Maria Lourdes Blatt Ohira



Baixar 66.3 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho66.3 Kb.


USO DA INTERNET NA EDUCAÇÃO :

EXPERIÊNCIAS E EXPECTATIVAS NO COLÉGIO AGRÍCOLA DE CAMBORIÚ/UFSC

Marouva Fallgatter Faqueti

Maria Lourdes Blatt Ohira


Marouva Fallgatter Faqueti

Bibliotecária chefe da Biblioteca Setorial do Colégio Agrícola de Camboriú –Biblioteca Universitária - Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Rua João da Costa, s/n, Caixa Postal 16

88.340-000 – Camboriú – Santa Catarina - Brasil

Fone: (047) 365 1055

E-mail: marouva@bu.ufsc.br

Maria Lourdes Blatt Ohira

Orientadora e Professora do Curso de Biblioteconomia – Centro de Ciências da Educação - Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

Rua. Saldanha Marinho, 196

88.010-000 – Florianópolis – Santa Catarina - Brasil

Fone: (048) 222 57 22

e-mail: ohira@inf.ufsc.br
Resumo: A Internet é um poderoso espaço de compartilhamento de informações, em crescente evolução e disseminação na sociedade. As escolas necessitam estar atentas a esta realidade de forma a incluir a Internet em seu cotidiano. Consequentemente a biblioteca, também deve acompanhar este desenvolvimento, incorporando-a em sua prestação de serviços. Dentro deste contexto, esta pesquisa objetivou averiguar, junto aos professores do Colégio Agrícola de Camboriú(CAC), como está sendo o uso da Internetenquanto instrumento de apoio educacional. Os resultados revelaram que a Internet é pouco utilizada como recurso didático, mas existem expectativas para dinamização de seu uso nos próximos semestres. Os professores apontaram as principais vantagens e desvantagens do uso da Internet na educação e destacaram, dentre os recursos mais utilizados a Web e suas ferramentas de pesquisa, seguido do correio eletrônico. O estudo levantou as formas de contribuição da biblioteca para dinamizar o uso da Internet no CAC, sendo mencionado pelos professores a seleção e classificação de links do interesse da comunidade escolar, o oferecimento de treinamentos aos alunos e professores na utilização da rede, a disponibilização do acervo on-line e o auxílio individualizado nas pesquisas on-line.
Eixo Temático: Técnicas e tecnologias na Bu do Século XXI

Virtualização da Biblioteca Universitária





  1. INTRODUÇÃO

O computador está chegando às escolas, colaborando para a dinamização das atividades técnico-administrativas e principalmente começando a entrar na sala de aula. No Brasil, o número de escolas que dispõe de computadores é pequeno, mas a cada dia são descobertas novas maneiras de utilizá-los como recurso didático - pedagógico. O Censo do MEC, realizado em 1997, revelou que 4,3% das escolas do ensino fundamental e médio do país têm computadores em pelo menos uma sala de aula (Fernandes & Juste, 1998).

Entre os diversos autores que abordaram o uso da Internet na educação como Moran (1997), Pretto (1995) e Paldês (1998), existe um consenso de que os modelos pedagógicos tradicionais devem ser revistos, uma vez que o uso do computador nas escolas envolve modificações no sistema educacional vigente. Em 1996, o MEC/SEED apresentou seu programa “Informática na Educação”, destacando que a adoção das novas tecnologias da telemática pelas escolas provoca mudança no processo de ensino - aprendizagem, com o conseqüente questionamento dos métodos didáticos tradicionais e a redefinição do papel do professor e sua interação com os alunos.

Esse mesmo documento relata os itens de consenso entre educadores no que tange aos objetivos da educação no Brasil (MEC, 1996):



  • O Sistema Educacional Brasileiro deve preparar os alunos de hoje para serem cidadãos atuantes numa sociedade globalizada, onde a informação desempenhará um papel cada vez mais estratégico;

  • É dever da escola capacitar os seus egressos para o mundo do trabalho;

  • O ensino público precisa atingir níveis mais elevados de qualidade, eqüidade e eficiência.

Colher os benefícios que os computadores podem ofertar, requer treinamentos, debates, troca de experiências e principalmente, a mudança de comportamentos dos profissionais, bem como, novos projetos curriculares. (Paldês, 1998).





  1. INTERNET NA EDUCAÇÃO

As novas tecnologias de informação e comunicação, mais precisamente a Internet, podem contribuir como ferramentas significativas na escola. O seu uso de forma adequada e democrática pode colaborar para a quebra do paradigma do professor como detentor do conhecimento, possibilitando sua mudança de postura para o de orientador e facilitador, onde os alunos deixam também de lado sua postura de receptores passivos. É com a modificação desse paradigma que a escola estará efetivamente contribuindo na formação de um profissional mais capacitado para assumir seu papel na sociedade.



A Internet é mais um recurso onde pode-se encontrar vários tipos de aplicações educacionais. Moran (1997) destaca os seguintes recursos:

  • de divulgação: a divulgação pode ser institucional, mostrando seus objetivos e o que a escola possui, como também pode ser específica da biblioteca, dos professores, dos alunos ou de grupos organizados da escola que divulgam seus trabalhos, projetos ou idéias.

  • de pesquisa: a pesquisa pode ser feita durante as aulas ou fora dela; na biblioteca ou nas salas de laboratório; pode ser uma atividade livre ou obrigatória, individual ou em grupo;

  • de apoio ao ensino: nas atividades de apoio ao ensino pode-se obter textos, imagens, sons dirigidos ao programa desejado, utilizando-os como um elemento a mais, junto com os livros, revistas e vídeos;

  • de comunicação: novas práticas de comunicação estão se desenvolvendo nas escolas. Correio Eletrônico, Web, Listas e Grupos de Discussão são alguns dos recursos utilizados e que proporcionam encontros virtuais entre pessoas, possibilitam a formação de grupos específicos com interesses afins para trocas de informação, e “quebram” as barreiras de tempo e espaço.

Moran (1997), que utiliza a Internet como recurso didático no ensino de graduação e pós-graduação na USP, destaca as disposições positivas observadas no uso da Internet na educação:

  • Aumento da motivação dos alunos pelas aulas;

  • Contribuição ao desenvolvimento da intuição, flexibilidade mental, adaptação a ritmos diferentes;

  • Desenvolvimento de novas formas de comunicação;

  • Aumento do interesse pelo estudo de línguas;

  • Ampliação das conexões lingüísticas, geográficas e interpessoais;

  • Crescimento de interações onde os contatos virtuais se transformam em presenciais, quando é possível.

Moran (1997) também relata algumas dificuldades que ocorrem quando se utiliza a Internet como recurso educacional:

  • Existência de informações demais e conhecimentos de menos (considera que conhecer é integrar a informação no nosso referencial, no nosso paradigma, apropriando-a e tornando-a significativa para nós)

  • Facilidade de dispersão (há informações que distraem e pouco acrescentam, mas ocupam tempo de navegação)

  • Impaciência de muitos alunos por mudar de um endereço para outro sem aprofundar a leitura;

  • Difícil conciliação dos diferentes tempos dos alunos; e

  • A participação dos professores é desigual.

Considerando essa realidade, a biblioteca enquanto veículo prestador de serviços de informação, necessita constantemente estar adequando seus serviços à demanda e, até mais, antecipar ações vislumbrando futuras necessidades, oferecendo serviços diferenciados, visando sempre dinamizar a missão maior da instituição em que atua. A aplicação dos recursos da Internet na educação é demonstrada na literatura como grande ferramenta de apoio para a realização de antigas aspirações educacionais, capaz de sustentar mudanças que podem levar a um novo paradigma educacional. Sua utilização pelas bibliotecas também marca um novo tempo, para o qual os profissionais devem estar abertos, com um olhar crítico e inovador e assim usufruir, com qualidade, dos recursos disponíveis.


  1. OBJETIVOS

Esta pesquisa teve como objetivo geral, investigar o estágio atual do uso da Internet como instrumento de apoio educacional pelos professores do Colégio Agrícola de Camboriú/UFSC, complementado pelos seguintes objetivos específicos:



  • Conhecer as experiências e expectativas dos professores quanto ao uso da Internet;

  • Verificar quais as maiores vantagens e desvantagens do seu uso educacional;

  • Detectar as dificuldades que os professores apresentam no uso da Internet;

  • Identificar as formas de apoio que a biblioteca pode oferecer no suporte e uso dos recursos informacionais da Internet.


  1. COLÉGIO AGRÍCOLA DE CAMBORIÚ – CAC

O Colégio Agrícola de Camboriú é um estabelecimento de ensino de 2o grau voltado para o ensino agropecuário, em sistema de internato e semi-internato. Pioneiro em Santa Catarina, foi fundado em 8 de abril de 1953, passando a ser vinculado em 1968 à Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.

A Biblioteca Setorial do Colégio Agrícola de Camboriú faz parte do Sistema de Bibliotecas da Biblioteca Universitária/UFSC. Iniciou suas atividades juntamente com a Escola e tem acompanhado o seu desenvolvimento, colaborando na formação e aperfeiçoamento de seus usuários.

Em 1997, a Internet foi instalada na Biblioteca e desde então seu uso tem se intensificado a cada momento. Em 1998, pôde-se dar início à construção de um site específico, cujo conteúdo da página era preparado e enviado à Biblioteca Central, para que essa fosse disponibilizada em rede no site da Biblioteca Universitária/UFSC. Desde 1997, o Colégio disponibiliza 36 acessos à Internet para a comunidade escolar, sendo que, 2 estão na biblioteca, 16 estão no laboratório de informática e 18 distribuídos nos diversos setores e salas de professores.




  1. MÉTODO

Com o objetivo de averiguar o uso da Internet no CAC, como instrumento de apoio ao ensino, optou-se em se fazer uma pesquisa com o corpo docente efetivo da escola, em pleno exercício de suas funções, no período de realização da pesquisa, que aconteceu em novembro de 1998.

Como instrumento de coleta de dados utilizou-se o questionário elaborado por Paldês (1998) em seu projeto de mestrado, fazendo-se as devidas adaptações para a realidade do CAC. De posse da listagem dos docentes, fornecida pela Coordenação de Ensino do CAC, o questionário foi entregue pessoalmente, oportunidade em que foi explicado o objetivo da pesquisa.


  1. RESULTADOS

No período de realização da pesquisa encontravam-se em pleno exercício de suas funções 29 professores, sendo 14 professores do ensino básico e 15 professores do ensino técnico. Participaram da pesquisa 24 professores, sendo 13 do ensino técnico e 11 do ensino básico, totalizando um retorno de 82,75% de respostas. Dos professores que responderam ao questionário, 62,50% possuem curso de especialização e 20,83% são mestres.


6.1 Uso da Internet no Ensino

Os resultados da pesquisa indicaram que o emprego da Internet como apoio à educação, entre os professores do CAC, abrangeu basicamente a realização de pesquisas para enriquecimento pessoal (66%). Seis docentes (25%) indicaram haver solicitado pesquisas para realização de trabalhos em sala de aula. Três professores (12,5%) orientaram pesquisas no laboratório de Informática e apenas um professor (4,16%) fez demonstrações sobre seu uso,

como demonstrado no Gráfico 01.

G
RÁFICO 01 - Formas de utilização da Internet como apoio educacional.

A baixa utilização da Internet como instrumento didático pode ter como justificativa a ausência de eventos tais como debates, cursos, treinamentos, reuniões para discussão e relato de experiências, etc. Outro fator pode também estar relacionado a uma possível resistência dos docentes frente ao desconhecido, bem como para mudanças metodológicas que envolvem sua utilização.

Paldês (1999) realizou pesquisa similar com docentes da Universidade Católica de Brasília – UCB e também encontrou um alto índice de utilização da Internet em pesquisas pessoais (96%). Esse resultado confirma a grande penetração da Internet entre professores como fonte de informação.

Buscou-se na pesquisa saber como os professores pretendem utilizar a Internet nos próximos semestres letivos e, mais uma vez destacou-se a opção para pesquisa pessoal, que foi citada por 17 docentes, o que equivale a 70,83%. Em seguida, foi mencionado o uso para orientação de pesquisas em laboratório e para a realização de pesquisas dos alunos em sala de aula, com 41.66% e 35,50%, respectivamente, conforme demonstra o Gráfico 02:
G
RAFICO 02 - Pretensões para utilização da Internet.

Observa-se também, que 33,33% dos respondentes têm interesse em desenvolver trabalhos conjuntos entre alunos e professores para posterior divulgação na Internet, e 20,83% pretendem utilizar a Internet para demonstrações em sala de aula. Outras pretensões indicadas pelos professores do CAC foram: divulgação de projetos; treinamento no uso da Internet e formação de banco de dados sobre a disciplina.

As previsões de inclusões ou aprimoramentos do uso da Internet colhidas por Paldês (1999), junto aos professores da UCB, apresentaram resultados semelhantes. As pesquisas pessoais (78%) receberam maior indicação, seguidas da orientação das pesquisas e outros trabalhos fora da sala de aula (58%).



6.2 Vantagens e Desvantagens do Uso da Internet

A
atualização dos conhecimentos é prerrogativa preponderante para todos os profissionais da educação, e a Internet acena como um veículo potencializador de contribuição a esse parâmetro. Conscientes do potencial da Internet, os professores apontaram as vantagens encontradas no seu uso, como pode ser observado pelo Gráfico 03.


GRÁFICO 03 - Vantagens do uso da Internet

A maior vantagem, segundo os professores, é a atualidade e oportunidade de informações disponíveis, com 96% de respostas, seguida da possibilidade de acessar pessoas e instituições geograficamente afastadas, que foi citada por 71% dos professores. Outra vantagem mencionada é a quantidade de informações disponíveis, que foi apontada por 66% dos professores. O baixo custo para o acesso à Internet, como também a facilidade de utilização da rede ainda não podem ser consideradas como vantagens, uma vez que foram citadas por uma pequena parcela de professores. Outras vantagens foram ainda mencionadas, dentre elas: disponibilidade imediata de artigos; contribuição para o afastamento entre o professor e o livro didático; ampliação do universo de pesquisa e download de arquivos.

A pesquisa de Paldês (1999) constatou que as duas maiores vantagens do uso educacional da Internet, na opinião de seus pesquisados, foram a possibilidade de interagir com pessoas geograficamente afastadas (90%) e a atualidade das informações disponíveis na Internet (71%).

A pesquisa realizada por Plaza & Oliveira (1997) revelou que os pesquisadores mencionaram como vantagens do uso da Internet: a rapidez e a facilidade de acesso global e interativo; superação das barreiras do tempo e distância para a distribuição de recursos e seu caráter democrático.

A
s maiores desvantagens do uso educacional da Internet também foram apontadas pelos professores do CAC, conforme descrito no Gráfico 04.
GRÁFICO 04 - Desvantagens do uso educacional da Internet

Destacam-se como maiores desvantagens: a baixa velocidade de respostas e a pouca disponibilibidade de horário no laboratório para acesso à rede, com 45% de respostas cada uma. A baixa velocidade de respostas é um problema concreto, já citado anteriormente, tendo em vista que o sistema de comunicação e transmissão de informação nacional está aquém das necessidades, bem como os equipamentos disponíveis que também colaboram para a morosidade do sistema. No que se refere ao pouco horário disponível para uso da sala de laboratório, verificou-se que a mesma permanece fechada no período da manhã e à tarde 50% de seu horário é destinado às aulas de informática, o que justifica a resposta.

As dificuldades de utilização da rede, seja pelos alunos seja pelos professores, foi citada por 10 sujeitos (41,6%) que responderam à pesquisa. Essa resposta aparece, provavelmente, por não terem sido oferecidos cursos específicos para o aprimoramento de seu uso como recurso educacional. Foram ainda apontadas pelos professores as seguintes desvantagens: apego exagerado de alguns alunos ao sistema; baixa produtividade em função da velocidade de resposta; usos sem objetivos definidos; excesso de jogos, chats, pornografia; vírus.

A pesquisa de Paldês (1999) revelou a pouca disponibilidade de laboratórios para acesso a rede (56%); a baixa velocidade de resposta (46%) e a dificuldade de utilização da rede, seja pelos alunos seja pelos professores (31%) como pontos de desvantagens no uso da Internet.

Algumas das dificuldades mencionadas pelos professores foram também encontradas no estudo de Plaza & Oliveira (1997). São elas: a necessidade de conhecimentos especializados para acessar e usar a Internet; dificuldades de conexão; “tráfego pesado”; existência de países não conectados à rede e dificuldades para localizar o que se deseja.


    1. Recursos utilizados na Internet

Quanto à utilização dos recursos da Internet observa-se, pela análise do Gráfico 05, que a Web e suas ferramentas de procura são os recursos mais utilizados, pelos usuários do CAC , com o índice de 71%. O correio eletrônico apontou 29,16% de professores usuários. É interessante observar que o uso de catálogos ( 20,83%), revistas eletrônicas (16,7%) e bases de dados (8,3%) são relativamente pouco procurados pelos professores do CAC, enquanto, as listas de discussão não são utilizadas pelos professores. O baixo índice de usuários do correio eletrônico no CAC deve-se ao fato de que esse recurso encontra-se desativado por problemas técnicos.



G
RÁFICO 05 - Recursos utilizados na Internet


O mesmo resultado pode ser comparado ao estudo de Bane & Milhem (1996), onde os catálogos bibliográficos e bases de dados eram utilizados ocasionalmente, isto é, algumas vezes ao mês, enquanto que o acesso a revistas eletrônicas era menos freqüente. A pesquisa de Stumpf (1997) revelou o comportamento dos pesquisadores da UFRGS, no que tange ao recursos da Internet, verificando que: não é habitual participarem de listas de discussão; acessam as bases de dados com maior ou menor intensidade de acordo com área e a recuperação de publicações com texto integral ainda não é uma prática comum.

Outra observação que se ressalta é quanto ao uso do correio eletrônico no CAC (29,83%). Nos relatos das pesquisas de Bane & Milhem (1996), Plaza & Oliveira (1997) Gonçalves & Marcondes (1998) e na pesquisa do Cadê/IBOPE citada por Santos (1998) o E-mail se destaca como o recurso mais utilizado. Na pesquisa de Stumpf (1997), em relação ao uso dos serviços propiciados pela Internet, o correio eletrônico é o de maior uso para contato com outros pesquisadores, especialmente com aqueles que realizam pesquisa dentro da mesma linha.

A freqüência na utilização da Internet pelos usuários do CAC teve como predominância o uso irregular (21,6%), seguido do uso semanal (20,83%), mensal (16,7%), três vezes na semana (12,5%) e diário (4,16%), enquanto que a opção quinzenal não foi citada por nenhum dos pesquisados.
6.4 Dificuldades no uso da Internet

Por se tratar de um instrumento novo, os usuários da Internet podem encontrar dificuldades em sua utilização. O Gráfico 06 aponta que, dentre os pesquisados, 52% sentem dificuldades no seu uso.



GRÁFICO 06 - Dificuldades no uso da Internet
O conhecimento das dificuldades existentes permite que se busque caminhos para minimizá-los. Os professores do CAC mencionaram as seguintes dificuldades: falta de conhecimento e orientação para o melhor uso da Internet (9,6%); falta de disponibilidade de tempo (7,2%); lentidão das respostas (4,8%); pouca disponibilidade de terminais (2,4%); excesso de informações (2,4%); muitos textos em inglês (2,4%); falta de interesse pessoal (2,4%).

Na pesquisa “Internautas do Brasil” (1998), a grande reclamação (77%) é a demora em carregar as páginas, seguida dos links que não levam a lugar algum (68%), destacando-se também, a incapacidade de encontrar informações, (29%). O custo de acesso e o “rombo” na conta telefônica, aparentemente não preocupam tanto.

O estudo de Plaza & Oliveira (1998) também investigou as dificuldades, sendo apontadas: a falta de conhecimentos gerais/específicos; dificuldades na montagem; importação e exportação de dados; pouco número de terminais e a baixa qualidade da rede física.

Os resultados até aqui apresentados apontaram uma diversidade quanto aos graus de utilização da rede, suas formas e dificuldades. Ferreira (1995) concluiu que essas diferenças aparecem porque os usuários da Internet se encontram em fases diferenciadas de aprendizagem. Na primeira fase (compreensão), o usuário descobre a Internet buscando reconhecer suas vantagens. Na segunda fase (inclusão), o usuário incorpora seu uso em suas atividades cotidianas, utilizando basicamente as principais ferramentas de acesso à rede. Na terceira fase (adoção), o usuário amplia a utilização da rede para solucionar questões imediatas e de caráter variado. Na quarta fase (transformação), o usuário atinge um nível de conhecimento mais apurado e passa a usar a rede como real fonte de informação.

Fazendo-se uma relação entre os resultados obtidos e as fases descritas por Ferreira (1995), pode-se afirmar que no Colégio Agrícola de Camboriú existem professores em diferentes níveis de aprendizagem. O acentuado uso da rede para pesquisas pessoais (83,3%) e da Web e suas ferramentas de busca (71%) permite afirmar que uma parcela significativa dos professores encontra-se entre as duas primeiras fases de aprendizagem.
6.5 Contribuição da Biblioteca

Face a esse novo processo informacional que está se desenvolvendo após a disseminação da Internet, a biblioteca, enquanto local responsável pela prestação de serviços de informação, pode e deve contribuir para a otimização de seu uso. Por essa razão investigou-se, junto aos professores do CAC, qual a contribuição da Biblioteca para otimizar o uso da Internet, representado no Gráfico 07:



G
RÁFICO 07 - Contribuições da biblioteca para otimizar o uso da Internet no CAC


Os dados mostram que 58,3% dos docentes do CAC consideram que a organização de links irá facilitar seu uso. O treinamento dos alunos para o uso da Internet foi considerado necessário por 33,3%, enquanto que a disponibilização de artigos na Internet, produzidos por alunos e professores, é de interesse de 25% dos entrevistados. Outras sugestões citadas pelos professores do CAC foram: oferecer treinamentos quanto ao uso da Internet; disponibilizar todo o acervo via on-line; mudar de provedor; organizar espaço para professores e alunos discutirem sobre o uso da Internet; auxiliar o professor nas buscas.

A absorção de novas tecnologias, especificamente o uso da Internet pela comunidade docente do CAC, está acontecendo paulatinamente, podendo-se verificar que sua utilização é maior enquanto uso pessoal (83%), seguido de pesquisas para apoiar informacionalmente sua disciplina (76%). Outros recursos ainda pertencem ao campo das intenções para os próximos semestres.



  1. CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS

As novas tecnologias de informação, mais especificamente a Internet, têm contribuído para que mudanças paradigmáticas ocorram nos diversos setores da sociedade. A educação também passa por esse momento de transformação, onde os conceitos são rediscutidos, reformulados e o novo está em construção.

O uso da Internet nas escolas do Brasil é uma realidade para poucos, segundo dados do MEC, onde apenas 4,3% das Instituições do Ensino Fundamental e Médio possuem computadores. O Colégio Agrícola de Camboriú, Instituição Federal vinculada à Universidade Federal de Santa Catarina faz parte dessa minoria e disponibiliza o acesso Internet à comunidade escolar desde 1997.

Especificamente no CAC, os professores a utilizam de forma cautelosa, interessados, primeiramente, em conhecer a rede, através de pesquisas pessoais e da busca de recursos informacionais que respaldem os conteúdos das disciplinas que ministram. Poucas foram as experiências no uso da Internet como recurso didático, sendo que as expectativas para ampliação de sua utilização nos próximos semestres apontam para sua intensificação.

As maiores vantagens apontadas para o uso da Internet foram: a atualidade de seus conteúdos com possibilidade de acessar pessoas/instituições de diversas nações e a quantidade de informações disponíveis. A baixa velocidade das respostas, a pouca disponibilidade de horários no laboratório, as dificuldades de utilizar a rede e a facilidade de dispersão dos alunos foram apontadas como desvantagens para sua utilização.

A Web e suas ferramentas de procura foram os recursos mais utilizados pelos docentes, seguidos do correio eletrônico. Entre os docentes pesquisados, 53% encontraram dificuldades no uso da Internet, citando como o maior entrave a falta de conhecimento de como usar a Internet e seus diversos recursos e também a falta de tempo disponível para tal. Esse pouco tempo disponível para o uso da Internet, citado pelos professores, talvez explique por que os resultados apresentados no tocante à freqüência apresentaram predominância irregular.

Ressalta-se que os recursos produzidos por bibliotecas, tais como catálogos e bases de dados, não alcançaram um índice satisfatório de utilização. Na revisão da literatura verificaram-se casos semelhantes, onde os recursos disponibilizados on-line, elaborados em unidades de informação, tinham baixa procura pelos usuários pesquisados. Essa constatação leva a algumas indagações: Como está a sintonia entre bibliotecários e seus usuários? Está claro aos bibliotecários por que e para quem os serviços estão sendo feitos? Ou ainda, será que as estratégias de marketing são adequadas?

Quando os professores foram questionados quanto aos serviços que a biblioteca poderia prestar, visando otimizar o uso da Internet no CAC, 58,3% dos docentes consideraram que a organização de links facilitaria seu uso. Realmente, acredita-se que a seleção e classificação por áreas afins agilizaria as consultas. A dúvida que perdura é: Qual o método mais acertivo para a seleção dos links que irão compor essa página? Qual o grau de envolvimento e participação que os professores e alunos poderão ter nesse trabalho? Até onde eles se dispõem a conjugar os esforços para esse fim? O bibliotecário está preparado para trabalhar em parceria com o usuário por um objetivo comum? Ou de outra forma: O bibliotecário está disposto a mudar o foco de sua atuação de “para o usuário” por “com o usuário”?

Assim como os profissionais da educação estão revisando seus métodos de ensino, os bibliotecários devem estar abertos também às novas realidades que se descortinam. O uso da Internet amplia os horizontes de atuação da biblioteca, redimensionando seus objetivos e tornando-se cada vez mais “um espaço comunitário onde se compartilha saberes”. Fazer, saber fazer e refazer continuamente é tarefa de todo profissional.


  1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BANE, Adele F. ; MILHEIN, William D.. Como usam la Internet los professores universitários: possibilidades de la Internet. Revista Interamericana de Nuevas Tecnologias de la Informacion, v.2, n.2, maio/ago., 1996.

FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Redes eletrônicas e necessidades de informação : abordagem do sensemaking para estudos de comportamentos dos usuários do Instituto de Física da USP. Tese (Doutorado) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 1995.

GONÇALVES, Betânia Vieira; MARCONDES, Carlos Henrique. O impacto da Internet nos serviços bibliotecários: um estudo exploratório. In.: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 10. Fortaleza, CE, 1998. Anais... Fortaleza, 1998. (versão eletrônica: disquete)

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E DESPORTO - MEC. Secretaria de Educação à Distância. Programa Informática na Educação. III Reunião Extraordinária do Conselho Nacional de Secretarias Estaduais de Educação, 19/20 de setembro de 1996. (online). Disponível na Internet. http://www.mat.unb.br/ead/MEC/. Capturado em 25 de setembro de 1998.

MORAN, José Manuel. Como utilizar a Internet na educação: relatos de experiências. Ciência da Informação, Brasília, v.26, n.2, p. 146-153, maio/ago. 1997.

PALDÊS, Roberto Ávila. O uso da Internet no ensino superior: estudo do caso da Universidade Católica de Brasília. Projeto de Dissertação de Mestrado. (online) Brasília: UCB, julho de 1998. Disponível na Internet: http://www.geocities.com/CapeCanaveral/launchpad/5606/doc1.html, Capturado em 02 outubro 1998.

PALDÊS, Roberto Ávila. O uso da Internet no ensino superior de graduação: estudo de caso de uma universidade brasileira. Dissertação de Mestrado. (online) Brasília : UCB, abril de 1999. Disponível na Internet: http:www.geocities.com/CapeCanaveral/launchpad/5606/index.htm. Capturado em 20 de maio de 1999.

PESQUISA Internautas do Brasil : Segunda versão da pesquisa. (online). Belo Horizonte UFMG,. Disponível na Internet: http:/www.anades.doc.ufmg.br/internautas/ Capturado em 21 de outubro de 1998.

PLAZA, Rosa Tereza T. ; OLIVEIRA, Érica Beatriz P. M.. Uso de novas tecnologias e modificação nos serviços de informação acadêmicos: estudo de caso no serviço de biblioteca do Instituto de Geociências da USP. In: SEMINÁRIO SOBRE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS E CENTROS DE DOCUMENTAÇÃO, 6., Águas de Lindóia, 1997. Anais... Águas de Lindóia, 1997.

PRETTO, Nelson. A educação e as redes planetárias de comunicação. Educação e Sociedade, v.16, n.41, p. 312-323, ago. 1995.

SANTOS, Avelar Lívio dos. Como é o Brasil virtual. A Notícia : NA Informática. 28 de outubro de 1998.

STUMPF, Ida Regina Chitto. O uso da Internet na pesquisa universitária: o caso da UFRGS. Revista. Bibliotecon. Brasília, v. 21, n. 2, p. 189-200, jul./dez. 1997.

USE OF THE INTERNET IN EDUCATION:

experiences and expectations from Colégio Agrícola de Camboriú/SC
Abstract: The objective of the research done, in the form of a questionnaire for the teaching staff at Colégio Agrícola de Camboriú/SC, was to investigate the present stage of utilization of the Internet as an additional aid to education. The results revealed, as pointed out by the teachers, how the internet is being implemented, which on line resources are most being made use of and what the greatest advantages and desadvantages are.

Keywords: Internet; Use of the Internet; Education; School library.

USO DA INTERNET NA EDUCAÇÃO :

EXPERIÊNCIAS E EXPECTATIVAS NO COLÉGIO AGRÍCOLA DE CAMBORIÚ/UFSC
Marouva Fallgatter Faqueti

Marouva Fallgatter Faqueti.

Bibliotecária chefe da Biblioteca Setorial do Colégio Agrícola de Camboriú –Biblioteca Universitária - Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Rua João da Costa, s/n, Caixa Postal 16

88.340-000 – Camboriú – Santa Catarina - Brasil

Fone: (047) 365 1055

E-mail: marouva@bu.ufsc.br

Uso da Internet na educação : experiências

e expectativas no Colégio Agrícola de Camboriú/SC


Marouva Fallgatter Faqueti


Maria Lourdes Blatt Ohira






©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal