Metodologias de articulação de políticas setoriais locais



Baixar 22.07 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho22.07 Kb.
Metodologias de articulação de políticas setoriais locais (30h – 2 créditos)

Ementa: Investigação diagnóstica local de políticas e programas setoriais e intersetoriais. Investigação diagnóstica das estratégias municipais e locais para promover a intersetorialidade. Planejamento, implementação e monitoramento de programas, projetos e ações intersetoriais. Comunicação, mobilização e participação social visando à articulação entre políticas setoriais. Conselhos, Conferências e Fóruns setoriais e intersetoriais. Construção de metodologias de articulação de políticas setoriais e intersetoriais voltadas para o território (Estudo de caso em rede. Grupos de trabalho intersetoriais. Construção de instrumentais para a articulação intersetorial, tais como indicadores e bancos de dados). Análise comparativa de construção da intersetorialidade entre políticas públicas. Implicações para a prática profissional.

Referências:
AZEVEDO, Sérgio. Políticas públicas: discutindo modelos e alguns problemas de implementação. In. Políticas públicas e gestão local: programa interdisciplinar de capacitação de conselheiros municipais. Rio de Janeiro: Fase, 2003. p. 38-44.
BÓGUS, Cláudia Maria et al. Programa de Capacitação Permanente de conselheiros populares de saúde na cidade de São Paulo. Saúde e Sociedade, v.12, n.2, p.56-67, 2003
BORGUIGNON, Jussara Ayres. Concepção de Rede Intersetorial. Set. 2001. Disponível em: . Acesso em 2 jan. 2013.
BOSI, Ecléa. Cultura de massa e cultura popular. Petrópolis: Vozes, 2000.
BOSI, Maria Lúcia M. Cidadania, Participação Popular e Saúde na Visão dos Profissionais do Setor: Um Estudo de Caso na Rede Pública de Serviços. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.10, n.4, p. 446-456, 1994
BRONZO, Carla; VEIGA, Laura da. Intersetorialidade e políticas de superação da pobreza: desafios para a prática. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 92, p. 5-21, nov. 2007.
CARNEIRO, Carla B.; COSTA, Bruno L.; FARIA, Carlos A. O processo de implementação e gestão de política sociais sob a ótica dos conselhos: o caso das políticas de assistência social e infância e adolescência em municípios mineiros. Relatório de pesquisa, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, 2000.
CARNEIRO, Carla Bronzo Ladeira; COSTA, Bruno Lazzarotti Diniz. Inovação institucional e accountability: o caso dos conselhos setoriais. In: CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, VI, 2001, Buenos Aires. Anais... Buenos Aires: CLAD, 2001.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
COHN, Amélia. Políticas sociais e pobreza no Brasil. In Planejamento e Políticas Públicas, Brasília: IPEA, nº 12, 1995
COMERLATT, Dunia et al. Gestão de políticas públicas e intersetorialidade: diálogo e construções essenciais para os conselhos municipais. Rev. Katál. Florianópolis: v. 10 n. 2, p. 265-271, 2007
FESTA, Regina. Comunicação popular e alternativa no Brasil. São Paulo: Paulinas, 1986.
FIGUEIREDO, Kênia Augusta. Novos desafios para o serviço social na era das comunicações. Rio de Janeiro: UERJ, dissertação de mestrado, 2005.
FOUREZ, Gérard. Ciência, poder político e ético In: FOUREZ, Gerard. A construção das Ciências. São Paulo: UNESP 1995. p. 207-225
GOHN, Maria da Glória. Abordagens teóricas no estudo dos movimentos sociais na América Latina. Caderno CRH, Salvador: v. 21, n. 54, p. 439-455, 2008
GOHN, Maria da Glória. Conselhos Gestores e Participação Sócio Política. São Paulo: Cortez Editora, 2007.
GUARANÁ, Juliana. Gestão participativa como instrumento de inclusão democrática: o caso dos comitês Gestores de bairro do programa Nova Baixada. In RAE, São Paulo, vol. 48, nº3, 2008
GUIMARÃES, N. e MARTIN S. Competitividade e Desenvolvimento: Atores e Instituições Locais. São Paulo: Biblioteca SENAC, 2001
HENRIQUES, Márcio Simeone. Comunicação e estratégias de mobilização social. Belo Horizonte: Gênesis, 2002.
INOJOSA, Rose Marie. Sinergia em políticas e serviços públicos: desenvolvimento social com intersetorialidade. Cadernos FUNDAP, n. 22, p. 102-11
INOJOSA, Rose Marie. Intersetorialidade e a configuração de um novo paradigma organizacional. Revista de Administração Pública. v. 32, março/abril, Rio de Janeiro, 1998.
JORDÁN, A, ZAPATA, T. Metodologia de capacitação em apoio ao desenvolvimento local. Proposta, n. 75, p. 74-83, 1997/98.
JUNQUEIRA, Luciano A. Prates. Novas formas de gestão na saúde: Descentralização e intersetorialidade. Saúde e sociedade, São Paulo: v.6, n. 2, p.31-46, 1997
JUNQUEIRA, Luciano Antonio Prates; INOJOSA, Rose Marie; KOMATSU, Suely. Descentralização e intersetorialidade na gestão pública municipal no Brasil: a experiência de Fortaleza. In: El Tránsito de la Cultura Burocrática al Modelo de la Gerencia Pública. Caracas: Unesco / Clad. 1997, p. 63-124
KISS, Ligia Bittencourt; SCHRAIBER, Lilia Blima; D’OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas. Possibilidades de uma rede intersetorial de atendimento a mulheres em situação de violência. Interface, Botucatu: Comunicação, Saúde, Educação, v.11, n.23, p.485-501, 2007
LACERDA, William Almeida de; SANTIAGO, Idalina Maria Freitas Lima. A participação popular na gestão local do Programa Saúde da Família em Campina Grande, Paraíba. Rev. Katál., Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 197-205, 2007.
LIMA, Venício A. de. Mídia, Teoria e Política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
MAGALHÃES, Rosana; BODSTEIN, Regina. Avaliação de iniciativas e programas intersetoriais em saúde: desafios e aprendizados. Ciência e saúde coletiva, v. 14, n. 3, p. 861-868, 2009,
MENDES, Rosilda; BÓGUS, Cláudia Maria; AKERMAN, Marc. Agendas urbanas intersetoriais em quatro cidades de São Paulo. Saúde e Sociedade, v.13, n.1, p.47-55, 2004.
MIRANDA, Carlos; TIBURCIO, Breno (org.). Articulação de Políticas Públicas e Atores Sociais. Brasília: IICA, 2008. (Série Desenvolvimento Rural Sustentável; v.8.). Disponível em: < http://oppa.net.br/livros/livro_articulacao_de_politicas_publicas.pdf>. Acesso em 2 jan. 2013.
MONNERAT, Giselle Lavinas; SENNA, Mônica de Castro Maia; SCHOTTZ, Vanessa; MONTORO, Tânia Siqueira (org). Comunicação, cultura, cidadania e mobilização social. Brasília: UNB, 1997.
NASCIMENTO, Sueli do. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n.101, Jan./Mar. 2010.
NOBRE, Letícia Coelho da Costa. Trabalho de crianças e adolescentes: os desafios da intersetorialidade e o papel do Sistema Único de Saúde. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro,v. 8, n.4, p. 963-971, 2003.
OLIVEIRA, Fátima Bayma de. Política de gestão pública integrada. FGV Editora, 2008, 347 p.
OLIVEIRA Valdir de Castro. Comunicação, Informação e Participação Popular nos Conselhos de Saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.13, n.2, p.56-69, 2004.
OLIVEIRA, Milca Lopes de. Controle Social e Gestão Participativa em Saúde Pública em Unidades de Saúde do Município de Campo Grande: MS, 1994-2002. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.18, n.1, p.141-153, 2009.
PAIVA, Carlos Henrique Assunção. Solidariedade, política e poder: o desafio às políticas sociais. Physis, Rio de Janeiro, v.10, n.2, 2000.
PASTOR, Márcia. A democratização da gestão da política de assistência social: fragmentos de um estudo. Rev. Katál, Florianópolis: v. 10 n. 2 p. 222-227, 2007.
PAULA, Kelly Andressa de; PALHA, Pedro Fredemir; PROTTI, Simone Teresinha. Intersetorialidade: uma vivência prática ou um desafio a ser conquistado? O Discurso do Sujeito Coletivo dos enfermeiros nos núcleos de Saúde da Família do Distrito Oeste Ribeirão Preto. Interface - Comunic., Saúde, Educ., Botucatu, v.8, n.15, p.331-48, 2004.
PEREIRA, William César Castilho. Nas trilhas do trabalho comunitário e social. Belo Horizonte: Puc Minas/Vozes, 2001.
PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Metodologia de trabalho com famílias e comunidades nos Núcleos de Apoio à Família-NAF/Centro de Referência de Assistência Social-CRAS.
RIBEIRO, Regina Célia. A construção de um município saudável: Descentralização e intersetorialidade – experiência de Fortaleza. Saúde e sociedade, São Paulo: v.6, n.2, p. 47-54, 1997.
SILVA, Gustavo Tavares da. Políticas públicas e intersetorialidade: uma discussão sobre a democratização do Estado. Cadernos Metrópole, n. 19, p. 81-97, 1º sem. 2008.
SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 1993. 143 p.
SPERANDIO, Ana Maria Girotti; CORREA, Carlos R. S; SERRANO, Miguel Malo; RANGEL, Humberto de Araújo. Caminho para a construção coletiva de ambientes saudáveis: São Paulo-Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro: v. 9, n.3, p.643-654, 2004,
SPOSATI, Aldaíza. Gestão pública intersetorial: sim ou não? Comentários de experiência. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 85, p. 133-141, mar. 2006.
TORO, A. J. Bernardo. Mobilização Social: um modo de construir a democracia e a participação. Brasília: MMA/UNICEF, 1997.
VIANNA, Ana Luiza D'Ávila. Novos riscos, a cidade e a intersetorialidade das políticas públicas. RAP, Rio de Janeiro, n. 32, p. 3-33, mar./abr. 1998.
YAZBEK, Maria Carmelita. Fome Zero: uma política social em questão. Saúde e Sociedade, São Paulo: v.12, n.1, p.43-50, 2003.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal