MÁrcia regina galleli bruno henrique grotti


ÍNDICES DE RENTABILIDADE5



Baixar 405.72 Kb.
Página12/18
Encontro29.07.2016
Tamanho405.72 Kb.
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   18

1.10 ÍNDICES DE RENTABILIDADE5

De acordo com, NEVES, VICECONTI (1994), os índices de rentabilidade tem por objetivo avaliar o rendimento obtido pela empresa em determinado período.


1.10.1 Taxa de Retorno sobre o PL ou Rentabilidade do Capital Próprio(PL)

Indica a remuneração do capital do proprietários (PL) aplicados na empresa.



Taxa =

Lucro Líquido do Exercício X 100




Patrimônio Líquido


1.10.2 Rentabilidade sobre vendas ou Margem Líquida

O lucro líquido do exercício (LLE) corresponde a porcentagem do valor das vendas líquidas (VL).



Taxa =

Lucro Líquido do Exercício X 100




Vendas Líquidas



1.10.3 Margem Operacional

O lucro Operacional Líquido (LOL) corresponde a porcentagem do valor da vendas líquidas (VL).



Taxa =

Lucro Operacional Líquido X 100




Vendas Líquidas


1.10.4 Retorno Sobre o Investimento Operacional

Significa que as vendas produziram um retorno em termos de Lucro Operacional Líquido (LOL) de porcentagem dos valores aplicados no ativo operacional.

Este índice pretende medir a eficiência com que os administradores aplicaram os recursos em investimentos destinados a uso e operação na empresa (ativo operacional), de modo a contribuir para a geração de vendas.


Taxa =

Lucro Operacional Líquido X 100




Ativo Operacional


1.10.5 Taxa de Retorno sobre o Investimento Total (TRI)

Significa que o lucro líquido do exercício corresponde a porcentagem do Ativo Total Médio, que é o poder de ganho da empresa.



TRI =

Lucro Líquido do Exercício X 100




Ativo Total Médio

A pessoa que presta serviços como autônomo em sua área de trabalho é chamada de profissional liberal.

No caso, então, advogados, jornalistas, dentistas, arquitetos ou psicólogos são exemplos de profissionais que podem ser liberais.

Eles precisam, para poder trabalhar como profissionais liberais, obter registro de autonomia, que é conseguido na prefeitura do município onde moram.

O profissional liberal pode ainda constituir uma empresa, com finalidade de prestação de serviço, o que implica, no Brasil, fazer um contrato social, registrado em Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas.

No caso de atividades mercantis - em comércio ou indústria - o registro é feito em Junta Comercial, o que caracteriza outro tipo de serviço: uma atividade mercantil.

Serviço autônomo se diferencia nisso: é prestação de serviço. De oferecer uma habilidade pessoal em troca de um valor em dinheiro. Não fornece produto, fornece mão-de-obra qualificada.




1.11 - EMPRESAS DO SETOR INFORMAL6

A economia informal não se restringe apenas ao trabalhador autônomo, também existem empresas com essa característica econômica e que é bom conhecermos a estrutura.

Em 1997, o IBGE realizou uma pesquisa, com o título de "Economia Informal Urbana", enfocando a situação econômico-financeira das empresas do setor informal, no Brasil e nas Grandes Regiões.

De acordo com a publicação, empresas do setor informal são aquelas que não são Sociedades Anônimas e também as que se enquadram nos chamados pequenos empreendimentos.

Essas empresas são classificadas de acordo com a posição de seus proprietários, que se divide em duas: empresas de conta própria e empresas de empregadores.

Entende-se como proprietários de empresas do setor informal os trabalhadores por conta própria e os empregadores com no máximo cinco empregados, desenvolvendo atividades não agrícolas.

Abaixo, você confere tabelas com o total por regiões de pessoas ocupadas nessas empresas, segundo a ocupação dos empresários.


  • VANTAGENS E DESVANTAGENS:

1. VANTAGENS
A vantagem número um de ser um profissional liberal é você não ficar preso às vagas do mercado de trabalho, podendo atuar na área que escolheu por conta própria. Outra vantagem, conseqüência dessa, é que você estipula seus horários e, mesmo tendo que - é claro - cumprir seus prazos para com o cliente, possui mais flexibilidade nesse sentido.
2. DESVANTAGENS

Já a desvantagem consiste nos impostos e encargos que, numa empresa, seriam divididos entre você e o patrão e, em se tratando de autônomo, caem 100% nas costas do profissional, que também deve pagar pelos seus próprios benefícios, por exemplo: férias remuneradas, plano de saúde, FGTS e aposentadoria. Não poder contar com uma quantia fixa e garantida todo mês seria um ponto negativo. Por outro lado, sabe-se que, dependendo da produtividade, muitos profissionais podem vir a ganhar muito mais do que ganhariam se estivessem empregados com carteira assinada.


Pessoas ocupadas nas empresas do setor informal - (de conta própria) 7

Quadro nº 02




Regiões

Nº de pessoas

Norte

468.689

Nordeste

2.261.360

Sudeste

3.921.640

Sul

1.343.875

Centro-Oeste

594.025

Total

8.589.589

Fonte: Economia Informal Urbana 1997 vol 1

 

Quadro nº 03

Pessoas ocupadas nas empresas do setor informal - (empregadores)



Regiões

Nº de pessoas

Norte

266.911

Nordeste

316.807

Sudeste

780.695

Sul

266.239

Centro-Oeste

138.303

Total

1.568.955

Fonte: Economia Informal Urbana 1997 vol 1
3 – DADOS ESTATÍSTICOS8
O IBGE realiza várias pesquisas sobre trabalho. Até mesmo o Censo Demográfico 2000 levantou dados sobre o assunto e, é claro, os trabalhadores autônomos não ficaram de fora. A seguir, você encontra algumas tabelas sobre o trabalhador por conta-própria retiradas dos Resultados Preliminares da Amostra. Confira!

Tabela nº 01



Tabela nº 02




Gráfico nº 01







Catálogo: revista -> arquivos
arquivos -> LÍngua portuguesa no ensino fundamental
arquivos -> O lúdico na formaçÃo do educador: contribuiçÕes na educaçÃo infantil
arquivos -> A importância da Estatística na formação do profissional pedagogo
arquivos -> Ética nas relaçÕes interpessoais: estudo de caso na organizaçÃo pública
arquivos -> Uma Abordagem da Avaliação do Capital Intelectua
arquivos -> As contribuiçÕes da teoria da autodeterminaçÃo para a psicopedagogia
arquivos -> Planejamento de tributos federais em uma empresa do segmento agropecuário: estudo de caso
arquivos -> Rosane de Souza Oliveira1 Elisete Silva Passos2
arquivos -> EducaçÃo transdisciplinar e desenvolvimento humano pedro Franz Oliveira Leite1 resumo
arquivos -> A qualidade do clima organizacional como fatoR contributivo para a motivaçÃO e a satisfação no trabalho: um estudo de Caso dos profissionais tÉcnicos administrativos da fundação visconde de cairu


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   18


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal