Mário Nóbrega Cuidado com o crente Geazi



Baixar 44.56 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho44.56 Kb.



Bem-Vindos a mais um estudo de auto relevância para a nossa vida espiritual. O mais importante não é a teoria e sim aplicar a prática. Vivemos sem dúvida em dias que a igreja vem perdendo ao longo dos anos seu brilho. Todos tem um manual a Palavra do Senhor, mas infelizmente o amor vem esfriando cada vez mais. Muitos são os que tem perdido o amor pela Palavra, pela oração e pela santidade. Desejo a todos que com atenção tem lido e observado os estudos bíblicos aplicados, que fique gravado em vossos corações, a Palavra é como uma semente que plantada em boa terra dá muitos frutos. Meu conselho é nunca despreza a Palavra do Senhor e aplique todos os dias em seu coração, fazendo assim suas atitudes não será a mesma de Geazi, mas sim a do profeta Elizeu. Observe a história de Geazi, assistente do profeta Elizeu, sua vida e atitude era totalmente diferente a do profeta. Infelizmente existe crentes hoje assim com a mesma atitude, mesmo andando com homens de Deus, vendo exemplos mas não mudam de atitude. Vigiemos pois a lepra Geaziana pode ser tornar uma epidemia mundial no meio evangélico. Então o que fazemos com a turminha de Geazi? Pense nisso!
Mário Nóbrega



Cuidado com o crente Geazi

Estudo Bíblico





Mário Nóbrega


Cuidado com o crente Geazi
Quem era Geazi?

O moço que acompanhava Elizeu, ou seja o servo de Elizeu, teve a oportunidade de acompanhar e servir o homem de Deus, o mesmo teve os discípulos de Jesus, que serviram e andaram com Jesus. Vamos aprender neste estudo certas lições na vida de Geazi que nos traz exemplos para a nossa vida espiritual nestes dias. Mas infelizmente são muitos que mesmo lendo a Bíblia ou aprendendo com a vidas de homens como a de Geazi ainda continuam nos seus erros, nas seus egos, e nas suas razões. Qual é a razão de não deixar Deus trabalhar no vaso?


II Rs 4:9 - "E ela disse ao seu marido: Eis que tenho observado que este

que passa sempre por nós é um santo homem de Deus".

 - Eliseu era realmente um homem de Deus. Seu nome significa "Deus é Salvação". O sucessor de Elias foi um profeta exemplar. Seu trabalho profético, nos reinados de Jeroão, Jeú e Jeoacaz, que estão registrados no livro de II Reis, mostrou a corte idólatra e ao sacerdócio o mesmo espírito de oposição que inspirara Elias.  

No texto de II Reis 4:9 notamos que esta mulher não teve um amor ágape a primeira vista. "Eis que tenho observado". A sunamita se revela uma mulher observadora, atenta a detalhes, vigilante, e não emocionalmente levada por uma simples "aparência" de "santo homem".

"...que passa sempre por nós..."

Não era a primeira vez que Eliseu passara próximo a esta mulher e seu marido. Ele já estava na observação apurada da sunamita que viu em seu viver, seu carácter, seu comportamento, que ele excedia em muito a outros que talvez já tivessem passado por ela se intitulando homens de Deus. Eliseu passou pelo crivo crítico de uma mulher rica, que não atentava para outros interesses, senão o de avaliar a santidade, a diferença na estrutura de homem de Deus, muito além das aparências religiosas.

 "...passa sempre por nós..."

 Outro detalhe a observar é que Eliseu não adiantou nenhum tipo de bajulação a esta mulher pelo fato dela ser rica. Eliseu não estava nem aí se ela fosse pobre, milionária, mas "passava" por ela e seu esposo, sem nada pedir, sem aproveitar da posição e poder aquisitivo dela. E isso despertou a observância da mulher sunamita na vida santa sem interesses da parte de Eliseu. Porque homem de Deus primeiramente depende directo de Deus.

 Mas nos dias de hoje qual homem poderíamos hospedar em nossa casa, com a garantia de ser realmente um "santo homem de Deus", sem sofrermos decepções?! Pelas aparências vemos todos os dias inúmeros pregadores pulando, sapateando, falando em línguas estranhas, tentando a todo custo passar a imagem de um "santo homem". As desilusões não são poucas de quem cai nas lábias de muitos destes que aparentam santidade. Cheques sem fundos, dinheiro emprestado nunca pago, e outras tristezas já decepcionaram lares, irmãos e igrejas em ciladas de quem pensava estar ajudando "Eliseus" do presente século. Homens que são um verdadeiro furacão de "poder" no púlpito, e entregam revelações e visões que nos deixam boquiabertos, e depois novamente ficamos boquiabertos, com estes mesmos homens, com o rastro que eles deixam de golpes aplicados, comércios, até mesmo na própria igreja que passou etc. É triste, mas é verdade! Muitos já viveram esta amarga experiência.

 

II Rs 4:27 - "Chegando ela, pois, ao homem de Deus, ao monte, pegou nos seus pés; mas chegou Geazi para a retirar; disse porém o homem de Deus: Deixai-a, porque a sua alma nela está triste de amargura, e o Senhor mo encobriu e não mo manifestou".

- Repare neste versículo, que Geazi reagiu conforme muitos reagem hoje, Geazi é àquele tipo de crente que atrapalha a bênção do próximo, Geazi tentou tirar a Sunamita dos pés do profeta, porém Eliseu na mesma hora chamou-lhe a atenção na mesma hora quando diz: “Deixa-a”. O veneno de hoje é a inveja, que atrapalha a bênção de muitos irmãos.
II Rs 4:29 - "E ele disse a Geazi: Cinge os teus lombos, e toma o meu bordão na tua mão, e vai; se encontrares alguém, não o saúdes; e se alguém te saúdar; não lhe respondas; e põe o meu bordão sobre o rosto do menino”.

- Repare bem neste versículo, Geazi recebe uma ordem do profeta com precisão, Geazi não podia parar no meio da caminhada o alvo era chegar o mais rápido na casa de Sunamita e colocar o bordão no rosto do menino, no meio do caminho ele não deveria parar e nem saudar ninguém, mesmo que saudasse ele, ele não responderia. Quantos hoje com tarefas importantes na obra de Deus, mas parando no meio da caminhada, saudando os prazeres da carne, os prazeres do mundo, outros nem começaram a fazer a obra do Senhor, já pararam. Geazi aqui foi obediente e fez conforme a palavra do profeta, mas o problema não era o bordão e sim o próprio Geazi, o bordão estava com unção, mas Geazi não.


II Rs 4:31 – “E Geazi passou adiante deles e pôs o bordão sobre o rosto do menino, porém não havia nele voz nem sentido, e voltou a encontrar-se com ele e lhe trouxe aviso dizendo: Não despertou o menino”.

- Mesmo saindo apressadamente e com ordem do profeta, nada adiantou chegando lá o menino já estava morto, tudo indica que quando a sua mãe Sunamita ao sair de lá o menino estava ainda vivo, sim talvez quase morto. Pois o profeta pede a Geazi para ir correndo pelo caminho. Ao chegar lá, o bordão foi colocado no rosto do menino, mas de nada valeu, o menino continuava morto. Geazi é aquele tipo de crente que tudo o que o pastor coloca nas mãos dele para fazer nada dá certo: Se vai para a portaria é o último a chegar na igreja, se põem na secretaria nada dá certo, na tesouraria, na frente de departamentos, na frente dos conjuntos, na limpeza da igreja, ou seja é aquele crente que tudo o que o pastor pede ou dá para fazer nada dá certo. Por último fica no banco mas dorme dentro da igreja. Há obreiros hoje que é tranca trabalhos, o pastor põem numa congregação com 100 irmãos, com uns meses os pastor tem que tirar rápido porque pode correr o risco de ficar só ele, o problema não estava no bordão, mas sim nas mãos que o levava (talvez incredulidade), lembra da reacção dele quando a Sunamita chegou aos pés do profeta?. Vemos hoje como a incredulidade hoje tem tomado conta dos corações do povo de Deus, uns vem para a igreja somente para ver se o pastor vai criticar as outras igrejas e seus pastores, outros somente para reparar, outras somente para murmurar, onde estão hoje os verdadeiros adoradores? Quando chegam em casa ao invés de agradecer a Deus pela sua presença no culto, seus lábios estão fervendo de murmurações, seus dedos diretos no teclado do computador no msn ou orkut, ou no telefone jogando veneno no povo que não veio, falam somente dos defeitos dos culto, do pastor, do conjunto que tirou o hino alto e errou, do músico que não sabe tocar, do diácono que ficou insistindo na hora da oferta, do pregador que pregou mal, a igreja parece um ranque de politica ou campo de futebol (competição) e etc… o verdadeiro adorador pode chegar na igreja com as mãos sem bordão, ou seja vazias e cheio de problemas, mas se veio para adorar sairá da igreja, com os lábios e coração queimando sentido a presença de Jesus Cristo e com as mãos cheias de vitória. Não seja crente Geazi, que nas suas mãos tudo dá errado, mas seja crente Eliseu homem que tem comunhão com o Espírito Santo e só enxerga vitória e a Glória de Deus.


II Rs 4:43 – “Porém seu servo disse: Como hei de eu pôr isso diante de cem homens? E ele disse: Dá-o ao povo, para que coma; porque assim diz o SENHOR: Comer-se-á, e sobejará.”.

- Geazi aqui, mais uma vez mostra a sua incredulidade, repare o que ele diz ao profeta na parte (A) do versículo 43. Mas veja a resposta do profeta na mesma hora, convicção, obreiros temos que ter convicção, igreja temos que ter convicção, na lógica e visão humana realmente 20 pães de cevada não dava para alimentar 100 homens, mas quem faz a multiplicação é o SENHOR como disse o homem de Deus. Tudo nas mãos do crente fiel se multiplica, neste versículo vemos duas coisas: 1) Visão e 2) Fé. Qual é a tua Fé e visão na obra de Deus hoje? Foi isso que Eliseu teve, mas o Geazi é aquele tipo de crente que não crê nos milagres de Deus, mas temos que ter uma determinação e convicção, não podemos dar ouvidos a certos crentes sem compromisso com Deus que as vezes são usados por Satanás para nos desmoralizar, mas nesta obra que vai dar o crescimento é Deus, pois ele é o dono da multiplicação, vai multiplicar as almas convertidas, os dons espirituais, os milagres e o crescimento desta igreja.

 Nos dias de hoje parece não haver mais tantos Elizeus assim. Mas há muitos “Geazis”! Após a cura da lepra de Naamã, nos conhecidos “Sete Mergulhos” em II Reis 5, Geazi, o moço de Eliseu, homem de Deus, achou injusto um siro Naamã ser curado da lepra e ele não levar vantagem nisso. E resmunga:

 

II Rs 5:20“Eis que meu senhor impediu a este siro Naamã que da sua mão se desse alguma coisa do que trazia; porém, tão certo como vive o Senhor, que hei de correr atrás dele e tomar dele alguma coisa”.



-  O delírio de Geazi o leva a perder a lucidez e o discernimento da vontade de Deus com sua ambição desmedida, seus interesses mercenários, seu interesse nos bens de Naamã: “...tão certo como vive o Senhor...” O homem malicioso é tão enganado por ele mesmo, que chega a ter uma falsa fé! E usou de mentira! É o que muitos hoje dizem que foi uma mentira para ajudar.

 E a astúcia dele em tomar alguma coisa de Naamã o leva a elaborar uma mentira para arrecadar os bens que não eram de seu direito. Observe: “Meu senhor me mandou dizer: Eis que agora mesmo vieram a mim dois jovens dos filhos dos profetas da montanha de Efraim; dá-lhes, pois, um talento de prata e duas mudas de vestes. E disse Naamã: Sê servido tomar dois talentos”. (vs. 22) Quando Eliseu o interroga, outra vez ele mente:

 E disse-lhe Eliseu: De onde vens, Geazi? E disse:

Teu servo não foi nem a uma nem a outra parte”. (vs. 25)

 A consequência de Geazi foi pegar a lepra de Naamã. “Era isso ocasião para tomares prata e para tomares vestes, e olivais, e vinhas, e ovelhas, e bois, e servos, e servas? Portanto, a lepra de Naamã se pegará a ti e à tua semente para sempre. Então, saiu de diante dele leproso, branco como a neve”. (vs. 26,27)  

 A lepra de Geazi é mais manifesta nos dias de hoje do que o carácter de Eliseu, como santo homem de Deus. Basta se converter alguém de poder aquisitivo na igreja que as bajulações são infinitas. Mais que rapidamente o membro rico da igreja sobe de cargo e senta no púlpito como se tivesse pago por anos a fio o mesmo preço dos irmãos mais pobres da igreja. Pregadores, evangelistas e pastores traçam elogios e pouco fiscalizam a vida do membro que tem dinheiro. Não importa se ele não foge da aparência do mal, e não segue à risca a sã doutrina da igreja. O dízimo dele o redime destes outros “pecados”.

Não são todas as igrejas que agem assim. Graças a Deus muitas tem se mantido longe da “lepra geaziana”. Mas o fato acima descrito não é novidade para muitos de nós. Em algum lugar, em alguma igreja, já presenciamos algo semelhante. Muito semelhante, diga-se de passagem.

Que a nossa vida cristã, como membros, obreiros e líderes, venha a se espelhar no carácter de Eliseu, o santo homem de Deus.

 Mas se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo



por isso condenados pela lei como transgressores”. (Tiago 2:9)
II Rs 6:15 – “E o moço do homem de Deus se levantou mui cedo e saiu, e eis que um exército tinha cercado a cidade com cavalos e carros; então, o seu moço lhe disse: Ai! Meu Senhor! Que faremos?”.

- Imagine o susto que Geazi tomou, ele volta e diz ao profeta Eliseu o que estava lá fora, mas o profeta confiava no SENHOR, ele traz uma linda resposta a Geazi (leia os versículo 16-17) veja o que Geazi viu. Será que hoje é diferente? Não! Na hora de grandes apertos e lutas nós não sabemos o que fazemos, colocamos a mão em nossa cabeça, e alguns realmente chega a desesperar. Será difícil hoje confiar inteiramente em Deus? Não seja crente Geazi sem visão, Ele não vê Jesus salvar no culto, Baptizar com Espírito Santo, renovar famílias, pra ele aquele culto não está dando nada, só dá certo se ver irmãos gritando, batendo nas cadeiras no puro reteté, isso não é poder de Deus, poder de Deus não precisa escandalizar e nem gritar até mesmo no silêncio vemos o poder de Deus, sou pentecostal e sei que quando sentimos o real poder de Deus não aguentamos, poder de Deus não traz escândalos e sim renovo, poder de Deus sem ordem não é poder de Deus e sim fantoche dentro da igreja. Saia do lugar que limita sua visão, e veja o que e verdadeiramente o poder de Deus em sua igreja. Geazi já tinha perdido a visão há muito tempo, mas tudo tem um princípio: Mentiroso, de olho nas coisas mundanas, incrédulo, mediante a um exército ele se desespera, mas uma vez grita pelo profeta. Tem crentes hoje assim, criticam o líder, falam mentira, berganha tantas coisas do mundo que acaba perdendo a visão do céu e da obra, quando a luta chega grita pelo pastor da igreja, esta na hora destes crentes acordarem e assumirem seus erros e suas atitudes erróneas, quando digo assumir é mudar de atitude.


O Restante da História


2 Reis 8.1-6 –


1 “E FALOU Eliseu àquela mulher cujo filho ele ressuscitara, dizendo: Levanta-te e vai, tu e a tua família, e peregrina onde puderes peregrinar; porque o SENHOR chamou a fome, a qual também virá à terra por sete anos.”

2 “E levantou-se a mulher, e fez conforme a palavra do homem de Deus; porque foi ela com a sua família, e peregrinou na terra dos filisteus sete anos.”

3 “E sucedeu que, ao fim dos sete anos, a mulher voltou da terra dos filisteus, e saiu a clamar ao rei pela sua casa e pelas suas terras.”

4 “Ora o rei falava a Geazi, servo do homem de Deus, dizendo: Conta-me, peço-te, todas as grandes obras que Eliseu tem feito.”

5 “E sucedeu que, contando ele ao rei como ressuscitara a um morto, eis que a mulher cujo filho ressuscitara clamou ao rei pela sua casa e pelas suas terras.

Então disse Geazi: Ó rei meu senhor, esta é a mulher, e este o seu filho a quem Eliseu ressuscitou.”

6 “E o rei perguntou à mulher, e ela lho contou. Então o rei lhe deu um oficial, dizendo: Faze-lhe restituir tudo quanto era seu, e todas as rendas das terras desde o dia em que deixou a terra até agora.”
Introdução:

Conhecemos essa história, relatada detalhadamente em 2 Reis 4.


Eliseu profetiza sobre a vida da mulher e ela tem um filho. Passados alguns anos o filho morre, Eliseu ora e o filho ressuscita. Após o episódio da ressurreição, Eliseu avisa a mulher para que ela peregrine pela terra durante algum tempo, pois Deus havia chamado a fome sobre a terra. É fácil ter fé em Deus – até que o próximo revés nos cegue, jogando-nos contra a parede. Quando tentada a se perguntar se o seu problema é maior do que Deus, lembre-se do restante da história – isto é, a história da mulher sunamita. Você se lembra de como o profeta Eliseu orou para que ela e seu esposo tivessem um filho. Deus, através de Eliseu, restituiu a vida ao garotinho dessa mulher depois de a criança ter morrido de insolação. Mas II Reis nos conta que a mulher sunamita passou por uma série de reveses, mais tarde na sua vida. Uma fome em Israel forçou-a a morar entre os filisteus por sete anos. O contexto sugere que a essa altura dos acontecimentos ela era viúva. Enquanto isso, lá na sua propriedade em Suném, grileiros oportunistas haviam usurpado a riqueza e propriedade da mulher ausente. Retornando a Israel, a viúva sunamita decide apresentar seu desesperançado apelo ao novo rei de Israel. Uma vez mais, a manifestação da graça de Deus em sua vida começa a desdobrar-se com a rapidez estonteante do desfecho impossivelmente tramado de uma novela. Geazi, o servo de Eliseu, por acaso se encontra na sala do trono quando a mulher entra. O rei, só por acaso, está entrevistando Geazi acerca de uma história que ele ouviu contar sobre Eliseu ressuscitando o filho de certa mulher. E exactamente aquela mulher por acaso entra enquanto Geazi está recontando a história. Ouvindo a voz dela, Geazi dá um salto e exclama com entusiasmo: “Ó rei, essa é a mulher!” Profundamente impressionado, o rei incumbe depressa um oficial para garantir que a sunamita possa ter a reintegração de sua propriedade e posses. Além disso, o rei ordena que o oficial recolha, em benefício da mulher, todos os centavos que lhe são legalmente devidos pela colheita em suas terras nos últimos sete anos! O restante da história da sunamita revela as boas-novas de que Deus é maior que qualquer problema que Suas filhas fiéis venham a sofrer. Qual é seu mais recente revés, temor ou sofrimento? Sem mais demora, por que não levá-lo ao Rei Jesus? Ele não só pode restituir a perda, como também ficará feliz em escrever – com Sua grande pena do amor – o restante de sua história também.

Assim ela fez, e peregrinou por 7 anos. O texto que lemos acima conta o que aconteceu exactamente após 7 anos.

A mulher voltou para sua terra ela percebeu que toda a sua riqueza havia sido roubada e destruída, e procurou o rei para pedir restituição. Quando ela se apresentou diante do rei, encontrou Geazi, o ajudante do profeta Eliseu, que contava ao rei todos os detalhes do milagre que Deus realizou através de Eliseu, há 7 anos.

Poderíamos chamar isso de coincidência? Eu chamaria de “propósitos de Deus”. Mas o rei, espantado com a suposta coincidência, perguntou a mulher se era tudo verdade. Ela confirmou as palavras de Geazi, e mostrou o filho para o rei. Parece-me que Geazi aqui aprendeu a não falar mais mentiras e sim contar os milagres que ele viu através do profeta Elizeu.

Imediatamente o rei mandou que fosse restituído todos os seus bens.

Eu vejo nessa história, 4 tipos de pessoas e 4 tipos comuns de religião, que muitas vezes se manifestam até mesmo pelo povo de Deus.


1) A RELIGIÃO DOS QUE VIVEM DE OUVIR:

O REI representa esse primeiro tipo de religião. Rei tem status, respeito, riqueza, poder, autoridade, servos, servas. Basta uma palavra e ele recebe em suas mãos tudo o que deseja.

Reis acreditam que não precisa de nada. Nem precisam de Deus.
Não vemos Jesus perder muito tempo com “reis”. É por isso que Jesus diz que é mais fácil um camelo passar pelo buraco da agulha do que um rico entrar no reino de Deus. (Mt 19.24)

Os poderosos são auto-suficientes, arrogantes, e se satisfazem em ter uma religião de ouvir falar. É por isso que muitas vezes Deus nos manda para o “vale” com o propósito de nos quebrantar.

A religião do ouvir falar é conhecida por muitos. Vivem de ouvir testemunhos, ouvir salmos, ouvir louvores, ouvir rádio, ouvir pregações. Não buscam conhecer à Deus. Se satisfazem apenas em ouvir falar. Estes podemos chamar que são religiosos que vem so aos domingos para ouvirem e não praticarem.

Outra característica desse tipo de religioso é a acção de boas obras com o propósito de garantir a salvação. Realmente devemos praticar muitas boas obras, mas isso não deve ser indicador de salvação de ninguém.

Quando nossa “religião” não é a religião (re-ligação) que Deus deseja de nós, sentimos um sentimento de culpa e insatisfação espiritual, e muitos procuram justificar essa culpa com a acção de boas obras. Observe que o rei em questão mandou que fossem restituídos os bens daquela mulher.


2) A RELIGIÃO DOS QUE VIVEM DE FALAR:


Geazi tinha um dos caracteres mais vergonhosos que posso encontrar na bíblia. Mentiroso. Ladrão. Quando Eliseu delegou autoridade para que ele ressuscitasse o menino, ele fraquejou (Cap.4). Tinha olhos carnais, enquanto os de Eliseu eram espirituais. Lendo os primeiros capítulos do II Livro dos reis, entendemos a “leprosa” personalidade de Geazi.

Porém nem toda essa falta de carácter impediu que ele fosse um bom “pregador”. Geazi era um “forrest gump – o contador de histórias”.

Era tão bom contador de histórias, que até mesmo ao rei ele conseguiu contar suas histórias.

Porém, se ele contasse sobre a sua participação nas histórias, o rei veria qual fracasso era a vida de Geazi.

Tem religiosos assim: Populares por suas mensagens e testemunhos. Pregam até em castelos e grandes templos, porém quando olhamos para sua vida pessoal, misericórdia!. Vamos para de contar histórias e mostrar com as nossas atitudes, comportamento e maturidade crista que temos uma vida intima com Deus.

Nem quero entrar em detalhes, senão vão me chamar de pastor João Batista.




3) A RELIGIÃO DOS QUE VIVEM DE FAZER:

Eliseu era um grande exemplo do poder de Deus. Suas histórias relatadas em 2 Reis são poderosas. Eliseu até depois de morto ressuscitava outros mortos. Acho que no antigo testamento, ninguém teve tanto poder em sua vida quanto Elizeu. Não tenho nada contra isso, inclusive quero ter poder de Deus em minha vida, porém tem muita gente que só busca poder. O que vejo na história de Eliseu é que ele apreciava Elias pelo poder de Deus que ele manifestava. Muito crente aprecia outras pessoas porque querem ter o poder dado a Deus para aquela pessoa.

Eliseu pediu “porção dobrada do poder de Elias”. Com esse poder ele amaldiçoou crianças e 2 ursas despedaçaram mais de 40 garotos.

Para quê você quer poder? Leia em Is 61:1

Entende meu amado irmão, muitos hoje querem fazer a obra do SENHOR mas de qualquer maneira, é incrível vermos hoje pastores aceitando isso dentro da igreja, querem poder mas são crentes celulares que ficam desligados das coisas de Deus quase o culto todo. Na hora do louvor, da pregação, do jejum, da oração, estão totalmente desligados, são crentes que vivem de fazer mas não fazem. (religiosos). Vivem de aparência espiritual, muito poder e pouco ensino.

O poder de Deus na sua vida hoje é para pregar o evangelho que traz esperança, salvação e a graça de Deus Pai. Isaías já dizia no capítulo 61 que o Espírito do Senhor Jeová está sobre mim, pra que? No mesmo versículo ele explica. Deus quer que o poder dele esteja em nós para ganharmos almas para Cristo. E não amaldiçoar seu irmão em Cristo. Tem crente e obreiro que quer poder igual de Elizeu pra que? Pra amaldiçoar e ver a morte de jovens? A igrejas que só visam poder, mas não sabem usar! Isaías soube Is 61:1-3.


4) A RELIGIÃO DOS QUE VIVEM PARA DEUS:

Porém eu fico impressionado com a mulher e seu filho, que nem a bíblia relata os nomes. Não tinham poder mas “eram testemunhas do poder de Deus”.

Não saiam pra contar testemunhos, mas as pessoas viam os seus testemunhos, e se maravilhavam com eles.

Não viviam de ouvir histórias, mas entraram para a história glorificando ao poder de Deus.

Esse tipo de pessoa, quando chega, o contador de história se cala e os reis testemunham do verdadeiro poder de Deus. O rei ao olhar pra ela viu uma mulher que vivia para Deus e cria em milagres pois sua vida testemunhou isso ao rei.

Não conte história, mas faça a história e tenha uma vida cheia do poder de Deus.

Que tipo de pessoa você é? Qual é o tipo de sua comunhão com Deus?



Fica apenas algumas características da vida de Geazi, o jovem que assistia a vida do profeta Eliseu, isso fica de exemplo, pois Deus sabe que nós hoje em pleno século XXI, fazemos a mesma coisa, ao vermos o exemplo da vida de Geazi, vigiemos mais, oremos e fazemos de tudo para mantermos a nossa coroa no céu. JESUS ESTÁ VOLTANDO!
Elaborado Pr. Mario Nobrega
Deus lhe abençoe!



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal