisicamente).

Nota-se esse receio ante o poder feminino já nos primeiros mitos de nossa cultura, nas narrativas sobre a criação do mundo [...]. Eva arruína Adão e toda a humanidade por deixar-se tentar pela serpente, e o mesmo faz Pandora, a primeira mulher segundo a mitologia grega, criada por Zeus para castigar os homens: o deus dá a Pandora uma ânfora cheia de desgraças, jarra que ela destampa, movida por sua irrefreável curiosidade feminina, liberando assim todos os males. Esses dois contos primordiais apresentam a mulher como um ser débil, estouvado e carente de juízo. Mas, por outro lado, a curiosidade é um ingrediente básico da inteligência, e nesses mitos é a mulher quem tem o atrevimento de perguntar-se sobre o que existe além, o anseio de descobrir o que está oculto. Além disso, os males que Eva e Pandora trazem ao mundo são a mortalidade, a enfermidade, o tempo, condições que formam a substância mesma do humano, de modo que, na realidade, a lenda lhes atribui um papel agridoce mas imenso, como fazedoras da humanidade. [...]

MONTERO, Rosa. A vida invisível. In: ______. Histórias de mulheres. Tradução de Joana
Angélica d’Ávila Melo. Rio de Janeiro: Agir, 2008. p. 9-13. [Adaptado]



Questão 01
Com base na leitura do texto 1 e na norma padrão da língua portuguesa, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Quando os habitantes do mundo ocidental passaram a desdenhar a imutabilidade da ordem natural e começaram a se perguntar massivamente sobre o porquê das coisas, foram os homens que resistiram à ideia de se discutirem os motivos que levaram à submissão da mulher.

02. A primeira mulher a se questionar por qual motivo as sociedades diferenciavam a tal ponto os dois sexos em matéria de hierarquia e funções foi a francesa Christine de Pisan, que em 1405 escreveu A cidade das mulheres, uma obra de grande repercussão por polemizar o papel da mulher.

04. De acordo com o texto, a Deusa Branca mediterrânea e as vênus da fertilidade da pré-história tinham em comum a imagem de uma mulher forte, parideira. Já os mitos de Eva e Pandora evocam uma mulher curiosa e atrevida, a qual desrespeita as ordens de um deus masculino e causa grandes males.

08. As narrativas míticas analisadas no texto – a Eva tentada pela serpente e a Pandora curiosa e descuidada – serviam para explicar a origem dos castigos divinos e alertar para o risco que as mulheres representavam; por isso, essas narrativas só deixam margem para interpretar a mulher como "um ser débil, estouvado e carente de juízo" (linha 39).

16. As palavras sublinhadas no texto – por qual razão (linha 1); motivos (linha 9) e pois (linha 30) – podem ser substituídas por por que, porquês e porque, respectivamente, sem que isso acarrete erro.

autoshape 15

Questão 02
Com base na leitura do texto 1 e na norma padrão da língua portuguesa, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Segundo o texto, ao trazerem ao mundo "a mortalidade, a enfermidade e o tempo" (linhas 42-43), Eva e Pandora macularam a imagem da mulher para sempre, uma vez que condenaram a humanidade ao sofrimento.

02. Os vários adjetivos que caracterizam a mulher no texto – intrépida (linha 3), subjugada (linha 9), débil (linha 39), estouvada (linha 39), etc. – só lhe atribuem traços de personalidade negativos, o que sugere uma concordância da autora com a visão machista presente desde há milênios na história da civilização ocidental.

04. A autora do texto 1 associa a curiosidade feminina à inteligência, o que contradiz a ideia de que a curiosidade é um defeito nas mulheres.

08. As palavras “domínio” (linha 30) e “juízo” (linha 39) são ambas acentuadas por serem paroxítonas terminadas em “o”.

16. O trecho “apesar da resistência apresentada por muitos e muitas” (linha 8) poderia ser reescrito “devido à resistência apresentada por muitos e muitas”, sem que isso implicasse mudança no sentido da frase no texto.

32. Na linha 44, se o pronome “lhes” fosse substituído por “as” – “a lenda as atribui um papel agridoce” –, haveria erro quanto à regência do verbo atribuir.



autoshape 15


Questão 03
Com base na leitura do texto 1 e na norma padrão da língua portuguesa, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Engels explica que a sujeição da mulher, a propriedade privada e a família se originaram simultaneamente nos primeiros povoados de agricultores, a fim de que os homens tivessem garantia da paternidade dos filhos, para poder legar-lhes a posse dos bens.

02. É de Engels a ideia de que o desejo de domínio do homem sobre a mulher é, em parte, devido ao medo fundamental do homem diante da fertilidade feminina.

04. No período “Engels sustentava que a sujeição da mulher se originou ao mesmo tempo que a propriedade privada e a família, quando os humanos deixaram de ser nômades e se assentaram em povoados de agricultores” (linhas 20-22), o pronome relativo quando pode ser substituído por onde, sem que isso implique desvio em relação à norma padrão.

08. No trecho “Há séculos, o ser humano começou a perguntar-se [...]” (linha 1), caso o verbo haver fosse substituído por fazer, seria necessário flexionar esse verbo na terceira pessoa do plural – “Fazem séculos [...]” – para estabelecer a concordância com o sujeito.

16. No trecho “Uma ou outra mulher especialmente intrépida já se havia feito essas perguntas [...]” (linhas 2-3), se respeitadas as regras de pontuação, deveria haver uma vírgula após a palavra intrépida.

3autoshape 152. No trecho “o homem [...] precisava assegurar-se filhos próprios, aos quais pudesse transferir suas posses” (linhas 22-23), se substituíssemos o substantivo “filhos” por “descendência”, teríamos: “o homem [...] precisava assegurar-se descendência própria, à qual pudesse transferir suas posses”.




01

02



03

04

05



06

07

08



09

10

11



12

13


TEXTO 2

Era uma moça de dezesseis a dezessete anos, delgada sem magreza, estatura um pouco acima de mediana, talhe elegante e atitudes modestas. A face, de um moreno-pêssego, tinha a mesma imperceptível penugem da fruta de que tirava a cor; naquela ocasião tingiam-na uns longes cor-de-rosa, a princípio mais rubros, natural efeito do abalo. As linhas puras e severas do rosto parecia que as traçara a arte religiosa. Se os cabelos, castanhos como os olhos, em vez de dispostos em duas grossas tranças lhe caíssem espalhadamente sobre os ombros, e se os próprios olhos alçassem as pupilas ao céu, disséreis um daqueles anjos adolescentes que traziam a Israel as mensagens do Senhor. Não exigiria a arte maior correção e harmonia de feições, e a sociedade bem podia contentar-se com a polidez de maneiras e a gravidade do aspecto. Uma só coisa pareceu menos aprazível ao irmão: eram os olhos, ou antes o olhar, cuja expressão de curiosidade sonsa e suspeitosa reserva foi o único senão que lhe achou, e não era pequeno.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Helena. São Paulo: FTD, 1992. p. 26.




Questão 04
Com base na norma padrão da língua portuguesa, na leitura do texto 2, no romance Helena, publicado pela primeira vez em 1876, e no contexto do Romantismo brasileiro, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. A descrição física de Helena, apresentada no texto 2, bem como suas características de personalidade, reveladas ao longo do romance, correspondem, em linhas gerais, ao modelo da heroína romântica: uma jovem bela, submissa ao homem, infantilizada, recatada e ingênua.

02. Na descrição do olhar de Helena, anuncia-se a ambiguidade de caráter que marcará algumas das personagens femininas da fase realista de Machado, notadamente Capitu, de Dom Casmurro.

04. Mostrada neste trecho como um anjo, Helena revela-se, mais tarde, uma jovem manipuladora, que não hesita em levar adiante a farsa de ser filha do Conselheiro visando à posição da herdeira.

08. Uma vez provado que Helena não é, afinal, a irmã biológica de Estácio, o rapaz está livre para tomá-la como esposa; o casamento só não acontece devido à morte de Helena.

16. Como se pode ver no texto 2, apesar de Helena ser uma obra da fase romântica de Machado de Assis, nela já se encontra a linguagem econômica em adjetivos, comedida, com termos menos carregados de emoção, que irá caracterizar a produção realista do autor.

32. Com a forma verbal “disséreis” (linha 8) – segunda pessoa do plural do pretérito mais que perfeito do indicativo do verbo dizer –, o narrador dirige-se aos leitores, o que é um recurso comum na prosa de Machado de Assis.

64. Na sentença “As linhas puras e severas do rosto parecia que as traçara a arte religiosa” (linha 5), ocorre um desvio de concordância, pois o verbo parecer deveria estar flexionado no plural para concordar com o sujeito “as linhas puras e severas do rosto”. Isso constitui um exemplo da liberdade formal dos românticos.

autoshape 15


TEXTO 3
O Soneto
Nas formas voluptuosas o Soneto

tem fascinante, cálida fragrância

e as leves, langues curvas de elegância

de extravagante e mórbido esqueleto.


A graça nobre e grave do quarteto

recebe a original intolerância,

toda a sutil, secreta extravagância

que transborda terceto por terceto.


E como um singular polichinelo

ondula, ondeia, curioso e belo,

o Soneto, nas formas caprichosas.
As rimas dão-lhe a púrpura vetusta

e na mais rara procissão augusta

surge o sonho das almas dolorosas...
CRUZ E SOUSA, J. da. Últimos sonetos. p. 17.

Disponível em:




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal