Ministro da Saúde



Baixar 93.22 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho93.22 Kb.




Manual PNHAH

Barjas Negri,


Ministro da Saúde



A eficácia do Sistema de Saúde está fortemente ligada à qualidade do relacionamento humano estabelecido entre os profissionais e os usuários no processo de atendimento hospitalar. Por isso mesmo, a implantação do Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar vem obtendo uma repercussão tão extraordinária, agregando esforços de Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde por todo o País.

A publicação deste manual é mais uma iniciativa do Ministério da Saúde no sentido de contribuir para a humanização da assistência hospitalar, oferecendo orientações básicas e parâmetros adequados aos gestores, profissionais de saúde e usuários do SUS.

Um programa que ambiciona promover as relações humanas como valor fundamental no seio das práticas públicas de saúde deve empenhar-se em tornar todas as experiências de humanização já existentes acessíveis àqueles que desejem conhecê-las e empregá-las em sua própria realidade. E são tantas e tão singulares essas realidades, que seria enganoso supor uma receita única para todos os hospitais do País.

Este manual deve servir como instrumento de apoio para que cada instituição possa trilhar seu próprio caminho, buscando soluções de humanização adequadas à sua realidade.

Para estimular a incorporação gradual de todos os 6.500 hospitais do SUS ao PNHAH, estão sendo adotadas outras importantes iniciativas de disseminação do programa. Entre elas, vale ressaltar a criação de uma Rede Nacional de Humanização, através da Internet, para capacitação a distância, intercâmbio de idéias e difusão permanente de informações úteis à coletividade. Vale destacar, também, a adoção de uma política especial de incentivos, que inclui a outorga do prêmio “Hospital Humanizado”.

Esperamos, confiantes, que a somatória desses esforços possa contribuir para a melhoria dos serviços públicos de saúde, em benefício dos que nele trabalham e dos que dele se utilizam.
O processo de humanização dos serviços de saúde:

a experiência do Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH


Introdução
Este Manual foi feito para os gestores e todos os profissionais de saúde preocupados com a humanização das relações entre administradores, profissionais e usuários no atendimento hospitalar. Ele alinhava os princípios e as diretrizes básicas para um processo de humanização dos serviços de saúde, com base na experiência produzida com a implantação do Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar – PNHAH.
O PNHAH nasceu de uma iniciativa estratégica do Ministério da Saúde: buscar iniciativas capazes de melhorar o contato humano entre profissional de saúde e usuário, entre os próprios profissionais e entre o hospital e a comunidade, de modo a garantir o bom funcionamento do Sistema Único de Saúde – SUS.
O desenvolvimento das ações do PNHAH tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade dos hospitais e a estreita cooperação entre os diversos agentes que compõem o SUS – o Ministério da Saúde, as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e as instituições hospitalares. Essencial, também, é a integração dos vários programas, já existentes, que têm como foco a humanização.
Esta intercomunicação tem sido de extrema importância não só para multiplicar as ações propostas pelo PNHAH, como para consolidar bases próprias de serviço humanizado em cada um dos hospitais.
O PNHAH oferece uma orientação global para os projetos de caráter humanizador desenvolvidos nas diversas áreas de atendimento hospitalar. Sua principal função é estimular a criação e a sustentação permanente de espaços de comunicação entre esses vários setores de atendimento da instituição de saúde. Espaços onde a regra é a livre expressão, a educação continuada, o diálogo, o respeito à diversidade de opiniões e a solidariedade .
A constituição de Grupos de Trabalho de Humanização nas instituições hospitalares e a formação de uma Rede Nacional de Humanização entre as instituições públicas de saúde são exemplos importantes de espaços de comunicação estimulados pelo PNHAH. Ambos representam instrumentos fundamentais para a consolidação do processo de humanização nos hospitais.


Objetivos

Geral


  • Possibilitar, difundir e consolidar a criação de uma cultura de humanização democrática, solidária e crítica na rede hospitalar credenciada ao SUS.


Específicos

  • Melhorar a qualidade e a eficácia da atenção dispensada aos usuários da rede hospitalar brasileira credenciada ao SUS.

  • Modernizar as relações de trabalho nos hospitais públicos, de modo a recuperar a imagem pública dessas instituições junto à comunidade.

  • Capacitar os profissionais dos hospitais públicos para o novo conceito de atenção à saúde, que valoriza não só a integralidade dos processos de atendimento, como também as crenças e o estilo de vida do paciente, a subjetividade e a cidadania.

  • Estimular a realização de parcerias e intercâmbio de conhecimentos, experiências e pesquisas em humanização da assistência hospitalar. Fortalecer e articular todas as iniciativas de humanização já existentes na rede hospitalar pública.

  • Conceber e implantar novas iniciativas de humanização que venham a beneficiar os administradores, os profissionais de saúde e os usuários do sistema de saúde.

  • Desenvolver um conjunto de parâmetros de resultados e um sistema de incentivo ao serviço de saúde humanizado.


Construção de uma cultura de humanização

O que diferencia o ser humano dos animais irracionais é que seu corpo biológico é envolvido, desde a infância, por uma rede de imagens e palavras, apresentadas primeiro pelos pais, pelos familiares e, em seguida, pela escola, pelo trabalho, enfim, por todas as relações sociais. É esse “banho” de imagem e de linguagem que vai moldando o desenvolvimento do corpo biológico, transformando-o em um ser humano, com um estilo de vida singular.


Como somos dotados de linguagem, podemos construir redes de significados, que compartilhamos em maior ou menor medida com nossos semelhantes e que nos dão uma identidade cultural. Dessa forma, somos capazes de transformar imagens em escultura e pintura, sons em música e palavras, palavras em poesia e literatura, ignorância em religião, arte, saber e ciência. Somos capazes de produzir cultura e, a partir dela, intervir e modificar a natureza. Transformar doença em saúde, por exemplo.
Mas a palavra pode fracassar e, quando a palavra fracassa, somos também capazes das maiores arbitrariedades. A destrutividade faz parte do humano e a história testemunha a que ponto somos capazes de chegar. O homem se torna lobo do homem. Passamos a usar tudo que sabemos para aniquilar pessoas que consideramos diferentes de nós e que, por isso, percebemos como uma ameaça a ser eliminada. Essa destrutividade pode se manifestar em muitos níveis e intensidades, desde um “não olhar no rosto e dar bom dia”, até o ato de violência mais cruel e definitivo.
Então, o que é humanizar? Humanizar é garantir à palavra a sua dignidade ética. Ou seja, para que o sofrimento humano, as percepções de dor ou de prazer sejam humanizados, é preciso que as palavras que o sujeito expressa sejam reconhecidas pelo outro. É preciso, ainda, que esse sujeito ouça do outro palavras de seu reconhecimento. É pela linguagem que fazemos as descobertas de meios pessoais de comunicação com o outro. Sem isso, nos desumanizamos reciprocamente. Em resumo: sem comunicação, não há humanização. A humanização depende de nossa capacidade de falar e de ouvir, depende do diálogo com nossos semelhantes.
O desenvolvimento científico e tecnológico tem trazido uma série de benefícios, sem dúvida. Mas tem como efeito adverso o incremento à desumanização. O preço que pagamos pela suposta objetividade da ciência é a eliminação da condição humana da palavra, que não pode ser reduzida, no caso do atendimento hospitalar, à mera descrição técnica dos sintomas e da evolução de uma doença, por exemplo. Quando preenchemos uma ficha de histórico clínico, não estamos escutando a palavra do paciente. As informações são indispensáveis, sem dúvida. Mas o lado humano ficou excluído. O ato técnico, por definição, elimina a dignidade ética da palavra, pois esta é necessariamente pessoal, subjetiva e precisa ser reconhecida na palavra do outro.
A ciência e a tecnologia se tornam desumanizantes quando ficamos reduzidos a objetos despersonalizados de nossa própria técnica, de uma investigação fria e objetiva. Um hospital pode ser nota dez do ponto de vista tecnológico e, mesmo assim, ser desumano no atendimento. Isso acontece quando ele trata os pacientes como simples objetos de intervenção técnica e considera desnecessário e até mesmo perda de tempo ouvir suas angústias, temores e expectativas. Ou quando os pacientes nem sequer são informados sobre o que está sendo feito com eles.
A dificuldade, muitas vezes, é o excesso de demanda causado por problemas que poderiam ter sido resolvidos em um primeiro atendimento. Outras vezes, é a procura exagerada de ofertas técnicas e tecnológicas, na busca voraz de lucros. Outras, ainda, é a falta de condições técnicas, de capacitação, de materiais, de gerência, de espírito de acolhimento. Os serviços tornam-se desumanizantes pela má qualidade resultante no atendimento e sua baixa resolubilidade. Essa carência geral ou específica de condições gerenciais, técnicas e materiais induz à desumanização, já que profissionais e usuários passam a se relacionar de forma desrespeitosa e impessoal, devido ao cansaço, ao descompromisso, ao acúmulo de irritações e desalentos ou ao terror do crônico fracasso das expectativas, em tudo piorando uma situação já precária. É importante lembrar que, mesmo em momentos e condições difíceis, podemos ser polidos e generosos. A voz cálida, o bom dia, o gesto de acolhimento demonstram nosso esforço em atenuar os problemas. Diante de circunstâncias adversas, sempre podemos nos questionar sobre o que fazer para melhorá-las.
O compromisso com a pessoa que sofre pode ter as mais diversas motivações, assim como o compromisso com os cuidadores e destes entre si. Humanizar a assistência hospitalar é dar lugar não só à palavra do usuário como também à palavra do profissional de saúde, de forma que tanto um quanto outro possam fazer parte de uma rede de diálogo. Cabe a esta rede promover as ações, campanhas, programas e políticas assistenciais a partir da dignidade ética da palavra, do respeito, do reconhecimento mútuo e da solidariedade.
Partindo dessa perspectiva, o PNHAH aponta diferentes parâmetros para a humanização da assistência hospitalar em três grandes áreas:

  • Acolhimento e atendimento dos usuários.

  • Trabalho dos profissionais.

  • Lógicas de gestão e gerência.

Esses parâmetros podem servir para o trabalho de análise, reflexão e elaboração de ações, campanhas, programas e políticas assistenciais que orientem um plano de humanização dentro de cada instituição, cada município, cada estado ou mesmo em todo o País.


A maior expectativa do PNHAH é criar uma nova cultura de humanização, uma filosofia organizacional que promova a conjugação cotidiana do verbo humanizar. Isso para que o processo de humanização da assistência hospitalar não seja interrompido com as mudanças de direção, chefia ou governo.
Uma cultura de humanização leva tempo para ser construída, envolve a participação de todos os atores do sistema e não é fácil de ser fotografada, medida ou contada. Humanizar é verbo pessoal e intransferível, uma vez que ninguém pode ser humano em nosso lugar. E é multiplicável, pois é contagiante. O melhor dos contágios.
Saúde Pública Humanizada


Contextualizando o SUS

Todo cidadão brasileiro tem direito de acesso ao SUS. Mas convém observar que tanto a comunidade como o governo são responsáveis pela coordenação de esforços para estruturar o SUS. A descentralização, através da regionalização e da municipalização da saúde, é a estratégia ideal para que todas as instâncias responsáveis pelo sistema de saúde possam se articular nesse esforço. Não há dúvida de que a municipalização garante a atenção básica de saúde, trazendo lógica, racionalidade e controle ao sistema.


Os municípios brasileiros possuem condições de desenvolvimento e de assistência à saúde completamente diferentes. Por isso mesmo, o SUS definiu várias formas de habilitação que indicam o grau de responsabilidade e autonomia da gestão municipal da saúde. Os dois níveis de habilitação – Gestão Plena da Atenção Básica e Gestão Plena do Sistema de Saúde – definidos pela Norma Operacional Básica do Sistema de Saúde – NOB 01/96, foram ampliados pela Norma Operacional da Assistência à Saúde – NOAS 01/2001, que também estabeleceu critérios de avaliação da gestão.
A regionalização da saúde assegura referência ao atendimento de média e alta complexidade. Os municípios brasileiros foram agrupados em módulos de saúde, cada um deles com um município-sede, responsável pelo nível 1 de referência em média complexidade. Um ou mais destes módulos são agrupados pela Secretaria Estadual de Saúde em microrregiões, designando serviços de nível 2 de referência em média complexidade. Estas microrregiões, por sua vez, são agrupadas em macrorregiões, com serviços de nível 3 de referência em alta complexidade. As Secretarias Estaduais de Saúde designam, também, os serviços de nível 4 de referência em alta complexidade e os Centros de Referências Nacionais.
A operacionalização do SUS exige planejamento e articulação dos gestores municipais e estaduais. A articulação política entre as Secretarias Estaduais de Saúde e as Secretarias Municipais de Saúde de cada microrregião é fundamental para que o cidadão brasileiro tenha condições de acesso à saúde básica em seu município, ocorrendo referência para serviços de média e alta complexidade apenas quando necessário. Quanto mais o planejamento desse sistema estiver articulado, mais garantia teremos de que os serviços de saúde não vão estar sobrecarregados com uma demanda excessiva e não pertinente ao seu objetivo institucional.
A participação comunitária, através dos Conselhos Municipais e Estaduais de Saúde, tem um papel importante: conferir maior visibilidade às decisões dos gestores. A criação de conselhos gestores em todos os serviços de saúde integrantes do SUS amplia o controle e a participação social.
A humanização da saúde pública é preconizada no plano de ações coordenado e descentralizado pelo SUS. Para que ela aconteça, na prática, a principal estratégia é a articulação entre os gestores municipais, os gestores estaduais e as instâncias colegiadas de participação social, as Conferências de Saúde e os Conselhos de Saúde. É imperioso implantar o SUS onde ele não existe. E é imperioso aperfeiçoar o SUS, permanentemente, onde ele já está implantado.

Dilemas e desafios atuais
É inegável que, depois de tantos anos de luta, o SUS conseguiu uma ampliação significativa em termos de cobertura e acesso. Gestores, profissionais e usuários dos serviços de saúde sabem que hoje, com um novo patamar de desenvolvimento nacional, o maior desafio do SUS é melhorar a qualidade dos serviços que presta à população em termos de eficácia e produção de saúde. Não basta centrar esforços na busca de eficiência e produtividade, essenciais para que os recursos públicos sejam investidos de forma responsável.
A baixa qualidade dos serviços acaba sobrecarregando o sistema. A explicação é simples. Se o profissional tem dificuldades na realização de seu trabalho, o usuário fica insatisfeito com o atendimento e o gestor não consegue ter uma boa comunicação e interação com outras instâncias, os encaminhamentos são desorganizados e geram um número considerável de consultas, exames complementares e internações adicionais. Boa parte das demandas dos pacientes poderia ser resolvida em um primeiro atendimento, se houvesse um bom sistema de comunicação e um bom relacionamento profissional - usuário.
Quanto menor for a integração, a comunicação, o vínculo e o reconhecimento mútuo entre profissionais e usuários, entre equipes de profissionais e gestores das diversas instâncias do sistema de saúde, menor será a possibilidade de eficácia no atendimento da população.

Para resolver esses desafios e melhorar a eficácia no atendimento à saúde, não basta investir na eficiência técnico-científica e na racionalidade administrativa. Qualquer atendimento à saúde, assim como qualquer relação entre gestores e equipes profissionais, é caracterizado pelas relações humanas. É preciso, portanto, estar atento a princípios e valores como a solidariedade e a ética na relação entre gestores, profissionais e usuários. Uma ética que acolha o desconhecido e o imprevisível, que aceite os limites de cada situação e que seja pautada pela abertura e pelo respeito ao outro como um ser singular e digno.


A proposta de humanização dos serviços públicos de saúde é, portanto, valor básico para conquistar uma melhor qualidade no atendimento à saúde dos usuários e nas condições de trabalho dos profissionais de todo o sistema de saúde. Não se trata de adotar medidas para “maquiar” as instituições, nem tampouco de uma proposta “ortopédica”. A humanização tem como meta uma nova cultura institucional, que possa instaurar padrões de relacionamento ético entre gestores, técnicos e usuários.
O processo de humanização dos serviços de saúde nos coloca frente a uma dupla tarefa: refletir sobre a realidade do sistema de saúde e a particularidade de cada instituição/situação, e criar soluções para enfrentar os desafios e otimizar as oportunidades.
Não se trata de mais uma sobrecarga em um trabalho que já demanda muito investimento. Gestores e equipes de profissionais deparam-se, dia a dia, com uma enormidade de tarefas, responsabilidades e compromissos. Mais do que isso, têm de atender às necessidades de pessoas que se encontram em situações de fragilidade, dependência, dor e sofrimento, muitas vezes em situações difíceis de trabalho. É justamente a realização dessas duas tarefas – a construção de um espaço coletivo para reflexão sobre a realidade institucional e profissional e a busca de saídas criativas para os desafios encontrados – que poderá facilitar o trabalho dos profissionais de saúde e melhorar a qualidade do atendimento aos usuários.
O primeiro passo é a sensibilização dos gestores do SUS para a questão da humanização e para o desenvolvimento de um modelo de gestão voltado para a construção de uma nova cultura organizacional. Cultura essa que deve ser pautada pelo respeito, pela solidariedade e pelo desenvolvimento da solidariedade e da cidadania dos agentes envolvidos e dos usuários.
Esse novo modelo de gestão precisa se amparar no fortalecimento da vontade política dos dirigentes de participar de ações efetivas e permanentes que transformem a realidade institucional das organizações de saúde. Precisa se amparar, ainda, no reconhecimento do caráter processual dessas transformações, na necessidade de comunicação e divulgação de resultados dos projetos e na criação de condições para a sustentação dos mesmos.
Outro aspecto de fundamental importância nessa proposta de gestão é a criação e sustentação permanentes de espaços de comunicação que facultem e estimulem a livre expressão, a dinâmica do diálogo, o respeito à diversidade de opiniões e a tomada de decisões coletivas.
Desencadeado esse processo, as instituições de saúde, através da voz de usuários, profissionais e gestores, assumem a direção da construção de sua identidade e do seu projeto. Tal tarefa exige autonomia, liberdade e responsabilidade. Em contrapartida, oferece a possibilidade de reconstrução, perante a comunidade, da tão desgastada imagem do serviço público de saúde.


A participação do usuário

A Constituição de 1988 é bem clara: todos os cidadãos têm direitos civis, tais como liberdade pessoal de expressão, religião e movimentação; direitos políticos, como os eleitorais e de associação; e direitos sociais, referentes às condições de saúde, educação, trabalho, condições de vida e de assistência em situações de risco social.


Na prática, nem sempre é fácil aplicar esses direitos. Especialmente os direitos sociais. Para que isso aconteça, têm sido indispensáveis a organização social e a participação ativa do cidadão. É o caso do SUS. Os direitos dos usuários vêm sendo garantidos através do controle social. Aliás, é a mesma Constituição, de 1988, que estabelece como princípio estruturador do SUS a participação da comunidade no planejamento e na avaliação continuada.

Em 1990, a Lei 8.080, que regulamentou o SUS, determinou a criação de comissões intersetoriais subordinadas ao Conselho Nacional de Saúde. No mesmo ano, a Lei 8.142 definiu duas instâncias colegiadas: as Conferências de Saúde e os Conselhos de Saúde. Os Conselhos de Saúde – constituídos em 50% por representantes dos usuários e em 50% por representantes do governo, prestadores de serviços e profissionais de saúde – são órgãos deliberativos encarregados de normatizar, recomendar, promover diligências, formular estratégias e controlar a execução da política de saúde. As decisões devem ser referendadas pelos níveis estadual e municipal de saúde e as suas principais estratégias de ação são a negociação política, a ação judicial e o acionamento do Ministério Público quando as resoluções não são cumpridas.


Vale destacar que, em dezembro de 2000, a 11 Conferência Nacional de Saúde estabeleceu as diretrizes para a política de saúde, com o tema “Efetivando o SUS: Acesso, Qualidade e Humanização na Atenção à Saúde, com Controle Social”.
A participação cidadã tem sido estimulada por recursos como ouvidoria, trabalhos de sala de espera, preparação das altas, alojamento conjunto e ampliação do horário de visitas. Estes mesmos recursos são usados para ampliar os direitos dos usuários e legitimar o prestígio das instituições hospitalares.
Muitas das restrições impostas por modernos hospitais a seus usuários e familiares em termos de regras e horários, por exemplo, não obedecem a razões técnicas. Elas são, na verdade, parte de uma longa herança institucional, de cunho autoritário. É importante questionar e reavaliar as regras que restringem o acesso e a participação de famílias e usuários, propiciando formas mais abertas e livres de interação com o hospital. Quanto maior esta interação, maior é a força criativa e a aliança que se estabelece entre a instituição e seus usuários. Todos saem ganhando: os pacientes e suas famílias conquistam mais espaço, liberdade e confiança no atendimento; funcionários e profissionais passam a contar com uma rede de ajuda maior para o desenvolvimento de suas tarefas.


O voluntariado nos serviços de saúde

A população e as instituições não-governamentais têm demonstrado uma disposição crescente para se engajar em ações filantrópicas e caritativas, diferentes formas de solidariedade e participação social. Com isso, o trabalho voluntário tem conquistado cada vez mais visibilidade e respeito.


Convém lembrar, no entanto, que o voluntariado nasce de um impulso pessoal, solidário e de forte caráter emocional. Seria um engano negar essa origem ou desconsiderar essa enorme força motivacional. Mas é necessário ir além desse impulso e fortalecer uma sociedade civil mais autônoma e instituições mais democráticas.
É necessário, ainda, derrubar preconceitos quanto à natureza e significado do voluntariado. Isto só será possível com a ampla divulgação de experiências bem sucedidas, um esforço sistemático de orientação e integração dos voluntários e o preparo das instituições para gerenciar adequadamente o potencial do trabalho voluntário. Mas, para a consolidação de uma nova cultura de voluntariado, a comunidade mais ampla precisa ser envolvida.
O processo de humanização do trabalho hospitalar implica uma série de dimensões organizacionais, institucionais, profissionais e pessoais. Uma delas é a incorporação consistente do trabalho voluntário. Como expressão de uma ética de solidariedade e de participação cidadã, o voluntariado é uma das formas mais efetivas de aliança da instituição com uma comunidade que incorpora e assume sua parcela de responsabilidade pela mudança na cultura de atendimento à saúde. Ele não pode, portanto, reduzir-se a impulsos de generosidade desorganizada ou substituir vínculos formais de trabalho em quadros sociais de desemprego.
Quando é desenvolvido de forma organizada, com critérios e objetivos bem claros, o trabalho voluntário é uma fonte significativa de recursos e competências qualificadas. Afinal, ele conta com a participação direta da comunidade e pode responder com mais visibilidade e credibilidade às necessidades e expectativas dos usuários. Integrada em um processo de humanização, a ação voluntária implica uma tomada de consciência de si-mesmo e uma transformação pessoal inseparáveis de uma mudança na compreensão do mundo e de uma transformação mais ampla da sociedade.

Três recomendações para o desenvolvimento de um processo de humanização dos serviços de saúde

Gestão participativa
Imagine que você está entrando em seu hospital. Você entra por qual porta? a dos funcionários, a dos chefes ou a dos usuários?
Imagine que você é o chefe e, numa segunda-feira chuvosa, tem a idéia de entrar pela porta dos funcionários. Alguns levam um susto. O que o chefe estaria fazendo ali, àquela hora? Outros o cumprimentam de forma simpática, sorridente, levando-o a conferir que, de fato, estão batendo o cartão de ponto na hora certa. Outros, ainda, ficam se perguntando quem é você. Esta cena seria perfeitamente possível em inúmeros hospitais do Brasil e do mundo
Se seu feito de segunda-feira não surpreendeu a ninguém, se todo mundo o cumprimentou pelo seu nome, se a maioria dos funcionários o reconheceu, seu hospital está com um grau de humanização das relações funcionários-chefia admirável. Parabéns!
Imagine, agora, que, na terça-feira, você perdeu o sono cedo e decidiu entrar no hospital pela porta dos usuários. O que você encontrou? Filas, queixas, sufoco? Com certeza, a grande maioria não sabe quem é você. Se você se aproximar e perguntar por que vieram ao hospital, há quanto tempo estão à espera, provavelmente acharão estranho, mas ficarão desconfiados e responderão alguma coisa positiva para não correr o risco de desagradar.
Mas observe bem. Onde e como as pessoas estão esperando? No sol, na chuva, ou em algum lugar protegido e confortável? Há quanto tempo elas estão na fila? Muitas horas? Algumas horas? Poucos minutos? Cada uma dessas respostas lhe dará uma dimensão do grau de humanização do atendimento em seu hospital. Se as pessoas esperam pouco, se o espaço é minimamente confortável, se o barulho é baixo, se ninguém desmaia ou berra na fila, então você pode ficar orgulhoso: seu hospital tem um grau de humanização da porta de entrada admirável. De novo você e seus colaboradores estão de parabéns. Todos sabemos como foi difícil chegar lá. Em caso contrário, não se desespere: a maioria dos outros hospitais tem problemas parecidos. Isso não quer dizer que não existe solução, que essa situação seja imutável. O PNHAH é uma ferramenta valiosa, que pode ajudá-lo a transformar essa realidade.
Mas, antes disso, vamos trocar os papéis. Imagine agora que você não é o chefe. Aliás, você não deve ter começado a trabalhar em hospitais como chefe; provavelmente já teve várias outras funções antes de chegar à chefia. Você se lembra de como era? O que você sentia ou pensava de seus chefes? E dos usuários?
Imagine-se, então, entrando pela porta dos funcionários e se transformando em um deles. Você acordou com vontade de vir trabalhar esta manhã? Você chega e encontra quem? Tem uns minutos para cumprimentar seus colegas? E como eles estão? Talvez você pense que os chefes deveriam se ocupar mais de vocês, funcionários. Afinal, quem toca o serviço? Fazer discursos é bonito, mas botar a mão na massa, enfrentar esse bando de gente queixosa, sofrida, tantas horas, a todos os dias... Às vezes você não agüenta mais! Já tentou falar com outros colegas, que também não agüentam mais? E como você se sente diante daqueles pacientes que vêm todo dia ao hospital, como se não tivessem outra coisa a fazer na vida? Pessoas com meses de alguma dor crônica, pessoas que reclamam na porta de um pronto atendimento ou de um serviço de emergência/urgência. Elas deveriam perceber que não estão no lugar certo para se consultar. Pois é, deveriam... Já se perguntou por que essas pessoas voltam sempre ao mesmo hospital? E esperam horas e horas para ter algum tipo de tratamento?
O que você sabe da rede de serviços do SUS ? Ela funciona? Como é a realidade das unidades básicas de saúde? E do saneamento básico? E do programa de saúde da família? Qual é a retaguarda com que seu hospital conta na hora de dar alta ou encaminhar um paciente para controle ou tratamento posterior?
Não é só imaginação. Todas estas dúvidas e problemas são muitíssimo freqüentes nos hospitais. Por isso, a preocupação do PNHAH. A proposta do programa é ajudar a estabelecer formas de cuidados humanizados, tanto para os usuários quanto para os funcionários. Convém observar que é muito difícil oferecer o que não se tem. Desenvolver padrões de cuidados humanizados para os usuários requer formas de relação institucionais humanizadas também entre funcionários e chefias, entre os próprios colegas e pessoas que trabalham nas mesmas áreas, com formações e responsabilidades diferentes.
Voltemos às perguntas. Dessa vez, para checar o chamado “clima institucional”. Que momento sua organização atravessa? Seja você chefe ou funcionário, qual é sua sensação sobre a instituição em que trabalha? Há um projeto da organização? A chefia consegue explicitar o que se propõe a fazer? Quais são as prioridades da gestão, quais as linhas gerais ou diretrizes? Há espaços coletivos de deliberação, e/ou trocas de idéias e decisões? Existe alguma formalização para esses encontros ou eles são esporádicos e nada regulares?
Estas questões tocam nos aspectos cruciais da assistência e do funcionamento da organização de saúde. Tomadas em seu conjunto, elas representam o início do processo de humanização do seu hospital. É impossível pensar em humanização sem levar todos esses fatores em conta: a qualidade técnica e democrática da gerência e do processo de trabalho, a funcionalidade e a beleza dos espaços físicos, a capacidade de acolhimento e a polidez dos contatos, o respeito às diferenças e aos saberes populares, a eficiência e o aspecto democrático do sistema de saúde, seu acesso universal, sua eqüidade, sua complexidade e sua proximidade real das pessoas e das comunidades.


Participação na Rede Nacional de Humanização

O Ministério da Saúde tem procurado desenvolver uma série de programas para colocar em prática os princípios básicos de saúde propostos pelo SUS. O desafio, agora, é estabelecer um processo contínuo de troca de informações e intercâmbio de experiências entre esses programas. A comunicação e articulação entre eles é fundamental para o fortalecimento do SUS e, especialmente, para a difusão de uma nova cultura de qualidade no serviço público brasileiro.


Para fazer face a esse desafio, considerando-se a extensão do território nacional, a diversidade de realidades que o compõem e o volume de trabalho na área de saúde, o único caminho é a articulação das novas tecnologias do mundo digital com as formas tradicionais de contatos presenciais e vivenciais.
O trabalho em rede permite uma ampla integração, não só entre os vários setores e projetos da instituição de saúde, como também entre ela e os usuários e entre ela e outras instituições públicas ou privadas. Permite, ainda, a comunicação entre a instituição e representantes da comunidade em que ela se insere. A rede estimula seus integrantes a participar da experiência de seus outros componentes, produzindo, com isso, dois movimentos: o de autoconhecimento e o de participação mais ativa e solidária da comunidade.
A construção de uma Rede Nacional de Humanização é, portanto, um instrumento fundamental para a consolidação do trabalho de humanização desenvolvido em cada localidade. Com a Rede, fica muito mais fácil estabelecer o intercâmbio constante de idéias, estratégias e informações relevantes. Fica mais fácil, ainda, garantir o apoio e a ressonância necessários a cada iniciativa.

Objetivos da Rede Nacional de Humanização


  • Tornar a instituição mais visível e confiável perante a comunidade, através da coletivização das informações sobre as ações realizadas e os resultados alcançados.

  • Oferecer maior agilidade nos processos a serem desenvolvidos, através do conhecimento de novas metodologias testadas em outras iniciativas.

  • Oferecer maior possibilidade de estabelecimento de parcerias.

  • Garantir apoio e ressonância para as iniciativas de humanização desenvolvidas.

  • Favorecer a formação de uma cultura de participação, de cooperação e de co-responsabilidade.



Como participar da Rede Nacional de Humanização
A Rede Nacional de Humanização tem como base um Website do PNHAH (www.humaniza.org.br) e uma equipe de Multiplicadores Virtuais, responsáveis pela manutenção e fortalecimento da Rede, com informações, experiências e debates relevantes ao PNHAH.
Acessando o endereço eletrônico do PNHAH, você e seu hospital poderão:

  • Fazer parte da Rede Nacional de Humanização.

  • Receber informações sobre os dispositivos da Rede: Banco de Projetos, Mapa Nacional de Humanização, grupos de discussão, palestras, conferências e supervisão a distância.

  • Divulgar suas experiências de humanização (neste caso, é necessária a autorização da direção do hospital).



Formação de Grupos de Trabalho de Humanização

O que são?
Os Grupos de Trabalho de Humanização Hospitalar (GTH) são espaços coletivos organizados, participativos e democráticos, que se destinam a empreender uma política institucional de resgate da humanização na assistência à saúde, em benefício dos usuários e dos profissionais de saúde.

Quem são seus integrantes?
Os Grupos de Trabalho de Humanização Hospitalar devem ter uma participação eqüitativa de representantes das diferentes categorias profissionais, campos disciplinares e graus hierárquicos da instituição: representantes da direção do hospital, da chefia dos setores e serviços, técnicos da área médica e não médica (assistentes sociais, psicólogos, agentes da enfermagem, encarregados técnico-administrativos) e pessoal de apoio (segurança, limpeza, cozinha etc). A coordenação do GTH deve ser escolhida democraticamente dentre as lideranças compromissadas com a idéia da humanização.

Qual é o seu papel?


  • Lideram o processo de humanização no hospital.

  • Promovem uma ação conjunta da alta administração do hospital e de lideranças representativas dos profissionais dos vários setores e serviços.

  • Buscam estratégias de comunicação e integração entre os diferentes setores.

  • Promovem fluxo de propostas e deliberações.

  • Apóiam e divulgam as iniciativas de humanização em desenvolvimento.

  • Avaliam os projetos que já estão em desenvolvimento e os que ainda vão ser desenvolvidos na instituição, de acordo com os parâmetros de humanização propostos.

  • Estimulam a participação da comunidade e de entidades da sociedade civil nas ações de humanização dos serviços.

  • Promovem a participação do hospital na Rede Nacional de Humanização.



Cinco passos para o desenvolvimento de um processo de humanização dos serviços de saúde

Humanizar é um verbo que precisa ser conjugado continuadamente por um número cada vez maior de usuários, trabalhadores e gerentes da saúde, pois ele facilmente se desgasta, pode ficar cheio de significados contraditórios e designar até seu oposto, a desumanização. É preciso perguntar todos os dias: “O que estamos fazendo é humanizante ou não? Por que?”


Para facilitar esse trabalho e orientar a construção e implantação de um processo de humanização em seu hospital, sugerimos um método com cinco passos. A metodologia e as estratégias de cada um deles não precisam ser seguidas à risca. Podem ser adaptadas à realidade de sua instituição.


1º - Sensibilizar a gestão hospitalar
Objetivos:

  • Sensibilizar a direção do hospital para a importância e os benefícios da humanização dos serviços de saúde.

  • Obter apoio da direção para a implantação e a sustentação permanente das ações de humanização.


Metodologia sugerida:

  • Estimular a reflexão conjunta sobre a questão da humanização e a realidade institucional em termos da humanização dos serviços de saúde.


Estratégias sugeridas:

  • Discutir o manual e as portarias de regulamentação do PNHAH.

  • Discutir o conceito de humanização no PNHAH.

  • Apresentar o vídeo do PNHAH sobre experiências de humanização.

  • Visitar o site do PNHAH.

  • Cadastrar o hospital no site do PNHAH para sua inclusão na Rede Nacional de Humanização.


2º - Constituir Grupos de Trabalho de Humanização (GTH)

Objetivo:

  • Constituir um GTH composto por profissionais de diferentes categorias e graus hierárquicos (direção, área clínica, área operacional etc.), compromissados com a idéia de humanização.


Metodologia sugerida:

  • Levantar e convidar as lideranças de cada setor do hospital para participar da criação do GTH.

  • Definir os integrantes do GTH.

  • Elaborar o regulamento interno de formação, coordenação e funcionamento do GTH.

  • Escolher um coordenador para o GTH.


Estratégias sugeridas:

  • Promover discussão em grupos.

  • Realizar oficinas.

  • Realizar reuniões por setores e serviços.

  • Organizar assembléias.


3º - Fazer um diagnóstico da situação hospitalar em termos de serviços humanizados

Objetivo:

  • Criar uma cultura de humanização e uma filosofia organizacional humanizada.

  • Reconhecer as potencialidades e as deficiências da instituição em termos da humanização dos serviços e de outras questões correlatas (ver parâmetros de humanização).


Metodologia sugerida:

  • Analisar a configuração organizacional do hospital.

  • Levantar as iniciativas de cunho humanizador desenvolvidas no hospital.

  • Utilizar os parâmetros de humanização propostos pelo PNHAH para avaliar as relações interpessoais profissional-usuário e as ações de humanização.

  • Delinear um diagnóstico preliminar da humanização no hospital, através do levantamento das potencialidades e deficiências relativas à humanização do atendimento e das relações de trabalho no hospital.

  • Mapear os desafios a serem enfrentados.


Estratégias sugeridas:

  • Levantar informações sobre a história da fundação da instituição, assim como dos problemas de seu desenvolvimento e de seu estado atual.

  • Traçar as características do hospital, como freqüência de atendimentos e de operações médicas e cirúrgicas, número de leitos, número e qualificação dos funcionários, qualidade das instalações e equipamentos, serviços oferecidos, programas específicos em andamento, plano de cargos e salários, epidemiologia etc.

  • Visitar os diversos setores e serviços do hospital.

  • Dar atenção especial à porta de entrada e avaliar os problemas ali encontrados.

  • Aplicar pesquisa do PNHAH sobre satisfação dos usuários e dos profissionais de saúde.

  • Levantar as carências e potencialidades por setores e serviços.

  • Mapear as iniciativas de humanização em vigência no hospital.



4º - Elaboração e implantação de plano operacional de ação de humanização
Objetivos:

  • Elaborar um plano de ação de humanização hospitalar de curto, médio e longo prazo, levando em consideração as prioridades e as necessidades específicas do hospital, bem como as ações de humanização já existentes.

  • Implantar o plano de ação de humanização no hospital.


Metodologia sugerida:

  • Usar uma metodologia participativa, em duas direções correlacionadas: a humanização do atendimento ao usuário e a humanização do trabalho do profissional de saúde.

  • Articular o plano de humanização proposto com as iniciativas já existentes.


Estratégias sugeridas:

  • Promover reuniões do GTH para estabelecimento de prioridades, metas e ações, segundo os parâmetros de humanização propostos pelo PNHAH.

  • Ampliar e institucionalizar as iniciativas já existentes.

  • Apresentar formalmente o plano de humanização às chefias constituídas e ao coletivo de profissionais.

  • Discutir a implantação do plano operacional de humanização por setores e serviços, de forma a obter o compromisso e a participação ativa do maior número de pessoas.

  • Desenvolver um processo de comunicação e reflexão sobre a dinâmica institucional e a dinâmica das relações de trabalho.

  • Construir redes internas de comunicação (ouvidoria, banco de idéias etc).

  • Divulgar, para todo o hospital, as iniciativas de humanização existentes e a serem desenvolvidas.

  • Preparar material e espaços de divulgação (boletins, cartazes, bottons, faixas, murais, eventos, jornadas).

  • Participar da Rede Nacional de Humanização.

  • Estimular a participação da comunidade em eventos, ações e campanhas de humanização no hospital.

  • Desenvolver parcerias com instituições públicas e privadas e com movimentos comunitários.



5º - Avaliação de resultados da implantação do processo de humanização
Objetivos:

  • Avaliar permanentemente as ações de humanização em desenvolvimento e as novas propostas de humanização dos serviços.

  • Redirecionar as ações de humanização, a partir dos resultados alcançados e do grau de envolvimento dos vários setores e serviços do hospital.

  • Avaliar o desempenho do GTH em termos de seus objetivos e funções.

  • Avaliar a participação do hospital na Rede Nacional de Humanização;


Metodologia sugerida:

  • Analisar as dificuldades e erros.

  • Identificar oportunidades de melhoria.

  • Realizar pesquisa de satisfação entre profissionais e usuários.


Estratégias sugeridas:

  • Avaliar as ações a partir dos parâmetros de humanização do PNHAH.

Parâmetros de humanização

A avaliação das ações de humanização a partir dos parâmetros propostos pelo PNHAH é fundamental. Mas o GTH pode, nesse trabalho, se deparar com uma série de questões que ultrapassam sua responsabilidade e possibilidade de ação. É preciso, portanto, determinar o grau de governabilidade ou ingovernabilidade que o GTH tem sobre as ações de humanização.


O GTH pode, sim, criar alternativas e soluções que ajudem a melhorar o atendimento e o trabalho em termos da humanização dos serviços. Mas para avaliar se as ações desenvolvidas promovem ou não a humanização, é preciso construir uma nova filosofia organizacional, uma cultura de humanização. E isso leva tempo. A construção dessa nova cultura envolve a participação de todos os atores do sistema de saúde e se dá aos pouco, durante o processo de discussão, elaboração, implementação e análise das ações, campanhas e programas. É bom lembrar: humanizar é verbo pessoal e intransferível, posto que ninguém pode ser humano em nosso lugar. E é multiplicável, pois é contagiante.

Parâmetros para a humanização do atendimento dos usuários
Condições de acesso e presteza dos serviços:

  • Sistema de marcação de consultas

  • Tempo de espera para atendimento

  • Acesso de acompanhantes e visitas

  • Sistema de internação

  • Sistema de marcação, realização e resultados de exames


Qualidade das instalações, equipamentos e condições ambientais do hospital:

  • Adequação/criação de áreas de espera

  • Sinalização das áreas e serviços do hospital

  • Instalações físicas e aparência do hospital

  • Equipamentos

  • Refeições

  • Meios para efetivação de queixas e sugestões

  • Espaço de recreação e convivência dos pacientes

  • Clareza das informações oferecidas aos usuários:

  • Informações aos familiares sobre o atendimento do usuário

  • Informações sobre prevenção de doenças e educação em saúde

  • Informações sobre outros serviços de saúde e serviços sociais disponíveis na comunidade


Qualidade da relação entre usuários e profissionais:

  • Eficiência, gentileza, interesse e atenção

  • Compreensão das necessidades dos usuários

  • Informações, aos usuários, sobre o diagnóstico, tratamento e encaminhamento

  • Privacidade no atendimento



Parâmetros para humanização do trabalho dos profissionais
Gestão hospitalar e participação dos profissionais:

  • Oportunidades de discussão da qualidade dos serviços prestados

  • Oportunidades de discussão das dificuldades na execução do trabalho de atendimento aos usuários

  • Manutenção de mecanismos de coleta de sugestões para a melhoria do trabalho

  • Oportunidades de reconhecimento e resolução de conflitos e divergências

  • Aplicação sistemática de normas de trabalho


Condições de trabalho na instituição:

  • Áreas de conforto

  • Segurança

  • Equipamentos e materiais

  • Higiene


Condições de apoio aos profissionais:

  • Transporte, estacionamento e condições de acesso ao hospital

  • Refeitório

  • Área de descanso e convivência

  • Atividades recreativas e/ou sociais

  • Programas de atendimento às necessidades psicossociais dos profissionais

  • Cursos ou treinamentos para melhoria da relação com os usuários


Qualidade da comunicação entre os profissionais:

  • Canais de informação e resolução de problemas e necessidades

  • Canais de informações oficiais da administração do hospital

  • Canais de informação e comunicação interna sobre programas e atividades


Relacionamento interpessoal no trabalho:

  • Confiança

  • Integração grupal

  • Cooperação


Valorização do trabalho e motivação profissional:

  • Respeito

  • Reconhecimento

  • Motivação

  • Realização

  • Satisfação


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal