Masarykova univerzita V brně Filozofická fakulta



Baixar 0.78 Mb.
Página14/18
Encontro19.07.2016
Tamanho0.78 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   18
.



  • Riiho, T.: Evolução linguística interna [online]. Lexikon der Romanistischen Linguistik, vol. VI/2, 1994 [cit.2011-01-14]. Disponível em:

.


  • Sarmento, F. M..: A Mourama [online]. Revista de Guimarães, n.º 100, 1990, pág. 343-353 [cit.2011-01-11]. Disponível em:

.


  • Stanislawski, D.: The Individuality of Portugal: A Study in Historical-political Geography [online]. Austin: University of Texas Press, 1959 [cit. 2010-12-08].

Disponível em: .


  • Versteegh, K.: The Development of Classical Arabic [online]. 1997 [cit. 2010-12-14]. Disponível em: .




  • Zayed, A. S. M.: Datos dialectales andalusíes (gramaticales y léxicos) en algunos documentos tardíos granadinos y moriscos [online]. Tese de doutoramento. Madrid: Universidad Complutense, Facultad de Filología, Departamento de Estudios Árabes e Islámicos, 1993 [cit. 2010-12-14]. Disponível em:

.

APÊNDICE



  1. Lista dos topónimos de etimologia árabe examinados no trabalho

Como este trabalho não teve a ambição de registar todas as localidades com nomes árabes no território de Portugal, a seguinte lista toponímica tem, sobretudo, um valor ilustrativo. Visto que alguns nomes locais têm várias ocorrências, escolhemos sempre apenas uma localidade (no geral, a primeira indicada pelo autor), omitindo as demais. No caso de alguns nomes frequentíssimos e de emprego generalizado na língua portuguesa (por exemplo Aldeia ou Laranjeira), não está indicada a sua localização geográfica. Em contrapartida, incluímos na lista alguns topónimos que têm a mesma etimologia, mas seria útil reproduzir todas as variantes, devido às particularidades da sua forma fonética (por exemplo Alvalade e Vale de Beja). Durante a selecção foram escolhidos preferivelmente os nomes cuja forma árabe podia ser reconstruída e transliterada. Nos casos em que isso não foi possível, a forma árabe está indicada em aspas, tal como foi encontrada no texto original. Quando não foi possível encontrar nos recursos o seu significado ou a forma árabe de algum topónimo, está indicado como “ignorado“.





Nome

Distrito

Forma árabe

Significado

Aboadela

Viseu

Abū ‘Abdallāh

Nome pessoal

Açougues

Santarém

as-sūq

“Mercado”

Açucenas

Lisboa

as-sūsāna

Nome de unidade de sūsān (lírio)

Açude

Santarém

as-sudd

“Barreira, tudo o que forma obstáculo entre duas coisas”

Adelas

Lisboa

ad-dallāl

“Corrector, leiloeiro”

Adiça

Lisboa

ad-dīçâ”

“Espécie de junco”

Albarrã

Lisboa

al-barrān

“De fora, exterior, camponês”

Albufeira

Faro

al-buḥayra

“Lago”

Alcaçarias

Lisboa

al-qayṣarīya

“Bazar, casa grande rodeada de pórticos”

Alcácer (Alcácer do Sal)

Setúbal

al-qaṣr

“Castelo, casa que atinge grande altura”

Alcáçovas

Évora

al-qaṣba

“Citadela”

Alcaide

Santarém

al-qā’id

“Conductor”

Alcainça

Lisboa

al-kanīsa

“Igreja”

Alcains

Castelo Branco

al-kanā’is

“Igrejas”

Alcalá

Évora

al-qal‘a

“Castelo”

Alcamim

Castelo Branco

al-qamīm

“Hortaliça”

Alcanena

Santarém

al-Kināna

Nome de uma tribo árabe

Alcântara

Lisboa

al-qanṭara

“Ponte, parte elevada de um edifício”

Alcantarilha

Faro

Idem

Idem

Alcárcova

Évora

(ignorado)

“Fosso, vala”

Alcaria

Vários

al-qarya

“Aldeia, povoado rural de tipo disperso”

Alcochete

Setúbal

al-coxete

“Forno”

Alcoentre

Lisboa

al-qunayṭira

“Ponte pequena”

Alcolena

Lisboa

al-qunīna ou al-qullīna

“Coelhos”

Alcolura

Santarém

al-qalula

„Esgalho de cacho“

Alcúdia

Lisboa

al-kudīīâ

“Colina, cabeço, montículo”

Aldeia

Vários

aḍ-ḍay‘a

“Propriedade fundiária, povoação rústica

Alecrim

Lisboa

al-’iklīl

“Alecrim”

Alfafar

Coimbra

al-faḫḫār

“Oleiro”

Alfaiates

Lisboa

al-ḫayyāṭ

“Alfaiate”

Alfama

Lisboa

al-ḥamma

“Termas, fonte de água quente”

Alfândega

Lisboa

al-funduqa

“Estalagem, hospedaria”

Alfarrobeirra

Lisboa

al-ḫarrūba

“Alfarroba”

Alfeição

Faro

al-usayn ou al-Haiam

Nome pessoal

Alfeizirão

Leiria

al-fēzeran

“Cana, canavial”

Alferes

Lisboa

al-fāris

“Cavaleiro”

Alferrarede

Santarém

al-ḫarrārāt

“Cascatas”

Alfinete

Lisboa

al-ḫilālāt

“Instrumentos para furar, palitos”

Alfofa

Lisboa

al-ḫawḫa

“Porta do postigo”

Alfurja

Lisboa

al-furǧa

“Buraco, fenda”

Algar

Castelo Branco

al-ġār

“Cova, gruta”

Algarve

Faro

al-ġarb

“Ocidente”

Algarve (A travessa dos Algarves)

Lisboa

Idem

Idem

Algés

Lisboa

al-ǧiss

“Gesso”

Algibebes

Lisboa

al-ǧabbāb

“Vendedor de aljubas”

Algodor

Beja

al-ġudur

“Ribeiros, riachos”

Algoz

Faro

al-Ġuz

“Oghuz“ (confederação tribal turca)

Algudi

Santarém

al-ġadīr

“Ribeiro, riacho ou lago de águas estagnadas”

Algueirão

Lisboa

al-ġeyrān

“Covas, grutas“

Algueirinho

Lisboa

Idem

Idem

Aljezur

Faro

al-ǧuzur

“Ilhas, penínsulas”

Almada

Setúbal

al-ma‘dana (derivado da forma padrão al-ma‘din)

“Mina, mineral”

Almagede

Setúbal

al-masǧid

“Mesquita, lugar de prosternação”

Almancil

Faro

al-manzil

“Estalagem”

Almançor

Aveiro

al-Manṣūr

Nome pessoal

Almaraz

Setúbal

al-moarrax

“Parreira”

Almares

Santarém

al-marās

“Ancoradouros”

Almargem

Lisboa

al-marǧ

“Pastagem, prado”

Almargio

Santarém

Idem

Idem

Almazém

Lisboa

al-maḫzan

“Lugar onde se conservam, depositam objectos”

Almedina

Lisboa

al-madīna

“Cidade”

Almegue

Santarém

al-megta’a

“Vau de um rio”

Almeida

Guarda

al-mā’ida

“Planura, outeiro”

Almeijoafas

Faro

al-miǧwafa

“Côncava”

Almeirão

Santarém

al-mirun

“Planta, espécie de chicória”

Almixaris

Santarém

al-manšar

“Secadouro”

Almoçageme

Lisboa

al-masǧid

“Mesquita, lugar de prosternação”

Almocavar

Lisboa

al-maqabar

“Túmulo, sepulcro”

Almodafa

Viseu

al-Muaffar

Nome pessoal

Almodôvar

Beja

al-mudawwar

“Edifício ou casa redonda”

Almofala

Viseu

al-maḥalla

“Arraial, aldeia”

Almograve

Beja

al-maġrib

“Ocidente”

Almotacé

Lisboa

al-muḥtasib

“Funcionário encarregado da inspecção dos pesos, preços e medidas”

Almoxarife

Santarém

al-mušrīf ou al-mušārif (da forma padrão al-mušrif)

“Inspector, supervisor”

Almuinha

Santarém

al-munya

“Casal, herdade”

Alpeidão

Setúbal

al-bīḍān

“As brancas” (nome de um escolho)

Alqueidão

Leiria

al-qeddān

“Tufo calcário”

Alquerubim

Aveiro

al-Qayruwān

“Cairuão”(cidade na Tunísia)

Alvaiázere

Leiria

al-bayāz

“Falcoeiro”

Alvalade

Setúbal

al-balāṭ

“Estrada, caminho empedrado”

Alvaledes

Faro

Idem

Idem

Alverca

Lisboa

al-birka

“Lagoa”

Alvor

Faro

al-būr (da forma padrão al-bi’r)

“Poço”

Alvorão

Santarém

al-būrān (da forma padrão al-bi’rān)

“Dois poços”

Alvorge

Leiria

al-burǧ

“Pequeno forte, torre“

Árgea

Santarém

arzīya

“Cedral”

Arrabalde

Vários

ar-rabāḍ

“Subúrbios”

Arrábida

Setúbal

ar-rābiṭa

“Convento fortificado”

Arraçário

Lisboa

ar-rās

“Cabeça, elevação de terreno entre dois vales”

Arracefe

Santarém

ar-raṣīf

“Calçada, caminho pavimentado

Arrais

Lisboa

ar-ra’īs

“Patrão de barco”

Arrifana

Faro

ar-rīḥāna

“Murta”

Arrife

Santarém

ar-rīf

“Parte da terra que está à beira da água, onde existem verdura, água e cultura, flanco da montanha”

Arroz

Santarém

ar-ruz (da forma padrão al-aruz)

“Arroz”

Asno

Santarém

ḥiṣn

“Castelo”

Assacaias

Santarém

as-saqāya

“Regueiro”

Assumar

Portalegre

(ignorado)

“Junco, junqueira”

Atafona

Beja

aṭ-ṭāḥūna

“Moinho”

Atalaia

Vários

aṭ-ṭalāya‘

“Sentinela, vigia”

Azambuja

Lisboa

az-zanbūǧa

“Oliveira brava”

Azambujeiro (Vale dos Azambujeiros)

Santarém

Idem

Idem

Azeitão

Setúbal

az-zaytūn

“Azeitona, olival”

Azemel

Santarém

az-zammāl

“Almocreve”

Azenha

Vários

as-sāniya

“Roda de irrigação”

Azinhaga

Santarém

az-zinayqa

“Rua estreita”

Azoia

Leiria

az-zāwiya

“Ermida”

Bem Amor

Santarém

Banū ‘Āmir

Nome de uma tribo árabe

Benafim

Faro

(ignorado)

Idem

Benagaia

Faro

Idem

Idem

Benagil

Faro

Idem

Idem

Benalfange

Évora

Idem

Idem

Bencatel

Évora

Idem

Nome pessoal

Benfarras

Faro

Idem

Nome de uma tribo árabe

Bengado

Faro

Idem

Idem

Bensafrim

Faro

Idem

Nome pessoal

Borratém

Lisboa

būr at-tīn (da forma padrão bi’r at-tīn)

“Poço da figueira”

Cains

Santarém

Qayn

Nome de uma tribo árabe

Ceitil

Lisboa

sebtī

Nome relativo do topónimo Sebta (Ceuta, cidade na África do Norte)

Chafariz

Lisboa

ṣahrīǧ

“Cisterna, bebedouro”

Cuba

Beja

qubba

“Pequena torre, cúpula”

Couço

Santarém

qūs

“Arco”

Fangas

Lisboa

fanga

“Medida de cereais, carvão e sal”

Faro

Faro

Hārūn

Nome pessoal

Fátima

Santarém

Fāṭima

Idem

Isna

Castelo Branco

ḥiṣn

“Castelo”

Lafões

Viseu

al-’aḫwān

“Dois irmãos” (nome de dois castelos fronteiros)

Laranjeira

Vários

naranǧa

“Laranja”

Lobata

Santarém

Luwāta

Nome de uma tribo berbere

Loulé

Faro

al-‘ulyā

“A alta, a altura”

Maçode

Viseu

Masūd

Nome pessoal

Mafamudes

Viseu

Maḥmūd

Idem

Mamede

Portalegre

Muammad

Idem

Mansores

Aveiro

al-Manṣūr

Idem

Marame

Viseu

Maryam

Idem

Marou

Viseu

Umar

Idem

Marrocos

Beja

Marrākuš

“Marraquexe” (cidade em Marrocos)

Marvão

Portalegre

Marwān

Nome pessoal

Meca

Lisboa

Makka

Meca (cidade na Arábia Saudita)

Mesquita (Cerro da Mesquita)

Faro

masǧid

“Mesquita, lugar de prosternação”

Mistasa

Santarém

Misāsa

Nome de uma tribo berbere

Murça

Guarda

Mūsā

Nome pessoal

Nazes

Viseu

Nāir

Idem

Nora

Lisboa

naūra

“Nora“

Odeáxere

Faro

(ignorado)

Formado a partir do étimo wādī (“rio, vale”)

Odeleite

Faro

Idem

Idem

Odelouca

Faro

Idem

Idem

Odesseixe

Faro

Idem

Idem

Odiana

Lisboa

wādī yāna

Idem

Odivelas

Lisboa

(ignorado)

Idem

Ourém

Santarém

Wahrān

Oran” (cidade na Argélia)

Queluz

Lisboa

qā al-lūz

“Vale da amendoeira“

Safas

Santarém

ṣaff

“Valado, sebe“

Saímes

Viseu

Sālim

Nome pessoal

Saloio

Lisboa

arōī (da forma padrão arāwī)

“Do deserto, do campo”

Soeima

Bragança

Sulaymān

Nome pessoal

Tunes

Faro

Tūnis

Tunes” (cidade na Tunísia)

Vale de (Vale de Beja)

Beja

balāṭ

“Estrada, caminho empedrado”

Xadrez

Lisboa

šaṭranǧ

“Xadrez”

Xarca

Lisboa

aš-šaqqa

“Fenda, terreno despenhado e apertado”

Zêzere

Vários (rio)

(wādī?) zēz

“Cigarra”

Zorro

Santarém

Zuhra

Nome de uma tribo árabe




  1. Tabela comparativa entre os sistemas de transcrição fonética utilizados no trabalho

O alfabeto utilizado no trabalho para a transliteração de nomes árabes é o DIN 31635, que goza, provavelmente, da maior aceitação no mundo académico. A única modificação efectuada concerne às assim chamadas “letras solares” (t, ṯ, d, ḏ, r, z, s, ʃ, ṣ, ḍ, ṭ, ẓ, l, n), com que se assimila o –l do artigo definido al-, quando estão no início da palavra. Nas nossas transcrições decidimos reproduzir as palavras árabes na forma que resulta desta assimilação fonética, em vez de indicar o -l ortográfico (por exemplo: a-āūna em vez de al-āūna).





Consoantes

Vogais

DIN 31635

IPA

DIN 31635

IPA

b

[b]

a

[a]

d

[d]

ā

[aː]



[dˤ]

e

[e]

ǧ

[]

ē

[eː]



[ð]

i

[i]



[ðˤ], [zˤ]

ī

[iː]

h

[h]

o

[o]



[ħ]

ō

[oː]

y

[j]

u

[u]

k

[k]

ū

[uː]

l

[l]




m

[m]




n

[n]






[θ]




q

[q]




r

[r]




s

[s]






[sˤ]




š

[ʃ]




t

[t]






[tˤ]




w

[w]






[x]




ġ

[ɣ]




z

[z]






[ʕ]






[ʔ]





Fonte:
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   18


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal