Mara municipal de campo grande estado de mato grosso do sul



Baixar 17.62 Kb.
Encontro22.07.2016
Tamanho17.62 Kb.



CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PROJETO DE LEI Nº 6.879/10


DENOMINA DE AVENIDA “JOSÉ BARBOSA RODRIGUES” O TRECHO COMPREENDIDO ENTRE A AVENIDA DUQUE DE CAXIAS ATÉ A AVENIDA DOM ANTÔNIO BARBOSA E ENCAMPA RUAS, NESTA CAPITAL.

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE,


A P R O V A:
Art. 1º - Fica denominada de Avenida “José Barbosa Rodrigues” o trecho compreendido entre a Avenida Duque de Caxias até a Avenida Dom Antônio Barbosa, nesta Capital.
Art. 2º - Ficam encampadas parte da Avenida Rádio Maia, parte das Ruas Tupaciguara, Agostim Nachif, Amaporã, Elenir Amaral, Angatuba, 128, Do Tunis, Carancho, Juventus, Irece, Da Copagaz e Travessa Serra Alta.
Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Sala das sessões, 01 de julho de 2010.

MARIO CESAR

VEREADOR

JUSTIFICATIVA
O presente projeto de lei que apresento ao Legislativo Municipal, propõe a denominação de Avenida “José Barbosa Rodrigues”, o trecho compreendido entre a Avenida Duque de Caxias até a Avenida Dom Antônio Barbosa, nesta Capital.
Ficando encampadas parte da Avenida Rádio Maia, parte das Ruas Tupaciguara, Agostim Nachif, Amaporã, Elenir Amaral, Angatuba, 128, Do Tunis, Carancho, Juventus, Irece, Da Copagaz e Travessa Serra Alta.
O homenageado José Barbosa Rodrigues, filho de Gabriel Rodrigues Martins e Júlia Barbosa Rodrigues, nasceu em Poços de Calda – Estado de Minas Gerais, no dia 30 de junho de 1916. Começou a estudar aos 7 anos de idade, vindo a cursar filosofia. Durante muito tempo ajudou o pai na empresa de funerária montada por ele.
Chegou em Campo Grande/MS na década de 40, acompanhado de sua esposa, Professora Henedina Hugo Rodrigues, juntamente com quem, exerceu o magistério de forma pioneira, nos seguintes estabelecimentos educacionais:
a) Professor de escola estadual, localizada na Colônia Japonesa da Mata do Ceroula;

b) Inspetor da Escola Normal Nossa Senhora Auxiliadora;

c) Professor de Metodologia e didática na Escola Normal Joaquim Murtinho.
Sendo designado pela 9º Região Militar para representar a comunidade japonesa durante a Segunda Guerra Mundial, tornanou-se seu supervisor.

Como o salário do ensino era insuficiente, precisava desdobrar-se para sustentar a família, foi trabalhar na imprensa do jornal do Comério. À princípio, ocupou a única vaga, a de faxineiro, cabendo-lhe a função de limpar a casa e as máquinas. Ao mesmo tempo começou a publicar seus primeiros artigos para o jornal, um sobre o fim da Segunda Guerra Mundial e outro sobre a beleza das linhas do Edifício Nacau, naquele tempo denominado Santa Elisa, no que resultou em um convite para trabalhar na redação. Dois anos depois tornava-se redator-chefe do jornal.


Tempos depois tornou-se gerente do Jornal Correio do Estado, e logo após a desistência dos antigos donos em continuar com o jornal, resolveu apostar tudo para coloca-lo nas ruas da cidade. Renovou o quadro de funcionários e um tempo depois, conseguiu adquirir todas as ações referidas ao Jornal, tornando-se seu único proprietário.
Com base nos resultados obtidos pelo jornal, adquiriu a Rádio Cultura. Em seguida, após árdua concorrência, ganhou a licitação para a criação da Rádio Canarinho e da TV Campo Grande.

Adquiriu também a Rádio de Dourados e a Rádio Guanandi, em Campo Grande.

Foi escritor de vários livros sobre a história e a cultura do Estado e de Campo Grande:
a) Palavras de um professor (discursos) - 1949;

b) Mato Grosso do Sul ( didático) – 1978;

c) Campo Grande, Meu Amor (didático) – 1978/ 2ª edição – 1981;

d) Isto é Mato Grosso do Sul (estudo histórico e geográfico) – 1978;

e) História de Campo Grande – 1980;

f) Histórias da Terra Matogrossense – 1983;

g) História de Mato Grosso do Sul – 1985;

h) Meus haicais (poemetos japoneses) – 1987;

i) Glossário Matogrossense – 1987;

j) Primeiro Jornal de Campo Grande – 1989;

k) Pedra Lascadas ( poemetos nipo-brasileiros) – 1998.

Por estar sempre ligado à cultura e a educação, José Barbosa Rodrigues desenpenhou:


a) Instituiu, juntamente com sua esposa Henedina Hugo Rodrigues, a Fundação Barbosa Rodrigues – 1982;

b) Foi sócio fundador da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, da qual foi presidente - 1983;

c) Pertenceu ao Instituto Histórico de Mato Grosso do Sul, do qual também foi presidente – 1989;

d) Foi vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura;

e) Membro do Instituto Histórico Nacional – 1994;

f) Membro da Academia Municipalista de Letras do Brasil;

g) Membro da Ordem dos Jornalistas do Brasil;

h) Membro da Academia de Históra do Brasil.

Devido ao seu relevante trabalho , foi reconhecido diversas vezes pela sociedade sul-matogrossense, sendo homenageado em:
a) Título de cidadão campo-grandense – 1970;

b) Insígnia do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – 1979;

c) Diploma e medalha da Grã Cruz da Ordem de Mérito de Mato Grosso do Sul, no grau de Comendador, conferido pelo governo do Estado de Mato Grosso do Sul;

d) Medalha da Instalação de Mato Grosso do Sul;

e) Medalha Tiradentes (Policia Militar de MS) – 1982;

f) Título de Cidadão de Mato Grosso do Sul – 1984;

g) Diploma da Ordem dos Cavaleiros de São Paulo – 1987;

h) Diploma de Membro Honorário da FAB – 1987;

i) Medalha da Base Aérea de Campo Grande – (semana da ASA) – 1990;

j) Medalha do Pacificador do Comando Militar do Oeste – 1991;

k) Homenagem com o colar da ordem dos Bandeirantes – 1994;

l) Diploma de Benemérito da Cultura do Estado, da Academia Sul Mato-Grossense de Letras – 1996;

m) Placa Comemorativa do Comando Militar do Oeste – 1996;

n) Medalha no Grau Oficial do Excército Militar – 1997;

o) Medalha dos Andradas do Instituto Histórico e Geográfico de Santos/SP;

p) Medalha do 1º Centenário de Campo Grande – 1999;

q) Homenagem pela Academia Sul-Mato-Grossense de Letras – 2003.

José Barbosa Rodrigues, faleceu aos 86 anos, no dia 19 de março de 2003, em Campo Grande, deixando um legado de obras culturais, educacionais e sociais, principalmente no Correio do Estado e na Fundação Barbosa Rodrigues, onde estão todos os seus projetos de forma concreta, com sua presença marcante em cada ação desenvolvida.


Homenagem Póstuma:
a) Título de Patrono da Casa da Memória Arnaldo Estevão de Figueiredo, em comemoração ao Dia do Patrono Fundador da Instituição e dos 104 anos de Emancipação Política e Administrativa de Campo Grande/MS em 23 de agosto de 2003.
Posto isto, encaminhamos o presente projeto de lei para apreciação, contando com o apoio dos Nobres Pares desta Casa para a sua aprovação.
Sala das Sessões, 01 de julho de 2010.
MARIO CESAR

VEREADOR


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal