Margem de Contribuição e Limitações na Capacidade de Produção



Baixar 77 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho77 Kb.
Margem de Contribuição e Limitações na Capacidade de

Produção

Ao comentarmos a grande importância do conceito de Margem de Contribui­ção no capítulo anterior, verificamos algumas de suas aplicações, mas não atentamos ao problema decorrente da existência de diversos fatores que naturalmente limitam a capacidade de produção da empresa. Vamos agora entrar nesse tipo de problema.



6.1 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO ANTES DA EXISTÊNCIA DE LIMITAÇÕES

Suponhamos que uma determinada empresa fabricante de barracas para camping produza quatro modelos diferentes (A, B, C e D).



Os dados de Custos que a empresa possui são bastante minuciosos: Quadro 16.1

Matéria-

Mão-de-obra

Custo Direto

Custo Indireto

Custo Variável

prima

Direta

Total

Variável

Total

$/un.

$/un.

$/un.

$/un.

$/un.

Modelo A

28

24

52

8

60

Modelo B

24

20

44

6

50

Modelo C

80

28

108

8

116

Modelo D

16

20

36

4

40

Os Custos Indiretos Fixos são os seguintes:

Mão-de-obra Indireta $64.000/ano

Aluguéis $16.000/ano

Depreciações $12.000/ano

Outros Indiretos Fixos $8.000/ano

Total $100.000/ano

Para efeito de avaliação de estoques, a empresa rateia os Custos Indiretos fixos à base da Mão-de-obra Direta, visto que o maior item daqueles diz respeito à supervi­são de operários. Entretanto, conhecedora das vantagens da utilização do conceito de Margem de Contribuição, para efeito de análise e decisão, ela procede como indicado no Quadro 16.1, alocando apenas os custos variáveis. Com isso tem ela a seguinte tabela com relação à Margem de Contribuição de cada um dos modelos:


Quadro 16.2

Custo Variável Total (Quadro 16.1)

Preço de Venda

Margem de Contribuição

Modelo A

$/un.

$/un.

$/un.

60

80

20

Modelo B

50

72

22

Modelo C

116

140

24

Modelo D

40

48

8

Esses preços são também aproximadamente os da concorrência para cada tipo de barraca.

Analisando-se a coluna da Margem de Contribuição, verificamos de imediato que o modelo com maior capacidade de trazer recursos para a empresa é o modelo C. Entretanto, nossa firma não pode escolher apenas esse modelo para comercialização, precisando oferecer todos eles ao mercado. Mas é claro que ela tentará, sempre que possível, forçar a venda do modelo C, já que cada unidade dele produz maior margem de contribuição. Isso se não existir nenhum problema de limitação quanto à produção.

16.2 EXISTÊNCIA DAS LIMITAÇÕES NA CAPACIDADE PRODUTIVA

A nossa empresa, precisando fazer uma programação para a produção do ano 199X, procede a uma pesquisa de mercado e verifica que existe uma demanda que poderá proporcionar nesse período que sejam vendidas as seguintes quantidades de cada modelo:



  • Modelo A- 3.300 un.

  • Modelo B - 2.800 un.

  • Modelo C - 3.600 un.

  • Modelo D - 2.000 un.

Como já foi dito, tentaria ela, se possível, forçar a venda de C, mas o mercado mostra-se disposto a lhe consumir essas quantidades indicadas; e ela então começa a preparar sua produção para atender à demanda.

Esbarra todavia num problema logo de imediato: sua capacidade não é sufi­ciente para fornecer esse volume, já que possui ela um nível máximo de produção de 97.000 horas-máquina, enquanto aquela demanda lhe consumiria 103.150 horas-máquina, conforme o tempo de cada modelo mostrado a seguir:


Quadro 16.3

Horas-máquina Necessárias

Demanda Prevista

Total Horas-máquina

Modelo A

h/un.

un.

h

9,50

3.300

31.350

Modelo B

9,00

2.800

25.200

Modelo C

11,00

3.600

39.600

Modelo D Total

3,50

2.000

7.000

103.150




Vê-se agora a fábrica na contingência de verificar qual dos modelos deixará de ser total ou parcialmente atendido.

Suponhamos que a firma tenha o interesse de maximizar seu lucro nesse ano e por isso sua decisão será baseada nesse objetivo. (Poderia estar interessada na manu­tenção de alguns dos tipos de clientes e querer atender a essa meta mesmo à custa de redução do lucro.)

Onde então efetuar o corte das 6.150 horas excedentes a sua capacidade (103.150 h-97.000 h)?

Já vimos no capítulo anterior que a decisão baseada no lucro unitário (após apropriação de todos os custos indiretos) não é correta, e sim a que considera a Mar­gem de Contribuição. Com base nisso, é provável que a nossa empresa venha a decidir pela redução na linha do Modelo D, já que apresenta a menor Margem de Contribui­ção por unidade (veja Quadro 16.2). Teria assim que deixar de produzir 1.757 unida­des desse tipo:



6.150 h = 1.757

3,50 h/un.


A partir dessa previsão de produção, poderia constituir um quadro projetado do resultado do ano 199X:

Quadro 16.4



Quantidade Margem de Contribuição Margem de Contribuição Unitária Total

un. $/un. $

Modelo A Modelo B Modelo C Modelo D

3.300

2.800


3.600

243


20

22


24

8


66.000

61.600


86.400

1.944


Total Margem de Contribuição

(-) Custos Fixos

Resultado





$215.944

($100.000)



$115.944














16.3 COMPROVAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO CRITÉRIO CORRETO

Para termos certeza de que a decisão tomada de corte do Modelo D é a correta, podemos fazer alguns cálculos com o resultado que seria obtido caso se decidisse de maneira diversa. Para isso, basta verificarmos qual seria a nova Margem de Contribuicão Total com a nova escolha, já que de todas as hipóteses possíveis interessa a que maximizar a Margem de Contribuição Total, pois o mesmo montante de Custos Fixos será deduzido dela para se chegar ao Resultado.

Verifiquemos primeiramente o que teria acontecido se a empresa tivesse opta­do pelo corte no produto C, ao invés de no D. O número de unidades não produzidas de C seria

6.150 h = 559 unidades e o resultado seria:

ll,00h/un.

Quadro 16.5

Quantidade Margem de Margem de Contribuição Unitária Contribuição Total

un. $/un. $

Modelo A Modelo B Modelo C Modelo D

3.300 2.800 3.041 2.000

20

22

24

8

Total Margem de Contribuição

66.000

61.600

72.984

16.000

216.584




Este quadro evidencia que a Margem de Contribuição Total seria maior nessa hipótese que na anterior! Logo, esta última produz mais lucro, e é, portanto, melhor que aquela!

Estará invalidado então nosso conceito de Margem de Contribuição?



16.4 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E FATOR DE LIMITAÇÃO

Analisemos a razão da discrepância acima: na primeira hipótese, deixamos de produzir 1.757 unidades de D, o que nos eliminou a possibilidade de obtenção de uma Margem de Contribuição Total de:

1.757 un. x $8/un. = $14.056

enquanto que, na segunda hipótese, cortando da linha C, diminuímos um potencial de Margem de Contribuição Total de:

559 un. x $24/un. = $13.416

Apesar de por unidade o modelo C produzir muito mais de Margem de Contri­buição do que o D, dentro das 6.150 horas cortadas ele produz menos. E isso é devido ao tempo de máquina que cada unidade leva para ser elaborada.

Uma unidade de C produz $24 de Margem de Contribuição, mas leva 11 horas para ser feita. Assim, em cada hora a Margem de Contribuição é de $2,18, enquanto o produto D produz só $8 por unidade, mas leva apenas 3,5 horas para ser elaborado, fornecendo $2,29 por hora. Logo, cada hora usada na linha D rende mais do que na linha C.

O resultado correto seria obtido então com o seguinte cálculo:


Quadro 16.6

Margem de Contribuição Unitária

Tempo de Fabricação

Margem de Contribuição por Hora-máquina

Modelo A Modelo B

$

hm

$/hm

20

22

9,50

9,00

2,11

2,44

Modelo C Modelo D

24

8

11,00

3,50

2,18

2,29

Vemos que o modelo que menos traz Margem de Contribuição por hora-máquina é o A, e este deverá então ser o item a ter sua produção limitada. O modelo D, que parecia o primeiro a ser eliminado, só seria cortado como 3a opção, depois de A e C. Ele é, na realidade, o segundo produto mais interessante nessa situação.

Concluímos então que a Margem de Contribuição continua sendo o elemento-chave em matéria de decisão, só que agora não por unidade, mas pelo fator limitante da capacidade produtiva.

Seria então, em nosso exemplo, sempre mais interessante o incentivo à produ­ção do modelo B, já que é o que mais produz Margem de Contribuição por hora-má­quina?

Suponhamos que a empresa resolvesse, à custa de uma adição de custos fixos oriundos da aquisição de outras máquinas, aumentar sua capacidade de produção para 140.000 hm sem que nada se alterasse nos custos variáveis de cada produto. Poderia então agora atender a toda a demanda prevista e ainda teria uma folga de quase 37.000 hm. Caso tivesse em mente efetuar algum tipo de esforço para tentar vender mais do que aquela previsão, por meio, por exemplo, de uma campanha publicitária ou de uma motivação maior com relação à equipe de vendedores, como deveria proceder se sou­besse que conseguiria, no máximo, aumentar em mais 10% aquele volume de vendas?

Estando com capacidade para 140.000 hm, mesmo com adição de mais 10% em seu volume de trabalho, não chegará àquele limite, ficando, no máximo, ao redor de 113.500 hm. Nessa situação, deve forçar a venda do produto B, que dá maior Mar­gem de Contribuição por hora-máquina, ou do modelo C, que fornece maior Margem por unidade?

Claro está que, se não há no momento problema de horas-máquina, interessa que se consiga vender o mais possível daquele modelo que traz, por unidade, maior Margem de Contribuição. Cada unidade de C produz $24 de Margem de Contribuição, e, mesmo que demore mais tempo que B, deverá ser preferida, pois não há mais pro­blema de tempo de máquina.



Portanto, se não houver limitação na capacidade produtiva, interessa o produto que produz maior Margem de Contribuição por unidade, mas, se existir, interessa o que produz maior Margem de Contribuição pelo fator limitante da capacidade.
6.5 OUTRO EXEMPLO DE LIMITAÇÃO NA CAPACIDADE PRODUTIVA

Suponhamos que uma determinada indústria automobilística fabrique dois modelos de veículos com as seguintes características:

Quadro 16.7

Modelo 4 Portas Modelo 2 Portas

Preço de Venda

Custo Variável Total

Margem de Contribuição Unitária

$26.000 $25.800

$20.500

$20.400

$5.500

$5.400

Todas as maçanetas usadas em qualquer modelo são iguais, quer nas portas dianteiras, quer nas traseiras, e são importadas; cada modelo leva o mesmo tempo de produção.

Não havendo problema de limitação na capacidade de produção, a empresa tentará, sempre que possível, vender o modelo 4P, já que em cada unidade deste con­segue uma Margem de Contribuição maior do que no outro.

Digamos que em determinado mês haja um problema sério de obtenção de maçanetas, e a indústria consiga uma quantidade insuficiente delas para sua produção total. Como procederá nesse mês? Não há dúvida de que procurando apenas produzir e vender o modelo 2P.

Se tiver, digamos, 8.000 maçanetas para o mês todo, conseguirá elaborar 4.000 unidades do modelo 2P e obter uma Margem de Contribuição total de

4.000 un. x $5.400/un. = $21.600.000

Se produzisse o modelo 4P, conseguiria apenas $11.000.000 (2.000 un. x $5.500/un.).

O conceito de Margem de Contribuição pelo fator limitante da capacidade é o determinante da decisão. O modelo 4P dá Margem de Contribuição de $1.375 por maçaneta, mas o 2P dá $ 2.700. E a limitação no caso é o estoque disponível de maça­netas.

Poderia ocorrer de o mercado consumir apenas 3.000 unidades por mês de 2P; nessa hipótese, a indústria faria então esse total e utilizaria as 2.000 maçanetas res­tantes na produção de 500 de 4P.

O fator que limita a capacidade pode ser o mesmo durante um longo período de tempo (horas-máquina, por exemplo), ou ser temporário (maçaneta, determinada matéria-prima, hora-homem de certa especialização, hora-máquina de certo equipamen­to ou de um departamento etc.).
EXERCÍCIO NQ 1

A empresa Camomila produz apenas dois produtos (A e B) cujos preços de venda -líquidos dos tributos - são $ 120 e $ 80, respectivamente; sobre esses preços ela paga co­missões de 5% aos vendedores. Os custos e despesas fixos são de $ 4.000 por período.

Os custos variáveis são os seguintes:




A

B

Matéria-prima

4 kg/un. S4/kg

2 kg/un. $4/kg

MOD

2,5 h/un. S20/h

2 h/un. $20/h

Segundo o Diretor de Marketing, o mercado consome, no máximo, 100 unidades de cada produto da empresa por período.

Pede-se calcular:

a) O valor do resultado de cada produto pela óptica do Custeio Variável (Mar­gem de Contribuição), considerando a demanda máxima.

b) O valor do resultado operacional máximo da empresa por período.

c) O valor do resultado máximo num período em que houver apenas 360 kg de matéria-prima disponíveis para utilização.

d) A combinação ótima (melhor mix de produção) e o resultado ótimo se a res­trição for apenas de MOD, e houver somente 400 h disponíveis.


EXERCÍCIO NQ 2

A Escola Immacolata oferece dois cursos técnicos profissionalizantes: mecânica de automóveis (60 horas) e eletricidade de automóveis (40 horas); para atender à deman­da, oferece normalmente 25 vagas em cada curso, por período letivo.

O preço do curso para cada aluno participante é aproximadamente o mesmo das escolas concorrentes: $ 750 e $ 600, respectivamente, para os cursos mecânica e ele­tricidade, e a Immacolata pretende acompanhá-los; o Imposto sobre Serviços (ISS) é de 2% sobre a receita.

Os custos com material didático, impressos, xerox, lanches etc. são de $ 30 por aluno, além de $ 60 por hora-aula efetivamente ministrada pelos instrutores; já os cus­tos comuns (secretaria, laboratório, equipamento, estacionamento etc.) totalizam $ 10.000 por período letivo.

Suponha que para determinado período a escola disponha de poucos instrutores, com disponibilidade para ministrar no máximo 80 horas de treinamento. Nessa situa­ção, para obter o lucro máximo, que curso deve ser oferecido? (Considerar que todas as vagas serão preenchidas, não havendo limitação de mercado.)

a) Os dois.

b) Mecânica.

c) Eletricidade.



d) Nenhum dos dois.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal