Manual de laboratório cito-histopatológico normas e manuais técnicos ministério da saúde – 1987



Baixar 170.89 Kb.
Página1/3
Encontro05.08.2016
Tamanho170.89 Kb.
  1   2   3
MANUAL DE LABORATÓRIO CITO-HISTOPATOLÓGICO

NORMAS E MANUAIS TÉCNICOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE – 1987

 

1. ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO

1.1 - ÁREA FÍSICA

As atividades de um laboratório cito-histopatológico são desenvolvidas em vários setores. Estas, devem dispor de uma área física adequada, de modo a possibilitar que as tarefas sejam empenhadas a contento, e de uma orientação administrativa consciente e comprometida com a ação exercida.

A área física mínima para um laboratório que processe 50.000 exames cito-histopatológicos anuais é estimada em torno de 100 m2. Essa área total deve ser redistribuída em razão do tipo de atividade a ser desenvolvida em cada setor, como:


  • recepção de material                                     6 m2

  • processamento técnico                                24 m2

  • diagnóstico inicial                                        16 m2

  • diagnóstico final                                            9 m2

  • gabinete do coordenador/administração           9 m2

  • secretaria (emissão de resultados)                  9 m2

  • arquivos de lâminas, blocos e relatórios         10 m2

  • almoxarifado                                                  9 m2

  • sanitário para o pessoal (ambos os sexos)      8 m2

(4m2 para cada um)

a) Condições ambientais

Além de fatores como higienização, iluminação, ventilação, renovação do ar (exaustão) e um perfeito funcionamento do laboratório, não se pode descurar nas áreas setoriais o uso adequado de balcões, pias, pisos e revestimentos, todos laváveis e de fácil conservação. A manutenção e conservação do laboratório exigem um sistema adequado para garantir o atendimento satisfatório às tarefas que são destinadas.

b) Recomendações e precauções

Toda equipe de recursos humanos envolvida nas tarefas laboratoriais deve ter conhecimento de como proceder frente às situações de emergência surgidas no laboratório. Deve, também, estar plenamente identificada com o manejo e a localização de equipamentos, como extintores de incêndio, sistemas de alarme e alerta para a concentração de substâncias químicas permitida no ar atmosférico e os sintomas que indiquem intoxicações e ou envenenamentos. Deve, ademais, permanecer atenta para corrigir os efeitos danosos de substâncias químicas, explosões ou choque elétrico, entre outros.

Recomenda-se, ainda, cuidados especiais para o pessoal que lida com o processamento das amostras recebidas, visando não apenas a contaminação das amostras entre si como dos próprios técnicos.

1.2 ORGANIZAÇÃO

1.2.1 Setores Laboratoriais

O laboratório de diagnóstico é composto dos seguintes setores:

a) Recepção das amostras

Neste setor, as lâminas de citopatologia, as biópsias e peças cirúrgicas devem ser identificadas e acompanhadas das correspondentes requisições corretamente preenchidas com os seguintes dados: procedência do material, dados clínicos e tipo de exame solicitado.

b) Macroscopia (patologia cirúrgica)

Neste setor, as biópsias e peças cirúrgicas são novamente identificadas, descritas e clivadas pelo patologista, sendo posteriormente encaminhadas ao setor de processamento técnico, após adequada fixação em solução de formol a 10%.

c) Processamento técnico

Neste setor, o auxiliar ou técnico de laboratório verificará, antes de efetuar o processamento necessário das amostras, a correspondência de cada amostra com a respectiva requisição. Em seguida, realizará o processamento técnico propriamente dito, tanto para as preparações citopatológicas como para as histopatológicas, e, ao término, encaminhará as lâminas para o diagnóstico microscópico.

d) Microscopia

Neste setor, procede-se a leitura das lâminas cito-histopatológicas. Para os diagnósticos cito-histopatológicos de colo uterino é adotada a nomenclatura da OPS (1972/85); para os demais, obedece-se as classificações universalmente recomendadas pelo serviços de histopatologia.

Os resultados são expressos em formulários apropriados e expedidos de acordo com a procedência.

e) Arquivos

Para este setor, de modo geral, recomenda-se que as lâminas de citologia que apresentem resultado negativo sejam arquivadas por 2 (dois) anos, e as de displasias (NIC) e neoplasias definitivamente, bem como as de histopatologia, independente do diagnóstico. As requisições e os resultados dos exames histopatológicos devem ser arquivados segundo as técnicas preconizadas para arquivos de laudos.

f) Secretaria

Neste setor, executa-se a digitação dos resultados dos exames e a expedição dos diagnósticos, assim como a digitação referente ao laboratório.

1.2.2 Recursos materiais

Descreve-se, abaixo, a especificação necessária do material de consumo, permanente e equipamento, por setor laboratorial:

a) Setor de recepção e entrega dos resultados


  • Material de consumo: livro de registros das amostras, lápis, canetas, borrachas, clipes, perfuradores, grampeadores, etc.

  • Material permanente: mobiliário (mesa, armário, arquivo, cadeira, etc.)

b) Setor de espera

  • Material permanente: mobiliário apropriado

c) Setor de processamento técnico

Citopatologia:



  • Material permanente:

  • microscópio binocular *

  • arquivo para lâminas

  • arquivo para laudos

  • mesa ou balcão (junto à pia) para a bateria de coloração

* O quantitativo referente a esse equipamento dependerá da composição do pessoal, por nível profissional, que irá trabalhar no setor de diagnósticos.

  • Material de consumo:

  • livro registro do material para exame

  • livro de registro dos resultados dos exames

  • lâminas

  • lamínulas

  • gaze para montagem e limpeza das lâminas

  • papel de filtro

  • hematoxilina de Harris

  • sulfato alumínio de amônia

  • óxido amarelo de mercúrio

  • orange G

  • ácido fosfotúngstico

  • ácido clorídrico

  • EA-36: Light Green, Bismark Brown e Eosina

  • álcool etílico a 95%

  • álcool etílico absoluto

  • xilol

  • resina sintética para montagem

  • etiquetas

  • material de secretaria

Histopatologia:

  • Material permanente:

  • microscópio binocular*

  • mesa ou balcão e pia para clivagem, com bloco de madeira para o recorte de tecidos

  • instrumental de dissecação: pinças, tesouras, bisturi, faca régua, etc.

  • cápsulas para processamento de tecidos (opcional segundo o volume de exames do laboratório)

  • estufa para secagem

  • recipiente para parafina quente

  • bico de Bunsen ou fogão

  • moldes para inclusão

  • geladeira

  • recortador de blocos

  • mesa para inclusão e preparação de blocos

  • micrótomo e navalhas

  • mesa com cadeira para micrótomo

  • banho-maria

  • lápis-diamante ou marcador de lâminas

  • mesa ou balcão junto à pia para a bateria de coloração

  • suporte para lâminas (alumínio ou vidro)

  • provetas graduadas (10cc, 100cc e 1000cc)

  • frasco de Erlenmeyer (de pirex)

  • máquina de escrever

* O quantitativo referente a esse equipamento dependerá da composição do pessoal, por nível profissional, que irá trabalhar no setor de diagnósticos.

  • Material de consumo:

  • livro de registro do material para exame

  • livro para resultados dos exames

  • formol

  • parafina

  • lâminas

  • lamínulas (24 X 32mm e 24 X 24 mm)

  • etiquetas

  • hematoxilina de Harris

  • ácido clorídrico

  • sulfato alumínio de amônia

  • óxido de mercúrio

  • eosina

  • álcool etílico a 95%

  • álcool etílico absoluto

  • xilol

  • carbonato de lítio

  • hidróxido de am6onia

  • resina sintética para montagem

  • material de secretaria

d) Setor de diagnóstico e arquivo

  • Material de consumo: lápis, papel, tinta, canetas, xilol, borrachas, lenços de papel et.

  • Material permanente: móveis - mesa de base firme (para microscopia), banco, cadeiras, arquivos (lâminas e laudos) etc.

e) Setor de secretaria e administração

  • Material de consumo: todo o necessário para o funcionamento desse setor, incluindo os mapas de controle de pessoal, do almoxarifado e da produtividade

  • Material permanente: mobiliário necessário e máquina de escrever

Observação: o almoxarifado, além de estocar o material de consumo necessário aos setores especificados, também ficará encarregado de fornecer o material de limpeza e conservação do laboratório.

1.2.3 Recursos humanos

a) composição do pessoal


  • Por nível profissional

  • auxiliar de citologia

  • técnico de histologia

  • citotécnico (técnico de citologia)*

  • citopatologista

  • patologista

* recomenda-se que para cada três citotécnicos haja um citopatologista, entretanto esta relação de 1:3 entre o citopatologista e o citotécnico poderá sofrer modificações na sua medida em que o pessoal técnico desenvolva maior capacitação. Assim, naqueles laboratórios que possuem em seus quadros profissionais com maior experiência, é de esperar que tanto a produtividade quanto a qualidade se aprimorem, permitindo que estes técnicos possam acumular a função de supervisionar os citotécnicos menos experientes.

  • Por nível administrativo

  • responsável pelo laboratório

  • auxiliar administrativo:

    • secretária

    • arquivista

Cabe ao auxiliar de citologia e ao técnico de histologia:

  • verificar a correspondência de cada amostra com a respectiva requisição;

  • verificar a qualidade do material a ser processado;

  • processar as amostras citológicas e histológicas;

  • encaminhar as lâminas para diagnóstico microscópico;

  • preparar as soluções e reagentes;

  • executar outras tarefas correlatas.

Cabe ao citotécnico (técnico de citologia):

  • realizar a leitura de todas as preparações citopatológicas e encaminhar os casos positivos - displasia (NIC), carcinoma in situ e carcinoma invasivo - ao citopatologista, com os campos devidamente assinalados;

  • solicitar, sempre que se fizer necessária, a orientação do citopatologista;

  • participar ativamente da rotina do laboratório nos setores de recepção, processamento técnico, arquivo e documentação.

O citotécnico deverá, ainda, estar capacitado para a leitura de, no mínimo, 50 (cinquenta) preparações citológicas em sua jornada de trabalho (6 horas). Após a leitura de 5 a 6 casos, um pequeno descanso visual se impõe.

O citopatologista é responsável pelo diagnóstico de todos os casos, contudo a leitura inicial das amostras é realizada pelo citotécnico.

Cabe ao citopatologista (como responsável pelos diagnósticos citopatológicos):


  • verificar, em 10% dos casos diários de citopatologia negativa, se os diagnósticos estão corretos;

  • diagnosticar os casos de citologia positiva (displasia e neoplasias) previamente triados pelos citotécnicos;

  • esclarecer as dúvidas dos citotécnicos;

  • separar os casos de interesse científico para estudo com a equipe do laboratório;

  • supervisionar o trabalho dos técnicos e auxiliares de citologia.

Cabe ao patologista (como responsável pelos diagnósticos histopatológicos):

  • executar a descrição macroscópica e clivagem das biópsias e peças cirúrgicas, e elaborar os laudos microscópicos;

  • fazer a correlação cito-histopatológica das lesões cérvico-uterinas e de outras localizações;

  • separar os casos de interesse científico para estudo conjunto com o staff do laboratório;

  • supervisionar o trabalho dos técnicos e auxiliares de histologia.

  • Por nível administrativo

Cabe ao responsável pelo laboratório:

  • tomar providências visando a execução dos trabalhos do laboratório;

  • orientar técnica e administrativamente todo o pessoal do laboratório;

  • prover reuniões, visando o bom entrosamento para melhoria na execução dos trabalhos;

  • remeter a frequência do pessoal, mensalmente, ao órgão competente;

  • dar parecer e assinar documentos;

  • observar e fazer que sejam observados todos os princípios de ética profissional;

  • responsabilizar-se por todo material e equipamento existente no laboratório;

  • executar outras tarefas correlatas.

Cabe ao auxiliar administrativo:

Na função de secretária:



  • receber, expedir, registrar, numerar, distribuir e arquivar correspondência;

  • receber, conservar e guardar os processos, livros e demais papéis que lhe forem entregues para arquivamento;

  • requisitar, receber e controlar o material de consumo necessário ao funcionamento do laboratório;

  • organizar a documentação necessária a ser encaminhada à seções competentes, para efeito de conferência e cobrança;

  • orientar o público quanto à entrega do material para exame e recebimento dos resultados;

  • receber e registar o material para exame cito-histopatológico;

  • encaminhar o material de citopatologia e histopatologia para os setores de processamento técnico e macroscopia, respectivamente;

  • digitar resultados de exames, expedientes e outros trabalhos do laboratório;

  • executar outras tarefas correlatas necessárias ao bom funcionamento do laboratório.

Na função de arquivista:

  • arquivar todos os resultados dos exames, segundo as técnicas de arquivamento cito-histopatológico;

  • arquivar por 2 (dois) anos as lâminas correspondentes aos casos de citopatologia com resultado negativo;

  • arquivar definitivamente as lâminas correspondentes aos casos de diagnóstico citopatológico compatível com as displasias (NIC) e as neoplasias;

  • arquivar todas as lâminas de histopatologia, independentemente do seu diagnóstico;

  • executar outras tarefas correlatas.

b) Requisitos necessários para o pessoal de nível profissional:

Do auxiliar de citologia:



  • Comprovação de conclusão do curso de qualificação ao trabalho de auxiliar em citologia ou documento comprobatório de prática supervisionada como auxiliar de laboratório de citologia, em laboratório idôneo, durante, pelo menos, 2 (dois) anos ininterruptos.

Do citotécnico (técnico em citologia):

  • Comprovação de conclusão do curso de técnico em citologia (citotécnico), obtida em cursos mantidos pela Divisão Nacional de Doenças Crônico- Degenerativas (DNDCD) do Ministério da Saúde, ou por outras Instituições Cadastradas nessa Divisão;

  • Certificado de aprovação na "Prova de suficiência em citotecnologia", promovida pela Sociedade Brasileira de Citologia;

  • Reavaliação, a cada 3 (três) anos, dos conhecimentos em citotecnia.

Do Citopatologista / Patologista:

  • Diploma de conclusão de curso médico, devidamente registrado;

  • Registro no Conselho Regional de Medicina;

  • Registro na Associação Médica Brasileira;

  • Certificado de membro da Sociedade Brasileira de Citologia / Patologia (SBC/ SBP);

  • Título de Especialista concedido pela SBC/ AMB - SBP/ AMB;

  • Certificado de segurado autônomo e outras exigências legais para o exercício da profissão.

2. NORMAS E FUNCIONAMENTO

As unidades que enviam as amostras, biópsias ou peças cirúrgicas, devem dispor de meios especiais para a remessa adequada dos materiais a serem examinados, devidamente fixados e acondicionados. Para as demais ações de saúde serão utilizados os recursos já existentes nas unidades.

2.1 FIXAÇÃO

É pré-requisito a fixação dos esfregaços, biópsias ou peças cirúrgicas, visando à preservação da estrutura celular e conservação dos detalhes, com um mínimo de distorção e evitando o uso de artefatos.

As soluções empregadas com essa finalidade recebem o nome de "fixadores", e sua escolha depende do material a ser examinado, do que se pretende estudar e da técnica de coloração a ser utilizada.

a) Para os exames citopatológicos:



  • Álcool absoluto ou álcool a 95%;

  • Carbowax*, solução de polietileno-glicol em álcool a 95%, sob a forma líquida, para uso em "gotas".

CARBOWAX 4.000

Carbowax 50g

Álcool a 95% 950 ml

Misturar a agitar vigorosamente



* Existe preparado comercial, em gotas ou spray, chamado "Citospray" ou "Procito" , Quando usado em forma de spray, deve ser aplicado a uma distância de 15 cm dos esfregaços.

Recomenda-se que:



  • a fixação seja realizada de forma rápida e apropriada, a fim de evitar a distorção celular e perda da afinidade tintorial. O tempo de fixação varia em média, de 10 a 60 minutos. Entretanto, a amostra poderá permanecer na solução fixadora durante alguns dias ou mesmo semanas;

  • os fixadores sejam filtrados e renovados periodicamente;

  • se evite a evaporação;

  • se use, de preferência, álcool metílico ou etílico;

  • os esfregaços fiquem totalmente imersos no recipiente que contém as soluções fixadoras.

Quando os esfregaços apresentarem defeito de fixação, por exemplo, dessecados, a correção deve ser feita seguindo-se orientações abaixo:

  • colocar a lâmina em um recipiente contendo glicerina e água destilada, durante 3 minutos; a seguir, banhar em álcool a 95% e em água, por 15 minutos e, finalmente, fixar em álcool a 95%, por 10 minutos. Encaminhar para coloração.

b) para os exames histopatológicos:

A solução fixadora de rotina para a histopatologia, fragmento tecidual e peça cirúrgica é o formol a 10%. A amostra deve ser, imediatamente após sua retirada, submersa em recipiente contendo o líquido fixador. O tempo médio de fixação é de 8 a 48 horas, variando de acordo com o índice de fixação. Em geral recomenda-se que as amostras com 1 mm de espessura permaneçam 8 horas no fixador.

2.2 RECEPÇÃO DAS AMOSTRAS

O material recebido no laboratório deve ser imediatamente checado com especial ênfase:



  • na identificação do material e correção da requisição, verificando-se o correto preenchimento dos itens: proveniência, natureza, dados clínicos e tipo(s) do(s) exame(s) solicitados(s);

  • nos aspectos qualitativos das amostras: fixação, espessura, distribuição homogênea, presença de sangue, etc.;

  • nos aspectos quantitativos: número de lâminas e ou fragmentos, suficiência do material;

  • no registro do material recebido, em livro apropriado do laboratório.

Observação: as amostras que não atenderem os requisitos acima, devem ser rejeitadas com as notificações necessárias a cada caso.

2.3 PROCEDIMENTOS TÉCNICOS

2.3.1 Citopatologia

As amostras são processadas segundo a técnica de Papanicolaou:



  • Álcool etílico a 80%

  • Álcool etílico a 70% - 6 a 8 imersões em cada recipiente

  • Álcool etílico a 50%

  • Água destilada - 20 a 30 segundos (até a água escorrer naturalmente da lâmina)

  • Hematoxilina de Harris - 1 a 3 minutos (corante nuclear)

  • Água - remover o excesso de corante

  • Solução saturada de Carbonato de lítio

  • Solução de HCI a 1% - 6 a 8 imersões em cada recipiente

  • Água corrente - 6 minutos

  • Álcool etílico a 50%

  • Álcool etílico a 70% - 6 a 8 imersões em cada recipiente

  • Álcool etílico a 80%

  • Álcool etílico a 95%

  • Orange G 6 - 1 minuto e 30 segundos

  • Álcool etílico a 95% - 1 minuto

  • Álcool etílico a 95% - 1 minuto

  • EA - 26

  • Álcool etílico a 95% - 1 minuto

  • Álcool etílico a 95% - 1 minuto

  • Álcool etílico a 100% - 1 minuto

  • Xilol - 1 minuto

  • Xilol - 1 minuto

  • Xilol - 1 minuto

  • Montagem das lâminas

Outra opção é a técnica de Shorr "modificada":

  • Álcool etílico a 80%

  • Álcool etílico a 70% - 6 a 8 imersões em cada recipiente

  • Álcool etílico a 50%

  • Água destilada - 20 a 30 segundos (até a água escorrer naturalmente da lâmina)

  • Hematoxilina de Harris - 6 a 10 minutos (corante nuclear)

  • Água - remover o excesso do corante

  • Corante "Shorr"- 1 minuto

  • Álcool etílico a 95% - 1 minuto

  • Álcool etílico a 95% - 1 minuto

  • Xilol - 1 minuto

  • Xilol - 1 minuto

  • Montagem das preparações

2.3.2 Histopatologia

A histopatologia inicia-se a partir do procedimento técnico tradicional:

a) Recepção

As amostras, fragmentos e peças cirúrgicas são recebidas, fixadas em formol a 100% e acompanhadas da "Requisição de exame", esta devidamente preenchida nos campos:



  • Identificação: nome, sexo, cor, idade, profissão, proveniência, registro ambulatorial;

  • Natureza do material e tipo de exame;

  • História Clínica (resumo);

  • Assinatura do médico.

Registro das Amostras:

As amostras devem ser registradas em livro especial de "Registro de material de histopatologia". Sugere-se colocar antes o número do registro as letras B ou PC (biópsia ou peça cirúrgica). Exemplo: B- 142/85; PC- 148/85. O registro só deve ser feito após a checagem das condições do material a ser examinado.

b) Macroscopia

Descrição / seleção das amostras:

Deve ser realizada em ambiente apropriado, com material de apoio específico: luvas, pinça, tesoura, bisturi, régua, vidros com soluções fixadoras, lápis etc. Essa é uma tarefa médica, mas eventualmente pode ser desempenhada por técnico devidamente treinado, entretanto a responsabilidade fica a cargo do médico patologista.

O material é descrito em relação ao seu tamanho, peso, espessura, dimensão, consistência, coloração e características microscópicas relevantes. O manuseio do material deve ser firme, mas efetuado com delicadeza.

Acondicionamento dos fragmentos:

Cumprida a etapa anterior, o material é acondicionado em cápsulas de aço inoxidável, com orifícios que permitam a entrada das soluções, e vedado com uma tampa. As cápsulas munidas de divisória podem acomodar mais de um fragmento. O material é encaminhado para a inclusão, dentro de 24 horas. Nessa fase, as cápsulas são abertas e o fragmento é retirado, fazendo-se a inclusão em blocos de parafina.

Cortes histológicos:

Os blocos são submetidos ao corte, necessitando de micrótomo e jogo de navalhas. O bloco é colocado no suporte e, para o corte, deve obedecer uma adequado ângulo de inclinação. O conjunto bloco/micrótomo é submetido ao corte, inicialmente para desbastar e, posteriormente, com outra navalha, são realizados os cortes histológicos. A espessura média de cada corte é de cerca de 3,5 micrômetros. Os cortes, uma vez espalhados, são "pescados" em lâminas previamente limpas e albuminizadas. Após esta etapa, procede-se a secagem dos cortes, a correta identificação da l6amina, bloco e caso. Em seguida, colocar as lâminas em estufa a 60º C.

c) Técnica de coloração:

A técnica de coloração rotineira é a de HE (Hematoxilina- Eosina). A lâmina após a montagem e identificação deve ser submetida ao seguinte processo:



  • Água destilada - 6 a 8 minutos

  • Hematoxilina - 10 minutos

  • Água - remoção do excesso de corante

  • Solução de HCI a 1% - 6 a 8 imersões

  • Água corrente (controle da coloração núcleo/microscópio)

  • Eosina - 1 a 2 minutos

  • Álcool etílico a 95% - 6 a 8 imersões

  • Xilol

  • Xilol - Montagem

Recomenda-se, em alguns casos, colorações especiais, para tal o patologista deverá, por ocasião da macroscopia, fazer essa indicação.

Após o processo de coloração, em qualquer uma das técnicas, as lâminas são enxugadas em papel- filtro, imersas no xilol, clarificadas e diafanizadas. Procede-se a montagem utilizando bálsamo do Canadá ou similar e xilol.

Etiquetar com o número do registro do laboratório, após a conferência da preparação com a requisição do caso.

2.4 DIAGNÓSTICO

O escrutínio, exame inicial, atento e minucioso, constitui uma das atribuições do citotécnico. Após terminada essa leitura, as preparações são encaminhadas para o diagnóstico final., sob a responsabilidade do citopatologista. Procede-se, então, a expedição dos resultados, arquivo dos relatórios e das lâminas.

Sistemática de leitura cito-histopatológicos:



  • verificar as condições do microscópio (fonte, luz, diafragma, etc.);

  • checar a preparação citológica com a requisição correspondente. Deve-se dar ênfase especial ao registro, identificação, idade, natureza e condições da preparação;

  • iniciar a leitura global com a objetiva de pequeno aumento, observando a qualidade da coloração e a distribuição do material a ser examinado;

  • em seguida, fazer uso da objetiva e iniciar a leitura de todos os campos, partindo da parte mais alta da preparação, a esquerda, e correndo com a lâmina no sentido horizontal (A) ou vertical (B). Preconiza-se a orientação do gráfico B, tendo em vista a menor fadiga visual.

Excepcionalmente, faz-se uso da objetiva de imersão.

Os campos microscópicos devem ser examinados minuciosamente e, ao completar a leitura, os relatórios deverão ser enviados ao supervisor técnico de diagnóstico. Nos casos em que a escrutinação identificou alterações ou anomalias celulares, essas devem ser assinadas. Para tal, sugere-se:



  • voltar à objetiva de pequeno aumento;

  • identificar, pelas oculares, o campo que se deseja assinalar;

  • fazer um ponto acima da estrutura a ser reexaminada, com o auxílio de uma caneta de ponta fina, em tinta nanquim ou similar;

  • retirar a preparação no microscópio e observar se o campo selecionado foi corretamente marcado. O exame total de uma preparação gasta, em média, de 5 a 10 minutos. Após cinqüenta minutos de uso contínuo de microscópio, um pequeno descanso visual se impõe. Estima-se que um citotécnico devidamente treinado produza em sua jornada diária, no mínimo, 50 leituras/ casos;

  • desligar o microscópio e seguir corretamente as instruções recebidas para sua adequada manutenção e conservação. A concentração e disciplina do macroscopista é fator de importância na prevenção de falhas de diagnóstico.

2.4.1 Resultados cito-histopatológicos

a) Citopatologia

O diagnóstico emitido além de garantir a precisão dos resultados deve obedecer a determinados critérios que possibilitem um tratamento estatístico.

Diversas classificações foram e vêm sendo propostas para o citodiagnóstico. A de Papanicolaou (1941/43), por exemplo, fundamentou-se nos achados citológicos negativos, positivos e, em alguns casos, inconclusivos.

O desenvolvimento da citologia impulsionou a citopatologia no sentido da emissão de conclusões mais precisas e detalhadas.

Um estudo sobre relatórios citológicos, publicado em editorial pela Acta Cytologia (1964), afirmava que os diagnósticos conclusivos obedecem de modo geral um dos sistemas de informação: descritivo, rubricas de Papanicolaou ou em grupos, negativo suspeito e positivo.

A adoção da classificação de Papanicolaou e de outras não é referenciada pela OPS/OMS nem pela Academia Internacional de Citologia. Prevalece o acordo mundial da unificação de diagnóstico com o uso de nomenclatura que se preste ao correlacionamento com a histologia. Nenhum trabalho científico de divulgação internacional é aceito para publicação se não obedecer esse critério uniforme de diagnóstico.

Em 1985, na revisão do manual que orienta as ações de controle do câncer cérvico- uterino, a OS/OMS recomendava a utilização, sempre que possível, da associação entre o diagnóstico descritivo e o de "neoplasia intra-epitelial cervical", em graus I, II e III, de acordo com o potencial evolutivo da lesão, conforme o seguinte critério:

1. Classificação 2. Neoplasia

descritiva intra-epitelial cervical

(OPS, 1972) (OPS, 1985)


    • Negativo para células

neoplásicas inflamatórias

    • Displasia leveNIC I

    • Displasia moderadaNIC II

    • Displasia acentuadaNIC III

    • Carcinoma in situ NIC III

    • Carcinoma invasor

    • células escamosas

    • andenocarcinoma

    • de outro tipo (especificar)

    • células neoplásicas de outras

origens (especificar)

Portanto, o diagnóstico inadequado ou insatisfatório deve ser assinalado, bem como as alterações inflamatórias de processo reparativo, resposta celular indicativa de agressão viral, de fungos, parasitos, etc...

b) Microbiologia vaginal

Em relação à microbiologia vaginal, é possível diagnosticar a flora pela técnica de coloração de Papanicolaou. Para os resultados, sugere-se seguir a orientação da Academia Internacional de Citologia:

 

I • Lactobacilos



a) com citólise

b) sem citólise

II • Mista

• Lactobacilos e bactérias

III • Bacteriana cocóide

IV • Gardnerella vaginalis



(Haemophilus vaginalis/ Corinebacterium)

V • Leptotrix vaginalis

VI • Trichomonas vaginalis

VII • Chlamydia trhachomatis

VIII • Fungos

IX • Vírus

X • Achados raros

XI • Inconclusivo

c) Histopatologia

 

1. Classificação                     2. Classificação da neoplasia



descritiva                             intra- epitelial cervical

Displasia leve                     NIC grau I

Displasia moderada             NIC grau II

Displasia acentuada             NIC grau III

Carcinoma in situ (CIS)    NIC grau III

Carcinoma microinvasor    Câncer com microinvasão

Carcinoma invasor             Câncer cervical invasor

Observação: é obrigatório o registro de informações quanto à diferenciação celular e invasão vascular.

2.5 ARQUIVO

O laboratório deve dispor, em sua estrutura física, de uma área adequada ao funcionamento do arquivo dos relatórios e das preparações cito-histopatológicas.

É cada vez mais crescente a aplicação dos recursos da informática nos diversos setores laboratoriais.

Atualmente, a tendência é a utilização de um sistema operacional que permita o uso de computadores. Visando essa abordagem, propõe-se, sempre que possível, que os diagnósticos sejam codificados através da condição de uso interno, ao nível do laboratório e da central de informações, entretanto não se deve, em nenhuma hipótese, emitir resultados em códigos para as unidades de saúde.

Acrescenta-se a isto, ainda que o sistema de código utilizado deve seguir rigorosamente a nomenclatura internacional adotada para o resultado cito-histopatológico. Em relação aos resultados de citopatologia em geral, essa codificação é fundamentada em dados de topografia e morfologia, como ocorre com a histopatologia. Em relação à citopatologia ginecológica é conveniente que os diagnósticos sejam apresentados segundo a descamação do local anatômico, assim:



  • vagina e cérvix - diagnóstico neoplásico, microbiológico e hormonal;

  • corpo uterino e endométrico - citologia hormonal e neoplásica;

  • mama - se por "imprint", punção e ou descarga papilar (espontânea ou provocada).

2.5.1 Proposta de codificação*

a) Citologia (morfologia)

0 c - Insatisfatório
1 c - Negativo para células neoplásticas
2 c - Citologia inflamatória
2 c1 - Alterações tróficas
2 c2 - Processo reparativo e hiperplasia
2 c3 - Pós- radioterapia, quimioterapia e deficiência de ácido fólico
2 c4 - Hiperqueratose
2 c5 - Reação viral
3 c - Neoplasia cervical intra- epitelial/ displasias
3 c1 - Neoplasia cervical intra- epitelial/ displasia leve
3 c2 - Neoplasia cervical intra- epitelial/ displasia moderada
3 c3 - Neoplasia cervical intra- epitelial/ displasia acentuada
4 c - Neoplasia cervical intra- epitelial/ Carcinoma in situ/ microinvasor
5 c - Carcinoma invasor
5 c1 - Carcinoma epidemóide
5 c2 - Adenocarcionoma
6 c - Presença de células neoplásicas de outras origens.

b) Microbiologia vaginal

F - I Bacilar (Dolerlein), com ou sem citólise, a e b, respectivamente
F - II Mista
F - III Cocóide
F - IV Gardnerella vaginalis
F - V Leptorix vaginalis
F - VI Trichomonas vaginalis
F - VII Chlamydia trachomatis
F - VIII Fungos
F - IX Vírus
F - X Outros microorganismos (achados raros)
F - XI Inconclusivo

c) Avaliação hormonal

H - 1 Atrófico
H - 2 Hipotrófico
H - 3 Hipoestrogênico
H - 4 Nomoestrogênico
H - 5 Hiperestrogênico
H - 6 Luteínico
H - 7 Androgênico
H - 8 Gestacional
H - 9 Puerperal
H - 10 Outros

2.5.2 Procedimentos para arquivo de relatórios e preparações

a) Das lâminas

De modo geral, recomenda-se que sejam guardadas por 2 (dois) anos as lâminas de casos citológicos com resultados negativos, e definitivamente as de displasias (NIC) e neoplasias, bem como as de histopatologia (esta, independentemente do diagnóstico).



  • Casos negativos

Colocar em ordem crescente, empacotar, rotular (primeiro e último número dos casos), datar e guardas em local seguro durante o período de 2 anos a partir da data da colheita do material. Ao término desse prazo, as lâminas são descartadas, podendo ser reaproveitadas após adequada recuperação.

  • Casos positivos

Arquivar indefinidamente, em ordem crescente

b) Dos relatórios

Em todos os casos (insatisfatórios, negativos e positivos), procede-se a codificação adotada segundo as normas técnicas da central de informática. Como alternativa para os laboratórios que não contem com o recurso da computação, sugere-se a utilização de um sistema manual que codifique e transcreva os resultados para cartões, por diagnóstico: morfológico, microbiológico e hormonal.

Os cartões são abertos por número de ordem, registro da cliente, número do exame no laboratório, precedência da cliente, nome idade e observações. Em seguida, devem ser arquivados em ordem crescente de diagnóstico, segundo as normas técnicas preconizadas.


  1   2   3


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal