Memorial descritivo do



Baixar 0.62 Mb.
Página1/3
Encontro05.08.2016
Tamanho0.62 Mb.
  1   2   3

Memorial Descritivo do

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio








MEMORIAL DESCRITIVO DO

SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO




  1. DEFINIÇÕES

Esse documento tem por objetivo estabelecer as especificações técnicas, condições, padrões e critérios gerais de desempenho que deverão ser observados no fornecimento de equipamentos e na execução de serviços de implantação do sistema de detecção e alarme de incêndio em XXXX.


Os equipamentos aplicados na implantação do sistema deverão ser totalmente integrados e compatíveis entre si, atendendo integralmente as características técnicas e funcionais previstas nesse documento, incluindo as premissas de detecção e alarme, arquitetura e interfaces com outros sistemas, lógica de funcionamento e ações a serem tomadas para cada tipo de evento.


  1. OBJETIVOS

O sistema de detecção e alarme de incêndio proposto para o empreendimento tem como objetivo principal garantir a segurança das pessoas, permitindo que os ocupantes da edificação recebam a informação de uma ocorrência de incêndio com tempo suficiente para o abandono da edificação e a proteção da propriedade e continuidade do negócio, permitindo que o incêndio seja identificado automaticamente em seu estágio inicial, informando sua localização de forma precisa para que a brigada de incêndio possa tomar ações efetivas.


O sistema deve ser projetado, instalado, comissionado e mantido conforme as diretrizes e recomendações da norma ABNT NBR 17240:2.010, utilizando equipamentos que atendam as premissas das demais normas da série ISO 7240, observando o Regulamento de Segurança Contra Incêndio das Edificações e Áreas de Risco e as Instruções Técnicas do Corpo de Bombeiros do Estado.


  1. ÁREAS PROTEGIDAS

O sistema de detecção e alarme de incêndio contempla a proteção do empreendimento a partir da instalação do sistema de detecção e alarme de incêndio nas seguintes áreas:




  • Subsolos XXX




  • Térreo XXX




  • Pavimentos XXX



  1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES

O sistema de detecção e alarme de incêndio deve contemplar todos os elementos necessários para sua implantação para que possa desempenhar a função de identificar e notificar no menor tempo possível um princípio de um incêndio de forma confiável e eficiente. Ele constitui-se de:





  1. Detectores automáticos de incêndio

Dispositivo destinado a operar de forma automática quando influenciado por determinados fenômenos físicos ou químicos que precedem ou acompanham um principio de incêndio


  1. Equipamento de controle e indicação

Equipamento destinado a supervisão contínua dos dispositivos de campo ligados aos laços de detecção, identificação das ocorrências de alarmes e falhas através de texto descritivo, indicações visuais e sonoras, e execução de comandos conformelógica de programação


  1. Dispositivos de alarme de incêndio

Dispositivos interligados ao laço de detecção ou ao circuito de comando supervisionado que tem como objetivo sinalizar sonora e / ou visualmente as ocorrências de incêndio de acordo com lógica de programação estabelecida pelo plano de emergência da instalação


  1. Acionadores manuais

Dispositivos destinados a transmitir a informação de um princípio de incêndio, quando acionado pelo elemento humano, inicializando de forma manual o processo.

  1. Módulos de supervisão de contatos

Dispositivo destinado a supervisionar a operação de equipamentos associados ao sistema de incêndio de uma instalação: chaves de fluxo, válvulas de governo, detecção de gás, portas de emergência, funcionamento do painel de bombas, etc;


  1. Módulos de comando supervisionado

Dispositivo destinado a executar e supervisionar a ativação de comandos e desligamentos de equipamentos associados ao sistema de incêndio de uma instalação: avisadores sonoros, visuais e audiovisuais, etc;


  1. Módulos de comando não supervisionado

Dispositivo destinado a executar a ativação de comandos e desligamentos de equipamentos associados ao sistema de incêndio de uma instalação: sistemas de pressurização, dampers corta fogo, eletroimãs para liberação de portas corta fogo, etc;


  1. Painel repetidor

Equipamento destinado a repetir os eventos sinalizados pela central ou pela rede de centrais interligadas em rede;


  1. Módulo isolador

Elemento destinado a interromper automaticamente parte do circuito de detecção em caso de curto circuito, garantindo a continuidade de funcionamento do restante do laço;
Os detectores de incêndio são classificados de acordo com o princípio de funcionamento
A1. Detector de fumaça

Baseado no efeito fotoelétrico, utilizando elementos com a tecnologia de obscurecimento ou reflexão da luz para identificação de fumaça no ambiente;


A2. Detector linear de fumaça

Baseado no efeito fotoelétrico, utilizando elementos com a tecnologia de obscurecimento da luz na redondeza de uma linha contínua para identificação de fumaça no ambiente;


A3. Detector de temperatura

Baseado em parâmetros de detecção de temperatura, utilizando uma ou duas tecnologias simultâneas de detecção, referente ao limite de uma temperatura fixa e / ou velocidade do aumento de temperatura em um período de tempo;


A4. Detector multicritério

Baseado em mais de um parâmetros de detecção, combinando diferentes tipos de sensores como fumaça, temperatura, chama, gás, etc;

As seguintes definições se aplicam aos sistemas de detecção e alarme de incêndio:
Sistemas convencionais

Circuitos de detecção com dispositivos instalados em zonas, permitindo a central identificar a área protegida em alarme ou falha. Este sistema não permite o ajuste do nível de alarme dos dispositivos.


Sistemas endereçáveis

Circuitos de detecção com dispositivos endereçados individualmente, permitindo a central identificar a área protegida e o dispositivo em alarme. Este sistema não permite o ajuste do nível de alarme dos dispositivos.


Sistemas endereçáveis analógicos

Circuitos de detecção com dispositivos endereçados individualmente, permitindo a central identificar a área protegida e o dispositivo em alarme. Este sistema não permite o ajuste do nível de alarme dos dispositivos.


Sistemas endereçáveis algorítmicos

Circuitos endereçáveis onde a central monitora continuamente um ou mais valores de medição ao longo do tempo, comparando com valores previamente definidos. Este sistema permite o ajuste do nível de alarme dos dispositivos via central.

Circuitos de detecção

Meio de transmissão que conecta os dispositivos de detecção e comando aos equipamentos de controle e indicação



Circuitos de comando

Meio de transmissão que conecta os avisadores aos equipamentos de controle e indicação



Circuitos de detecção e comando

Meio de transmissão que conecta tanto os dispositivos de detecção e comando, como os avisadores aos equipamentos de controle e indicação






Topologia Classe A

Circuito supervisionado, no qual existe uma fiação de retorno à central, partindo do ultimo elemento. Este anel formado deve ser alimentado pelos dois extremos desde a central em caso de interrupção da continuidade da fiação. O retorno deve ter trajeto distinto da fiação de ida.


Topologia Classe B

Circuito supervisionado no qual não existe a fiação de retorno à central, de forma que uma eventual interrupção deste circuito implique em paralisação parcial ou total de seu funcionamento.







  1. TIPO DE SISTEMA E TOPOLOGIA

O sistema de detecção e alarme de incêndio deverá ser necessariamente do tipo endereçável analógico, no qual a central monitora continuamente os valores dos dispositivos de detecção, permitindo ainda o ajuste do nível de alarme de cada dispositivo de acordo com as características dos ambientes onde estão instalados, e algorítmico, com equipamentos que possuem mais de um critério de avaliação de medições do ambiente em função do tempo.


O laço de detecção deverá ser necessariamente executado com topologia classe A, com possibilidade de derivações em classe B para situações específicas, devendo possuir capacidade para 99 detectores (ópticos de fumaça, temperatura, multicritério e lineares) e 99 módulos (supervisão, comando, acionadores manuais e avisadores).
O anel formado pelo laço de detecção, alimentado pelos dois extremos com trajeto de retorno distinto, deve garantir a continuidade do funcionamento dos dispositivos em casos de interrupção da continuidade da fiação. Em caso de curto circuito na fiação, o sistema deverá prover meios de garantir o funcionamento do restante do laço, limitando a zona desprotegida em no máximo 1.600m2, que corresponde a uma combinação de 20 dispositivos.
A maior confiabilidade na detecção de incêndio proporcionada pelos sistemas endereçáveis analógicos e algorítmicos (inteligentes) com topologia classe A se justifica pelos recursos que esse tipo de solução agrega a customização e operacionalização dos equipamentos:


  1. Endereçamento individual dos dispositivos de campo

Cada dispositivo de campo recebe uma codificação que permite sua identificação exclusiva no laço de detecção para supervisão de seu funcionamento, condição de alarme ou falha através de texto descritivo da área e da localização específica do equipamento;


  1. Comunicação bidirecional entre central de incêndio e dispositivos de campo

Protocolo de comunicação onde a central pergunta aos dispositivos suas informações de endereçamento e controle, e o dispositivo responde com seu estado e demais informações;


  1. Tolerância a falhas

A combinação de laços em topologia classe A com isoladores de curto permitem que o sistema permaneça parcialmente funcional em situações de curto-circuito ou rompimento de laço;


  1. Pré-alarme

Possibilidade de parametrização de limite para indicação do estágio de pré-alarme para cada dispositivo de campo permite ao operador do sistema receber informações para que possa antecipar ações de verificação em campo antes que o sistema entre na condição de fogo;


  1. Ajuste de sensibilidade e alarme

Possibilidade de parametrização de limite para indicação do estágio de alarme para cada dispositivo de campo em função das características específicas de cada área protegida;


  1. Compensação de variações

Monitoramento da sensibilidade de cada detector e alteração de sua resposta para compensar o acúmulo de sujeira na câmara ao longo do tempo, com indicação do limite de compensação;

  1. Setorização em zonas

Possibilidade de agrupamento lógico dos dispositivos de campo pertencentes a diferentes laços de detecção, constituindo diferentes zonas de detecção de acordo com critérios diversos;


  1. Customização de lógicas de atuação

Possibilidade de implementação de diferentes lógicas de atuação em função das ocorrências das zonas de detecção, de acordo com o plano de intervenção em emergências da instalação,


  1. Programação horária

Possibilidade de implementação de faixas horárias em que o sistema deverá operar de maneira distinta, conferindo maior confiabilidade na detecção de ocorrências de incêndio: programação dia / noite determinando periodos com maior ou menor sensibilidade dos dispositivos de campo, tempo de verificação ou atraso na execução de comandos.
Observar a implantação de um sistema de detecção e alarme de incêndio endereçável analógico e algorítmico, conforme definido em projeto, permite o aproveitamento de todos os benefícios que os sistemas mais avançados oferecem, determinando um melhor desempenho, maior confiabilidade e economia de recursos para implantação, operação e manutenção:


  • Sistemas inteligentes minimizam as ocorrências de alarmes indevidos ao incorporar recursos tecnológicos para a detecção dos princípios de incêndio;




  • O ajuste de sensibilidade dos sistemas inteligentes garantem a customização da detecção em função das características ambientais particulares de cada área;




  • Custo de materiais de infraestrutura (eletrodutos, cabos e caixas de passagem) para implantação de sistemas inteligentes é consideravelmente inferior por incorporar características técnicas aos equipamentos, como por exemplo: isoladores de curto-circuito incorporado nos dispositivos de campo, avisadores e detectores lienares endereçáveis analógicos e algorítmicos, laços de detecção com topologia em classe A, B e derivação em T, automapeamento e comissionamento rápido do sistema, etc;




  • Custo de serviços de elaboração e adequação de projeto, procedimentos de comissionamento e colocação em funcionamento, treinamento e operação do sistema;

  1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA

Os equipamentos de controle e indicação do sistema deverão estar localizados em áreas com supervisão contínua e de fácil acesso, próximos a entrada da edificação de forma a permitir a rápida identificação de qualquer evento existente no sistema e sua devida operacionalização.


A solução proposta considera o fornecimento de duas centrais de 4 laços de detecção para interligação dos dispositivos de campo. Devem ser observadas e seguidas todas as recomendações determinadas pelo projeto executivo da instalação, incluindo a distribuição dos equipamentos de campo, ajustes de sensibilidades, programação de lógica de funcionamento e demais informações que permitam que o sistema instalado atenda as premissas definidas pelo projetista de acordo com as necessidades do cliente final. Todas as centrais serão interligadas em rede de comunicação em anel dedicada, permitindo que as informações sejam exibidas simultaneamente em todos os equipamentos.
O sistema deverá possibilitar opcionalmente a supervisão de todas as informações de alarmes, avarias e comandos das centrais através de um sistema gráfico de gerenciamento dedicado, instalado em um ou mais computadores, com capacidade para registro histórico de eventos e programação remota. A interligação das centrais com o sistema supervisório poderá ser realizado através de comunicação serial ou através de rede ethernet, utilizando módulos de comunicação TCP-IP.
Os dispositivos de campo serão distribuídos pelos laços de detecção e alarme de incêndio executados preferencialmente em topologia classe A, observando uma reserva técnica mínima de endereços para ampliações futuras do sistema. O cálculo de baterias, a definição das áreas protegidas e o dimensionamento do cabeamento de cada um dos laços de detecção serão determinados pelo número, tipo e consumo dos dispositivos existentes em cada laço, utilizando ferramenta de cálculo fornecida pelo fabricante.
Os equipamentos deverão ser do tipo endereçáveis analógicos e algorítmicos permitindo sua identificação inequívoca através de texto descritivo específico com sua exata localização.
O endereçamento dos dispositivos de campo deverá ser realizado no próprio equipamento, sem necessidade de ferramentas ou recursos de programação, permitindo a imediata substituição por equipamentos sobressalentes mantidos para manutenção do sistema. O recurso de identificação automática e automapeamento permite a instalação de novos equipamentos em situações emergênciais, com possibilidade de parametrização via painel.
A possibilidade de associação de lógica a cada zona de detecção permite que o sistema de detecção e alarme de incêndio esteja integralmente alinhado com o conceito do plano de intervenção em emergência da instalação.
Acionadores manuais deverão ser instalados em locais de trânsito de pessoas em caso de emergência, como por exemplo, áreas de circulação, rotas de fuga e saídas de emergência, em todos os andares de uma edificação, a uma altura entre 0,90 m e 1,35 m do piso acabado, em áreas de fácil acesso, com boa visibilidade. Cada pavimento deve possuir pelo menos um acionador manual; nos cassos em que o usuário precisar percorrer mais do que 30 metros para acessar o dispositivo, novos equipamentos devem ser previstos no projeto.
Avisadores sonoros e/ou visuais com som e frequência únicos devem ser instalados em quantidade suficiente para que a situação de alarme seja identificável, sem impedir a comunicação verbal próximo ao local de instalação. Avisadores devem apresentar potência sonora de 15dB acima do nível médio de som ambiente ou 5dBA acima do nível máximo, medidos a 3m da fonte.
Detectores ópticos de fumaça endereçáveis analógicos e algorítmicos deverão ser instalados nas salas, ambientes fechados, áreas de circulação e salas de ar condicionado dos pavimentos de escritórios, parametrizados para minimizar ocorrências de alarmes indevidos e garantir a confiabilidade do sistema instalado.
Detectores de temperatura térmicos e termovelocimétricos convencionais interligados a módulos de zona serão instalados nas áreas abertas do estacionamento, enquanto detectores endereçáveis serão instalados nas salas fechadas e áreas técnicas desses pavimentos.
Módulos de supervisão de contatos poderão ser instalados para monitoramento das chaves de fluxo do sistema de sprinkler existentes em cada um dos pavimentos da edificação, permitindo a identificação de ocorrências desse sistema na central de incêndio.
Módulos de comando poderão ser instalados para o comando de pressurização das escadas através do sistema de detecção e alarme de incêndio, a partir da identificação de qualquer ocorrência de fogo; outros comandos, como por exemplo, a liberação de catracas do sistema de controle de acesso, poderão ser executados de acordo com o plano de intervenção e emergência da instalação.


  1. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS EQUIPAMENTOS




    1. CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO

A central de alarme de incêndio é o equipamento principal do sistema e deverá ser instalado em local supervisionado 24 horas e permitir a identificação precisa das ocorrências de alarme, avarias, anulações, testes e comandos através de mensagens de texto no display gráfico com iluminação de fundo, além das indicações visuais e sonoras.


O equipamento deverá possuir interface homem-máquina simples para operacionalização dos diversos eventos do sistema, disponibilizando botões de comando que permitam ao operador desempenhar ações como reconhecer eventos, inibir zonas, comandar a evacuação geral, silenciar e reativar avisadores.
Esses comandos devem ser protegidos de acionamento por pessoas não capacitadas através da customização de diferentes senhas de acesso, que permitam identificar os diferentes operadores do sistema. Além do nível operador, a central deverá possuir uma senha distinta para acesso ao nível de programação do sistema, onde devem estar disponíveis funções como inclusão e exclusão de dispositivos e acustomização dos mesmos, sem necessidade de ferramentas de programação adicionais (software).
A central deverá exibir e quantificar as diferentes ocorrências presentes no sistema classificadas de acordo com suas prioridades: alarmes, falhas, isolamentos, ativações e testes. O histórico de eventos deverá manter no mínimo as últimas 999 ocorrências do sistema e deverá poder ser transferido para um computador com a finalidade de armazenamento dos registros de ocorrências, utilizando ferramenta especial de recuperação de eventos.
O sistema deverá contemplar centrais com diferentes capacidades de laços de detecção, com possibilidade de expansão do número de laços como recurso para ampliação do sistema em caso de necessidade. Nesse mesmo contexto, o sistema deverá permitir a interligação de painéis em rede de comunicação em anel, garantindo o processamento distribuído das informações do sistema e a otimização dos recursos de instalação na proteção de áreas específicas através de painéis dedicados, permitindo a visualização e a operacionalização dos eventos a partir de qualquer central pertencente a rede.
Cada central deverá opcionalmente possibilitar sua supervisão e controle através de sistemas gráficos de supervisão a partir da interligação dos painéis a um ou mais computadores. Essa interligação poderá ser feita através de comunicação serial RS232 para os computadores locais ou através de conversores TCP/IP, todos equipamentos adicionais, permitindo que qualquer computador, executando o software de gerenciamento e que possua acesso a rede ethernet, possa ter acesso as informações.

      1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:


Descentralização da inteligência do sistema garantindo permitindo que os dispositivos de campo executem as atividades de detecção e análise enquanto a central de incêndio verifica e processa essas informações, de acordo com ajustes de sensibilidade pré-definidos;
Sistemas com capacidade para supervisão de 1584 detectores endereçáveis (ópticos de fumaça, temperatura, multicritério e lineares) e 1584 módulos endereçáveis (supervisão, comando, acionadores manuais e avisadores), interligados a 16 laços de detecção;
Prioridade no processamento e indicação visual e sonora de acordo com os tipos de eventos do sistema: alarme, falha, anulações e testes;
Possibilidade de verificação dos valores das medições e ajuste da sensibilidade de cada um dos dispositivos de campo existentes no sistema, através da central ou software de configuração;
Possibilidade de customização de lógica de atuação de comandos por zonas e padrões em função das ocorrências dos dispositivos de campo, de acordo com o plano de intervenção em emergências da instalação, definindo os tempos de atraso, operação e reconhecimento;
Possibilidade de programação horária (dia / noite) da sensibilidade dos dispositivos de campo, tempo de verificação ou atraso na execução de comandos;
Possibilidade de supervisão e integração com sistemas de combate (válvulas de governo e chaves de fluxo dos sistemas de sprinkler e hidrantes, casa de bombas), sistemas de extinção e sistema de detecção de gás através de módulos de supervisão e comando;
Possibilidade de supervisão e integração de sistemas de controle de acesso, intrusão, CFTV e automação através de módulos de supervisão e comando;
Capacidade de integração com sistema dedicado de gerenciamento gráfico através de comunicação serial ou TCP/IP;
Botões de comando programáveis para customização de funções específicas, com associação a indicação visual no painel frontal;
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240;


      1. LAÇO DE DETECÇÃO

Capacidade de processamento de sinais e envio de dados para os dispositivos de campo endereçáveis (detectores automáticos, acionadores manuais, módulos de supervisão de entrada e saída, avisadores audiovisuais) através de cabo de comunicação formado por dois condutores sólidos de cobre eletrolítico, têmpera mole, classe I, isolação em PVC/A classe 70⁰C antichama, torcidos paralelamente, fita separadora de poliéster, blindagem com fita de poliéster aluminizada + condutor dreno de cobre estanhado (sólido ou encordoado) e cobertura em PVC/E classe 105⁰C antichama;


Topologia classe A com possibilidade de derivação em “T”, com isoladores de curto-circuito incorporados na saída e no retorno dos laços de detecção e possibilidade de setorização de zonas utilizando módulos isoladores dedicados ou incorporados nos dispositos de campo, garantindo o funcionamento parcial do sistema em casos de rompimento ou curto circuito;
Capacidade de alimentação e supervisão de até 99 dispositivos de detecção endereçáveis (ópticos de fumaça, temperatura, multicritério e lineares) e 99 módulos endereçáveis (supervisão, comando, acionadores manuais e avisadores) por laço de detecção;
Laço de detecção com consumo máximo de 500mA e distância máxima de 2.000m com parametrização através de ferramenta de cálculo permitindo identificar a distância permitida em função da seção do condutor, quantidade e tipo de dispositivos de campo;
Configuração da sensibilidade, texto descritivo, zona de detecção, lógica de atuação, dos dispositivos interligados ao laço de detecção através do painel ou software de configuração;
Capacidade de identificação automática do endereçamento e do status de operação de cada dispositivo interligado ao laço de detecção, permitindo a associação a uma zona de detecção e um texto descritivo de sua localização sem a necessidade da reprogramação completa do sistema existente;


      1. CAPACIDADE DE PROCESSAMENTO




        1. Sistema DXc




  • Painéis com 1, 2 ou 4 laços de detecção;

  • Redes de centrais com até 16 laços de detecção;

  • 99 detectores e 99 módulos / laço;

  • 80 zonas de alarme / sistema;

  • 40 padrões de alarme / central;

  • 31 repetidores / central;

        1. Sistema ZXSe




  • Painéis com 1, 2 ou 5 laços de detecção;

  • Redes de centrais com até 99 laços de detecção;

  • 99 detectores e 99 módulos / laço;

  • 200 zonas de alarme / sistema;

  • 40 padrões de alarme / central;

  • 31 repetidores / central;




      1. HARDWARE

Módulo principal constituído de unidade de processamento, laço de detecção com entradas supervisionadas, saídas programáveis supervisionadas 24V para avisadores, saída de relés de fogo geral e avaria geral, saída de comunicação para painéis repetidores e porta de comunicação com computador;


Módulo display frontal composto de tela de cristal líquido com iluminação de fundo, indicadores sonoro e visuais de status do sistema, botões de comando, navegação, parametrização e operação do sistema;
Fonte de alimentação e baterias;


      1. SOFTWARE

Configuração através de microcomputador com ambiente Windows Me, 2000, XP e Vista, utilizando software de programação específico com download / upload através de porta USB com interface de comunicação;


Possibilidade de alteração de configuração através de teclado do painel;


      1. OPERAÇÃO

O terminal de operação permitirá operações de reconhecimento, rearme, navegação, programação, ativação de comando, inibição e teste dos dispositivos interligados ao próprio painel e aos demais painéis interligados a rede;


A central irá diferenciar as condições de alarme, falha, inibição, ativação e teste, exibindo a quantidade de cada tipo de evento e seu detalhamento;


      1. PROGRAMAÇÃO

Capacidade de reconhecimento de dispositivos inseridos na linha de detecção com possibilidade de realizar a customização do sistema em computador remoto, realizando o download do software de programação e manutenção de arquivos de recuperação de configuração;


Possibilidade de programação de dispositivos e customização de lógica a partir do próprio painel da central;



      1. FUNÇÕES

Possibilidade de ativação de comandos a partir da condição de alarme de uma determinada zona com lógica predeterminada, incluindo temporização de atraso e ativação;


Níveis diferenciados para operação e configuração do sistema, protegidos através de senhas de acesso programáveis;
Possibilidade de ativação de comandos a partir da operação de um número predeterminado de detectores;
Histórico dos últimos 999 eventos do sistema com possibilidade de transferência para computador, permitindo a visualização das ocorrências de acordo com ordem cronológica e tipo de evento: alarme, falha, inibição, ativação e teste;
Possibilidade de inibição e ativação de dispositivos;
Possibilidade de acionamento remoto do led dos dispositivos de campo;
Software de cálculo de baterias e dimensionamento dos laços em função do tipo e quantitativo de equipamentos, determinando as distâncias máximas a serem observadas para cada laço de acordo com a espessura do cabeamento utilizado.


    1. DETECTOR ÓPTICO DE FUMAÇA ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO

Dispositivo destinado a operar quando influenciado por determinados fenômenos físicos ou químicos que precedem ou acompanham um principio de incêndio e possuem seu funcionamento baseado no efeito fotoelétrico, podendo utilizar elementos com a tecnologia de obscurecimento ou reflexão da luz.


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo sua conexão sem utilização de módulos de endereçamento;
O design do sistema de sensoriamento do detector deve garantir uma resposta de comportamento uniforme para todos os produtos de combustão com presença de partículas e geração de fumaça;
O dispositivo deve possuir modelo com isolador de curto circuito incorporado;
O detector deverá transmitir valores analógicos para que a central execute a análise segundo programação especifica;
O detector deve possuir recurso de autoteste e compensação de desvios;
A base deve ser universal, não possuir circuito eletrônico e deve ser completamente sobreposta pelo detector, não necessitando de ferramenta especial para instalação do mesmo; a programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir led para indicação de alarme (continuo) e confirmação de supervisão e funcionamento (piscante);
O circuito eletrônico deve ser imune às influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;

    1. DETECTOR MULTICRITÉRIO ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO ALGORÍTMICO

Dispositivo influenciado por fenômenos físicos ou químicos que precedem ou acompanham um principio de incêndio, possuindo seu funcionamento baseado no efeito fotoelétrico, com tecnologia de obscurecimento ou reflexão da luz, com dois parâmetros para detecção de temperatura, (velocidade do aumento de temperatura em um período de tempo e limite de uma temperatura fixa).


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo sua conexão sem utilização de módulos de endereçamento;
O design do sistema de sensoriamento deve garantir resposta de comportamento uniforme para produtos de combustão com presença de partículas e fumaça;
O dispositivo deve possuir modelo com isolador de curto circuito incorporado;
O detector deverá transmitir valores analógicos para que a central execute a análise segundo programação especifica;
O detector deve possuir autoteste e compensação automática de sujeira;
A base deve ser universal, não possuir circuito eletrônico e deve ser completamente sobreposta pelo detector, não necessitando de ferramenta especial para instalação do mesmo; a programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir led para indicação de alarme (continuo) e confirmação de supervisão e funcionamento (piscante);
O circuito eletrônico deve ser imune às influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;

    1. DETECTOR TÉRMICO / TERMOVELOCIMÉTRICO ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO

Dispositivo destinado a operar quando influenciado por determinados fenômenos físicos ou químicos que precedem ou acompanham um principio de incêndio, possuindo dois parâmetros para detecção de temperatura, sendo um resultante da velocidade do aumento de temperatura em um período de tempo e outro referente ao limite de uma temperatura fixa.


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo sua conexão sem utilização de módulos de endereçamento;
Os equipamentos devem possuir versões com temperatura fixa de 58⁰C e 78⁰C;
O dispositivo deve possuir modelo com isolador de curto circuito incorporado;
O detector deverá transmitir valores analógicos para que a central execute a análise segundo programação especifica;
O detector deve possuir recurso de autoteste e compensação automática;
A base deve ser universal, não possuir circuito eletrônico e deve ser completamente sobreposta pelo detector, não necessitando de ferramenta especial para instalação do mesmo; a programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir led para indicação de alarme (continuo) e confirmação de supervisão e funcionamento (piscante);
O circuito eletrônico deve ser imune às influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;


    1. ACIONADOR MANUAL ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO

Dispositivos destinados a transmitir a informação de um princípio de incêndio, quando acionado pelo elemento humano.


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo sua conexão sem utilização de módulos de endereçamento;
A programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir gabinete na cor vermelha com bordas arredondadas, bornes de conexão e circuito eletrônico independente, minimizando as operações de instalação e manutenção dos equipamentos;
Opcionalmente, o dispositivo deve prever a instalação de uma capa protetora para evitar acionamentos indevidos;
O acionador deve ser do tipo rearmável, podendo ter seu funcionamento testado através da utilização de uma ferramenta especifica;
O dispositivo deve possuir led vermelho para indicação de alarme (continuo) e led verde de confirmação de supervisão e funcionamento (piscante);
O circuito eletrônico deve ser imune as influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;
Os símbolos devem seguir as recomendações das normas específicas e quando forem em texto, devem estar disponíveis em português;
O dispositivo deve possuir modelo com isolador de curto circuito incorporado;


    1. AVISADOR ÁUDIOVISUAL ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO

Dispositivos interligados ao laço de detecção que tem como objetivo sinalizar sonora e / ou visualmente as ocorrências relacionadas ao sistema de detecção e alarme de incêndio de acordo com lógica de programação estabelecida pelo plano de emergência da instalação.


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo sua conexão sem utilização de módulos de endereçamento;
A programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir base de montagem na cor vermelha com bordas arredondadas, bornes de conexão e circuito eletrônico independente, minimizando as operações de instalação e manutenção dos equipamentos;
O dispositivo deve possuir consumo reduzido, tons selecionáveis e níveis de potência programáveis através de chaves de seleção;
O dispositivo deve ser programável para atuar de forma intermitente ou continua;
O circuito eletrônico deve ser imune as influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;
A componente visual deve ser ativado com frequencia de 1 Hz;
Terminais de conexão para cabos de 1 a 2,5 mm2 para o laço de deteção;
O dispositivo deve possuir modelo com isolador de curto circuito incorporado;


    1. MÓDULO DE SUPERVISÃO ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO

Dispositivo destinado a supervisionar a operação de equipamentos associados ao sistema de incêndio de uma instalação: chaves de fluxo, válvulas de governo, detecção de gás, portas de emergência, funcionamento do painel de bombas. A supervisão através de um contato seco deverá permitir ainda a customização da lógica associada a cada elemento supervisionado, possibilitando identificação independente de cada evento.


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo a supervisão de equipamento com contato livre de potencial, através de um circuito classe B com resistor de final de linha;
O circuito de supervisão de contato deve ser supervisionado com relação a interrupção de continuidade da fiação ou curto-circuito;
O sistema deve permitir que o contato supervisionado possa ser categorizado como alarme ou supervisão técnica
A programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir led para confirmação de supervisão e led verde de indicação de funcionamento;
O circuito eletrônico deve ser imune às influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;
Terminais de conexão para cabos de 1 a 2,5 mm2 para o laço de deteção;
O dispositivo deve possuir isolador de curto circuito incorporado;


    1. MÓDULO DE COMANDO ENDEREÇÁVEL ANALÓGICO

Dispositivo destinado a executar a ativação de comandos e desligamentos de acordo com lógica de atuação customizada do sistema associada ao status dos equipamentos de campo. Ele deverá permitir a configuração para saída supervisionada 24V ou contato seco para acionamento de circuitos de avisadores ou realizar comandos de liberação de catracas, saídas de emergência, desligamento de sistemas de ar condicionado, fornecimento de gás e comando de elevadores.


Esses equipamentos deverão possuir as seguintes características e funcionalidades:
Declaração de performance e marcação CE, com certificação e aprovação LPCB de conformidade com as normas da série ISO 7240
O dispositivo deve ser compatível elétrica e eletronicamente com o laço de detecção, permitindo a ativação de comandos segundo lógica programada;
O contato de saída supervisionado deve possuir capacidade de 1,5A / 24V e deve ser programável para atuar de forma intermitente ou constante;
O relé de contato seco deve possuir capacidade de 2A / 30VCC resistivo e deve ser programável para atuar de forma intermitente ou constante;
A programação do endereço deve ser realizada no próprio dispositivo;
O dispositivo deve possuir led para confirmação de supervisão e led verde de indicação de funcionamento;
O circuito eletrônico deve ser imune às influências do ambiente, possuindo proteção contra interferências eletromagnéticas;
Terminais de conexão para cabos de 1 a 2,5 mm2 para o laço de deteção;
O dispositivo deve possuir isolador de curto circuito incorporado;


  1. LISTA DE EQUIPAMENTOS – Sistema DXc




Catálogo: documents
documents -> Comité Económico e Social Europeu
documents -> Almirante Giampaolo Di Paola
documents -> Documento de Projeto
documents -> Discurso do papa bento XVI por ocasião da inauguraçÃo do ano judiciário do tribunal da rota romana
documents -> Regulamento dos Mestrados e Doutoramentos
documents -> A pertinência da Completude da Rede de Segurança Financeira a experiência moçambicana na concepção de
documents -> Rue Belliard/Belliardstraat 99 1040 Bruxelles/Brussel belgique/belgië
documents -> Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste – Austrália
documents -> Contencioso administrativo exame de Contencioso Administrativo
documents -> Convenio fenipe/asgo/fatefina promoção dos 300. 000 Cursos 90% Grátis Pelo Sistema de Ensino a Distancia – sed cnpj º 21. 221. 528/0001-60 Registro Civil das Pessoas Jurídicas nº 333 do Livro a-l das Fls


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal